O besteirol de esquerda e direita contra o leilão de Libra

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

 

A grande maioria dos brasileiros que se informaram – ou que tentaram se informar – sobre o recente leilão do campo petrolífero de Libra terminou mais desinformada do que estava antes de empreender  tentativa de obter subsídio para formar a própria opinião. Essa maioria ficou perdida entre tantas alegações peremptórias e complexas de parte a parte.

Que tal, então, simplificar?

Antes, lembremo-nos de um fator positivo que protege esse debate contra má-fé: a maioria tenta, de fato, entender se foi bom ou ruim para o país leiloar – e a forma como leiloou – um dos maiores e mais promissores campos de petróleo que a humanidade já detectou no subsolo deste planeta.

A disposição das pessoas em buscar a verdade independentemente de ideologias, interesses pessoais e de meras idiossincrasias, pois, garantirá que as considerações e informações adiante sejam bem compreendidas.

Em primeiro lugar, quero explicar por que tenho dispensado as opiniões de “especialistas” fartamente titulados e que vêm, às pencas, referendando posições que condenam o leilão de Libra em uníssono, porém sob visões absolutamente excludentes entre si, ou mesmo as opiniões de “especialistas” que vêm defendendo o processo.

Esse tipo de debate sobre o leilão de Libra costuma ser improdutivo porque, apesar de tratar de um assunto que interessa a todos, é comumente tratado como privilégio de “iluminados” que deteriam o grande saber que pairaria acima do suposto “não-saber” dos “leigos”.

Desse modo, há “especialistas” para todos os gostos, de todos os tamanhos, formas, sotaques, idiomas, ideologias, preferências políticas, classes sociais e profissionais etc., etc., etc.

Essas opiniões “´técnicas”, porém, acabam sendo usadas em detrimento das opiniões pouco ou nada abalizadas (oficialmente) daqueles que, ao fim e ao cabo, são os que acabam suportando consequências como a de o Brasil explorar ou não – ou de como irá explorar – toda essa riqueza descoberta pela Petrobrás em 2007.

Proponho, portanto, que nós, mortais comuns, desafiemos nossa dita “falta de qualificação para debater” e discorramos sobre o caso, pois o que arde, ao fim disso tudo, é o nosso…

Vejamos, pois, um exemplo sobre opiniões de especialistas. Os jornalistas Paulo Henrique Amorim e Luiz Carlos Azenha publicaram em seus blogs ótimas entrevistas que cada um fez com nomes de peso em termos de credenciais para opinar sobre o leilão de Libra. Entrevistaram, respectivamente, Haroldo Lima, diretor da Agência Nacional de Petróleo durante o governo Lula, e Ildo Sauer, Diretor Executivo da Petrobrás entre 2003 e 2007.

Resumo da ópera: um especialista é favorável ao leilão de Libra da forma como ocorreu, e o outro, é visceralmente contra. Para o cidadão comum, é um dilema. Esses especialistas têm currículos fartos e um diz o oposto do que disse o outro. Em qual deles acreditar?

A fórmula que este blog sempre propõe para o mortal comum entender questões técnicas como essa do leilão de Libra, portanto, costuma ser ouvir menos sabichões e usar mais a lógica, ao menos quando ela se faz visível e, mais do que isso, quando não permite ser ignorada. Como agora.

No caso do leilão de Libra, é assim. Há uma lógica a apoiá-lo tal como transcorreu.

Ao contrário do que dizem os críticos do leilão pela esquerda – um grupo ligado ao PSOL, ao PSTU, ao PCO, a sindicatos ligados a esses partidos e ao senador peemedebista do Paraná, Roberto Requião –, a mídia não ficou a favor do formato do governo Dilma para o pré-sal coisa nenhuma

Os principais jornais do “day after” do leilão comprovam isso já nas suas nada simpáticas primeiras páginas – qualquer dúvida, confira a imagem que encima este post.

Para poupar o leitor de muitos detalhes, a mídia, claro, apoia que os leilões do pré-sal sejam feitos – seguidora que é do American Way, que não joga petróleo pela janela nem o deixa debaixo do chão dos outros –, mas queria que fossem feitos sob o regime da era Fernando Henrique Cardoso, sob o regime de concessão. E atribui a falta de ágio ao “estatismo” do governo Dilma…

Matéria do Jornal Nacional de segunda-feira sobre o leilão explica a diferença dos regimes de participação privada ou de governos estrangeiros usados pelos governos do PSDB e do PT. Com isso, essa matéria desmonta a tentativa do PSDB de qualificar como “privatização” o consórcio formado com empresas privadas anglo-holandesa e francesa e com empresas estatais chinesas.

Abaixo, trecho da matéria.

—–

Jornal Nacional

Edição de 21 de outubro de 2013

“(…) Até hoje, o petróleo brasileiro era explorado por meio de concessões. Agora, passa a existir também o regime de partilha, que vale para o campo de Libra e para as outras áreas do pré-sal que ainda serão licitadas.

Nos contratos de concessão, o governo recebe por meio de impostos. Na partilha, o vencedor do leilão paga ao governo diretamente com petróleo. Na concessão, todas as empresas podem operar as plataformas. No novo regime, a operação tem de ser feita exclusivamente pela Petrobrás. Em contratos de concessão, as empresas têm liberdade para tomar todas as decisões. Na partilha, uma nova estatal, a PPSA, tem poder de veto sobre todas as decisões.

As mudanças receberam críticas. “Isso pode ter inibido talvez a participação de algumas empresas em função dessas incertezas e também da capacidade de você ser só o investidor e não tem garantia do que se pode influenciar até os seus investimentos, para onde eles podem ser direcionados”, diz João Carlos de Luca, presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo (…)”.

—–

Ora, bolas, mas isso é exatamente o oposto do que diz a oposição demo-tucana, do que dizem o PSOL, o PSTU, o PCO e o senador Requião. Eles dizem que Dilma “privatizou” Libra e que favoreceu os interesses privados. A mídia, porém, diz que o modelo é “estatizante”.

A mesma mídia também criticou a falta de ágio e registrou o “baixo interesse” das grandes do setor de petróleo pelo campo de Libra devido ao “intervencionismo”, ao passo que os críticos pela esquerda reclamam justamente do contrário, de falta de intervencionismo e de grande favorecimento dos interesses estrangeiros, que, repito, a mídia diz que se desinteressaram pelo investimento (!?).

Na Folha, por exemplo, cheguei a ler a colunista Eliane Cantanhêde dizendo que a Petrobrás “decaiu” na era Lula em termos comerciais, financeiros e de imagem. Sim, a mesma Petrobrás que, fugindo da era FHC – quando a plataforma P36 afundou juntamente com a imagem da empresa –, descobriu a que talvez seja a maior reserva de petróleo do mundo e que, em alguns anos, fará o Brasil pular de 13º para 4º maior produtor de petróleo do mundo, ingressando, assim, no seleto grupo de países exportadores de petróleo…

Quanto “decresceu” a Petrobrás durante a era Lula, não?

A mesma mídia e a oposição ao leilão de Libra pela direita (PSDB à frente) contradizem a oposição pela esquerda (PSOL, PSTU, PCO e Requião) quando tratam do endividamento da Petrobrás, que tornaria, inclusive, pesado – e, talvez, insuportável – para a empresa investir cerca de 40% de tudo o que será investido em Libra. Isso porque estaria “muito endividada”.

A gritaria esquerdista, quando não pede para simplesmente deixarmos o petróleo embaixo da camada de sal do Atlântico, afirma que a Petrobrás tem, sim, condições de deter 100% da exploração de Libra.

Nem uma coisa, nem outra. Sim, a Petrobrás está endividada e, por isso, não tem condições de explorar sozinha o campo de Libra, até porque, se o fizesse, faltariam recursos para explorar outras áreas do pré-sal. Isso porque a empresa investiu pesadamente para localizar o tesouro que paga toda a sua dívida e ainda deixa um lucro dez vezes maior do que o investimento.

A verdade sobre Libra, portanto, é uma só: o que afastou boa parte dos grandes tubarões internacionais foi justamente o forte peso do Estado – ou seja, do interesse público – no negócio, reduzindo assim a concorrência àqueles tubarões menores para os quais vale a pena aceitar lucros menos abusivos.

Note-se que, se o governo do Brasil estivesse hoje nas mãos do PSDB, Libra teria sido leiloado sob o regime de concessão, como declarou o pré-candidato a presidente tucano Aécio Neves em nota oficial divulgada na segunda-feira. Abaixo, o texto.

—–

Nota do Senador Aécio Neves sobre o leilão do campo de Libra

O resultado do leilão do pré-sal realizado nesta tarde traz boas e más notícias. A boa é o reconhecimento, ainda que tardio e envergonhado por parte do governo, da importância do investimento privado para o desenvolvimento do país. A má é que o atraso na realização do leilão e as contradições do governo vêm minando a confiança de muitos investidores e, no caso da Petrobras, geraram uma perda imperdoável e irrecuperável para um patrimônio construído por gerações de brasileiros. Nos últimos seis anos, assistimos o valor da empresa despencar, a produção estagnar e o país gastar somas crescentes importando combustíveis, tudo por conta da resistência petista ao vitorioso modelo de concessões. Perdemos tempo, deixamos de gerar riqueza e bem-estar para os brasileiros e desperdiçamos oportunidades.

 

Senador Aécio Neves (MG)

Presidente nacional do PSDB

—–

O “vitorioso modelo de concessões” a que se refere Aécio Neves é o fracassado modelo de Fernando Henrique Cardoso e que o Jornal Nacional explicou muito bem. No modelo de partilha, além dos R$ 15 bilhões que o país lucrou logo de cara, ainda receberá mais de 40% do lucro líquido, 15% de royalties e toda a carga de impostos, beirando os 80% de participação no lucro do negócio. Pelo modelo “vitorioso” tucano, o Brasil lucraria só com impostos que as empresas privadas pagariam para explorar nossa riqueza.

É mole?

Enfim, esse besteirol politiqueiro – tanto pela esquerda quanto pela direita – esconde que o Brasil, com toda essa dinheirama que começará a jorrar ao fim do mandato do próximo presidente da República – ressaltando que, até lá, os que receberam a “doação” de Libra terão que investir sem parar e sem ganhar nada –, dará um salto impensável há alguns poucos anos.

A quantidade de dinheiro que teremos para investir no social, na Educação e na Saúde deve tornar o país muito menos desigual e muito mais próspero. Querer comparar o leilão de Libra, onde vamos lucrar tanto, com as privatizações financiadas pelo BNDES e pagas com moedas podres da era FHC, acima de tudo é doloroso. O Brasil não merece isso.

