Não dá para chegar a um acordo sobre os protestos… Ou dá?

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Recebo e-mail do grupo Mídia Ninja que, somado a tudo que se vê por aí em defesa dos grupos que protestaram contra a Copa – e que, agora prometem protestar contra as eleições, pois rejeitam a “democracia representativa” –, mostra quão difícil será evitar que jovens de classe média continuem sendo presos, que a polícia continue reprimindo protestos com tanta dureza e que os cidadãos comuns – em resumo, os trabalhadores que têm horários a cumprir – deixem de ser torturados por esses atos públicos.

Para entender o problema, primeiro é preciso ver a mensagem supracitada.

 

Antes de prosseguir, chamo atenção para a imagem dos “presos da Copa” que está no alto da página. O grupo Mídia Ninja incluiu os dois rapazes que mataram “acidentalmente” o cinegrafista da Rede Bandeirantes, Santiago Andrade.

Como faz com isso? Andrade perdeu a vida por causa do rojão que esses dois, com o círculo vermelho ao redor dos rostos, dispararam. Fica por isso mesmo?!! Não ficam presos por terem disparado o artefato que matou o cinegrafista?!!

Só pode ser brincadeira…

Enfim, conheço o Pablo Capilé, um dos líderes do Mídia Ninja. Julgo ser um rapaz muito inteligente e não creio que tenha más intenções. Não dá, porém, para ler esse texto sem uma boa dose de espanto. E não só esse texto, mas muitos outros de grupos que apoiam protestos desse tipo. Isso sem falar nos militantes dos protestos que passaram a assolar o Brasil do ano passado para cá e que basta você dizer alguma coisa nas redes sociais contra protestos para virem interpelá-lo brandindo violência policial como “razão” para a violência dos black blocs.

Assim fica difícil. Nunca se vai chegar a um entendimento e as arbitrariedades que alguns apontam nas prisões ou mesmo na ação da polícia nos protestos, vão piorar.

Para entender melhor o tamanho do problema, vale ler, abaixo, reportagem recente da BBC Brasil intitulada “Após Copa ‘esvaziada’ nas ruas, manifestantes querem mobilização nas eleições”

Clique na imagem para visitar o site em que a matéria foi publicada

Então ficamos assim. O que esses grupos querem são pretextos para protestar. E notem que acham que as manifestações que promovem fracassaram em termos de público porque o povo estava absorto na Copa, ainda que antes dela tais protestos já não estivessem conseguindo reunir muita gente.

Falta entendimento a esses grupos sobre o repúdio que a sociedade está manifestando contra protestos violentos. Até porque, tais grupos negam que sejam responsáveis pela violência que eclode toda vez que vão às ruas.

Infelizmente, não se consegue dialogar com essas pessoas. Vejam só a matéria do Mídia Ninja, acima. Os ativistas todos são tratados como pessoas que nada têm que ver com a organização e a estrutura dos protestos. Pior: querem que acreditem que não têm culpa se alguns black blocs aparecem munidos de coquetéis molotov, rojões, bombas e tantos outros artefatos que, como já se viu na morte do cinegrafista da tevê Bandeirantes, podem matar.

Posso afirmar que, sem vandalismo, não há repressão policial. Quem frequenta este blog há mais tempo sabe que daqui nasceu a ONG Movimento dos Sem Mídia e que ela já promoveu vários atos públicos, a maioria diante de grandes empresas de mídia como a Folha de São Paulo. Alguns desses protestos chegaram a ser numerosos e a polícia sempre se limitou a acompanhá-los.

Abaixo, vídeo de um dos protestos que este blog convocou

 

 

 

A polícia militar brasileira é, sim, truculenta. Trata os pobres como animais. Inclusive, mata-os até por uma simples suspeita. Porém, não faz isso com professores universitários, estudantes, enfim, com pessoas como nós que se interessam por política e até militam nela, seja em entidades como o MSM ou o Mídia Ninja, seja em sindicatos, partidos etc.

Nas vielas escuras, nos grotões das grandes cidades, a polícia, seja civil ou militar, toca o terror. Mas não faz isso na avenida Paulista, por exemplo. Lá, só quando provocada. Aí, perde o controle e acaba dando vazão à sua truculência, inclusive porque não pode ficar inerte diante de uma garotada ensandecida que sai quebrando tudo e, ainda por cima, munida de artefatos que podem até matar, como já se sabe.

A grande dificuldade para se conseguir que os protestos possam ocorrer democraticamente e para que a polícia se limite a acompanhá-los, sobretudo quando são grandes, reside nos grupos violentos que essas manifestações admitem, sim. E que, sem reconhecer publicamente, até incentivam, porque acham que sem “pegar pesado” não haverá “reações”.

Esses grupos têm razão. Se algumas centenas de pessoas se reúnem pacificamente, mesmo interrompendo o trânsito o protesto não ganhará maior repercussão – as grandes cidades já se habituaram ao fenômeno. 500, 600 pessoas interrompendo o trânsito não é mais assunto para o Jornal Nacional e os protestos contam com a mídia. Não apenas esses protestos, mas todo e qualquer protesto em público.

