Deputado petista diz que governo de SP “É quase uma ditadura”

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

O deputado estadual (PT-SP) Antonio Mentor é irmão do deputado federal José Mentor, um dos fundadores do PT e que foi relator da CPMI do Banestado, que, em 2003, investigou evasão de divisas através das contas CC5, invenção do governo Fernando Henrique Cardoso que permitiu que bilhões de dólares fossem expatriados ilegalmente.

Antonio foi vereador e secretário de governo em Americana. Está em seu quarto mandato de deputado estadual. Em 2002, teve a maior votação da Região Metropolitana de Campinas. Na ALESP, foi líder da bancada do PT; atualmente é membro da Artesp (Agência de Transporte do Estado) e da Comissão de Transportes; em 2007, presidiu a CPI da Eletropaulo.

Entre as propostas que apresentou, estão o fim do voto secreto dos deputados, o combate ao assédio moral, a garantia do transporte gratuito para os idosos e a regulamentação dos comerciais de medicamentos.

Na 16ª legislatura (2007-2011), Mentor realizou seminários para a orientação de ONGs quanto a procedimentos administrativos e ao certificado do CNAS (Conselho Nacional de Assistência Social), inclusive com o lançamento de uma cartilha sobre o assunto, que está disponível no gabinete, gratuitamente para qualquer interessado.

Na última quarta-feira, em seu gabinete, na sala T106 da Assembleia Legislativa de São Paulo, Antonio Mentor deu uma longa entrevista ao Blog da Cidadania. A partir do foco na CPI dos pedágios, instalada no mês passado naquela Casa, o deputado traçou um quadro sombrio da situação política no Estado mais rico da Federação.

Mentor enxerga São Paulo absolutamente dominado pelo PSDB, tanto no Legislativo quanto no Executivo, o que não representaria maiores problemas no regime democrático, pois quem vence eleições domina mesmo esses poderes. O problema apontado pelo deputado é o de que, ao longo de duas décadas de hegemonia tucana no Estado, Judiciário, Ministério Público e mídia foram totalmente cooptados pelo governo estadual.

A entrevista de Antonio Mentor desnuda os métodos que o PSDB paulista usa para impedir qualquer investigação de um processo de espoliação do Erário paulista que transformou a vida – sobretudo dos paulistanos (paulistas da capital) – em um inferno, com um sistema metroviário e de trens urbanos decadente e superlotado, sem investimentos em infraestrutura até para distribuição de água, com um sistema de distribuição de energia elétrica falho, que produz apagões incessantes, com uma polícia corrompida, ineficiente e que frauda estatísticas sobre Segurança de forma a vender ao resto do país uma situação rósea, que inexiste.

Confira, a seguir, os principais pontos da entrevista de cerca de uma hora com Antonio Mentor.

*

Blog da Cidadania – Qual é o ponto central da CPI dos pedágios? O que gerou essa investigação, deputado?

Antonio Mentor – O ponto central da investigação é o valor da tarifa. E, em decorrência desse ponto, há alguns outros que nós [da bancada do PT] queremos discutir, começando por uma questão de governo que nós queremos colocar na pauta, para garantir aos paulistas uma tarifa muito menor.

Estou falando de uma escolha que o governo do PSDB fez de um modelo de concessão onerosa. Significa que a licitação [para concessão das estradas à iniciativa privada] foi resolvida por aquele concorrente que oferecesse o maior valor de outorga [valor que a concessionária paga ao Estado para explorar uma estrada]

Esse valor de outorga vem sendo pago mensalmente pela concessionária. Isso impacta no valor da tarifa de uma maneira fortíssima, e eleva seu preço. Essa é uma opção de governo.

Qual é a contrarreferência que nós temos? São as concessões federais, que se deram por um outro modelo, um modelo da menor tarifa. O concorrente que ofereceu para a licitação a menor tarifa, atendendo aquele cronograma de obras, de serviços etc., mas com a menor tarifa, foi esse que levou a concessão da rodovia.

O exemplo clássico disso são os 400 quilômetros que vão de São Paulo até São José do Rio Preto. Um carro de passeio paga 76 reais de pedágio. A mesma distância, São Paulo / Curitiba, numa rodovia federal, paga 10 reais e 68 centavos.

Blog da Cidadania – Deputado, existem algumas dúvidas sobre essa comparação. Os pedágios das rodovias federais são mais baratos. O que argumenta a situação – não só a bancada de deputados governistas, mas também o governo do Estado –, e até parte da imprensa, é que as rodovias federais têm uma qualidade muito inferior à das rodovias estaduais [de SP]. Assim, as tarifas federais seriam mais baratas justamente porque a qualidade do serviço prestado é inferior.

Antonio Mentor – Todas as rodovias concessionadas do Estado de São Paulo, que são as melhores rodovias do Brasil, isso é verdade, elas já eram as melhores rodovias do Brasil antes da concessão. Então, esse argumento não serve.

É verdade que as rodovias federais são ruins? É verdade. O que, então, o governo federal quer fazer com a concessão? É torná-las boas rodovias. Há um cronograma de obras nas rodovias federais que vai transformá-las… Ou melhor, que já está transformando em rodovias de melhor qualidade.

Isso não vai acontecer em 2 ou 3 anos, vai acontecer em um processo mais longo. Haja vista que a última concessão que foi estabelecida pelo governo federal determinou que só podem ser implantadas as praças de pedágio depois de concretizados, pelo menos, 10 por cento da duplicação da rodovia, diferentemente do que aconteceu aqui em São Paulo, onde as concessionárias já pegaram rodovias prontas.

A rodovia dos bandeirantes, [quando foi concedida à inciativa privada] já estava pronta. A rodovia Anhanguera já estava pronta…

Blog da Cidadania – Perdão. Entendo, então, que tudo se deve ao ponto de partida. As rodovias estaduais já tinham um padrão muito bom de qualidade quando o PSDB assumiu e firmou esse modelo de concessão, ainda no governo Mário Covas… Correto?

Antonio Mentor – Sim, ainda no governo Covas, em 1998…

Blog da Cidadania – E as rodovias federais foram dadas em concessão agora, mas eram rodovias que estavam em um estado muito ruim desde sempre, desde bem antes do governo Lula e até antes do governo Fernando Henrique. Então, essa diferença de qualidade das rodovias estaduais de São Paulo para as rodovias federais não se deve à tarifa, mas ao ponto de partida da concessão…

É isso?

Antonio Mentor – A questão é o modelo que foi escolhido para as concessões paulistas.

Blog da Cidadania – Qual era o modelo vigente antes da privatização do Covas, antes de 1998?

Antonio Mentor – Tinha um processo de concessão de rodovias antes do que fez Covas, pelo governo Fernando Henrique Cardoso, na Via Dutra e na Ponte Rio-Niterói. Então, antes do Covas, existiram concessões de rodovias federais feitas como “laboratório”, no Brasil.

Veja, porém, que a Ponte Rio-Niterói é uma obra de arte pronta, não tinha nada mais o que fazer, quando foi concedida [por Fernando Henrique Cardoso] à administração privada. Ali, o máximo que se poderia fazer seria melhorar o socorro [mecânico], melhorar o atendimento médico [a motoristas envolvidos em acidentes], coisas desse tipo. Não tem nada além disso para se fazer. Foi entregue à iniciativa privada, mas, lá, foram feitos, apenas, pedágios.

Blog da Cidadania – E por que, então, entregar essa ponte à iniciativa privada?

Antonio Mentor – Pois é, essa é a grande pergunta…

Já a Via Dutra, não. É uma rodovia que precisa, até hoje, de melhoramentos. Foram feitas algumas obras na Dutra, principalmente aqui na Grande São Paulo, no trecho de Guarulhos, por ali.

