Pela mãe de Victoria

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

tina vivi

Na manhã desta quinta-feira, o Anjo da Guarda de Victoria enfrentará outra prova entre tantas que já enfrentou. O anjo é a mãe da menina, a mulher da minha vida, Cristina, a minha Tina, quem me dá sentido à existência há 34 maravilhosos anos. A prova é uma cirurgia.

Tina vinha carregando há meses suas dores, suas quedas brutais de pressão arterial, um mal-estar que, só depois fiquei sabendo pelo médico, faria qualquer um arrastar-se por aí aos prantos.

Ela, não. Porque essa mulher é uma Valquíria. Enfrenta a entidade monstruosa que é a doença da Filha sem jamais dar um passo atrás, sem sequer cogitar cuidar das feridas que a refrega lhe acarreta. E sempre com um sorriso doce, porém desafiador no rosto.

Em julho, a filha expatriada chega do outro lado do mundo e convence a mãe a aceitar uma trégua na batalha interminável que lhe norteia a vida. E a leva ao médico.

Descobrem que Tina tem cálculos na vesícula. E, nesse caso, a única solução é uma cirurgia – considerada simples – de retirada do órgão. Simples como é, porém, não deixa de ser uma cirurgia. A anestesia é geral, tem que usar o respirador artificial…

A apreensão não chega a ser exagerada por conta de que o estágio do problema avançou um pouco mais do que deveria porque o Anjo da Guarda de Victoria não queria dar a si mesma tempo para algo mais do que velar pela protegida.

Devo ser culpado, também, por não ter tido o pulso firme que teve a filha Gabriela ao levar a mãe “na marra” ao médico…

Na quarta-feira pela manhã, Tina – após uma noite insone suportando dores e quedas de pressão – despertou-me com a notícia quase inacreditável de que Victoria estava com febre alta.

Ao longo do dia, Victoria melhorou um pouco – mas continua precisando do tubo de oxigênio para respirar de maneira eficiente. Já a febre, refluiu. Contudo, tragicamente o quadro dela impedirá que a mãe enfrente a cirurgia com a serenidade necessária.

A família de Victoria e profissionais que atendem minha filha suspeitam de que essa foi a forma da menina de “protestar” contra o afastamento involuntário da mãe.

Confesso que não tenho cabeça para mais nada. A única coisa que me importa nesta vida, no momento, é a chegada do momento de abraçar minha amada de novo.

Provavelmente, só terei notícias dela na tarde desta quinta-feira (22). Não sei a hora.

Mas hoje, como ontem, o dia é da família. Estaremos reunidos em espírito; alguns um pouco mais perto, outros um pouco mais longe. Todos, no entanto, por Tina – e, consequentemente, por Victoria, pois uma é extensão da outra.

A todo aquele que vier a ler estas palavras, imploro por um pensamento pela mãe de Victoria, pela mulher da minha vida, pela pessoa mais humana, mais humilde, mais generosa, mais fiel, mais corajosa que conheci em toda a minha vida.

Trata-se de uma mulher que, no passado, chegou a recolher um farrapo humano que vivia jogado no meio da “nossa” rua – abandonado por família, amigos, pela sociedade – e levá-lo para o abrigo de nossa casa nas noites em que se entregava à bebida além da conta.

Trata-se da mulher que acompanha cada agrura de uma enfermeira que cuidou por algumas semanas da nossa filha e que está vivendo um drama terrível, com o esposo desenganado, três filhas pequenas e uma sogra para sustentar; ela ajuda a moça de todas as formas.

E ninguém fica sabendo.

Trata-se da mulher que, assaltada por um menor ao parar em um semáforo, conseguiu desarmá-lo, colocou-o no carro, levou-o para lanchar, passou-lhe um sermão e depois o entregou na porta de casa, na favela em que o pequeno residia.

Trata-se da mulher que nunca, jamais me deixou desanimar. Que quanto mais complicada fosse a nossa situação, dizia, com ar despreocupado e um sorriso no rosto, que eu iria “tirar de letra”.

