Em defesa da Seleção

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

 

A overdose de opiniões sobre “A” derrota parece ter praticamente esgotado o assunto, até por ação de uma patética uniformidade opinativa oriunda do medo de divergir e da “necessidade” psicótica de grande parte dos brasileiros de se autoflagelar com requintes de crueldade.

Desde o ano passado muitos descobriram que a censura oficial dos anos de chumbo foi substituída por um ímpeto censor diferente, do qual o pior efeito é a autocensura dos que temem danos à própria imagem se divergirem do consenso momentâneo que se estabelece sobre várias questões.

Foi assim durante as manifestações de junho de 2013. Posso garantir ao leitor que muitos dos que sabiam que aquele movimento só serviria para desgastar Dilma Rousseff – e para mais nada –, de forma ignóbil fizeram mais do que se calar: aderiram ao que achavam ser errado.

Como sei disso? Muitos amigos me recomendaram que não contestasse o que, então, desfrutava de apoio quase unânime no país – cerca de 80% dos brasileiros chegaram a apoiar aquilo. Fizeram-me inúmeras ponderações sobre “suicídio imagético”.

Hoje, para os que se calaram sobre aquele movimento de massas ficou tão fácil criticá-lo quanto, para os que o defenderam de forma irreversível, ficou difícil voltar atrás e reconhecer o erro de avaliação.

Isso, porém, não muda o fato de que a grande maioria percebeu que aquele movimento resultou em nada, se se desconsiderar o prejuízo a um único partido político.

Cumpre-me, pois, nadar de novo contra a corrente dizendo o que penso do “vexame” da Seleção e – para os que substituíram o complexo de vira-lata pelo de ameba – “do Brasil”. Vou, aqui, defender a Seleção.

Mas, antes, faço algumas outras considerações.

A quantidade de cretinices que se leu e ouviu nos últimos dias deve superar a de estrelas em uma noite de firmamento límpido. A pior dessas cretinices foi compararem Brasil e Alemanha como sociedades. A segunda pior foi atribuírem a derrota “vexaminosa” ao governo Dilma.

Comecemos pela segunda: se o desempenho de uma seleção de jogadores de futebol for mérito ou demérito de governos, então o melhor de todos os governos brasileiros deve ter sido o do ditador Emílio Garrastazu Médici, durante o qual o Brasil sagrou-se tricampeão com um magnífico futebol.

Mas a comparação entre o bem-estar social do povo germânico e do tupiniquim é muito pior. A história germânica remonta a uns 4 mil anos. Precisa dizer mais?

Chegaram a comparar a saúde, a educação e até a quantidade de prêmios Nobel que o povo alemão conquistou. Por que? Por causa do futebol…

Se futebol fosse medida de desenvolvimento social os pentacampeões deveriam ser os alemães, não os brasileiros. A nossa hegemonia nesse esporte ao longo do século XX e na primeira década do século XXI – com a conquista do penta, em 2002 – decorre, inclusive, de nosso subdesenvolvimento.

A valorização do futebol, no Brasil, é um dos passivos do país. Este que escreve não torce por nenhum time de futebol e sempre se desesperou com o verdadeiro transe deste povo que esse esporte desencadeia.

Porém, minha opinião sempre foi a de que realizar uma Copa por aqui nada tem que ver com o tempo, a atenção e os recursos exagerados que o brasileiro despende com um simples esporte.

A Copa de 2014 está sendo a nossa grande oportunidade de mostrar ao mundo que o Brasil é um excelente roteiro turístico e, além disso, de que somos capazes de realizar, com brilho, um grande evento internacional.

Isso sem falar na montanha de dinheiro que o país está ganhando com a Copa, em um nível de lucratividade que supera em muito os custos.

Então, vamos à defesa da Seleção. Não são necessários muitos neurônios para entender por que ocorreu o “desastre” desportivo. E este não se deveu, apenas, a nenhum dos jogadores brasileiros em campo, com exceção do goleiro, ter disputado uma Copa.

É claro que foi uma aposta extremamente ousada de Felipão convocar uma equipe virgem em Copas do Mundo, mas a Copa das Confederações insinuava que aquela equipe poderia brilhar, de novo, em outra competição internacional.

Mas é claro que não foi só isso – aliás, a inexperiência em Copas poderia ter sido superada.

A juventude e a inexperiência dos jogadores, porém, foram fatores que se exacerbaram devido a outros fatores, ou melhor, devido à literal sabotagem que a Seleção sofreu por parte da mídia brasileira e de grupos políticos.

Alguns profetas dos fatos ocorridos agora se gabam de terem “acertado” ao criticarem a Seleção e, como “prova” disso, esfregam a derrota fragorosa nos rostos de quem não quis se juntar à uma verdadeira matilha de lobos que tratava de desmotivar aqueles jovens.

Seria normal haver críticas contra a Seleção, mas o espalhafato dos protestos violentos, a apatia da torcida, a frieza inicial da população com a Copa, tudo isso pressionou emocionalmente uma equipe imatura.

Imagine, leitor, quantas foram as noites em que aqueles garotos sonharam… Ou melhor, imagine quantos pesadelos eles tiveram com o desastre que se materializou. Sabiam muito bem que teriam que conquistar o povo brasileiro, ineditamente indisposto com o esporte que ama.

Mesmo vendo os problemas – sobretudo o da inexperiência e o do emocional da Seleção –, quem não queria o desfecho que sobreveio tinha OBRIGAÇÃO de combater o derrotismo e a pressão psicológica disparados sem piedade contra aqueles garotos assustados.

Ao longo da competição, a equipe mais criticada pela mídia foi, de longe, a nossa. Chega a ser ridículo que alguém se jacte de ter “avisado”. Ora, quem não “avisou”? A mídia em peso “avisou”. O tempo todo. Sem parar. Dia e noite.

As arbitragens questionáveis e o desfalque de dois jogadores importantíssimos acabaram com o pouco de equilíbrio emocional que havia.

É óbvio que uma equipe com jogadores tão valorizados no mercado mundial de futebol não deveria ter sofrido aquela derrota, naquele nível de contundência. O que aconteceu nada tem que ver com o futebol brasileiro, que um ano antes brilhara na Copa das Confederações.

Aliás, a mídia previa sucesso dentro de campo e vexame fora, por conta da organização do evento. Ocorreu o contrário.

Após o primeiro jogo da Seleção na Copa deste ano, reclamaram providências da Comissão Técnica para contornar o problema emocional que já naquele jogo foi visto, com o gol contra de Marcelo. Ok, mas não disseram como fazer isso.

Alguém saberia dizer como se faz para acalmar garotos que nunca disputaram uma competição como essa e que passaram os últimos 12 meses vendo o clima de guerra no país contra a Copa, sem falar na avalanche de desqualificações?

Se alguém tem alguma culpa, é Felipão. Infelizmente, essa é a verdade.

Escalar uma equipe cem por cento inexperiente – o goleiro Júlio Cezar não atenua esse déficit –, foi uma temeridade. Ainda mais sabendo de quantos interesses políticos havia em que o fracasso sucedesse dentro e fora de campo.

E, por fim, como a burrice entrou em campo de forma tão acintosa, logo aparece aquele argumento estúpido sobre quanto ganham os jogadores – como se só craques brasileiros fossem bem pagos, como se no mundo inteiro os craques não ganhassem fortunas.

Ora, nossos jogadores bem pagos não roubam ninguém. Ganham muito porque dão muito lucro. Simples assim. E merecem ganhar, pois a disputa para chegar aonde chegaram é imensa, incomensurável.

Tudo isso me leva a uma única conclusão: não conseguiram sabotar a organização da Copa, mas conseguiram sabotar a Seleção. Quem sabotou? Os partidos políticos e os grupos de mídia que contavam com essa derrota em campo para lograrem uma vitória nas urnas.

Será que se darão bem?

Tags: , , , ,

163 Comentário

  1. Edu,

    Sabe o que mais me parte o coração é que esses jornalistas coxinhas náo sabem nem o que é luta e muito menos pátria.

    • e por acaso o futebol ilustra e representa esta parte nobre dos seus anseios ? LUTA e pátria ..é por isso que devemos lutar ..e é esta a pátria que queremos ver se edificar, a das chuteiras ?

      oras ..faz favor, tem MUITO mais coisa importante colega ..veja as ruas, nossas favelas, hospitais e GUETOS

      Verdade é que neste momento eu FICO INDIGNADO com os que hoje TOMARAM a bandeira do Progressismo e tentam a todo custo conservarem as coisas como estão, manterem velhas praticas só pq o DESFIO de se tentar de novas lhe da CAGANEIRA

      não, a coisa não precisa ser feita no berro, grito e depredação ..mas com juízo, sabendo por onde se trilhar e antevendo aonde se quer chegar

      Sem duvida que estas praticas representadas pela industria do futebol, uma industria acima de tudo CORRUPTA e manipuladora ..ela e seu consumo desnecessário, perdulário, fugaz, deletério ao recursos sempre escassos frente aos BILHÕES e BILHÕES de esfomeados, tem que mudar

      e não se MUDA sem se quebrar OVOS

      esta pena chega a me embrulhar o estomago, não sabe ?

      decidam, por favor, o que vocês querem ser quando crescer ??!! pois progressistas e reformistas já sei que vocês AINDA não são !!!!