Mas há muita coisa que precisa ser feita e não foi, apesar da concessão [de FHC]. É preciso duplicação, ou melhor, multiplicação de pistas, por exemplo, na Serra das Araras, um trecho perigosíssimo da Via Dutra, mas tudo isso ficou fora do contrato de concessão [firmado por FHC]. Na Via Dutra, não há nenhum plano de obras. Nada, nada, nada.

Blog da Cidadania – E qual é a moeda de troca dessa concessão?

Antonio Mentor – A moeda de troca dessa rodovia [a Dutra] foi só o pedágio mesmo. Não teve ônus…

Blog da Cidadania – Ué! Então [FHC] privatizou só para cobrarem pedágio?! Pura e simplesmente não se faz obras?!

Antonio Mentor – É só manutenção. Obras, só nesse trecho da Grande São Paulo. Fizeram alguma, é preciso dizer, na multiplicação de pistas nesse trecho aqui de Guarulhos, Arujá, Santa Isabel…

Blog da Cidadania – Mas existe previsão, na Dutra, de fazerem as obras que o senhor está dizendo serem necessárias ou não está previsto contratualmente?

Antonio Mentor – Não, não estava no contrato, não…

Blog da Cidadania – Então tudo que está sendo feito [na Dutra] é por liberalidade das empresas?

Antonio Mentor – Liberalidade, não. Em troca de novos benefícios para a concessionária: na tarifa e no prazo [de concessão]. São três coisas que interessam à concessionária: uma tarifa maior, uma taxa de retorno maior ou um prazo maior. Essa é a moeda de troca que o governo tem pedido às concessionárias.

Blog da Cidadania – E, nesse processo todo, quando se fala em CPI a gente pensa logo em irregularidades. Existe, por parte dos propositores dessa CPI, a percepção de que haveria irregularidades no processo de concessão de estradas do Estado de São Paulo?

Antonio Mentor – Claro. Em 2006, foi assinado um aditivo ao contrato de concessão [emenda contratual] para quase todas as estradas. Só duas concessionárias não tiveram esse aditivo, o que permitiu a prorrogação dos prazos de concessão. Por exemplo, a [concessionária] Autoban – que administra a Anhanguera e a Bandeirantes – teve uma prorrogação de oito anos e oito meses. E as outras concessionárias todas tiveram prorrogações com prazos variáveis, mas todas elas tiveram prorrogações dos seus contratos.

Por que tiveram? Porque, em 2005, as concessionárias entraram com um pedido de reequilíbrio econômico-financeiro do contrato. A Artesp [Agência Reguladora de Serviços Transporte Público do Estado de São Paulo] contratou, à época, três auditorias. KPMG, Fundação Getúlio Vargas e uma terceira, da qual não me lembro o nome… E essas três auditorias deram sustentação para a Artesp promover a prorrogação dos prazos.

Foi um verdadeiro absurdo. Não tinha sustentação numérica para fazer um aditivo desse porte. Esse aditivo foi assinado pelo Claudio Lembo entre o dia 20 e 30 de dezembro de 2006, em um momento em que as pessoas não estavam muito focadas…

Blog da Cidadania – No apagar das luzes…

Antonio Mentor – No apagar das luzes. Foi feito de uma maneira obscura. Tanto que o Claudio Lembo, em 2007, deu uma entrevista à Folha de São Paulo dizendo que nem sabia que tinha assinado aquilo.

A partir dali, várias dúvidas foram levantadas. Mudou o governo [sai Alckmin/Lembo, entra José Serra] e o diretor-presidente da Artesp, que tinha mandato, se demitiu – a contragosto, mas ele foi levado à demissão. Foi nomeada uma nova diretora, que é a Karla Bertocco, e essa nova direção contratou uma auditoria da Fipe, que apresentou, em 2011, um relatório contestando aquela avaliação anterior [que resultou nos aditivos prorrogando prazos de concessão] e dizendo, ao final, que aquela medida tinha dado um prejuízo da ordem de 2 bilhões de reais ao Estado de São Paulo.

O governo assume isso. O governador [Alckmin], inclusive, assumiu isso. E disse – no seu discurso de sempre – que iria entrar na Justiça para buscar ressarcimento do governo, aquela conversa que ele repete no caso do cartel [de trens], no caso da Alstom… Em todos esses episódios, ele fala que vai à Justiça e acaba não indo.

Nesse episódio [das concessões de rodovias], além de assumir que havia essa diferença de valor – uma diferença significativa; dois bilhões são dois bilhões – ele [Alckmin] ensaiou uma ação – que foi julgada inepta – e esse é um dos pontos principais do nosso trabalho na CPI [dos Pedágios].

Blog da Cidadania – As ações que o governador propõe geralmente são consideradas ineptas. Essa que ele propôs por causa do cartel [de trens] também foi considerada inepta…

Antonio Mentor – Você conhece a história do “Eu vou não ir”? Faço que vou, mas não vou. Anúncio e não faço o que anunciei.

Não podemos imaginar que o governo do Estado, com a estrutura que tem, sofra de tal grau de incompetência para sempre entrar com ações ineptas [para ressarcir o Erário de roubalheiras nesse governo].

Blog da Cidadania – Diante desse caso – e não é só nesse caso, mas também no escândalo dos trens –, as pessoas que acompanham política – e, infelizmente, essa atenção está restrita às pessoas que acompanham política – ficam inconformadas, porque não é possível que não exista nenhum tipo controle para coisas como as que acontecem em São Paulo.

Por conta dessa maioria que o PSDB tem no Legislativo, não funciona Ministério Público, não funciona Judiciário, não funciona polícia, não funciona nada quando é para investigar o governo estadual. Como é que pode uma coisa dessas? Não há controle externo algum?

Antonio Mentor – O controle que eles têm não é só no Legislativo. Eles [o PSDB] têm maioria em todas essas instituições que você mencionou, aí. O governo do PSDB tem identidade política com setores importantes dessas instituições. A começar pela mídia. Tem uma blindagem absoluta!

Você vê: quando falam do mensalão do PT, dizem que é o do PT; quando falam no mensalão do [Eduardo] Azeredo [ex-presidente do PSDB], é “mensalão mineiro”, não é do PSDB. Quando falam do escândalo do metrô, é “cartel” – a culpa é das empresas, nunca do governo. Imagine um cartel que funcionou durante VINTE ANOS no Estado de São Paulo não ter participação de agentes políticos…

Pelo amor de Deus!

Aliás, o procurador-geral do Ministério Público de São Paulo já arquivou a investigação aberta por um promotor sobre a participação de José Serra no esquema de cartel. Quem é o procurador-geral? É aquele que foi nomeado pelo Alckmin…

Blog da Cidadania – Marcio Rosa, o segundo da lista tríplice do Ministério Público, que Alckmin escolheu desrespeitando a norma não-escrita – que Lula e Dilma sempre adotaram – de o Executivo federal ou estadual sempre nomear o primeiro indicado pela instituição para a procuradoria-geral…

Antonio Mentor – Na primeira vez, três anos atrás. Agora, ele acaba de ser reconduzido ao cargo e, desta vez, foi o primeiro da lista.

Blog da Cidadania – Bem, então vamos enumerar o que o senhor está me dizendo, deputado: os governos tucanos têm maioria absoluta no Legislativo, maioria no Ministério Público, maioria…

Antonio Mentor – Eu não diria que é “maioria”, eu diria que é “simpatia” do Ministério Público. Vamos citar exemplos para caracterizar isso. O Ministério Público destacou um dos seus membros mais famosos para representá-lo aqui no Legislativo [estadual], que é o promotor de Justiça Fernando Capez. Qual é o partido dele? O PSDB.