Sem que os grupos que protestam aceitem abrir mão do quebra-quebra e dos artefatos potencialmente perigosos, a repressão e as prisões tendem a aumentar. Nesse processo, vão ser comprometidas as vidas de jovens que nunca tiveram problemas com a lei e que não são bandidos – são “apenas” descerebrados que acham que podem acabar com a “democracia representativa”.

Há pouco, vimos isso ocorrer com os dois rapazes cariocas que mataram o cinegrafista da tevê Bandeirantes. É óbvio que não são bandidos, mas tiraram uma vida por conta dessa visão dos militantes que infestam a internet defendendo as ações dos black blocs abertamente.

Voltemos à reportagem da BBC Brasil. Notem que esses grupos agora querem protestar durante as eleições – e também contra elas. Ora, a lei não admite isso. Antes dos pleitos em primeiro ou segundo turno, até pode haver protestos pacíficos, mas protestos violentos nem pensar.

E não adianta dizerem que não têm nada que ver com a violência. Há investigações sendo feitas para identificar os que insuflam a violência mesmo sem participar dela. E pior: nos dias dos pleitos em primeiro e segundo turno nem manifestação pode ser feita. Se forem à rua, serão reprimidos mesmo. E estarão cometendo crime eleitoral.

Há alguma possibilidade de diálogo? Para isso, seria preciso que os movimentos que estão indo à rua admitam que são responsáveis pela violência que aparece em praticamente todos os atos que convocam. Essa história de dizerem que não são black blocs é uma tentativa de fazer a todos de bobos. Muitos não praticam a violência diretamente, mas contam com ela e até ajudam a “organizá-la”.

Fica difícil, pois, ignorar que há gente graúda por trás desses protestos violentos. Gente que, inclusive, nem dá as caras neles e que está pouco se lixando para esses jovens que foram encarcerados após investigação policial que afirma ter detectado que estão na organização velada da violência escancarada e deixada a cargo de descerebrados, muitos com espinhas na cara.

Como as eminências pardas dos protestos violentos não aparecem continuarão insuflando essa moçada, usando-a como bucha de canhão. É como se esses jovens que vão para a linha de frente fossem extremistas muçulmanos que sacrificam suas vidas pela “causa”. E, no caso em questão, já há vários que estão sacrificando.

Se for possível algum diálogo com essas lideranças, portanto, muito bem. Do contrário, paralelamente às tentativas de diálogo a polícia deve localizar os mentores intelectuais de tudo isso. Aqueles que acham que não correm risco de ser trancafiados e que, portanto, independentemente das ações da polícia continuarão oferecendo “mártires” para os movimentos incensarem em mais protestos, antes de começarem a quebrar tudo.

Tags: , , , ,

108 Comentário

  1. Amigos (as) o Flamengo está mal no brasileirão porque o clube não deu atenção para esse projeto do bem, até hoje não tive uma resposta.

    Rio de Janeiro, 28 de outubro de 2013

    Clube de Regatas do Flamengo

    Presidência e Diretoria de Marketing

    Assunto: PROJETO: SEGUNDA-FEIRA DO BEM

    Prezados amigos (as) sou Flamengo de paixão e amo o meu clube de coração. Por isso, gostaria de sugerir um projeto que poderá servir de bom exemplo para o mundo inteiro, pois fazer o bem, faz bem. Todo mundo sabe que a segunda-feira é o dia de folga dos jogadores de futebol, mas para fazer o bem, não tem dia, todo dia é dia, por isso, o Flamengo no PROJETO: SEGUNDA-FEIRA DO BEM, escalaria um jogador do elenco, para que visite uma instituição de caridade, e essa visita, seria registrada e colocada nos site do clube, para que a torcida siga esse belo exemplo de fazer o bem, e ajudar, quem precisa de ajuda. Amigos (as) espero que o Projeto: SEGUNDA-FEIRA DO BEM se espalhe pelo Brasil e pelo mundo, e ajude muita gente, que precisa de um pouco de carinho e atenção de todos nos, que gostamos de fazer o bem. Infelizmente muitos jogadores, só vão parar nas manchetes dos jornais e revistas, quando estão fazendo coisa errada, e está na hora de mudar um pouco esse jogo. Observação; Todo mundo ganha com esse projeto do bem, boa sorte Mengão!

    • Discordo de você Claudio José.

      O Flamengo carrega a lanterna do Brasileirão apenas porque é o time mais caridoso do campeonato.
      Ontem mesmo o rubro negro carioca doou 3 pontos para o Atlético do Paraná.

      O Clube da Gávea está revolucionando aquela famosa frase que dizia “Ou dá ou desce” porque o Mengão “dá e desce” pra segundona.

      Abracinho.