Tags: , , ,

210 Comentário

  1. Deixando de lado os relinchos de dementes como Eliane Catanhede e Aécio Neves, dois próceres do atraso no Brasil, há uma maneira simples de provar-se o sucesso que foi o leilão de Libra. Para isso, basta que analisemos os números, contra eles não há argumentos. O Brasil vai ficar com 85% de todo o óleo extraído de Libra, percentual encontrado se somados todas as fontes de recursos que cabem à União. Chegamos a esse número ao adicionarmos os 15% de royltes que cabem à União(calculados sobre a Receita Bruta); com os 40% de óleo que cabem à União(calculados sobre a Receita Líquida). Após esse cálculo, ainda caberão ao Governo o Imposto de Renda e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido, calculados sobre o lucro do consórcio; ou seja, o que sobra para o consórcio(Petrobrás, duas empresas chinesas, uma francesa e a Shell)após o Governo retirar a sua parte da Receita Líquida(os 40% de que já falei). Depois de pagarem IR e CSLL ao governo sobre sua parte, as empresas dividem os 60% que cabem ao consórcio. Desses 60%, 40% são da petrobrás, que detém esse percentual no consórcio, resultado da soma dos 30% que a Lei obriga-lhe a ter em todos os consórcios, mas 10% que adquiriu por livre escolha. Dessa parte da Petrobrás, a União, que é acionista da empresa, detém 48%. Ao fim desse cálculo, somados os percentuais, chegaremos acerca de 85% do valor total extraído nas mãos do Governo. Ou seja, foi um negócio extraordinário, que envolve outros aspectos ainda pouco observados por quem assiste ao problema cego por ambições pessoais, no caso da direita, ou por bitolações programáticas que desprezam a dialética necessária ao enfrentamento da conjuntura, feito sempre através das adaptações à correlação de forças que constituem a realidade. Para começar, é evidente que o “ideal” seria a Petrobrás explorar Libra sozinha, mas a empresa não têm recursos para fazê-lo. Não nos esqueçamos, que um dos campos do Pré-Sal, o de Franco, foi repassado integralmente para a Petrobrás explorar, o que levou a empresa a capitalizar-se para fazê-lo. No entanto, Libra é muito maior do que Franco e exige um investimento muito mais vultoso, que demanda recursos que a Petrobrás não possui. Não sou um especialista em Mercado Financeiro, mas acho difícil uma empresa sozinha capitalizar-se em alguma centenas de bilhões de dólares, para um negócio que só dará “resultado” daqui a cinco anos(quando começa a sair o petróleo), além do mais num momento de falta de liquidez em todo o mundo. Só lembrando aos desavisados, a capitalização feita pela Petrobrás para conseguir explorar Franco, FOI A MAIOR CAPITALIZAÇÃO JÁ FEITA POR UMA EMPRESA NO PLANETA TERRA. COMO PODEMOS IMAGINAR QUE A NOVAMENTE A EMPRESA CONSEGUIRIA REALIZAR OUTRA CAPITALIZAÇÃO(DESSA VEZ MUITO MAIOR DO QUE A DE FRANCO, JÁ QUE LIBRA DEMANDA MAIS RECURSOS)QUANDO SEQUER COMEÇOU A EXTRAIR O PETRÓLEO DE FRANCO, NÃO POR INCOMPETÊNCIA, MAS PELA NATURAL DEMORA NESSE TIPO DE EXPLORAÇÃO? Há ainda os que defendem, como li em um comentário nesse texto, que a Petrobrás poderia captar dinheiro de um Banco : a lógica é a mesma, como um Banco investiria tantos recursos numa empresa, para um negócio de rentabilidade alta, mas demorada, e logo após essa empresa ter-se endividado no mercado Financeiro de forma elevada. Sem contar que, entregar 15% do óleo para os estrangeiros parece-me corresponder a uma taxa de juros muito menor do que endividar-se, em dólar, com Bancos estrangeiros(poucos Bancos teriam fôlego para isso). Além do mais, há aspectos estratégicos, relacionados à geo-política, que são desprezados pelos que enxergam a exploração de Libra de forma “pura”, esquecendo-se que ela se insere num contexto geo-político maior, do qual não pode ser separada. Logo após a descoberta do Pré-Sal, os EUA reativaram a IV Frota, destinada oficialmente a “policiar” o Atlântico. O fato teve relevância tão grande que, na época, George Bush mandou sua chancheler, Condoleeza Rice, comunicar o fato ao colega brasileiro, Celso Amorim, tentando “tranquilizá-lo”, como se fôssemos idiotas, de que não havia qualquer ameaça à soberania do Brasil nesse gesto. Não precisa ser um gênio para perceber o interesse real dos ianques : com a IV Frota, os EUA podem facilmente apossar-se do Pré-Sal(os ianques não assinam os protocolos internacionais que reconhecem a plataforma continental, numa área de até 200 km, juntamente com os recursos naturais nela existentes, como pertencentes aos países em cujas costas essa plataforma se encontra). Assim que soube da ação ianque, e percebendo nossa fragilidade militar em relação à máquina de morte do Império, o Brasil procurou reagir. E qual a melhor forma de reagir diante de alguém com superioridade militar? Realizando parcerias. Nesse contexto, trazer os chineses, que já são nosso maior parceiro comercial, para o Pré-Sal é maravilhoso. Os chineses precisam de petróleo(e só de petróleo, não têm interesse no lucro imediato, como as multinacionais ianques, e por isso não colocam a imposição de sua tecnologia como indispensável às negociações)para saciar sua necessidade de óleo, indispensável para obterem um outro lucro, maior do que o simples lucro empresarial da exploração do óleo, que é o de sustentabilidade de seu projeto como superpotência, e por isso além de aceitarem de bom grado somente receber petróleo, defenderão essa fonte, que cada vez se tornará mais essencial, de sustentação do seu crescimento com unhas e dentes. Quando falo “unhas e dentes”, refiro-me ao apoio militar em caso de algum lunático ianque, devidamente apoiado pela mídia brasileira, resolver “trazer a democracia” para o Pré-Sal, alegando que lá está surgindo uma célula da Al Quaeda, alegação tão verossímil quando as “armas de destruição em massa” de Saddam Hussein, que foram a desculpa perfeita para a invasão dos campos de petróleo daquele país. Ainda na questão geo-política, desde que soube da recriação da IV Frota, o Brasil procurou diversificar parcerias. Além dos chineses, a aproximação com os franceses, para viabilizar a construção de um submarino movido a propulsão nuclear, também fez parte dessa política de defesa de nossa costa, principalmente do Pré-Sal. E QUEM FOI O OUTRO PARCEIRO ESTRATÉGICO NO CONSÓRCIO DE LIBRA? OS FRANCESES. A TOTAL, EMBORA PRIVADA, É UMA ESPÉCIE DE PETROBRÁS FRANCESA, NA QUAL O GOVERNO TEM FORTE PARTICIPAÇÃO ACIONÁRIA. Por último, a participação da shell, afasta a ideia da inviabilidade mercadológica do leilão (inviabilidade essa que, se existisse, a mim não deixaria de agradar em nada, afinal temos que pensar nos interesses do Brasil e não do mercado), mas cuja inexistência é importante num país que ainda se move dentro das esferas capitalistas e que tem na Petrobrás, embora controlada pela União, uma empresa de capital aberto, com ações nas principais bolsas do mundo. Sem contar que, Total e Shell formam um xadrez interessante para o Governo brasileiro que, desse modo não fica refém dos chineses(não se pode confiar totalmente em ninguém, quando se trata de relações internacionais), afastando o perigo do “poderio econômico” dos asiáticos começar a ameaçar o controle da União sobre o empreendimento. Com isso, e mais aspectos como o fato da petrobrás ser a operadora única, a existência da estatal PPSA – Pré-Sal Petróleo S.A., a determinar o ritmo de exploração, a quantidade retirada e o “custo óleo”(valor de petróleo que corresponde ao custo de extração), aspectos essenciais na política de preços; sem contar a destinação de 75% dos royaltes para a educação e 25% para a saúde. Além de metade do Fundo Social(valor formado pelo restante das receitas do petróleo, extraindo-se os royaltes)para a educação e a outra metade para investir-se em cultura, ciência tecnologia tornam sim o Pré-Sal um passaporte para o futuro do Brasil, juntamente com o desenvolvimento que terá nossa indústria graças à obrigatoriedade de 70% de conteúdo nacional nas compras feitas pela “indústria do Pré-Sal” e ancorado também numa nova reconfiguração geo-política para o país, que afasta-o dos EUA e nos aproxima da China, nação em ascensão como o Brasil, cuja convergência de interesses(firmar sua soberania enfrentando a reação dos EUA)a torna muito mais interessante para o Brasil. E ainda demos mais um passo na parceria com a França(que já existe na construção do submarino nuclear), Nação que, a despeito da subserviência dos últimos anos, tem um passado de rebeldia ao imperialismo(foi a única que recusou o Plano Marshal)e pode ser outra forte aliado do Brasil e passaporte para negociações mais soberanas com a Europa, capitaneadas por nosso país e pelo Mercosul. Assim, deve-se avaliar o Leilão do Pré-Sal pelo que representou não somente na questão econômica, que já obrigava o país a realizar parcerias com outras empresas/nações, mas também pelos aspectos geopolíticos que trouxe à tona, representando um avanço na nova configuração de forças que começa a surgir em um mundo cada vez mais caracterizado pela multipolaridade(lembremos aos “puristas”, que Cuba só PODE SUSTENTAR SEU Socialismo, tanto no aspecto econômico como no militar, devido à parceria estratégica que teve durante décadas com a URSS, também uma configuração geo-política inimaginável para a época, já que a Ilha foi a porta de entrada da ex-superpotência numa região distante e inimaginável como a América latina). Se assim o fizermos, perceberemos o sucesso do leilão de Libra e o quanto representou como passo decisivo para a construção de um novo Brasil.

    • “Deixando de lado os relinchos de dementes como Eliane Catanhede ”
      A frase é um convite para não ler o longo texto do rapaz. Se ele começa assim, num total desrespeito ao pensamento alheio, imagine-se o que não virá a seguir.

      • O ‘longo trecho do rapaz” tem 83 linhas.

        Você desqualificou tudo pelo que consta em apenas uma linha.

        Poderia te perguntar se chamá-lo de “rapaz” sem conhecê-lo

        pode passar a idéia de uma pessoa inexperiente,

        que não deve ser levada a sério…

        Havia um programa de TV, uns anos atrás, com o nome de

        “Quem tem medo da verdade”.

        No mais, o nosso amigo blogueiro, pra variar, meio que esgotou o assunto!

        • A Olga não falou em trecho (de 83 linhas ?) e sim texto.
          Tratar o Carlos de rapaz não é insulto.
          Só você não percebeu que o Carlos é uma espécie de eco da argumentação do blogueiro só que com insultos.
          O sujeito queima as pestanas para englobar todo um assunto num post e vem outro e repete a argumentação com outros termos, subvertendo parágrafos e gritando em caixa alta.
          Venho aqui para saber o que o Eduardo pensa sobre o assunto pautado e concordo que nos comentários emita-se opiniões, concorde-se e discorde-se, mas escrever longos comentários é mero exibicionismo. ´Neste caso é melhor fazer como o blogueiro; monte seu blog.

          • JOÃO BOSCO PERUZ : O ÚNICO EXIBICIONISTA AQUI É VOCÊ, QUE AO INVÉS DE TENTAR EXPOR O QUE PENSA(EMBORA DUVIDE QUE VOCÊ PENSE ALGO ALÉM DO QUE OS TEUS AMOS TE MANDAM ACREDITAR)PROCURA ATACAR COM IMBECILIDADES PESSOAIS OPINIÕES PROGRESSISTAS COMO A MINHA, QUE INCOMODAM TEUS DONOS, JÁ QUE EXPÕEM O QUANTO ELES E SEUS LACAIOS, COMO VOCÊ, SÃO DANOSOS PARA O BRASIL E AINDA O FAZ COM ARGUMENTAÇÃO RACIONAL, A QUAL VOCÊS NÃO PODEM COMBATER! SÓ UM DEBILOIDE COMO VOCÊ PARA AFIRMAR QUE EU PENSO O MESMO QUE O BLOGUEIRO. PELO JEITO SEQUER TEM COMPETÊNCIA PARA ENTENDER O QUE ESCREVO, POIS SE A TIVESSE, SABERIA QUE DISCORDO DE EDUARDO EM CENTENAS DE PONTOS. SÓ PARA CITAR UM, EMBORA SAIBA QUE VOCÊ NÃO ENTENDERÁ(MAS MANDA O TEU PATRÃO TE EXPLICAR, PROVAVELMENTE ELE PAGARÁ A ALGUM “ECONOMISTA” DO MILLENIUM, AQUELE INSTITUTO ONDE NÃO TE DEIXAM ENTRAR : VOCÊ NÃO ACHA QUE TEUS SENHORES VÃO TE RESPEITAR!), LEMBRO QUE DISCORDO VEEMENTEMENTE DA POSIÇÃO FAVORÁVEL DE EDUARDO QUANTO À POLÍTICA CAMBIAL DO GOVERNO, CONSIDERO O CÂMBIO FLUTUANTE UM SUICÍDIO NEO-LIBERAL, QUE DEVERIA SER COMPLETAMENTE ABOLIDO PELO GOVERNO. SOBRE O PRÉ-SAL DE FATO CONCORDAMOS, MAS O FAZEMOS PORQUE QUALQUER PESSOA HONESTA, QUE CONSULTA OS NÚMEROS, PERCEBERÁ MATEMATICAMENTE AS VENTAGENS PARA O BRASIL CONSEGUIDAS NO MODELO DE PARTILHA E NO LEILÃO DE LIBRA. INFELIZMENTE VOCÊ NÃO QUER DEBATER ESSAS COISAS, PREFERE FALAR MERDA PARA SERVIR À CLASSE DOMINANTE, QUE TE DESPREZA, TEM NOJO DE VOCÊ E TE ESMAGARIA SE PRECISASSE, COMO É COMUM AOS VERMES DA SUA LAIA! VOCÊ NÃO PASSA DE UM VERME RASTEJANTE!

          • Quanta gritaria! Para que escrever em caixa-alta? Parece com os comentaristas do PIG: mal-educados! Triste isto! Edu,parabéns por suportar, se fosse eu…sei não!!!!

          • Com o tempo a gente passa a nem dar bola. Mas pra quem não está acostumado é chocante.