O Ministério Público destacou um outro promotor para representá-lo na Câmara Federal. Quem é? Carlos Sampaio. De que partido ele é? PSDB. Então, são esses indicativos que explicam essa “simpatia” do Ministério Público [de SP] pelo PSDB. Não é a instituição, mas parcelas do Ministério Público que têm essa “simpatia” pelo PSDB.

Blog da Cidadania – Então, onde o governo do Estado pode influir no Ministério Público fazendo indicações, ele faz de forma a gerar uma espécie de blindagem?

Antonio Mentor – Eu não sei se é por causa da indicação… Mas veja, o governo de Fernando Henrique nomeou o senhor Geraldo Brindeiro. Quem foi ele? O engavetador-geral da União. Ele era tido e havido como engavetador-geral por sua simpatia pelo governo Fernando Henrique Cardoso.

E, ao contrário disso, o Lula nomeou três procuradores no mesmo período que FHC [8 anos]. E todos eles foram extremamente rigorosos em relação ao governo Lula e a parlamentares do PT. Tudo que caiu lá [no Ministério Público] eles [os procuradores-gerais de Lula] “meteram ferro”. Eu acho que está certo, mas queria que o Ministério Público usasse o mesmo rigor com todos.

Blog da Cidadania – Além da “simpatia” no Ministério Público, no Judiciário e na polícia, o PSDB tem, também, a mesma “simpatia” da mídia. Existe uma blindagem na mídia ao governo Alckmin. Em todo o escândalo dos trens, até agora, na mídia, não gerou nenhum editorial acusatório ao governo Alckmin.

Por exemplo: Dilma foi duramente responsabilizada pelo que dizem que aconteceu na Petrobrás. Alckmin ou Serra não são responsabilizados minimamente, pela mídia, pelo escândalo que aconteceu debaixo dos narizes deles, no caso dos trens, dos pedágios… O senhor diria, então, deputado, que há uma ditadura em São Paulo?

Ora, se não se consegue investigar, se não se consegue denunciar na grande mídia, se o Ministério Público, que poderia fazer alguma coisa, não faz, então é quase uma ditadura esse domínio do PSDB em São Paulo, concorda?

Antonio Mentor – É quase uma ditadura, sim. É quase uma ditadura.

Você veja, gosto de citar exemplos para caracterizar o que estou falando. Por exemplo, o Robson Marinho. Ele foi prefeito de São José dos Campos pelo PSDB; foi chefe da Casa Civil do governo Covas, do PSDB; foi indicado por Covas, do PSDB, para o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Tem batom na cueca, sobre sua participação no episódio da Alstom. Que não é cartel, é outra coisa.

Blog da Cidadania – O que é?

Antonio Mentor – o caso Alstom é a contratação, em 1997, da Eletropaulo, ainda estatal, e da EPTE [empresa de Engenharia e Planejamento em Transmissão de Energia] para uma licitação que ocorreu no governo [Franco] Montoro. Eles ressuscitaram essa licitação em 97 com valores extremamente superfaturados e o senhor Robson Marinho foi o operador desse episódio todo.

Blog da Cidadania – Operador, como?

Antonio Mentor – Ele era o chefe da Casa Civil e foi ele quem fez toda a operação de revalidação daquela licitação [do governo Montoro, nos anos 1980] e, com isso, ele obteve o resultado que a mídia mostrou – em pequenas notas, é verdade, mas que mostraram os valores altíssimos nas contas correntes de Marinho ainda hoje.

15 anos depois, Robson Marinho ainda tem contas na Suíça, nas Ilhas Virgens; 2 milhões, 3 milhões – 2 milhões de dólares, 3 milhões de euros… Imagine só esse contrato. Um contrato vultoso, uma operação de grande porte e que foi investigado na Suíça e não aqui. Não foi o Ministério Público, não foi o Parlamento, foi investigado pela justiça da Suíça, onde a Alstom tem uma sucursal.

Pois bem, de lá é que vieram as informações mostrando a participação do PSDB nesses contratos em valores violentíssimos. E não se fala sobre isso.

Blog da Cidadania – Quando Robson Marinho foi indicado por Mario Covas para o TCE, já havia suspeitas sobre a conduta dele?

Antonio Mentor – Já, ele já vinha tratando dos negócios do PSDB junto com o senhor Andrea Matarazzo, que é intocável, também. Ninguém pode tocar nessa pessoa. O [Luiz Carlos] Bresser Pereira [ex-ministro da Fazenda do governo José Sarney] mostrou – ou deixou vazar – a planilha da campanha da reeleição de Fernando Henrique Cardoso. Esses valores todos estão lá!

O Andrea Matarazzo era o secretário de Energia nessa época, do contrato da Alstom ao qual estou me referindo.

São duas coisas diferentes, o cartel envolvendo Siemens, Alstom, Bombardier, CAF, são 19 empresas. Isso é uma coisa. Isso que estou me referindo, sobre a licitação do governo Montoro ressuscitada para beneficiar a Alstom, é outra coisa. Não tem nada a ver com cartel de trens, é no setor elétrico. É um contrato do governo Covas com a EPTE e com a Eletropaulo, antes da privatização e depois da privatização.

Blog da Cidadania – Então, que tipo de irregularidade o senhor afirma que haveria, nesse caso?

Antonio Mentor – Corrupção, financiamento de campanha… O patrimônio do senhor Robson Marinho está aí, todo mundo está vendo.

O [ex-ministro da Fazenda, Antonio] Palocci comprou um apartamento numa região nobre de São Paulo, avaliado em 2 ou 3 milhões de reais e foi execrado, foi exonerado do governo porque ele não tinha declarado a compra desse imóvel. Robson Marinho comprou uma ilha.  A casa dele, em São Paulo, foi vendida por 7 milhões de reais…

O que é isso?

Blog da Cidadania – A gente vê uma degradação da qualidade de vida em São Paulo, o que tem gerado todos esses protestos. Há um sofrimento muito grande da população. Sobretudo quando usa esses trens, o que tem relação direta com esses escândalos de cartel. E o povo está sofrendo e não sabe a quem debitar seu sofrimento.

Em dezembro do ano passado, entrevistei o prefeito Fernando Haddad e ele me relatou que é constantemente cobrado pelos problemas do metrô, cuja administração é do governo do Estado, do governo Alckmin e dos governos tucanos que o antecederam. Isso não denota uma certa dificuldade do PT de se comunicar com a sociedade? Existe algum plano para mudar a comunicação do PT?

Antonio Mentor – Nós estamos mudando, não é? Por exemplo, a relação do PT e do governo com blogueiros é uma relação de outra ordem, hoje. Estamos dialogando com vocês com uma frequência que não existia.

Até 2010, nós tínhamos um grande comunicador na praça. Ele [o ex-presidente Lula] falava, como fala hoje, e traduz o pensamento do PT, do governo, com uma facilidade, com um grau de compreensão pelo povo que é uma coisa inédita. Nunca vi isso na vida e acho que não vamos ver de novo. Ele é como o Chacrinha…

Blog da Cidadania – Ou como o Airton Senna… Mas, diante disso, como o senhor vê a comunicação do governo Dilma Roussef?

Antonio Mentor – Um desastre. Um gravíssimo erro. Com o [ex-ministro da Secom, Luiz] Gushiken, com quem eu tinha uma relação de muita proximidade, discuti muito essa questão. Muito. Até que ele concluiu que a lógica de comunicação do governo [Dilma] não poderia estar concentrada na rede Globo, nos grandes veículos.

