Como o ódio de Noblat por Toffoli virou amor

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

noblat toffoli

 

A entrega da análise das contas de campanha da presidente Dilma Rousseff para o ministro do STF e do TSE Gilmar Mendes acaba de ganhar um novo – e interessante – capítulo. O blogueiro Ricardo Noblat entregou a estratégia da Globo para legitimar o golpe que se desenha contra a presidente no Tribunal encarregado de arbitrar processos eleitorais no Brasil

Antes de comentá-lo, porém, façamos uma revisão dos fatos que desencadearam esse estarrecedor episódio no TSE, que pode terminar em golpe “branco”.

Começando pelo começo (first things first). O ministro que deveria analisar a prestação de contas da campanha da presidente da República à reeleição seria Henrique Neves, mas seu mandato venceu durante a estadia dela na Austrália para participar da reunião do G20.

Eis que o presidente do TSE, José Antonio Dias Toffoli, escolhe única e especificamente o processo da petista para analisar em meio a dezenas e o entrega, em um “sorteio” considerado esquisito, a um dos mais notórios inimigos do PT no país, ao ministro do STF Gilmar Mendes.

O PT e setores da imprensa ficam surpresos. Foi criada uma situação inaceitável para o partido por conta da mais do que conhecida indisposição de Mendes em relação ao PT.

O mais irônico em tudo isso é que o autor dessa situação foi ninguém mais, ninguém menos do que aquele que a grande mídia acusou de tudo ao ser indicado para o STF, em 2009, pelo então presidente Lula, e que, em 2012, foi colocado sob suspeição para participar do julgamento do mensalão por sua trajetória ligada ao PT.

As críticas da mídia a Toffoli, entre 2009 e 2012, deixam bem claro que ela não considera… Ou melhor, não considerava que um ministro do STF não está acima de suspeitas ao julgar políticos com os quais tem ligação ou divergência. Guarde esta informação, leitor, porque precisaremos dela mais adiante.

Manchetes (linkadas) da grande imprensa em 2009 que você lerá abaixo dão uma boa ideia do clima que cercou a indicação de Toffoli por Lula para o STF naquele ano.

Leia abaixo, por ordem cronológica, as manchetes do período supracitado.

 

Blog do Reinaldo Azevedo – 06/09/2009

É o currículo que diz quem é Tóffoli, não eu

 

O Estado de São Paulo – 18/09/2009

Indicado de Lula ao STF, Toffoli é condenado pela Justiça do AP

 

Consultor Jurídico – 19/09/2009

Passagem pela AGU é principal trunfo de Toffoli para o STF

 

Folha de São Paulo – 19/09/2009

Gilmar Mendes diz que críticas sobre Toffoli refletem prática antiga do PT – 19/09/2009

 

G1 – 21/09/2009

Após indicação, Toffoli altera currículo na web

 

UOL – 23/10/2009

Sob polêmica, Toffoli toma posse como ministro do Supremo Tribunal Federal

 

Estadão – 23/10/2009

Toffoli toma posse no STF com Lula e Sarney na plateia

 

Para resumir para o leitor, a mídia achava que o fato de Toffoli ter advogado para o PT e ter sido Advogado Geral da União no governo Lula o colocava sob suspeição para assumir uma vaga no STF, sobretudo porque dali a dois anos seria julgado o mensalão.

Apesar do esperneio da mídia, Lula indicou Toffoli e, aos poucos, o bombardeio midiático sobre ele foi parando. Contudo, em 2012 a artilharia recomeçou porque era o ano do julgamento do mensalão e a mídia queria que todos os ministros indicados por Lula participassem, menos Toffoli.

DEM e PSDB chegaram a pedir ao procurador-geral da República de então, Roberto Gurgel, que desse parecer contrário à participação de Toffoli no Julgamento. Contudo, nem a mídia nem os partidos de oposição – agora, a Dilma – consideravam que o fato de Gilmar Mendes também ter sido Advogado Geral da União do governo Fernando Henrique Cardoso também o colocava sob suspeição, até por conta de seus constantes ataques verbais e públicos ao PT.

Por conta disso, vale reproduzir uma amostra de mais uma leva de manchetes anti-Toffoli que a mídia despejou sobre o país.

 

Veja – 19/03/2012

Como sua mulher foi advogada de mensaleiros, o ministro Toffoli está moralmente impedido de julgar o mensalão

 

O Globo – 21/06/2012

Gurgel ainda examina se vai pedir que Toffoli não julgue o mensalão

 

Estadão – 30/07/2012

Com apoio de Lula e aval de colegas do STF, Toffoli vai julgar mensalão

 

A suspeição sobre Toffoli não era só da mídia. A oposição estava com os cabelos em pé, com medo de o ex-advogado-geral da União de Lula amaciar para os “mensaleiros”, mas quanto ao ex-advogado-geral da União de FHC, Gilmar Mendes, não havia problema, claro…

Nesse aspecto, discurso do oposicionista Pedro Taques (PDT-MS) da tribuna do Senado pedindo impedimento de Toffoli dá uma ideia do clima que se estabeleceu contra o ministro do STF à época.

