FHC vê país com amnésia, por isso acusa PT de “não saber governar”

fhc capa

 

A televisão aberta está veiculando inserção publicitária do PSDB que constitui uma afronta ao povo brasileiro. No vídeo, Aécio Neves e José Serra aproveitam situação da economia que até parte da mídia antipetista já atribui ao comportamento da oposição.

Contudo, há uma participação, nesse vídeo, que é inaceitável. Quem fala é Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República (1995 – 2002) pelo PSDB. Eis a locução:

“Não sabem governar. Nós estamos assistindo, com os nossos olhos, a desmoralização do funcionamento do atual sistema político”.

Assista, abaixo, à prova de que o que vai relatado acima  não é invenção.

 

 

Ao fim dessa exibição insuperável de caradurismo e falta de respeito para com o povo brasileiro, o PSDB ainda tem a coragem de cravar uma frase que vai de encontro a tudo que o partido tem feito no âmbito de uma crise que não é só econômica, mas política.

 

psdb 1

 

Será mesmo que a oposição que o PSDB faz é “a favor do Brasil”? Quem diz o contrário não é este Blog, mas um veículo da grande mídia que ao longo dos governos do PT notabilizou-se por lhes fazer oposição cerrada.

Leia, abaixo, o que diz a Folha de São Paulo sobre a forma do PSDB e de outros partidos de oposição de exercerem seus papéis constitucionais.

 

FOLHA DE SÃO PAULO

29 de julho de 2015

EDITORIAIS

[email protected]

Quanto pior, pior

Mudança de perspectiva da nota de crédito do país aumenta importância de consenso político capaz de reerguer economia nacional

Marcado para esta quinta-feira (30), o encontro da presidente Dilma Rousseff (PT) com os governadores de todos os Estados adquiriu importância ainda maior com a decisão tomada terça-feira (28) pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s.

A companhia norte-americana alterou a perspectiva da nota de crédito do Brasil para negativa, aumentando as chances de o país perder o grau de investimento. Apenas um andar abaixo está a categoria especulativa, em que, aos olhos dos credores, é alta a possibilidade de calotes.

Nem mesmo os oposicionistas mais aguerridos deveriam desejar essa cereja podre no bolo estragado que se tornou a economia no governo Dilma. Agências como a S&P ficaram desacreditadas depois de 2008, pois não anteviram a crise que se desenhava nos EUA, mas suas avaliações não deixaram de interessar a quem procura porto seguro para o próprio dinheiro.

A expectativa crescente de que o Brasil venha a perder o atestado de bom pagador já produz efeitos: investidores exigem juros cada vez maiores para compensar os riscos e o dólar bate recordes de alta.

Tanto pior, já se considera que outras duas companhias, a Moody’s e a Fitch, podem fazer análise semelhante à da S&P, rebaixando a nota brasileira até o fim do ano.

Combater esse cenário sombrio deveria ser um objetivo de todos os que se importam com o futuro nacional, mesmo que não deem a mínima para o destino de Dilma.

Ao expor suas razões, a S&P reconhece mudanças neste segundo mandato da petista, mas afirma que aumentaram as incertezas na política e na economia. Diminuí-las, portanto, é um imperativo.

Tudo se resume, no fundo, à instabilidade da relação entre o Executivo e o Legislativo, agravada pelos desdobramentos da Operação Lava Jato e traduzida no comportamento pernicioso do Congresso.

Notoriamente incapaz de mobilizar deputados e senadores em torno de uma agenda positiva, a presidente Dilma Rousseff resolveu pedir ajuda aos governadores. Espera que eles convençam suas bancadas a rejeitar projetos que tornem ainda mais penoso o necessário ajuste das contas públicas.

Se mantido estritamente nesses termos, o encontro pode resultar em algo proveitoso. Muitas das medidas que ampliam os gastos têm impacto direto nos cofres estaduais.

Que fique claro: cobrar responsabilidade dos congressistas não significa aceitar conchavos ou dividir a culpa pelo descalabro atual. Esta cabe só ao governo Dilma, e a oposição decerto teria muito a perder se fosse vista como sócia da crise.