Ele [Gushiken] distribuiu as verbas de comunicação. Bastante. Depois, no governo Dilma, quando entrou a [ex-ministra da Secom] Helena [Chagas] foi um desastre, um desastre, um desastre! Ela desmontou toda a rede que tinha sido estruturada na Comunicação do governo Lula. Em duas canetadas, ela voltou a centralizar tudo nos grandes veículos, os autores de todas as agressões, de todas a infâmias cometidas contra o governo da presidente Dilma.

Não que a gente queira comprar algum veículo, mas teria que haver, no mínimo, um certo equilíbrio.

Blog da Cidadania – A impressão que a gente tem – não sei se o senhor concorda com isso – é a de que venderam o Viaduto do Chá à presidente Dilma, fazendo-a acreditar que poderia manter uma relação melhor do que a de Lula com a mídia. O senhor acredita nisso?

Antonio Mentor – A mídia fez uma aposta. Qual foi a aposta que fizeram? De que a criatura iria se voltar contra o criador. Eles a inflaram. Níveis de aprovação altíssimos, ditos maiores do que os de Lula. Enfim, para quê? Para criar uma imagem de alguém que fosse mais importante e mais forte do que o Lula.

Ela não entrou nessa canoa, nessa arapuca. O que aconteceu na sequência? Começaram a bombardeá-la.

Ora, o que ela mudou? O que aconteceu para que, de repente, ela começasse a ser bombardeada? O governo que ela faz hoje é o mesmo que fazia quando era incensada.

Blog da Cidadania – Mas o que o senhor acha que a mídia queria que a presidente Dilma fizesse e que, não fazendo, despertou a fúria midiática?

Antonio Mentor – Romper com o PT, romper com o Lula. Só que, apesar de não ser historicamente do PT, ela tem um vínculo histórico com a esquerda.

Blog da Cidadania – Voltando à CPI dos pedágios, o senhor acha que existe alguma luz no fim do túnel ou o senhor acha que “vai terminar em pizza”?

Antonio Mentor – Existe uma lenda na mídia de que CPI tem que mandar alguém para a cadeia. CPI não manda ninguém para a cadeia, ela faz uma investigação e produz um relatório. Quem vai dar sequência a isso é o Ministério Público e o Tribunal de Contas. Não somos nós, deputados, que vamos condenar alguém.

Muitas vezes, uma CPI termina dessa maneira e a imprensa julga que terminou em pizza. Mesmo que o relatório oficial que será votado pela CPI seja “chapa-branca”, nós [da oposição] vamos produzir um outro relatório e vamos pedir providência ao Ministério Público. Como existem recursos federais, nós vamos ao Ministério Público Federal, também.

Blog da Cidadania – Qual será, então, a diferença entre o relatório “chapa-branca” e o relatório paralelo? O que dirão um e outro?

Antonio Mentor – Todas as nossas investigações, até o momento, mostram que houve irregularidade no aditivo que provocou a prorrogação dos contratos das concessionárias e que provocou prejuízo da ordem de 2 bilhões de reais.

Blog da Cidadania – Quando foi que o governo Alckmin reconheceu essas irregularidades e prometeu entrar na Justiça para ressarcir o Estado?

Antonio Mentor – Uma semana antes de ser instalada a CPI.

Mas tem uma história interessante, aí, que vale a pena contar. No dia 16 de março de 2011, eu tinha um requerimento de CPI com as 32 assinaturas. No dia 15, no dia da posse dos deputados, o setor onde seria feito o protocolo de pedidos CPI não abriu. Abriria só no dia seguinte, às 10 horas da manhã.

Nós pedimos a dois companheiros para passarem a noite ao lado do relógio de ponto, onde, em tese, teria que ser protocolado o pedido de CPI, para que o requerimento da CPI dos pedágios fosse o primeiro a ser protocolado. Bom, nessa noite, o governo sabendo que nós tínhamos o requerimento e que seríamos os primeiros da fila, fez mais 10 outros requerimentos de CPI.

O presidente da Casa, alinhado com o governo, determinou que a fila do protocolo não seria mais do lado do relógio, mas na porta da entrada do Plenário. Daí, aquele que estava no local onde sempre se protocolou CPIs foi para o fim da fila, agora já com dez pedidos de CPI na frente, e passou a ser o 11º.

Blog da Cidadania – O governo Alckmin aplicou em vocês um passa-moleque.

[…]

Tags: , , , , , , ,

62 Comentário

  1. Fora de Pauta, Eduardo:

    A arrogância estúpida de Peninha e a falta de pudor de Maitê Proença…

    http://www.dailymotion.com/video/x20bsl8_a-arrogancia-estupida-de-peninha-e-a-falta-de-pudor-de-maite-proenca_news

  2. Se ele passear por Minas, ele tira o quase de sua frase.

  3. Edu,

    Vou dar o testemunho da estrada privatizado pelo Lula em 2007, o trecho que conheço vai de Campos a Macaé: o pedágio foi colocado logo após a privatização e, por incrível que pareça, até o ano passado a estrada só foi remendada, mesmo passando 6! anos da privatização. A respeito das privatizações de FHC,os petistas devem achar também que a Embrae já era uma grande fábrica, e não uma fábrica quebrada; as siderúrgicas eram lucrativas e não o poço sem fundo de prejuízo; um telefone na minha cidade, de 15 mil habitantes, era vendido a 5 mil reais! e em SP a mais de 20 mil reais!; os Bancos estaduais davam grandes lucros e não quebravam quase todos os anos; a Vale não era a 20º mineradora do mundo, um cabide de emprego, que com poucos anos de privatizada tornou-se a 1º do mundo, pagando em poucos anos mais impostos que em todos os anos em que ela foi estatal. O Governo tem assuntos mais importantes para cuidar.

    • Pô Edu! Como é que vc deixou passar essa!!!!??????

      Douglas Quina
      Mogi Guaçu – SP

    • Peraí a Vale anda devendo impostos sim e não é pouco não amigo. Isso sem falar do rombo bilionário na compra de navios e pior fora do Brasil, pois eles preferiram gerar emprego lá fora em outro país ao invés de gerar aqui se encomendassem da industria naval brasileira que Lula e o PT reergueram.

    • Na era FHC foi assim mesmo. Mataram o cachorro para acabar com as pulgas!!!!!

    • Em primeiro lugar: Não é privatização, é concessão.

      Em segundo lugar: A Vale deve R$ 15bi em IR e perdeu U$ 507mi na compra dos direitos minerários da jazida Simandou, na Guiné.

      http://www.conversaafiada.com.br/economia/2011/11/30/a-majica-do-agnelli-a-vale-nao-pagava-ir-um-jenio/
      http://www.conversaafiada.com.br/economia/2014/03/31/pasadena-e-a-cpi-do-agnelli-na-guine/

      Em terceiro lugar: A telefonia ficou com tarifas ultra caras, se tivesse continuado estatal, hoje estaríamos com telefonia barata em tudo, pois a razão de a compra da linha ser cara na época era a tecnologia da época. Se a tecnologia fosse a mesma hoje, privatizada ou não, a linha seria cara. Tanto é que logo depois da privataria, as linhas ainda eram caras, até a mudança de tecnologia.

      Um grande exemplo de eficiência e avanço tecnológico, mesmo sendo de uma estatal, é a Petrobrás. Que avança em pesquisa. Tanto é que ela descobriu o Pré-Sal. Só que para isto, temos que ter o governo certo.

    • MAURICIO COUTINHO, vou contestar seus argumentos apenas sobre a privatização da telefonia, embora os outros também sejam falsos.
      O governo FHC investiu 22 bilhões de reais nas teles, o que as tornou apta a expandir a rede de telefonia. Ao invés disto, FHC privatizou o sistema, pronto para a expansão, por 21 bilhões de reais.