 

 

O blogueiro de O Globo Ricardo Noblat, como sói acontecer sempre com funcionários da família Marinho, para variar também ficou contra o PT e arguiu a suspeição de Toffoli.

 

 

Como se vê, a mídia acreditava furiosamente em que o fato de ser ministro do STF não bastava como prova inquestionável de isenção. Apesar disso, Toffoli foi duro com os “mensaleiros”. Condenou José Genoino e vários outros réus. Só poupou José Dirceu, assim como o ministro Ricardo Lewandowski, quem pagou preço até maior do que Toffoli, sendo retratado pela mídia quase que como o quadragésimo réu do julgamento.

Após esse gigantesco “preâmbulo”, voltamos ao presente. Atualmente, o antes suspeito Toffoli vem dando um tratamento duríssimo ao PT no TSE – chegou a votar contra Dilma poder dar entrevistas à imprensa no Palácio da Alvorada, onde ela reside, e entregou as contas de sua campanha a um dos seus principais inimigos políticos.

Parece que suspeição contra ministro do STF só vale se for suspeito de poder votar a favor de algum réu, pois, apesar de a ligação de Mendes com o PSDB ser igual à de Toffoli com o PT e de o ministro “tucano” agir de acordo com sua origem política, não está sendo considerado suspeito de tentar prejudicar Dilma por suas preferências ou ódios políticos.

A cereja do bolo vem agora. Um dos maiores inimigos políticos de Toffoli na imprensa durante todo o bombardeio com que ela o fustigou em 2009 e em 2012 chama-se Ricardo Noblat, blogueiro do portal de O Globo. Por conta dessa verdadeira perseguição de Noblat a Toffoli, este adquiriu profunda antipatia por aquele.

O caso (de ódio) entre os dois se intensificou em 2012 nos primeiros dias do julgamento do mensalão. Noblat, como que buscando constranger o ministro enquanto julgava o mensalão, divulgou uma história sobre ele. Abaixo, post do Blog do Noblat de 11 de agosto de 2012.

 

Blog do Noblat

11/08/2012

Dias Tóffoli, ministro do STF, me agride com palavrões e baixarias

Acabo de sair de uma festa em Brasília. Na chegada e na saída cumprimentei José Antônio Dias Tóffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal.

Há pouco, quando passava pelo portão da casa para pegar meu carro e vir embora, senti-me atraído por palavrões ditos pelo ministro em voz alta, quase aos berros.

Voltei e fiquei num ponto do terraço da casa de onde dava para ouvir com clareza o que ele dizia.

Tóffoli referia-se a mim.

Reproduzo algumas coisas que ele disse (não necessariamente nessa ordem) e que guardei de memória:

– Esse rapaz é um canalha, um filho da puta.

Repetiu “filho da puta” pelo menos cinco vezes. E foi adiante:

– Ele só fala mal de mim. Quero que ele se foda. Eu me preparei muito mais do que ele para chegar a ministro do Supremo.

Acrescentou:

– Em Marília não é assim.

Foi em Marília, interior de São Paulo, que o ministro nasceu em novembro de 1967.

Por mais de cinco minutos, alternou os insultos que me dirigiu sem saber que eu o escutava:

– Filho da puta, canalha.

Depois disse:

– O Zé Dirceu escreve no blog dele. Pois outro dia, esse canalha o criticou. Não gostei de tê-lo encontrado aqui. Não gostei.

Arrematou:

– Chupa! Minha pica é doce. Ele que chupe minha pica.

Pois é, leitor… Que nível, hein!

De um, de outro ou de ambos.

Porém, como dizem, nada como um dia depois do outro e uma noite no meio. A mídia mudou em relação a Toffoli por uma razão inaudita: por ele desmenti-la.

Possivelmente, a mídia nunca gostou tanto de ter errado. Seu ex-suspeito, ao que tudo indica converteu-se em aliado e perdeu os defeitos. E Gilmar, por ser inimigo do PT em vez de amigo, não merece suspeição, que, ao ver da mídia, para ministro do STF só vale se for suspeição de ajudar petistas.

Confira, abaixo, como Noblat, em post de quarta-feira (19), mudou em relação a Toffoli e em relação a suspeição de ministros do STF em casos em que tenham relação (de amor ou ódio) com os que irão julgar.

 

Blog do Noblat

19/11/2014

Com medo de que haja irregularidades nas contas de campanha de Dilma, PT inventa o fantasma do golpe

Ricardo Noblat

Ora, ora!

