Presidente da Fundação de Cultura de BH nega censura a servidores

 

Na última sexta-feira, o senhor Leônidas José de Oliveira, citado no post Órgão municipal de BH é acusado de proibir servidores de criticar Aécio Neves,  entrou em contato com o Blog da Cidadania via mensagem privada no Facebook para manifestar inconformismo com denúncia de servidor daquele órgão de que outros servidores estariam sendo pressionados a se absterem de fazer comentários políticos na internet.

O Blog, imediatamente, entrou em contato telefônico com o senhor Oliveira, quem, democraticamente, dispôs-se a dar informações sobre o caso. Foi um diálogo de alto nível, apesar da indignação manifestada pelo presidente da Fundação Municipal de Cultura. Ele afirmou nunca ter pressionado servidores sob seu comando, conforme denúncia (sem prova) de um desses servidores.

O senhor Oliveira também informou que não mantém relações políticas com o PSDB ou com qualquer outro partido que não seja o seu, o PSB. Diante disso, o Blog o convidou a escrever uma nota sobre o caso, para que aqui fosse reproduzida. Abaixo, a nota enviada.

Afirmo que, em nenhum momento, eu, como presidente da Fundação Municipal de Cultura e seu representante legal, determinei, conversei ou sugeri a nenhum funcionário, seja ele comissionado ou não, que não veiculasse conteúdos políticos de qualquer partido que fosse em suas páginas pessoais. 

A Fundação Municipal de Cultura vem realizando um trabalho técnico com pessoas altamente qualificadas em seus quadros e a todos é resguardado o direito de opinião pelas leis, norma que apoiamos integralmente. 

Na próxima semana, será enviada a todos os servidores uma circular com essa orientação para que fique claro e não reste dúvidas quanto ao nosso posicionamento.

Leônidas Oliveira, MsC. PhD

Presidente da Fundação Municipal de Cultura

Vale um comentário. A impressão que este que escreve teve da conversa telefônica com o senhor Oliveira foi a de que ele ficou sinceramente inconformado com a denúncia. Assim, ainda que seja óbvio, é preciso esclarecer que denúncia em que o autor não se identifica não pode ser tomada ao pé da letra. É, tão-somente, uma denúncia. Vale tanto quanto a defesa do alvo dessa denúncia.

O anonimato do denunciante incomodou o senhor Oliveira, mas tem uma explicação aceitável: o órgão público em tela e seu presidente detêm posição de força em relação aos seus funcionários por disporem de meios de retaliá-los. Em tal situação, é mais do que compreensível que o denunciante não queira se identificar.

A providência anunciada pelo senhor Oliveira, porém, é bastante acertada. Mais do que negar, o que falará mais alto sobre a conduta desse gestor de órgão público, bem como do próprio órgão, será demonstrar, com atos, que entende que ser questionado e dar explicações é obrigação de todo homem público. Assim, garantir aos seus comandados que a liberdade de expressão deles está assegurada é a melhor providência que o senhor Oliveira poderia tomar.

Em vez de buscar identificar e retaliar um servidor que eventualmente possa ter transformado suas impressões subjetivas em acusação por medo de vir a ser penalizado pelas ideias que acalenta, o senhor Oliveira anuncia que irá a provar, com atos concretos, que a denúncia não procede. Essa é uma postura que esta página reconhece e aplaude.

Há que explicar, por óbvio que seja, que o direito do servidor público de expressar suas opiniões políticas só pode ser exercido fora do local de trabalho. Estará com razão o gestor que orientar seus funcionários a não fazerem política em um órgão público, pois contribuintes de todas as posições políticas pagam o salário daquele servidor…

Ainda assim, o senhor Oliveira garante que nem isso fez.

A forma como esse assunto será tratado futuramente pelo senhor Oliveira e pelo órgão que preside, pois, demonstrará quem tem razão. Neste momento, o que se deve comemorar é a anunciada disposição do presidente da Fundação Municipal de Cultura de Belo Horizonte para o diálogo e em defesa da liberdade de expressão política – ou de qualquer outra natureza – de seus comandados.

O Blog da Cidadania tem na liberdade de expressão um de seus pilares. Sempre que houver denúncia de que está sendo violada será obrigação desta página divulgá-la, mas sempre oferecendo ao denunciado espaço equitativo para se manifestar em sentido contrário. O caso em tela é emblemático, pois os dois lados tiveram o mesmo espaço. E que prevaleçam os fatos, que o tempo se encarregará de revelar.

Tags: ,

51 Comentário

  1. Olha, duvido que o servidor que denunciou nao esteja certo. Mineiro é falso como nota de tres reais e se tiver num cargo de chefia vende ate a mae pra mante-lo. Os outros episodios de cencura em MG nao deixam mentir. Ta tudo dominado pelo bebum do aetico, ou melhor, da irma do aetico(to com medo de vir um promotor de injustiça na minha casa com mandato de busca, etc)

    • “Mineiro é falso como nota de tres reais e se tiver num cargo de chefia vende ate a mae pra mante-lo.”

      por favor meu caro, não generalize !! apesar do cenário político do meu estado dominar a mídia (por parte do PSDB), aqui já acontece um despertar… a grande parte dos mineiros preza pelo acolhimento e sinceridade… você foi muito infeliz em sua colocação e espero uma retratação de sua parte…

    • Eu sou mineiro e a ofensa é descabida e desnecessária, veja a minha fanpage no face e tire suas conclusões, saiba nem tudo que reluz é ouro.

