Blog entrevista o líder do grupo que vaiou médicos cubanos

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

O presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (SimeC) é o médico e ex-vereador José Maria Pontes. Ele liderou o protesto contra médicos cubanos ocorrido na terça-feira (27) em Fortaleza. Cobrado pela violência do ato, vem dizendo que “Ninguém vaiou médico cubano, mas quem estava com eles”. E que a vaia só ocorreu porque “Não dava para não misturar se estava todo mundo junto”.

O sindicalista ainda garantiu à imprensa que “A vaia, na verdade, foi para aquelas pessoas que tiveram a ideia absurda de trazer esses médicos para cá, inclusive com trabalho escravo sem nenhum compromisso a não ser com o compromisso ideológico do Partido dos Trabalhadores”.

A declaração de Pontes se deu no âmbito de críticas aos médicos, militantes políticos e sindicalistas cearenses que vaiaram os médicos cubanos, críticas que foram feitas por entidades médicas e sindicais do próprio Ceará, pela imprensa e pelas redes sociais.

Diante de fato como esse, o Blog decidiu entrevistar o presidente do SimeC. Este blogueiro encontrou Pontes em seu celular, em Brasília, preparando-se para voltar ao Ceará. Confira, abaixo, a conversa (gravada) com a pessoa que liderou a manifestação que xingou médicos cubanos negros de “escravos” e “incompetentes”.

*

Blog da CidadaniaSenhor José Maria Pontes, o senhor é presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará, certo?

José Maria Pontes – É.

Blog da CidadaniaSr. José Maria Pontes, sobre esse caso do ato do seu sindicato contra os médicos cubanos, o senhor deu uma declaração de que as vaias e tudo mais que foi feito ali não teria sido contra eles.

José Maria Pontes – Não, na realidade, pra que as pessoas entendam, nunca ninguém teve intenção de atingir os médicos, porque naquela manifestação os médicos cubanos que chegaram ao Ceará foram recepcionados pelo Ministério da Saúde. O Odorico, que é representante do Ministério, é cearense.

O ato foi feito contra essa postura [do Ministério da Saúde] de trazer os médicos cubanos sem o Revalida. A nossa manifestação tinha uns 70, 80 médicos. Inclusive barraram a nossa entrada na Escola de Saúde Pública e nós ficamos do lado de fora com carro de som, fazendo manifestação e quando eles [os médicos cubanos] saíram, realmente levaram uma bruta vaia.

Quer dizer, não os médicos, né… Foi direcionado ao Odorico, porque ele saiu cercado por médicos [cubanos], como se estivesse protegido. E tudo foi direcionado a ele. Inclusive, né, a…

Blog da Cidadania – Quando fala em Odorico, o senhor se refere a quem?

José Maria Pontes – Odorico Monteiro é o representante do Ministério da Saúde. É cearense e é uma das pessoas responsáveis por essa situação…

Blog da CidadaniaSenhor José, desculpe-me por interrompê-lo, mas há uma foto que circulou muito na internet e na imprensa em que um desses médicos cubanos está sendo vaiado por jovens médicas do seu sindicato. Elas estão gritando com as mãos na boca perto do rosto dele.

Havia, também, gritos de que os médicos seriam escravos. Foram ouvidos reiteradamente durante o protesto. Inclusive…

José Maria Pontes – Vamos, vamos, vamos…

Blog da CidadaniaUm minutinho, senhor José, deixe-me só terminar essa pergunta, porque as pessoas estão querendo entender o que de fato aconteceu.

Então veja, os manifestantes gritaram que os médicos cubanos seriam “escravos”. As vaias foram gravadas em vídeo e o que se vê nesse vídeo é que foram dirigidas diretamente aos médicos.

O que o senhor pode me dizer sobre essa contradição? O senhor afirma que as vaias não foram dirigidas aos médicos cubanos, mas o vídeo mostra outra coisa.

E ainda há um outro componente um pouco doloroso nisso tudo, senhor José Maria, porque havia muitos médicos cubanos negros, ali, e chamá-los de “escravos” é uma associação que muitas pessoas viram como racismo…

José Maria Pontes – Então deixa eu contar.

Blog da Cidadania Pode falar, por favor.

José Maria Pontes – Quando nós estivemos lá, fazendo manifestação, eles [os médicos cubanos e o representante do Ministério da Saúde] fecharam a porta e foram fazer a manifestação deles lá dentro…

Blog da CidadaniaPerdão, mas não estavam fazendo “manifestação lá dentro”, estavam recebendo treinamento…

José Maria Pontes – Nós ficamos lá fora fazendo manifestação contra eles. Uma das coisas que foi mais debatida, lá, foi a história do trabalho escravo, né, no sentido de eles não terem direito a férias, 13º salário, a hora-extra e não ter direito a casar nem a namorar no Brasil

Blog da CidadaniaEpa! Proibição de se relacionar com brasileiros?

José Maria Pontes – É, porque…

Blog da Cidadania Perdão de novo: de onde o senhor tirou essa informação?

José Maria Pontes – Essa informação todo mundo sabe, circula, porque é o seguinte, só pra você entender: se o médico tiver um filho com brasileiro ele adquire, naturalmente, a nacionalidade [brasileira] e o que se comenta – que parece que é verdade – é que eles querem que os cubanos voltem pra lá, porque se eles [os cubanos] pedirem asilo político no Brasil eles [o governo] não vão dar…

Blog da CidadaniaOk, senhor José Maria, mas espere aí: como é que se vai impedir alguém de ter relacionamentos amorosos, por aqui? Suponhamos que um médico vê uma brasileira bonita na rua, começa a namorá-la, ela engravida… Enfim, como é que o governo brasileiro ou o cubano vão impedir que isso aconteça?

José Maria Pontes – Pois é, é isso que estou falando…

Blog da CidadaniaEntão não pode existir essa proibição

José Maria Pontes – Eles não querem que o médico cubano tenha filho com a mulher brasileira porque aí adquire nacionalidade e os médicos vão acabar ficando aqui…

Blog da CidadaniaMas, repito, de onde o senhor obteve essa informação, senhor José Maria?

José Maria Pontes – Ah, essa informação circula há muito tempo, né…

Blog da CidadaniaMas, aí, não significa que seja verdadeira

José Maria Pontes – Eeehh… Inclusive na Venezuela, tá! Isso aí [a suposição] aconteceu [sic] porque os médicos venezuelanos, com essa história de não poder sair a partir das 18 horas – e se tiver que sair tem que prestar contas pra uma pessoa de Cuba –, faz a gente pensar assim…

Mas eu vou lhe responder a outra pergunta, né. O médico, o que ficou colocado foi essa questão do trabalho escravo. Até, ontem, a Fenam [Federação Nacional dos Médicos] entrou com uma representação, né, no Ministério Público do Trabalho sobre a questão trabalhista.