Petistas de muitas estrelas estão desesperados com a escolha do ministro Gilmar Mendes para relator das contas de campanha da presidente Dilma Rousseff.

Escolha, não, que ninguém escolheu Gilmar. Ele foi sorteado.

O Ministério Público Eleitoral, se fazendo de braço armado da Advocacia Geral da União e do PT, está tentando impugnar a indicação de Gilmar.

O que alega?

O processo relativo às contas da campanha de Dilma estava nas mãos do ministro Henrique Neves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No último dia 13, o mandato de Henrique terminou. Com bastante antecedência, o ministro Dias Tóffoli, presidente do TSE, havia encaminhado a Dilma uma lista tríplice com nomes de possíveis substitutos de Henrique.

Um dos nomes da lista foi o do próprio Henrique, que poderia ser reconduzido.

Como Dilma nada respondeu, e sem poder contar mais com Henrique, Tófolli acionou o sistema eletrônico do TSE, que sorteou o nome de Gilmar para relator das contas.

O Ministério Público Eleitoral entende que, em caso de vacância do ministro efetivo, o encaminhamento dos processos que estavam com ele deverá ser feito para o ministro substituto da mesma classe. No caso, da classe de Henrique.

Tecnicalidade. Que de nada vale. Muito menos quando o ministro sorteado para relatar um processo é titular do Supremo Tribunal Federal. Como Gilmar é.

O PT acionou sua rede de blogueiros chapa branca para disseminar nas redes sociais o fantasma de um golpe planejado por Tóffoli para que as contas da campanha de Dilma sejam rejeitadas. Assim ela não poderia ser diplomada no próximo dia 18.

Tóffoli foi advogado do PT, assessor de José Dirceu na Casa Civil da presidência da República, Advogado Geral da União do governo do PT e é ministro do STF por escolha de Lula. Por que ele conspiraria contra Dilma? Não tem cabimento.

Para liquidar de vez o assunto: a pedido de Tóffoli, antes do fim do mandato de Henrique, Gilmar telefonou para José Eduardo Cardoso, ministro da Justiça.

Lembrou que o mandato de Henrique estava por terminar. Falou sobre o processo das contas de Dilma. E sugeriu que Henrique fosse reconduzido ao cargo para poder relatá-las.

Não se sabe se Cardoso tratou do assunto com Dilma. Sabe-se que nada aconteceu.

Se as contas de Dilma estão em ordem por que o medo do PT e do Ministério Público Eleitoral de que elas sejam relatadas por Gilmar?

Como relator, Gilmar só tem o próprio voto. Que será submetido ao exame dos demais ministros do TSE.

A teoria do golpe tem a ver com o medo do PT de que haja irregularidades nas contas de Dilma. E de que Gilmar as aponte. Tenta-se constranger o ministro. É isso.

Uma última observação: Noblat deveria ser homem e dizer os nomes dos integrantes dessa sua “rede de blogueiros chapa branca”, assim como este Blog diz o dele, pois aqui o debate é travado olho no olho, não por meio de insinuações levianas.