    • O meu pai era paulista

      Meu avô, pernambucano

      O meu bisavô, mineiro

      Meu tataravô, baiano

      Meu maestro soberano

      Foi Antonio Brasileiro

      (Chico, o Buarque)

  2. Muito justo Edu! Esse é o tipo de atitude que não vemos na velha mídia.

  3. Eduardo…

    Você já disse que não quer ser político, mas e quanto ser diretor de jornalismo na Folha, Veja ou Estadão?

    Oras… Não são eles mesmos que vivem dizendo que melhor que dar o peixe é ensinar a pescar?

    Então… Ensine lhes ética jornalística.

  4. Afirmo que, em nenhum momento, eu, como presidente da Fundação Municipal de Cultura e seu representante legal. Ok! Ele não determinou, mas pode ter sido uma determinação superior a ele.

  5. caro Edu, aqui em BH vamos acompanhar este caso… e veremos as consequências desse “incômodo” sentido pelo sr. Leônidas José de Oliveira…

  6. Eduardo, não estou conseguindo acessar nenhum comentário deste texto, que foi postado desde ontem. Por sinal, eu mesmo escrevi um comentário na manhã de ontem, o qual também não aparece, como também não vemos o de nenhum outro comentarista. Há algum problema com o blog? Em se tratando do conteúdo do seu texto, que apresenta um denúncia contra Aécio Neves, o coronel mineiro, típico representante truculento de nossa direita truculenta, é bom ficar atento.

    • Está confundindo, Carlos, com o post anterior, que usa a mesma foto

    • Carlos Henrique,
      Tem dois post iguais um com a denúncia e outro com a defesa, com o mesmo senhor secretário Leônidas Oliveira. Eu também fiquei perdida logo que acessei, posteriormente descobri.
      Abraço
      Maria Antônia

  7. É claro que nesse meio, tem gente, que pede aos seus servidores, que defendam o seu governo e ataque a oposição, não existe almoço grátis na política.

  8. Desculpe a postagem anterior, não havia lido a nova postagem por acreditar que se tratava da mesma de ontem. Assim, entendo a postura do blog de retirar o texto antigo, assim como todos os comentários a ele referentes, postura que não é seguida pela mídia conservadora, que transforma em Verdades inqustionáveis qualquer “denúncia” feita contra o PT e em mentira prévia as respostas dos acusados, que quase empre não publica. Contudo, é bom FICARMOS DE OLHOS MUITO BEM ABERTOS, pois apesar de termos obrigação de considerar as respostas do senhor Oliveira(alô direita! Aprendam o que é não ser canalha! Quem sabe um dia vocês conseguem!), estamos falando do estado, Minas gerais, e do político, Aécio Neves, onde, ocorrendo no primeiro em relação ao segundo, existe uma enorme quantidade de denúncias referentes à censura e perseguição daqueles que divergem do coronel Aécio neves, sem contar que esse prática da censura é corriqueira na direita a que pertence Neves(costumam dar golpes militares quando sentem sua censura ameaçada, embora de forma “modierna” usem o controle das comunicações para garantir que sua barreira censora permaneça inalterada). Assim, parabenizo-o por sua postura; e mais uma vez chamo os fascistas para tentarem seguirem-na; mas afirmo que não será por esse caso que deixaremos de denunciar os zilhões de arbitrariedades, desmandos e escândalos envolvendo Aécio Neves e sua corja neoliberal, que pretendem reimplantar a exclusão social no Brasil com o apoio da mídia, para deleite de nossa clase dominante e dos EUA.

    • Caro Carlos Henrique…

      O post anterior bem como seus comentários não foram retirados.

      O título do post anterior é: “Órgão municipal de BH é acusado de proibir servidores de criticar Aécio Neves”

      O título desse post aqui é: “Presidente da Fundação de Cultura de BH nega censura a servidores”

      Um post é sequencia do outro.

      Abração.

  9. Muito bem, democracia é isso. Todos tem voz. Vamos exercitá-la.

  10. Edu, meu xará!
    PARABENS!
    Você, quem nem jornalista profissional é, acabou de dar uma extraordinária AULA DE JORNALISMO pra nossa grande mídia.
    Publicou a denúncia e assim que o ‘denunciado’ se defendeu, você deu o mesmo espaço, o mesmo destaque e importância para a defesa.

    Pros coxinhas que têm invadido os blogs sujos ultimamente: olhem, isso é liberdade de expressão.

    Obrigado Edu, nosso respeito com seu blog só aumenta!

  11. Aos participantes do blog.

    Solicito ajuda de vocês para mostrarmos a todos, o que a crise econômica causou aos EUA.

    O fotógrafo Seph Lawless lançou um livro chamado “A Autópsia da América” aonde ele mostra a situação desesperadora de um grande número de cidades americanas, retratando uma infinidade de prédios abandonados e em ruínas, tais como: igrejas, teatros, escolas, hospitais, asilos, bibliotecas, hotéis, mansões, prédios de apartamentos, delegacias de polícia, parques de diversões, fábricas de automóveis, etc…

    Algumas destas fotos estão nos links abaixo:

    1) Ruínas do cinturão industrial dos EUA (região onde haviam muitas fábricas)
    http://www.weather.com/travel/ruins-rust-belt-abandoned-buildings-photos-seph-lawless-20140206

    2) A cidade esquecida de Cleveland
    http://www.weather.com/travel/cleveland-eerie-photos-abandoned-buildings-20131223

    3) Ruínas da cidade de Detroit (falida e com dívidas de US$ 18,5 bilhões)
    http://www.weather.com/travel/modern-ruins-abandoned-detroit-photos-20130715

    Peço ainda a gentileza de tentarem chegar estas fotos ao José de Abreu e Stanley Burburinho, que possuem muitos seguidores nas redes sociais.

