Uma falsa unanimidade a menos

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Publicado, originalmente, em 15 de novembro de 2012 às 3:09

 

Se existisse uma réstia, um único miserável e isolado átomo de honestidade nessa imprensa mistificadora que temos no Brasil, todos os jornais, telejornais, rádios, blogs e sites corporativos que espalharam versões sobre “repúdio popular” ao ministro do Supremo Tribunal Federal Ricardo Lewandowski, a esta altura deveriam estar noticiando o contraponto disso, uma massa de quase quatro mil pessoas neste blog e mais de seis mil no Facebook que endossaram um manifesto de desagravo a ele pelas agressões e calúnias de que tem sido vítima, as quais, incessantemente, flertam com o crime contra a honra.

Por muito menos do que fizeram com esse homem de vida inatacável e notório e reconhecido saber jurídico, seu par naquela Suprema Corte, o ministro Gilmar Mendes, saiu processando meio mundo –  inclusive quem, ainda que acidamente, não mais do que meramente opinou em blogs.

Pois bem: aqui mesmo, neste blog, durante os últimos dias em que o manifesto de desagravo a Lewandoswki foi levado a cabo, algumas dezenas de pessoas, sob nomes e sobrenomes provavelmente falsos, fizeram graves ataques à honra do desagravado – todos deletados sem dó nem piedade. Ataques de um teor absurdo, injustos, irresponsáveis, os quais, espantosamente, sempre acabam repercutidos nos grandes meios de comunicação, como no dia do segundo turno das últimas eleições, quando a mídia, em bloco, relatou “manifestações de repúdio” ao ministro, como a de uma cidadã que teria dito sentir nojo dele, ou do mesário de sessão eleitoral que se recusou a lhe estender a mão ao ser cumprimentado.

Dessas manifestações isoladas de incivilidade, nasceram hordas de matérias na mídia tentando forjar uma impopularidade virtual que o ministro Lewandowski teria auferido ao se negar a condenar o “núcleo político” da ação penal 470, vulgo mensalão.

Até o último domingo, temia-se que Lewandowski fosse linchado na rua devido a tanta impopularidade de que estaria sendo alvo. Contudo, a partir de matéria publicada pela Folha de São Paulo naquele dia, matéria contendo entrevista do jurista alemão Claus Roxin, formulador da teoria jurídica do Domínio do Fato, como que pairou um sentimento de revolta entre os de boa fé, pois o mesmo Lewandowski, quando da votação das condenações daquele “núcleo político”, chegou a dizer, textualmente, que nem o próprio Roxin acolheria o uso que fizeram de sua teoria.

Era preciso, pois, uma reação decidida. Adotá-la, uma obrigação de qualquer cidadão. Razão pela qual este que escreve viu, ali, oportunidade de, mais uma vez, exercer a própria cidadania oferecendo a tantos indignados com a injustiça contra Lewandowski a chance de, por alguma maneira, saírem da impotência.

Aqui se propôs um manifesto de desagravo ao magistrado, do que decorreu apoio decidido de nomes da blogosfera como Luis Nassif, com uma belíssima crônica, ou como Paulo Henrique Amorim, com seu bom humor, ou mesmo como na crônica cáustica do Brasil 247. Eis que a blogosfera, ladeada por um exército de internautas, desconstruiu mais uma falsa unanimidade da direita midiática que pretendia vender Lewandowski como um homem desmoralizado que já vinha sendo apontado quase que como mais um réu do mensalão, em vez de julgador.

As milhares de pessoas que acorreram a este blog, entre as quais se destacam juristas, jornalistas, advogados, muitos estudantes de direito, vários alunos de Lewandowski, policiais militares, filósofos, médicos, pedreiros, comerciantes, donas de casa, além de amigos e familiares do ministro. E isso só para citar de cabeça alguns dos quais aqui estiveram para deixar a direita midiática com uma falsa unanimidade a menos em suas incontáveis estantes de fraudes do gênero.

Não foi, entretanto, sem custo que se fez o que se fez aqui nesta página. O afluxo impressionante de pessoas para apoiar esse magistrado revoltantemente injustiçado por ter simplesmente feito justiça como melhor sabe fazer, ou seja, em defesa do Estado de Direito e com o rigor em cada milímetro exigível, quando necessário, isso gerou acesso de milhares de pessoas simultaneamente ao Blog para postarem mensagens de apoio ao magistrado injustiçado, o que elevou a exigência da memória virtual que mantém a página no ar de 8 gigabites para quase o triplo, 22 gigabites.

Enquanto isso, eu fora do país a trabalho e o taxímetro do servidor de hospedagem do blog girando a todo vapor – quem entende de informática sabe quanto os servidores cobram para manter uma página no ar. Assim, apesar das dificuldades que se tem para manter no ar uma página sem receita como esta, não havia que considerar custo outro que o de violar a democracia em um processo fascista que condena primeiro e pergunta depois.