Tags: , , , , , , ,

91 Comentário

  1. Noblat é um canalha! Seu apoio cínico ao absurdo que Toffoli cometeu é um atestado para o golpe. Para começar, Dilma poderia esperar 30 dias para indicar um substituo de Neves, conforme era o prazo legal para fazê-lo; todavia, Toffoli esperou somente 14 horas após o envio do comunicado sobre a aposentadoria de Neves e já “sorteou” Mendes para relatar os DOIS processos de prestação de contas da campanha Dilma, sendo que ambos caíram nas mãos do maior inimigo do PT no Judiciário(ao menos declarado), algo que era quase impossível de acontecer. Ou seja, Toffoli cumpriu meramente uma formalidade ao enviar o comunicado de aposentadoria de Neves e não esperar pela decisão da Presidenta, evidenciando que pretendia entregar os processos a Mendes, tanto pela rapidez absurda com que passou para o “sorteio”, como pela “coincidência” cínica de ambos os processos caírem para Mendes. Sem contar que somente esses dois processos foram sorteados. Além do que, em sua cara de pau de defender o novo amiguinho da Globo, o próprio Noblat acaba por entregar a dupla MendesXToffoli e seu jogo golpista. Por que, como relatou Noblat, Mendes teria telefonado para o banana Ministro da justiça antes do fim da aposentadoria de Neves!!???????? Ele já sabia “previamente” que seria o sorteado e estaria preocupado com o “mal estar” do PT!!!!!!!!!!????? Será que Mendes, além de ter virado bonzinho com os petistas, também tem poderes mediúnicos!!!!!!!!!!??????? Como Noblat sobe de uma informação tão específica do dia a dia de um Tribunal, recebe comunicados sobre procedimentos formais dos poderes!!!!!!!!!??????????? Qual a função que Mendes possui no TSE, além de ser um Ministro comum, para levá-lo a ter preocupações administrativas que somente cabem ao Presidente do TSE!!!!!!!!????????? Sem contar que não é uma “mera formalidade” que leva o Ministério Público Eleitoral a agravar contra a redistribuição dos processos a Mendes, mas o regimento Interno do TSE onde está previsto que os processos de um Ministro afastado devem ir para o seu substituto(e da mesma classe, ou seja oriundo do STJ, já que a Justiça Eleitoral no Brasil não tem quadro próprio de magistrado, utilizando os quadros de outros Tribunais). Para agradar seu patrão, Noblat “considera” importantes as leis que o agradam, “desconsiderando” aquelas que não atendem os interesses dos seus amos. O CERTO É QUE O QUADRO É MUITO PREOCUPANTE, HÁ UM CLARO GOLPE EM MARCHA, O QUAL SE DARÁ QUANDO MENDES RELACIONAR AS CONTAS DA CAMPANHA DE DILMA , MESMO AS RECEBIDAS DE FORMA LEGAL(EM CAIXA 1), COM AS EMPRESAS ACUSADAS NA OPERAÇÃO LAVA JATO. É claro que não há nada de errado em essas empresas doarem legalmente dinheiro à campanha de Dilma, fizeram e fazem isso com todos os candidatos, mas não será difícil para Mendes e a mídia criarem uma farsa com essas doações, independentemente de serem legais e terem beneficiados todos os candidatos, começando por Aécio Neves. Num país que acredita numa farsa como a do “mensalão”, que ofende as leis da matemática elementar e da lógica, seria facílimo para direita convencer os cidadãos de mais essa história da carochinha. Precisamos nos mobilizar e, acionando a Sociedade civil, pressionar pressionar o PT a conseguir a suspeição de Mendes. Há uma ação, denominada Exceção de Suspeição, que já deveria ter sido ajuizada pelo partido. A mobilização da Sociedade civil será importantíssima tanto para fazer o PT se mexer, como para neutralizar as ambições golpistas, afinal eles perceberão que esse país reagirá em defesa de Dilma. Enquanto isso, divulguemos essa história para o Mundo inteiro, começando pelas organizações internacionais de direitos humanos. Precisamos avisar que há um golpe sendo armado no Brasil e não nos calaremos para a ajudar os golpistas, Vamos reagir contra essa direita, não podemos parar agora, há muito em jogo para não deixarmos a direita agir impune sem que nos mobilizemos.

  2. Com o poder que a mídia tem no Brasil, só não tem mais para ganhar eleição, assim mesmo eles tentam enganar o povo com as suas pesquisas fajutas. Está mais do que provado através do processo do mentirão que a justiça está toda dominada!
    O Brasil precisa mudar esse processo de permanência no cargo dos tribunais superiores com essa coisa de vitaliciedade. Isso é um absurdo! Um sujeito como Gilmar Mendes continuar espezinhando a democracia e o povo tendo que suportar… Joaquim Barbosa e Ayres Brito criaram as suas pocilgas e foram agraciados pela globo com empregos para o filho e para si próprio como o de Brito.
    Esse Tófolli está mostrando a que veio ficará no cargo por ainda 23 anos, ufa!!!

  3. E a guinada à esquerda tão falada nesse blog não veio maoss uma vez..com Levy e Kátia Abreu mais se parece um ministério de Aécio.

  4. Edu, não dá para acreditar que Dilma vá colocar a senadora Kátia Abreu no Ministério da Agricultura e desviar a economia para a direita. Com isso, ela vai perder a base de quem a elegeu. Vai perder o apoio da esquerda, pois a esquerda não votou nela para ela tomar atitudes que o Aécio tomaria. Espero que ela não ceda aos interesses da direita. Eu não fui chato e me estressei bastante para conquistar votos para ela, pois tenho certeza que seu governo seria o melhor possível para ver isso. Você tem alguma informação sobre essa situação? Abraço.

  5. Sabe Eduardo Noblat deve até ser macho, mas homem mesmo, sei não!

  6. Doutor Freitas Apareceu, Aécio Neves escafedeu-se

    http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2014/11/policia-federal-chega-no-doutor-freitas-e-aecio-neves-desaparece-1885.html

    Operação Lava Jato
    Polícia Federal chega no ‘Doutor Freitas’ e Aécio Neves desaparece

    Após depoimentos de executivos que fizeram acordos de delação premiada afirmando que existia um ‘clube’ de empreiteiras que fraudava licitações e pagava propinas, misteriosamente o tucano sumiu da imprensa

    por Helena Sthephanowitz publicado 21/11/2014 15:22, última modificação 21/11/2014 18:56
    reprodução
    aecio neves

    De 11 sessões no Senado, Aécio só apareceu em cinco. Precisa aparecer para explicar o que sempre chamou de ‘corrupção’

    Nas últimas entrevistas, o senador Aécio Neves (PSDB), apareceu histérico tentando pautar desesperadamente a mídia na Operação Lava Jato para atacar o governo Dilma e afastar os holofotes dos tucanos. Parece que vai ser difícil agora.