    • Amigos (as) Deus é justo, parabéns ao campeão alemão!
      Özil doa seu prêmio pelo título da Copa para cirurgias de 23 crianças do Brasil
      Meia alemão disse que essa foi a forma de agradecimento pela hospitalidade do povo brasileiro

      O DIA
      Alemanha – Özil escolheu uma bela maneira de utilizar o prêmio dado pela Federação de Futebol da Alemanha pela conquista do título da Copa do Mundo. O meia doou o dinheiro para realizar cirurgias de 23 crianças brasileiras.

      “Antes do Mundial pensei em apoiar a cirurgia de 11 crianças doentes. Mas depois de vencer a Copa, que não é o trabalho de apenas 11 jogadores, mas sim de uma seleção inteira, decidi aumentar o número para 23″, disse Özil através do Facebook.

      Özil doou sua premiação para ajudar crianças
      Foto: Reprodução Facebook
      A quantia cedida por Özil é de 300 mil euros (em torno de R$900 MIL).

      “Este é o meu agradecimento pessoal pela hospitalidade do povo brasileiro”, afirmou o alemão.

      A boa ação do meia alemão faz perte do Big Show, um programa que recebe doações na web para que jovens sem condições fincanceira possam fazer cirurgia que não podem pagar.

  2. Descobri: essa minoria que protesta, a oposição, o PIG e vira-latas soltos não tem agenda positiva, não tem nada a apresentar; ficam “abutrando” em cima de qualquer “passarinho morto” e escondem a monstra agenda positiva do governo do PT.

  3. escondem a monstra agenda positiva do governo do PT.

    Tipo assim na Petrobras

    • Inclusive na Petrobrás, sim!!!
      Se vc se dispuser a pesquisar a Petrobrás em números, vai comprovar isso: o PSDB quase afundou a Petrobrás; o PT a fortaleceu, tornando a Empresa uma das maiores e mais bem sucedidas do mundo. Eu mesma, pesquisando para responder a um conhecido cozinha, findei por comprar ações da Empresa.

      • Tipo assim, a imprensa do PIG esconde qualquer número do crescimento da Petrobrás, de quanto a Petrobrás paga de imposto ao Governo Federal, de quanto a Petrobrás acaba criando um círculo de desenvolvimento nas indústrias navais e nos setores envolvidos direta ou indiretamente com a Petrobrás.

        A imprensa do PIG esconde que o afundamento da P-36 foi uma obra do governo do finado FHC, um número importante, mas esquecido propositalmente pelo PIG.

  4. Wilsoleaks… que maldade com o menguinho, cara.

  5. Então ficamos assim: para resgatar a credibilidade, os grupos de manifestantes precisam responsabilizar-se sobre a atração que exercem sobre os blacks (não vamos esquecer que essa prática black é importada). Vamos combinar que, no Brasil, mascarado fora do carnaval é bandido.

    • Atração uma ova. É o mesmo grupo. Estão juntos. Fazem reuniões juntos. Essa separação não existe. É tática pra fazer todos de idiotas

    • Bandidos de alta periculosidade, comandados por partidos políticos que financiam seus atos com o nosso dinheiro e até por gente graúda do governo. São íntimos.

  6. A Mídia Ninja passou dos limites, não é possível defender essas pessoas que mataram o cinegrafista. Como assim soltem todos os presos da Copa?? Matéria sensacionalista! pois, alguns em nada tem haver com a Copa. A polícia é truculenta, mas, há casos em que os manifestantes querem romper o isolamento feito pela polícia, ai vem todo truculência, e abusos por parte da polícia. Não da para defender ninguém nesses casos, somente em casos onde houveram prova forjada.

    • Concordo. Terroristas assassinos mudou de nome. Agora são chamados de ATIVISTAS. Eles podem quebrar, incendiar os patrimônios públicos e privados, assim como vem fazendo há anos os “ATIVISTAS” do MST, MTST, VIA CAMPESINA e outros mais. São comandados por gente que tem dinheiro, como o Stédile, Bruno Maranhão, milionário me parece pernambucano falecido recentemente. Bruno Maranhão é o mesmo cafajeste que invadiu a Câmara dos Deputados em Brasília, onde deram um prejuízo enorme e não foi penalizado por ser amigo do CHEFE. Esses bandidos só merecem cadeia de segurança máxima com uma penalidade bem alta sem direito a condicional, pra aprenderem a respeitar o povo brasileiro.

      • Prezado Edu e leitores do blog,

        Só queria alertar para termos cuidado ao julgar as pessoas que foram presas.
        Devemos neste momento realmente considerá-las terroristas?
        Será que a polícia não cometeu abuso de poder ao ir nas casas delas para prendê-las?
        Podemos garantir que “provas materiais” não foram plantadas para incriminá-las?
        O relatório da polícia vazou para alguns jornalistas.
        Até que ponto podemos confiar nas notícias divulgadas pelos grandes meios de comunicação, os mesmos que o próprio Edu não cansa de desmascarar aqui pelos ardis, meias verdades e clichês com que tentam influenciar a opinião pública?

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.