    Li uma reportagem recente, citando que muitos destes prédios já vieram abaixo devido a inclemência do clima americano, especialmente, no inverno.

  12. Caro Eduardo,
    Que bela postura de honestidade e dignidade! É uma lição para a chamada grande mídia que quase nunca se pauta pela ética e a moralidade. Contudo, o senhor Oliveira que me desculpe, mas em política algumas ações são subjetivas e pouco verbalizadas ou mesmo documentadas, visto que, por conta de outras ações iguais efetivadas e seguidas, são simplesmente entendidas. E questionar é proibido, por isso se continua a fazer tudo de modo sub-reptício, uma vez que já é hábito cristalizado.
    Abraço
    Maria Antônia

  13. MENINO DO RIO É O AÉCIO NEVES. Leia esta gozação geológica publicada no Vi o Mundo.

    Adriano Diogo: Menino do Rio, com seu tsunami, nem sua irmã o resgataria

    publicado em 18 de junho de 2014 às 21:02

    Menino do Rio, Menino do Leblon e a Praga do Tsunami

    por Adriano Diogo, especial para o Viomundo

    Menino do Rio, não posso acreditar que você tenha desejado para o povo brasileiro um tsunami que varra da face da Terra uma parte de sua população.

    Menino do Rio, a primeira escola de Mineralogia e Geologia foi fundada em Ouro Preto, em 12 de outubro de 1876, pelo imperador D. Pedro II, que convidou o cientista francês Claude Henri Gorceix para dirigi-la. Lá aprendemos os primeiros conceitos de vulcanismos, terremotos, maremotos e tsunamis.

    Lá estudaram Carlos Chagas, Pandiá Calógeras, Getúlio Vargas e o compositor João Bosco. E você nunca pisou lá.

    Lá foram descobertas a origem dos diamantes da Serra do Espinhaço e de Diamantina e as primeiras formações vulcânicas de kimberlitos, rochas formadoras de diamantes que foram espalhados na aluvião dos rios do Tijuco.

    Menino do Rio, você sabe que o Brasil descobriu o Petróleo do Pré-sal nas profundezas do continente Gondwânico e um tsunami poderia soterrar toda esta riqueza. É isso que você deseja: a destruição do patrimônio da Petrobras?

    Menino do Rio, você é da terra de Djalma Guimarães, o grande mineralogista brasileiro, que em Araxá descobriu as terras raras e o nióbio, o tântalo e tantas riquezas de origem vulcânica. Com seu tsunami você deseja destruir a obra e a memória de Djalma Guimarães?

    Menino do Rio, se Aureliano Chaves estivesse vivo, seu conterrâneo mineiro teria dito: “Com este tsunami você fará submergir a esperança de recuperarmos a Companhia Vale do Rio Doce que vocês privatizaram sem dó”.

    Menino do Rio, se seu avô fosse vivo, diria que “seu tsunami os envergonharia em São João del-Rei, onde começamos tudo. Com essa expressão você suja o nome da nossa família de uma forma vergonhosa”.

    Menino do Rio, em Poços de Caldas, existe uma cratera produto de uma intrusão alcalina, com uma área de cerca de 800 km2 e 30 km de diâmetro. Qual é seu plano? Que este vulcão seja reativado e suas lavas incandescentes calcinassem nossa vida, como outras cidades a beira do Vesúvio?

    Menino do Rio, em Mariana existem os grandes depósitos de Esteatitos, rocha que dá uma sensação oleosa ou saponácea, derivando-se daí sua designação de pedra-sabão. Existem grandes depósitos, de valor comercial no Brasil, em maior escala no estado de Minas Gerais. Seu terremoto destruiria a obra de Aleijadinho e nem todo sabão do mundo lavaria nossa honra.

    Seu tsunami destruiria todo o patrimônio histórico de Minas Gerais e a história de seu povo. Em Diamantina, você não seria nem perdoado nem por Juscelino, nem por Xica da Silva (nem mesmo pela Zezé Motta).

    Menino do Rio, seu Tsunami parece a letra do samba do Crioulo Doido, uma paródia composta para contar a história do Brasil pelo escritor e jornalista Sérgio Porto, sob pseudônimo de Stanislaw Ponte Preta, em 1968, que é como você vê nossa história.

    Menino do Rio, com seu tsunami você salgaria nossas terras até a 7ª geração e provocaria uma nova derrama sobre Vila Rica e Ouro Preto, fazendo que o povo brasileiro se tornasse uma multidão de inconfidentes para reagir a sua vingança.

    Menino do Rio, com seu tsunami nem sua irmã Andrea Neves o resgataria, assim como fez com o tenente Wilson Dias Machado, um dos responsáveis pelo atentado terrorista no Riocentro no 1º de Maio de 1981.

    Menino do Rio, com essa idéia, o povo mineiro vai te chamar de Barbacena e querer te mandar num no “trem de doido” para um manicômio qualquer.

    Menino do Rio, talvez você não tenha lido nada sobre tsunamis apesar da vida de voyeur que você tem à beira das praias. Talvez você não tenha lido sobre as consequências do tsunami que varreu o Oceano Índico em 2004, que começou pela Indonésia e atingiu treze países, matando, ao todo, 220 mil pessoas.

