Black Blocs, o retorno

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

mpl capa

Se existia dúvida de que o famigerado Movimento Passe Livre apoia e utiliza a violência da massa de manobra que consegue reunir, o que ocorreu na manifestação que levou a cabo na última sexta-feira dirime essa dúvida.

Desde o fim da Copa do Mundo de 2014 que não se via atos de vandalismo como os que ocorreram no recentíssimo protesto contra o reajuste das passagens de ônibus e metrô em São Paulo. Foi só o MPL convocar um ato para que Black Blocs, punks, skinheads e outros bichos dessem as caras.

Reportagem do G1 desmente as alegações do MPL de que a violência que se viu em São Paulo derivou de repressão policial. Vídeo divulgado pelo portal mostra vândalos depredando estabelecimentos comerciais sem presença da polícia.

Confira o vídeo, abaixo.

Como se vê, sem presença da polícia e sem causa aparente os manifestantes passam a promover destruição de patrimônio público e privado, reeditando o que fizeram em 2013.

Mais uma vez, o MPL recorre a todo lixo social disponível para se promover entre esse público descabeçado que se presta a participar desse tipo de violência contra a sociedade e que, como subproduto, faz a direita se fortalecer no Brasil como tem sido visto.

E o pior é que aqueles que esse movimento vigarista diz defender nem mesmo concordam com esse tipo de ação. Esse movimento nasceu e cresceu entre estudantes universitários de classe média alta, gente que, muitas vezes, se tomou ônibus meia dúzia de vezes na vida, será muito.

mpl 1

 

O pior de tudo isso é que o preço das passagens de ônibus e metrô é o menor problema da população brasileira, hoje. Sobretudo da população paulistana. O grande problema do transporte urbano, no país, é a qualidade.

Só que, sem investimentos públicos, não será possível melhorar a qualidade.

No caso de São Paulo, única cidade do país em que o MPL conseguiu juntar bastante gente (número de manifestantes varia de 2 mil, segundo a PM, a 30 mil, segundo o MPL), o sucesso relativo desse protesto se deve ao antipetismo que infecta os paulistanos.

Por outro lado, a população que assiste a tudo isso sente medo e identifica esses protestos como obra petista, razão pela qual o ódio ao partido se instalou tão profundamente na alma paulistana, dando uma vitória consagradora a Geraldo Alckmin, ano passado, por ter reprimido os protestos com a violência costumeira da sua PM.

Enquanto um bando de desmiolados e/ou demagogos toca o terror na cidade, o principal problema do momento, a falta de água e o encarecimento de seu preço, não sofre protestos desses revolucionários de araque.

É por essas e por outras que o PT deveria conversar com suas lideranças jovens para que parem de se misturar com essa gente. Apesar de essas manifestações proibirem bandeiras do PT e até camisetas vermelhas, havendo petistas no meio a conta dos desatinos vai para o partido.

O preço das passagens de ônibus estava congelados desde 2011. Com reajuste de 16%, com certeza os salários cresceram mais do que o preço das passagens, eis que a remuneração assalariada vem crescendo acima da inflação no país.

Por outro lado, se a prefeitura tiver que abrir mão de repassar esse aumento, sua situação financeira e capacidade de investimento no transporte público irá diminuir ainda mais, quando é do interesse da população que esses investimentos no transporte público aconteçam.

Tudo aumentou no país, inclusive tarifas públicas. Aumentaram água, luz, gás, até impostos. E, claro, os salários. Impedir administrações municipais de aumentar a tarifa do transporte público não irá melhorá-lo, irá piorá-lo devido à falta de investimentos gerada pelo caixa baixo.

E o pior é que, como já foi dito mil vezes aqui, conforme informações do prefeito Fernando Haddad, o erário paulistano paga o reajuste às empresas de ônibus – ou seja, o povo paga de qualquer jeito, mesmo sem sentir.

A violência vem desmoralizando manifestações legítimas e fortalecendo a direita, que, nas últimas eleições, colheu os frutos dos desatinos dessa pseudo esquerda de que a direita gosta tanto e com a qual conta para se fortalecer.

A reestreia dos black blocs junto com a do MPL denuncia a tática do movimento de se valer de todo lixo social disponível para inflar suas manifestações descabidas. A da última sexta-feira, em São Paulo, comprovou isso.

 

Tags: , , ,

123 Comentário

  1. O tempo é o senhor da razão.
    Por volta de Junho os principais reservatórios de São Paulo terão secado.
    As atitudes, pensamentos e reações começarão a se assentar…
    É só sentar e esperar.
    Não há mal que dure para sempre.

