Petista afirma que Comissão da Verdade investigará imprensa

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Nas últimas semanas, a imprensa tem veiculado que a Comissão da Verdade, que apura o colaboracionismo de agente públicos e privados com a ditadura militar que vigeu no Brasil entre 1964 e 1985 a fim de produzir um relatório histórico, está investigando a participação de empresários e até de entidades dirigentes do futebol com aquele regime.

Todavia, até o momento a Comissão da Verdade não divulgou se irá apurar a atuação de certos agentes privados que tiveram participação preponderante para a efetivação do golpe de 1964 e para sua sustentação nos anos seguintes, até que a repressão aumentasse ao ponto de que aqueles que pediram e sustentaram a ditadura entendessem que em ditaduras só quem ganha é o ditador.

Para entender como é possível que uma Comissão que pretende apurar a verdade esteja, aparentemente, deixando de fora justamente o setor da sociedade que trabalhou com maior êxito e mais ostensivamente para a implantação do regime autoritário no Brasil dos anos 1960, o Blog da Cidadania recorreu ao presidente da Comissão Estadual da Verdade do Estado de São Paulo e da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa paulista, o deputado Adriano Diogo (PT-SP).

Leia abaixo, portanto, a entrevista que o deputado estadual em questão deu ao Blog da Cidadania nesta terça-feira, 19 de março de 2013.

—–

BLOG DA CIDADANIA – Deputado Adriano Diogo, bom dia. O senhor preside a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de São Paulo e a Comissão Estadual da Verdade que funciona naquela Casa, correto?

ADRIANO DIOGO – Sim, mas tenho que explicar que a Comissão Estadual da Verdade não é uma Comissão de Estado, é uma Comissão criada no âmbito da Assembleia Legislativa. Então, a partir da Assembleia Legislativa nós criamos a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo.

Não é um projeto de lei, é um projeto de resolução. É que a Comissão adquiriu tal dimensão que as pessoas acham que é do Estado de São Paulo, mas ela não teve apoio nenhum do governo do Estado. Nós trabalhamos, só os deputados, no âmbito da Assembleia Legislativa.

BLOG DA CIDADANIA – Deputado, a imprensa tem veiculado que a Comissão Nacional da Verdade está investigando a atuação de vários setores da sociedade durante a ditadura de uma forma colaborativa.

Haveria empresariado envolvido. Fala-se claramente na Folha, hoje, sobre a FIESP e há pouco [em off] o senhor me falou da relação de entidades e pessoas do futebol com a mesma ditadura, sobretudo do futebol paulista.

Mas há um setor, deputado, que teve uma intensa correlação com a ditadura e sobre o qual, até agora, não se falou nada.

Então, muito sucintamente, gostaria que o senhor dissesse como é que fica a atuação da imprensa, da grande imprensa no âmbito do golpe, naquele momento do golpe, e na posterior sustentação daquele golpe que grande parte da imprensa, da grande imprensa teve durante a ditadura e com a ditadura.

A gente sabe que vários meios de comunicação – imprensa escrita, imprensa eletrônica – tiveram relações com a ditadura e, até agora, não se falou nada disso na Comissão da Verdade. Isso não vai ser apurado?

ADRIANO DIOGO – O golpe foi dado com apoio total da imprensa. Total. O único jornal de grande circulação que ficou contra o golpe foi o jornal Última Hora. É claro que os Bloch [revista Manchete] foram muito cautelosos… Mas, na grande imprensa, o golpe foi alardeado e bancado, principalmente nos primeiros anos [da ditadura], por muitos setores da imprensa.

O Estadão e o Jornal da Tarde,  de apoiadores da ditadura, do golpe, de apoiadores do Ademar de Barros e da Marcha da Família com Deus pela Liberdade – que era um absurdo, era o golpe –,  acabaram atingidos pela censura.

O Estadão e O Globo foram jornais importantíssimos para a decretação do golpe e a sua sustentação, o que não significa que os jornalistas dessas empresas fossem golpistas. Foram os patrões deles.

Aquele jornal Shopping News ou City News, tinha um jornalista que escrevia artigos contra o Wladimir Herzog, contra o Sindicato dos Jornalistas e contra a TV Cultura. Pedia a cabeça do Wlado e de seus companheiros todo fim de semana em São Paulo. Pedia a prisão do Wlado.