      • romanelli é uma piada ,eles governaram o Brasil por quinhentos anos e só empobreceram o Brasil, esses elementos não são digno de palpitar em nada, no governo deles só aumentaram favelas no Brasil,

    • E vc não tem a menor idéia do que seja futebol…

      A mais importante coisa das coisas menos importantes…

  2. Não vejo nada de mais em perder de 7.

    Até o meu querido São Paulo Futebol Clube já perdeu de 7 e não foi pra nenhum alemão, foi pro Vasco e pra portuguesa que estão mais pra bacalhau que pra chucrute.

    Em compensação, assim como nosso escrete canarinho, o tricolor paulista é o time brasileiro que mais venceu campeonatos nacionais e internacionais.

    É nóis!

    • Muito bom! E o Tricolor é o unico time que não se submete a cbf (com minuscula, claro).

      • Pois é Flávio…

        A CBF vive prejudicando o São Paulo Futebol Clube, mas a CBF é só uma anã gigante enquanto o Tricolor Paulista tem luz própria e brilha intensamente.

        Abração, parceiro.

    • Caro Wilsoleaks, também não é assim, né? Tenho certeza de que você viu o jogo e sabe que, se a Alemanha não tivesse respeito pelo futebol brasileiro e continuasse jogando com tudo, seria uns 10 ou 12, no mínimo. Não foi normal nem aceitável. A CBF tem que ter gente séria no comando. A seleção tem que ter gente séria, e não brava ou arrogante. Desde o começo, nosso técnico estava insuportável, não dava pra ver suas entrevistas. Ora, depois de perder dois dos principais jogadores, encarar uma Alemanha que TODOS sabiam estar melhor preparada e entrosada do que nós jogando sem meio campo defensivo? Deixaram o campo pra Alemanha jogar. Isso não foi normal, não é um resultado normal de um jogo desses. Foi feito pra provocar um trauma no Brasil. Abraço.

      • Querida Cibele…

        Você se lembra que antes de chamarem o Mano e o Felipão a CBF tentou contratar o Muricí Ramalho?

        Pois é… O “Muriçoca” não aceitou. Por que hein, Cibele? Será que o atual técnico do São Paulo Futebol Clube se recusou a ser simples fantoche do sistema CBF/Globo ou será que era mais lucrativo continuar dirigindo o Fluminense?

        Tenho pra mim que existe muito mais entre a CBF e a Globo do que possa supor nossa vã filosofia.

        Um grande abraço, companheira Cibele.

        • Wilso, o Muricy fez muito bem, é sempre fria ser técnico do Brasil com esse antro que é a CBF. Já torci muito pelo São Paulo quando era bem moleca, mas faz muito tempo já… Era época do Telê Santana. Hoje, não torço mais, só na copa. Essa história do placar contra a Alemanha está muuuito esquisita. Penso que tem coisa aí, e que nunca saberemos o que aconteceu de fato. Abração.

          • CBF e Globo, lógico. Repare que os caras não estão tristes, dá pra ver.

      • Eu não consegui me sentar o jogo inteiro quando pensava que era repetição do gol, já era outro nossa eu nunca tive tanto medo, eu passei o jogo todo me movimentando quando a Alemanha pegava na bola eu não conseguia olhar, nisso rapidinho 5×0. Os jogos anteriores foram jogos difíceis, sofridos para quem torcia, diferente da goleada sofrida pelo Brasil. Agora vou torcer sábado pelo BRASIL no 3º lugar, se não for mais que jogue diferente do futebol apresentado no jogo anterior, que foi muito difícil assistir, já que me surpreendeu demais a derrota e o placar. Ao contrários dos brasileiros que mostram ser avesso aos Argentinos apesar do vidente que diz que o Brasil não seria campeão do mundo, e cita que está entre a Alemanha, Argentina e Holanda, nisto ele não acertou já que Holanda se ganhar do Brasil fica em 3º. Domingo independente da Argentina ser campeão ou não vou torcer pelo time do Lionel Messi o melhor jogador do mundo, que fez uma partida maravilhosa contra a Holanda. Se ficar em 2º tá bom também.

    • Com licença, Wilson:
      Q meu Vascão tem a ver com o seu São Paulo? Ora, meu caro, vc não sabe nem avaliar o Clube de Regatas Vasco da Gama, o Campeão dos Campeões, título inédito no futebol nacional; q vc quer e pensa, jogando um bacalhau fedorento na cara de seus companheiros, aqui. Pq chucrute é nojento, tbm, e é germânico; agora, bacalhau é uma coisa entre nós, aqui, vascaínos e rubronegros, donos das maiores torcidas e conquistas do futebol, brasileiro… Brasileiro, ouviu? Não sei qual seria a extensão dessa sua frase, preconceituosa… Fica sabendo q foi o Vasco da Gama o primeiro clube de futebol a ter em suas fileiras, jogadores negros. E, q, pela ousadia, na época, pagou caro… Foi banido da elite do futebol, carioca… O Clube de Regatas Vasco da Gama tem tradição q poucos clubes de futebol, no Brasil, conseguiram… Ou vc nunca observou q aquela Seleção de 1950 era a própria equipe cruzmaltina? Tudo em 50 cheirava ao glorioso Vascão… No entorno daqueles anos de 50, o “expressinho” circulou, vencedor, pelo nosso País e pela América Latina… q curtia terrível preconceito sobre tudo q vinha do Brasil. Cara, por favor, não me venha comparar São Paulo Futebol Clube, ou mesmo Corinthians, insípido, ou com o Vascão, com nosso eterno rival, Mengão; ou mesmo… o Fluminense, o Botafogo, o São Cristóvão, o América… E, pelo Rio de Janeiro, existiam, ainda, outros Clubes, tradicionais. Tradicionais, meu caro, pq a imprensa dava o devido destaque, pra quem era de importância e da Capital Federal… Portanto, o Palmeira – transformer do Palestra Itália, o São Paulo, só existiam devido a alguns jogadores q batiam sua bola em São Paulo, mesmo… Só. E, pra terminar, qdo se ia em Porto Alegre, ou em Salvador, ou em Manaus, mesmo, os times mais queridos eram os cariocas… Nunca um São Paulo, elitista, ou um Palestra Itália, do passado.
      Abraço, fraterno (mtos risos…)

      • Caro Simas…

        Eu não sabia que a seleção de 1950 era composta quase que exclusivamente pelo Vasco, aliás, acho que a maioria dos brasileiros não sabe, se soubesse entenderia o “maracanaço” e compreenderia facilmente porque fomos VICE e não CAMPEÕES.

        Brincadeirinha… rsrsrs

        Estigmas à parte tenho que reconhecer o valor do Vascão da Colina, claro, reconhecer a grandeza do próximo é o primeiro passo para que reconheçam nossa real dimensão.

        Engraçado você frisar que o abraço é FRATERNO. E porque não seria, Simas, só porque sou bambi?

        Um abração FRATERNO em você também, amigo Simas.

    • Você não sabe a diferença entre uma derrota e um vexame?

  3. Li no Globo Esporte que o sr. Marin, presidente da CBF, após o jogo do Brasil contra o Chile, foi na convenção do PTB. Todos sabem que o PTB está apoiando Aécio e o sr. Marin já disse que apóia Aécio. Gozado que a Globo também apóia Aécio. Será que aí nessa união não teria havido um conluio para conspirar contra a seleção que poderia explicar esse vexame 7×1? Sobre a perda da Copa de 1998 existe uma série de teorias do que ocorreu naquela partida final entre Brasil e França, onde todos viram um time brasileiro irreconhecível que parecia um time de várzea, tal como aconteceu nesse jogo Brasil e Alemanha. Ronaldo jamais falará a verdade sobre o que aconteceu em 1998, pois segundo li em uma reportagem no portal Ig, isso envolve um figurão da Globo. E por mais que se comentem sobre esse vexame 7×1 alegando instabilidade emocional, continuo achando que foi tudo muito estranho, estranhíssimo. Quanto ao jogador colombiano que provocou a fratura em Neymar, li um comentário que acho muito apropriado. O colombiano, por mais que ele negue que não teve intenção de machucar Neymar, é só ver como ocorreu o lance. Zuniga veio por trás e abaixou a cabeça de Neymar fazendo com que sua coluna se encurvasse para dar a joelhada fatidica. A coluna encurvada ficou mais exposta ao impacto da joelhada.