      • À época, valia mais de 100 bilhões, nas estimativas mais conservadoras

        • Pois é, agora atualise-se monetáriamente este prejú, e vamos ver quantas copas daria para fazer!
          E o legado desta patifaria qual é? Record de reclamações no PROCON…

  4. Bela entrevista, Eduardo! Estamos cansados de saber que isto está ocorrendo desde o governo Covas, mas, o PSDB tem nas mãos, de fato, os controles de tudo o que há no estado de São Paulo, infelizmente. É tudo tão descarado que ninguém acredita mais que algo aconteça em matéria de punição. Sabemos do esforço dos deputados do PT e do PCdoB, mas o governo de São Paulo dispõe da maioria na ALESP, o que inviabiliza qualquer CPI.

  5. Excelente entrevista, excelente iniciativa. Excelentes informações para quem acompanha a política e tem interesse verdadeiro no bem do Brasil.

    Não é inepto o governo paulista. Mais parece uma poderosíssima quadrilha.

    • Pois é, Osvaldo, as pessoas ficam falando que Alckmin é incompetente, que tem preguiça de administrar, etc. E não é nada disso. O PSDB tem uma política INTENCIONAL de destruição e rapina do patrimônio público.

  6. Não duvido, la pelas Minas Gerais, não existe liberdade de Imprenssa.

  7. O exemplo clássico disso são os 400 quilômetros que vão de São Paulo até São José do Rio Preto. Um carro de passeio paga 76 reais de pedágio.

    A mesma distância, São Paulo / Curitiba, numa rodovia federal, paga 10 reais e 68 centavos.

    é mesmo.

  8. Tentar pegar estes bandidos por “roubo” e para os fracos rssss
    Há muitos anos tentei pega-los por homicídio. Entrei sozinho no mpf com uma ação acusando os de matar usuários da Rod. Fernão dias, duplicada na era covas e construída de forma a favorecer o escape do veículo da pista, o oposto do desejado rss se vc digitar meu nome no Google acompanhado de mpf aparecerá para vc o apontamento… Até hoje morre gente todo dia lá e ninguém faz nada…
    Excluída a ironia, tens em mim um admirador !

  9. Ah bom, um deputado do PT falou isso, então é isento!

    • Pobre Zanchetta…
      E quanto a Aécio dizer para supostos aliados do Governo Federal sugarem bastante o Brasil e depois passarem para o lado dele; você acha que o tucano está sendo isento?

  10. É a luta de classes, cara pálida! Os absurdos e desmandos do PSDB não sofrem contestação porque defendem os interesses da classe dominante, A QUAL CONTROLA A MÍDIA; ALÉM DO PRINCIPAL MOTOR DE QUALQUER ORGANIZAÇÃO SOCIAL HUMANA, O PODER ECONÔMICO; CONSEGUINDO ASSIM QUE OS DESMANDOS E CALHORDICES TUCANOS PASSEM “LIMPINHO” SEM QUALQUER BARULHO VINDO DOS CORONÉIS ELETRÔNICOS E SEU “JORNALISTAS” AMESTRADOS, OU MESMO ORIUNDO DO NOVO MODISMO FASCISTA DO MOMENTO, OS “MANIFESTADOS” DE ARAQUE, QUE NÃO PASSAM DE FILHINHOS DE PAPAI DESSA MESMA CLASSE DOMINANTE, REVOLTADOS COM A PERDA DE PARCELAS DO PODER FEDERAL, OCUPADAS PELAS FORÇAS POPULARES(E QUE PERMITIRAM AS MUDANÇAS FANTÁSTICAS OCORRIDAS NESTE PAÍS) E POR ISSO NUNCA DIRECIONARAM SUAS “MANIFESTAÇÕES” FASCISTAS CONTRA OS GOVERNOS DO PSDB; UM OU OUTRO EPISÓDIO PONTUAL DEVEU-SE SOMENTE A AÇÕES ISOLADAS DE PEQUENOS GRUPOS, QUE NUNCA REPRESENTARAM O VERDADEIRO OBJETIVO DOS MAURICINHOS MANIFESTADOS; OBJETIVOS ESSES QUE PUDERAM SER OBSERVADOS NO CONTEÚDO DAS “MANIFESTAÇÕES” DOS PLAYBOYS, SEMPRE DIRECIONADAS CONTRA O PT(DIRETAMENTE OU ATRAVÉS DA REPETIÇÃO DE SLOGANS MIDIÁTICOS CRIADOS PARA ATINGIR O PARTIDO)E SEM CITAR EM NENHUM MOMENTO OS HORRORES DE QUE O PSDB É RESPONSÁVEL, PRINCIPALMENTE NO CASO DE SÃO PAULO, ONDE O CAOS DO TRANSPORTE PÚBLICO(DESCULPA ESFARRAPADA INVENTADA PELOS “MANIFESTADOS” DE JUNHO PARA DISFARÇAR O TEOR GOLPISTA DE SEU VANDALISMO)TEM A ASSINATURA DIRETA DO PSDB E DOS VINTE ANOS DE DESGOVERNO ESTADUAL, QUE TRANSFORMARAM O METRÔ DE SÃO PAULO NUM CAOS, O SISTEMA DE ÔNIBUS NUMA JOÇA E A LOCOMOÇÃO INTERESTADUAL NUMA SANGRIA QUE RETIRA FORTUNAS DO BOLSO DO CONTRIBUINTE PARA ENTREGÁ-LAS ÀS CONCESSIONÁRIAS “AMIGAS” DO PSDB, ATRAVÉS DE PEDÁGIOS COM VALORES AVILTANTES. Essa situação precisa ser comunicada à população e, conhecendo-se a blindagem midiática dos tucanos, só o será através da ação da Sociedade civil organizada,. Ou seja apesar de difícil e sabotada pela direita e suas “manifestações” golpistas; ainda será a mobilização a única arma para fazer chegar ao eleitor de seu estado, um eleitor habitualmente reacionário, o horror que o PSDB vem criando nesses vinte anos em que desgoverna coronelisticamente o feudo de São Paulo. Esse é o caminho, que envolve não somente a ação nas ruas, mas reuniões com setores organizados, como movimentos sociais, sindicatos, ONG’s, partidos políticos, associações de bairros, para fazer chegar ao cidadão paulista a consciência que o cidadão brasileiro de outras partes do país já tem, a de que ele precisa votar em quem defende os seus interesses e não mais em que tem a cara e os projetos dos patrões. Claro que uma boa comunicação do PT; que nesse momento só poderá ocorrer no horário eleitoral, deve ajudar bem. Uma campanha agressiva de Padilha, que envolva política e não marketing, e um apoio de Haddad, que parece começar a organizar a participação popular na cidade(coisa que o Governo Federal deve adotar num segundo governo Dilma como arma essencial para realizar as mudanças estruturais que o país precisa, a começar pela democratização da mídia)serão armas fundamentais para fazer-se chegar ao paulista, junto com a mobilização popular, essa mensagem sobre o que representa e representou o PSDB em termos de destruição da coisa pública. Comunicação que o PT precisa melhorar bastante(é verdade que o Governo Dilma retrocedeu, mas mesmo com Lula, apesar da evolução, ainda havia justas críticas a serem feitas sobre a baixa capacidade reativa e a distribuição de dinheiro à mídia conservadora, que se foi amenizada, ainda priorizava por demais Globo e sua corja)e que terá nesse processo eleitoral estadual de São Paulo, e em outros estados onde a luta com a direita é difícil, e principalmente nas eleições presidenciais, as condições para dar o salto que o país precisa, salto para tornar-se participativa, conscientizadora e mobilizante para um povo que precisa compreender a gravidade do momento atravessa, momento decisivo para mudarmos definitivamente o Brasil, enterrando para sempre as forças do atraso e da exploração, o que permitirá que seja construído um Brasil para todos.