      • Noves fora uma certa deselegância do companheiro Carlos Henrique, no obstante compreensível em se tratando da musa da febre amarela, o que diz é a mais pura verdade.
        Pior é a dita cuja que ao escrever no auto-denominado maior jornal do país deveria ter maior consideração à inteligência dos leitores (mesmo os da Folha). Ela sem uma palavra de baixo calão sequer ofende a nós todos de forma muito mais vil que o nosso colega

      • Olga Chula : Se você começa assim, fazendo pseudocríticas idiotas, limitadas a tolices, é porque não tem um pingo de capacidade de contrapor-se ao conteúdo do que escrevo, e, se não consegue debater ideias, é porque não tem um milímetro de pensamento inteligente, capaz de estabelecer uma discussão produtiva, com argumentos racionais que possam confrontar-se. OU SEJA NÃO PASSA DE MAIS UMA TROLL REACIONÁRIA COMO TANTOS OUTROS QUE SURGEM NESTE ESPAÇO(E INFELIZMENTE SÃO PUBLICADOS PELO DONO DO BLOG)QUE NA FALTA DO QUE DIZER PARA OPOR-SE A COMENTARISTAS QUE PROCURAM DEFENDER RACIONALMENTE O EXTRAORDINÁRIO PROJETO POLÍTICO QUE O PT VEM IMPLANTANDO NESTE PAÍS HÁ DOZE ANOS, E VEM TRANSFORMANDO O BRASIL PROFUNDAMENTE, PROCURAM ATACÁ-LOS COM IMBECILIDADES, SEMELHANTES AO PSEUDOMORALISMO USADO POR SEUS PATRÕES DO PSDB E DA MÍDIA PARA ATACAR O PT, E QUE COMO O MORALISMO HIPÓCRITA DA DIREITA, NÃO PASSA DE UMA CAPA DE CINISMO PARA ESCONDER A IMPOSSIBILIDADE DE VOCÊS EM DISCUTIR QUALQUER PROPOSTA DAS FORÇAS DE ESQUERDA, SIMPLESMENTE PORQUE NÃO TÊM NADA MELHOR A OFERECER. ALIÁS, O QUE VERDADEIRAMENTE TÊM A OFERECER É INDIVULGÁVEL, JÁ QUE CORRESPONDE AOS CAOS, À MISÉRIA, À EXPLORAÇÃO, AO DESEMPREGO E À SUBMISSÃO AOS EUA QUE CARACTERIZARAM O DESGOVERNO FHC. POR ISSO, OS RELINCHOS DE “MOÇAS” COMO VOCÊ, ELIANE CATANHEDE OU DE PLAYBOYS COMO AECINHO CACHAÇA SÓ MERECEM ESSA CLASSIFICAÇÃO, POIS NÃO PASSAM DE “RELINCHOS”, OU SEJA PRECONCEITOS, GENERALIZAÇÕES, MENTIRAS, ÓDIO, MISTIFICAÇÕES E IMBECILIDADES QUE NÃO TÊM UM MILÍMETRO DE LASTRO INTELECTUAL, ESSE É O MOTIVO DE FUGIREM DO DEBATE E AINDA TENTAREM ATACAR QUEM PENSA. VOCÊ É DIGNA DE PENA E DESPREZO, POIS É DUPLAMENTE BURRA, IMBECIL E ASQUEROSA, TANTO PELA FALTA DE CONTEÚDO DE SUAS “POSIÇÕES”, COMO PORQUE ATRAVÉS DELAS DEFENDE QUEM TE FERRA HÁ QUINHENTOS ANOS.

        • Essa Olga me parece ser uma pessoa bem cretina. Ao invés de tentar derrubar os argumentos colocados pelo colega, pega a primeira linha de um texto longo, considera uma palavra ofensiva e, apenas com isso, tenta desqualificar uma opinião que, diga-se de passagem, foi redigida de forma absolutamente clara, concordemos ou não com ela.

      • Catanhede não pensa! escreve o que os patrões ordenam. Tenho dito. Ponto.

        • Eu acho que ela até pensa, mas seu raciocínio é tão limitado e condicionado à ideologia tucana, que ela tenta a todo custo desqualificar aquilo que não segue a agenda do PSDB. Em alguns momentos, ela chega a ser tão patética que eu me pergunto como pode uma essa pessoa possui uma coluna no “maior jornal do país” e ainda recebe um gordo salário para isso.

      • Catanhede não pensa!. Escreve o que os patrões ordenam. Tenho dito. Ponto.

      • Concordo plenamente… A grosseria é própria da maioria dos “petistas”. Aliás, a prepotência e a pretensão do autor do texto quando diz ser a pessoa mais apropriada a explicar sobre o assunto também é gritante…

    • Perfeitíssima explanação Carlos Henrique.
      Nada a acrescentar.

    • Carlos Henrique, tirando o seu jeito de escrever, novamente tô contigo e não abro!

      (dá uma melhoradinha: põe uns espaços entre os parágrafos e não usa muita caixa alta que fica joia)

      um abraço!

    • Carlos, não resisti e publiquei seu comentário no facebook, está muito esclarecedor. Me desculpa, tá? Parabéns.

    • Seu texto é muito esclarecedor. Fora a parte dos calculos percentuais que não acompanhei, uffa, mas acredito (tô brincando), o raciocinio sobre o aspecto geopolitico da composição dos participantes é interessantissimo. Fica até parecendo que se fosse planejado não seria melhor.
      ps: não caia na tentação de ficar “gritando” em caixa alta (é insuportavel), seu texto é bem fundamentado, a pessoa concordando ou não. O resto é bate boca inutil.

  2. Acredito que algo passa despercebido e salta aos olhos – os EUA estarem fora do Leilão.

    Que bom que não participou.

    Os EUA não transferem tecnologia em setores estratégicos, pois, lá nos “isteitis”, quando há a participação de investidores estrangeiros forma-se um comitê para impedir a transferência de tecnologias.

    Já a Petrobras, com o Leilão, será estabelecido relações de cooperação tecnológica com o consórcio, para exploração do campo.

    Afinal de contas, os EUA, por meio das bombas, estabeleceu relações que eram absurdamente desfavoráveis para os países plenos de recursos. Veja o que os Estados Unidos fazem há anos no Oriente Médio, por exemplo, para assegurar petróleo!

    Parabéns, Presidenta!

  3. Prezado Eduardo

    sou leitor de seu blog.

    Li e vi vários “especialistas” sobre o assunto e de diversas tendências. Pensei até mesmo em escrever algo nem que fosse para ficar em meu computador. Imaginei até um título provocativo “Os ditos nacionalistas não estão tão nacionalistas”. Porém, como leigo, quem sou para questionar as verdades absolutas dos que tantas informações possuem e que nós não temos acesso. Nem mesmo ousaria afrontar com texto que pode não expressar bem a linha de pensamento, dado as imperfeições em nossa formação. Porém, ao ler suas lúcidas considerações sobre o assunto me motivou, pelo menos, a escrever aqui um comentário.
    Este debate lembra a implementação do denominado programa fome zero, que depois passou a ser chamado de bolsa família. Na época, também, a esquerda radical criticava tanto quanto a direita. Esta ultima por ter perdido as eleições de 2002. As críticas iam dos que diziam ser mais um programa assistencialista os que falavam que não tinha “porta de saída” e várias outras. O Presidente, na época, Lula resumiu a opção de levar adiante a empreitada “quem tem fome não pode esperar”. Ou seja, fez a implantação para atendimento imediato de uma grande parte de brasileiros iguais a nós que não tinham as mínimas condições de sobrevivência. Os dados sobre a fome no Brasil eram tão graves que até hoje ainda existem pessoas que não são atendidas e ainda vivem na extrema pobreza. Não se pode nem mesmo falar em percentual, posto que ainda fosse 1%, não podemos festejar, porque seriam 200000 (duzentas mil) pessoas passando fome.
    O debate agora é quase igual, guardadas as proporções. Até mesmo você frisou em uma respostas a comentário que Aécio disse sobre a demorou o outro expoente do PSDB (Álvaro Dias) disse que foi precipitado. O nacionalistas, vale incluir o ex presidente do BNDES, Carlos Lessa, insistem que a Petrobras deveria explorar sozinha porque o petróleo já foi descoberto. E, ainda, como diz um cometário acima de Paulo Silva “a Petrobrás” descobriu. A descoberta da Petrobras se deu, até onde li, por trabalho que estava prestando à Agência Brasileira do Petróleo (ANP) e foi recompensada com os valores repassados pelo Tesouro para pagamento em Petróleo à União que serão retiradas de um determinado campo (talvez Tupi) e possibilitou que a empresa fizesse uma das maiores capitalizações do mundo, de mais de 100 bilhões de reais.
    Ora, por tudo que se vê não seria possível em uma manobra mais rápida, a Petrobras conseguir levantar sozinha os investimentos necessários para a extração(poucos dizem sobre as dificuldades ainda a serem superadas para a retirada com segurança do local que se encontra). Alguns chegaram a dizer que a Petrobras poderia “facilmente” levantar os valores junto aos bancos. Que nacionalistas estranhos ao defenderem a Petrobras brasileira passe a devedora de grandes quantias ao capital financeiro internacional, posto que os bancos brasileiros não possuem um histórico de investir para pagamentos no longo prazo, principalmente depois da situação do grupo “X”. O dinheiro que virá das outras parceiras sócias não possuem custos financeiros e não haverá o retorno com desembolso de dinheiro. Terão que fazer com que o empreendimento seja um sucesso para buscar a compensação financeira. Na hipótese da busca de dinheiro no mercado financeiro o valor deve ser pago acrescido da remuneração do capital, quer o lucro apareça ou não. No prazo combinado deverá ser efetuado o pagamento.
    O mais importante é que a exploração não pode mais esperar. Já se passaram sete anos que foi levado a público a informação da existência de Petróleo nesta profundidade. Irão ser gastos mais no mínimo cinco para início da produção e outro tempo para que os valores sejam direcionados aos objetivos legais que foram definidos como saúde, educação e o fundo social para financiamento das futuras gerações. Fica aqui, também, a fala plagiada do que disse o Presidente Lula, sobre fome: “quem possui expectativa de um saldo de qualidade na educação e saúde não pode esperar.”

    Desculpe-me o tamanho do comentário.

  4. Eduardo.
    Obrigado pela lição.
    Tambem eu balanceava na corda bamba dos “analistas” que entendem de tudo e tem a cobertura dos que menos entendem.
    Analise para ser gravada e transmitida a tantos quantos quiserem entender os fatos com acerto.
    Obrigado outra vez.

  5. A extrema esquerda, unida à extrema direita, deu-se mal, mais uma vez….

  6. Por volta de um mês atrás li um texto no Viomundo e concordei com o autor do texto, favorável ao adiamento do leilão e questionei a posição do partido que apoio (PCdoB) e de Haroldo Lima (ex-presidente da ANP). Alguns dias depois li um artigo do PCdoB, outro de Haroldo Lima e de Ildo Sauer, a partir daí me posicionei a favor do Leilão de Libra.

    Penso que o ideal era não haver o leilão e que o campo de Libra ficasse exclusivamente nas mãos da Petrobras. Mas se assim fosse, a Petrobras não teria condições imediatas de começar a explorar o campo de Libra, isto poderia demorar dezenas de anos. A consequência disto é que o Brasil deixaria de ter dinheiro para investir rapidamente na Saúde, na Educação, no desenvolvimento tecnológico do país e deixaria de criar milhões de empregos nos próximos anos.

    Mas a realidade mostra que o Brasil tem que fazer o que foi feito ontem, o leilão do campo de Libras.

    Faltou por parte do Governo Federal, em especial da Secom (onde se encontra o Paulo Bernardo Trim Trim), divulgar os motivos que o Brasil tem para que o leilão de Libras ocorresse imediatamente (sem adiamento). O ministro Paulo Bernardo foi indicado pelo governo Dilma Rousseff, mas parece que ele atua somente a favor do PIG e contra o Brasil, e nada fez para explicar ao Brasil o que é o campo de Libra e a necessidade dele entrar em funcionamento rapidamente.

  7. Visto desde fora do Brasil: E necesario explicar ao leitor que existem duas esquerdas no Brasil : A ESQUERDA NACIONALISTA – como PT e PCdoB – que apoia o governo de Dilma e apoia o desenvolvimento do Brasil (Belo Monte, PACs) – e ao contraste a ULTRA ESQUERDA como PSOL, PCB etc. — Mesmo e preciso observer que existe uma “direita” – ou melhor dito “conservadores nacionalistas” – que nao soa “entreguistas”. No Brasil existem duas “direitas” : 1. Os entreguistas (que querem o Brasil como Mexico – um protetorado de fato dos EUA :Globo, Folha, Estadao, e 2. os “conservadores nacionalistas” (exemplo os militares que estao contrarios a infiltracao das ONGs estrangeiras na Amazonia. As duas esquerdas sao: 1. A exquerda nacionalista – como PT, PTD, PCdoB que apoiam o governo da coligacao e o desenvolvimento, e 2. a ultra-esquerda como PSOL, PSTU, PCB que de fato “ligam” com a “esquerda falsa” (false flag operations) da OTAN (exemplo: Fundacao Rosa Luxemburg, Sao Paulo, do Partido “Linke” de Alemanha: Exemplo – o agente geopolitico da Fundacao Rosa Luxemburg, Gerhard Dilger (Austriaco ?) foi correspondente de El Tiempo de Colomibia – propriedade entonces (1998) da familia Santos: Juan Manuel Santos foi Ministro de Defesa 2003-2010 e Francisco Santos foi Vice-Presidente 2003-2010 no governo ultra-derecha do Presidente Uribe. A agente geopolitica anterior da Fundacao Rosa Luxemburg – a alema Kathrin Buhl(antiga “apparatchik” na Alemanha Oriental Marxista-Leninista ) morreu em Sao Paulo 24.12.2012 sem causa publicada… Resumen: E sempre preciso aclarar que existe um esquerda nacionalista e conservadores nacionalistas – que concordam na defesa dos intereses do Brasil , sem concordar na ideologia social. E ao contraste ha um ultra-esquerda que a parceira de fato da “esqueda falsa” da OTAN, e uma direita entreguista: Globo, Folha, Estadao. Assim parece visto desde fora do Brasil….

  8. Todos esses que criticam o sistema de partilha e dizem que o Brasil está se precipitando fazendo esse leilão agora,que deveria deixar esse petróleo no fundo do a=mar,aguardando uma condição melhor para a petrobras explorar sozinha todo o pré sal,se esquecem que o TITIO SAM está de olho grande nessa riqueza,tanto é verdade que entre 2009 e 2010 foi descoberto que a Chevron tinha instalado um CHUPA CABRA no campo de Frade, tentando surrupiar o petróleo.

    • E ainda tem um telegrama divulgado pelo wikileaks entre o Serra e a Chevron com a promessa , pelo Serra , de mudar as regras para beneficiar a Chevron.