Eles [os médicos cubanos] vão ser utilizados para trabalho escravo. E o que aconteceu, então, não foi no sentido pejorativo, de chamá-los de negros. O que ficou colocado é que a gente estava dizendo para eles que eles iam exercer trabalho escravo…

Blog da Cidadania – Mas senhor José Maria… Primeiro que chamá-los de negros, tudo bem. Afinal, eles são negros mesmo e ser negro não é “pejorativo”.

José Maria Pontes – O que foi chamado [sic] é que eles querem associar a um sentido pejorativo, mas foi no sentido de ter o trabalho dele não do jeito que vem, porque do jeito que eles estão postulando… Porque, veja bem, os médicos que vêm da Argentina vão receber, diretamente, dez mil reais, que não é salário, é bolsa. Então eles [os médicos cubanos] não têm nenhum direito trabalhista.

Blog da CidadaniaDesculpe interrompê-lo, mas eu não consigo entender. Se eu chamo alguém de escravo, estou xingando. Porque se chamassem o Odorico [representante do MS] de feitor de escravos, até se poderia entender que o insulto foi para ele, mas quando chamam os médicos cubanos de escravos, isso é um insulto. Além disso, o escravo não tem culpa de ser escravo. Não pode ser vaiado por sua escravidão…

José Maria Pontes – Não, não, não foi nesse sentido. Foi no sentido de chamar a atenção…

Blog da CidadaniaDeles?!

José Maria Pontes – Não, não foi nesse sentido…

Blog da CidadaniaVou reformular a pergunta: o senhor não se ofenderia se chegasse em um determinado local e uma pequena multidão o chamasse de escravo?

José Maria Pontes – Eu quero te garantir que o que foi colocado foi não aceitar que essas pessoas sejam usadas em trabalho escravo.

A nossa orientação, do sindicato, foi nesse sentido, que os manifestantes chamassem a atenção para a questão do trabalho escravo.

Foi, então, uma palavra de ordem, não no sentido pejorativo. Foi pra chamar a atenção deles de que iam exercer o trabalho escravo.

Blog da CidadaniaIsso o senhor já me explicou. Mas fico com uma dúvida quando o senhor fala em trabalho escravo. Pelo seguinte: o acordo feito entre o governo brasileiro e o governo cubano é semelhante aos acordos que a Organização Pan-americana de Saúde – a entidade de saúde mais antiga do mundo – fez com 58 países.

Não fica uma coisa meio estranha que 58 nações e mais o governo brasileiro estejam promovendo o trabalho escravo? Além do que, trabalho escravo, pelo que se entende, depende de condições degradantes de alojamento, alimentação, pagamento e, até agora, não existe nenhuma evidência de que isso esteja acontecendo.

Minha questão, portanto, é: 58 nações, mais o governo da República Federativa do Brasil, mais a organização de saúde internacional mais antiga do mundo (fundada em 1902) iriam promover o trabalho escravo no Brasil e no mundo, senhor José Maria?

José Maria Pontes – Estranho, né? Mas é verdade.

Blog da CidadaniaEstranho, não: fantástico.

José Maria Pontes – Quando você diz que a pessoa vai trabalhar, ela tem direito a salário. Eles [os médicos cubanos] vão receber uma bolsa. Não vão ter 13º salário, não vão ter direito trabalhista nenhum, porque é bolsa, né…

Quando você limita para que ele [o médico cubano] não possa sair de determinada área… Foi assim que aconteceu com os médicos cubanos na Bolívia e na Venezuela. Há depoimentos. E eles também não podem trazer a família deles.

Eu vi a entrevista de uma médica da Espanha, ela pode trazer a família dela. Eles [os médicos cubanos] não podem.

Quer dizer, quem está dando as ordens não é o governo brasileiro, é o governo cubano.

E essa coisa da OPAS foi só uma coisa… Uma bijuteria, foi só pra enfeitar, para dizer que foi uma coisa oficial, tal…

Blog da CidadaniaOra, mas não é “para dizer que foi uma coisa oficial”. O acordo foi feito entre o governo brasileiro, o cubano e a OPAS. Não é uma “bijuteria”, é um acordo formal. Inclusive, o portal UOL publicou esse acordo, um tipo de acordo que é feito com a entidade por dezenas e dezenas de nações do mundo inteiro e o regime legal pelo qual esses médicos trabalharão no Brasil, até o momento, recebeu todo o aval da Justiça.

Então eu lhe pergunto: se a Justiça e o Ministério Público não encontrarem qualquer irregularidade nesse acordo, como é que fica uma manifestação e um discurso que GARANTEM a todos que está sendo implantando o trabalho escravo na medicina brasileira?

Ficaríamos assim: o governo brasileiro, a Justiça brasileira, o Ministério Público brasileiro, a OPAS e mais 58 nações estariam envolvidos com exploração de trabalho escravo, senhor José Maria? Isso não lhe parece uma sandice?

José Maria Pontes – É porque, até agora, ninguém teve acesso ao acordo do Brasil com a OPAS e o governo cubano. E estamos pedindo ao Ministério Público do Trabalho para que analise esse contrato, né, para ver se não existe trabalho escravo…

Blog da CidadaniaSim, mas querer saber...

José Maria Pontes – Deixa eu falar, senão você fala, fala e não vai entender…

Blog da CidadaniaOk, senhor José Maria. Pode falar, então.

José Maria Pontes – O que estou querendo dizer é que nós não temos nada contra os médicos. Foi uma manifestação contrária ao representante do ministério da Saúde. Eles [o governo Dilma] utilizou aquilo ali politicamente, para tirar proveito porque eles são poderosos, eles têm dinheiro, eles têm o poder da máquina estatal, mas não somos contra a vinda de médicos cubanos.

Não saiu em imprensa nenhuma, mas nós colocamos, várias vezes, que os médicos cubanos são bem vindos ao Brasil, mas queremos que eles tenham todas os direitos trabalhistas e tenham liberdade de ir vir. Mas ao governo não interessa, né, divulgar essas coisas.

Blog da CidadaniaOk, senhor José Maria, mas a forma dessa manifestação não me parece correta. Eu lhe pergunto uma coisa: se o senhor fosse um daqueles estrangeiros e, chegando ao Brasil, encontrasse uma turba gritando, chamando-o de escravo, o senhor se sentiria bem vindo?

José Maria Pontes – Veja bem, quando se colocou essa questão não foi com a conotação que querem dar. Dissemos escravos foi no sentido inclusive de defender os interesses deles…

Blog da CidadaniaEspere aí: então a manifestação que foi feita com vaias e chamando-os de escravos foi para defendê-los?! De quem, deles mesmos? Porque, até onde se sabe, eles estão de acordo com tudo.

José Maria Pontes – Não, não foi a questão de defendê-los, foi para defender as condições de trabalho deles…

Blog da CidadaniaMas o senhor não acha que a opinião deles também conta? Essas pessoas estão fora do país delas e, se estivessem sendo submetidas a trabalho escravo, poderiam muito bem, estando em território estrangeiro, denunciar e pedir asilo político dizendo ao governo brasileiro “Olha, estou sendo escravizado, me dê asilo”…

Eu digo isso, senhor José Maria, porque nunca vi um escravo que gostasse de ser escravo.

