Joaquim Barbosa, nosso Maquiavel

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Aproveitemos o interlúdio entre o fim do primeiro turno e o começo do segundo para analisar episódio que furtou ânimo de comentá-lo aos dois lados da guerra política entre centro-esquerda e centro-direita que o Brasil vem travando desde a última década do século passado. Refiro-me à recente entrevista do ministro Joaquim Barbosa à Folha de São Paulo.

Uma observação antes de prosseguir: se você não leu essa entrevista, não está bem informado sobre política. De qualquer forma, reproduzo o material ao fim do post.

Quem leu a entrevista, sabe a que me refiro. Barbosa conseguiu, em uma tacada só, fazer como o ex-presidente Fernando Collor quando confiscou a poupança dos brasileiros lá em 1990, deixando a esquerda perplexa e a direita indignada – ainda que, com o relator do mensalão, possa ser o contrário…

Ou não, porque talvez o novo “herói” da mídia tenha deixado esquerda e direita, simultaneamente, tão perplexas quanto indignadas.

Não deixa de ser alentador que alguém como Barbosa demonstre inteligência tão brilhante em um momento em que, como em 2010, o racismo, o preconceito e a hipocrisia afloram por ação do acirramento da guerra político-ideológica que, a partir deste momento, travará sua batalha mais renhida na Capital Bandeirante.

Barbosa desmonta teorias que a mesma ultradireita nazifascista que saiu da toca em 2010 volta a espalhar sobre negros e nordestinos. Inclusive, escrevo logo após ter visitado um site de evidente teor neonazista – ainda que não aluda a esse movimento degenerado – e que tece teorias malucas sobre inferioridade intelectual e comportamental dos negros.

Outra observação: se algum membro do Ministério Público ou qualquer outra autoridade competente vier a ler este post, para conhecer o tal site racista basta clicar aqui.

Essa teoria pervertida se torna ainda mais delirante quando se vê alguém como Joaquim Barbosa, o garoto pobre, filho de pedreiro, que se tornou uma sumidade do Direito e um dos brasileiros mais cultos do cenário público.

Não é por outra razão que sou daqueles que tentam se conter diante do desempenho decepcionante que esse vencedor, essa verdadeira sumidade intelectual, esse guerreiro destemido está tendo em relação à parcela dos réus do julgamento do mensalão cuja presunção de culpa continua amparada em mera subjetividade, ainda que a parcela maior desses réus tenha culpa que esta página jamais negou por sempre ter dito que, nesse processo, há inocentes e culpados.

Preocupa-me, entretanto, muita coisa que tenho lido sobre Barbosa nas redes sociais. Em alguns momentos, a indignação (justa) com a fúria condenatória indiscriminada de Barbosa descamba para a seara do preconceito, de forma que sugiro a quem esteja criticando o relator do mensalão que pense no que vai dizer antes de criticá-lo.

Mas o que foi que esse homem intrigante disse à Folha para merecer análise tão cuidadosa? Como foi que ele deixou os dois lados (mídia tucana, PSDB, PT e militância petista) tão cheios de dedos diante de suas palavras?

Barbosa conseguiu provar que não faz o que faz por medo da mídia. Surpreendeu o jornal que, desavisado, deu-lhe espaço: declarou que a imprensa adota “dois pesos e duas medidas” ao se referir a escândalos de corrupção petistas e tucanos e declarou que, após analisar todo o inquérito do mensalão, votou em Dilma Rousseff.

E que, mais importante, antes votara duas vezes em Lula, a quem encheu de elogios.

Barbosa, pois, mandou um recado aos amiguinhos oficiosos do tal site neonazista. Agora, sabem que não devem contar consigo para envolver Lula no mensalão 2 com o qual andam sonhando.

Todavia, agindo assim Barbosa adquiriu certa respeitabilidade para sua fúria condenatória, a qual este blog jamais atribuiu ao medo da mídia que assola seus pares e que não afeta a si, como fica sobejamente provado pela entrevista que deu, sendo sua motivação, na opinião do blogueiro, absolutamente personalista, revelando desejo de se projetar no cenário político nacional.

Com a entrevista desconcertante que deu, entretanto, Barbosa, sabiamente, afastou-se de grupos midiáticos de ultradireita como a revista Veja, que tem em seu quadro societário um grupo empresarial sul-africano, o grupo Naspers, estreitamente vinculado ao Partido Nacional, que legalizou o regime do Apartheid na África do Sul.

Sábia decisão de Barbosa, que apareceu na última capa da Veja como “super-herói” das elites brancas brasileiras. Afinal, o último “herói” dessa publicação, o “mosqueteiro da ética” Demóstenes Torres, não colheu bons frutos de sua aliança com ela…

Não posso, por essas e por outras razões, deixar de me encantar com a inteligência privilegiada de Joaquim Barbosa. Estou me divertindo com o “silêncio” ensurdecedor da mídia golpista (inclusive da própria Folha) diante da acusação de ser tucana que seu “herói” lhe fez do alto da isenção que seu comportamento ao julgar o mensalão lhe confere.