    • Sobre esse lance de Zuniga sobre Neymar, o site Pragmatismo Político publicou um vídeo da TV argentina que comprova a premeditação desse lance maldoso que lesou Leymar. O link é: pragmatismopolítico.com.br/2014/07/video-mostra-que-agressão-neymar-teria-sido-premeditada.html/

    • A GLOBO É COMPRADA PELO PT. E’ iINCAPAZ DE MOSTRAR O DESASTRE ECONÔMICO QUE SE AGIGANTA A FRENTE !! E O MARIN, ASSIM COMO O RICARDO TEIXEIRA, SAO CHEGADOS E “PARCEIROS” DO LULA. ABRA O OLHO, SEJA INTELIGENTE!!!

    • Concordo, Helena. Falou tudo. Falta de transparência na CBF, na FIFA e no mundo do futebol em geral já é consenso. Agora, o que esses caras pensam que vão conseguir?

    • … Junta-se ao caso Neymar, justo como vc descreveu, Helena – a gente q bateu mto racha qdo garoto sabe como bater, firme; e derrubaram o Neymar, sem dó, sem piedade. Não dá pra entender o lance, dessa agressão, criminosa, separadamente do resto. Pq, o nosso craque foi caçado, em campo, durante aquele e os demais jogos… E, uma vez, q eu vi um lance mais afoito do Neymar, o Juiz da ocasião, correu pra apitar a falta. Quer dizer: não havia a mão dupla, da vista-grossa. Confesso q não tinha tempo pra ver os demais jogos; todos os demais; mas, quero crer os Juízes não estariam condescendentes com faltas, nos demais jogos; só nos q o Brasil participou… Talvez, somente tenha dado dois cartões amarelos, apenas pra um jogador brasileiro, q seria importantíssimo, justo onde éramos mais fortes… Na defesa. Mto estranho, isso, acho. Se juntarmos os comentários negativos, contra o desempenho da Seleção Nacional; se observarmos q todas as demais seleções eram excepcionais, principalmente a mais fracas; poderemos juntar, tudo no mesmo balaio de propaganda, negativa, anterior à Copa, e q, uma vez iniciada a competição, não teria mais sentido fazê-lo; continuar a repeti-lo…
      Particularmente, eu achei mto esquisito tantos erros, banais, juntos, q se seguiram a gol… Não aceitei, em princípio. Fiquei morrendo de raiva de nossos jogadores. Contudo, eu não consegui me desvencilhar da TV… Mudava de canal e mudava de canal… Até q tirei o maldito som… e me senti liberto da lavagem q sofria. E comecei a ligar os fatos e a achar q, não q fosse mais uma conspiração; porém, q, qdo comecei a botar som, novamente, eu me sentia pressionado a tomar uma consciência, negativa, q anteriormente não estava predisposto. Realmente, os comentaristas, malditos, estavam me levando a uma indisposição com a Seleção.
      Gente, eu não sou jovem. A minha idade me predispõe a sentir depressão; acho. E eu nunca fui dado e essas frescuras… Não seria uma frescura; mas, eu lido, qdo se trata de minha própria personagem, como se fora. Pq, isso, acho, me fortalece… Mas, por estar revoltado, passei a sentir necessidade de assistir os canais de esporte… Tenho horror a TV; como essa necessidade, quase doentia de ficar me alimentando de negatividades? Até q fui juntando os fios da meada e leio, agora, essa postagem, num determinado sentido, tranquilizadora. Eu não sou maníaco; maníaco de teoria de conspiração. Mas, estamos, parece, diante de um armação, típica do caráter dos da FIFA e mais q condizente com o momento político.

  4. Esse 1×7 vai ser explorado pelos reaça de plantão, lógico.

    Porém, penso que foi algo bom para o futuro do Brasil.

    Fico desanimado de ver crianças fanáticas por times de futebol.

    O nosso país vive futebol 24hs por dia.

    E de uma forma totalmente emocional, manipulado pela globo e cia.

    Com esse 1×7 vai cair muito o interesse da nossa molecada pelo futebol,

    que se quiser voltar a ser o campeão de audiência, vai ter que fazer uma revisão.

    Daí que vai aumentar o interesse por outros esportes, ainda mais porque tem Olimpíadas em 2016!

  5. Se mal lhes pergunto, foi a primeira vez que sofremos humilhação? Quando temos uma boa geração de craques, o Brasil vai bem. Quando não temos, o molho desanda. O time fica nervoso, apela para psicólogas, mas, elas não conseguem suprir o desiquilíbrio causado pelo preparo inadequado. Em 1974 perdemos de 2 x 0 para a Holanda, que não quis nos humilhar. Sentamos a botina: Luís Pereira, nosso zagueiro, perdeu o controle e atingiu seriamente um jogador holandês. Em 1998, o Brasil tremeu de novo, na França: o Fenômeno teve uma convulsão e foi a campo assim mesmo. Perdemos de 3 x 0 e podia ter sido mais. Como podia ter sido mais contra a Alemanha, que nos poupou. Não foi um novo Maracanazo. Não precisamos recorrer a algo que aconteceu há 64 anos. Isso tem ocorrido periodicamente com nossa seleção. Para superar esses fracassos cíclicos precisamos mudar a estrutura do nosso futebol, formando craques, como fazem outros países. Não concordo com a tese de que Felipão errou por não levar jogadores experientes. Esses experientes, como Robinho, Ronaldinho Gaúcho e Kaká andam muito mal. Não é preciso ter experiência na seleção: basta ter experiência de equipe, jogar junto. O problema é que nossa seleção é uma legião estrangeira. O pessoal se reúne de vez em quando para treinar. Bernard vai lá para o leste da Ucrânia, região deflagrada e só verá seus futuros colegas de seleção no período de treinos.

    • Eu particularmente me sinto humilhado toda vez que vejo um corrupto sair pela porta da frente ..não ser julgado, receber pena de brincadeira

      Toda vez que vejo o país parar de trabalhar por causa dum jogo de futebol

      Sinto como agora quando vejo um dirigente da FIFA recebendo um Habeas Corpus de madrugada e dando no pé.

      Me sinto humilhado toda vez que a mídia e o modelo incutem no povo que um jogo representa algo importnte na sua vida ..que era o país que estava em campo ..que “todos nós” teríamos sido humilhados com este ou aquele desempenho

      realmente, ver os “poderosos” nos substimarem a todo momento, e encontrar eco nas vozes de astutos jornalistas que nos afiança que era o destino do país que estava em jogo ..isso não tem preço ..é humilhação pra mais de metro

  6. Eduardo, o receio quanto à segurança na partida final é justificável em razão do comportamento médio do torcedor argentino, principalmente após estarem embriagados. Em caso de eventual vitória no domingo, é bem possível que comecem a entoar cânticos racistas contra os brasileiros e ofensas sexistas contra a presidenta Dilma. Portanto, para que o brilho da festa não seja empanado na última hora, é preciso que haja um forte esquema de segurança no Maracanã e em ruas da zona sul do Rio.

  7. ATENÇÃO YACOV

    A PIB da China a 40 anos atrás não estava nem entre o centésimo do mundo.Pergunto: como ela chegou ao segundo PIB do mundo? Eu mesmo vou responder porque você não deve saber: 1 Porque ela tem a maior população do mundo e aliado a isto cresceu em média de 10% nos últimos 30 anos. O Brasil só tem o oitavo PIB do mundo porque tem também uma das maiores população do mundo.
    Por causa deste baixo crescimento nossa situação no IDH e na renda per capita ( 54) é desmoralizante! O Brasil precisa crescer e muito e rapidamente!

  8. So uma pausa. Em 1950 o Brasil derrotou a Suecia por 7 X 1. Alguem perguntou aos Suecos o que eles sofreram naquela epoca. O Brasil tambem ganhou da Espanha de 6 x 0 na mesma Copa. O futebol da Alemanha nao era campeao naquela epoca. Logo, nao vejo tando alarde assim no placar em si, pois o mundo do futebol sabe que isto foi um fator impar, um acaso daqueles que acontecem de 100 em 100 anos. Os jogadores chegaram ao limite da tortura que sofreram, primeiro o PIG vigarista contra a Copa. Ou tem alguem aqui que acha que o Ronaldo dizer que tem vergonha de ser brasileiro nao afetaram alguns jogadores. Que o caos propagado pelo PIG vigarista nao influiu no psicologico de alguns jogadores. Depois veio a derrota “momentanea” contra o Chile, foram do inferno ao ceu, do ceu ao inferno em minutos. Depois a perda de Neymar e Tiago Silva, tinha que quebrar e quebraram por seis minutos em uma pane explicavel. Enfim, o culpado e’ o PIG vigarista, o criador e a criatura do complexo de vira-latas.

