Manifestações de 20/8 não são “governistas”, mas são de esquerda

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

manifestação

A mídia corporativa tratou de noticiar com grande destaque um dito “racha” entre os movimentos sociais e sindicais que convocaram a manifestação de 20 de agosto. A Folha de São Paulo, por exemplo, colocou a informação no alto de sua primeira página sob a manchete “Organizadores racham antes de atos pró-governo”.

esquerda 1

Segundo o jornal, “o PSOL e o MTST rechaçam tom pró-governo nas manifestações desta quinta (20); CUT e UNE criticarão ‘golpismo’”.

Como este texto está sendo escrito antes de manifestações convocadas para ocorrer em ao menos 15 capitais, não se sabe quanto a mídia irá explorar declarações de lideranças do PSOL e do MTST contra o “tom pró-governo” que essas duas organizações não querem que seja dado a esses atos públicos, mas já se pode prever que, se reunirem bastante gente, com certeza um Jornal Nacional da vida tratará de divulgar que os atos tiveram sucesso porque não foram a favor do governo.

Este blogueiro participou de ao menos uma reunião sobre essas manifestações. De fato, existe essa posição do PSOL e do MTST.

Pelo lado do PSOL, é possível entender o repúdio ao “governismo” nessas manifestações. Apesar de setores do partido estarem preocupados com o avanço da direita, outros setores acham que poderão lucrar com a derrocada petista; o PSOL tornar-se-ia o novo PT, ou seja, seria beneficiário dos votos de esquerda que antes recaiam sobre o PT. Para um partido que tem 5 deputados federais e 1 senador, o que viesse seria lucro.

Porém, pelo lado do MTST não dá para entender o repúdio à defesa do mandato de Dilma Rousseff; um movimento que promove ocupações de imóveis que proprietários ricos mantêm vazios e cuja posse lhes serve de “reserva de valor” deveria temer a ascensão de partidos como o PSDB ao poder e, muito mais, a derrubada de um governo com o qual é possível movimentos sociais dialogarem. Um governo tucano esmagaria o MTST.

Além disso, parte da pauta dos manifestantes é de literal oposição ao governo Dilma, como a parte que pede a cabeça do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, e o fim do ajuste fiscal – como se houvesse a menor possibilidade de uma economia sobreviver mantendo a despesa maior do que a receita.

Alguém menos paciente diria que o MTST e o PSOL estão na manifestação errada, pois na manifestação do último domingo (16/8) havia uma ínfima minoria discordante da agenda ultraconservadora em curso no Brasil mas que quer Dilma e o PT fora do poder. Segundo o Datafolha, inclusive, 2% dos manifestantes do último domingo votariam em Lula e mais 2% em Luciana Genro, do PSOL.

Claro que não pegaria bem um PSOL e um MTST participarem de uma manifestação em que grande parte do público pregou golpe militar e defendeu sonegação fiscal, de modo que essas organizações decidiram fazer, nesse 20/8, um protesto “pela esquerda” contra a agenda governista, mas, também, contra a agenda ultraconservadora do PSDB e de Eduardo Cunha.

Ao fim, setores do PSOL – como a ala ligada à ex-candidata a presidente Luciana Genro – desistiram de ir ao protesto antifascista enquanto que o PC do B se recusou a assinar o manifesto que embasa os atos por conter críticas ao governo.

A frase mais impressionante dos oposicionistas de esquerda coube ao líder do MTST, Guilherme Boulos. Segundo ele, sua entidade não aceita que os atos de 20 de agosto sejam “só” em defesa da democracia…

Essa postura do PSOL e do MTST por certo será aproveitada pela direita no que diz respeito à defesa da democracia e do mandato constitucional da presidente da República, mas, assim mesmo, um ato cem por cento de esquerda constitui uma espécie de aviso à direita.

O recado é, mais ou menos, o de que aquilo que une a direita é destruir o PT e derrubar Dilma. Se esse objetivo for alcançado, esses movimentos de direita favoráveis ao golpe irão se dissipar ou perderão muita força enquanto que a esquerda continuaria unida contra as pautas previsíveis pautas ultraconservadoras do novo governo que assumisse.

Quem entende o que está acontecendo na economia sabe que tirar Dilma do poder e esmagar o PT não iria resolver a crise econômica. Os problemas continuariam, ainda que a mídia tratasse de atribuir tudo à “herança maldita do PT”.

Porém, agora, com o golpe dado, a esquerda estaria finalmente unida. O que sobrasse do PT estaria nas ruas de braços dados com o PSOL, o MTST e outros que fazem oposição a Dilma “pela esquerda”. As manifestações esquerdistas, portanto, seriam vitaminadas. O país iria parar, mas só depois do golpe.