Aliás, muito pelo contrário, os médicos cubanos têm dado declarações no sentido de que estão muito satisfeitos por estarem aqui, de que não visam somente dinheiro porque o Estado cubano lhes deu a formação que têm, deu assistência médica, educação, moradia, alimentação a eles e às suas famílias. Então, trata-se de uma realidade diferente da nossa.

A questão que surge, portanto, é sobre como pode o sindicato do senhor querer defender os médicos contra a própria vontade deles.

José Maria Pontes – É, mas, veja bem, não é defender os médicos, é a questão do trabalho escravo independentemente da vontade de quem está sendo submetido a trabalho escravo.

Cuba é um país extremamente pobre. Ora, pra você formar um médico é difícil e Cuba exporta milhares de médicos para Venezuela, para a Bolívia… No Brasil, no segundo país que mais forma médicos, você não tem condição de formar tantos médicos para exportar.

Blog da CidadaniaMas acontece, senhor José Maria, que, em Cuba, o ensino é gratuito. É difícil formar médicos no Brasil porque as faculdades privadas custam uma fortuna e para entrar nas públicas tem que estudar em escolas caras, cursinhos caros e poucos têm condições.

José Maria Pontes – É que precisa uma escola equipada, com bons profissionais…

Blog da Cidadania – E o senhor acha que não tem isso em Cuba? Porque seus indicadores de saúde são muito superiores aos nossos. Expectativa de vida, mortalidade infantil… Aliás, a mortalidade infantil em Cuba é menor do que a dos Estados Unidos.

José Maria Pontes – Veja bem, eeehh… Em Cuba você não tem a violência que tem no Brasil e o trabalho que eles fazem, que todo mundo comenta, é que esses profissionais não são médicos, eles são formados num nível intermediário para trabalhar no interior…

Blog da CidadaniaAh, o senhor me desculpe, mas os currículos desses médicos foram divulgados. A maioria é versada em mais de uma especialidade. Todos têm mais de uma década de experiência na profissão. Como não são médicos?

José Maria Pontes – Não, não, eles não são médicos de verdade, eles são formados em atenção básica…

Blog da CidadaniaQual é a fonte da sua informação, porque diverge do que vem divulgando o Ministério da Saúde.

José Maria Pontes – Não, não, eles são só médicos de atenção básica…

Blog da CidadaniaEntão agora são médicos? E apesar de seus currículos dizerem que não são formados só em atenção básica… Até porque, mesmo o maior especialista de Cuba é formado, também, em atenção básica, ou em saúde da família. É a lei de lá.

José Maria Pontes – Olha, eu vou ter que viajar. Meu avião está saindo.

Blog da CidadaniaOk, senhor José Maria Pontes.

*

Assista, abaixo, ao vídeo da manifestação que José Maria Pontes liderou na última segunda-feira em Fortaleza.



Tags: , , , , , , , , , , , ,

333 Comentário

  1. Cretinos, sujos e porcos estes cearenses que promoveram o tumulto.

  2. Agir com vaias aos estrangeiros mimetiza exatamente essa situação: na impossibilidade de vaiarmos quem realmente merece, desviamos o foco e os vaiados passam a ser eles. Discordo dessa atitude. Assim como discordo também de algumas matérias sensacionalistas que estão fazendo o povo acreditar que as vaias são pela cor da pele, incutindo na cabeça de quem lê a matéria com a foto de um negro na apresentação que os médicos brasileiros são preconceituosos e xenofóbicos. Um desvio do foco aqui, gera outro ali.

    • Meu Deus, acorda, garota! Que mundo você vive? Certamente não é no mundo que a maioria dos brasileiros… ainda chama o cara acima de analfabeto. Analfabeta é você, analfabeta política, como já dizia Brecht:

      “O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
      O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.”

      • NÃO compactuo com vaias aos cubanos.NÃO estou defendendo profissionais incompetentes ou criminosos, esses profissionais refletem o conjunto da categoria. Afinal, seria injusto culpar médicos estrangeiros e tirar o foco dos verdadeiros culpados dessa situação. Todos sabem que a crise no setor da saúde no Brasil é crônica e de subfinanciamento, temos que ganhar a categoria médica para o campo da saúde pública, da defesa do SUS, do atendimento ao povo que necessita de seus cuidados. Mas trabalhar em condições precárias, fazendo de conta que se faz Medicina não é o que queremos e não é essa a saúde que merecemos. É preciso criar a carreira médica nacional e federal, mas como carreira de Estado.

        Hoje a luta por uma saúde com infraestrutura e de qualidade é nossa, do povo e dos médicos brasileiros, os que convivem com essa falta de tudo. Não queremos dinheiro da Educação na Saúde. Não queremos dinheiro da Saúde na Educação. Queremos apenas um governo sério, comprometido com uma gestão eficiente.

        • Não* refletem.

        • Parabéns pelo comentário, Brenda. É bom ver que ainda tem gente com bom senso nesse país.

        • Inclusive o sindicato dos médicos no Ceará está chamando os médicos do país inteiro a fazer uma greve contra o Mais Médicos, o que vai deixar a população mais pobre do país completamente sem assistência. Já que você diz que os médicos lutam por uma saúde melhor, mostre uma vez só em que os médicos do país inteiro se reuniram para pedirem melhores condições no SUS para os pobres. Mostre uma vez só na história do país em que os médicos do Brasil se reuniram para pedir ao governo para levar assistência a quem não tinha. Mostre uma vez só os médicos se reunindo para pedir punição aos que não trabalham e roubam o dinheiro público, que é para ajudar os mais pobres. Mostre só uma vez manifestação dos médicos contra os erros dos colegas que vitimam todos os dia brasileiros por negligência ou incompetência, deixando essas vítimas aleijadas, paralíticas ou mortas. Isso sem falar dos que fizeram inscrição falsa para sabotar o programa, médico dizendo que a medicina cubana é ruim, mas com dois filhos formados em Cuba, médico que manda não ajudar vítimas se houver erro médico, médico mentindo dizendo que ia ser mandado embora para ser substituído por um cubano. Não tem jeito, minha cara, vídeos, fotos e atitudes dos médicos já escancararam para todo o país e para o mundo o que é a classe médica brasileira e te garanto: o quadro não é bonito.