A verdade sobre esse personagem interessantíssimo que é Joaquim Barbosa? Fica difícil decretar “verdades” sobre personalidade tão complexa, mas o que se pode dizer é que sua inteligência, sua coragem e seu maquiavelismo o credenciam para altos voos políticos. Só não posso garantir que venha a votar nele um dia…

***

Leia, abaixo, a entrevista do ministro do STF Joaquim Barbosa à Folha de São Paulo

FOLHA DE SÃO PAULO

7 de outubro de 2012

Joaquim, o anti-herói

 Relator do mensalão revela voto em Lula e Dilma, diz que a imprensa trata escândalos com dois pesos e duas medidas e que o racismo está estampado na TV.

MÔNICA BERGAMO

COLUNISTA DA FOLHA

O “dia mais chocante” da vida de Joaquim Benedito Barbosa Gomes, 57, segundo ele mesmo, foi 7 de maio de 2003, quando entrou no Palácio do Planalto para ser indicado ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A ocasião era especial: ele seria o primeiro negro a ser nomeado para o tribunal.

“Eu já cheguei na presença de José Dirceu [então ministro da Casa Civil], José Genoino [então presidente do PT], aquela turma toda, para o anúncio oficial. Sempre tive vida reservada. Vi aquele mar de câmeras, flashes…”, relembrava ele em seu gabinete na terça-feira, 2.

No dia seguinte à entrevista com a Folha, e nove anos depois da data memorável de sua nomeação, Joaquim Barbosa condenou Dirceu e Genoino por corrupção.

Para conversar com o jornal, impôs uma condição: não falar sobre o processo, ainda em andamento no STF.

O TELEFONE TOCA

Barbosa diz que foi Frei Betto, que o conhecia por terem participado do conselho de ONGs, que fez seu currículo “andar” no governo.

“Eu passava temporada na Universidade da Califórnia, Los Angeles. Encontrei Frei Betto casualmente nas férias, no Brasil. Trocamos cartões. Um belo dia, recebo e-mail me convidando para uma conversa com [o então ministro da Justiça] Márcio Thomaz Bastos em Brasília.” Guarda a mensagem até hoje.

“Vi o Lula pela primeira vez no dia do anúncio da minha posse. Não falei antes, nem por telefone. Nunca, nunca.”

Por pouco, não faltou à própria cerimônia. “Veja como esse pessoal é atrapalhado: eles perderam o meu telefone [gargalhadas].”

Dias antes, tinha sido entrevistado por Thomaz Bastos. “E desapareci, na moita.” Isso para evitar bombardeio de candidatos à mesma vaga.

“Na hora de me chamar para ir ao Planalto, não tinham o meu contato.” Uma amiga do governo conseguiu encontrá-lo. “Corre que os caras vão fazer o seu anúncio hoje!”

Depois, continuou distante de Lula. Não foi procurado nem mesmo nos momentos cruciais do mensalão. “Nunca, nem pelo Lula nem pela [presidente] Dilma [Rousseff]. Isso é importante. Porque a tradição no Brasil é a pressão. Mas eu também não dou espaço, né?”

O ministro votou em Leonel Brizola (PDT) para presidente no primeiro turno da eleição de 1989. E depois em Lula, contra Collor. Votou em Lula de novo em 2002.

“Vou te confidenciar uma coisa, que o Lula talvez não saiba: devo ter sido um dos primeiros brasileiros a falar no exterior, em Los Angeles, do que viria a ser o governo dele. Havia pânico. Num seminário, desmistifiquei: ‘Lula é um democrata, de um partido estabelecido. As credenciais democráticas dele são perfeitas’.”

O escândalo do mensalão não influenciou seu voto: em 2006, já como relator do processo, escolheu novamente o candidato Lula, que concorria à reeleição.

“Eu não me arrependo dos votos, não. As mudanças e avanços no Brasil nos últimos dez anos são inegáveis. Em 2010, votei na Dilma.”

DE LADO

No plenário do STF, a situação muda. Barbosa diz que “um magistrado tem deveres a cumprir” e que a sociedade espera do juiz “imparcialidade e equidistância em relação a grupos e organizações”.

Sua trajetória ajuda. “Nunca fiz política. Estudei direito na Universidade de Brasília de 75 a 82, na época do regime militar. Havia movimentos significativos. Mas estive à parte. Sempre entendi que filiação partidária ou a grupos, movimentos, só serve para tirar a sua liberdade de dizer o que pensa.”

VENCEDOR E VENCIDO

Barbosa gosta de dizer que não tem “agenda”. Em 2007, relatou processo contra Paulo Maluf (PP-SP). Delfim Netto não era encontrado para depor como testemunha. Barbosa propôs que o processo continuasse. Foi voto vencido no STF. O caso prescreveu.