Com a população continuando a sofrer enquanto assiste manifestações acusando o novo governo, em breve esse governo estaria amargando altos índices de impopularidade tanto quanto o de Dilma ou mais, porque, assim como os tucanos acusam Dilma de “estelionato eleitoral” se fossem os beneficiários do golpe e estivessem no poder também seriam acusados da mesma coisa, já que estão vendendo que basta derrubar o atual governo para tudo se resolver como que por mágica.

Ao fim e ao cabo, portanto, essas manifestações não serão úteis para mostrar à sociedade que o golpe não será fácil, mas para mostrar que os golpistas não terão vida fácil no pós-golpe. O que resta saber é se um governo de ultradireita que venha a ter o apoio da mídia, da Justiça, do Ministério Público e da maioria esmagadora do Legislativo, irá se assustar.

Antes de o PT chegar ao poder, os movimentos sociais e sindical cansaram de fazer manifestações enormes e nem por isso conseguiram muita coisa. Entre 1989 e 2002 – durante 13 anos – bradaram no deserto enquanto o PSDB e sua mídia vendiam o país a troco de banana (privataria tucana).

Por outro lado, se houver golpe e a crise, previsivelmente, não se dissipar – e até se agravar, do ponto de vista do bem-estar social – a sociedade ficará mais sensível aos protestos enormes de esquerda que eclodirão. Esse é o cálculo do PSOL, do MTST e de todo esquerdista que se recusa a defender “só” a democracia.

*

Confira o manifesto dos atos de quinta-feira (20/8)

Sairemos às ruas de todo o Brasil

Dia 20/08/2015 Quinta-feira Vamos sair às ruas de todo o Brasil para exigir respeito à Democracia.

Estaremos nas ruas de todo o país neste 20 de agosto em defesa dos direitos sociais, da liberdade e da democracia, contra a ofensiva da direita e por saídas populares para a crise.

– Contra o ajuste fiscal! Que os ricos paguem pela crise!

A política econômica do governo joga a conta nas costas do povo. Ao invés de atacar direitos trabalhistas, cortar investimentos sociais e aumentar os juros, defendemos que o governo ajuste as contas em cima dos mais ricos, com taxação das grandes fortunas, dividendos e remessas de lucro, além de uma auditoria da dívida pública. Somos contra o aumento das tarifas de energia, água e outros serviços básicos, que inflacionam o custo de vida dos trabalhadores. Os direitos trabalhistas precisam ser assegurados: defendemos a redução da jornada de trabalho sem redução de salários e a valorização dos aposentados com uma previdência pública, universal e sem progressividade.

– Fora Cunha: Não às pautas conservadoras e ao ataque a direitos!

Eduardo Cunha representa o retrocesso e um ataque à democracia. Transformou a Câmara dos deputados numa Casa da Intolerância e da retirada de direitos. Somos contra a pauta conservadora e antipopular imposta pelo Congresso: Terceirização, Redução da maioridade penal, Contrarreforma Política (com medidas como financiamento empresarial de campanha, restrição de participação em debates, etc.) e a Entrega do pré-sal às empresas estrangeiras. Defendemos uma Petrobrás 100% estatal. Além disso, estaremos nas ruas em defesa das liberdades: contra o racismo, a intolerância religiosa, o machismo, a LGBTfobia e a criminalização das lutas sociais.

– A saída é pela Esquerda, com o povo na rua, por Reformas Populares!

É preciso enfrentar a estrutura de desigualdades da sociedade brasileira com uma plataforma popular. Diante dos ataques, a saída será pela mobilização nas ruas, defendendo o aprofundamento da democracia e as Reformas necessárias para o Brasil: Reforma Tributária, Urbana, Agrária, Educacional, Democratização das comunicações e Reforma democrática do sistema político para acabar com a corrupção e ampliar a participação popular.

A rua é do povo!

20 de Agosto em todo o Brasil!

ASSINAM:

Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) / Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) / Central Única dos Trabalhadores (CUT) / Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) / Intersindical – Central da Classe Trabalhadora/ Federação Única dos Petroleiros (FUP) / União Nacional dos Estudantes (UNE) / União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) / Rua – Juventude Anticapitalista / Fora do Eixo / Mídia Ninja / União da Juventude Socialista (UJS) / Juntos / Juventude Socialismo e Liberdade (JSOL) / Associação Nacional de Pós Graduandos (ANPG) / Federação Nacional dos Estudantes do Ensino Técnico (Fenet) / União da Juventude Rebelião (UJR) / Uneafro / Unegro / Círculo Palmarino / União Brasileira das Mulheres (UBM) / Coletivo de Mulheres Rosas de Março / Coletivo Ação Crítica / Coletivo Cordel / Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras) / Igreja Povo de Deus em Movimento (IPDM)