    Menino do Rio, talvez você não saiba das conseqüências do tsunami de 11 de maio de 2011, que atingiu o Japão, matou 288 pessoas e causou uma destruição que atingiu 1/3 do território japonês e o vazamento de substâncias radioativas com prejuízo para a saúde de milhares de pessoas.

    Menino do Rio, um terremoto, seguido de um tsunami equivale jogar uma bomba atômica como as de Hiroshima e Nagasaki sobre o povo brasileiro, na ocasião morreram mais de 200 mil pessoas.

    Menino do Rio, tsunami é como doença ruim que, se a gente fala o nome quando pequeno, a mãe bate na boca pra nunca mais repetir…

    Menino do Rio, você não gosta de Minas Gerais. Você não gosta do Brasil. Você não gosta do povo brasileiro… Por isso nos amaldiçoa, desejando uma coisa tão ruim.

    Adriano Diogo, deputado estadual PT de São Paulo, é geólogo formado pela USP.

  14. E aquele boato de que funcionários da Prefeitura de Guarulhos estavam atacando o candidato Aécio Neves no ambiente de trabalho, você chegou averiguar?

  15. Eduardo,

    Cada vez mais admiro o seu trabalho neste seu blog. Como seria bom que tivéssemos jornalistas e jornais com essa postura ética e honesta. É por isso que sempre estou citando-o em minhas conversar tanto em vivo como virtuais e faço questão de divulgar esse blog e seu titular. Parabéns por ser com é. Aqui a gente vê o quanto vale uma boa educação em casa.

  16. Fora de pauta.
    Edu, você já viu esse vídeo? Será que é autêntico?
    http://www.youtube.com/watch?v=KLzrCMF-sUw

  17. Edu parabenizo por ter dado espaço ao Diretor da Entidade em pauta.
    Agora não acreditei nele, e se houver retalhação na referida Entidade,
    nos não vamos ficar sabendo, pois será velada.

  18. Desculpe El Cid, realmente generalizei e isso nao é bom. Entao, minhas sinceras desculpas. Porem quero deixar registrado que morei em minas e convivi com poucas e boas pessoas, como é meu costume(poucas amizades).
    Também quero deixar registrado que conheço muitos mineiros, alguns pessoalmente, outro como essa figura nefasta do bebum do aetico, por informações e posso garantir que o negocio da traição é verdadeiro. Inclusive no meu serviço TAI o Tiradentes pra nao deixar eu como mentiroso.conheço alguns mineiros
    ABRAÇOS E TUDO DE BOM PRA VC E FAMILIA

  19. DEIXOU A SUPREMA CORTE, MAS CONTINUA FAZENDO MAL AO BRASIL

    Ayres Britto liberou geral para campanha política dos humoristas

    sab, 21/06/2014 – 14:42 – Atualizado em 21/06/2014 – 14:43
    Luis Nassif

    No post “O desafio de monitorar a propaganda eleitoral” descrevo as formas de atuação política histórica dos grupos de mídia. Nela, artistas, humoristas, celebridades em geral podem ser transformados em cabos eleitorais, já que o status de figura pública lhes confere poder de influência sobre segmentos do seu público.

    Qualquer observador minimamente antenado sabe – há anos – que o maior cabo eleitoral dos grupos de mídia são os humoristas, inicialmente com sua capacidade de desmoralizar figuras públicas e, mais recentemente, caindo de cabeça na campanha eleitoral.

    Não se trata de nada recente, mas de um padrão utilizado universalmente pelos grupos de mídia para interferir nos jogos eleitorais.

    Graças ao ex-Ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Ayres Britto, vive-se o seguinte paradoxo: se um comentarista político for extremamente parcial, poderá ser contido pela legislação eleitoral; se um programa de humor, poderá falar o que quiser, sem se submeter à legislação.

    Tudo começou em 2009.

    A Lei Eleitoral tratou da chamada “propaganda negativa”. Um dos seus capítulos proibia expressamente emissoras – nos três meses anteriores à eleição – de veicular programas que venham a “degradar ou ridicularizar candidatos”.

    Art. 45. A partir de 1º de julho do ano da eleição, é vedado às emissoras de rádio e televisão, em sua programação normal e noticiário:(…) II- usar trucagem, montagem ou outro recurso de áudio ou vídeo que, de qualquer forma, degradem ou ridicularizem candidato, partido ou coligação, ou produzir ou veicular programa com esse efeito ;III- veicular propaganda política ou difundir opinião favorável ou contrária a candidato, partido, coligação, a seus órgãos ou representantes

    ****

    A ABERT (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) entrou com uma ADIN (Ação Direta de Inconstitucionalidade) no STF, considerando que o texto feria a liberdade de expressão prevista na Constituição e que inviabilizaria os programas humorísticos.

    A lei não mencionava programas humorísticos. Apenas proibia degradar ou ridicularizar candidatos. Sendo assim, cada caso seria um caso a ser analisado pelo Tribunal Superior Eleitoral. Ninguém teria autorização para matar. A mera existência desse dispositivo serviria como moderador dos exageros que pudessem ser cometidos.

    A exemplo do que ocorreu com a revogação da Lei de Imprensa, Ayres Britto foi o relator da ADIN e defendeu a posição da ABERT baseado no conceito ampliado de liberdade de expressão e em argumentos falaciosos.

    Um deles era a de que, se esse tipo de humor não era proibido fora do período eleitoral, não poderia sê-lo no período eleitoral. Ora, o espírito da lei é justamente o de garantir igualdade de condições no período eleitoral. Justamente por isso cria regras a serem seguidas estritamente no período eleitoral.