No mesmo ano, relatou processo em que o deputado Ronaldo Cunha Lima (PSDB-PB) era acusado de tentativa de homicídio. O réu renunciou ao mandato e perdeu o foro privilegiado. Barbosa defendeu que fosse julgado mesmo assim. Foi voto vencido no STF.

Em 2009, como relator do mensalão do PSDB, propôs que a corte acolhesse denúncia contra o ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo. Quase foi voto vencido no STF -ganhou por 5 a 3, com três ministros ausentes.

Dois anos antes, relator do mensalão do PT, propôs que a corte acolhesse denúncia contra José Dirceu e outros 37 réus. Ganhou por 9 a 1.

NOVELA RACISTA

Barbosa já disse que a imprensa “nunca deu bola para o mensalão mineiro”, ao contrário do que faz com o do PT. “São dois pesos e duas medidas”, afirma.

A exposição na mídia não o impede de fazer críticas até mais ácidas.

“A imprensa brasileira é toda ela branca, conservadora. O empresariado, idem”, diz. “Todas as engrenagens de comando no Brasil estão nas mãos de pessoas brancas e conservadoras.”

O racismo se manifesta em “piadas, agressões mesmo”. “O Brasil ainda não é politicamente correto. Uma pessoa com o mínimo de sensibilidade liga a TV e vê o racismo estampado aí nas novelas.”

Já discutiu com vários colegas do STF. Mas diz que polêmicas “são muito menos reportadas, e meio que abafadas, quando se trata de brigas entre ministros brancos”.

“O racismo parte da premissa de que alguém é superior. O negro é sempre inferior. E dessa pessoa não se admite sequer que ela abra a boca. ‘Ele é maluco, é um briguento’. No meu caso, como não sou de abaixar a crista em hipótese alguma…”

Barbosa, que já escreveu um livro sobre ações afirmativas nos EUA, diz que o racismo apareceu em sua “infância, adolescência, na maturidade e aparece agora”.

Há 30 anos, já formado em direito e trabalhando no Itamaraty como oficial de chancelaria -chegou a passar temporada na embaixada da Finlândia-, prestou concurso para diplomata. Passou. Foi barrado na entrevista.

DE IGUAL PARA IGUAL

É o primeiro filho dos oito que o pai, Joaquim, e a mãe, Benedita, tiveram (por isso se chama Joaquim Benedito).

Em Paracatu, no interior de Minas, “Joca” teve uma infância “de pobre do interior, com área verde para brincar, muito rio para nadar, muita diversão”. Era tímido e fechado.

A mãe era dona de casa. O pai era pedreiro. “Mas ele era aquele cara que não se submetia. Tinha temperamento duro, falava de igual para igual com os patrões. Tanto é que veio trabalhar em Brasília, na construção, mas se desentendeu com o chefe e foi embora”, lembra Joaquim.

O pai vendeu a casa em que morava com a família e comprou um caminhão. Chegou a ter 15 empregados no boom econômico dos anos 70. “E levava a garotada para trabalhar.” Entre eles, o próprio Joaquim, então com 10 anos.

RUMO A BRASILIA

No começo da década, Barbosa se mudou para a casa de uma tia na cidade do Gama, no entorno de Brasília.

Cursou direito, trabalhou na composição gráfica de jornais, no Itamaraty. Ingressou por concurso no Ministério Público Federal.

Tirou licenças para fazer doutorado na Universidade de Paris-II. E passou períodos em universidades dos EUA como acadêmico visitante. Fala francês, inglês e alemão.

Hoje, Barbosa fica a maior parte do tempo em Brasília, onde moram a mãe, os sete irmãos e os sobrinhos. O pai já morreu. Benedita é evangélica e “superpopular”. Em seu aniversário de 76 anos, juntou mais de 500 pessoas.

O ministro tem também um apartamento no Leblon, no Rio, cidade onde vive seu único filho, Felipe, 26. Se separou há pouco de uma companheira depois de 12 anos de relacionamento.

PÚBLICO

A Folha pergunta se Barbosa não tem o “cacoete da condenação” por ter feito carreira no Ministério Público, a quem cabe formular a acusação contra réus.

“De jeito nenhum. O que eu tenho do MP é esse espírito de preocupação com a coisa pública. Mesmo porque não morro de amores por direito penal. Sou especialista em direito público.”

DEVER

Nega que tenha certa aversão por advogados [ver página ao lado]. E nega também que tenha prazer em condenar, sem qualquer tipo de piedade em relação à pessoa que perderá a liberdade.

“É uma decisão muito dura. Mas é também um dever.”

“O problema é que no Brasil não se condena”, diz. “Estou no tribunal há sete anos, e esta é a segunda vez que temos que condenar. Então esse ato, para mim e para boa parte dos ministros do STF, ainda é muito recente.”