    Depois de muita enrolação, com direito a manchete do tipo “Doações de investigadas na Lava Jato priorizam PP, PMDB, PT e outros”, para não citar PSDB, apareceu o Doutor Freitas. Notinhas tímidas, em letras miúdas, no rodapé de páginas dos grandes jornais informam que o dono da UTC, Ricardo Pessoa, disse em depoimento à Polícia Federal que tinha contato mais próximo com o arrecadador de campanha do PSDB, o Doutor Freitas, Sérgio de Silva Freitas, ex-executivo do Itaú que atuou na arrecadação de campanhas tucanas em 2010 e 2014 e esteve com o empreiteiro na sede da UTC. Ainda de acordo com o depoimento, objetivo da visita do Doutor Freitas foi receber recursos para a campanha presidencial de Aécio.

    Dados da Justiça Eleitoral sobre as eleições de 2014 mostram que a UTC doou R$ 2,5 milhões ao comitê do PSDB para a campanha presidencial e mais R$ 4,1 milhões aos comitês do PSDB em São Paulo e em Minas Gerais, além de R$ 400 mil para outros candidatos tucanos.

    Depois dos depoimentos de dois executivos da Toyo Setal que fizeram acordos de delação premiada, e afirmaram que existia um “clube” de empreiteiras que fraudava licitações e pagava propinas, misteriosamente o tucano Aécio Neves sumiu da imprensa.

    Aécio é senador até 2018, mas também não é mais visto na casa. De 11 sessões, compareceu apenas a cinco. O ex-candidato tucano precisa aparecer para explicar a arrecadação junto à empreiteira, o que, para ele, sempre foi visto como “escândalo do PT”, e outras questões. Como se não bastassem antecedentes tucanos na Operação Castelo de Areia, como se não bastasse a infiltração de corruptos na Petrobras desde o governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB), como se não bastasse o inquérito que liga o doleiro Alberto Youssef à Cemig, basta observar o caso da construção do palácio de governo de Minas na gestão de Aécio quando foi governador.

    Para quem não se lembra, a “grande” obra de Aécio como governador de Minas, além dos dois famosos aecioportos, não foi construir hospitais, nem escolas técnicas, nem campi universitários. Foi um palácio de governo faraônico chamado Cidade Administrativa de Minas, com custo de cerca R$ 2,3 bilhões (R$ 1,7 bi em 2010 corrigido pelo IGP-M). A farra com o dinheiro público ganhou dos mineiros apelidos de Aeciolândia ou Neveslândia.

    Além de a obra ser praticamente supérflua para um custo tão alto, pois está longe de ser prioridade se comparada com a necessidade de investimento em saúde, educação, moradia e mobilidade urbana, foi feita com uma das mais estranhas licitações da história do Brasil.

    O próprio resultado deixou “batom na cueca” escancarado em praça pública, já que os dois prédios iguais foram construídos por dois consórcios diferentes, cada um com três empreiteiras diferentes.

    Imagina-se que se um consórcio ganhou um dos prédios com preço menor teria de construir os dois prédios, nada justifica pagar mais caro pelo outro praticamente igual.

    Se os preços foram iguais, a caracterização de formação de cartel fica muito evidente e precisa ser investigada. Afinal, por que seis grandes empreiteiras, em uma obra que cada uma teria capacidade de fazer sozinha, precisariam dividir entre elas em vez de cada uma participar da licitação concorrendo com a outra? Difícil de explicar.

    O próprio processo licitatório deveria proibir esse tipo de situação pois não existe explicação razoável. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come.

    No final das contas, nove grandes empreiteiras formando três consórcios executaram a obra. Cinco delas estão com diretores presos na Operação Lava Jato, acusados de formação de cartel e corrupção de funcionários públicos.

    Em março de 2010 havia uma investigação aberta no Ministério Público de Minas Gerais para apurar esse escândalo. Estamos em 2014 e onde estão os tucanos responsáveis? Todos soltos. A imprensa mineira, que deveria acompanhar o caso, nem toca no assunto de tão tucana que é. E a pergunta do momento é: onde está Aécio?

  7. O Toffoli ficou até parecido com o JB nesta foto, a mesma carranca ! Quanto ao Noblat….é um caso perdido de canalhice crônica !

  8. Bom dia, Edu. Só um comentario, nem em dez encarnaçoes esse espectro de gente, o noblat, com minusculo mesmo, se compararia a um sujeito com você.