    O voto de Ayres Britto acabou sendo seguido por seus colegas.

    VAMOS NOS PREPARAR, RAPAZEADA, PARA RIDICULARIZAR O REI DA COCAÍNA MINEIRA, AÉCIO NEVES.

  20. ░░░░░░░░░░░█████████████
    ░░░░░░░░░███░███░░░░░░██
    ███░░░░░██░░░░██░██████████
    ████████░░░░░░████░░░░░░░██
    ████░░░░░░░░░░██░░██████████
    ████░░░░░░░░░░░███░░░░░░░░░██
    ████░░░░░░░░░░░██░░██████████
    ████░░░░░░░░░░░░████░░░░░░░░█
    ████░░░░░░░░░░░░░███░░████░░█
    █████████░░░░░░░░░░████░░░░░█
    ███░░░░░██░░░░░░░░░░░░░█████
    ░░░░░░░░░███░░░░░░░██████
    ░░░░░░░░░░░██░░░░░░██
    ░░░░░░░░░░░░███░░░░░██
    ░░░░░░░░░░░░░░██░░░░██
    ░░░░░░░░░░░░░░░███░░░██
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░██░░░█
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░░█░░░█
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░░██░██
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░░░███
    ░░══█▀█═█▀▀═══█═█═══░░
    ░░══█▄█═▀▀█═█▀█═█▀█═░░
    ░░══█═══▄▄█═█▄█═█▄█═░░
    ░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░░

  21. O MsC., PhD Leônidas Oliveira, como um chefe de um órgão público veio a público dizer que o que foi dito anonimamente não é o que ocorre. Ele falou o que tinha que falar na condição de chefe de um órgão público. Mas como o PSDB mineiro e o seu chefe, o senador Menino do Rio, tem atitudes censoras e até mesmo fascistas, não é de se duvidar que o que foi dito anonimamente por uma denúncia seja fato corriqueiro nas Minas Gerais, ou seja, você pode se posicionar politicamente…desde que seja a favor do Arrocho Neves, também conhecido como senador Menino do Rio (por que será?).

  22. Duvido que ele não esteja à serviço do Arrocho Never, mineiro trabalha em silêncio, trabalhei com muitos e sei como agem.

  23. Acredito mais no funcionário que fez denúncia. Os políticos e politiqueiros que dominam o estado de
    MG não me aspiram confiança.

  24. Embora seja uma atitude correta do Presidente da Fundação, meru caro Eduardo, qual poderia ser uma outra forma de reação dele? É fato que temos, para o bem da verdade, que ouvir e ponderar os lados, agora o fato de alguém publicar um esclarecimento em forma de nota, garante exatamente o que?
    Se o recado aos servidores foi dado, aqueles que receberam, caso seja verdade, sabem que não vai ser uma nota que irá alterar a ameaça.
    Acho que a melhor forma de saber a verdade dos fatos não está tanto na denúncia menos ainda numa tal de nota e sim em investigação, ou então, ouvir as pessoas em off. Como dizemos:

    Sabemos bem através de fatos ocorridos que a mídia em MG é controlada sim por Aécio e com contornos peculiares em relação a forma que fazem nos outros estados tucanos, embora todos deploráveis.

    As denúncias feitas, associadas a retaliações já existentes em MG, a ataques a blogs que não lhe o apoiam e medidas judiciais contra o Google, indicam que embora devamos buscar o máximo de isenção, estas são mais do que indícios.

  25. Meus cumprimentos ,Edu .De você ,só esperamos gestos democráticos,pena que “grande mídia ” não sabe nada disso…
    Um lembrete ao Wilson(primeiro coment. ) Não generalize!! Me senti insultada na minha mineirice condição também da nossa atual e próxima Presidenta.

  26. Bom, como o cara nao se identificou, o outro negou(obvio)…. Acabou?

  27. Aguardemos.

  28. E sobre o RSF? No aguardo!

    bj

  29. Um não jornalista, dando bom exemplo para os profissionais da imprensa.

  30. DILMA: Não insulto, mas não me dobro

    Publicado em 21/06/2014 no Conversa Afiada

    “Não insulto,
    mas não me dobro !”

    “Fui eleita para governar de pé e de cabeça erguida”

    A presidenta Dilma, na Convenção do PT que oficializou sua candidatura, disse, em resumo:

    O Brasil quer seguir mudando pelas mãos dos que já provaram tem capacidade de mudar o país.

    Há onze anos mudamos o país, colocamos o povo como protagonista !

    E tudo de forma pacífica !

    Em pouco mais de uma década, a maior redução da desigualdade social da nossa História.

    Nessa eleição, a verdade deve vencer a mentira e a desinformação !

    O nosso projeto de futuro e todas as nossas realizações devem vencer os que querem voltar ao passado.

    Quando assumi, o mundo era um e pouco depois era outro.

    A crise mundial afetou as economias desenvolvidas, mas boa parte também do sistema político, ao aumentar o desemprego, ao abolir direitos e ao semear uma avassaladora desesperança.

    Dessa vez, o nosso país não se rendeu, não se abateu nem se ajoelhou como fez diante de todas as crises do passado.

    O Brasil soube defender o que é mais importante: o emprego e o salário do trabalhador.

    Foi o país que melhor venceu essa batalha.

    Antes, o Brasil se defendia de uma forma perversa: arrochando o salário dos trabalhadores e aumentando os juros a níveis estratosféricos, com mais desemprego, e vendendo o patrimônio público.

    Eles alienavam o nosso futuro.

    Não enfrentavam só a crise.