Então, a atuação da imprensa [durante a ditadura] foi uma coisa cruel.

BLOG DA CIDADANIA – Então, deputado, mas o senhor me relata a atuação da imprensa nesse período que é, mais ou menos, uma coisa que todos conhecem. Mas na Comissão da Verdade, ao menos pelo que tem noticiado a imprensa, não se fala nada sobre apurar essa atuação da imprensa.

ADRIANO DIOGO – Bom, a atuação da Comissão Nacional da Verdade agora mudou de coordenador. Agora, assumiu a Comissão Nacional o diplomata Paulo Sergio Pinheiro.  Antes, era o ex-procurador-geral da República doutor Claudio Fonteles.

Possivelmente, agora eles vão mudar a técnica de abordagem. E eu acho que, uma hora, esse capítulo terá que ser abordado – sempre lembrando que uma coisa foi a imprensa, outra coisa foram certas empresas jornalísticas que emprestaram veículos [para a ditadura transportar presos políticos], [que estimularam] a repressão e tiveram um papel direto [na ditadura]. Um papel direto!

É evidente que essas questões vão ter que ser abordadas. Senão, a verdade nã será completa. Vai ser uma comissão de meia verdade. E não existe meia verdade.

Agora, tudo é um processo. Neste ano, no dia 31 de março, o golpe vai fazer 49 anos e nada – ou muito pouco – se sabe do golpe de 64. É um assunto proibido. É muito difícil dizer a verdade no país da mentira.

BLOG DA CIDADANIA – Então, deputado: é muito difícil dizer a verdade no país da mentira. Essa é a grande questão porque, neste momento, a gente vê a grande imprensa dizer que o seu partido, o PT, estaria querendo instalar a censura no Brasil através de posições do partido favoráveis à regulamentação dos meios de comunicação eletrônicos via um novo marco regulatório.

Nesse momento, não seria muito bom que uma Comissão que diz – ao menos diz – que procura a verdade mostrasse ao país qual foi o comportamento dessas empresas de comunicação que hoje estão falando em censura e acusando o seu partido de ser um partido de censores?

Minha pergunta, portanto, é se o senhor não tem nenhuma notícia de uma intenção sequer cogitada no âmbito da Comissão da Verdade sobre uma investigação da atuação da imprensa – ou de uma parte da imprensa – durante a ditadura.

ADRIANO DIOGO – Eu não disse isso. Eu disse que, até o presente momento, não foi abordado o papel da imprensa e das empresas jornalísticas. Eu não estou dizendo, com isso, que não vai ser abordado. Eu não falei isso.

BLOG DA CIDADANIA – Mas, até o momento, não foi?

ADRIANO DIOGO – Até o momento, pelo menos, [acho que] não foi. Mas a Comissão Nacional não divulga o conteúdo do material, dos depoimentos. Isso só vai ser feito através de relatório a ser publicado [ao fim dos trabalhos da Comissão da Verdade]. Até lá, nós [da Comissão Estadual] não temos acesso.

Mas eu garanto ao senhor o seguinte: na Comissão de São Paulo, tudo que estiver ao alcance, tudo que estiver documentado será apurado e divulgado.

Comento que até hoje não se sabe se o dia 1º de abril foi um dia depois do golpe ou o dia do golpe porque até isso os militares mudaram para não caracterizar o golpe como o golpe da mentira, porque o dia 1º de abril é o Dia da Mentira.

Tudo isso vai ser esclarecido porque vão ser abertos ao público todos os arquivos do Estado de São Paulo, o que será uma contribuição nossa – da nossa Comissão, de São Paulo. Faremos com que todos os arquivos do DOPS [Departamento de Ordem Política e Social, órgão repressor da ditadura], de todos os órgãos da repressão do Estado de São Paulo, sejam  abertos ao público no [próximo] dia 1º no Arquivo do Estado.

Assim, é evidente que o papel da imprensa, que passa por certas empresas jornalísticas, vai ser apurado.

O que eu estou tentando explicar é que a Comissão da Verdade não é uma Comissão Técnica, ela é uma Comissão do povo brasileiro. (…) Ela não pertence a um grupo de especialistas.

O que estou tentando dizer, portanto, é que a Comissão da verdade é como o movimento brasileiro de Anistia. Um grande movimento popular, em todo o Brasil, nas universidades, nos sindicatos, nos órgãos associativos dos arquitetos, dos engenheiros, dos advogados – como a OAB de São Paulo – para contar essa verdade.