O país, contudo, terá ainda mais a perder se não houver renovados esforços na busca por soluções. Já se sabe quão venenosa pode ser uma oposição que aposta no lema “quanto pior, melhor”. Como atestam as agências de classificação de risco, quanto pior, pior.

Este Blog vem dizendo há meses que a crise econômica já poderia ter sido superada caso a oposição, a mídia e até a Operação Lava Jato não se comportassem como sabotadores da economia.

Nesse aspecto, a matéria da Folha simplesmente expõe a posição do mercado, do capital, que já começa a ficar preocupado com a irresponsabilidade de gente como esses três que protagonizam o vídeo que postei aí em cima.

FHC dizer que o PT não sabe governar é uma afronta ao povo brasileiro porque fazê-lo revela que o ex-presidente acha que o Brasil é um país de amnésicos idiotizados, incapazes de lembrar do que foi sua gestão desastrosa, com apagão, crise da dívida externa, monitoramento do FMI, desemprego e inflação recordes, abafamentos sucessivos de escândalos e investigações…

Para refrescar a memória do ex-presidente tucano e dos que lhe dão crédito, informo, abaixo, dados oficiais comparando o governo dele com os dos sucessores.

 

  1. Produto Interno Bruto:

2002 – R$ 1,48 trilhões

2013 – R$ 4,84 trilhões

 

  1. PIB per capita:

2002 – R$ 7,6 mil

2013 – R$ 24,1 mil

 

  1. Dívida líquida do setor público:

2002 – 60% do PIB

2013 – 34% do PIB

 

  1. Lucro do BNDES:

2002 – R$ 550 milhões

2013 – R$ 8,15 bilhões

 

  1. Lucro do Banco do Brasil:

2002 – R$ 2 bilhões

2013 – R$ 15,8 bilhões

 

  1. Lucro da Caixa Econômica Federal:

2002 – R$ 1,1 bilhões

2013 – R$ 6,7 bilhões

 

  1. Produção de veículos:

2002 – 1,8 milhões

2013 – 3,7 milhões

 

  1. Safra Agrícola:

2002 – 97 milhões de toneladas

2013 – 188 milhões de toneladas

 

  1. Investimento Estrangeiro Direto:

2002 – 16,6 bilhões de dólares

2013 – 64 bilhões de dólares

 

  1. Reservas Internacionais:

2002 – 37 bilhões de dólares

2013 – 375,8 bilhões de dólares

 

  1. Índice Bovespa:

2002 – 11.268 pontos

2013 – 51.507 pontos

 

  1. Empregos Gerados:

Governo FHC – 627 mil/ano

Governos Lula e Dilma – 1,79 milhões/ano

 

  1. Taxa de Desemprego:

2002 – 12,2%

2013 – 5,4%

 

  1. Valor de Mercado da Petrobras:

2002 – R$ 15,5 bilhões

2014 – R$ 104,9 bilhões

 

  1. Lucro médio da Petrobras:

Governo FHC – R$ 4,2 bilhões/ano

Governos Lula e Dilma – R$ 25,6 bilhões/ano

 

  1. Falências Requeridas em Média/ano:

Governo FHC – 25.587

Governos Lula e Dilma – 5.795

 

  1. Salário Mínimo:

2002 – R$ 200 (1,42 cestas básicas)

2014 – R$ 724 (2,24 cestas básicas)

 

  1. Dívida Externa em Relação às Reservas:

2002 – 557%

2014 – 81%

 

  1. Posição entre as Economias do Mundo:

2002 – 13ª

2014 – 7ª

 

  1. PROUNI – 1,2 milhões de bolsas

 

  1. Salário Mínimo Convertido em Dólares:

2002 – 86,21

2014 – 305,00

 

  1. Passagens Aéreas Vendidas:

2002 – 33 milhões

2013 – 100 milhões

 

  1. Exportações:

2002 – 60,3 bilhões de dólares

2013 – 242 bilhões de dólares

 