Diante de centenas de grandes escândalos de corrupção no Brasil, e de só o mensalão do PT ter chegado ao final, é possível desconfiar que a máquina de investigação e punição só funcionou para este caso e agora será novamente desligada?

“Não acredito”, diz Barbosa. “Haverá uma vigilância e uma cobrança maior do Supremo. Este julgamento tem potencial para proporcionar mudanças de cultura, política, jurídica. alguma mudança certamente virá.”

MEQUETREFE

O caso Collor, por exemplo, em que centenas de empresas foram acusadas de pagar propina para o tesoureiro do ex-presidente, chegou “desidratado” ao STF, diz o ministro. “Tinha um ex-presidente fora do jogo completamente. E, além dele, o quê? O PC, que era um mequetrefe.”

O país estava “mais próximo do período da ditadura” e o Ministério Público tinha recém-conquistado autonomia, com a Constituição de 1988. Até 2001, parlamentares só eram processados no STF quando a Câmara autorizava. “Tudo é paulatino. Mas vivemos hoje num país diferente.”

PONTO FINAL

Desde o começo do julgamento do mensalão, o ministro usa um escapulário pendurado no pescoço. “Presente de uma amiga”, afirma.

Depois de flagrado cochilando nas primeiras sessões, passou a tomar guaraná em pó no começo da tarde.

Diz que não gosta de ser tratado como “herói” do julgamento. “Isso aí é consequência da falta de referências positivas no país. Daí a necessidade de se encontrar um herói. Mesmo que seja um anti-herói, como eu.”

Tags: , , , , , , ,

214 Comentário

  1. Gostei bastante da análise!

    extremamente pertinente!

    ps. JB é sim uma fonte de inspiração para toda uma nova geração.
    Pero, dou graças por ser de uma geração um pouco anterior…. e minhas inspirações são outras!

  2. Não vou fechar minha opinião sobre BARBOSA e nem cerrar-lhe fileiras. Aliás, já coloquei muito a minha mão no fogo por outros na vida, resultou que hoje tenho muitas cicatrizes, feridas profundas.

    Sei SIM que ele esta sendo usado pelo direita, e sendo perseguido por RACISTAS de ESQUERDA ..dos mesmos que até bem pouco defendiam as cotas eugenistas ..daqueles que dizem agora que ele mesmo estaria no STF como COTISTA ..que estaria lá por favor e demagogia, que seria um despreparado ..ou de outros que se atreveram a classificá-lo como CAPITÃO DO MATO ..que horror !!!!

    EVIDENTE que falta muito, mas muito mesmo pra eu acreditar neste STF ..aliás, penso mesmo que estamos MUITO LONGE de o termos como justo.

    Agora, nem tudo é culpa dos MORCEGÕES TOGADOS, basta pra tanto observarmos o empenho e contribuição jurídica, institucional e LEGAL que os poderes EXECUTIVO e LEGISLATIVO vem fazendo para que muitas das nossas mazelas, torneiras e janelas jurídicas se fechem para o DINHEIRO, para os direitos ABJETOS e pras inúmeras data vênias protelatórias corporativas ..quase NADA, a bem da verdade

    PENSO que o PESSOAL aqui esta magoado e aturdido com o tal MENSALÃO ..por se sentirem injustiçados, não propriamente pelos CRIMES cometidos pelos amigos, e IRREFUTÁVEIS, mas mais por muitos dos seus terem sido até agora os UNICOS punidos (o que é verdade) ..”unicos” neste MAR DE LAMA em que nos meteram.

    Triste, mas penso que é normal …assim como seria normal se viessem aqui amanha, de cabeça fria e dissessem:

    -Mas afinal, eu confiei e acreditei tanto em vocês, meus líderes. Porque afinal vocês, diante da adversidade, vocês NÃO NOS CHAMARAM ? Não denunciaram, não gritaram pro mundo e pra sua gente, pra esta gente que lhes deu VOZ, poder e VOTO ?

    -Porque afinal vocês assinaram a carta? Porque não apuraram, denunciaram e processaram os crimes que tanto anunciavam e dos quais ainda hoje falam ? Porque cederam tanto e escolheram o caminho aparentemente mais fácil ?

    MEU DEUS, líderes, porque vocês resolveram alimentar aqueles PORCOS chantagistas e fisiológicos ao invés de vingarem o seu povo !!??

    http://www.youtube.com/watch?v=yUYEkrBfDrA

    • Rma, só uma coisa: se é racista, JAMAIS É DE ESQUERDA é, no mínimo, UM DIREITA INFILTRADO como nos velhos tempos da redentora!!

  3. Olhando para a cara de joaquimzão é impossível não perceber a incrível semelhança com o Papa Doc. Será apenas coincidência?