  11. Parabéns Eduardo pela entrevista, até o mp federal , a polícia federal os tucanos controlam aqui em sp. Quanto a comunicação do governo Dilma você alertou num post no começo do mandato dela da opção de politizar, mas ela preferiu fazer omelete na Ana Maria Braga, não entendo ainda a resistência dela em relação a blogosfera progressista, que algumas lideranças do pt acordaram, mesmo com atraso na importância dos blogs como seu na democratização da informação, único caminho viável para derrubar essa ditadura do psdb em sp.

  12. Aqui em Minas a estratégia é a mesma: domínio do executivo e do legislativo, aliada á submissão da mídia e controle total do judiciário…..Resumo da ópera: Mentiras, perseguições, choque de (indi)gestão, apoderamento de recursos e projetos federais trocando os nomes, evidentemente; funcionalismo público mandado às favas( menos os altos escalões do judiciário), etc. Com tudo isto, ou apesar de tudo isto, ou por causa de tudo isto, um Estado quebrado com dividas a mais de 100 bilhões, e uma propaganda mostrando a Minas da Fantasia… uma beleza! Nossa esperança é a eleição de Pimentel e, evidentemente, da Dilma.

  13. Caros Eduardo e colegas,
    Parabéns pela matéria!
    Por sua natureza, a verdade só pode ser obtida pela constante cooperação dos assuntos em mútua interrogação e resposta, e toda a matéria em forma de entrevista que você fez traz dados e informações sobre o modo de governar do PSDB, e de como este partido é hábil na arte de “administrar” para si e para os seus o dinheiro público, vendendo aos paulistas simpatizantes, ou não, a ideia de que é o partido mais competente e honesto da República! Todas as questões abordadas na entrevista são de fazer vergonha a qualquer pessoa que se considere minimamente decente e honesta! Sei que não é maioria dos paulistas e paulistanos que se deixam enganar pela astúcia dos tucanos e da mídia, sua aliada eficaz, visto que é a maior interessada pecuniária na permanência do PSDB no governo de São Paulo, mas a impressão que nos dá – quem olha de fora, de longe – é que os paulistas e, mais imediato, os paulistanos são um rebanho de ovelhas, administradas pelos tucanos e os meios de comunicação e que sua opinião só conta quando coincidem com aquilo que lhes interessa, que é o ato de votar. Porque, de resto, tudo acontece, e a maioria nem toma conhecimento. E se, por ventura, ficam sabendo, é através dos meios de comunicação: Rede Globo, Folha de São Paulo, o Globo, Veja e congêneres – “absolutamente isentos”! Se fazer concessão de obras prontas, como, por exemplo, a Ponte do Rio-Niterói apenas para onerar o pedágio para que tenham mais dinheiro nos cofres públicos, não for corrupção, é o quê?! Concessão que só tem bônus e nenhum ônus!!! É o verdadeiro paraíso!!! O senhor Alckmin, em todas as vezes que descobrem mais uma falcatrua milionária no governo dele, diz que vai à justiça para que o dinheiro seja ressarcido aos cofres públicos e nunca o faz. Que nome se dá a isso?! De que modo alguém em sã consciência, e não apenas porque não tem nenhuma consciência, é capaz de fazer com que seus eleitores acreditem na mágica de devolver aos cofres públicos um dinheiro que, ele sabe, não foi desviado pela empresa, mas pago por ela ao seu governo?! A não ser que os paulistas e paulistanos sejam tão tontos, e ele, o senhor Alckmin tão absurdamente inteligente, que seja capaz de convencê-los de que depois de assaltar as vítimas, lhes diga — e elas acreditem — que vai lhes devolver uma pequena parte do roubo, e, ao ser devolvido, as vítimas passem a dizer que foi filantropia, e, portanto, ele o filantropo!!!
    Sincera e honestamente, como é que um partido — que tem no Ministério Público e na Câmara Federal trabalhando para si, promotores do próprio partido — juntamente com sua horda de admiradores e simpatizantes têm coragem de dizer que o PT é que aparelhou o Estado?! Santa paciência!!! Na Atenas de Péricles, na Idade Antiga, foram os trezentos mil escravos que permitiram que quarenta mil homens livres pudessem escrever e dedicar-se à política e à arte. Nunca nenhum homem deveria ter sido feito escravo, visto que isso não é humano e muito menos civilizado. Contudo, temos a horrível desculpa de que isso pode ser aceitável, uma vez que possibilitou o desenvolvimento do conhecimento humano como hoje o conhecemos e o desenvolvimento da indústria e das ciências. Mas o que é que faculta aos paulistas e paulistanos a aceitar que um partido que está há 20 anos no governo de um dos Estados mais ricos da nação relegue a eles um Estado aparelhado com o que existe de mais abjeto, que é o cinismo e a desfaçatez de se autoproclamar – como o partido mais competente e habilidoso em choques de gestão?! Que cegueira imbecilizante é essa que paralisa a maioria dos paulistas e paulistanos?! Ou apenas, todos ou quase todos se encaixem na máxima que diz: o que há de verdade numa história é apenas a parte em que o ouvinte acredita?! Ou, por alguma razão, o ouvinte se recusa a acreditar!!!…
    Abraços
    Maria Antônia

    • Cara Amiga Maria Antônia…

      Acredito que os paulistanos se recusam a creditar que estão sendo lesados por puro preconceito.

      Quando eu morava em São Paulo e estagiava no curso primário sempre que ouvia gracinhas sobre “baianos” reclamava, mas a resposta era só deboche e escárnio. Eu nasci na capital de São Paulo, mas meu velho, o seu Perpétuo, era um baiano todo orgulhoso da sua santa terrinha.

      A maioria dos paulistas descende de emigrantes e imigrantes, mas isso não os impedem de serem xenófobos. Seu preconceito é bem maior que seu bom senso.

      Um grande abraço, Maria Antônia. Em você e no Jeffrey.

  14. Ditadura a base do dinheiro á Mídia Corrupta
    Geraldo Alckmin presenteia mídia amiga com milhões de reais em assinaturas da Veja, a Folha e Estadão
    http://geraldoalckminpsdb.blogspot.com.br/2014/06/geraldo-alckmin-presenteia-midia-amiga.html

  15. … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  16. Quanto vale termos os BLOGS “SUJOS”
    Parabéns Eduardo, que bela iniciativa esta entrevista. Este dep. tem muito conteúdo, pois demonstra um interesse muito grande pelo nosso estado. É um daqueles que se esforçam para fazer valer seu mandato, esta inteirado dos problemas que nos afligem. Você proporciona com esta entrevista informações de real interesse e isto é o que vale. Tenho um exemplo claríssimo. Moro em São Roque e aqui estamos cercados por pedágios tanto da Castelo Branco como da Raposo Tavares.Mas nos chama muito a atenção é que a mais de 10 anos neste trecho de S.Roque a Sorocaba é cobrado um pedágio altíssimo e cada vez que se aproxima o dia de ampliação deste trecho eles a CCR consegue junto ao governo do estado um adiamento.Os riscos que a população do entorno da rodovia Raposo Tavares estão exposto são inúmeros com muitas mortes por negligencia da referida concessionária.Parabéns novamente aproveito para também parabenizar o dep. Antonio Mentor-PT, pela coragem de denunciar e a você por disponibilizar seu tempo para temas de grande importância.VIVA O POVO BRASILEIRO.