    Eles alienavam o nosso futuro.

    A partir do Governo Lula e do meu Governo não fizemos isso.

    Não aceitamos que essa era a única saída.

    60 milhões de empregos foram alienados em todo o mundo.

    Aqui, criamos 21 milhões de postos de trabalho, só no período da crise.

    Nos mantivemos a valorização do salário mínimo.

    Consolidamos o maior programa de habitação popular.

    E temos o maiores programa de obras de infra-estrutura.

    Fortaleceu a Petrobras e, com isso, descobriu o pré-sal e implantou o modelo de partilha.

    Esse novo Brasil implantou também o maior programa e educação profissional da nossa História.

    No Pronatec: as mulheres são mais que a maioria !

    A lei de cotas no serviço público e nas universidades.

    Mais Médicos a 4 mil municípios.

    Não fui eleita para trair a confiança do povo, nem arrochar salário do trabalhador, nem para vender o patrimônio público, para mendigar dinheiro do FMI porque não preciso e não vou colocar o país de joelhos.

    Fui eleita para governar de pé e com a cabeça erguida.

    O fim da miséria é só um começo.

    O povo merece o melhor.

    Temos uma oportunidade rara: criamos as condições para defender o que já construímos e acumulamos força.

    Um ciclo de desenvolvimento vem correndo com aquele que corria.

    Manterá os dois pilares básicos de 2003: a solidez econômica e a amplitude das políticas sociais.

    Dar qualidade ao emprego com desenvolvimento tecnológico e mais tecnologia.

    A transformar da Educação só se consolida com a plena valorização do professor.

    Começamos a fazer isso desde o Governo Lula.

    E vamos acelerar quando ingressarem os 75% do petróleo do pré-sal !

    O salário do trabalhador em 11 anos cresceu 75% acima da inflação.

    Nós geramos mais de 20 milhões de empregos com carteira assinada.

    A inflação esteve nos menores níveis comparados com qualquer outro período da história recente.

    Para realizar avanço na qualidade do nosso emprego.

    Para melhorar a formação dos trabalhadores, implantamos o maior programa de ensino técnico da nossa História.

    Até o fim desse ano vamos formar 8 milhões de pessoas.

    Consolidamos o ENEM, o ProUni e o FIES, novas universidades e escolas técnicas.

    Criamos o Ciência sem Fronteiras.

    Quarta-feira passada, anunciei que o Pronatec vai formar mais 12 milhões – em 2108 teremos capacitado 20 milhões de brasileiros e brasileiras.

    Precisamos de uma mudança radical ao mundo digital.

    E uma reforma federativa.

    Esse novo ciclo histórico está sendo gerado há muitos anos.

    O PAC, os investimentos em infra-estrutura.

    Minha Casa Minha Vida é o pilar de uma grande reforma urbana necessária, como são pilares os projetos de mobilidade.

    O que está sendo usado para a Copa foi feito para o povo brasileiro !

    Fomos o Governo que mais investiram em saneamento básico !

    Depois que a gente pagou o FMI, a gente passou a ter o direito de escolher onde empregar o dinheiro público.

    E começamos a investir em saneamento básico para combater e a mortalidade infantil.

    Hoje, o Nordeste procura e investe em abastecimento de água e estados ricos como São Paulo não fizeram o dever de casa.

    Brasil sem Burocracia: nenhum país do mundo cegou ao desenvolvimento sem resolver as amarras da burocracia.

    Lula já dizia: aumentaram as estruturas de fiscalização e encurtaram os meios de realização.

    É porque não faziam estrada. Não precisavam fazer estradas.

    Para avançar, é necessário tornar o Estado, não um Estado Mínimo, mas um estado eficiente.

    Outro programa é o acesso a banda larga para todos.

    Vamos promover a universalização a todos os brasileiros a internet barata e segura.

    O novo Marco Regulatório para Internet foi essencial.

    Vamos dar uma participação popular cidadã às decisões de Governo.

    A internet e seu uso são instrumentos dessa participação.

    A segurança pública é fundamental para se discutir as condições de vida nas grandes cidades brasileiras.

    Precisamos de uma ampla reforma !

    É preciso re-estudar e redefinir novos papeis e novas funções entre os entes federados.

    Redefinir o pacto federativo.

    Reforma política exige participação popular.

    E desague num grande plebiscito !

    A palavra chave será “oportunidade”.

    Oportunidades especialmente para grupos marginalizados: as mulheres, os negros e os jovens.

    As meninas podem, os jovens podem, os negros podem !

    O meu desafio foi suceder uma lenda viva !

    Eu preciso, sim, de mais quatro anos para poder completar uma obra à altura dos sonhos dos brasileiros.

    Campanha é um ato de explicar !

    Explicar como vai ser o futuro !

    Campanha tem que ser uma festa de paz.

    Nunca fiz política com ódio.

    Quando tentaram me destruir física e emocionalmente, com o uso de violências, continuei amando o meu país.

    Quem se deixa prender no ódio, faz o jogo do adversário.

    Foi por isso que nos vencemos a luta pela Democracia.

    Não tenho rancor de ninguém.

    Não insulto, mas não me dobro.

    Não agrido, mas não fico de joelhos.

    Nosso campanha tem que ser uma festa do alto astral.

    Abaixo o pessimismo, a mediocridade e o baixo astral.

    Alegria e otimismo !

    Eu estava no pátio do Presidio Tiradentes e escutei “apesar de você, amanhã vai ser outro dia”.

    Sempre, a gente tem que lembrar disso.