          • Enfermeiros, Fonoaudiólogos e Psicólogos que trabalham duro por um salário insuficiente. Repito: Não estou defendendo profissionais incompetentes ou criminosos. Estou defendendo um fisioterapeuta que conheci na semana passada, que dedicou anos da sua vida na faculdade e que dedica mais de 8 horas por dia aos seus pacientes, por um salário que não o permite pagar o financiamento estudantil que ele fez na época da faculdade. Estou defendendo um médico de Aracaju, que distribui seu salário pagando exames para os seus pacientes pobres.
            Temos dito que é fato que a saúde hoje não se faz só com médicos neste país e em qualquer lugar do mundo. No entanto sem médicos não temos saúde. Recebemos, na Atenção Básica e nas Emergências, a revolta da população brasileira, que transfere para nós médicos a responsabilidade pela falta de exames, falta de vagas, falta de medicamentos. Temos registro que 700 municípios não possuem sequer um médico. Isso é inaceitável. A verdade é que temos médicos, mas sua distribuição é completamente desigual pelo território nacional.
            Qual a saída então, que o governo não propôs? É preciso criar a carreira médica nacional e federal, mas como carreira de Estado. Temos que igualar os profissionais médicos às carreiras típicas de Estado, como a de diplomatas, polícia federal, auditor do tesouro nacional, juiz e promotor federal. Temos que abrir concursos públicos de provas e títulos para a carreira médica nacional.
            Lamento essa situação. Acho que tudo isso será passageiro. Tenho esperança que as coisas vão se ajustar em breve.

          • Então, mais de 700 municípios estão sem assistência médica, como você mesma reconhece, o que é uma situação emergencial. A saída, para você, é criar carreira para os médicos. Quanto tempo leva para estruturar uma carreira ? Dois, três anos? De novo, sua fala só focaliza nas necessidades dos médicos, como temos visto na maior parte dos discursos desses profissionais. Qual é a saída imediata que você dá para que essas pessoas sem assistência não morram enquanto se estrutura a carreira dos médicos?

        • Qual é, Brenda, a solução que você dá para ajudar hoje as pessoas que não têm assitência nenhuma e que não podem esperar construir uma carreira para os médicos?

      • O comentario dela foi perfeitamente coerente, releia. O seu, por outro lado foi vazio (so chamou de burra, sem argumentos), e ainda teve a ousadia de postar Brecht pra tirar onda de inteligente, sendo que nem ao menos uma contra-argumentacao vc ofereceu.

    • “mimetiza” ??
      “na impossibilidade de vaiarmos quem realmente merece, desviamos o foco…”

      Aí já é muita burrice de quem não sabe, mesmo, fazer a coisa certa.
      E “isso” se diz “medico”
      Se na “impossibilidade” de fazer a coisa certa, essa “cambada” de médicos
      fazem qualquer besteira ??
      SOCOOOOOOOOOOOOOOOOOOORRO !!!!!!!

      • Porque nunca faltam juízes, promotores, auditores em qualquer cidade, mesmo nos confins das fronteiras Norte do país?

    • Não mimetiza não, Brenda. Chamar médicos em sua maioria de negros de escravos, incompetentes e mandá-los voltar para a senzala não mimetiza não. Primeiro porque não há impossibilidade nenhuma de criticar o governo federal, se o foco era o governo federal que os médicos cearenses, formados em faculdade, se dirigissem ao Odorico apenas, que era o representante do governo. Há diversas maneiras de dirigir as críticas apenas ao governo federal, como foi feito em outros estados. Apenas no Ceará houve uma manifestação em que os médicos estrangeiros foram chamados de escravos. Não tem desculpa, nem possibilidade alguma de defender o que fizeram. Com o nosso passado de escravidão, de 385 anos usando outros seres humanos como escravos da forma mais cruel possível, para um grupo cuja maioria é negra é indesculpável. Aliás quando você usa o “s” em língua portuguesa quer dizer mais deu um; “escravos” e “incompetentes” não eram palavras dirigidas a apenas uma pessoa. O que acontece é que pegou tão mal o que fizeram que agora querem dar qualquer desculpa absurda para isso. Qual foi, por exemplo, 1, apenas 1 solução ou alternativa que os médicos deram para levar assistência aos lugares em que que não há? Me diz 1 só.

      • Nunca vi em nenhum pronunciamento das entidades médicas que eles seriam contra a vinda de médicos estrangeiros. De fato, houve pouca procura de brasileiros pelo programa “Mais Médicos”. Ir para os rincões, sem registro e boas condições de trabalho, atraiu em torno de mil profissionais apenas, para mais de dez mil vagas. Nesse sentido, o governo da presidente Dilma, pressionada pela população que precisa da assistência médica, lançou mão da experiência cubana em saúde pública.

        Lembrando: Teremos a figura do médico, um jaleco, um esteto e uma Medicina nivelada por baixo. Permaneceremos com a miséria assolando milhares de brasileiros dependentes de bolsas, sem uma educação e saúde decentes, sem uma promoção de saúde eficaz; teremos a mesma falta de estrutura, o mesmo descaso.

        • Para começar, só na sua fala você já mostra todo os seu preconceito, qual medida você usou para dizer que será nivelado por baixo? A medicina brasileira não é referência mundial, a cubana é. Em São Paulo, mais de 52% dos médicos não passaram no exame simples do CRM e estão trabalhando, isso é nivelar por baixo. Você fala dos médicos sem registro, vários médicos trabalham em clínicas particulares sem registro e nunca reclamaram que estavam sendo escravizados. Médico é profissional liberal, e isso permite a ele trabalhar como autônomo, não precisa necessariamente de registro. Vá até a USP, esse sistema de bolsa com tempo determinado é usado há anos na USP, quer dizer então que a USP está nivelando por baixo? Chamem a polícia!!!Então tem que acabar com as bolsas de pós-graduação do CNPQ, por exemplo, que usa o mesmo sistema do Mais Médicos? Nunca vi nenhum médico reclamar dessas bolsas. E estranho alguém dizer que não viu nenhum pronunciamento contra a vinda de médicos estrangeiros(inclusive houve passeatas dizendo que não faltavam médicos no Brasil, por isso não precisavam vir estrangeiros). Desinformação? Essas bolsas de que você e muitos desdenham para os pobres ajudaram a salvar milhares de nordestinos da fome por causa da terrível recente seca que houve. Na Europa existe o mesmo sistema de proteção ao pobre que hoje há no Brasil, e nunca vi nenhum brasileiro falar mal da Europa por isso, pelo contrário, elogia. Eita incômodo com a ascensão dos pobres. E diferente da sua fala eu não torço para que tudo continue da mesma forma, torço para que qualquer iniciativa de ajuda dê certo para que os mais pobres recebam a ajuda de que que precisam.

          • (Acho que você não leu todo o meu comentário) Postando novamente: Acompanho de perto a desvalorização de Enfermeiros, Fonoaudiólogos e Psicólogos que trabalham duro por um salário insuficiente. Repito: NÃO estou defendendo profissionais incompetentes ou criminosos. Estou defendendo um fisioterapeuta que conheci na semana passada, que dedicou anos da sua vida na faculdade e que dedica mais de 8 horas por dia aos seus pacientes, por um salário que não o permite pagar o financiamento estudantil que ele fez na época da faculdade. Estou defendendo um médico de Aracaju, que distribui seu salário pagando exames para os seus pacientes pobres.
            Temos dito que é fato que a saúde hoje não se faz só com médicos neste país e em qualquer lugar do mundo. No entanto sem médicos não temos saúde. Recebemos, na Atenção Básica e nas Emergências, a revolta da população brasileira, que transfere para nós médicos a responsabilidade pela falta de exames, falta de vagas, falta de medicamentos. Temos registro que 700 municípios não possuem sequer um médico. Isso é inaceitável. A verdade é que temos médicos, mas sua distribuição é completamente desigual pelo território nacional.
            Qual a saída então, que o governo não propôs? É preciso criar a carreira médica nacional e federal, mas como carreira de Estado. Temos que igualar os profissionais médicos às carreiras típicas de Estado, como a de diplomatas, polícia federal, auditor do tesouro nacional, juiz e promotor federal. Temos que abrir concursos públicos de provas e títulos para a carreira médica nacional.
            Lamento essa situação. Acho que tudo isso será passageiro. Tenho esperança que as coisas vão se ajustar em breve!