    • Não me fale neste tal de Ronaldo, uma vergonha. Tudo que ele tem hoje foi proporcionado ao Esporte, até na Copa ele foi convidado e teve seus lucros garantidos graças ao evento, e só se pronuncia contrário ao Brasil ao povo Brasileiro. Ele vai ficar marcado na memória de todos que fazem o esporte com amor o que não é o caso dele.

  9. A entrevista do Paul Breitner no Viomundo é muito esclarecedora a respeito.

  10. Copa não influi em nada nas eleições, basta lembrar a reeleição de FHC em 1998. A copa no Brasil está sendo a copa das copas, sucesso total, está sendo elogiada em todo mundo. Parabéns Dilma.

  11. Vou analisar ponto por ponto do seu texto, com o qual concordo com quase tudo, somente desejando acrescentar alguns retoques específicos. Assim, começo dizendo que só IMBECIS DE MARCA MAIOR OU DEMENTES DE DIREITA poderiam comparar as Sociedades brasileira e alemã. Aliás, quem fez isso aqui foi um energúmeno que infelizmente você insistem em publicar neste espaço, apesar de que jamais nenhum comentarista de esquerda(e sério, coisa que ele não é)receberia essa “generosidade” em blogs ou sites de direita. Sobre o disparate da comparação, basta que mais do que o “tempo” de existência das duas Sociedades(algum reacionário poderia alegar que os EUA são uma Sociedade até mais recente que o Brasil e desenvolvida)devemos nos concentrar na FORMAÇÃO DAS DUAS SOCIEDADES. Desse modo, enquanto a Alemanha(e os EUA) são Sociedades que surgiram e cresceram através de processos de crescimento autônomo, com projetos de desenvolvimento nacional voltados para elas mesmas e elites que trabalhavam para o enriquecimento e fortalecimento do país e do seu povo(obviamente enxergavam esse fortalecimento do país e da população como complementar ao delas); o Brasil SURGIU E CRESCEU COMO UMA SOCIEDADE VOLTADA PARA FORA, OU SEJA COM UM PROJETO DE “DESENVOLVIMENTO” DESTINADO A FORNECER OS RECURSOS NACIONAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DE OUTRAS SOCIEDADES(FOMOS COLÔNIA DE EXPLORAÇÃO – E NÃO DE POVOAMENTO COMO OS EUA – PARA USAR A TERMINOLOGIA DE DARCY RIBEIRO). , projeto esse que era, e ainda o é no que ainda existe dele em nosso país, sustentado por uma “elite”(e as aspas não são uma figura de retórica, mas um adjetivo indispensável)que enxergava o atraso e miséria nacionais como vitais para o seu próprio crescimento e fortalecimento, ou seja, que se posicionava contra o Brasil e seu povo. MAIS DO CALAR A BOCA DE ENERGÚMENOS QUE NÃO DEVERIAM TER SEUS RELINCHOS PUBLICADOS NESTE BLOG, ESTA CONSTATAÇÃO NOS AJUDA A ENTENDER A POSTURA DE SABOTAGEM QUE A SELEÇÃO ENFRENTOU.É verdade que o futebol sempre foi uma paixão nacional, de todos os brasileiros, mesmo daqueles “brasileiros” da elite branca, que são cultural e sociologicamente tão brasileiros quanto qualquer um de nós(embora não se identifiquem com Brasil e seu povo e não se sintam pertencendo verdadeiramente ao país). Mas também é verdade que o futebol também foi visto por essas pessoas como uma forma de manobrar a população, fornecendo-lhe o “circo”, a alegria e a sensação de satisfação que não tinha em outras áreas. Por sinal, visto dessa forma, numa dimensão de ópio para os oprimidos, por uma “elite” preconceituosa e ignorante, que não conhece o Brasil e os brasileiros, e deu a esse esporte uma dimensão política que, por mais que tenhamos uma paixão alucinada por ele, o futebol não tem há muito tempo, se é que já o teve um dia. Assim, a seleção brasileira recebeu na maioria das vezes um apoio incondicional dessa classe, e da mídia que reflete seus interesses, por ser vista como uma excelente “válvula de escape” para controlar o povo, retirando dele a insatisfação que poderia canalizar para outras áreas, além de excelente fonte de negócios, essa uma “visão” que cresceu a partir dos anos 80 do século passado, quando a mercantilização avança de forma inexorável sobre o esporte. Por isso, uma seleção medíocre como a de 94, muito mais limitada tecnicamente do que a atual, sempre foi endeusada pro Globo e sua turma, já que acreditaram ter sido aquela equipe um dos “fatores” que elegeram FHC(o que de fato não foi, FHC ganhou graças a outro engodo, o Plano Real). O mesmo aconteceu com as equipes de 98 e 2002, também vistas de forma acrítica pelos coronéis eletrôncos e seus “jornalistas” amestradso9que também atuam no esporte)porque nelas a direita via grandes aliadas para manter-se no poder. A derrota do candidato governista, José Serra, em 2002; e mesmo o triunfo da direita em 98 depois de um fracasso da seleção, não foram suficiente para retirar da cabeça da direita essa ideia estapafúrdia, o que é fácil de compreender-se se pensarmos no grau de depreciação com que os conservadores enxergam o povo brasileiro, visto sempre como ignorante, ingênuo e quase retardado pelos conservadores(a programação global, com suas “novelas” e “programas de entreterimento” de péssima qualidade é outra prova de como enxergam a população); ideia estapafúrdia que depois da ascensão ads forças de esquerda ao poder, levou-os para o outro reverso da moeda, acreditar que a sabotagem ad seleção ajudaria a derrotar o PT. Em 2006, os conservadores não gastaram muita energia com essa tática, provavelmente acreditando que Lula, que atingiu baixos índices de popularidade no ano anterior devido ao “mensalão”, seria facilmente esmagado, mesmo estando em recuperação, assim que o escândalo voltasse à tona no horário eleitoral. Contudo, já em 2010, escaldada pela derrota em 2006 e apavorada com os índices altíssimos de popularidade que Lula atingiu em seu segundo mandato, a direita decretou a seleção a inimiga da vez, ou seja, uma das tantas sabotagens que tentaria fazer naquele ano para derrotar a candidata governista, Dilma Rousself. Somemos isso à animosidade da Globo, veículo de mídia que controla a seleção, com o técnico de então, Dunga, que quebrou o mercantilismo global em torno da equipe, anteriormente completamente subordinada aos caprichos da emissora da família Marinho(Fátima Bernardes invadia a concentração global em 2002 para fazer entrevistas com os jogadoras na hora que interessava à emissora)e entenderemos o porquê de outra birra anterior da m´diia, globo à frente, com a seleção : a animosidade, verdadeira marcação, que os “jornalistas” amestrados tiveram com a seleção de 2010, sempre com a Globo liderando a oposição, a ponto de Dunga discutir com toda a razão com um dos bobos da corte globais, um verme chamado Alex Escobar, que tentava ridicularizar o treinador em uma entrevista e saiu de lá humilhado. Este blog mesmo, e outros espaços de esquerda, comprou a briga da seleção em 2010, percebendo não apenas a má vontade da mídia com o time e Dunga(bastante criticado apesar de ter sido percentualmente um dos treinadores mais bem sucedidos de toda a História), mas a correlação dessa má vontade com a estapafúrdia ideia de que uma derrota do Brasil impedia a reeleição de Dilma. mais uma vez a direita caiu do cavalo com sua visão preconceituosa sobre o povo brasileiro(Dilma não somente venceu, mas a derrota do Brasil na Copa não retirou-lhe um milésimo percentual de votos, como pode-se perceber nas pesquisas feitas após o Mundial), o que não ajudou em nada a retirar da cachola desses psicopatas conservadoras essa crença absurda. Agora imagine-se neste ano, com a Copa ocorrendo no Brasil e depois do fracasso da ENORME CAMPANHA DE SABOTAGEM CONTRA O EVENTO, EMPREENDIDA PELA CLASSE DOMINANTE E PELA MÍDIA NACIONAL E INTERNACIONAL, QUE NÃO APENAS TEVE QUE CONVIVER COM O ÊXITO ORGANIZACIONAL AD COPA, MAS COM ESSE SUCESSO CHEGANDO A EXTREMOS, A PONTO DE TRANSFORMAR-SE NUM ÊXITO EXTRAORDINÁRIO QUE GEROU A MELHOR COPA DE TODOS OS TEMPOS. É claro que diante dessa derrota só restou à direita tentar sabotar a seleção, vista como segunda chance para atingir o Governo por uma direita que não compreende o amadurecimento da população e não vê que os brasileiros sabem muito bem diferenciar as coisas. Se o fracasso na organização da Copa seria sim atribuído ao Governo Dilma Rousself, o desempenho ad seleção jamais o seria pelo óbvio motivo de que os 200 milhões de brasileiros sabem que organizar a Copa é tarefa administrativa, cabe ao governo, e ganhar em campo é tarefa esportiva, que cabe aos atletas de futebol e ao seu treinador. Simples assim. Tão simples que não vejo em nenhum lugar, fora nos veículos da mídia conservadora, qualquer tentativa de relacionar uma coisa com a outra. mesmo pessoas de perfil conservador, que não votarão em Dilma, mas são honestas e têm senso do ridículo, não tentam fazer essa associação absurda. Contudo, a mídia ainda tentará fazê-la por algum tempo, não muito, uma vez que os ganhos que Dilma teve com o sucesso da Copa aparecerão nas próximas pesquisas eleitorais e, mesmo os institutos de direita que sempre prejudicam a Presidenta com suas “pesquisas” cheias de acrobacias estatísticas e amostrais, terão que realizar seus engodos para conseguir no máximo mantê-la no patamar atual de votos, o qual já aumentou há muito tempo. Quanto à seleção, apesar de não ser muito fã do nível técnico do time(que só apareceu na Copa das Confederações e sempre foi sofrível em outras ocasiões), sei muito bem que não era em nada muito diferente do das demais seleções; a decadência do futebol é antiga, desde o tempo em que a mercantilização gerou o futebol ” de resultados” e acabou com a técnica do futebol arte; e que portanto a derrota acachapante que o Brasil sofreu SÓ PDOE SER JUSTIFICADA PELA GIGANTESCA PERSEGUIÇÃO QUE A MÍDIA CONSERVADORA REALIZOU CONTRA O TIME, A PONTO DE ASSISTINDO AOS VEÍCULOS MIDIÁTICOS ACREDITARMOS QUE O BRASIL ERA UMA SELEÇÃO ESTRANGEIRA EM SEU PRÓPRIO PAÍS, AMPLIADA PELO ACIDENTE QUE VITIMOU O PRINCIPAL JOGADOR DO TIME, NEYMAR, DEIXANDO SEUS COMPANHEIROS OBVIAMENTE ABALADOS COM A SAÍDA DE UM COLEGA DE FORMA HORRENDA, EM CIMA DE UMA CAMA. É claro que temos que pensar na atual perseguição midiática contra a seleção ampliada pelo clima de ódio que a mídia criou contra a Copa, o qual ao contrário do que você diz só criou uma verdadeira apatia em relação ao evento entre as classes média e alta, infelizmente as que frequentam os estádios durante a Copa do mundo(devido ao valor exorbitante ads entradas), uma vez que os pobres se mantiveram certo alheamento da Copa até próximo de sua realização, parecem tê-lo feito muito mais para não se contaminar com o pessimismo midiático, pelo qual de fato só foram atingidos, se é que o foram, com relação às dúvidas quanto à organização do evento; mas em relação à seleção conseguiram manter a paixão de sempre, renascida , ou melhor retirada do esconderijo assim que o o Brasil entrou em campo na primeira partida ou mesmo quando ela se aproximava. De qualquer jeito, jogadores que vivem no exterior, e são vitimados por uma mídia estrangeira que apoiou a brasileira entendo a importância de se sabotar um novo protagonista que ameaça a hegemonia dos países europeus e dos EUA, e foram jogar em estádios da Copa povoados pela “elite” branca robotizada pela mídia, sentiram sim a aversão desses idiotas e principalmente A MARCAÇÃO GIGANTESCA DOS “JORNALISTAS” AMESTRADOS CONTRA O TIME, QUE LEVOU AO SURGIMENTO DE OUTRA MARCAÇÃO, A DA ARBITRAGEM, CAPAZ DE TRANSFORMAR DE FORMA INÉDITA O DONO DA CASA EM PERSEGUIDO PELOS JUÍZES, QUANDO NORMALMENTE ACONTECE O CONTRÁRIO. É claro que com tudo isso poderíamos perder da Alemanha, o time tem limitações(embora a Alemanha não seja nenhuma maravilha0e há críticas corretas a serem feitas à maneira de jogar não apenas de Felipão, mas adotada pelo “futebol de resultados” em que se converteu o futebol brasileiro há muitos anos; mas não da forma como perdemos, com um time paralisado em campo pelo nervosismo, quase chocado diante do “horror” de ter tomado um gol. Isso é prova de desequilíbrio emocional, já percebido antes não tanto pelo choro dos jogadores(algo normal em quem é motivo), mas pela extensão dessa emoção, que virou nervosismo, dentro de campo em várias partidas. A derrota será esquecida em breve(ao menos virará uma triste lembrança e não mais um mágoa diária como acontece sempre nos primeiros dias após uma derrota em copa)e não afetará em nada a eleição. Nesse quesito, relação futebol/eleição, preocupa-me muito mais um triunfo da Argentina, evidentemente não porque ninguém deixará de votar em Dilma por isso, mas porque vejo nesse aspecto um desculpa muito mais eficiente até do que a derrota do Brasil para deixar a população apática e ajudar a explorar o complexo de vira latas dos cidadãos, da maneira suficiente a que novas “manifestações” contra a Copa seja ao menos aturadas pela cidadãos que já as repudiaram no evento e consigam trazer desordem para o país, cujas consequências em termos de depredação podem ao menos “ajudar” a direita, o que pode ser facilmente evitável se o Governo fizer um trabalho adequado de policiamento e prevenção, prendendo os “manifestantes” antes que qualquer ato surja. O que fica disso tudo é que podemos usar a derrota, e a paixão do brasileiro pelo futebol, para conseguir explicar mais facilmente aos cidadãos à necessidade de democratização da mídia, para para que as opiniões que não odiassem a seleção tivessem voz por exemplo, antes do time ser esmagado; transformando a democratização das comunicações numa bandeira de todas as torcidas, a pressionar o Governo Dilma, que retirou a pluralidade midiática dos planos de governo apresentados ao TSE, para que realize-a a partir do primeiro dia do próximo mandato, uma vez que ela é vital para garantir o discernimento dos cidadãos em todas as questões da vida nacional, do futebol à nossa libertação definitiva da submissão aos interesses estrangeiros, que precisam ser combatidos também na mercantilização de nosso esporte mais querido, da qual se criou um futebol brasileiro deformado, não apenas pela prática de “busca de resultados”, mas principalmente pela venda precoce de jogadores ao exterior, numa repetição doentia de nosso “desenvolvimento” que transfere riqueza para o exterior e nos condena à miséria, o qual, como no campo da estrutura econômica, precisa ser modificado.