  9. Parei de ler quando me deparei com um “encima”

    • Acho que parou de ler há muito mais tempo. Duro é gente que não conhece o próprio idioma querer ensiná-lo a outrem.

      Aprenda com o dicionário Houaiss o verbo encimar:

      encimar

      verbo ( sXIII)
      1 ( t.d.bit. ) [prep.: com] colocar em cima de
      ‹ elaborou uma frase de advertência para e. o cofre › ‹ encimou a árvore de Natal com uma estrela ›
      2 ( t.d. ) estar situado ou encontrar-se acima de
      ‹ uma pequena prateleira encimava o nicho sagrado ›
      3 ( t.d. ) coroar, rematar
      ‹ a imagem da Virgem encima o retábulo da Igreja ›
      4 ( bit. ) [prep.: a] fig. colocar no alto, elevar, alçar
      ‹ e. ao trono o príncipe herdeiro ›
      Etimologia

      1en- + cima + -ar; ver 1cim(o)-

    • Aos 8 anos de idade, na antiga 2ª série do primeiro grau, em um texto lido em sala de aula, havia um trecho que nunca mais saiu da minha mente:

      “Um tolo nunca é mais tolo do que quando se mete a sábio”.

      Certamente o idiota nem cogitou ser “encima” um verbo. Pensou tratar-se de adjunto adverbial de lugar.

    • Que mayco, hein Mico?!

    • Rapaz, se és tão preocupado com erros gramaticais, porque não corrigiu o próprio nome, depois que atingiu a maioridade (se é que)? Não é Mayco, é Michael. Did you understand, my friend?
      PS: sei que seu nome não é sua culpa. mas mereceste essa

    • Perdeu uma boa oportunidade…

      Até porque, nessa era digital a pressa acaba provocando erros, o que não desabona o conteúdo. Você mostrou ser mal educado, deselegante , superficial, que se preocupa mais com a forma do que com o conteúdo ,além de ignorante por não conhecer o verbo.

      Eu , quando estava lendo o texto , também achei estranho. Parei, não julguei , refleti. Eu poderia ter recorrido ao dicionário , mas , por preguiça, não o fiz. Preferi deduzir que haveria um verbo encimar , e segui em frente, tendo o conteúdo como preponderante.

      Você poderia ter feito o mesmo.

      Já pensou se os blogueiros parassem sempre para nos corrigir?

    • Sr. Mayco(é isso?), fica uma pergunta que reverbera no cosmos:

      Que maua em escrever errado? Ainda que não foi o cazo.
      Quem esta “preocupado”, sempre foi asim, com isso, é a direita. Zempre no sentido de interditar o debate democratico e para todos. Pois todos tem o direito de se manefestar, independetemente de sua coltura/bancos escolares ou não.
      Seu mayco(é isso?) o Sr. veio para o lugar errado.
      Aqui, os que “menos” sabem sobre a vida e os inconfessáveis interesses da direita, podem lhe dar aulas e mais aulas sobre tudo e mais alguma coisa.
      Seu mayco(é isso?), corra para abraçar os calunistas da Veja e seja qualquer coisa.

    • Mayco
      Mayco, você poderia ter dormido sem essa.
      Trata-se de INDICATIVO PRESENTE.
      Da próxima vez antes de criticar consulte o
      “pai dos burros” (com meus respeitos, sem nenhuma alusão a vc)

    • Bastava ter consultado o dicionário.
      Mas, não, tinha que pagar mico…

    • É o Edu, muitos anos ensinando o leitor a pensar e a escrever na língua pátria. Acompanho esse blog há muitos anos e conheço esse cara. Saúde e sorte grande para você.

  10. E pensar que FHC no seu projeto liberal de desconstrução do getulismo juntamente com Serra e a tucanada babavam para enfiar o projeto “Petrobrax” goela abaixo dos brasileiros, estaria tudo perdido, vade reto FHC e tucanos canalhas, o povo não sente nenhuma falta da sua escoria anti-trabalhista

  11. OK… mas Dilma disse que Libra vai trazer R$ 1 trilhão ao Brasil nos próximos 30 anos, mas ela perdoou R$ 1 trilhão da dívida das empresas com o Governo?!
    E tbm disse que a Petrobrás não teria condições de explorar Libra sozinha por falta de dinheiro… [de novo] mas ela perdoou R$ 1 trilhão da dívida das empresas com o Governo… e ainda esbanjou algumas dezenas de bilhões nas obras da Copa?!
    Juro que não entendo o nosso governo e sua visão de futuro!
    Vejam: http://www.diplomatique.org.br/editorial.php?edicao=75

    • Esse artigo é um verdadeiro besteirol. O governo apenas identificou a parte da dívida ativa com baixa probabilidade de recuperação, seja devido a problemas legais e processuais, seja por estar pulverizada e exigir alto custo para recuperação dos valores.

      A idéia, corretíssima por sinal, é que não adianta insistir nos casos onde o custo para a recuperação dos valores sonegados vai ser maior que o valor a ser recuperado. É muito melhor focar nas recuperações viáveis e evitar novas sonegações.

      E a questão do sigilo não é nenhuma política do governo para proteger a magem das empresas devedoras, É LEI. O governo não pode descumprir as leis de sigilo fiscal.

      O autor do texto usa uma falácia ridícula. Pegar o montante bruto e dizer o que poderia ser feito com esse valor é apenas uma forma de tentar enganar as pessoas. O valor é alto mas é necessário calcular a viabilidade de recuperar essa dívida e subtrair o valor que seria gasto nessa cobrança. Nos casos das dívidas que a Receita desistiu de cobrar, o valor gasto na cobrança iria superar o valor recuperado gerando prejuízo e não receita para o erário.

      Tenho a nítida impressão que o autor do texto escreve com má-fé porque pela sua posição é óbvio que ele sabe dessas coisas, mas prefere impressionar as pessoas acenando com o valor bruto, enganando que o lê.

  12. Edu, tentei te pautar antes do leilão pedindo que você escrevesse sobre ele, pois estava justamente me sentindo mais perdido do que cupim em metalúrgica, ouvindo as mais díspares opiniões de “especialistas” (que é o que mais há neste país) de um e outro lado.
    Além disso, ouvia a opinião de políticos: Pedro Simon era contra, indicativo de que devíamos fazê-lo; ai aparece o Requião, cuja opinião respeito, também se contrapondo…Pronto! E aí?
    Bem, aos poucos consegui formar, auxiliado pelo Fernando Brito, uma opinião algo confusa ainda em alguns pontos, mas que aproximou-se muito do exposto aqui.
    Valeu a pena esperar.
    Ótimo texto.

  13. Sobre a comparação com o PSDB.

    O dinheiro das privatizações da Vale e das teles foi para a educação sim!
    Para a educação dos netos do Serra, do FHC, do Dantas…

  14. O PROBLEMA NÃO É A MILITÂNCIA DIGITAL E SIM O CORO COM A DIREITA. Acabei de ler uma mensagem no FB onde uma pessoa da esquerda afirma que o PT está dando 100% do petróleo para empresas estrangeiras e outras barbaridades mais. De forma desavisada, pessoas da esquerda estão compartilhando nemes da direita sem nem mesmo confirerem quem são os autores, sinto que há uma catarse coletiva, e uma sensação de que já vi esse filme, ou será que não foi assim quando do linchamento patrocinado pela direita contra Erenice Guerra e Palocci, quando muitos da esquerda, numa espécie de harakiri coletivo, cairam no conto do vigário, fizeram coro com com o tea party e, tempos depois, quando ficou provado que os ganhos de Palocci eram lícitos, as pessoas sofreram uma espécie de amnésia, ninguem mais tocou no assunto. O problema não está na militância digital e sim esse efeito manada que está se formado em prol da direita, mais uma vez. Inacreditável que quem esteja fazendo a defesa do governo está sendo visto como desagregador, cumé mesmo. Ah, pensando nisso, criei uma página no FB para compartilhar conteúdos relativos a governantes, não vejo nada demais em se defender um ponto de vista em consonância com o governo, o que me chama a atenção, como disse, é esse clima que lembra o linchamento patrocinado pela direita contra pessoas do campo da esquerda, com a qual muitos da esquerda fizeram coro e depois ficou compravado que Palocci era inocente e ninguém mais tocou no assunto, abram os olhos

    https://www.facebook.com/pages/Spin-Governante/142742745924528?fref=ts

    • Pois é, José Carlos, está difícil aturar essa monstruosa quantidade de e-mails apócrifos que recebemos diariamente desconstruindo Lula e Dilma! Coisa de profissionais. Admiro muito Palocci e fiquei muito triste com a cilada que armaram para ele. A mídia não divulga que ele foi inocentado.

  15. Estão confundindo mais que esclarecendo: Libra não é a Petrobras, Libra é uma reserva petrolífera a mais de 7000 metros de profundidade (Ponto). O que o governo fez foi antecipar a exploração dessa reserva e vai receber por isso. O leilão começou no edital e não no dia que anunciaram o vencedor. Ao longo desse intervalo de tempo as empresas que foram desistindo dos lances a serem feitos sairam. No final ficou só uma, a vencedora. Como em qualquer leitão.

  16. Por que a Petrobras não explora sozinha o pré-sal?

    • Caro Edu, parabéns pelo seu texto, didático e de fácil compreensão para o cidadão médio que não domina os detalhes técnicos da operação e é ingênuo para separar ideologia de comércio.

      Mais didático ainda é entender que toda a exploração e as decisões ficam com a petrobras, as petroleiras estrangeiras só entram com o capital para viabilizar a prospecção e uma parte do lucro, cerca de 20% do total descontado o investimento feito.

      A grita do esquerdismo, blogs como o do Azenha, que poderia ser mais honesto e dizer de vez que é simpatizante do PSOL, não causam nenhuma surpresa, faz parte do show ‘ninguém ama mais o Brasil do que eu’.

      A direita e seus porta-vozes da mídia reclamam porque não houve o velho entreguismo e subserviência aos interesses gringos, em especial, dos EUA.

      Enfim, é um roteiro conhecido que se repete novamente.

    • A Petrobras não tem condições financeiras para explorar sozinha o Pré-Sal, NENHUMA empresa do mundo tem.

      O tamanho do desafio devido à magnitude das reservas e das dificuldades técnicas de se chegar a uma camada geológica tão profunda (além da lâmina d’água e 1,5 a 2 Km) é imenso. O governo garantiu o máximo de participação da Petrobras dentro de suas possibilidades, além de manter com a empresa estatal todo o controle da tecnologia utilizada e das operações.

    • Alfredo, pelo que entendi, essa exploração é complexa e extremamente onerosa. Demanda muito dinheiro. Ao explorar sozinha, levaria muitíssimo tempo, e precisamos ter pressa pois todo o mundo está testando alternativas. Já imaginou conseguirmos as benesses do petróleo num tempo em que ele já não será tão essencial? Outros comentaristas aqui talvez possam explicar melhor esse meu pensamento.

      • Desculpem-me. A resposta acima é para o Augusto e não para o Alfredo.

        • Laurita, é mais do que isso…
          Não se trata da substituição do petróleo. Acredito que vá haver, claro, mas em futuro um pouco distante.
          O problema é: e se a oposicinha volta ao poder?
          Já pensou?
          Tudo ser entregue na bacia das almas para a Chevron e pros amiguinhos do SSerra?
          É melhor pegar a coroa antes que a corja golpista lance mão dela.
          []’s

    • Não é apenas a exploração.
      Ainda tem o refino, não temos ainda capacidade de refino disso tudo.Esse modelo é uma oportunidade de financiamento, e uma forma de dividir a responsabilidade.

      O grande problema se divide entre o ideal e o real. O ideal seria fazermos tudo aqui, mas não há essa possibilidade imediata. Nem das empresas nacionais que seriam fornecedores da Petrobrás.Tivemos que dividir o custo, e por isso o lucro.

  17. Eduardo, admito que fiquei perdido inicialmente nesse debate sobre o leilão de libra. Li a entrevista do Sauer e do Haroldo Lima, além de uma série de matérias e não conseguia chegar a um posicionamento. Ainda que continue entendendo de forma rasa, sua avaliação conferiu certa luz. Ótima análise.

    • Grato, Rodrigo

    • Também li a dos dois. O tal Sauer é super graduado e tem conhecimento d causa e etc. Só que fica dificil quando ele afirma que esse leilão é a mesma coisa que a venda da Vale pelo FHC. Aí fica não dá né? Gol contra.
      Ainda quero ler a posição do Gabrielli que é contra, mas continua dentro do governo. Figuras como esse Sauer e o Fernando Siqueira deixam a mostra claramente que seus interesses políticos de oposição contaminam suas análises.

  18. Dizem que numa guerra, a primeira vítima é a verdade..

    e afinal, quem esta com ela ? ..difícil, difícil dizer quem tem razão quando brasileiros, tal como cães e gatos, ficam preocupados em se extinguir enquanto a história lhes passa ao largo.

    Abaixo reproduzo um texto ÍMPAR, que tal qual o do Eduardo (que é esforçado, mas não é engenheiro nem profundo conhecedor do assunto) deverá servir de parâmetro para que avaliemos no futuro os ônus e os bônus trazidos pelos diversos movimentos políticos que hoje nos dominam.

    A cultura do bate-boca e da desqualificação nas redes

    por Maria Frô, em seu blog

    Mantive o título da Hilde (no texto que reproduzo ao final do meu post), mas não acho que a imensa maioria que defendeu o leilão é falacioso conscientemente.