  2. Auditoria em sistema de transporte diz que SP pode economizar 7,4% – http://glo.bo/1y36L6p

    “O que a prefeitura paga não é compatível com a qualidade do serviço oferecido pra população”. Gilmar Tatto, secretário de Transportes.

  3. Edu,

    Eles deviam se espelhar nos parisienses que amam seu país, sua cidade e seu povo. Os nossos são arruaceiros

  4. A história ensina; No Brasil, quando o povo teima em eleger quem não reza na cartilha da elite, FMI, Mercado financeiro,EUA: É golpe!! No Brasil já são 12 anos. Elles não estão mortos.

  5. É Edu, acabei de ler no Nassif um relato de uma manifestante colocando os MPL como vítimas do “estado repressor”. E olha que ela cita os Black blocs e não dá uma opinião sobre a depredação promovida por eles.

  6. Vou aproveitar e tentar comentar, mas sobre os Black Blocs, essa semana que passou foi reveladora. Revelou forças conservadoras dentro da militância de esquerda e do PT que apoiaram, sem escrúpulos e mostrando total despreparo político e intelectual, esta revista francesa com seus ataques pueris que levam extremos a se chocar.

    O que achei curiosa na posição desse pessoal saudosista da época da guerra fria e ditadura (não é só a direita que tem olavetes, esse pessoal vive reduzindo a história da resistência à ditadura à luta armada na mesma, reproduzindo o discurso da extrema-direita ou justificando, de forma infantil) é que boa parte deles malharam, desceram o sarrafo nos BBs, PSOL e cia mas defenderam de forma ridícula uma revista pra impor uma opinião à maioria pois se tornaram algo minoritário na esquerda. Gente com tique autoritário posando de “defensor da liberdade de expressão”, sabe-se lá o que eles entendem por isso (vai ver que é a liberdade da Veja mentir e sabotar o país). Liberdade sem justiça e dignidade são só palavras vazias, sempre entendi a coisa por esse prisma.

    É um pessoal incoerente que ficou sem norte, defenderam o “PSOL francês” (a revista francesa que adora estigmatizar árabes franceses, reforçando a xenofobia e islamofobia na França e Europa) enquanto davam piti contra os Black Blocs no Brasil. Senti vergonha desse pessoal, mas muita vergonha mesmo. E o pior, fazem estrago, são perfis com muita gente adicionada que prefere seguir “gurus” a discutir política de igual pra igual, e esse pessoal se vale disso pra impor certas agendas (isso é fruto da falta de política de comunicação do PT e do governo).

    Os Black Blocs precisam ser expulsos de passeatas pelo povo, e não por essa PM do Alckmin.

    Mas repare nos fatos: a área de ação deles se dá em Rio e SP (capitais), porque a mídia tá em cima e é onde o PSOL, PSTU, MPL e cia conseguem arregimentar gente pra compor esses protestos.

    Este Movimento Passe Livre tem uma postura ridícula e uma conduta de quinta-coluna visível, nunca miraram o metrô de SP que é transporte público e atrelado ao governo de SP (pode me corrigir se eu estiver errado). Eles miram o transporte de ônibus que é responsabilidade da prefeitura e deixa o Haddad em evidência negativa.

    Fora que essa proposta deles não serve pra coisa alguma, pra bancar passe livre o estado/governos precisam pagar subsídios pras empresas de transporte que continuariam/continuam oferecendo um serviço porco pra população. O MPL ao invés de ser solução é de fato um problema pois mobiliza gente pra discussões equivocadas sobre transporte público. Nunca vi essa quinta-coluna porraloca falar de estatização de transporte público ou ampliação de metrô etc, o negócio deles é usar a questão da tarifa pra acirrar os ânimos da população, pois é algo de fácil percepção e que atinge muita gente.

    Caberia à esquerda de fato confrontar esse grupo e apresentar alternativas de fato ao problema como as que eu citei acima, se não quiserem ficar reféns desse tipo de grupo chantagista e oportunista.

  7. Caro, já que você foi o unico que disse o que todo mundo sabe nas ruas, há muito tempo, vou falar aqui.

    1) … o povo de paninho na cara so anda com o MPL, já tentaram outras manifestaçõa mas foram banidos. Eu nunca vi o povo de paninho na cara ao aldo dos movimentos organizados: de moradia, de luta pela terra, indigena, etc.