          • (Você leu todo o meu comentário?) Postando novamente: Acompanho de perto a desvalorização de Enfermeiros, Fonoaudiólogos e Psicólogos que trabalham duro por um salário insuficiente. Repito: NÃO estou defendendo profissionais incompetentes ou criminosos. Estou defendendo um fisioterapeuta que conheci na semana passada, que dedicou anos da sua vida na faculdade e que dedica mais de 8 horas por dia aos seus pacientes, por um salário que não o permite pagar o financiamento estudantil que ele fez na época da faculdade. Estou defendendo um médico de Aracaju, que distribui seu salário pagando exames para os seus pacientes pobres.
            Temos dito que é fato que a saúde hoje não se faz só com médicos neste país e em qualquer lugar do mundo. No entanto sem médicos não temos saúde. Recebemos, na Atenção Básica e nas Emergências, a revolta da população brasileira, que transfere para nós médicos a responsabilidade pela falta de exames, falta de vagas, falta de medicamentos. Temos registro que 700 municípios não possuem sequer um médico. Isso é inaceitável. A verdade é que temos médicos, mas sua distribuição é completamente desigual pelo território nacional.
            Qual a saída então, que o governo não propôs? É preciso criar a carreira médica nacional e federal, mas como carreira de Estado. Temos que igualar os profissionais médicos às carreiras típicas de Estado, como a de diplomatas, polícia federal, auditor do tesouro nacional, juiz e promotor federal. Temos que abrir concursos públicos de provas e títulos para a carreira médica nacional.
            Lamento essa situação. Acho que tudo isso será passageiro. Tenho esperança que as coisas vão se ajustar em breve!

          • Qual é, Brenda, a solução que você dá para ajudar hoje as pessoas que não têm asssitência nenhuma e que não podem esperar construir uma carreira para os médicos?

  3. Esses “medicos” cubanos são na verdade Bandidos comunistas da Nomenklatura da Dinastia comunista de Fidel e Raul Castro, os criminosos ditadores nonogenários cagados de velhice! Cuba, uma República de Banana Socialista e Favela Marxista é o mais miseravel país das americas junto com o Haiti!

    • Definição singela: NICOLAU vc é um IMBECIL.

    • A médica que aparece na foto vaiando o médico cubano, bem como vários outros médicos cearenses, se filiaram ao PSDB, o nicho certo para mentes vis como estas. Isso serve também para comentários inteligentes como o do Nicolau

  4. Pelo menos os médicos estrangeiros não têm dedo de silicone e nem têm nojo de pegar em pobre.

  5. Quer dizer que a OPAS e 58 países do mundo aprovam o tipo de recrutamento de médicos que o Brasil fez e a Justiça Federal avalizou e vem um zé qualquer dizer que é ilegal?

  6. Parabéns, Eduardo! Mais uma lição de jornalismo.

  7. Foi errada a represaria dos médicos brasileiros, mas uma coisa é certa. SE ESSES DOUTORES CUBANOS VÃO RECEBER BOLSA DE R$10.000, ISSO É TRABALHO ESCRAVO SIM. Esse reporte é boneca do PT.

    • Pq que é trabalho escravo! Quando a maioria dos brasileiros não recebem nem a metade deste valaor! sem falar que pior do que foi citado acima pelo presidente do sindicato dos médicos, em relação aos m´pedicos cubanos não receberem 13 salário, férias, é a forma de contratação irregular e precária que diversos profissionais da saúde são submetidos por todo o Brasil. Onde é negado o direito de tudo isto e ainda ficam réfens do mando eleitoreiro das cidades, tornando-os inertes as condições de trabalho e a baixa remuração a que são submetidos, tudo porque têm medo de perder o emprego.
      A saúde pública brasileira não é feita somente de médicos não, todos os outros profissionais são dignos de melhores condições de trabalho, de valorização da profissão e de melhoria nos salários, o que está acontecendo agora serve de alerta e visibilidade para que o país enxergue que não é só a população que sofre, mas também todos os profissionais envolvidos.

    • O que represaria? Quais sofreres você mantém represados dentro de si? Parece-me que meu comentário vai soar como represália, mas não. Nem pode ser considerado “Argumentum ad hominem” porque eu teria que ignorar seus argumentos e atacar apenas o péssimo português. Mas, seria preciso que conseguisse encontrar alguma consistência no conjunto de palavras das quais você poderia nos ter poupado.
      Quer desenho?

  8. A IMAGEM SACROSSANTA DO MÉDICO NO BRASIL E NO MUNDO

    Um mal estar acompanha quem é obrigado a consumir a estampa dos médicos como seres dotados de uma sacrossantidade auto-nomeada. Vendendo-se como uma entidade que paira sobre os comuns mortais, os médicos mistificam-se. Mais além, desejam ardentemente — e muitas vezes conseguem- fazer toda a sociedade mistificá-los.

    Claro, este não é um fenômeno exclusivamente brasileiro ou conjuntural, mas, com raras exceções, disseminado mundo afora, desde remotos tempos históricos.

    Mas, reduzido à sua expressão mais telúrica, o que é o médico? Uma abstração desencarnada e desossada de sua condição humana? Ou uma categoria profissional específica, feita de pessoas concretas, plenas de virtudes e defeitos, envolvidas no diagnóstico e tratamento das doenças humanas?

    O quê o médico Josué de Castro, que relacionou fome e doença, tem a ver com o Dr. Roger Abdelmassih, estuprador foragido, ou com Dr. Harry Shibata, comparsa da tortura? E o célebre patologista Rudolf Virchow, genial investigador, com o compatriota Dr. Otto Von Verschuer, que chefiou Josef Mengele e saiu ileso de Nuremberg? Clemax Sant’anna, um luminar pneumologista, com o Dr. John C. Cutler, pesquisador dos EUA envolvido nos macabros experimentos de sífilis na Guatemala nos 40/50s?

    Nada, absolutamente nada.

    No episódio do aeroporto de Fortaleza, o sectarismo corporativo mostrou a arcada dentária como nunca. Não que não tivesse ameaçado isto antes. Mas, a sua imagética percorrendo instantaneamente o circuito da web desta vez ‘bombou’ mesmo.