PARTIDOS QUE APOIAM O ATO:

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) / Partido Comunista do Brasil (PC do B)

*

Confira os locais dos atos de quinta-feira (20/8):

ARACAJU

Praça General Valadão – Ato unificado 14h

BRASÍLIA

Praça dos Aposentados (CONIC) – 17h

CAMPO GRANDE

Rua Barão do Rio Branco e 14 de julho – Ato unificado 16h

CURITIBA

Praça Santos Andrade  – Ato unificado às 11h

FLORIANOPOLIS

Praça da Alfândega – às 16h

FORTALEZA

Praça da Bandeira, em frente à Faculdade de Direito da UFC – 14h.

GOIÂNIA

Praça do Trabalhador – Atos às 10h e às 17h

JOÃO PESSOA

Lagoa Parque Solon de Lucena – à partir de 12h. Em seguida, mais de 7 ônibus de vários movimentos populares sairão em caravana rumo a Campina Grande, onde será realizada a manifestação.

MANAUS

Teatro Amazonas – Ato unificado 16h

PORTO ALEGRE

Igreja Pompéia – Ato unificado 14H

RECIFE

Praça do Derby – 15h

RIO DE JANEIRO

Concentração na Candelária 16h, passeata Av. Rio Branco 17h, e ato/show/atividades culturais Cinelândia 18h.

SALVADOR

Praça Piedade e passeata até a Praça Castro Alves – Ato unificado 14h

SÃO LUIS

Praça Deodoro – Ato unificado 16h

SÃO PAULO

Largo da Batata – Ato unificado 17h

Tags: , , , , , , , , ,

103 Comentário

  1. Afinal fora 60 mil no largo do batata ou 37 mil conforme Datafolha?

  2. Oi José
    O que você andou consumindo para falar essas besteiras?!
    Mais tarde voce passa em alguma sede dos tucanos ou da grande mídia, leva esse comentário e pega a medalhinha da Tu Tux Canus.
    Saudações deste petralha que esteve ontem em SP.

  3. 37 mil? O Datafolha usa duas metodologias distintas para calcular presença em manifestações: se forem contra o governo, usam o método “aumenta, aumenta!”; se é contra a direita, usam o método “divida por dois isso aí!”. Imprensa e os institutos da direita não saõ mais fontes confiáveis de nenhum tipo de informação, fora aquelas totalmente objetivas. Alguém consiga umas imagens aéreas e faça a prova dos nove destes números.
    Ah, sim: no carnacoxinha tinha uns tontos com uma faixa onde se lia “Somos todos Cunhas.” Pergunto: vai ter cadeia pra enjaular tanta fera?

  4. EDUGUIM, confesso que tentei entender a censura a este meu comentário ..quem sabe, ao melhor interpretá-lo e assimilá-lo, isso não estaria ajudando a VOCÊ e ao governo de DILMA a interpretarem melhor as reações e insatisfações no MTST ..e com isso, em tempo, aprumarem melhor as políticas pra este segmento ? ..por isso me atrevo e insisto pra que reconsidere

    Respeitosamente

    Como não entender o repúdio do MTST ? ..francamente

    Eu que sou CONTRA, absurdamente contra seu método de atuação que promove cada vez mais a DETERIORAÇÃO do pouco de urbanidade que conseguimos ..

    ..um método que, ineficiente, violento, feito encima do ódio e do preconceito, colabora pra CINDIR a sociedade ao não agregar a simpatia e solidariedade mesmo entre os mais humildes ..um MÉTODO que joga, ou perpetua, que usa famílias inteiras em barracos e/ou favelas fétidas, em invasões que NÃO tem a menor condição de moradia..

    ..claro que eu entendo e me solidarizo com seus dramas ..e como ..faz DÉCADAS

    Aliás, de sua frustração com MAIS este des governo é que derivam muitas das minhas inquietações também

    Claro que eu entendo que com DILMA o preço da moradia EXPLODIU, puxado pelo andar de cima ..tornando o sonho da Casa própria, hoje, um delírio ..explodiu quer pelo excesso de crédito destinado a moradias pra classe média e rica que, atualmente, não se furtam a disporem de suas residências em troca da “segurança castelar” de seus condomínios ..quer pela falta de projeto de QUALIDADE e em quantidade, em tempo, pra turma mais humilde

    Convenhamos, aqui NINGUÉM há de negar que a inadimplência do Minha Casa esta extremamente alta, e justo pra quem “paga” R$ 80/mês (e recebe o BOLSO) ..convenhamos, tem coisa errada acontecendo ..ou na legislação, na moral cidadã ou na economia tb