    Vejo que o amor incondicional ao governo Dilma de parte de uma militância nas redes está impedindo a crítica, mas há mais problemas além de a imensa maioria entrar neste debate com o espírito de final FlaXFlu é não entender que a questão é política e não apenas técnica. O governo Dilma fez uma opção desenvolvimentista e não se acanha em fazer uso da lógica do mercado. Nacionalistas como Hilde, Comparato, Ildo, ou petistas como Gabrielli não querem derrubar Dilma, destruir o legado de Lula, mas se opõem à lógica de mercado, porque têm um projeto nacionalista e à esquerda.

    Os petistas militantes da rede que se deram o trabalho de ler sobre a questão usam como argumentos a questão ambiental: Marcos Urupá fez uma síntese que Luiz Müller, ao debater comigo também argumentou:

    “Tendo a crer que a realização do leilão de Libra agora pode ter dois motivos:

    1- Por conta da gradativa evolução do uso de outras fontes de energias mais limpas, que envolvem tecnologias inovadoras, o pré-sal poderia deixar de ser “bilhete premiado” dentro de algum tempo, e ai o Brasil perderia espaço na correlação de forças mundial sobre as reservas de petróleo;
2 – A Petrobras sozinha não teria condições de realizar esta exploração do petróleo do pré-sal, o que significa uma clara evidência de que não fizemos os investimentos adequados na nossa maior empresa.”

    Em relação ao ponto 1 eu sinceramente acho que em 30 anos a energia suja continuará a todo vapor, o capital está se lixando para o meio ambiente. E em relação ao ponto 2, os petroleiros, Gabrielli, Ildo, Fernando Siqueira argumentam que teriam sim como conseguir recursos e argumentam com muita propriedade, primeiro porque tecnicamente é a Petrobras que domina a tecnologia de extração em campos profundos, segundo que BNDES não deve servir apenas para socorrer Eikes e Diniz e Teles e mídia velha, isso só pensando no capital brasileiro, por que qual mercado financeiro recusaria capital farto para quem detém o maior campo de petróleo de primeira linha do mundo?

    Mas enfim, o que é inconcebível a meu ver entre os militantes governistas é o modo que tratam os petroleiros e todos no campo da esquerda que se opuseram ao leilão de Libra. Gustavo Gindre fez uma boa síntese do absurdo que foi este debate desqualificador travado nas redes:

    Continuo achando que nada a priori pode garantir que Ildo Sauer, Guilherme Estrella, Luiz Pinguelli Rosa e Sérgio Gabrielli estão corretos em sua crítica ao leilão.

    Mas, acho que algumas coisas devem ser ponderadas.

    Exceto Gabrielli, todos eles são referências internacionais no debate sobre energia. Suas opiniões são tecnicamente respeitáveis.

    Todos estão propondo um debate que vai além da questão meramente técnica. Todos defendem uma estratégia geopolítica para o petróleo brasileiro. Não se trata, portanto, de “apenas técnicos” como já li em algum lugar. Há aí um ponto de vista político.

    Todos têm profunda relação com o PT. Um deles ainda hoje é filiado ao partido e exerce cargo de secretário estadual no governo da Bahia. Dois eram, até pouco tempo, as principais referências do PT para o debate energético. Não são, portanto, nem a “esquerdalha maluca” nem a “direita golpista”. São pessoas que sempre se viram muito próximas da militância petista.

    Eu acho que essas questões somadas deveriam, pelo menos, servir de convite aos petistas para debater o mérito e não entrar nessa onda de desqualificação a priori.

    E quando se fala em desqualificação não é pouca coisa. Ao menos no campo da esquerda nunca havia visto (nem contra os inimigos de classe) o baixo nível dos ataques dos governistas acríticos: os petroleiros foram chamados de blackbostas, oportunistas, corporativistas. A categoria operária organizada mais nacionalista que conheço foi chamada de entreguista! As pessoas que tentavam argumentar contra o leilão se fossem mulheres (não importa que tivessem 65 anos) foram tratadas de ‘vagabundas‘.

    Não vou printar as barbáries que li que é pra não acirrar ainda mais os requintes de barbárie que transformaram um debate saudável no próprio campo da esquerda num rol de baixarias.

    A criminalização de todos que se questionam alguma medida do governo Dilma, mesmo os do campo da esquerda.

    Tenho um irmão petroleiro que virou petista me seguindo ainda moleque nas reuniões e nas bocas de urna reais onde carregávamos bandeira e conversávamos com as pessoas mostrando o quanto o PT era diferente dos demais partidos, mesmo sabendo que sem recursos, pequeno e sem alianças nosso candidato nunca teria voto, mas acreditávamos que convenceríamos e chorávamos a cada derrota.

    Meu irmão petroleiro está na Petrobras desde a escola técnica, seu único emprego de toda uma vida. É petista roxo, nunca pôs em questão as decisões tomadas pelos governos Lula ou Dilma. É dos que ocuparam a Petrobras em 1995 quase sem barba na cara.

    Eu vi como em Cubatão a organização dos petroleiros na liderança de toda uma cidade não só impediu que o prefeito vendesse um terreno de preservação ambiental para dar lugar a um pátio de containers como nesta luta pela saúde, pelo meio ambiente e pela qualidade do bairro cujo processo rendeu quatro meses ininterruptos de ocupação (curioso, a moçada acha que a tática de ocupação nasceu em junho, esquecendo que movimentos sociais e sindical fazem isso há pelo menos 3 séculos) não apenas resultou na vitória dos moradores do Casqueiro contra a tentativa do prefeito como desta luta saiu e se fortaleceu a candidatura da prefeita petista eleita em 2008 e reeleita em 2012.

    Não passou pela cabeça dos detratores pró-leilão que exatamente porque boa parte dos cutistas, fupistas são petistas para eles a decisão de se opor e se mobilizar, entrando inclusive em greve contra o leilão do Campo de Libra foi uma decisão ainda mais difícil?

    Não é fácil sendo de esquerda e tendo lutado para eleger Dilma conviver com um governo que não dialoga com os movimentos sociais e com todas as categorias sindicalizadas que igualmente lutaram bravamente para eleger este governo.

    Ao recusar a prática do diálogo a presidenta Dilma está caminhando num terreno muito arriscado. Seu governo já afastou professores universitários das federais porque se recusou a debater com a categoria e olhem que só o blog Maria Frô publicou umas 50 cartas de professores, reitores etc. em apoio à Dilma durante a campanha de 2010.

    Em minha avaliação foi um erro político imenso a decisão de fazer o leilão sem antes debater, explicar os pontos do governo, esgotar esta discussão e para piorar fazê-lo num hotel de luxo, na cidade que hoje é o epicentro das revoltas contra um governo truculento do qual o PT é ainda infelizmente aliado e causa inúmeros desconfortos aos petistas que têm compromisso com os movimentos sociais e com bandeiras históricas do PT.

    Para completar o governo por meio do Ministério da Justiça mobilizou mais de mil homens da Força Nacional para reprimir o direito legítimo de se manifestarem dos que eram contrários ao leilão.

    As cenas que vi ontem via os celulares dos midialivristas ou pela mídia institucional foram deprimentes: a Força Nacional contra 20 gatos pingados na rua. A Força Nacional contra bandeiras vermelhas da FUP, da CUT. A Força Nacional reprimindo uma categoria que tem uma importância histórica na defesa do patrimônio nacional e no enfrentamento da sanha privatizadora da era FHC como poucas vezes se viu.

    Quem tem um mínimo de memória sabe que foram os petroleiros que chegaram a ocupar as refinarias por mais de 30 dias no segundo ano de governo do primeiro mandato de FHC. Em 1995 eles foram criminalizados, ameaçados com exército na porta, todos os dias manchetes criminosas contra eles, mas eles resistiram e a Petrobras foi salva das mãos privatistas tucanas.

    Daí ver militantes governistas acríticos tratar Jose Sergio Gabrielli de Azevedo como um ressentido fracassado é de uma crueldade absurda, mas tratar petroleiros como inimigos é de uma inabilidade política sem precedentes. Eles entraram em greve contra o leilão porque defendem que com a tecnologia e a capacidade da Petrobras conseguir recursos, poderíamos ter 100% do pré sal e não 40% como passou a ter pós-leilão.

    Eles sabem que a Petrobras é a única empresa do mundo a ter a tecnologia de extração do pré-sal. Na partilha vai haver transferência de tecnologia? Chineses vão chegar com seus trabalhadores (o governo chinês trabalha assim) os milhões de empregos em 35 anos serão também de uma nação que tem quase 1,5 bilhão de habitantes e vem ocupando o continente africano nestes moldes. Qual será o próximo passo, a xenofobia?

    E os petroleiros foram colocados na categoria dos ‘blackbostas’

    Não se trata uma categoria com a trajetória de luta à esquerda e nacionalista dos petroleiros como bandidos, ‘blackbostas’, ‘oportunistas’, ‘que só sabe defender seus interesses corporativos’ e outros absurdos que li. O Partido dos Trabalhadores foi forjado na luta destes companheiros, o inimigo de classe certamente não é a categoria dos petroleiros.

    Assim tratá-los como inimigo botando a Força Nacional pra baixar o cacete neles não me parece só crueldade é de uma inabilidade politica que achava fosse restrita apenas a sujeitos feito Cabral.

    Tenho discutido sobre como se criminaliza as manifestações que ocorrem no Brasil a partir de junho. De todos a tática black bloc é a que mais causa repulsa neste grupo à esquerda que não aceita nenhuma espécie de questionamento ao governo sem tratar os críticos como tucanos ou ultraesquerdistas (que para os governistas acríticos são sinônimos).

    Esses rapazes e gurias que botam máscaras não podem ser tratados como um bloco único. Aliás, para ir em manifestação desde pelo menos 2009 aqui em São Paulo pelo menos a imprensa institucional usa máscaras (e não só as ideológicas), descrevi isso quando tomei banho de spray de pimenta na frente da prefeitura na época das enchentes em que o Jardim Romano ficou 2 meses submerso.

    Foi a primeira coisa que me chamou a atenção: por que fotógrafos e repórteres da Folha e afins com identificação estavam com máscaras. Só depois de quase ter morrido intoxicada é que entendi.

    Mas, para quem não sai às ruas e fabrica sua visão de mundo por meio do PIG que tanto critica, mas não deixa de assistir, ler e ouvir, poderia fazer um exercício simples: pergunte aos professores do Rio de Janeiro se eles apanharam da polícia ou dos black bloc.

    Pergunte a todos que foram nos esculachos da rede Globo quando trocamos o nome da ponte para Wladimir Herzog e pichamos eletronicamente a Globo se algum black bloc nos agrediu ou quebrou algo. Detalhe, apesar da tropa de choque presente nos acompanhando no 11 de julho, ela não nos atacou.

    Não dá para idealizar nada, muito menos jovens revoltados, mas criminalizar é o pior dos caminhos, tem de tentar entender e claro buscar de alguma forma mediar a comunicação com esta juventude que não acredita mais na política institucional.

    O caminho certamente é bem mais complexo que só achá-los baderneiros e vibrar quando a mesma polícia que mata Amarildos nas favelas de todo o Brasil desce o cacete neles. Ao invés disso deveríamos estar com um projeto no Congresso para recriar a Força Pública, uma polícia cidadã, e desmilitarizar esta herança da ditadura militar que só serve pra espancar e matar trabalhador.

    Neste andar da carruagem como será o debate eleitoral travado nas redes?

    A maior parte do debate que vi travado nos dias que antecederam o leilão foi reduzido a uma desqualificação das pessoas, um abandono completo dos argumentos (incluindo técnicos e políticos). Era só xingamento, detratação, parece que parcela destes governistas tomaram da água dos piores estereótipos da direita que conhecemos na rede.

    Fico me perguntando se esta será a postura da rede militante pró-Dilma em 2014. Tenho cá pra mim que isso mais afasta que agrega, que isso mais cria repulsa que convence, que isso reduz por demais o espectro que se deseja atingir.

    Se os militantes governistas pró-Dilma não ouvem e querem silenciar até mesmo aqueles que apoiam o governo, mas divergem por vezes, como farão para convencer os eleitores sem filiação ou simpatizantes? Quer categoria mais fiel ao projeto do PT do que a dos petroleiros que enfrentaram Fernando Henrique e sua sanha privatizadora quando ocuparam por 32 dias as refinarias do Brasil? Como tratar essa categoria como oportunista, traidora e outros epítetos de baixo calão? Tenho certeza que não foi isso que o Lula tinha em mente quando convocou os militantes petistas a irem para a rede defender o projeto político do PT e as conquistas sociais dos governos capitaneados por ele e Dilma.

    Para terminar reproduzo o post da Hilde (posso imaginar o que ela ouviu por ter feito a campanha que fez na rede contra o leilão) com os pontos levantados pela Associação dos Engenheiros da Petrobras (AEPET) que afirma que a estatal teria como garantir a exploração de Libra. E como ironicamente diz o Gindre: “Mas, eles também não devem entender nada do assunto. Quem sabe mesmo de Petróleo somos nós aqui no Facebook“.