  1. Inflação Anual Média:

Governo FHC – 9,1%

Governos Lula e Dilma – 5,8%

 

  1. PRONATEC – 6 Milhões de pessoas

 

  1. Taxa Selic:

2002 – 18,9%

2012 – 8,5%

 

  1. FIES – 1,3 milhões de pessoas com financiamento universitário

 

  1. Minha Casa Minha Vida – 1,5 milhões de famílias beneficiadas

 

  1. Luz Para Todos – 9,5 milhões de pessoas beneficiadas

 

  1. Capacidade Energética:

2001 – 74.800 MW

2013 – 122.900 MW

 

  1. Criação de 6.427 creches

 

  1. Ciência Sem Fronteiras – 100 mil beneficiados

 

  1. Mais Médicos (Aproximadamente 14 mil novos profissionais): 50 milhões de beneficiados

 

  1. Brasil Sem Miséria – Retirou 22 milhões da extrema pobreza

 

  1. Criação de Universidades Federais:

Governos Lula e Dilma – 18

Governo FHC – zero

 

  1. Criação de Escolas Técnicas:

Governos Lula e Dilma – 214

Governo FHC – 11

De 1500 até 1994 – 140

 

  1. Desigualdade Social:

Governo FHC – Queda de 2,2%

Governo PT – Queda de 11,4%

 

  1. Produtividade:

Governo FHC – Aumento de 0,3%

Governos Lula e Dilma – Aumento de 13,2%

 

  1. Taxa de Pobreza:

2002 – 34%

2012 – 15%

 

  1. Taxa de Extrema Pobreza:

2003 – 15%

2012 – 5,2%

 

  1. Índice de Desenvolvimento Humano:

2000 – 0,669

2005 – 0,699

2012 – 0,730

 

  1. Mortalidade Infantil:

2002 – 25,3 em 1000 nascidos vivos

2012 – 12,9 em 1000 nascidos vivos

 

  1. Gastos Públicos em Saúde:

2002 – R$ 28 bilhões

2013 – R$ 106 bilhões

 

  1. Gastos Públicos em Educação:

2002 – R$ 17 bilhões

2013 – R$ 94 bilhões

 

  1. Estudantes no Ensino Superior:

2003 – 583.800

2012 – 1.087.400

 

  1. Risco Brasil (IPEA):

2002 – 1.446

2013 – 224

 

  1. Operações da Polícia Federal:

Governo FHC – 48

Governo PT – 1.273 (15 mil presos)

 

  1. Varas da Justiça Federal:

2003 – 100

2010 – 513

 

  1. 38 milhões de pessoas ascenderam à Nova Classe Média (Classe C)

 

  1. 42 milhões de pessoas saíram da miséria

 

FONTES:

47/48 – http://www.dpf.gov.br/agencia/estatisticas

39/40 – http://www.washingtonpost.com

42 – OMS, Unicef, Banco Mundial e ONU

37 – índice de GINI: www.ipeadata.gov.br

45 – Ministério da Educação

13 – IBGE

26 – Banco Mundial

 

Claro que, neste momento, a situação parou de melhorar e até piorou um pouco, mas se pegarmos 12 anos de PT (2003 – 2014) e compararmos com 8 anos de PSDB, veremos que os problemas está acontecendo após mais de uma década de bonança, de crescimento do emprego, da renda e de melhoria dos indicadores sociais.

Um presidente que largou o país com 12% de inflação, 12% de desemprego, sem reservas internacionais e vigiado pelo FMI, entre outras desgraças, não pode fazer de conta que não teve problemas até piores que os de Dilma quando governou. E deveria ter, portanto, a compostura de não dizer que “eles não sabem governar”. Até em respeito à inteligência das pessoas.

Os três patetas do vídeo acima, porém, esquecem que mais da metade dos brasileiros votou contra eles no ano passado. Apesar dos problemas na economia, a maioria mostrou que não esqueceu do que foi o governo desses três no final dos anos 1990, começo dos anos 2000.