Esse relatório não vai ser um documento que vai ficar numa prateleira. Terá que ser divulgada a participação de todos. Da Fiesp, das empresas jornalísticas, das empresas automobilísticas… Todo aquele que contribuiu com o golpe, como aconteceu na Alemanha nazista, terá que aparecer. O nosso holocausto não pode ser contado pela metade.

BLOG DA CIDADANIA – Pelo que entendo, então, deputado, o senhor não acredita que será possível excluir a imprensa dessa investigação. É isso?

ADRIANO DIOGO – Ninguém poderá ser excluído.

Tags: , , , , ,

77 Comentário

  1. QUE BONS VENTOS TORNEM VERDADEIRA A FALA DE ADRIANO DIOGO! AFINAL ATÉ AGORA NÃO VI EM NENHUMA COMISSÃO ESTADUAL DA VERDADE, E MUITO MENOS NA NACIONAL, QUE PARECE AGIR COM MEDO, A CORAGEM DE QUEBRAR O CINISMO DOS BARÕES DA MÍDIA E DENUNCIAR A PARTICIPAÇÃO DIRETA DA OLIGARQUIA MIDIÁTICA E DOS SEUS “JORNALISTAS” AMESTRADOS NA PREPARAÇÃO E MANUTENÇÃO DA DITADURA MILITAR; COMO TAMBÉM NA CUMPLICIDADE DIRETA COM OS CRIMES DOS MONSTROS DE FARDA, SEJA PARA ESCONDÊ-LOS COM MENTIRAS OU ATÉ MESMO PELA PARTICIÇÃO MATERIAL EFETIVA, COMO NO CASO DA NAZISTA FOLHA DE SÃO PAULO, QUE “EMPRESTOU” SEUS VEÍCULOS PARA OS ASSASSINOS DA OPERAÇÃO BANDEIRANTES USAREM-NOS NA PERSEGUIÇÃO E CAPTURA DOS HEROIS QUE RESISTIAM AOS GOLPISTAS. É bom também que esclareçamos algo : a ditadura não foi somente militar, foi civil-militar, já que foi apoiada financeira e ideologicamente pela classe dominante, suas empresas(incluindo-se a mídia), Bancos e obviamente pelo imperialismo estadunidense. Por sinal, esses pilantras não resolveram “saltar fora” da ditadura quando sentiram-na “perigosa” demais por supostamente atingí-los a certa altura dos acontecimentos : a ditadura JAMAIS atingiu a mídia conservadora, os casos esporádicos de censura do Estado de São Paulo, cinicamente propagados pelo jornal para vitimizar-se; deveram-se a uma briga de comadres entre os ditadores, uma vez que o jornalzinho paulista apoiava um determinado milico na sucessão do ditador de plantão(como diria Mino Carta)do momento, que se não me engano era Médici, o maior assassino da história deste país, e a sucessão foi vencida por outro, no caso Geisel, que em represália “censurou” o jornalzinho só por birra durante um ano, findo o qual os dois assassinos, o fardado e o midiático, fizeram as pazes e o jornalzinho pôde circular à vontade. Os barões da mídia só “abandonaram” a ditadura quando perceberam que ela estava desfazendo-se, que seu desgaste já era tal que seria muito melhor para os conservadores apoiarem o fim do regime para manterem-se no poder de outras formas(usando a televisão que já estava implantada no país inteiro), com a capa da Democracai. A força do episódio das Diretas Já, e outros eventos populares contra o regime, começavam a apavorar os fascistas, que assim “saíram” do regime para preservar seu poder. Esses e outros episódios precisam ser revelados aos brasileiros que, compreendendo o papel da mídia na ditadura, verão o quanto é cínico seus desejo de “proteger” a liberdade de expressão quanto tentam impedir a democratizzção das comunicações, que trará a verdadeira liberdade de expressão, a mesma que foi atacada por eles no passado, ao apoiarem e ajudarem a implantar a ditadura, e o é agora quando tentam calar as vozes daqueles que querem pluralizar a opinião e a informação.

  2. Valuable info. Lucky me I discovered your website by accident, and
    I am stunned why this coincidence didn’t came about in advance! I bookmarked it.

Trackbacks

  1. Comissão da Verdade (SP) vai atrás do Dr Roberto | Conversa Afiada

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.