Dono de restaurante em que Mantega foi vaiado e FHC aplaudido é ligado a tucanos

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

aguzzo capa

 

Na última segunda-feira (25/5), a Folha de São Paulo noticiou que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega fora “hostilizado” em “um restaurante italiano da capital paulista”. Na matéria, o jornal lembrou que, na semana anterior, o ex-ministro da Saúde e atual secretário de Fernando Haddad Alexandre Padilha também fora agredido em um restaurante.

Após a agressão a Mantega, que já não era a primeira e que se somou à agressão a Padilha, este Blog opinou que ou os petistas reagem a esse tipo de agressão ou param de ir a redutos de rico casca-grossa. Porém, investigação recente feita por esta página revela que ao menos a agressão a Mantega pode não ter sido espontânea.

A matéria da Folha que noticiou a agressão recente a Mantega tratou de não dar detalhes sobre o estabelecimento em que ele foi agredido, o que pareceu estranho. Porém, a coluna da jornalista Monica Bergamo da última quinta-feira entregou o nome do estabelecimento ao relatar que “O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso foi ovacionado no mesmo lugar” e que “Clientes aplaudiram de pé o tucano e chegaram a formar fila para ‘selfies’ com ele“.

Segundo a colunista, o estabelecimento em questão se chama “Aguzzo” e fica incrustado no bairro paulistano de Pinheiros, na rua Simão Alvares 325. O Blog ligou para lá (telefone 3083-7363), conversou com a funcionária Patrícia e obteve a informação de que um jantar com vinho e sobremesa escolhido no menu “econômico” sai por volta de 200 reais por pessoa. Porém, se a escolha for do menu “normal”, a conta fica ao redor de 300 reais por pessoa.

Aguzzo 1

Como já se disse nesta página, nada contra alguém frequentar um bom restaurante, se tiver recursos para tanto. A casa oferece iguarias sofisticadas e que despertam os instintos dos endinheirados gourmets paulistanos.

Há pratos como “Panna cotta di vaniglia con salsa di lampone” (creme de leite fresco cozido com favas de baunilha e calda de framboesa) ou “Gamberi in salsa di prosecco e risotto di asparagi” (Camarões ao molho de “prosecco” e risoto de aspargos).

aguzzo 2

As instalações também ajudam a oferecer uma noite agradabilíssima a essa elite desmemoriada, mal-educada e mesquinha que infesta o país e que se reproduziu em São Paulo como em nenhuma outra parte do país.

aguzzo 3

Porém, dentre todos os restaurantes que Mantega poderia escolher, foi cair em um reduto tucano. Como se sabe, essa gente se frequenta, se apoia mutuamente e o dono do Aguzzo, um ex-maitre do ultrachique restaurante Fasano, tem ligações políticas muito claras. Ligações que parecem estar por trás do seu sucesso empresarial.

Osmânio Luiz Resende também é sócio de um restaurante de alto luxo em Sorocaba, cidade governada pelo tucano Antonio Carlos Pannunzio. Trata-se do restaurante La Doc.

aguzzo 4

A foto no alto da página mostra o momento em que Pannunzio e sua mulher entregam a Resende, em seu restaurante sorocabano, um prêmio concedido por quem mesmo? Pela revista “Veja São Paulo”, claro, que faz intensa publicidade dos restaurantes Aguzzo e La Doc.

O entusiasmo do tucano Pannunzio com Resende parece abrir muitas portas ao empresário. Uma revista editada pela unidade do Centro das Indústrias de SP em Sorocaba também homenageou o dono dos restaurantes para ricaços.