Tina é uma dessas pessoas que veio ao mundo para levar felicidade às pessoas. No condomínio em que residimos, certa feita conversava com funcionários e eles fizeram questão de ressaltar quanta admiração sentiam por minha esposa por estar sempre com um sorriso no rosto apesar das agruras que enfrenta ao lado da filha doente.

Tina sabe o dia do aniversário de todos aqueles que conhece. São dezenas e dezenas de pessoas. De grande parte, ela sabe a data de cabeça. Para não esquecer da outra parte, mantém sempre junto a si uma agenda que todo dia consulta para saber a quem deve parabenizar.

A madrugada avança e não posso sequer pensar em relaxar enquanto tudo isso não acabar e ela estiver novamente velando por mim, por Victoria e por nossos outros filhos e netas. E por todos mais aos quais ela ama – e ela ama muita gente, creia-me.

A voz doce e tão profundamente feminina, o rosto em que a beleza fez moradia, a beleza que os anos não furtaram, o coração do tamanho do universo. Essa é a mulher da minha vida. É por ela – e Victoria – que imploro pela torcida de quem vier a ler isto a tempo.

248 Comentário

  1. Prezado Eduardo:

    TUDO DARÁ CERTO, TUDO FICARÁ BEM e o “rosto que fez moradia”, como o senhor se refere a Sra. Tina ficará mais doce diante de ti, depois de tudo. Esteja firme!

  2. Edu,

    Sua esposa está em nossas preces. E vai continuar. E mais: ela, você , a Victoria, e toda a sua família também.
    Gostaríamos de saber , eu e minha família, se está tudo bem. Dê-nos notícias.

    Paz e Bem

    Sijo Somiko

  3. Certamente a cirurgia será um sucesso amigo. Vamos um dia aqui nesse blog rir de todos esses momentos que passou e está passando. Vida longa ao senhor e toda a sua família.

  4. Edu,

    Só agora estou lendo o seu post. Com fé em Deus tudo deve ter corrido bem! Somos todos uma torcida em prece para que vocês superem mais este obstáculo da vida.

  5. Eu e a minha esposa estaremos orando por esta família,não se preocupe Eduardo DEUS está no controle.

  6. Eduardo, tenha fé, que tudo dará certo. Que Deus os iluminem.

  7. Fiz um comentário ontem, chegou a ser publicado e desapareceu. Foi alguma inconveniente que escrevi? É só para eu me situar, viu.
    Abs
    Zilton

  8. Eduardo, como não se comover com tal relato e com tal MULHER? Esta tua amada é uma grande mulher, um espírito extraordinário. li tarde, hoje, dia 24, mas ela está em meus pensamentos. faço terapia a distancia para ambas, tua filha e tua amada. Fé. e esperança em teu coração amante, Eduardo. Abraços.

  9. Leia as últimas mensagens de Nossa Senhora em Itapiranga no Amazonas, não precisamos de aparições importadas de França ou Polônia. A mãe de Jesus está aparecendo bem aqui no Amazonas para um rapaz humilde e simples que não tinha nem televisão.

  10. Que Deus ilumine a Tina e todos de sua família. Tudo dará certo. Que as mãos do cirurgião tenham sido guiadas pela luz do Espírito Santo.

  11. Olá Edu,
    Não professo religião nenhuma e sou ateu confesso. Entretanto não posso me furtar a compreender a sua dor e a ela ser solidário. Eu já perdi uma filha, que nasceu anencéfala e com várias má formações coronarianas e pulmonares. Ela, Joana, ficou entre nós poucos minutos, deixando uma dor quase insuportável na equipe que a assistia no parto e sobretudo no pai e na mãe.
    Força e coragem Edu, não só para você como para a quem você, carinhosamente, chama de Tina.
    Um grande abraço do seu leitor diário
    César Mourão

  12. Eduardo,
    Deus é grande. Estamos rezando por vocês.
    Um forte abraço.

  13. Estarei rezando muito por esta família maravilhosa!!!

  14. Hoje, li a notícia. Fique tranquilo, Edu. Tudo vai dar certo. O Pai está no comando. Um abração!

  15. Li neste momento, Eduardo. Estou entre as centenas torcedores. Cristina há de se recuperar em breve.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.