O maior custo, porém, não foi financeiro. A página saindo do ar gerou-me uma angústia que só foi sanada ao custo de não pensar em custos meramente monetários, mas nos custos para a democracia. As horas que a página não pôde funcionar, portanto, não desagradaram só aos que se queixaram, mas angustiaram duramente a este cujo único objetivo, desde que criou este blog, sempre foi o de estimular cada brasileiro a exercer a própria cidadania não se omitindo diante da injustiça, pois quem se omite diante dela se torna, ele mesmo, seu cúmplice.

O custo do gigabite anda caro na praça? O custo da injustiça é muito maior. Foi assim que, no Blog da Cidadania, mais uma vez foi possível provar que cada cidadão é uma usina de recursos para combater o que está errado, contanto que não se omita. Deste que escreve, portanto, todos podem ter certeza de que esse comportamento nunca partirá, pois já estamos muito perto de tornar o Brasil um país decente. Se os de esquerda não desistimos nem durante a ditadura, quando nos açoitavam a carne e o espírito, não seria agora que lhes entregaríamos tal vitória.

Fizemos justiça a um justo, neste blog. E ainda puxamos o tapete de mais uma falsa unanimidade destro-midiática. Não há dinheiro, nesta galáxia, que pague por isso.

***

PS: o manifesto do Blog da Cidadania em desagravo ao doutor Ricardo Lewandowski será entregue a ele proximamente. E a entrega será comentada aqui.

 

Tags: , , , , ,

310 Comentário

  1. Parabéns pela corojosa atitude de remar contra a maré, da PIG reacionária, antidemocratica, arrogante e retrograda!
    Não faça Cerra, faça amor!

  2. Que todos e todas nós, estejamos de bagagem pronta para passar uma temporada na cadeia. Eu, por exemplo, estou deveras preocupada, afinal, seguido o raciocínio do STF, eu poderei ser condenada até por ter um vizinho ou um familiar criminoso. Se para o STF é certo que uma pessoa tem domínio sobre tudo que acontece ao seu redor, então seria absurdo admitir que um pai ou uma mãe desconheça o envolvimento de um filho ou filha em ilícitos de quaisquer tipos. Proponho que, doravante, incluamos em nossas orações: “Do julgamento do STF, livrai-nos Senhor! Amém!”.

  3. Estou aqui aplaudindo de pé tudo o que foi dito. Espero que o ministro ouça os aplausos de milhares e esqueça dos carneirinhos, eles acordam, um dia!!!

  4. Se pudesse votar naqueles certames que elegem as mais destacadas personalidades do ano, certamente o ministro Ricardo Lewandowski teria o meu voto. É preciso muita força e dignidade para ir na contramão do Bloco dos Contentes, como ele foi. “Como é difícil tornar-se herói, só quem tentou sabe como dói, vencer Satã só com orações”, como disse o grande Aldir Blanc. Parabéns Ministro !!

  5. Parabéns pela iniciativa deste blog. Isto faz nossos dias melhores. Respiramos!

  6. O STF não tem direito à última palavra e, muito menos, à única palavra. O direito de recorrer a outra instância é inviolável. Do contrário seria tirania. tirania do Supremo. essa tirania pode ser exercida por apenas seis(6) ministros, já que esse número forma a maioria. às vezes cinco ministros formam a maioria. Não podemos ficar nas mãos desses julgadores, muitos deles desqualificados para a missão de julgar crimes, já que advindos da advocacia, da Justiça do Trabalho ou do próprio Ministério Público, órgão que na realidade é composto de advogados que gostam mesmo é de acusar. Conheci um juiz de direito que queria proferir mil anos de condenação para se equiparar a Pelé que fez mil gol. Ademais, condenar a uma longa pena de prisão equivale a condenar a pena de morte. O próprio Min. da Justiça disse que prefere morrer a ir para a prisão face o estado precário das nossas penitenciárias. Isso teria que ser levado em consideração pelos senhores ministros já que entre nós vige o princípio da dignidade humana. Justiça se faz com generosidade, não com o ódio demonstrado pelo Relator e incentivado pelo PIG.

  7. Parabéns pela iniciativa – firmeza e convicção. Continuamos juntos …

  8. “Enquanto a maioria dos ministros do STF condenou José Dirceu sem provas, sem a presunção da inocência, sem direito à dupla jurisdição e sem que constasse uma mínima razão nos Autos da Ação Penal 470; a 5ª. Vara Criminal do TJDF expede alvará de soltura, libertando o contraventor Carlinhos Cachoeira. Dá para se aceitar isso passivamente ???!!!”

  9. Parabéns, amigo, pela brilhante iniciativa.

Trackbacks

  1. Manifesto pró-Lewandowski desconstrói a unanimidade | Conversa Afiada

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.