    Vejam a Copa, a Copa está dando uma goleada nos pessimistas, nos que diziam que ela não ocorreria.

    Vamos amar no nosso país, a nossa camiseta verde e amarela e torcer pelo nosso time e não deixar jamais o ódio prosperar.

    Vamos recolher as pedras que lançam contra e transformar em tijolos para fazer o Minha Casa Minha Vida.

    Vamos recolher os xingamentos, os impropérios, as grosserias e vamos transformar em canções e versos de esperança.

    Viva o Brasil, viva o povo brasileiro !

  31. Edu,

    Quem trabalha na TV Cultura de Sampa conhece muito bem o que é perseguição. Essa figurinha tem cara de quem não diz não aos tucanos. “O mangiare questa minestra o saltare dalla finestra”

  32. Edu…como diria a minha mãe…Negue sempre! Mas o espaço, na política, deve ser ,da forma que vc faz…senão ficamos iguais as coisas que combatemos.Valeu!!!

  33. Aécio Neves diz que País deve voltar ao projeto Neoliberal do PSDB, ou seja, vender tudo!
    Rudá / 5 dias ago
    1 Vote
    O empoeirado discurso neoliberal do senador Aécio Neves
    O senador Aécio Neves (PSDB-MG) — fiel discípulo de Fernando Henrique Cardoso, em cujo governo , entre 1995 e 2002, o patrimônio público brasileiro foi entregue a preço de banana a grandes grupos nacionais e estrangeiros —agora diz que “precisamos devolver as empresas públicas ao seu verdadeiro dono – o povo brasileiro”. O que será que ele quer dizer?

    PSDB Fantasmas do Passado

    Por Padre João

    Será que ele pretende pedir a devolução da Companhia Vale do Rio Doce, vendida a preços irrisórios pelo governo do PSDB? Será que vai pedir de volta as teles e as ferrovias ou vai mostrar onde o governo tucano aplicou o dinheiro da ‘’venda’’ das estatais, bilhões que até hoje não se sabe onde foram parar ?

    É inacreditável, mas, como faz todas as segundas-feiras, na Folha de São Paulo, o tucano Neves publicou um artigo que veio com o singelo título “Público e privado”. Num parágrafo ele acusa o PT de fazer o governo mais estatizante depois do regime militar. Ou seja, manda um recado, com sua ótica neoliberal e privatizante, aos chamados mercados. Noutro, reclama da gestão supostamente privatista dessas mesmas estatais.

    Trata-se, evidentemente, de um discurso ambivalente Sinal dos tempos eleitorais, em que ele usa e abusa de mensagens subliminares. Tal como Goebbels, o ministro das comunicações da Alemanha nazista.

    Privatização – Vamos rememorar. Como líder do PSDB na Câmara dos Deputados (1997 a 2000) e depois como presidente da Câmara dos Deputados (2001/2002), ele foi o mais atuante serviçal de FHC, trabalhando decisivamente para privatizar as estatais brasileiras.

    Quem, em Minas Gerais, “reprivatizou” a Cemig, que havia sido resgatada para o setor público por Itamar Franco, não reúne autoridade política para passar sermões em quem quer que seja.

    Lembremo-nos: em 1999, depois de árdua batalha judicial, o Tribunal de Justiça suspendeu um estranho “acordo de acionistas”, celebrado entre o sócio majoritário da Cemig (o estado de Minas Gerais), a American Eletric Southern (AES) e o Opportunity (Daniel Dantas). Esse acordo foi celebrado pelo então governador tucano Eduardo Azeredo, sob supervisão de FHC. No tal acordo, a AES, mesmo tendo apenas 32,96% das ações da estatal, detinha poder de veto nas assembleias de acionistas!

    Na época, o desembargador Garcia Leão foi enfático em seu despacho: “não há como admitir-se o acordo de acionistas, principalmente quando deste, com evidente ilegalidade, consta a perda de mando do sócio majoritário (Estado), dando-se ao sócio minoritário o esdrúxulo poder de veto.”

    A partir disso, a AES, alegando quebra de contrato imposto pela Justiça mineira, deixa de pagar o empréstimo que obteve do BNDES, à época de FHC! Isso gera uma crise que seria resolvida mais tarde, por uma “maracutaia” supervisionada pelo então governador Aécio Neves.

    A Andrade Gutierrez (Eletricidade) – AGE – assume a dívida de R$ 500 milhões da AES junto ao BNDES e com os mesmos 32,96% faz um “acordaço” de acionistas, restabelecendo não apenas as prerrogativas do sócio minoritário do passado, mas ampliando suas prerrogativas e ganhos atuais.

    Além de indicar a Diretoria de Novos Negócios, cuja autonomia é ampla, a distribuição de dividendos aos acionistas passa a ser a prioridade da empresa, em desfavor da prestação de serviços no fornecimento de energia elétrica aos consumidores. Ou seja, com todas essas benesses, a AGE pagaria o empréstimo ao BNDES, não com dinheiro próprio de seu caixa, mas com a arrecadação dos dividendos exorbitantes que receberia nos 10 anos seguintes ao novo acordo.

    É por isso que a Cemig hoje só trabalha para pagar dividendos, comprometendo os investimentos que deveria fazer para garantir o futuro dos mineiros.

    Para completar, a Cemig conduz à sua vice-presidência o ex-senador mineiro Arlindo Porto, um criador de gado e ex-ministro da agricultura, que nunca atuou na área de geração de energia, para completar o aparelhamento do grupo de Aécio dentro da maior estatal de Minas. O resultado, embora se tente esconder, é que a Cemig enfrenta hoje uma grande desvalorização na Bolsa de Valores, muito maior do que a da Petrobrás.