A Folha foi injusta com Dilma, apesar de ter criticado acertadamente a oposição. A crise era absolutamente contornável. O ajuste fiscal de 1,1% do PIB poderia ter ocorrido rapidamente e a esta altura estaríamos retomando o crescimento.

Durante reunião com ministros e o vice-presidente Michel Temer, na tarde de segunda-feira, porém, Dilma traduziu ainda melhor essa “oposição a favor do Brasil”; responsabilizou a Operação Lava-Jato por parte da queda do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano.

Ao discorrer sobre as dificuldades econômicas que o país enfrenta, a presidente citou a operação da Polícia Federal dizendo que provocou queda de um ponto percentual no PIB: “Para vocês terem uma ideia, a Lava-Jato provocou uma queda de um ponto percentual no PIB brasileiro

Diante de tudo isso, este Blog acredita que o oportunismo e a irresponsabilidade do PSDB não só já começam a revoltar quem tem um mínimo de apreço por seu país, mas, também, que apoio tucano à manifestação golpista que se avizinha poderá até esvaziá-la.

Muita gente que odeia o PT não quer ver o PSDB nem pintado de ouro.

O que o PSDB não percebe, portanto, é que a maioria esmagadora dos brasileiros pode até estar insatisfeita com o início do segundo governo Dilma, mas não é idiota a ponto de esquecer do quanto sofreu quando FHC e companhia governavam.

Tags: , , , , ,

111 Comentário

  1. Esta comparação entre os governos, todos nós já sabemos. O que há de substancial nisto é que a direita tenta de toda forma desqualificar os avanços ocorridos no governo do PT.

    Eles dizem que o PT fez oposição ferrenha e que tudo o que deu certo foi por causa do plano Real de FHC, e que tudo o que deu errado foi culpa do PT. Eles acham que somente o plano real seria o suficiente para se ter avanços, além disto, o plano real foi uma idealização do consenso de Washington, que procurava estabilizar moedas nos países do terceiro mundo e implantar uma cartilha conservadora de redução do Estado na economia. Quem implantou o Real no Brasil foi Itamar, FHC foi apenas a figura política, na forma do ministro da fazenda, que usaria isto como plataforma eleitoral.

    Tudo isto que eu disse acima, tanto é verdade, que Itamar ficou contra FHC após ele começar com a agenda conservadora de fato, que afundou o país e nos levou a maior de todas as catástrofes. Um governo que fez uma devastação sócio-econômica jamais vista, com falta de planejamento, falta de investimentos, reservas combalidas, alta dívida interna e externa, total dependência ao FMI e ao banco Mundial, total submissão aos EUA – inclusive FHC acredita piamente na teoria da dependência -, sucateamento das estatais, desemprego maciço, etc.

    O PT, na época, não fez uma oposição destrutiva, como faz o PSDB agora, na figura de Aécio Neves. Além de tudo, não havia movimentos golpistas como existe agora. Lula foi contra o Fora FHC. A grande mídia naquela época era contra movimentos golpistas, hoje, como em 64, ela é a favor. Ou seja, tudo é bem diferente do que a direita alega.

    Outro fato é que a crise de agora, em termos econômicos, é bem mais leve do que a ocorrida na época de FHC, que perdurou no seu segundo mandato. Se não fosse a sabotagem político jurídico – MPF, PF e Moro – midiática, já teríamos saído desta crise.

  2. FHC não passa de um “deadwalker”. Morreu há muito tempo e esqueceu de deitar. Ele, sim, sabia governar.É notório o pito que tomou do Bill Clinton, durante reunião de cúpula quando era presidente do Brasil. E não teve sequer a galhardia de refutar a gozação de que foi alvo è vista de outros presidentes. O Serra. das ambulâncias e das privatizações, da compra de sorveteria e outras cositas mas, dispensa comentários. Não passa de um entreguista desenfreado, uma fraude desde os seus tempos de estudante. O Aécio é uma promessa colorida. Se chegasse à presidência, o que não vai acontecer nunca, poderíamos ter a república do pó e dos aeroportos clandestinos. Uma beleza!!!!!!