  9. Edu, permita-me discordar. Ele provavelmente recebeu ordens para ajeitar a opinião. Ele deverá publicar, também, um texto refazendo (ajeitando) sua opinião sobre o artigo do “El Bigodon da ABL). Vamos aguardar.

  10. NASSIF ALERTA NOVAMENTE

    http://jornalggn.com.br/noticia/juiz-moro-monta-a-segunda-garra-da-pinca-do-impeachment

    Juiz Moro monta a segunda garra da pinça do impeachment
    sab, 22/11/2014 – 11:01
    Atualizado em 22/11/2014 – 11:09
    Luis Nassif

    Na posse, o irmão de Toffoli (que tem síndrome de Down) dá em Lula o beijo.

    No post “Armado por Toffoli e Gilmar já está em curso a estratégia do impeachment” alertei que a estratégia consistiria em encontrar ligações entre a Lava Jato e a campanha de 2014. Ou seja, sinais de contaminação do Caixa 1 da campanha.

    Agora já se tem o controle das duas garras da pinça.

    Numa ponta, Gilmar Mendes com todos os documentos da prestação de contas do PT e da campanha de Dilma – auxiliado por um batalhão de técnicos do Banco Central, Tribunal de Contas da União e da Receita. Leia o post “Gilmar dá mais um passo em direção ao terceiro turno”.

    Na outra, o juiz Sérgio Moro, que ontem estendeu a quebra de sigilo das empresas de Yousseff para 2014.

    Nem o PT nem o Palácio demonstram dispor de alguma estratégia defensiva. O Palácio não dispõe sequer de um conselheiro para transitar pelo mundo jurídico. Se depender de ambos, a legalidade estará indefesa.

    Como se recorda, o primeiro lance da jogada foi montado pelo presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Antônio Dias Toffoli, ao atropelar o regimento e montar um sorteio que – contra todas as probabilidades – jogou os dois processos no colo de Gilmar Mendes.

    O sorteio foi montado menos de oito horas úteis após o final do mandato do conselheiro Henrique Neves e antes mesmo que os documentos da prestação de contas tivessem chegado ao Tribunal. Menos de meia hora depois de ser “sorteado” Gilmar Mendes tomou as providências para tornar irreversível o remanejamento dos processos.

    Segundo o presidente do PT, Rui Falcão, o partido se cercou de todas as precauções para impedir dinheiro contaminado na campanha.

    Além dos técnicos que o auxiliam na avaliação das contas, Gilmar conta com um conselheiro especial: o próprio Toffoli que já foi advogado do PT.

    Não significa que o impeachment são favas contadas. Há muita água a rolar debaixo da ponte.

    Mas significa que o jogo está armado e que, no mínimo, conseguirá paralisar por um longo tempo um governo que necessita de urgência para estabilizar a economia.

    As informações sobre a ampliação do prazo de quebra de sigilo das empresas de Alberto Yousseff, foi dada hoje pelo O Globo.

  11. Se fosse o contrário, isto é, se o Aécio tivesse ganho a eleição e o Toffoli, por exemplo, fosse “sorteado” para examinar as contas da campanha dele, tenho certeza que o PSDB já estaria arguindo a suspeição dele no próprio TSE ou no STF, com o Gilmar Mendes apoiando abertamente como sempre fez. Esse excesso de “republicanismo” do PT realmente não dá para entender. É evidente que Gilmar Mendes é parcial e suspeito para examinar as contas da Dilma. Só o “sorteio” do Toffoli para permitir isso.

  12. Todos soltos.
    Todos bandidos.
    O JUDICIÁRIO, a muito perdeu.
    A moral que tinha, quando era anonimo.
    Num foi colocado em xeque, nas manifestações.
    Eram os limpinhos..

  13. Dilma desmoraliza Veja.

    De novo

    http://www.conversaafiada.com.br/pig/2014/11/22/dilma-desmoraliza-veja-de-novo/

    Dilma já processou Veja por fraude eleitoral.

    Sugestão do amigo navegante Luciano Machado

    O Conversa Afiada reproduz nota da Presidência da República:

    NOTA À IMPRENSA

    A reportagem de capa da revista Veja de hoje é mais um episódio de manipulação jornalística que marca a publicação nos últimos anos.

    Depois de tentar interferir no resultado das eleições presidenciais, numa operação condenada pela Justiça eleitoral, Veja tenta enganar seus leitores ao insinuar que, em 2009, já se sabia dos desvios praticados pelo senhor Paulo Roberto Costa, diretor da Petrobras demitido em março de 2012 pelo governo da presidenta Dilma.

    As práticas ilegais do senhor Paulo Roberto Costa só vieram a público em 2014, graças às investigações conduzidas pela Polícia Federal e pelo Ministério Público.