  12. (texto meu originalmente publicado n blog do Nassif)

    Tenho algumas coisas a dizer sobre nosso futebol e nosso caráter nacional.

    Felizmente, a derrota de 7 x 1, a “que não pode ser mencionada”, já é coisa de anteontem, mesmo que vá ser lembrada por muito, muito tempo. Enfim, já dá para olhar pra trás e buscar a causa, ou causas, e a seguida as soluções; até agora muitas surgiram, buscando mudar TUDO, reformar TUDO.

    Ledo engano, minha gente. Pouco há que reformar, mas a solução não é simples como o diagnóstico. Explico para quem quiser ler.

    1) Cartolas? Yes, nós temos cartolas, e bem atrasados. Mas atrasados em relação a quê? A Espanha também os têm, e estão instalados em diversos clubes, a começar pelo incensado Real Madrid. Verdadeiros mafiosos – e lá vai o Chelsea, na insuspeita Inglaterra, que não me deixa mentir, clube capitaneado por bilionário russo, e só a expressão “bilionário russo” deveria fazer levantar a sobrancelha de todos.

    2) Jogadores exportados desde cedo? Claro que isso prejudica. Mas não explica. Ou alguém vai me contar por qual milagre a Argentina de Messi está na final. A Argentina de MESSI, o craque que foi para a Espanha ainda em fraldas.

    3) A insistência em técnicos do passado? Mas… não é a permanência o segredo dos outros? A Alemanha de Low mantém o mesmo conjunto técnico desde 2000. O Manchester era o time de um treinador só, o ancestral Alex Ferguson. Essa solução é irmã de outra, que sugere que…

    4) Felipão é um técnico ultrapassado? POMBAS, foi o cara que nos levou à conquista em 2002! De mais a mais, estivéssemos na final aposto minhas parcas poupanças que muitos lembrariam de louvar o espírito de grupo, a “família Scolari”. E a final não estava tão longe, minha gente! A mesma Alemanha que nos humilhou é a Alemanha que empatou com a poderosíssima seleção de Gana, é a Alemanha que ganhou já nos créditos do filme da quase imbatível Argélia – e não me consta que Gana e Argélia tenham dirigentes modernos, craques mantidos no país, e por aí vai.