    Mostrou todos os dentes de uma vez só: intolerância, preconceito racial, reacionarismo abjeto, enfim, uma estultice só. Injusto dizer que o dente da xenofobia apareceu ali em toda a plenitude. Não, não, ele foi explicitamente seletivo, pois se os “alienígenas” viessem dos EUA ou da Europa Ocidental aí…aí possivelmente teria sido diferente, não?

    Recolhamo-nos à nossa significância. Médicos são gente, como toda gente. Claro, nossos ossos carregam um ofício diferenciado, que pode ser elevado. Mas, não em si mesmo, obrigatoriamente, pois a ciência médica pode ser assassina, como já demonstrou Benno Müller-Hill.

    E para esconder este lado sombrio, o espírito de corpo emana dos baixos instintos e age como uma psicologia de massas esmagadora e trituradora. Ai do médico que não seguir a onda corporativa! Está condenado a arder nas chamas da inglória e da sarjeta, quando não for alvo de chacota, bullying ou linchamento moral e profissional. No entanto, sigo perguntando: à mística da sacrossantidade médica, não seria mais justo olhar os lírios do campo?

    Quem precisa de saúde tem pressa!

    A promoção da saúde em primeiro, sem abrir mão da retaguarda dos cuidados aos doentes, é a medicina integral ansiada pela humanidade. Sem excludências, nem cobertura social restritivas.

    Flavio Wittlin, médico, professor e pesquisador

    • Dr. Flavio Wittlin,
      o Sr. é a prova que ainda há esperança em uma Medicina humanizada no Brasil.
      Um abraço e grato por suas brilhantes palavras.

  9. Não sei se é ignorância, ou burrice, ou maldade. Não sei mesmo.

  10. Analisando a questão e vendo os fatos ocorridos na questão do mais médicos no Brasil, acho que o governo deveria seguir um outro modelo de formação dos nossos profissionais.
    Edu caberia uma postagem para analise mais diversa, fica aqui uma sugestão para um poste.
    O governo Brasileiro, vem proporcionando a possibilidade de formação de mais jovens em diversas áreas, porem comete um erro estratégico que ao meu ver é entregar estes jovens apenas a uma formação voltada ao mercantilismo, faculdades e formadores viciados em estrutura unica de formação, especialistas ,mal informados na sua maioria com formação voltada ao mercado.
    Penso que já passou da hora de se montar faculdades onde se formaria médicos de família, onde inscrição não seria obrigatória, mas aluno saberia que sua formação seria para fins específicos e nos moldes cubano de saúde uma vez que o mesmo é aprovado pelo mundo.
    Formação de professores do ensino básico voltados a realidade brasileira e com mais aulas praticas lendo os alunos ao contato com a realidade que passarão a enfrentar, o chamado segundo professor no caso.
    Agora pagar cursos e entregar alunos ao formato existente de formação é entregar ovelhas aos lobos e pior muitos saem pior que os lobos que os formou.

  11. Assisti ontem o programa sem fronteiras da Globo News, achei um programa bem explicativo para todos os lados, os contras e quem é a favor. Entrei no site hoje da globo news para ver novamente e compartilhar, mas da como página não encontrada. Será uma nova censura da globo? Será que o programa foi explicativo demais? Se alguém conseguir ver o programa favor compartilhar.

  12. Oi Pessoal! Vejam esse comentário do Ademar Araujo muito pertinente sobre os bastidores da saúde no Brasil.

    PORQUE TANTO MEDO DOS MÉDICOS CUBANOS?

    Simples, primeiro que o Brasil e boa parte do mundo são dominados pelas indústrias dos medicamentos, somos pertencentes a um país de doentes, temos aqui doenças da época de Cristo ainda, como a Lepra, hoje carinhosamente chamada de Hanseníase. Se duvidar o Brasil tem mais farmácias do que bares, as drogarias vendem de chicletes, balas a doces e bombons, isso sem falar que existem em todas elas prateleiras e mais prateleiras onde o cliente escolhe os medicamentos ao seu gosto, aliado isso tudo tem o fato que todo brasileiro é um médico, conhece medicamento bom para tudo, enfim, nascemos e morremos no Brasil tomando muito remédio.

    Nas universidades é comum os alunos de medicina serem desde lá assediados pelos representantes das indústrias farmacêuticas e suas gigantes maletas de medicamentos e esse assédio continua a vida toda do profissional médico, que tem aulas periódicas com esses representantes sobre os últimos lançamentos das inúmeras drogas colocadas no mercado. E sem falar nos seus equipamentos que substituem o simples diagnóstico humano, tornando os médicos reféns das máquinas que muitas suas unidades de saúde não a possui.

    O mais engraçado de tudo é que os países ricos, que são os grandes fabricantes de medicamentos, são os que menos tomam remédio no mundo, por que será?

    Por esses e por outros motivos é que existe essa pressão para que não venham para o Brasil médicos, cuja medicina aprendida não é medicamentosa simplesmente, mas sim a preventiva, que não dá lucro a essa gigantesca indústria das doenças, chamada de indústria farmacêutica. Ademar Araujo, Cuiabá – MT.

    http://www.youtube.com/watch?v=Sigtj8LaLV0

  13. Em primeiro lugar parabéns ao repórter, belíssima reportagem.
    Sou médico, tenho 31 anos de medicina, minha formação me ensinou que devemos respeitar todos os profissionais da saúde principalmente outros médicos (ética, não sei se ainda estão ensinando nas faculdades). É com grande tristeza que vejo nossos jovens e até mesmo o presidente de um sindicato médico como o do Ceará realizar tais manifestações contra inocentes. Essa manifestação foi feita por pessoas despreparadas e totalmente desinformadas, basta ver pela entrevista deste senhor, ele não sabe nem o que está declarando e passa informação baseadas em “boatos”. Já fiz várias palestras em outros países e sempre fui bem recepcionado por outros “colegas” de profissão, me sinto envergonhado com essa situação e queria dizer que essas pessoas não me representam!

  14. Eduardo Guimarães blog da cidadania

    Sou seu fã e acompanho suas matéria a tempos e gostaria de fazer um comentário sobre a situação dos médicos brasileiros…

    Existem duas formas de se resolver a falta de médicos no brasil…

    Uma e essa que para mim e eleitoreira imediatista e oportunista diante as manifestações que ocorreram no pais pois e a unica forma imediata do governo dar uma resposta a população que de uma forma bem simplória para que o povo entenda;

    se o governo paga 10 mil com casa comida e roupa lavada para o medico brasileiro ir trabalhar no interior e ele não quer ir então contrato outro que vai e pronto.
    PS:Isso me lembra os grandes empresários poderosos no passado agindo contra a classe trabalhadora e o lula sendo contra! No passado os grandes empresários falavam… eu pago pra vocês um salario qualquer sem nenhuma garantia nem benefícios trabalhistas e se quiser bem se não contrato outro e pronto.o que acontecia?greve os trabalhadores se organizaram paralisaram e revindicaram melhores condições de trabalho e salarias lutando contra a lei da selva onde vence o mais forte ate que os mais fracos se unam e passam a lutar juntos e conquistam seus direitos.
    Para mim os médicos estão errando e acertando mas estão lutando por seus direitos e melhorias nas condições de trabalho e salariais.