    2) … vou falar da minha experiencia: eu acompanho há mais de decada manifestações de movimentos organizados, Tenho foto e video em alguns estados, entrevista com lideres, documentarios e tal. Faço porque quero, gosto e compartilho. Não sou filiado a nada e não mercantilizo meu trabalho de audio, video e imagens. Pois bem, eu não tenho estomago para fotografar o MPL simplesmente porque ali encontro pessoas esnobes, metidas a “herois”, que se sentem ofendidas em serem fotografadas em plena manifestação e parecem ter medo de dar entrevistas, embora o façam vez ou outra. Quem está na rua sabe do que falo, espero que me entenda.

    3) Nas manifestações de julho de 2013 eu estava longe dos grande centros e tive dois sentimentos: a) que bom o povo saiu as ruas como eu sempre quis!!! ; b) em pouco tempo percebi: se a sociedade e conservadora o conservadorismo moralista saiu as ruas em peso. Estou convencido hoje que a maioria conservadora saiu as ruas.

    4) … de todas as manifestações do MPL que eu fui (umas 3 ou 4, não lembro bem pois estou sempre nas ruas, passo bom tempo no centro e me deparo com as manifestações as vezes sem preparo previo, o que me da condições de entender e sentir coisas que jornalistas demoram para compreender isso qd compreendem) aconteceu a mesma coisa: 1) na concentração tem alguem falando, o discurso é violento, os de paninho na cara chegam e fazem alguma coreografias para humilhar o policial – e nao a Policia como istituição – enquanto alguns do MPL discursam e evitam fotos e entrevistas, a nao ser para comparsas. 2) a passeata começa com a linha de frente segurando uma faixa a frente onde todos tem que ficar atras da faixa. 3) dizem que nunca tem “liderança”, mas e mentira, e facil identifica-los e estes tem nome. Agem de forma autoritaria, é bizarro, pois nem sao conhecidos na região e pensam que sao donos da rua nesta hora, os de paninho na cara vão a frente e ao andar da passeata começam a se separar do grupo. 4) O pessoal da frente que se diz do MPL em determinado momento aperta a fila, acontece um certo desconforto e aperto. 5) Tudo isso acontece com a PM e o Choque etc ali ao lado. 6) Chegando perto do fim da passeata ou se dirigem para local nao combinado ou os de paninho na cara se afastam e começa a quebradeira. É facil saber com antecedencia de algums minutos que issso vai acontecer se vc e bom observador e tem experiencia como eu e a PM, muitos inocentes uteis são pegos desprevenidos. 7) No começo, nas primeiras manifestações a policia espera a quebradeira se animar para assim começar as apreensões. 8) Tudo isso acontece na linha de frente onde o povo do MPL esta, por isso mentira que nao colaboram com o circo armado. 9) Parece que apolicia esta esperando o sinal, a deixa e então partem para as apreensões aleatorias, tocando o terror. 10) Todo mundo corre, alguns são presos, os de paninho na cara e os do MPL somem. 11) A midia dita progressita tem suas limitações, desconhecem as ruas e na boa mas fazem parte do mesmo nicho estetico atisvistico cultural de classe descolado dos de paninho na cara e do MPL.

    • Eu não faço parte de grupo nenhum. Criei meu próprio movimento em 2005. Nunca recebi orientação de ninguém. Até me aproximei de blogueiros progressistas, mas não tenho nenhuma simbiose com ninguém. Vejo tudo isso que você escreveu e não considero que exista ativismo sério nesse sentido. Não há propósito nessas manifestações pela passagem grátis. Sabem que é impossível. Querem apenas marcar posição política, amealhar massa de manobra. Não colaboro com essa safadeza.

  8. Sim, os blackblocks são uns malvados! Este MPL também! Vejam vocês!… Que ingratidão com o Haddad…

  9. Pois é! Depois das manifestações do ano passado, elegeram o Congresso mais conservador dos últimos anos no Brasil.

  10. Eles estão mais preocupados com os 0,20R$ do que com a greve dos professores, do que com a falta de água, o surto da dengue.São reaças travestidos de revolucionários.E o pior de tudo, nunca nem andaram de ônibus.Eles acabam confundindo a galera progressista, os inocentes que provam o veneno do escorpião.Vale lembrar, que a esquerda infantil, de butique, Tb estavam na manifestação da marcha da família com Deus, que culminou no golpe de 64.Elas são bastantes perigosas e prejudiciais para o Brasil.ACORDA ESQUERDA VERDADEIRA!

Trackbacks

  1. Black Blocs, o retorno | Blog da Cidadania | CLIPPING DE NOTÍCIAS DA SENAPRO-PCO

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.