  4. Joaquim Barbosa é um hipócrita.

  5. Já eu, garanto que nunca vou votar nele, nem para derrotar Serra. Às mulheres ele não engana.

  6. O PIG achou que, afagar o ego do Ministro Joaquim Barbosa iria cooptá-lo para, também, ser utilizado conforme interesse e conveniência deles. Tentaram fazer como a elite empresarial e política dos EUA fizeram com o, também negro e brilhante, Obama.

    Pelo visto, me sinto surpreso e aliviado, não deu certo. Ao contrário de Obama, Barbosa não demonstrou ser elitista, vaidoso e o melhor, demonstrou na entrevista concedida a Folha de São Paulo, não ter vocação para ser fantoche nem ventríloquo da imprensa conservadora.

    Parabéns Ministro!!

    • Ele não é bobo, tem de legitimar sua ação se fazendo passar por neutro, daí faz o sacrifício supremo de dizer que sempre votou na esquerda, embora suas posturas sejam de uma direita até extremada. Às mulheres ele não engana, não gostamos de homens que espancam mulheres.

      • NinaRita: Concordo contigo, esta imprensa não dá ponto sem nó, Logo a Folha de S.P. não iria atirar no próprio pé justamente na véspera de uma eleição onde concorre o seu predileto Cerra. Aliás ao meu ver esta entrevista faz parte da engenharia de desmoralização do PT e seus membros, aplicando uma espécie de antídoto contra as críticas da parcialidade da FSP e também da postura do J.B., Como?: O primeiro divulgando uma entrevista onde o personagem entrevistado critica a própria imprensa, portanto demostramos nossa imparcialidade e espirito democrático aceitando inclusive críticas ao nosso próprio meio; 2º Re(apresenta) J.B. como também um magistrado livre de apegos ideológicos partidário e focado em seu ofício, com um curriculo imparcial, que lhe confere portanto legitimidade para as suas ações e posições atuais. Até votou no Lula e Dilma, rechaçando qualquer identidade Tucana. Portanto esta “entrevista” tem como ao meu ver dar uma “polida” nas imagens tanto da imprensa, quanto do próprio J.B. que ao cabo e quantificando sua atuação, nos fáz fazer os seguintes questionários. Se então sua visão de ofício é focado na justiça então a presunção de inocência deveria prevalecer em seu julgamento? Se há desprendimento partidário, então pq. o julgamento do PT foi pautado antes da ação penal do PSDB? Se ele intende e reconhece a utilização politico partidária da Ação 470, entáo pq. age mais como promotor do que como relator? sabendo das implicações que isto causaria. Ah!!! isto demonstra independência. Então que se espera-se um julgamento focado nos autos em que o próprio procurado diz não ter provas cabais para condenação. Oras Bolas, se não tem provas, então não há acusação, e isto é um preceito universal do direito da pessoa humana. Não Senhor JB? Já a Folha sé está querendo dar uma limpadinha em sua imagem.

        • E tem mais uma coisa em desfavor dessa pessoa Marco Antonio, você se lembra que ele, estrategicamente, safou-e de votar no julgamento dos torturadores da ditadura ? Pois é, infelizmente, este politizado senhor teve que ausentar-se, apresentando atestado médico, por seus problemas de coluna. Assim, não ficamos sabendo qual seria seu voto.

          • NinaRita. Mais uma vez bem lembrada, concordo plenamente. Mas pode ter certeza que a sua utilização pela extrema direita da elite midiática tem prazo de validade, e vai até as vésperas da próxima eleição. Onde independentemente da vitoria ou não de Cerra em SP, estes reacionários conservadores irão lança-lo a Presidência, para segundo palavras de Cerra Salvar o País dos Petistas, que este Senhor togado ajudou a “tentar” estigmatizar. Infelizmente para min que sou Negro, e que até pouco via no JB uma referencia para muitos garotos e garotas a possibilidade de ascensão profissional e social, Hoje lamento que com esta postura altamente rancorosa e reacionária me dá a nítida noção que infelizmente a velha máxima que se quiser saber do caráter de uma pessoa lhe dê poder, e com as atitudes deste senhor ele de uma forma extremamente nociva realimenta a segregação social que tanto é profunda em nosso País potencializando e dando eco ao rancor e ódio que as elites tem contra as camadas menos favorecidas da sociedade da qual ele Um Dia Fez Parte.
            Senhor JB. se seu ego é massageado quando é aplaudido em restaurantes da Elite Branca e conservadora, pode ter certeza, que os mesmos que o aplaudem são os mesmos que mantem nossa Raça Negra confinada nos Guetos.

          • Nina, já prá essa farsa em que é o relator(sic)/condenador, se retorce todo na cadeira e traca varias vezes, mas está sempre presente e condenando!!! Para mim sempre afirmei e vou continuar afirmando: É UM POÇO DE RECALQUE!!! Ele acha que o mundo tem culpa dele ter nascido PRETO, POBRE E … Braga

    • Se esse cara não é vaidoso eu soa São Francisco.