  17. “como o senhor vê a comunicação do governo Dilma Roussef?

    Antonio Mentor – Um desastre. Um gravíssimo erro. Com o [ex-ministro da Secom, Luiz] Gushiken, com quem eu tinha uma relação de muita proximidade, discuti muito essa questão. Muito. Até que ele concluiu que a lógica de comunicação do governo [Dilma] não poderia estar concentrada na rede Globo, nos grandes veículos.

    Ele [Gushiken] distribuiu as verbas de comunicação. Bastante. Depois, no governo Dilma, quando entrou a [ex-ministra da Secom] Helena [Chagas] foi um desastre, um desastre, um desastre! Ela desmontou toda a rede que tinha sido estruturada na Comunicação do governo Lula. Em duas canetadas, ela voltou a centralizar tudo nos grandes veículos, os autores de todas as agressões, de todas a infâmias cometidas contra o governo da president[[A]] Dilma.

    Não que a gente queira comprar algum veículo, mas teria que haver, no mínimo, um certo equilíbrio.”.

    … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  18. Edu,

    Parabéns pela iniciativa de ir atrás da notícia!

    Espero que venham muito mais entrevistas como esta!

  19. “A mídia fez uma aposta. Qual foi a aposta que fizeram? De que a criatura iria se voltar contra o criador. Eles a inflaram. Níveis de aprovação altíssimos, ditos maiores do que os de Lula. Enfim, para quê? Para criar uma imagem de alguém que fosse mais importante e mais forte do que o Lula.

    Ela não entrou nessa canoa, nessa arapuca. O que aconteceu na sequência? Começaram a bombardeá-la.

    Ora, o que ela mudou? O que aconteceu para que, de repente, ela começasse a ser bombardeada? O governo que ela faz hoje é o mesmo que fazia quando era incensada.”.

    … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  20. vc não passa de um babaca..pode censurar a vontade, cortar editar..

    Petista típico.

    Aprendiz de Cantalice.

  21. “Blog da Cidadania – Mas o que o senhor acha que a mídia queria que a president[ [ A ] ] Dilma fizesse e que, não fazendo, despertou a fúria midiática?

    Antonio Mentor – Romper com o PT, romper com o Lula. Só que, apesar de não ser historicamente do PT, ela tem um vínculo histórico com a esquerda.”.

    … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  22. Edu,

    Só não concordo com o “quase”. Chuchu e Maluf, em nada diferem…

  23. desculpe pela Fora de Pauta mais uma vez:

    acabo de fazer este vídeo… realmente, a cara de pau da nossa imprensa não tem limites !!

    http://www.dailymotion.com/video/x20dwx3_a-cara-de-pau-do-jornal-nacional_news

  24. QUEM VAI ADOTAR OS VIRA-LATAS?

    Por Luciano Martins Costa

    A imprensa brasileira já vinha fazendo lentamente o caminho de volta para a realidade ao reconhecer que a Copa do Mundo no Brasil é, até aqui, um grande sucesso e uma ampla coleção de recordes. Até a revista Veja, que há alguns anos abandonou o jornalismo, já ensaiou o processo de transição do pessimismo para a celebração, caso os fatos continuem a desafiar suas próprias previsões.

    Faltava a Rede Globo de Televisão, que vinha remoendo em suas entranhas a contraditória situação de beneficiária e contestadora do evento. Não falta mais: na edição de quinta-feira (26/6), o Jornal Nacional dedicou 2 minutos e 21 segundos a uma espécie de mea culpa sem culpa. Ou, melhor, a emissora reconhece que havia um excesso de pessimismo no noticiário durante o período que antecedeu o pontapé inicial na bola, mas a culpa não foi da imprensa brasileira: segundo a Globo, foi apenas a imprensa internacional que errou na dose de negativismo.

    Em tom conciliador, o apresentador William Bonemer Júnior, conhecido como Bonner, fez a passagem da emissora para o campo oficial da festa (veraqui o vídeo e o texto correspondente).

    “Durante meses, os atrasos e os problemas de organização da Copa do Mundo foram assunto de muitas reportagens no Brasil e no exterior. Existia no ar uma preocupação generalizada com as consequências dos atrasos das obras não concluídas e os jornais estrangeiros eram especialmente ácidos nas críticas” – diz o novo discurso da emissora.
    “Mas o fato é que, aos poucos, desde o inicio deste Mundial, isso tem mudado” – complementa o apresentador, anunciando a repórter Elaine Bast, que, de Nova York, faz um balanço do que, segundo a Globo, foi a mudança de expectativa da imprensa internacional.

    A repórter capricha no tom triunfalista:

    “‘A morte e os jogos’ – era essa a manchete de capa da revista alemã Der Spiegel no dia 12 de maio. Dentro, a reportagem destacava: ‘O gol contra do Brasil’ – Era essa a manchete de capa da revista ‘Der Spiegel’, uma das mais respeitadas da Alemanha, no dia 12 de maio. Dentro, a reportagem destacava ‘o gol contra do Brasil’ e afirmava que, justamente na terra do futebol, a Copa poderia ser um fiasco, com protestos, greves e tiroteios.

    “Duas semanas antes do início do Mundial, o ‘Wall Street Journal’, o jornal de maior circulação dos Estados Unidos, trazia a manchete: ‘Copa do Mundo: 12 estádios, um milhão de problemas’.”

    Agora tudo é festa

    A animação da imprensa estrangeira parece contaminar o jornalismo da Globo, mas a reportagem faz de conta que o catastrofismo foi inventado além das fronteiras.

    Diz ainda a correspondente:

    “Os problemas que antes eram previstos para a Copa do Mundo no Brasil não se confirmaram. Aos poucos, o tom crítico da imprensa internacional foi mudando, com reportagens que retratam também o clima festivo deste Mundial”.

    Entre os exemplos citados, destaque para The New York Times, segundo o qual, apesar de pequenos problemas, o torneio até agora foi um imenso sucesso. Na verdade, o Times tem sido um dos maiores entusiastas da Copa, com uma cobertura diversificada e o acompanhamento dos principais jogos em tempo real, através da internet.

    Com exceção dos meios ultraconservadores, que depreciam a popularidade do futebol, considerado pela direita americana como um esporte de morenos e latinos, a imprensa dos Estados Unidos festeja a grande audiência do torneio e a massiva presença de torcedores que viajaram para o Brasil.

    A Globo também comenta a mudança de linha no espanhol El País, onde a manchete admite: “Não era para tanto”. O jornal destaca que os estádios e aeroportos estão funcionando e os protestos diminuíram assim que a bola começou a rolar.

    A revista inglesa The Economist também diz que as baixas expectativas foram superadas. O blog da revista conclui que o visitante estrangeiro vai levar do Brasil “uma mistura de hospitalidade, futebol bonito e… preços além da conta”.

    O francês Le Monde chama o sucesso da Copa de “milagre brasileiro” e afirma que o Brasil organiza o Mundial à sua maneira, “desordenado e simpático, despreocupado e acolhedor”.

    “A última edição da revista Der Spiegel dá destaque para a animação da torcida e diz que os esperados protestos de massa até agora não aconteceram”, conclui a reportagem doJornal Nacional.

    A Globo não diz quem alimentou o pessimismo e o noticiário negativo sobre o Brasil nos dias que antecederam o início da Copa do Mundo. De repente, ninguém sabe, ninguém viu quem estimulou o espírito de porco e quem animou o complexo de inferioridade a se manifestar.