    Aos fatos:

    Em 6 de novembro de 2014, Veja procurou a Secretaria de Imprensa da Presidência da República informando que iria publicar notícia, “baseada em provas factuais”, de que a então ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, recebeu mensagem eletrônica do senhor Paulo Roberto Costa, então diretor da Petrobras, sobre irregularidades detectadas em 2009 pelo Tribunal de Contas da União nas obras da refinaria Abreu e Lima. O repórter indagava que medidas e providências foram adotadas diante do acórdão do TCU. A revista não enviou cópia do e-mail.

    No dia 7 de novembro, a Secretaria de Imprensa da Presidência da República encaminhou a seguinte nota para a revista:

    “Em 2009, a Casa Civil era responsável pela coordenação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Assim, relatórios e acórdãos do TCU relativos às obras deste programa eram sistematicamente enviados pelo próprio tribunal para conhecimento da Casa Civil.

    Após receber do Congresso Nacional (em agosto de 2009), do TCU (em 29 de setembro de 2009) e da Petrobras (em 29 de setembro de 2009), as informações sobre eventuais problemas nas obras da refinaria Abreu e Lima, a Casa Civil tomou as seguintes medidas:

    a. Encaminhamento da matéria à Controladoria Geral da União, em setembro de 2009, para as providências cabíveis;

    b. Determinação para que o grupo de acompanhamento do PAC procedesse ao exame do relatório, em conjunto com o Ministério de Minas e Energia e a Petrobras;

    c. Participação em reunião de trabalho entre representantes do TCU, Comissão Mista de Orçamento, Petrobras e MME, após a inclusão da determinação de suspensão das obras da refinaria Abreu e Lima no Orçamento de 2010, aprovado pelo Congresso.

    Nesta reunião, realizada em 20 de janeiro de 2010, “houve consenso sobre a viabilidade da regularização das pendências identificadas pelo TCU” nas obras da refinaria Abreu e Lima (conforme razões de veto de 26 de janeiro de 2009). Foi decidido, também, o acompanhamento da solução destas pendências, por meio de reuniões regulares entre o MME, o TCU e a Petrobras.

    A partir daí, o Presidente da República decidiu pelo veto da proposta de paralisação da obra, com base nos seguintes elementos:

    1) a avaliação de que as pendências levantados pelo TCU seriam regularizáveis;

    2) as informações prestadas em nota técnica do MME que evidencia os prejuízos decorrentes da paralisação; e

    3) o pedido formal de veto por parte do então Governador de Pernambuco, Eduardo Campos.

    Este veto foi apreciado pelo Congresso Nacional, sendo mantido.

    A partir de 2011, o Congresso Nacional, reconhecendo os avanços no trabalho conjunto entre MME, Petrobras e TCU, não incluiu as obras da refinaria Abreu e Lima no conjunto daquelas que deveriam ser paralisadas.

    E a partir de 2013, tendo em vista as providências tomadas pela Petrobras, o TCU modificou o seu posicionamento sobre a necessidade de paralisação das obras da refinaria Abreu e Lima”.

    A inconsistência da reportagem de Veja é evidente. As pendências apontadas pelo TCU nas obras da refinaria Abreu e Lima já haviam sido comunicadas, em agosto, à Casa Civil pelo Congresso e foram repassadas ao órgão competente, a CGU.

    Como fica evidente na nota, representantes do TCU, Comissão Mista de Orçamento do Congresso, Petrobras e do Ministério de Minas e Energia discutiram a solução das pendências e, posteriormente, o Congresso Nacional concordou com o prosseguimento das obras na refinaria.

    Mais uma vez, Veja desinforma seus leitores e tenta manipular a realidade dos fatos. Mais uma vez, irá fracassar.

  14. Edu, vou dar uma de “advogado do diabo”, até porque nem simpatizo com o Toffoli, porque tem gente que diz conhecê-lo pessoalmente e que ele não faria algo do tipo, embora todos saibam que, uma coisa é a pessoa ter conhecido a pessoa num momento etc e outra é como a mesma se comporta no poder. Mas essa parte que o Noblabla (filhote de Gustavo Krause) relata, parece que de fato aconteceu, tem comentário similar naquele post acusatório do Nassi, e se isso aconteceu a falha foi do Planalto, mais um vacilo pra lista de vários e algo inaceitável:

    “No último dia 13, o mandato de Henrique terminou. Com bastante antecedência, o ministro Dias Tóffoli, presidente do TSE, havia encaminhado a Dilma uma lista tríplice com nomes de possíveis substitutos de Henrique.

    Um dos nomes da lista foi o do próprio Henrique, que poderia ser reconduzido.

    Como Dilma nada respondeu, e sem poder contar mais com Henrique, Tófolli acionou o sistema eletrônico do TSE, que sorteou o nome de Gilmar para relator das contas.

    O Ministério Público Eleitoral entende que, em caso de vacância do ministro efetivo, o encaminhamento dos processos que estavam com ele deverá ser feito para o ministro substituto da mesma classe. No caso, da classe de Henrique.