    • Não tenho tanta certeza disso, veremos como se comportará nos próximos julgamentos, a ver pois.

  7. Essa história de ter votado no PT não convence e não o redime do tratamento profundamente desigual dado aos partidos na época da eleiçao. Afora isso, a desumanidade, a virulência, o autoritarismo e e rigidez de seu voto me assustaram. Não sei com que tipo de ser humano estamos lidando. Deus me livre desse personagem.

  8. Edu, não concordo totalmente com seu artigo sobre o Ministro Joaquim Barbosa, na medida em que não me parece que a entrevista concedida à Folha SP tenha material para causar perplexidade à direita ou à esquerda. Parece-me isto sim, como aliás alguém já postou nos comentários, que o Ministro está simplesmente fazendo uma média para tentar ganhar alguma respeitabilidade na esquerda, onde sua imagem está bastante danificada.
    Aliás, à direita creio que pouco importa em quem ele votou, conquanto possam contar com ele para fazer o papel de acusador-mor dos políticos de esquerda. Nada melhor que alguém que “votou na esquerda”, certo? Melhor ainda se for um menino pobre que “mudou o Brasil”. Na hora certa, que não demora, vão descartá-lo sem dó.
    Fosse realmente “de esquerda” Barbosa teria perdido excelente oportunidade para pr os pingos nos “is” e trazer a baila a questão da reforma política-eleitoral, única medida capaz de reduzir a proliferação dos mensalões.
    Mas Barbosa não perde oportunidade para criminalizar a política e os políticos, num jogo de claro interesse da direita. A quem mais interessa criminalizar o processo político num momento em que um governo de esquerda tem amplo sucesso e o processo eleitoral consagra este caminho?
    A atuação de Barbosa no julgamento é tão convincente (e conveniente), que a “linha dura” da direita no STF – Celso de Mello, Gilmar e Marco Aurélio, pouco precisa se expor.
    Por mais que Barbosa tenha cacoete de acusador é difícil de acreditar que ele não tenha consciência do ambiente excepcional de absoluta pressão condenatória e do claro prejuízo de valores usualmente sagrados como o da presunção de inocência e do “in dubio pro reu”, constantes desde o começo deste julgamento.
    Assim, condenados os réus, condenado também estará o Ministro JB a responder, pelo resto de sua vida porque compactuou e, mais do que isso, foi peça central decisiva em um julgamento de exceção, claramente orquestrado pelas elites mais reacionárias e seu braço midiático, com propósito de criminalizar o legítimo e mais bem sucedido governo popular na história deste País.
    (Para completar, o Ministro JB acaba de abrir mão da relatoria do caso do Mensalão Mineiro-Tucano, o qual, com esta sua decisão, provavelmente vai ficar para as calendas…)
    Para muitos, Barbosa é o grande herói do momento, e Dirceu o grande vilão.
    Vamos ver como a vida e a história vão julgá-los. Quem viver verá.
    Ainda sobre Barbosa, anexo links para artigo do Prof. Ramatis Jacino, presidente do INSPIR – Instituto Sindical Interamericano pela Igualdade Racial – “O Sonho do Ministro Joaquim Barbosa”
    Vale a pena dar uma olhada, no artigo e nos sites.
    abs

    No site do Afropress:
    http://www.afropress.com/colunistasLer.asp?id=1014

    No site do Inspir:
    http://www.inspir.org.br/site/?p=3269

    • Concordo plenamente com seu comentário e com as considerações do Dr. Jacino. O futuro mostrará, inlcusive a ministro JB, o equivoco das suas escolhas.

  9. Eduardo, acessei o site racista que você apontou: como é possível um absurdo tão grande? É simplesmente abjeto! E criminoso!!!
    Deve ser retirado o quanto antes e o autor responder criminalmente. Não dá pra encaminhar pro M.P. cobrando providências?

  10. Ô Eduardo ,ai não tem nenhum maquiavel, JB ainda não sabe que é boi de piranha, mas,mas, vai chegar o tempo em que ele vai entender o que é direita, elite branca mídia corrupta e etc……………………………………..
    E vai dormir e acordar ,com pesadelos, lembrando do que ele fez com Genoino e Dirceu.
    É questão de tempo e ele vai tomar um choque de realidade.

  11. Eduardo;

    Não sei no que você se baseia para elogiar a inteligência do Joaquim Barbosa, até o momento acompanhando algumas sessões do STF, declarações a imprensa, etc etc nada leva a concluir que ele tenha uma inteligência brilhante.