    Agora, é preciso recolher nas ruas os órfãos do “quanto pior, melhor”, que começaram torcendo para a Croácia na partida inaugural e já não sabem quem são.

    Quem vai adotar os vira-latas?

    • Eu já fiz minha parte adotando o Brinco.

      • Meu caro amigo Wilson,
        Como está você? Amo todos os vira-latas, animais irracionais. Para mim cachorros e cavalos são os animais mais lindos do mundo! Quanto aos vira-latas, aos quais você se refere, nem sob muita pancada adotaria criaturas tão abjetas e neuróticas, visto que todas, sem exceção, sofrem de um mal chamado, ignorância patológica, mascarada por uma falsa compreensão e entendimento da realidade que os cerca, para assim passar despercebido aos olhos dos outros a incapacidade de reconhecer sua própria ignorância! Haja vista, o comportamento descrito no texto que você postou! Como agora, não podem mais desqualificar a organização Copa, uma vez que a imprensa internacional e os turistas elogiam e viram com seus próprios olhos, o quão gentil e humano é a maioria de nós brasileiros e que as catástrofes vendidas eram a mais límpida e pura mentira — surgem, como sempre, visto que é sua maneira de agir, comumente sem nenhuma ética e sem nenhuma vergonha de serem vistos como serem imbecilizados, porquanto jamais poderão ser vistos como seres civilizados, cuja maior prova foi a violência praticada contra a presidenta na abertura da Copa — vêm dizer que o pessimismo com a Copa era da imprensa internacional! PA-TÉ-Ti_CO!!! Ou melhor, calhordice, canalhice e sordidez cristalinas!!! A partir desde mês de junho nosso País passa e continuará a ser visto pelo resto do mundo com outros olhos! E felizmente para nós que amamos nosso País e nossos conterrâneos, esses olhos não são os olhos da escrota e sórdida mídia comercial, familiar e patronal brasileira.
        Abraço
        Maria Antônia

        • Maria Antônia, o “Brinco” que o Wilsão adotou é simplesmente “leviano”… agora se o Wilsão vai corrigi-lo, aí eu não sei… rs !!

          • Caro colega El Cid,
            Por mais que cada um de nós tenhamos o máximo de boa vontade em tentar compreender as razões pelas quais uma boa parte dessa turma de direita é tão raivosa e principalmente imbecilizada, não conseguiremos meu colega! É provável que nosso Wilson tenha razão quando diz que os paulistas, não sua maioria, felizmente, se comportem com tanta arrogância, seja o fato de que o preconceito que carregam em si seja maior do que o bom senso que deveriam demonstrar! Penso que, apesar do termo ser bem antigo, a alcunha de mazombos ainda seja a que melhor se aplica ao modo de ser da maioria da elite brasileira e principalmente a paulista! Mazombista — é o indivíduo que é brasileiro, nascido no Brasil, mas, como tem alguma ascendência com algum europeu, morria de revolta por ter nascido no Brasil. E por essa razão vive e sofre um medonho sentimento de angústia e saudade daquilo que poderia ter sido. O termo foi usado pela primeira vez pelo poeta baiano Gregório de Mattos, no século XVII (para você vê como a doença é antiga e de difícil cura!!!), para criticar e desdenhar a elite baiana que, quando voltava das viagens à Europa, vinha europeizado e, a partir daí, começava a se ver como brasileiro de alma europeia! E também por isso passava a ser portador da síndrome da angústia do que não é e jamais poderia ser e que, posteriormente, no século XX, deu origem ao termo “vira-lata” de Nelson Rodrigues. A crise de personalidade é tão grave que o romancista Graça Aranha, também, do começo do século XX — filho de uma prostituta maranhense com um marinheiro alemão — viajou à Alemanha, quando jovem, para conhecer a origem do pai (acho que não teve grande êxito, visto que quase nunca falava sobre o assunto).No entanto, quando voltou, passou a dizer ao quatro ventos que se sentia germanizado! Principalmente pelo fato de ser filho de uma senhora negra com um branco! Por essa razão, caro colega, é quase impossível que Wilson ou qualquer um de nós tenha êxito em modificar alguém que tem vergonha de si mesmo, visto que já não é mais apenas um problema de personalidade, mas patologia espiritual. É doença da alma!!!…
            Abraço
            Maria Antônia

        • Oi Maria Antônia. Eu vou bem e você?

          Hoje em dia a gente não sabe se fica indignado ou só acha graça dos cães reaças.

          O pior é que quando o tosco candidato das oposições, Aécio Neves, comete alguma bobagem demonstrando todo seu despreparo, aí os reaças e coxinhas ficam ainda mais virulentos.

          Semana passada foi o episódio do boneco de papelão, já essa semana Aécio nos encantou com sua fórmula para angariar aliados desonestos e traidores, “suguem bastante e depois venham pra cá”.

          A imprensa faz cara de paisagem, mas os vira-latas paus mandados da campanha tucana estão mordendo até a própria mãe, na ânsia de fazer cortina de fumaça pro playboy das Alterosas.

          Grande abraço amiga.

  25. Fora de pauta:

    Desbancando o PIG e os coxinhas quanto à FIFA não pagar impostos:

    Os impostos pagos pela Fifa sobre a venda de ingressos

    http://tijolaco.com.br/blog/?p=18512

  26. Fora de Pauta, veja o comentário do senhor Carlos de Alagoas.

    “Carlos Moreira – Maceió/AL disse…
    Aqui em Alagoas, no interior, as prefeituras com problemas nas prestações de contas, com o Governo Federal, e com isso, sem receber FPM. Os Prefeitos estão espalhando, que a Dilma não está enviando o dinheiro, por ter gastado com a Copa. E o pior é que o Povo está acreditando. Se cuida PT. Seria bom, que o Governo Federal, tomasse conhecimento do assunto, para que possa se defender, falando em cadeia Nacional, ou uma matéria jornalística” .http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/…/video…

  27. Fora de pauta: Não estou conseguindo postar comentários no “site” Escrevinhador, do Rodrigo Vianna (nem no sítio do Altamiro Borges). Alguém sabe se está havendo algum problema com ele(s)? … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  28. Abaixo a ditadura midiática!!!! … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  29. Viva o povo brasileiro!!!! … “Com o tempo, uma imprensa [mídia] cínica, mercenária, demagógica e corruta formará um público tão vil como ela mesma” *** * Joseph Pulitzer. … … “Se você não for cuidadoso(a), os jornais [mídias] farão você odiar as pessoas que estão sendo oprimidas, e amar as pessoas que estão oprimindo” *** * Malcolm X. … … … Ley de Medios Já ! ! ! . . . … … … …

  30. O governo tucano é uma ditadura ,não apenas em São Paulo . Aécio não faz nada diferente do que foi relatado nesse post.

  31. Demorou pra cair a ficha…essa lentidão do PT, em ver os fatos…deixou que o psdb-dem ficasse no poder,não 20 anos…mas 40 anos…e quem pagou o pato? Foram os militantes e alguns petistas.

  32. belo trabalho eduardo!
    são paulo vai mudar aos poucos quando desmonumentalizar BANDEIRANTES EXPLORADORES levantando bandeiras CONTRA índios reprimidos, contra negros escravizados, contra NORDESTINOS menosprezados.
    isso só ocorrerá quando os “dominados” deixarem de copiar, repassar, reprisar dos ILUSTRES antePASSADOS.
    quem sabe elegendo democraticamente o padilha?

Trackbacks

  1. Deputado petista diz que governo de SP “&...
  2. » ´Governo tucano em São Paulo é quase ditadura´Entre Fatos
  3. JN amordaça oposição a Alckmin ao noticiar crise hídrica em SP | Blog da Cidadania

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.