    5) A emotividade de nosso escrete? Não. Não, não e não, não aceito essa. Querem grupo mais emotivo, mais apaixonado, mais fanático que o argentino? O argentino é o sujeito que sustenta contra o mundo todo que Maradona é maior que Pelé, que defende a seleção “hasta la muerte”. O argentino não suspeita, ele sabe que é bom, ele tem certeza de que é o melhor. Perto deles somos tranquilos, quase glaciais. E lá vão eles para a final, disputa que tudo resolve, tudo explica, tudo absolve.

    Z) O grupo brasileiro é fraco? É e não é. Nem vou falar de novo da Argélia. Poderia falar dos Estados Unidos, da Costa Rica, até da Bélgica. Enfim, ao mesmo tempo que é a pior seleção desde a Copa de 90, é mais forte que esses – e nada mais digo do MESSI & sociedade anônima F.C.

    Enfim, então o problema? O problema é, ainda, o espírito VIRALATA, meus amigos. Ainda é a água na lata de queijo Palmyra. Sim, nossos cartolas são ruins, até nefastos, mas não são nossa exclusividade; nossos jogadores são em sua maioria expatriados cedo, mas sou veterano o suficiente para lembrar que não faz muito a “falta de experiência internacional” era tida como ponto fraco; a insistência no passado por vezes prejudica, mas o velho “quebra tudo e faz de novo” não é sempre a melhor solução; a paixão sem autoestima enfraquece, mas a paixão não deve ser largada na esquina, e por aí vai.

    O que derrubou de forma histórica nossa seleção foi o “apagão emocional”. Foi a tremedeira nas pernas. Foi o “não vai ter copa” – não o grito por melhorias, mas o sentimento que sustentou muitos de seus entusiastas: a ideia de que só podemos receber visitas apenas quando tudo estiver em ordem, apenas quando cada criança puder fazer Doutorado e tomar Haagen-Dasz de sobremesa, quando estiver disponível banda larga de 100 mega na última oca da última aldeia.

    Os frios alemães deitaram e rolaram sobre nossa viralatice, a nossa certeza de que, na hora H, um revés é um desastre. Foi isso, e apenas isso, que transformou um revés em um desastre. Agora toca buscar de novo uma vitória consagradora, uma nova Suécia ’58 para nos redimir. Mas já aviso: ela não virá apenas de novos e modernos dirigentes, de segurar nossos jogadores aqui, da imitação de um caráter frio que não temos e nunca teremos. Ela virá quando o brasileiro não apenas suspeitar, mas SOUBER QUE ELE É DOS BONS. E não estou falando de futebol – nem de invadir o país vizinho para calar aquelas malditas musiquinhas.

    • André, muito lúcida sua análise. A viralatice de nossa imprensa geral e esportiva em particular foram e são nossos maiores adversários.

  13. não teve humilhação e nem vergonha nenhuma, foi apenas uma partida de futebol da qual um time por estar bem mais preparado taticamente, fisicamente e psicologicamente, ganhou o jogo por uma goleada, que outras seleções tiveram em copas passadas, que a Espanha teve nesta por 5×1…chamar de vergonha e humilhação faz parte do terrorismo midiático e tucano….a quem essas pessoas pensam que enganam com suas táticas derrotistas….

  14. Eu defendo a seleção porque penso que os culpados não são os jogadores. O técnico, e seu auxiliar também, não defendo, acuso. Uma coisa que ninguém está comentando é que esses dois, desde o início, ficaram falando pros seus jogadores que o Brasil tinha obrigação de ganhar a copa, e que ganharia com certeza. Que m. é essa? Tem até o vídeo disso. Quem é que tem obrigação de ganhar alguma coisa? Só acompanho copa do mundo porque é um evento especial. Foi legal pra caramba a copa que fizemos e NADA muda isso. O Brasil foi dez! Para os abutres, um aviso: tentem ser menos burros, caras, e, se possível, só um pouquinho menos canalhas.

  15. Esqueceu (?) de mencionar a podridão da CBF. Parece que o Aldo vai tomar alguma atitude a respeito. Se é que não está só se locupletando politicamente da situação…

  16. O problema, caro Eduardo, é que a CBF, aliada da Globo e do PSDB, já disse que vai renovar o contrato do Felipão e do Parreira, este remanescente da época da ditadura, e ninguém reage.
    A TV Globo, há 50 anos, faz misérias contra o país e contra o povo brasileiro e a grande maioria continua assistindo e dando audiência às suas novelas e ao futebol do Galvão Bueno.
    O PMDB não é um aliado confiável dos partidos trabalhistas e continua tendo a maioria dos votos para o Congresso.
    Será que não é hora?: Acorda Brasil!

  17. Caro Eduardo e colegas,
    Ao Eduardo parabéns pela matéria.
    Eu não apoio a seleção brasileira. Porque apoiar a seleção é apoiar a CBF, a Rede Globo e a FIFA. Apoio individualmente, sem restrição, a todos os jogadores. Todos são bons jogadores, e alguns deles como Neymar, David Luiz, Thiago Silva, Oscar, Williams, Paulinho, Luis Gustavo são muito bons. Se não fossem, não estariam ganhando milhares e milhões de dólares na Europa! Não chorei, não me senti envergonhada, não me senti menos brasileira, não me decepcionei, não sinto, agora, com menos vontade de continuar assistindo a futebol e à seleção quando jogar. Mas como uma mulher curiosa, metódica e racional, busco entender, compreender as razões que levaram o senhor Filipe Scolari a não cumprir com o seu dever de treinador ao escalar o time para jogar com a Alemanha! Desde o primeiro jogo até o encontro com a seleção brasileira, a seleção alemã jogou do mesmo modo e do mesmo modo venceu todos os jogos, alguns com uma certa dificuldade, como, por exemplo, o jogo contra a Argélia. As baratas e todos os insetos da minha casa, inclusive aqueles que eu nem conheço, sabem disso! Por que o senhor Felipão não saberia?! O Falcão fez um comentário na Fox, dizendo o seguinte: ” nós brasileiros nos sentimos menores em relação aos estrangeiros, em quase tudo. Contudo, no que diz respeito ao futebol, sempre nos sentimos melhores do que todo mundo! Isso é arrogância!” Foi apenas a arrogância que levou o senhor Scolari a não cumprir com seu dever de técnico! Gosto de futebol não apenas porque me diverte, mas sobretudo porque me faz refletir sobre a ação de coletividade, solidariedade para conseguir alcançar objetivos que são impossíveis de serem conquistados sozinho. Essa ideia de grupo em busca de um mesmo fim sempre me agradou porque me remete à nossa própria história de construção social como nação, como história humana, mesmo quando cometemos erros gravíssimos, mas com um sentido e objetivos comuns! Nenhum de nós brasileiros que compreende futebol achou, tenho certeza, que nossa seleção estava preparada para ganhar a Copa, visto que era visível, até para quem não entende futebol, que não tínhamos um time. No entanto, vimos como foram os jogos da Copa das Confederações. Vimos como o Brasil ganhou sem muita dificuldade da Itália, da Espanha, do Uruguai. Mesmo não fazendo bons jogos coletivamente nesta Copa, pensávamos que em algum momento aquele futebol iria aparecer! Eu pensava desse modo! Os técnicos da Argélia, dos Estados Unidos, da França colocaram seus times para jogar com marcações fortes sobre os alemães, de modo a não permitir que eles ficassem à vontade para armar sua jogadas, principalmente o técnico da Argélia, que por pouco não ganhou o jogo! Somente o senhor Felipe Scolari não soube o que fazer?! Por quê?!!! Por vergonha de ser tachado de retranqueiro?! Espera aí! Mas é isso que ele sempre foi! Por que passou a ter vergonha apenas contra a Alemanha?!
    Hoje ouvi e li uma piada sobre a CBF. O senhor senador Álvaro Dias, o “guardião” da moral política brasileira, dissera que vai abrir uma CPI para investigar a CBF. Uma eternidade para rir!!!!!!!!!!……. É provável que ele, também, estivesse de porre! Ou então perdeu a noção de perigo e portanto está doido varrido! Uma vez que nada faz para desagradar os Marinhos. Ou então é tão calhordamente sórdido e hipócrita e sabe que, para parecer um pulha sério aos seus eleitores, tenha que fazer de conta que é um político, quando apenas faz papel de advogado da Casa Grande! O outro senador, candidato a presidente, tem se comportado de maneira tão abjeta que me recuso a reproduzir as asneiras que essa criatura asquerosa tem falado sobre a derrota da seleção e as intenções políticas que tem em cada falácia que vomita!
    A choldra de jornalistas tem dito que será um risco para a presidenta, se esta for entregar a taça ao vencedor do torneio! Imagino que estejam falando de risco político! Penso que a presidenta deve ir sim, principalmente porque qualquer atitude de coragem da parte dela só lhe trará ganhos morais e desmoralização para eles, como sempre! Portanto, eu apoio a ida da presidenta ao estádio do Maracanã na tarde de domingo, dia 13 de julho, e desejo que cumpra com seu papel de gestora de uma nação democrática e livre e cale, mais uma vez, a vontade e o desejo daqueles que destroem paulatinamente a estima de brasileiros que têm dificuldade de se afirmar e se confirmar como um povo que tem que ter orgulho de suas diferenças, sua diversidade, já que foi isso que construiu nossa identidade.
    Abraços
    Maria Antônia

    • Maria Antonia acho que nós assistimos os mesmos programas eu também vi a declaração do Álvaro Dias Botox, a oposição só fala em fazer CPI o trabalho deles não é construir e sim destruir, já que tem tantas coisas a serem analisadas para serem votadas entulhadas porque não trabalham com o que já tem ao invés de tantas CPIs, mas é um direito deles já que a imprensa alimenta estes ataques furiosos destilados pela Oposição. Quanto à Presidenta independente do Brasil ser Campeão ou não com certeza ela não vai amarelar como estão dizendo os que não a apoiam, ela irá sim e torço para que as pessoas não continuem com o mesmo tipo de educação que foi na Abertura da Copa, pois aquilo sim foi uma VERGONHA. Faço minhas as suas palavras, fico na torcida que a CPF seja investigada é um bem necessário no caso, esta CPI sim seria digna de CPI.