    Muito pelo contrário ele teve vários anos para fazer a redação do Processo 470, ele e todo o conjunto de assessores. Tenho a certeza de que não faltou tempo nem recursos, e o relatório dele foi totalmente chupado do relatório, fraquíssimo, da PGR. Nada acrescentou, não buscou sequer melhorar os inúmeros pontos falhos daquele relatório.

    A apresentação foi sofrível, com uma leitura sem pontuação e quando ousava explicar algum ponto, conseguia se complicar ainda mais. Os inúmeros apartes que fazia principalmente ao Ministro Lewandowiski eram cheios de prepotência e mesmo ódio, além das argumentações infundadas.

    Po! sete anos para produzir aquilo e ainda ser considerado possuidor de uma inteligência e formação privilegiada???

    O dito senhor sequer tem uma inteligência mediana, é mal preparado ou tem graves desvios de formação e a sua agressividade além de demonstrar desequilíbrio, deixa claro sua insegurança e complexo de inferioridade.

    De qual prova ou testemunha permitiu a ele dizer “O PT tem um projeto de ser perpetuar no poder ” isto foi repetido pelo gilmar (com o perdão da palavra) e pelo o honestíssimo presidente C A BRITO ( aquele que tem o genro como empresário, que vende suas ausências por R$ 4 milhões).

    A História lembrará sempre este infeliz episódio pelo qual estamos passamos.

    sds

    José Tadeu

  12. É incorruptível, duro e de extração popular. apoiou o Lula e a Dilma (ou seja tem um grande senso social). Em resumo, é o presidente que precisamos. Mais óbvio impossível.

    • Não sei o que é “extração popular”, mas, posso assegurar, presidente das mulheres ele não será. Só se for o presidente dOs brasileiros, mesmo assim, dos brasileiros que apóiam homens que espancam mulheres.

  13. Existe no momento uma grande convulsão social.
    Parecida com aquela que aconteceu quando LULA foi eleito.
    Os trabalhistas comemoravam sem medidas, e a elite destilava veneno e racismo até dentro das Igrejas.
    No momento, acontece o contrário. A Elite racista, separatista, golpista, está em êxtase, enquanto os trabalhistas choram o leite derramado. O PT ficou deitado em berço explêndido. Com mêdo da Globo e do PIG em geral. Agora, foi engolido pela própria Globo, que sem dúvida transformou o Supremo em cabo eleitoral. Barbosa foi proclamado hoje, Presidente do STF. Antes, ganhou da Veja, uma carinho. Um busto em sua Capa. Os puxa saco da revista mais suja deste País, transformaram-no em Candidato à Presidência do Brasil em 2014. Os menos informados, transformaram as redes sociais em canais de comemoração partidária. Assim a hipocrisia vem à tona, e Barbosa de sente um Rei.
    Bem, ele vai ocupar seu trono por intermináveis dois anos. Exatamente até 2014.
    Essa entrevista, da forma como está colocada, parece-me pouro jogo de cena.
    Com certeza, os demais integrantes do PIG, que ainda não fizeram sua digna homenagem ao novo Herói Nacional, ainda hão de fazê-la. Vamos ver o destaque que os Globais darão ao Rei Barbosa.

  14. Se ele é de esquerda, então a esquerda que a direita adora.

  15. Como dizia minha avó, quanto mais se bate na massa, mais o bolo cresce.

    Chupa que a cana é doce! Isso tudo, o massacre do Partido dos
    Trabalhadores, nas urnas, aconteceu pra que houvesse um aprendizado:
    Não se tripudia em cima das forças do povo. A reação é imediata.
    Quiseram transformar o mensalão em veneno mortal, e o feitiço
    virou contra o feiticeiro. Se o Joaquim da capa preta é isento ou não,
    se é midiático ou não, se é performático ou não, ainda não sabemos.
    É cedo. Ele ainda não arreganhou todos os seus dentes. Esperemos.
    Porém ficou algo bem sólido no ar: nada do que pretenderam, mídia e
    oposição, se realizou com a concomitância do julgamento do mensalão
    com o perído das eleições, Deu xabu. E a os tucanos e adjacências
    tiveram que enfiar seus longos rabos por baixo de suas pernas curtas.

    Quem for iligente, vai ter que buscar outras táticas pra destruir
    a democracia. As que estão sendo usadas não convencem nem a
    Velhinha de Taubaté. Onde estão os Neo-Hitlers para anestesiarem
    o cérebro das massas, e convencerem a todos que o errado é o certo,
    através da propaganda insistente e maciça, onde uma mentira é repetida
    milhões de vezes até se transmutar em (falsa) verdade? Esse pessoal
    que está começando agora, e que se acha, precisa comer muito feijão,
    pra ser inédito, e convencer alguém, pois o mundo está bem escolado.
    Que vão estudar e se informar! Caso contrário será derrota atrás de derrota!
    Façam a lição de casa. Leiam “Mein Kampf” de Hitler. Leiam Maquiavel.