    Tecnicalidade. Que de nada vale. Muito menos quando o ministro sorteado para relatar um processo é titular do Supremo Tribunal Federal. Como Gilmar é.”

    E o resto são as velhas acusações de sempre “blogueiros chapa branca” etc que esses caras do PIG repetem a exaustão. Aquele ex-embaixador do Brasil, Lampreia, também citou os “blogueiros do PT” no último programa Globo News Painel, parece que o PIG inteiro lê vocês, apesar de atacar, rs.

    Mas voltando ao assunto, o Noblat vai adular qualquer coisa que pareça contra o PT, apesar de ser estranho o tratamento dado ao Tóffoli na Globo, mas a meu ver o erro maior aí, de novo, foi do Planalto.

    Se o governo vai cometer os mesmos erros dos últimos 4 anos, teremos 4 anos “emocionantes” pela frente, no pior sentido do termo. Espero que mude, e o ponto de mudança central é na Comunicação, Ministério da Cultura e Ministério da Justiça, pastas que estão com o PT.

    Me pareceu, mas pode não ser, não sei da motivação do Nassif praquilo, picuinha pessoal o ataque naquele post, mas pode não ser, o tempo dirá (dezembro descobriremos), mas ele com isso acaba queimando um ministro que por esse tipo de pressão tenderá a votar contra o PT em tudo. Se o ministro em questão tivesse mais personalidade, se colocaria acima disso (das pessões), mas não me parece ser o caso (espero estar enganado).

  15. Pela mudança de opinião, eu acho que ele não é DIABÉTICO.

  16. ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

    ****

    *************.

    * . . . . **** . . . . Lei de Mídias Já!!!! **** … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. **** … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  17. Prezado Eduardo,

    Já bem diz o ditado popular que “o diabo mora nos detalhes”, isso quer dizer que muitas vezes é nas pequenas coisas, nas entrelinhas, que temos de tomar o não dito como dito.

    Vamos a uma frase do mais recente texto do Noblat, que você comenta, Eduardo:

    “Tecnicalidade. Que de nada vale. Muito menos quando o ministro sorteado para relatar um processo é titular do Supremo Tribunal Federal. Como Gilmar é.”.

    Tecnicalidade, neste caso, significa algo ilegal ou à margem dos regulamentos e normas vigentes, conforme foi apontado pelo Ministério Público Eleitoral. Este órgão público foi quem disse que Tóffoli transgrediu a regra.

    Para surrupiar a verdade Noblat tergiversa, o que é ilegal ou fora do normal estabelecido vira “tecnicalidade”. Se o mérito da questão atingisse os tucanos seria uma grita generalizada. Se contra o PT passa a ser uma questão menor.

    Um ‘ministro titular sorteado’ vira prova de imparcialidade, e qualquer interpretação divergente se transforma em tentativa de “CONSTRANGIMENTO’ a um ministro do Supremo, por medo de que esse ministro aponte as irregularidades – neste caso deve ser lida “falcatruas”, e não irregularidades – porque irregularidades são frugais, possíveis e corriqueiras, e falcatrua é a única leitura possível para o fato causar medo. O que é frugal não causa medo.

    “Como Gilmar é” significa uma frase sem complemento óbvio, que esconde todas as manifestações do ministro em declarações com juízo de valor contra o PT, contra o governo, contra Lula e contra Dilma, razão mais do que frugal para se imaginar – ao menos isso – algum nível de impedimento ético, moral, lógico, jurídico, do ministro. Para Noblat tudo isso é “tecnicalidade”, nada importante. Dispensável.

    “Segundo especialistas consultados, é um caso que pode configurar conflito de interesses.”, não para o caso em questão, sob comento. Esse “palpite” (coisa que se dá a resultados de jogos de futebol ou se marca no cartão da mega sena, por exemplo), foi apresentado pela Veja para constranger Tóffoli no julgamento do MENTIRÃO, apenas pelo fato de que a companheira de Tóffoli naquele momento (2012) ter exercido a profissão de advogada defendendo José Dirceu (entre 2005 e 2007). Ao se observar as datas dos episódios que, segundo Veja, estabelecido estava o “conflito de interesses”, os comentários de Noblat – neste momento em que afirma ser uma “tecnicalidade” o protesto do Ministério Público Eleitoral – são risíveis.

    Melhor dizendo: A hipocrisia geral dessa republiqueta de bananas e sua elite empedernida é caso sério para a psiquiatria da política em território nacional.

  18. Quando o governo não é neoliberal a elite tupiniquim rumina golpe durante as 24 horas do dia

    http://lexometro.blogspot.com.br/

Trackbacks

  1. Por que Noblat passou a amar Dias Toffoli?
  2. Retrato inacabado de um mídia venal e suas penas de aluguel | Ficha Corrida

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.