      • Cara colega Maria José,
        Obrigada pela gentileza! Penso que a presidenta irá sim entregar a taça ao vendedor da Copa. Aconteça o que acontecer ela não se comportará de modo covarde, visto que, não faz parte de seu caráter dá importância às baixarias de quem é sórdido! Os comentários para meter-lhe medo têm sido constantes, haja vista os artigos da choldra jornalística e os comentários de torcida por tragédias nos programas de esporte, como por exemplo, ontem no Redação Sport TV da Globo News. O sórdido Guilherme Fiúza, falou sobre o assunto várias vezes, e tanto, que dava para perceber o desconforto no rosto do apresentador que substitui o Risek, Bob Porto. Se acontecer de a presidenta ser novamente agredida, será bom para ela, uma vez que, como sempre, será sem motivo palpável e com a dignidade da qual é portadora, será tragédia para quem o provocar!
        Abraços
        Maria Antônia

  18. Caro Edu,
    tenho defendido esta nossa seleção entre conhecidos com alguns argumentos, entre os quais eu cito:
    1- houve um imenso número de países que tentaram participar desta Copa e apenas 32 conseguiram se classificar, sendo que dentre esses, estamos entre os quatro melhores, podendo ainda estar em terceiro;
    2- sou professor e sei o quanto o emocional de um aluno é afetado diante de uma prova, por isso também sei que qualquer um deles se sentiria orgulhoso em tirar a quarta melhor nota numa turma de 32, ou que qualquer pessoa que faça um concurso vibraria ao se encontrar entre os quatro melhores;
    3- se esta seleção é tão ruim como se ufanam em dizer ao lembrar que “avisaram”, como conseguiu chegar tão longe? (Se dizem que é porque a Dilma comprou a Copa – acredite, ainda há imbecis que dizem isso – , pergunto quanto ela pagou às traves para segurarem gols que tirariam o Brasil em jogos anteriores, dou uma gargalhada e vou embora, pois a partir daí é perda de tempo qualquer continuidade do papo).
    Como já disse num comentário anterior, acompanho os jogos da seleção desde 70 e, por incrível que pareça, esta foi a seleção que mais simpatia me despertou.
    Vou torcer, no sábado, para chegarmos ao terceiro lugar!
    Grande abraço.

    • Grande abraço, Adilton

    • Adilton Jorge Ferreira Cruz é de pessoas com seu espírito que o povo brasileiro precisa, seria tudo ainda melhor não haveria tantas lutas por coisas em vãos que não se chega a nada.

    • Edu,

      vendo uma entrevista,na ESPN, do Marinho Peres, zagueiro na Copa 74, ele levantou uma questão interessante. Ele achou muito estranho o comportamento dos jogadores no jogo, e acha que isso deve ser apurado. Não acho que é uma teoria da conspiração , ao contrário, acho bem possível que a seleção estivesse dopada. Pelo que eu entendi, não lembro suas palavras, mas a hipótese dele é que tenham dado algum remédio para os jogadores pelo seu estado emocional. Vou além, e se a seleção foi dopada (talvez pela comida ou bebida) numa retaliação por causa do desbaratamento da quadrilha dos ingressos falsos. Para quem lembra do que aconteceu com Ronaldo em 98, e da água batizada que o Maradona deu para o Branco em 90, sabe que este tipo de coisa é bem possível.

  19. … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  20. Lei de Mídias Já!!!! … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  21. Agora fica a pergunta que não se cala.

    Será que o brasileiro vai querer passar atestado de burrice e votar, os destinos da Nação, influenciado por um mero resultado de futebol?

    Não creio.

  22. Passada a fase do luto e de ruminar a derrota, agora eh deixar o AH SE….pra trás e olhar pra frente,m,depois de uma derrota na própria casaca Alemanha sacudiu a poeira e seguiu em frente, reformulou toda a estrutura do futebol o que, fazer isso no Brasil seria enfrentar o monopólio e o poderio da Globo e CBF do Marin que apoiou a ditadura e agora está apoiando o Aecio….

    • Neste país de “diz que me diz” já se tornou rotina acusar sem se provar ..pior que o acusado, inocente ou culpado, sabedor da lentidão dos autos, jamais presta satisfação por seus atos (é um circulo que parece NUNCA ter fim)

      Realmente não vi elementos probatórios de posse de Arruda quando este acusa Gilberto Carvalho (sempre ele ..esta em TODAS) e Dilma ..aqui, pra mim, tudo poderia estar mais enquadrado em ilações paranoicas dum desesperado

      Já as acusações feitas contra seus denunciadores e o atual governador Agnelo Queiroz ..bem, por citar a PF, a Justiça e imprensa como FONTES e mantenedoras da sua versão e docs ..parece que algo pode ser provado ..na minha opinião há que se aprofundar rapidamente no caso

      Do todo continuo convicto de que um dos nossos MAIORES problemas é a lentidão e frouxidão da JUSTIÇA ..esta que é protegida pela OAB e aprendida nas escolas ..esta que afiançada por leis frágeis e omissas, verdeiros buracos, encontra na desídia e nos interesses mesquinhos do corporativismo e de seus servidores um terreno absurdamente farto, tóxico e deletério que ajuda a afundar ainda mais o país.

      sem esperanças por mudanças ..e em tempo, com essa COPA futebolística, a JUSTIÇA no país quase saiu de férias ..quem é do ramo ou espera, sabe do que falo.

      tá tudo dominado

  23. Muito perspicaz e correta a percepção de que o “apagão” do time foi em grande parte provocado pela pressão e sabotagem da mídia. Mas da mesma forma que não se deve culpar esse ou aquele jogador, deve-se recordar também que o primeiro a ser desestabilizado pela mídia foi o próprio Felipão, com denúncias contra a sua vida pessoal e o seu passado. A reflexão sobre as causas da derrota deve questionar o que está sendo feito em termos da política do futebol, a formação dos jogadores desde a base da pirâmide, a corrupção no futebol, nos clubes e as federações, a venda dos jogadores ao exterior, etc. É preciso aprender com os vitoriosos e investigar como é que lá, na Alemanha, eles promovem esse esporte.

  24. Eduado, Bom dia !

    Mudando de assunto, por favor nos ajude a entender a cabeça dos paulistas e paulistanos, pois não é possível que, de acordo com as pesquisas, o Alckmin se reelega em primeiro turno. Como é que pode o povo do Estado mais rico e desenvolvido do Brasil ter mentes e inteligências tão conservadoras e medíocres ?

    Será que são tão reféns do que a mídia diz e escreve desta forma ?

    Vivem pregando a alternância de poder na esfera federal e continuam batendo numa tecla que está levando o nosso Estado à falência.

    Sinceramente meu caro, não dá para entender.

  25. Futebol no Brasil é importante demais pra não ser controlado pelo Estado.

    O piguista Nelson Motta, na ignorância apropriada à direita, nada disso teria acontecido se a CBF fosse uma empresa. Ocorre que a CBF é uma empresa!

    O problema vem exatamente daí: o dirigente da empresa de saúde não é cobrado pela qualidade de serviços em si, mas pelos lucros gerados.

    O resultado que interessa à CBF são os lucros. As vitórias da Seleção só se justificam enquanto forem necessárias para manter esses lucros.

    É a lógica da empresa privada.

    O futebol deixou de ser gerido por apaixonados pelo esporte para ser gerido por empresários. Supunha-se que isso proporcionaria o salto de qualidade administrativa, do amadorismo ao profissionalismo. Ora, só ocorreu em parte muito pequena, o suficiente para manter as contas de patrocínio.