    RESPOSTAS A TODAS AS GRANDES FALÁCIAS DOS QUE DEFENDEM O LEILÃO DO CAMPO DE LIBRA

    Do blog da Hildegard Angel

    21/10/2013

    É chegado o dia. Que poderá mesmo ser chamado de o Dia do Luto Nacional, caso se confirme a realização do Leilão do Campo de Libra. Todo o aparato, até bélico, foi montado para isso na Barra da tijuca, o que acompanho com profunda tristeza e imenso desapontamento. O dia em que nossa pátria entregará o Maior Campo de Petróleo da História do Mundo às mãos estrangeiras.

    Lutei o que pude, esperneei o que consegui. Passei o fim de semana combatendo o que considero o bom combate através de minhas armas, a escrita, as mídias sociais, o futuro há de ser testemunha. Espero que com um bom termo, que minhas orações alcancem acolhida e, à última hora, haja uma reviravolta e, em nome dos apelos e do bom senso, a presidente Dilma suspenda esse Leilão rejeitado por parte significativa da sociedade.

    Nesses momentos finais, recebi texto elucidativo sobre várias dúvidas levantadas a respeito do Leilão do Campo de Libra, criadas mais no intuito de nos confundir, por aqueles que buscam justificar o injustificável: a entrega aos estrangeiros de um bem nosso, o maior campo de petróleo da História do Mundo, possibilidade de um bom futuro para a nossa juventude.

    O autor do texto esclarecedor é o combativo Fernando Siqueira, vice-presidente da Associação dos Engenheiros da Petrobras – Aepet, que nos diz:

    “Muitos equívocos têm sido cometidos pelos que mudaram de Lado e tentam justificar as suas novas posturas neoliberais com sofismas, manipulações ou falácias. Exemplos disto são o PT, o PCdoB o PDT e alguns jornalistas outrora bons”.

    Siqueira relaciona as 7 falácias recorrentes mais repetidas pelos defensores do leilão,que ele repele e invalida com sua argumentação sólida de profundo conhecedor dos fatos, que testemunha de perto e por dentro durante toda a sua vida profissional.

    Ele discorre:

    “1) A falácia maior: “a Petrobrás não tem recursos para explorar Libra”.

    Ora, um campo desta magnitude dá a qualquer empresa que for explorá-lo um imenso poder de tomar recursos fartos e baratos no mercado financeiro. Nenhum ativo é mais forte para garantir empréstimos do que o petróleo. O Governo Chinês está oferecendo às suas empresas os recursos para desenvolver Libra. O Governo brasileiro tem tirado da Petrobrás os recursos, obrigando-a a importar gasolina a R$ 1,72 e vender para as suas concorrentes a R$ 1,42 por litro. Isto fere a Lei 6404/76, das SA.

    2) “O Governo vai ficar com 75 a 80% do petróleo de Libra”.

    Outra grande mentira. Da Forma como foi feito o edital a União vai ficar com, no Máximo, 20,5% do petróleo. O resto ficará com o consórcio (ver item 4)

    3) O ministro Lobão, em reunião com a Aepet no MME, disse: “o Governo não pode entregar Libra para a Petrobras porque ela tem acionistas privados, inclusive no exterior, em detrimento de 200 milhões de brasileiros”.

    Mas a opção do Governo é muito pior, é a entrega de Libra às multinacionais que tem 100% das ações no exterior. A Petrobrás tem 48% com o Governo, 10% com fundos de pensão de trabalhadores e cerca de 3% com o FGTS de trabalhadores.

    4) A turma petista que tenta justificar os leilões sem saber o que está falando: “o leilão de Libra é regido pelo contrato de partilha, que é muito melhor do que o de concessão”.

    Falso. O edital de Libra é tão ruim que faz o contrato de partilha ficar igual ou pior do que a péssima concessão. Quando a produção por campo é maior que 95 mil barris por dia, na concessão aparece a Participação Especial que pode chegar 20%, que somados aos 15% de royalties, atingem a 35%. O edital de Libra pode levar a União a receber na faixa de 9,93 a 45,56% do Óleo/lucro, ou seja, aplicando estes percentuais à parte a ser partilhada – 45% – chega-se aos valores entre 4,5 a 20,5%.

    Somando-se a isto o royalty e IR, se tem valores entre 20 e 35%. Além do mais a União recebe em óleo só os 4,5 a 20,5. O resto é em moeda. No mundo, os países produtores recebem a média de 80% do petróleo produzido. Num campo já descoberto, o maior do mundo, é uma doação.

    5) “A Pré-sal Petróleo SA, criada para fiscalizar as atividades de produção e evitar que as duas atividades passiveis de fraude, superdimensionamento dos custos de produção, e a medição a menor do petróleo produzido, vai garantir a lisura da produção”.

    Falso. O presidente nomeado é o Osvaldo Pedrosa, primeiro brasileiro a defender o fim do monopólio do petróleo e ex-braço direito do David Zilberstajn na ANP de FHC. Um dos diretores é o Antonio Claudio sócio do lobista mor João Carlos de Luca, numa empresa recém criada. De Luca é o presidente do IBP, clube do Cartel do petróleo. São varias raposas peludas num único galinheiro.

    6) O Bônus de assinatura de R$ 15 bilhões vai aumentar o lucro da União.

    Falso. Esse bônus tem vários efeitos maléficos: i) dificulta a participação da Petrobras que, estrangulada pelo Governo, tem dificuldade de pagar agora R$ 15 bilhões e ficar com Libra sozinha; ii) o consórcio que ganhar, tendo que desembolsar R$ 15 bilhões à vista, irá reduzir o percentual do óleo-lucro para a União. E a cada 0,5% reduzido pelo consorcio na sua oferta, a União perde R$ 15 bilhões, ou seja, um bônus; iii) Governo Dilma precisa dos 15 bilhões para completar o superávit primário, pagar os maiores juros do mundo aos bancos e manter a sua credibilidade e se reeleger. Por um motivo eleitoreiro, sob um modelo econômico equivocado, se vende o futuro de três gerações.

    7) o Leilão de Libra vai garantir muitos empregos no País.

    Falso. Se for vencedora uma estatal Chinesa, ela vai fornecer todos os equipamentos e vai criar empregos na China. Se for a Shell (favorita do Governo) vai gerar emprego na Europa e nos EUA. Quem compra, gera empregos e tecnologia no País sempre foi a Petrobrás, que, antes da onda neoliberal de FHC, chegou a comprar 95 no País.”

    Assim encerra, Fernando Siqueira, seus oportunos esclarecimentos.

    Meu coração brasileiro sangra. E onde estão nossos artistas e poetas neste momento, que nada cantam, nada declamam, não derramam sua indignação e fúria sobre as folhas de papel?

    • Caro gajo Romanoelli …
      Estais a brincaire conosco, ó homem?
      Diga-me cá, por que a Petrobrás tem de pagar 15 bilhões sozinha se na partilha sua participação é de 40%?
      Vou respondeire por ti, ó Romanoelli.
      Não tem!
      A Petrobrás desembolsará módicos meia dúzia de bilhões, e, não ficará com Libra sozinha, pois não é isso que reza no contrato de PARTILHA.
      Lembranças a Trás os Montes, ó Romanoelli…
      De trazer aos montes você é bom, pena que sejam só montes de merda.

    • Romanelli, vou me ater a só um quesito nessa questão toda: os chineses são conhecidos como “sugadores piratas” da tecnologia alheia. Virão (muitos e já há bastante por aqui) e terão aulas grátis de como retirar óleo de águas profundas. Ponto.

      • Qual é o problema de se fazer transferência tecnológica?

        Os russos estão fazendo isso com os caças Suchoi com a Índia.

        E o Brasil está querendo o mesmo com esses caças T-50 dos russos.

        Não há mal nisso.

      • Ainda bem que ficou em só um quesito, assim a quantidade de merda ficou reduzida. Só que eles não tem petróleo, o orelhuda. Eles só tem a grana, é do que precisamos.

        • Exatamente! O Brasil só precisa do dinheiro chinês. O Brasil tem um domínio de tecnologia em águas profundas, mas precisa aperfeiçoar esse domínio, tendo que fazer muitas outras experiências. O dinheiro chinês vem em bom momento. Além disto o Brasil vai investir na nacionalização de diversos itens necessários para o desenvolvimento da pesquisa, prospecção, refino e transporte do petróleo.

          Com o começo da produção de Libra o Brasil terá mais dinheiro ainda para investir no Brasil e no desenvolvimento tecnológico brasileiro.

          Os chineses podem sugar o petróleo à vontade, pois pagarão por ele.

    • Me desculpe Romamalla, mas terei que desmascará-lo nessa. A Maria Frô, com todo respeito que merece, entende muito menos do assunto do que o Eduardo, que atua na área industrial como profissão.
      Além disso ela mistura alhos com bugalhos. E umas pitadas de desinformação. Os chineses não engolirão os empregos, pois no marco regulatória tem reserva de mercado para as indústrias nacionais

  19. Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2013

    PROJETO: PARA A TV

    Caros amigos (as) vem chegando o fim de ano e a nossa TV aberta não promete nada de novo, serão shows de artistas selecionados pelo mercado e alguns filmes enlatados de fora, e nada da nossa cultura. Como o Natal é um momento especial, gostaria de sugerir para alguma TV aberta, que apresente um pouco das nossas raízes na TV, por exemplo, contanto a história do Negrinho do Pastoreio, para as nossas crianças e jovens, pois essa história é perfeita para representar o natal do povo brasileiro. Um povo, que não sabe, ou conhece a sua cultura, é um povo pobre, e a TV foi feita para servir o povo, e não só ganhar muito dinheiro. Infelizmente a TV Brasil, até hoje, não faz nada disso, pois falta gente, com vontade e um pouco de criatividade, para mudar isso, também quem trabalha no comando da TV Brasil, é gente indicada por padrinhos políticos o que deixa a TV sem identidade e criatividade. Com certeza, essa história poderá ser assistida por toda família brasileira, o que hoje em dia, está cada vez mais difícil acontecer, visto o que está acontecendo com as novelas brasileiras.

    Atenciosamente:
    Cláudio José, um amigo do povo e da paz.

    • Edu gostaria de mandar essa mensagem para a ouvidoria da EBC, mas no meu computador o que aparece é uma propaganda do Oi TV, no seu também?

    • Difícil é achar atualmente crianças e jovens interessados em assistir a essas estórinhas engendradas para entreter e até atemorizar as crianças e adolescentes de nossa época.

      • Não acho difícil, pois quando o produto é bem feito, com certeza desperta curiosidade. O que falta é vontade de fazer algo focado na nossa cultura.

  20. Eduardo, eu soube que o programa do jô ontem foi MUITO agressivo contra Dilma. Meteram o pau de maneira venenosa, segundo a pessoa que me falou. E tudo por causa do leilão.

  21. O pai da agora adolescente, a debutante Victória, foi muito feliz nessa postagem sobre o leilão de Libra.

    Normalmente, o pai de Victória é brilhante, mas nesse foi dos mais didáticos em todos que se apresentou sem temor algum para um debate de tema dificílimo para degustar.

    Conforme discorreu o blogueiro, o assunto é complexo, e os tais especialistas – de qualquer diapasão ideológico – mais confundem que explicam. Dão-se o direito de exagerar nos termos técnicos que ao final e ao cabo transparecem apenas uma eloquência fora de contexto. Uma coisa é o debate dentro da academia, outra coisa é o debate público, para o qual há que traduzir e tornar fácil a compreensão do cidadão que não tem obrigação de cuidar do aprendizado acadêmico para se posicionar sobre tema que impacta o direito de todos os cidadãos.

    Ou será que os 200 milhões de habitantes do Brasil precisam se especializar em petróleo e extração do produto nas profundezas do mar para ter direito a opinião?

    Esses especialistas – como ocorre em outros temas espinhosos – pensam que o direito a opinião é restrito a eles, os entendidos.

    O mundo gira, e a Lusitana roda – e essa gente não percebe que tudo mudou no Brasil, um país de todos.

  22. LEILAO DE LIBRA NO PAÍS DA MARAVILHAS
    Como pode haver vencedores se não há concorrentes? Quais foram os vencidos. Uma paródia de “Alice no País dos espelhos”:
    Faz lembrar Alice no país dos espelhos de Lews Carol. Quando o palhaço Humpty-dumpty exclama com ar de espanto: “competição boba esta, ao final todos chegaram juntos e quem vai receber os prêmios?”
    SEM CONCORRENTE NÃO HÁ VENCEDOR
    O governo sabia com antecedência do pequeno interesse das grandes petrolíferas, mas, para manter “a mística do Pré-sal”, decide aumentar a participação da Petrobras para 40% para atrair grandes petrolíferas para um arranjo de consórcio único. Paga mais no presente para receber menos no futuro distante. Se o preço do barri cair abaixo de 100 dólares – como muitos esperam – sempre haverá tempo para correção de rumo Depois de tantos anos sem leilão o adiamento seria visto como um fracasso. A surpresa foi a apresentação da proposta vencedora – apresentado nos últimos segundos – para evitar maiores dissabores: um arranjo pra ninguém botar defeito.
    Como afirma o palhaço em “Alice no País das maravilhas”:
    ‘Competição chata essa: todos chegaram juntos, quem vai receber as libras?’

    • É preciso lembrar que um dos concorrentes (arrematantes) é o próprio a leiloar, ou seja a Petrobrás.

      Esse leilão não é leilão de obra de arte ou bugigangas, como existe nos EUA.

      A lógica não é a mesma!

      Se você estivesse leiloando algo, que quisesse arrematar ,quanto menos concorrentes, melhor.