    Vamos a solução que considero ideal:

    vamos considerar um policial federal por exemplo…ninguém quer sair de onde mora e ir trabalhar nas fronteiras.o que o governo fez?fez concurso deu garantias que inicialmente ele vai trabalhar nas fronteiras mas com o passar do tempo vai sendo transferido para cidades maiores e tem um plano de cargos e salários.

    Ps:O propio lula em um vídeo fala para dilma que não e so medico que não quer ir para os grotões do brasil continental, que fiscais de fronteira também na o queriam ir….

    ora!e isso mesmo ninguém quer ir… mas porque não fazer com a classe medica o mesmo que o governo faz com as outras classes que precisa desses profissionais em lugares distantes ou perigosos?

    Por que não fazer as duas coisas? cubanos agora e concurso com planos de cargos e salários progressões e retorno gradual dos médicos a cidades maiores?

    Se quiser resolver de forma seria e duradoura tem jeito!

    O imediatismo e as eleições levaram ao governo fazer esse tipo de programa de urgência que parece que vai ser tema das eleições para o governo de são paulo e para presidente…

    uma pena as coisas no brasil serem assim…

    Acho que maioria de nos quando nos formamos somos jovens solteiros ou casados mas sem filhos ideal para começar carreira nos interiores mas com o tempo passamos a ter filhos e queremos dar boas escolas qualidade de vida para ele…e assim o ciclo da vida em todas as profissões, tipo policial federal e fiscal de fronteira..por que não fazer isso com médicos brasileiros,que tem boa formação e são sim na sua maioria preocupados com as causa sociais e melhorias de vida das famílias mais humildes…

    espero que leia essa minha mensagem e entenda que temos que ser mais imparciais e não transformar a solução da medicina no brasil numa gerra politica

    E isso que penso e gostaria de conversar mais sobre isso com você

    Abraços

    Marcelo

  15. Sinceramente não me espantei com os argumentos do Presidente do CRM-CE…Os caras sempre foram isso, apenas faltava ocasião para despir-se do jaleco! Sim, quanto aos debilóides defensores da selvageria dos jalecos, aproveitem e repercutam em todas as cidades e periferias que serão beneficiadas por intermédio deste programa…As populações lhes aguardam “fervorosamente”! No entanto, preparem o lombo!

  16. O QUE EU QUERO DIZER É O SEGUINTE
    A MUITO QUE ESSES MEDICOS BRASILEIROS NOS ENVERGONHAM SAO A ESCORIA
    MAIORIA TEM DIPLOMA DE FACULDADE PARTICULAR MAURICINHOS E PATRICINHAS QUE NUNCA PRECISARAM DE NADA NA VIDA SEMPRE SUSTENTADOS PELOS PAIS …PRA ELES VALE MAIS SEUS INTERESSES PESSOAIS QUE O INTERESSE HUMANO NAO PENSAM E AGEM DESSE JEITO AI COMO NA MATERIA O BLOG CIDADANIA DEIXOU ESSE TAL DE JOSE MARIA PONTES SEM ONDE COLOCAR A CABEÇA ESTA DE PARABENS BLOG CIDADANIA É UMA VERGONHA PARA A CLASSE DE MEDICOS E APOSTO QUE OS MEDICOS CUBANOS SAO 10 VEZES MAIS CAPACITADOS QUE QUALQUER MEDICO NO BRASIL ISSO É COMPROVADO …EU FICO COM UM MISTO DE SENTIMENTOS DE ODIO REVOLTA E VERGONHA CADA MEDICO QUE VAIOU MERECE TER SEU DIPLOMA CAÇADO;;; UMA MANIFESTACAO SEM PE NEM CABEÇA FORA JOSE MARIA PONTES #SEU ESCROTO

    • verdade são um monte de merda essas patricinhas e mauricinhos, e esse tal ai merece ser linchado ñ tem um pingo de respeito e deve ter comprado seu diploma de medico, ñ entendem que eles só vieram pra fazer oque eles não fazem

  17. Lamentável a atitude do repórter. Qualquer um pode observar que as perguntas foram feitas com base na sua ideologia. Não foi isento, de forma alguma. Acho que o Sindicato dos médicos do Ceará deveria oferecer aos medicos cubanos todos os meios para que possam pedir asilo político ao Brasileiro, e pressionar o governo para que os médicos tenham direito a trazer a família e receba, integralmente, com CLT. Quero só ver qual será a atitude do governo quando os pedidos de asilo começarem a pipocar. Aí quero ver se o governo Dilma é humanitário, com apregoa por aí.

  18. Que papelão, dr. José Maria Pontes, que vergonha! E lembrar que o sr. já foi um combativo, respeitado e muito procurado vereador em Fortaleza pelo Partido dos Trabalhadores em defesa de justas causas sociais! Como pode o sr. ser tão irresponsável, superficial e leviano acerca da iniciativa de trazer médicos estrangeiros para suprir lacunas onde não existam médicos brasileiros, prática de prefeituras petistas que o sr. conhece desde a década de 90? E o pior, passar para o Brasil e o mundo uma imagem fascista, elitista e egoísta de parte dos médicos do Ceará? E aproveito para lembrar aos marionetes e repetidores do palavrório alienado e fundamentalista das instruções do serviço secreto do império: basta que vocês tenham um choque e realidade. Só é contra tal programa quem nunca passou aperto na vida na hora de precisar de médico, não tê-lo e não poder pagar particular. Como só critica o Bolsa família quem, megulhado num poço de fel, entreguismo, burrice e mau caratismo, nunca passou fome na vida, por não ter realmente o que comer, durante muito tempo!

  19. Puta entrevistinha editada querendo defender a causa. Ou esse médico entrevistado é um jumento mesmo por não rebater os argumentos ridículos do entrevistador.
    Porque não deixam os cubanos trazerem a família?

  20. ja que os medicos brasileiros nao querem trabalhar, deixo os extrangeiros fazerem o serviço

  21. Só explicando o que disse sobre as bolsas da USP. Lá várias pessoas trabalham por tempo determinado nas bibliotecas, administração etc. recebendo uma bolsa, não são registradas.