  3. A arma usada pelo PSDB é a mentira, em conluio com o PIG.

    Para esses pilantras do PSDB e PIG, quanto pior a situação do Brasil, melhor para eles.

  4. Bom dia Edu!

    É aquela história da mensagem de Goebbels: uma mentira contada muitas vezes, se torna verdade!

    Neste caso, boa parte do povo não esquece de como foi o governo tucano, no entanto, a maioria da classe mérdia esquece dos fatos e deixa ser manipuladapelo PIG, achando que só tirando o PT do poder, o Brasil vai melhorar, claro que não vai!

    Grato!

  5. Edú, é o famoso esqueçam o que escrevi
    o cara não tem carater, vai esperar o que desse sujeito.
    abração
    Ricardo Grillo

  6. Eduardo,

    Todas estas comparações numéricas são tendenciosas, e induzem ao erro. Se você tem o ideal de comparar os períodos com um mínimo de isenção precisa considerar as diferenças dos períodos.

    Precisa tomar cuidado para analisar dados numéricos isolados. Estão sendo analisados apenas números sem o contexto social e político da época, e sem ajustes pela inflação. Fazendo uma rápida pesquisa na internet, vemos que a inflação de 2002 a 2013 foi de 148% (mais ou menos), portanto as diferenças numéricas devem ser ajustadas pela inflação no mínimo.

    Mais ainda, fazendo rápidas buscas na internet vemos que nas últimas décadas o Brasil vem evoluindo em diversos aspectos, principalmente IDH e PIB. Vide anexos:

    http://www.pnud.org.br/pdf/rdh-2011-tabela-tendencias-brasil.png
    http://www.pnud.org.br/pdf/idh-2011-grafico-componentes-do-brasil.png
    http://4.bp.blogspot.com/-mKCHTMar6Vo/TqMYYY4xQmI/AAAAAAAACVg/WPXHq78r53Y/s400/image009.gif
    https://ensaiosdegenero.files.wordpress.com/2014/07/mulheres-negras-ensino-superior-1.png
    https://ensaiosdegenero.files.wordpress.com/2013/09/panorama-de-desigualdades-raciais-2.jpg
    http://www.scielo.br/img/revistas/csp/v23n7/02f1.gif

    Por exemplo também, a desindustrialização no período Lula foi grande. Vide http://www.geografiaparatodos.com.br/captulo_11_a_industria_no_brasil_files/image006.gif

    Vide também que o aumento real do salário mínimo vem ocorrendo desde 1994. Vide: http://www.senado.gov.br/senadores/Senador/esuplicy/vida_parlamentar/Pareceres/sminimo.jpg

    Obviamente, podemos “torturar os números” e faze-los nos dizer o que queremos de formas diferentes.

    Cuidado para não ser tendencioso.

    Fabio

    • Os números em percentual podem ser comparados com o atual momento. Os valores monetários devem ser comparados com a inflação. Valores em dólar tem que se ter uma média ponderada do ano e também o valor da inflação.

      Bem, posso falar do PIB per capita. O PIB per capita e a renda per capita subiram nos governos do PT. “Se analisado o crescimento acumulado entre 2003 e 2012, o PIB per capita real (descontada a inflação) cresceu 27%; a renda média subiu 51%; e a renda dos 10% mais pobres avançou 106%. “Esse resultado chama a atenção porque 2012 foi um ano de menor crescimento do PIB. A renda das pessoas na base cresceu quatro vezes mais do que o PIB”.” (http://www.jornalcruzeiro.com.br/materia/589281/pib-per-capita-cresce-51-acima-da-inflacao-no-periodo-de-dez-anos).

      Sabemos que a pobreza cai vertiginosamente e isto tudo diante da maior crise capitalista financeira de todos os tempos.

      Lógico, que neste ano, tivemos uma queda nos números positivos. Esta oposição contra o Brasil – liderada por Aécio – está botando lenha na fogueira.