  16. Comi algumas letras… Quis dizer, no 2º parágrafo em destaque “Quem for INTELIGENTE…”
    Falha de digitação, e um pouco de sono… sorry.

  17. Eduardo, gosto muito do que voce escreve, acho sempre bem ponderado e articulado. No entanto dessa vez discordo de sua analise. O JB votou sim com medo da mídia, e demonstrou isso logo após assumir como presidente do supremo e correr a dar uma entrevista exclusiva à dona da justiça brasileira, a toda poderosa GLOBO. O supremo e o JB estão dando combustível para um golpe à paraguaia, e sinto que terão exito.
    Espero que o governo federal acorde a tempo, ou viveremos mais um periodo de trevas nesta país.

  18. Parabéns pela forma ponderada com expôs o tema, Eduardo Guimarães. Sobretudo pelo alerta que faz sobre a necessidade de que os críticos do ministro tomem cuidado com o que falam sobre o mesmo. Tenho visto pelas redes sociais uma série de comentários depreciativos do ministro, o qual segundo seus detratores, agiria da forma que vem atuando movido pelo seu complexo de inferioridade negro, que o obrigaria a agradar a casa-grande para sair da senzala. Enfim, comentário que me parece exatamente dotado de caráter senhorial, digno de habitante da casa-grande que entende que o lugar do negro é sendo subserviente. Fiquei particularmente preocupado quando vi um cidadão com a biografia do professor Emir Sader enveredando pela senda dos comentários raciais sobre o ministro. Nem falo dos comentaristas dos blogs. Estes partiram para o racismo puro e simples, muitas vezes.

    Se não obedece ao senhorzinho da casa-grande da esquerda petista, é por estar agrilhoado pelas correntes da casa-grande midiática de Veja, Folha de S. Paulo etc. Uma grande parte da esquerda não julga o ministro capaz de independência intelectual, o que me leva a crer que, lá no subterrâneo de suas consciências, entendem que pessoas negras estão destinadas a um eterno papel subalterno, seja adulando os senhores tradicionais, sejam bajulando os novos senhores.

    Eduardo Guimarães desmonta em seu texto muito bem escrito a tese de que o ministro seja vassalo de quem quer que seja. Concordo com o blogueiro nesse ponto. JB é um “maverick”, um independente. Ego inflado? Grosseiro? Sim. Mas qual ministro do STF é um poço de franciscanismo e candura para com a opinião alheia? JB teria que ser diferente da média apenas por ser negro? Por que motivo um negro não pode ter o nariz empinado?

    Parabéns pelo texto, que não deixa de criticar o ministro. Respeitável sua crítica, Eduardo. Você prova que é, sim, possível discordar da ação de alguém em alto nível. Que as pessoas sigam seu conselho e moderem a linguagem na hora de tecer suas considerações sobre a persona de JB. Críticas são sempre bem vindas. Foi uma das poucas críticas razoáveis que vi sobre o ministro em blogs progressistas e supostamente progressistas.

  19. Edu. Joaquim Barbosa foi uma grande decepção. Tinha tudo pra dar uma bofetada nos algozes fazendo justiça, que aliás, não era mais que sua obrigação. Mas preferiu ser o herói da mídia. Não vai ter a santa paz de espírito, que é tão bom dormir o sono dos justos.

  20. Vamos ver se ele vai colocar no banco dos réus outros que se escondem no PIG. E, se colocar, a maioria dos ministros irá inocentá-los. E a mídia golpista nada dirá.

  21. sr.min.un saludo cordial te felicito de ser un patriota exemplar de su pais,aqui en boa vista ta un gobernador de nombre ancheta,y un tal romero juca y en tal chico rodrigues son tres LADRONES que no se suprota mas pedimos una intervencion urgente,aqui ta una rouballera total,pedimos providencia,el naranjal con enpresas,compra de la isla de luciano ruck,viajens pa turquia y miame no podemos mas,att.CUNHA

  22. pressidenta DILMA un cordial saludo,te felicito,eres una gerrera,pedimos una intervencion,en boa vista aqui ta un gobernador LADRON llamado ancheta y un senador romero juca y chico rodrigues,son unos CANCER pedimos una intervencion con mano de hierro pa essos delinquentes att. CUNHA

  23. hola sr.min. un saludo rebulucionario,y essa de los ptistas hacierdo senas pa recardar dinero pa pagar cuentas de LADRONES de la nacion de todos los brasileños,eso no e justo y la otra do sr.malufe,que lindo shou,cuando yo ver este dinero volver ha los cofres del pais,no podemos tanto inpuesto pa ellos desfrutar que desgracia o maldicion con essos politicos deste pais,aqui en boa vista no es nada deferente,hay tres tenores,que se dan dueño de roraima,que se pide una interbencion URGENTE que se passaran de los linmites,sera una muldicion,como un CANCER,te pedimos providencia por DIOS

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.