    O futebol brasileiro nasceu como parte da cultura popular.

    Hoje, faz parte da indústria capitalista de entretenimento.

    É o samba de raiz substituído pelo neopop sertanejo universitário.

  26. Pequenas correções, Eduardo Guimarães: Maicon também estava na copa de 2010. E Fred disputou a copa de 2006 (fez um gol em um minuto em que ficou em campo, contra a China).

  27. O que a direita e a mídia brasileiras fazem contra o país é um atentado à pátria. Por que essa gente não se muda logo para os Estados Unidos? Por que não deixam nós brasileiros em paz?

  28. Caro Eduardo.
    Acredito que no meio dissso tudo, passou desapercebido o esquema razoávelmente bem montado.
    – Enquanto os alemães treinavam quase todo dia a uma hora da tarde, com o objetivo de se aclimatarem,em um CT contruido por eles (pelo que sei), e sem a interferencia da mídia, os brasileiros participavam do “encontro” com a Fatima, do “caldeirão” do Luciano, com direito a chegada do apresentador de helicóptero na Granja e, também no “esquenta”, este por duas vezes.
    Aí eu pergunto, “e o foco na competição?” CBF/GLOBO/Partidos de oposição. Enquanto uns desviavam o foco da seleção outros se preparavam para cobrar quando surtisse efeito, que é perder um jogo ou mais.

    Acredito ter alguma razão no que coloco acima neste momento.

  29. O problema da seleção é o problema do futebol brasileiro: cbf. E quando se fala de cbf, tem que falar os verdadeiros mandantes do futebol no Brasil: rede globo. Quem acompanha futebol sabe muito bem disso. O Nassif fez uma postagem – corajosa por sinal – mostrando todas relações entre cartolas, bicheiros, cbf e claro, a globo. O Azenha fez uma postagem mostrando o quanto de grana estamos perdendo com o atual modelo de futebol vigente no Brasil. A goleada de terça feira simplesmente deixou bem claro tudo isso. Não estou entre aqueles que vão culpar um jogador ou jogadores pela derrota. Oras, basta ver como a seleção começou o jogo, praticamente diferente fora do padrão dos outros jogos, resumindo, o esquema tático foi alterado justamente contra a seleção alemã. Mas os problemas já se mostravam antes, basta ver como foi o jogo contra o Chile e no final quando os jogadores desabaram, emocionalmente esta seleção está destruída há muitos jogos. Repito: a derrota simplesmente mostrou ao mundo toda a desorganização do futebol brasileiro enquanto esporte e negócio.

  30. É isso, Edu.
    Escrevi o mesmo no Face, é óbvio.
    Mas o óbvio não possui o mesmo charme.

  31. O senhor esquece de dizer,, no seu post, que as manifestações foram perdendo apoiadores na medida em que vândalos aproveitavam esses movimentos para dar vazão aos seus instintos de prazer pela depredação.

    Tambem não concordo quando diz que grande parte dos brasileiros se autoflagelam. Só somos masoquistas quando insistimos em soluções que se revelaram danosas; caso de votarmos várias vezes em pessoas como Maluf ou apoiarmos populistas que, sabemos, só querem o poder para se locupletar.

    Nós somos um povo que demora para entender as coisas erradas que se sucedem no país. Mas estamos começando a abrir os olhos para a corrupção desbragada, para a incompetência em gerir (Petrobras), para o descaso com a educação (estamos em 82º no ranking mundial), para a indiferença com os nossos doentes que enfrentam filas na madrugada para receber o aviso que as senhas acabaram.

  32. OK, continuemos assim, então. Com a CBF comandando o futebol Brasileiro, com técnicos que não aceitam críticas e nem exemplos dos outros, e sem reconhecer que há um problema na base, que só se esforça em formar zagueiros e volantes. Está tudo certo com nosso futebol, continuemos assim e não vamos dar ouvidos aos críticos que são todos traidores da pátria.

  33. E SE O NAYMAR E O LEANDRO SILVA TIVESSEM JOGADO CONTRA A ALEMANHA, O QUE TERIA ACONTECIDO

    Bem, nós teríamos perdido para a Alemanha de todo o jeito, mas seria uma derrota menos acachapante.

    A confirmada ausência dos Naymar e Leandro Silva desestabilizou ainda mais os nossos dentes de leite, que já vinham dando sinais de instabilidade emocional diante do assédio de uma mídia escrota que sabia muito bem o que queria: desestabilizar emocionalmente os nossos jogadores para que a Seleção de forma nenhuma fosse a campeã (é a política, estúpido!). Não tínhamos time para sermos campeões, mas o PIG não se descuidou e interferiu de forma contundente na instabilidade dos nossos atletas.

    Deu certo, o PIG novamente está de parabéns. Mas eu não acho que a derrota da seleção NÃO vai interferir na eleição de outubro. Não assistimos a nenhum caso de suicídio, ninguém pulou do décimo andar de um prédio, graças a Deus! Vai dar Dilma na cabeça!

    PS: Uma coisa me intrigou ontem: o Naymar tinha que ficar de repouso absoluto entre três e quatro semanas, para se recuperar da lesão na coluna; não foi esta a recomendação inicial dos médicos? E ele já apareceu andando ontem na Granja Comary? Ou ele é doido ou a lesão não foi tão séria como foi dito inicialmente aos Brasileiros.

  34. Tô notando um padrão de sobrenomes esquisitos de coxinhas que vêm aqui latir (ôpa, me lembrei do alati…)
    Sei não… No call center dos 9000 tem algum ‘criador’ de sobrenomes?

  35. Aí sabe tudo de futebol…. rs. Parabéns pelo texto! Também notei que os jogadores estavam abalados
    psicologicamente devido aos protestos promovidos pelos “bloconegristas”. Por isso, esse sacode
    impiedoso que levaram da Alemanha. Poderiam ter levado de 10 ou 12, mas os alemães tiveram piedade.
    Claramente tiraram o pé do acelerador, não foram pra cima; tiveram verdadeira grandeza de vencedor.
    Coitadinhos…. tão meninos, tão ingênuos. Fico a ter pena deles: como eles irão pagar os respectivos
    aluguéis e o leitinho das crianças…. E Neymar?? Será que vai perder o contrato de publicidade com
    certa marca de roupa íntima que o faz ter que mostra a marca da cueca durante os jogos.

    Agora é tentar descolar essa humilhação sofrida em campo da imagem de Sua Excelência Dilma Rousseff,
    presidente da República. Quando tudo ia indo bem dentro de campo, com bom futebol jogado, craques
    dando show e excelente média de gols na Copa, o governo federal era parabenizado por proporcionar
    esse espetáculo ao povo brasileiro…. Mas é isso aí: bola pra frente, mão no peito, hino cantando à capela,
    patriotada e tutti quanti.

  36. Meu caro Wilsoleaks Alves, não concordo com a sua opinião, quando enaltece tanto o seu clube politicamente, de fato, o SPFC tem inúmeros títulos, no entanto, sempre que lhe é conveniente abraça a CBF, só para forçar a memória o campeonato brasileiro de 1987 ( Copa União) o seu clube traiu o acordo, quando preferiu apoiar o Sport ser considerado juridicamente campeão ( decisão proferida pela´imparcial justiça Pernambucana. Não preciso nem lembrar que o Sport e o Guarani simplesmente renunciaram a disputa de pênaltis e retornaram depois em outra data para finalizá-la, muito esquisito. Aquele era o grande passo para formar uma liga de ‘futibol’, sou carioca e detesto o termo futebol, foneticamente falando. Sem falar que o mata-mata é muito mais envolvente, pois os dois times que se confrontam na disputa, tanto por uma vaga como pelo título. Essa conversa que a disputa por pontos corridos é mais justa eu não compactuo, já que este modelo de disputa dá margem a varias falhas: corpo mole quando a vitória do clube beneficiará o rival regional, sem falar da mala preta, branca; como quiser chamar, além de times mudarem a escalação, quando estão disputando Libertadores, Copa do Brasil, Sul americana, quer dizer um time no início do campeonato enfrenta outro time completo, depois por conveniência coloca o seu time reserva, já que perdeu interesse na competição. Os estádios ficam vazios e a maioria dos jogos é de apenas uma torcida. O campeonato Brasileiro ficou sem graça. Não sou Europeu, não precisamos importar o modelo deles, os estádios na maioria do jogos ficam vazios. Vou cornetar agora: o SPFC é o time mais rico do Brasil e conta sempre com o apito amigo da CBF. E o Morumbi foi doação do Governo estadual. Para finalizar: as libertadores, Copa do Brasil e a Copa do Mundo têm disputas eliminatórias o que fazem os jogos serem mais emocionantes, Todavia o São Paulo, com certeza é um grande Cube, porém esnobe.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.