    • Os números são frios e nem sempre contam a verdade, mas esse vídeo da “insuspeita” Globo mostra qual foi o legado de FHC. http://memoriaglobo.globo.com/programas/jornalismo/telejornais/jornal-nacional/fome-no-brasil.htm

      Só não lembra como era na época da gestão demo/tucana quem é muito jovem ou quem tem má fé
      Querer negar o descalabro que foram os governos de FHC é querer NEGAR A HISTÓRIA

  7. Com as credenciais de quem passou por toda era FHC, e sentiu na pele o desastre que foi seu Governo, não me causa espanto que ele ainda use de sua companheira inseparável, a Imprensa Golpista, para proferir essas pérolas da mentira.
    Na sua reeleição, vi ruir tudo que havia construído na minha vida.
    Trabalhei durante 30 anos em uma Instituição que foi assaltada por ele e seus asseclas e entregue de mãos beijadas aos santinhos do HSBC.
    Esse Banco que sofre represálias por todo Mundo, por ser na verdade, uma grande lavanderia.
    Naquela época, Yousseff já era famoso e o Moro já conhecia seu modus operandi.
    Com o Banestado aconteceu a mesma coisa, e FHC sabia de tudo.
    Hoje, blindam a CPI do HSBC, porque a nata Brasileira está até o pescoço metida nessa maracutaia.
    E FHC continua solto, graças à Justiça Brasileira que ele mesmo deu conta de “construir”.
    Notadamente, a Justiça do Paraná demonstra sua simpatia pelos tucanos.
    Isso ficou claro e confirmado, quando o Governador daquela Capitania Hereditária Tucana, mandou bala pra cima dos Professores, e nada lhe aconteceu.
    Por isso, não nos surpreendamos se o golpe do Judiciário contra a Democracia vier do Paraná, onde temos um Juiz, cujo Ego não cabe nas próprias calças.
    Quanto a FHC, o mundo ri dele, mas aqui, a Elite o venera como o grande defensor dos interesses Americanos.
    Podem ter certeza de que as ações do Moro no Paraná, refletem muito mais do que o simples ato de caçar corruptos, e só denunciar aqueles que apoiam o Governo atual de Esquerda.
    Há muito mais coisas por trás disso, quando manda prender o cérebro da Defesa Nacional, justamente um Gênio que, em certo momento, resolveu enfrentar Tio Sam.
    FHC é hoje o comandante do Golpe.
    Resultado de seu cérebro que apodreceu.

  8. só que – não é amnésia
    é pura falta total e absoluta de caráter – simples assim

  9. Para FHC e quadrilha:

    Nos barracos da cidade (Barracos)
    Gilberto Gil
    Liminha

    Nos barracos da cidade
    Ninguém mais tem ilusão
    No poder da autoridade
    De tomar a decisão
    E o poder da autoridade
    Se pode, não fez questão
    Se faz questão, não consegue
    Enfrentar o tubarão

    Ô-ô-ô, ô-ô
    Gente estúpida
    Ô-ô-ô, ô-ô
    Gente hipócrita

    O governador promete
    Mas o sistema diz não
    Os lucros são muito grandes
    Mas ninguém quer abrir mão
    Mesmo uma pequena parte
    Já seria a solução
    Mas a usura dessa gente
    Já virou um aleijão

    Ô-ô-ô, ô-ô
    Gente estúpida
    Ô-ô-ô, ô-ô
    Gente hipócrita

  10. Só os comparativos já bastavam pra mostrar o quão ridícula é essa oposição e seu príncipe! Parabéns, Eduardo, excelente matéria!

  11. Li num site que o governo estuda tributar a internet para aumentar as receitas. Isso procede? Li isso no Olhar Digital mas não estou conseguindo postar o link…

  12. Lá vai enganar os analfabetos midiáticos

  13. Não é de amnésia que sofre FHC. É de DESONESTIDADE INTELECTUAL mesmo. Ou seja, é MENTIROSO mesmo, no popular

  14. Espero firmemente que você esteja certo.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.