      Por exemplo, se você achasse algo histórico no seu quintal, e ,por força de lei tivesse que fazer um leilão para poder concorrer, quanto menos concorrentes melhor, menor o valor que você terá que desembolsar.

      A lógica é essa!

      Por que você acha que teve um valor mínimo de 41,65%? De onde saiu esse número “cabalístico”?
      Foi um jogo de cartas marcadas para inglês (e/ou americano) ver.

      Acho que o que está faltando é as pessoas pararem para refletir!

      • EXPLORAÇÃO a PRAZO DO PRÉ-SAL
        A melhor forma de explorar petróleo é como faz Cuba: durante décadas da guerra fria “extraía” petróleo da antiga URSS. Com a perda do fornecedor, depois da queda do ‘muro’ passou “extrair” petróleo da Venezuela em troca de médicos. E o Brasil talvez possa substituir a Venezuela – agora em dificuldades – com fornecimento de petróleo do Pré-sal em troca de médicos. Não só médicos como mecânicos e funileiros, atividade na qual os cubanos são especialistas.
        EXPLORAÇÃO VIRTUAL DO PRÉ-SAL
        A melhor forma de “explorar” o Pré-sal é política – de longo prazo – como o governo agora está fazendo: deixado lá nas profundezas – livre de espionagem – até que o FED decida pela retirada dos estímulos à economia americana. Hoje, com excesso oportunidades do Pré-sal, Golfo do México, Shale gás, etc., a queda no preço do barril favorece a Petrobras na despesa com importação de combustíveis.

    • OH, burrão, ganhou a Nação Brasileira, ganhou o governo democrático e popular, ganhou o melhor governo que este país já teve, ganhou o PT e seus aliados, ganhou a Grande Dilma. Quem Perdeu??? Os americanos e seus lacaios, ou seja, a grande imprensa e a oposição. Aprendeu????

  23. ANP confirma oito reservas de petróleo em Sergipe

    Avaliação das novas aéreas pode demorar e terá um prazo de conclusão entre 2016 e 2018

    Do R7, com agências

    Após o primeiro leilão do pré-sal no País, a diretora-geral da ANP (Agência Nacional do Petróleo Gás Natural e Biocombustíveis), Magda Chambriard, confirma a descoberta oito novas reservas de petróleo no mar de Sergipe. Dessas, quatro já foram aprovadas pela diretoria colegial do órgão, três passaram por área técnica e vão ser submetidas a diretoria do órgão e a outra está em análise pela área técnica do órgão.

    Ela ainda informou que essa avaliação pode demorar e terá um prazo de conclusão entre 2016 e 2018. De acordo com Magda, o objetivo é produzir petróleo leve em águas profundas de Sergipe.

    A diretora-geral da ANP participou nesta quarta-feira (23) do anuncio dos 30 blocos terrestres localizados em Sergipe que serão oferecidos na 12ª rodada de licitações prevista nos dias 28 e 29 de novembro. O governador em exercício de Sergipe, Jackson Barreto, também participou do evento e informou que o menor Estado da federação, com 21 mil km², está despertando a atenção do Brasil

    — Não tenho a menor dúvida que este Estado se transformará em uma província petrolífera.

    No anúncio, a diretora-geral afirmou que a região faz justiça a tudo que “Sergipe representa para o Brasil”.

    — Não poderia deixar de mostrar o sucesso da política local de exploração de petróleo em Sergipe…O resultado do petróleo não contribui apenas com a educação e saúde, mas também com o desenvolvimento energético do país

    Ainda de acordo com Magda, o setor de Petróleo vai investir seis vezes mais que o setor automotivo no Brasil na próxima década.

    Pré-sal

    Nesta semana, o governo realizou o leilão do Campo de Libra na Bacia de Campos. Um consórcio formado por Petrobras, Shell (holandesa), Total (francesa), CNPC (chinesa) e CNOOC (chinesa) venceu o leilão para exploração da área.

    Libra, uma das bacias do pré-sal, é a mais importante reserva petrolífera já descoberta no Brasil e a estimativa da ANP é que possa produzir em dez anos até 1,4 milhão de barris de petróleo por dia — mais de metade de toda a produção atual brasileira.

    http://noticias.r7.com/economia/anp-confirma-oito-reservas-de-petroleo-em-sergipenbsp-23102013

    PS 1 PROVAVELMENTE DIRÃO QUE O ANÚNCIO DA DESCOBERTA É ELEITOREIRO

    É o governo Dilma “aparelhando” a Petrobras.

  24. A capacidade técnica do consórcio para a exploração de Libra não é uma incógnita, mas trata-se de um belíssimo desafio. Superável, sem dúvida.

    O que me preocupa é que sempre a direita consegue aparelhar os órgãos federais (BACEN, Polícia Federal) e penso que não vai ser diferente com a PetroSal.

  25. JOSÉ SERRA DETONA A “CONTABILIDADE CRIATIVA” DO LEILÃO DO CAMPO DE LIBRA, FEITA PELO LULAU-PETISMO

    “A apresentação da presidente Dilma em cadeia nacional sobre o leilão do campo de Libra se habilitou ao recorde mundial de manipulação de algarismos pela TV. Se o famoso matemático Malba Tahan fosse vivo, disporia de material para uns dois livros sobre como confundir números e tentar conquistar eleitores. Não vou tratar dos mais óbvios, como os trilhões que só virão… depois de 10 anos, mesmo assim misturando estoque e fluxo – ou seja, somando quantias anuais e dando o resultado total como se fosse anual.

    Ou, ainda, pressupondo que os preços do petróleo estarão sempre nas nuvens, que a Petrobras não pagará juros pelo seu endividamento adicional, etc. Analiso aqui apenas um número por ela citado: de que, por esse primeiro leilão do Pré-Sal, a União e a Petrobras ficam com 85% da renda futura de Libra. Será?
    Os cálculos a seguir mostram que esses 85% não são corretos e que, além disso, incorporam elementos próprios da atividade econômica normal. Ou seja, seriam arrecadados pelo governo de qualquer jeito, por atividades econômicas do petróleo que simplesmente já existem.Supondo uma receita bruta da venda do petróleo de 100 mil reais, royalties de 15 mil e custos de exploração de 30 mil, a receita líquida gerada é de 55 mil. Como o lance mínimo foi de 41,65% da renda líquida, o governo receberá 22,91 reais em cada 100 reais de petróleo vendido.

    Depois de pagos os impostos sobre o lucro bruto, o lucro do consórcio é de 21,18 reais. Disso, a Petrobras receberá 8,47 reais em cada 100 reais, posto que participa com 40% do capital do consórcio. A participação pública na Petrobras é de 48%. Assim, o lucro do Tesouro a partir de sua participação na empresa é de 4,07 reais em cada 100 de petróleo vendido (outros 4,40 serão devidos aos demais acionistas).

    A soma das linhas em maiúsculas da tabela é a participação do governo em Libra, exatamente 41,97 reais em cada 100 reais de petróleo vendido.Para chegar próximo dos 85% discursados pela Presidente é necessário incorporar outros elementos. Incluindo os impostos, que qualquer atividade paga, teríamos 52,89 reais em cada 100 reais. Colocando no denominador a receita líquida dos custos de exploração, ou seja, 52,89 dividido por 70 (em vez de 100), chegamos a 75,6%, perto de 10 pontos percentuais abaixo do número apresentado por Dilma.

    Mas o pior é que, espancando a lógica, ela apresentou esses 85% como demonstração de que o modelo adotado “é diferente de privatização”. Tirando 10 pontos percentuais passa a ser menos diferente?

    DÁ-LHES, SERRA!

    • Só posso dizer uma coisa: coitado desse tucano-pefelê, “bilulou” de vez.

    • “José Serra, que sabe que não pode tirar farofa em cima do leilão de Libra, porque as regras do tempo de Fernando Henrique Cardoso davam muito menos do dinheiro do petróleo ao Brasil, está chovendo no molhado nas críticas ao que disse a Presidenta Dilma Rousseff.

      Ele publica em seu facebook um texto intitulado “a falácia de Dilma”, tentando provar que o Governo vai receber menos do que a presidente diz.

      Serra coloca uma tabela onde, espertamente – repare as marcas em amarelo, no original – não inclui o valor dos impostos na parcela que fica com a União.

      E os impostos (seta vermelha que coloquei), seu Serra, ficam com quem? Imposto de Renda e CSLL ficam com a sua avó torta? Vai me desculpar se não sou gentil como devia, mas tenho horror a “espertinhos”

      Ele, que diz que as contas de Dilma são um truque de Malba Tahan – mexeu comigo, meu herói de infância – não devia dizer isso do professor Júlio Cesar de Melo e Souza, aliás amigo de Monteiro Lobato, o defensor do nosso petróleo.

      Lá no final, para não sair lambrecado como na “aula para crianças” em quem que errou nas contas, Serra concede que “Incluindo os impostos, que qualquer atividade paga, teríamos 52,89 reais(não é reais, Serra, são dólares!)” . Como o petróleo vale 100 dólares e custa 30 retirá-lo, a percentagem é calculada sobre 70 dólares. “chegamos a 75,6%, perto de 10 pontos percentuais abaixo do número apresentado por Dilma”, diz Serra.

      Bem, eu já publiquei o vídeo aqui, mas como tenho paciência com gente teimosa e mais disposição ainda em tratar com gente que não fala a verdade, transcrevi a fala da Presidenta e vou sublinhar, para ajudar mais ainda:

      “Ele ( o regime de partilha) tem um mérito. Esse mérito, eu acho que não foi bem avaliado, que é o fato de parte importante, significativa, das receitas produzidas no campo de Libra ficarão com o governo federal. E que, portanto, isso demonstra o grau de atratividade do campo de Libra. Se 75% de toda a receita é do governo federal, dos Estados e Municípios. E, do restante, no caso, dez por cento é da Petrobras, que entrou com 40%, porque 40% de 25 é 10 (por cento).

      Está bom, Serra, ou quer que a gente desenhe?

      Vou ajudar um pouco mais: se a o Estado fica com 75%, sobram 25% para o consórcio e, como disse Dilma, a Petrobras tem 40% destes 25 são dez!

      Como eu sei fazer contas e sobretudo, sei falar a verdade, aponto que naqueles 75,6 estão contados os dividendos à União dos lucros da Petrobras, mas isso é compensado por outras receitas menores – o bônus de assinatura de R$15 bilhões, as taxas de retenção de áreas, os licenciamentos, etc – que são e serão pagos pelo consórcio ao Governo.

      Se Dilma quisesse inflar os números, poderia ter colocado aí que, daqueles 30 dólares de custos, uma boa parte ficará nos cofres públicos, em impostos e contribuições pagos nos salários dos trabalhadores e na aquisição obrigatória de conteúdo nacional nos equipamentos, plataformas e navios, coisa que quando importávamos tudo não se recolhia.

      Mas não precisa.

      O governo do seu ex-padrinho Fernando Henrique, agora tio do Aécio, era tão ruim que basta pouco para ser melhor que ele.

      Da próxima vez, faça as contas direitinho, preste atenção no que é dito e quando escrever, lembre-se que o nome é Petrobras, não Petrobrax, viu?”

      Por: Fernando Brito

      Fonte: http://tijolaco.com.br/index.php/serra-sabe-fazer-contas-so-nao-sabe-falar-a-verdade/

      TOMA SERROTE.

  26. A classe politica está delirando de alegria pois em breve terão mais grana pra metera a mão, e melhor vão poder dar até um aumento de salario para os blogueiros que vivem de soldo.

  27. José Eduardo Dionysio, Juliano Santos, Diego e Thyrson Bezerra : Obrigado pelos elogios e apoio. Para o amigo Juliano Santos apenas esclareço que não considero “deselegância” ofender quem nos ofende muito mais (de forma sutil, mas que nem por isso deixa de ser muito agressiva, verdadeiramente violenta e bastante ofensiva)através de sua arrogância diante do contraditório, preconceitos com qualquer ideia ou pessoa que não se ajoelhe diante do altar do “pensamento único” conservador, cinismo ao deformar fatos, violência ao tentar impor opiniões através de reducionismos e generalizações e desprezo pela inteligência da população que tenta manipular de maneira tosca. Falo de pilantras como Eliane Cantanhede e Aécio Neves e de todos os outros lacaios, representantes e despachantes da classe dominante que, sustentados pelo controle da opinião e da informação, pretendem convencer as pessoas a apoiarem um projeto político que destruiu este país nos anos 90 e trouxe a miséria a a dilapidação do patrimônio público. Exatamente por suas características anti-nacionais e impopulares, defendem tamanha excrecência sem usar argumentos, já que não os têm, mas amparados por toda essa “indústria” da mentira e do preconceito que tem em trolls como essa idiota que me atacou seus pistoleiros de ocasião. Acho que alguns de nós da esquerda, bem intencionados como você, deveriam para de chocar-se de maneira tão boba, procurando proteger quem, tenha certeza meu amigo e quaisquer outros que pensem como você, ofende a todos nós o tempo todo e de maneira muito mais agressiva. Além do que, não acredito em luta sem indignação!

  28. Prezado Eduardo,

    Obrigado pelo post, sempre esclarecedor e didático.
    Valeu mesmo.
    Fraterno abraço.