    Petrobras – Ah, a propósito das quedas de ações da Petrobras, Aécio insiste na pragmática “goebbelsiana”: a estatal brasileira estaria “derretendo”. Mas a mentira tem perna curta: suas ações, em 51 dias, já cresceram 50%, mesmo diante de factóides patrocinados por tucanos, com ampla repercussão na mídia ligada ao PSDB, como a questão da refinaria de Pasadena.

    Com relação à Petrobras, vale também citar a retomada dos investimentos, que antes dos governos do PT, não chegavam a U$ 5 bilhões [dólares], por ano, entre 1992 e 2002. Logo em 2005, o presidente Lula alavancou para U$ 10 bilhões. Agora, com o Plano de Negócios e Gestão 2014-2018, há um total de U$ 220,6 bilhões para o período, o que equivale a U$ 44 bilhões por ano, em média, ou seja, praticamente multiplicou por dez os investimentos em relação ao período anterior a 2003, do governo FHC.

    O expressivo aumento de investimentos da Petrobras levou à descoberta do Pré-sal, no qual a estatal, com o Novo Marco Legal para o Petróleo (regime de partilha), é a operadora única com, no mínimo, 30% de participação nos consórcios. Mesmo com todos estes investimentos, ainda conseguimos aumentar o lucro, atingindo R$ 23,6 bilhões em 2013, alta de 11% em relação aos R$ 21,2 bilhões alcançados em 2012.

    Modelo Elétrico – Com relação ao setor elétrico, cabe lembrar que houve o apagão em 1999 e o racionamento de energia elétrica em 2001-2002, que exigiu abandonar-se o desastroso “laissez-faire”.

    Lula criou, então, o Novo Modelo do Setor Elétrico para o Sistema Integrado Nacional, em 2004, que tinha como objetivos manter um ambiente regulatório estável, segurança no abastecimento e modicidade tarifária. Através do novo modelo, o serviço público de distribuição passou a ter de contratar o total de sua demanda através de leilões públicos e pela menor tarifa. Já neste novo ambiente, contratou-se mais de 730 usinas, somando mais de 67 mil megawatts, totalizando a capacidade instalada de 125 mil megawatts.

    Em vários pontos de seu discurso impresso no jornal paulista todas as segundas-feiras, o pré-candidato tucano tenta confundir a opinião pública, sob o argumento de que o PT não é competente na gestão pública.

    Abordando o caso dos transportes, podemos exemplificar as diferenças que demonstram o nosso nível de compromisso com os avanços na gestão do setor. No início dos anos 90 o governo federal, pautado pelo Consenso de Washington, iniciou o desmonte da gestão dos transportes no Brasil. Em 2002, no último ano do governo FHC, ainda sem a definição do marco regulatório do setor de transportes, os tucanos extinguiram o Geipot, o Dner e a RFFSA.

    Nos Governos Lula e Dilma, retomam-se o planejamento e as ações. Criam-se a Secretaria de Portos, a SAC – Secretaria da Aviação Civil, reformula-se o papel da Valec – estatal sobrevivente do processo de privatização da Companhia Vale do Rio Doce – e cria-se a EPL – Empresa de Planejamento e Logística S/A, dando ao Estado brasileiro novamente seu papel de articulação, de planejamento, de formulação de políticas e de efetiva gestão dos assuntos de transportes.

    A concessão de aeroportos e estradas passam a ser explorados pela iniciativa privada durante 25 ou 30 anos, mas continuam sendo propriedade do governo federal e patrimônio do povo brasileiro.
    No modelo tucano, a propriedade do povo é entregue na “bacia das almas”, como diz o próprio povo. No novo modelo implantado pelo PT e aliados, nos Governos Lula e Dilma, o Estado planeja os serviços, faz obras, define o que é investimento privado e concede sob controle público parte dos serviços.

    O certo é que o Aécio e o PSDB fazem exatamente aquilo que acusam, sem nenhum nexo com a realidade, o PT de fazer: sob o manto de “Gerencialismo” e “Choque de Gestão”, quebraram o Brasil e depois Minas Gerais. Em São Paulo já falta até mesmo o básico, como a água para seu povo. Agora, querem novamente voltar ao Governo Federal, para continuar a desintegrar o Brasil e vender aquilo que não conseguiram em seu mandato: o BNDES, a Petrobrás, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal. Justamente as instituições que mais contribuíram para que o Brasil não fosse para o buraco, durante a atual crise mundial.

    Mas o País, além de exigir competência, cobra também mudanças, transparência e ética na condução dos negócios públicos. Algo que Aécio e os tucanos não têm para oferecer e que os brasileiros já identificaram por três vezes nos últimos anos, nos Governos Lula e Dilma.

    Padre João é deputado federal pelo PT-MG

  34. Mentira dele, não acredito em nada que parte do PSDB=Aético=FHC=çERRA … . Pau mandado, para falar o que falou, ganhou algum cargo acima, ou teve aumento em seu salário ou então já tem cargo escolhido se o Aébrio for eleito com o exército na rua. Mentiroso=Pinóquio=puxa saco=sem veggonha=descarado= ….

  35. Negar ,ele até pode. Mas todos sabem como Aécio lida com quem o critica. É a liberdade de expressão do PSDB.

Trackbacks

  1. Presidente da Fundação de Cultura de BH nega censura a servidores | EVS NOTÍCIAS.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.