  22. (Acho que você não leu todo o meu comentário) Postando novamente: Acompanho de perto a desvalorização de Enfermeiros, Fonoaudiólogos e Psicólogos que trabalham duro por um salário insuficiente. Repito: NÃO estou defendendo profissionais incompetentes ou criminosos. Estou defendendo um fisioterapeuta que conheci na semana passada, que dedicou anos da sua vida na faculdade e que dedica mais de 8 horas por dia aos seus pacientes, por um salário que não o permite pagar o financiamento estudantil que ele fez na época da faculdade. Estou defendendo um médico de Aracaju, que distribui seu salário pagando exames para os seus pacientes pobres.
    Temos dito que é fato que a saúde hoje não se faz só com médicos neste país e em qualquer lugar do mundo. No entanto sem médicos não temos saúde. Recebemos, na Atenção Básica e nas Emergências, a revolta da população brasileira, que transfere para nós médicos a responsabilidade pela falta de exames, falta de vagas, falta de medicamentos. Temos registro que 700 municípios não possuem sequer um médico. Isso é inaceitável. A verdade é que temos médicos, mas sua distribuição é completamente desigual pelo território nacional.
    Qual a saída então, que o governo não propôs? É preciso criar a carreira médica nacional e federal, mas como carreira de Estado. Temos que igualar os profissionais médicos às carreiras típicas de Estado, como a de diplomatas, polícia federal, auditor do tesouro nacional, juiz e promotor federal. Temos que abrir concursos públicos de provas e títulos para a carreira médica nacional.
    Lamento essa situação. Acho que tudo isso será passageiro. Tenho esperança que as coisas vão se ajustar em breve.

  23. Eduardo, muito importante este debate que vc travou contra o sindicalista José Maria, pois deixou claro as contradições do discurso, o reacionarismo e o corporativismo daqueles que são contra a vinda de médicos estrangeiros para o Brasil. A parte que mais me chamou atenção foi no final do diálogo, quando o sindicalista reacionário achou uma desculpa para sair de fininho, logo que percebeu que não tinha mais argumentos para sustentar seu próprio sofisma. rsrsrsrs Valeu por demonstrar a importância do pensamento crítico para combater o preconceito e a desinformação, BLOG DA CIDADANIA!

  24. Fazer acontecer
    As pessoas podem ser dividas em três grupos:
    Os que fazem as coisas acontecerem;
    Os que olham as coisas acontecendo;
    e os que ficam se perguntando o que foi que aconteceu.
    Nosso caráter é aquilo que fazemos quando achamos que ninguém está olhando.
    Nunca deixe de ter dúvidas, quando elas param de existir é porque você parou em sua caminhada.

  25. Os 10 MANDAMENTOS DOS DOUTORES: MÉDICOS E ENFERMEIROS

    1 – Se você não sabe o que tem, dá VOLTAREN;

    2 – Se você não entende o que viu, dá BENZETACIL;

    3 – Apertou a barriga e fez ‘ahhnnn’, dá BUSCOPAN;

    4 – Caiu e passou mal, dá GARDENAL;

    5 – Tá com uma dor bem grandona? Dá DIPIRONA;

    6 – Se você não sabe o que é bom, dá DECADRON;

    7 – Vomitou tudo o que ingeriu, dá PLASIL;

    8 – Se a pressão subiu, dá CAPTOPRIL;

    9 – Se a pressão deu mais uma grande subida, dá FUROSEMIDA!

    10 – Chegou morrendo de choro, ponha no SORO.

    …e mais…

    Arritmia doidona dá AMIODARONA…

    Pelo não, pelo sim, dá ROCEFIN.

    …e SE NADA DER CERTO, NÃO TEM NEUROSE…
    …DIGA QUE:

    É SÓ ESSA NOVA VIROSE!!!

    Parece brincadeira, mas… É verdade!

  26. SIGNIFICADO DE HONESTIDADE

    O que é Honestidade:

    Honestidade, é uma qualidade de ser verdadeiro; não mentir, não fraudar, não enganar. A honestidade é a honra, uma qualidade da pessoa, ou de uma instituição, significa falar a verdade, não omitir, não dissimular. O indivíduo que é honesto repudia a malandragem a esperteza de querer levar vantagem em tudo.

    Honestidade, de maneira explícita, é a obediência incondicional às regras morais existentes. Existem alguns procedimentos para alguns tipos de ações, que servem como guia, como referência para as decisões. Exercer a honestidade em caráter amplo, é muito difícil , porque existe as convenções sociais que nem sempre espelham a realidade, mas como estão formalizadas e enraizadas são tidas como certas.

    Para muitos, a pessoa honesta é aquela que não mente, não furta, não rouba, vive uma vida honesta para ter alegria, paz, respeito dos outros e boas amizades. Atualmente, o conceito de honestidade está meio deturpado, uma vez que os indivíduos que agem corretamente são chamados de “careta”, ou são humilhados por outros.

  27. Encontrado o método eficaz da revalidação dos diplomas dos lMédicos cubanos no Brasil. https://www.youtube.com/watch?v=EBMVdf6o3i8

  28. Então pq não passam na prova do revalida já que são 10 vezes mais capacitados???

  29. Li essa entrevista somente hoje e lamento não tê-la lido antes. A quantidade de contradições e “fontes” desse senhor é tamanha, que lembra os adolescentes divulgando virais no Facebook.

Trackbacks

  1. Doutoras e doutores de Cuba, perdoem-nos! | A Tal Mineira – Blog da Sulamita
  2. José Maria Pontes, o inacreditável médico que liderou a vaia contra cubanos em Fortaleza | Diálogos Políticos
  3. Blog entrevista o líder do grupo que vai...
  4. Blog entrevista o líder do grupo que vaiou médicos cubanos | C O O LTURA
  5. Que doideira! Presidente do SimeC diz que cubanos estarão proibidos de sair à noite | Baixada Carioca
  6. Inacreditável. O Dr CRM do Ceará ! | Conversa Afiada
  7. O Palheiro | Inacreditável. O Dr CRM do Ceará!
  8. Conheça o médico que liderou os xingamentos contra cubanos - Pragmatismo Político
  9. 12:57: Médico que liderou protesto na chegada de colegas cubanos ... - O Repórter | M7 NewsM7 News
  10. O inacreditável médico que liderou a vaia contra cubanos | Africas
  11. Conheça o médico que liderou os xingamentos contra cubanos | Africas
  12. Conheça o médico que liderou os xingamentos contra cubanos | Rand. mag
  13. médicos cubanos no brasil | eu ainda não sei
  14. O programa Mais Médicos e a hostilidade contra os cubanos | Blog do Sasqua
  15. Melhorem, Entidades Médicas… | Árvores de Natal
  16. Conheça o médico cearense que liderou os xingamentos contra cubanos | novobloglimpinhoecheiroso
  17. Veja seleção de artigos sobre o Mais Médicos | PT Natal
  18. PT – Diretório Estadual do RN – Veja seleção de artigos sobre o Mais Médicos
  19. Debate sobre reforço de médicos cubanos no Brasil apresenta sintomas de racismo · Global Voices em Português
  20. Racism Greets Imported Cuban Doctors in Brazil · Global Voices
  21. Racism Greets Imported Cuban Doctors in Brazil
  22. Importerade kubanska läkare möts av rasism i Brasilien · Global Voices på svenska
  23. Brasile: l’arrivo di nuovi medici cubani ha creato un dibattito con risvolti razzisti e xenofobi · Global Voices in Italiano
  24. This Controversial Brazilian Program Has Doctors Enraged
  25. No Ceará, pouco médico, muito silicone | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”
  26. “Dr. Vaia”, o dos “escravos” cubanos, era “marineiro”… | TIJOLAÇO | “A política, sem polêmica, é a arma das elites.”

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.