  29. Pessoas inteligentes e estudadas lêem o que querem e que tirem suas próprias conclusões! E não fiquem discutindo como duas crianças pra ver quem tem o melhor argumento. Cada um pode pensar da maneira que quiser, não é? Não é necessário, muito menos racional responder um ao outro com essas palavras de baixo calão, poderíamos apenas ler os textos e opinar como pessoas civilizadas.

  30. Caros amigos Nádia, Luciano Bastianni, Diego, Thyrson Bezerra, Juliano Santos e José Eduardo Dyonisio : Agradeço o apoio de todos vocês(Nádia, sinto-me honrado em ser sua escolha para postagem no Facebook!). Para o amigo Luciano Bastiani, além de agradecer seus elogios, afirmo que essa é a minha forma de escrever, com a qual sinto-me bem em fazê-lo, que expressa o que eu sinto, na forma que merece ser colocado, pois não acredito em textos que lutam por algo sem indignação. Mais uma vez repito para você(de quem sou admirador, pois acompanho sempre seus comentários inteligentes e progressistas)que um gravíssimo defeito em alguns da esquerda; não é só você, um dos comentários que vi entre os mais recentes tem esse mesmo problema; é essa exagerada “sensibilidade” que nos leva a ter preocupações pseudomoralistas com quem nos ofende diariamente. A direita e seus lacaios nos ofendem de forma muito mais desonrosa, que infelizmente nenhum palavrão consegue igualar, ao nos tratarem como idiotas com suas manipulações, além de destinarem à esquerda sua arrogância, preconceitos, difamações, esteriótipos e truculência. Ou você não considera truculência censurar a argumentação racional!? Experimente tentar expor opiniões como a minha e a sua para a Globo, a Folha ou em algum blog de direita. Eles nos calariam, não publicariam nossa visão, embora tenham obrigação de fazê-lo por explorarem concessões públicas e/ou sustentarem-se com dinheiro público. Conheço a direita e posso te afirmar que palavras de baixo calão são um milímetro do que ela de fato merece. Algumas pessoas bem intencionadas da esquerda precisam perder esse “complexo de mulher de malandro” e deixar de procurar polidez para quem nos arranca o couro. Pensa nisso, amigo!

    • Carlos Henrique, mais uma vez tô contigo e não abro!
      Quanto à minha visão de como se deve escrever (espaços, caixa alta, etc.) é que fui ‘doutrinado’ por um chefe que tive enquanto trabalhei na Embratel, que me ensinou que mesmo o mais simples e-mail deve ser escrito de forma correta e seguindo o máximo possível as regras de gramática e ortografia.
      E acima de tudo: “só coloque o ‘preto no branco’ quanto puder sustentar o que vai colocar”, me dizia sempre esta pessoa.
      No mais, também sinto toda essa sua indignação no tocante ao que acontece nesta maravilhosa terra Brasilis, e ás vezes até ponho algo pra fora.
      Mas, detalhes à parte, vamos em frente que atrás vem gente!

  31. A todos vocês, meu MUITO OBRIGADO pelas aulas e debates. Somente assim, para que eu possa entender algo mais, para além da confusão da mídia jornal.

  32. Edu,
    este seu texto está entre os 10 melhores que ja tomei conhecimento !!!
    Valeu companheiro.

    raul soares

  33. UM LEILÃO LUZITANO O DE LIBRA
    Foi uma réplica do “leilão português”: quem paga menos leva(óleo). No caso o único consórcio vencedor, que esperou o último instante para ter certeza de não chegar outro.
    Quem mais perdeu foi o leiloeiro: a Petrobras teve que pagar mais 10% de bônus para as grandes empresas europeias – SHELL E TOTAL– fizessem a finesa de fazer parte do consórcio solitário. Ruim desse jeito até Stalin faria.
    A melhor maneira de explorar petróleo é a de Cuba: antes da queda do ‘muro’ extraía da URSS. Agora extrai da Venezuela. Quem sabe o Brasil substitua a Venezuela em dificuldades, com o presidente caindo de Maduro – a saber – da bicicleta. Por aqui, vale o ditado: “fazer sociedade com pobre é o mesmo que pedir esmola pra dois”.

  34. Dizem as más línguas que – em matéria de petróleo – os brasileiros exploram, os europeus levam. E os contribuintes ficam a ver navios..
    Visitante brasileiro pergunta ao lusitano de ‘tras os montes': aquí tambem estão a contar piadas de barasileiros? ao que o gajo responde: –E precisa?

  35. Estava eu a meditar sobre esta pungente questão quando me deparei com esta postagem e aí pensei: se o Dom Chirico Cerra-Cerra, como o mais iluminado ser que este país já viu é contra o Leilão de libra, eu já me decidi: ESTOU COM A DONA DILMA PRÁ 2014 e não abro.

    O ex-governador José Serra atacou violentamente o leilão do campo de Libra.

    Nada mais esperado.

    Afinal, Serra prometeu à senhora Patrícia Pradal, dirigente da petroleira americana Chevron, fazer o pré-sal retornar ao modelo de concessão de Fernando Henrique Cardoso, segundo revelou a Folha, a partir de telegramas secretos da embaixada americana obtidos pelo Wikileaks:

    Deixa esses caras [do PT] fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava… E nós mudaremos de volta”, disse Serra a Patricia Pradal, diretora de Desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira norte-americana Chevron, segundo relato do telegrama.

    Serra, como se viu no caso do documento em que prometia cumprir o mandato de prefeito até o final, é um homem de palavra. Gosta de prometer e não cumprir.

    O tucano, que entende do assunto, classificou como cartel a ausência de concorrentes no leilão e disse que o pronunciamento da presidente Dilma Rousseff em cadeia de TV e rádio teve objetivo apenas “publicitário”.

    O mais curioso é que, apesar de dizer isso, afirmou que ”refez as contas apresentadas pela presidente Dilma Rousseff sobre as receitas da exploração do petróleo e que o percentual cai de 85% para 75%”.

    Qual é o escândalo, já que a Presidenta disse exatamente isso, que eram 75% para a União e 10% para a Petrobras?

    O que Serra não disse – e não pode dizer – é que o modelo de Fernando Henrique daria um valor pelo menos 15% menor ao Governo Brasileiro. E 15% em um trilhão de dólares são a bagatela de R$ 330 bilhões.

    Mas é bom que Serra – que foi, nas palavras do próprio FHC, o grande privatizador da Vale – tenha falado.

    Assim, esclarece o povo brasileiro.

    Que sabe a quem ele defende.

    Por: Fernando Brito

  36. Ao criticar esquerda e direita o Eduardo Guimarães acompanha o governo PT/PMDB e converge ao CENTRÃO. Aquele que trata a política como mera disputa eleitoral de facções com o único propósito do poder pelo poder. Pobre povo brasileiro que acreditou em mudanças e não viu nenhum reforma de médio e longo prazo para o futuro do Brasil.

  37. ‘Governo está promovendo, com o pré-sal, a maior privatização e entrega da história’

    http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=8955:manchete161013&catid=72:imagens-rolantes

  38. O Ildo Sauer mostrou nessa entrevista um documento de 2011, onde a Dilma firmou uma parceria estrategica com a Raposa Obama, para desenvolver os vastos recursos do Pré-sal, em beneficio de ambos os paises.

    Se isso não é entreguismo, eu não sei o que é.

    http://www.youtube.com/watch?v=9IINTXM2bE0&feature=youtu.be

  39. Talvez não saiba fazer de contas, mas tentei comparar o resultado em termos de receita “nua” para a União entre a hipótese de uma operação com a Petrobrás (48/52% graças à privataria…) como operadora única, conforme reivindicado por uma maioria de petroleiros e o resultado efetivamente obtido no leilão. Considerando que, no primeiro caso, ainda teríamos uma exposição devedora crítica e um comprometimento de caixa grande da Petrobrás e, no segundo, deixei de acrescentar os R$ 15bi de assinatura e o “aluguel” das áreas partilhada, fiquei perplexo. Mas, repito, talvez não saiba calcular corretamente. Alguém se habilita explicar melhor para um besta a/matemático igual eu?

    Somente Petrobrás Regime de partilha
    A 100,00 Receita A 100,00 Receita
    B 15,00 Royalties B 15,00 Royalties
    C 30,00 Custo exploratório C 30,00 Custo exploratório
    D 55,00 Receita líquida D 55,00 Receita líquida
    E 13,75 Impostos E 22,91 Cota União (41,65)
    F 4,95 CSLL F 32,09 Cota consórcio
    G 36,30 Resultado líquido G 8,02 Impostos
    H 17,42 Parte União H 2,89 CSLL
    I 18,88 Parte sócios privados I 21,18 Lucro Consórcio
    J 51,12 Total União (B+E+F+H) J 8,47 Parcela Petrobrás (40% de I)
    K 4,07 Parcela União (48% de J)
    L 17,11 Todos os demais (52% de J+Shell+Total+Chinesas)
    M 52,88 Total União (B+E+G+H+K)

  40. Não tem que agradecer. Você é um bom pai e um cidadão honrado, aliás, como sempre digo, seu único defeito é não ser pernambucano! Mas falando sério, li agora sua “resposta” a um idiota que novamente “chocou-se” com meus textos virulentos e em caixa alta(quando deveria “chocar-se” com as manipulações e calúnias dos barões da mídia ou bem pior do que isso, com o quadro de miséria que ainda vige neste país graças à obra que a classe dominante brasileira nos legou nos quinhentos anos em que dominou este país). Lamentei por perceber que você dava alguma “razão” àquele merda, que bem pode ser um troll pago(os quais, como já disse inúmeras vezes não deveriam ser publicados neste espaço e, ao serem, recebem ainda que involuntariamente uma “razão” vindo de você). Reafirmo que essa é a minha forma de escrever, não vou mudar, e se te incomoda, ou fere “sensibilidades” de gente de esquerda que adora tratar bem quem a ataca, é só responder a este post que nunca mais escreverei aqui. Do contrário, tenha certeza que meus textos sempre serão assim, não mudo para agradar a ninguém.

  41. Boa noite Edu,

    Acho que o X do problema não reside no sistema de partilha, mas nos dois graves erros cometidos antes do governo Lula – a quebra do monopólio da Petrobras e depois a venda de ações dela na bolsa americana. Por mais orgulho que possamos ter da Petrobras temos que admitir que ela não nos pertence mais exclusivamente, tornou-se internacional. Questões acerca de realizar o leilão ou não, ou regime de partilha ou concessão, ou o resultado do leilão foi bom ou ruim, são apenas discussões acessórias – o cerne da questão reside em duas perguntas: será que o povo brasileiro quer uma Petrobras 100% nacional, e será que o povo brasileiro é favorável ao monopólio da exploração pela Petrobras. Acredito que a imensa maioria da população responderia sim a ambas questões.
    Muitos foram às ruas protestar em favor da Petrobras e contra o leilão sem se dar conta que hoje uma parcela considerável de seu capital está nas mãos de grupos estrangeiros. Os políticos, quase todos lançaram argumentos contrários ou favoráveis incoerentes e principalmente rasos de conteúdo.
    Temos capacidade técnica, e condições econômicas de tocar este tipo de projeto lançando mão apenas de recursos nacionais, inclusive se for o caso de capitalização de novo lançamento de ações na Bovespa.

    • O que deveria ser esclarecido é como se deu a descapitalização da Petrobrás. Na era FHC, além da quebra do monopólio estatal o governo levou a Petrobrás a uma queda na qualidade do trabalho nela desenvolvido e a uma descapitalização imensas. O vazamento na Bahia de Guanabara e o afundamento da P-36 são episódios marcantes desse processo. Em que medida era possível reverter essa tragédia tucana? Como reestatizar a Petrobrás? Como não aumentar ainda mais o tamanho da intervenção privada e estrangeira na empresa? Eu não creio que a mudança apenas do regime de concessão para o de partilha nos tire desse lameiro privatista, pelo contrário, preserva-o sob novas condições. As condições atuais englobam a terceirização, a piora nas condições de trabalho, o contínuo aumento de acidentes de trabalho nas plataformas além das doenças ocupacionais decorrentes da queda salarial conjugada aos riscos cotidianos à vida. A opção do governo do PT foi amenizar a perda financeira do Estado com o avanço da privatização da Petrobrás e não um caminho para sua reversão. Lamento o tom do debate entre algumas pessoas, baixarias não nos levam a nada, aqui, pelo que poude ver, há pessoas que vêem essa questão sob distintas óticas mas que estão buscando um meio de contribuir para o crescimento do país. Com relação às notícias veiculadas pela mídia, elas não servem de referência para mim pois para os neoliberais qualquer política econômica que não se paute pelo absoluto privatismo e pela desregulamentação total é ruim, só estão de acordo com a Dilma numa coisa: usar a repressão das Forças Armadas para reprimir o livre direito de manifestação dos que defendem a Petrobrás contra qualquer tipo de privatização, seja por concessão, seja por partilha.

  42. Como fico contente em poder obter informação deste Blog. Considero o Blog sério, sendo que ele abre perspectivas de defesa e criticas, então dá para opinar. Viva os Blogs sérios.

Trackbacks

  1. O besteirol de esquerda e direita contra o leilão de Libra | Luizmuller's Blog
  2. O besteirol de esquerda e direita contra o leil...
  3. O besteirol de esquerda e direita contra o leilão de Libra | O LADO ESCURO DA LUA
  4. O besteirol de esquerda e direita contra o leilão de Libra | EVS NOTÍCIAS.

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.