    Agora, fala pra mim, quem conhece ..falar que esta “urbanizando” o país com aqueles conjuntos JOGADOS na periferia (ou no meio do mato como EU VI em GOIAS), de casas grudadas umas às outras, SEM MURO divisório, casas que a PRÓPRIA DILMA classificou como “favelinhas”, falar que aquelas coisas, tocadas pelas mesmíssimas empreiteiras de sempre, que ocupam MUITO MAL o solo (ao contrário se com pequenos edifícios), que são projetos bem elaborados e decentes pra muitos que esperaram uma vida inteira, é o fim.

    Aliás, o que dirá então da DEMORA, da falta de REFORMA nas leis (inclusive de EXECUÇÃO de espólio e de dividas com entidades públicas, leilão do INSS, BB, Estado etc etc) que ainda permitem com que os tais imóveis ociosos fiquem vazios nas cidades, esperando a especulação, desertificando e DETERIORANDO o entorno como acontece em muitas das capitais do ES, MG, RJ e SP

    ..nota – SP então é interessantíssimo ..o pobre continua sendo jogado pra longe, perto dos mananciais ..às vezes em condomínios horizontais e SEM GARAGEM ..em casas SEM acabamento ..isso enquanto no centro (Brás, Liberdade, Cambuci, principalmente no entorno da Av do Estado com seus galpões de antigas industrias abandonados, e na CIDADE da AMBEV por exemplo, ficam JOGADOS às traças ..e com METRÔ e infra encostados ..dá pra acreditar ??!!

    então é isso, se for pra ficar falando da falha dos projetos e soluções dados a estes tema, HABITAÇÃO URBANA, eu poderia ficar aqui citando dezenas e dezenas de outros tantos exemplos que me ocorrem (como no centro velho de SP) ..e sendo assim assim, sem duvida, e na certeza de carregar a razão, sentenciar que:

    SIM sim sim e sim ..eu entendo muito bem a REVOLTA da turma do MTST com este governo (só não concordo com seus métodos truculentos e que perpetuam, ou agravam ainda mais os problemas)

    e digo mais, a julgar pelo exemplo do MISSIVISTA que se diz “um progressistas de carteirinha” ..se ele que tem grande projeção diz que não entende tal insatisfação ..daqui eu ratifico o meu lamento dizendo que ESTAMOS mesmo perdidos em acreditar ainda nesta turma que se diz de “esquerda”

    Para o Minha Casa eu resumiria um conselho:

    SE QUISER FAZER, FAÇA direito !!! ..ou não se meta a besta

  5. Estive na manifestação ontem e fiquei feliz ao ver que a grande maioria que estava lá, apesar de não estar satisfeita com as medidas econômicas do governo, repudiavam, com mais veemência, o golpe que a direita pretende dar ao governo Dilma legitimamente eleito pelo povo (aliás, povo mesmo, no sentido do que esta palavra representa, e não aquele “povo” das manifestações da elite). De todos os discursos, achei o do Boulos o mais radical, como não poderia deixar de ser. Não defendeu o governo – um direito dele -, mas, ameaçou-o. Prometeu invadir as ruas caso o governo não cumpra com o lançamento do Minha Casa prometido para o dia 12 de setembro. Outros discursos, como o do dirigente da CUT, mesmo criticando as medidas econômicas do governo, repudiou veementemente as ameaças de impeachment. Palavras de ordem como “Não vai ter golpe” ou “Fora Cunha”, foram mais ouvidas do que qualquer outras cantadas pelos oradores relacionadas ao Levy, por exemplo. Foi, enfim, uma manifestação de arrepiar. Saí de lá emocionado.

  6. A Globo não cobriu ao vivo essa manifestação escondeu igual fez com a campanha das diretas já e convocou explicitamente o povo para a do dia 20.

  7. MARQUEM A PRÓXIMA NUM SÁBADO OU DOMINGO.

  8. A antiga sócial democracia se juntou com o antiga Arena, que virou PFL, que virou DEM. Ao invés das esquerdas serem burras deveriam fazer como fazem esses vorazes algozes do poder, que copiaram o que Goebbels fez durante o nazismo,como ministro da propaganda de Hittler, resumindo o segredo da ideologia: uma mentira dita cem vezes vira verdade. Portanto, derrubar um governo porque querem desviar o olhar sobre suas próprias corrupções , é porque querem simplesmente continuar a sua lógica também corrupta. Alguém duvida ou acham que foram todos honestos? Se acham que foram honestos se esqueceram ou são muito ingênuos.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.