Mídia tenta intimidar Lula e o PT para proteger Serra da CPI

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Na semana passada, este blogueiro participou de um lauto almoço em que o prato principal foi a CPI do Cachoeira. O repasto veio com um ingrediente especial: picadinho de José Serra ensopado com molho de Paulo Preto e Delta.

O que posso relatar é que vai se tornando inevitável que a CPI se debruce sobre os maiores contratos da Delta em todo país, os contratos de São Paulo, os quais estão sob escrutínio do Ministério Público.

A ocultação do escândalo pela mídia, aliás, é criminosa.  Um escândalo dessas proporções não aparece em parte alguma devido ao envolvimento de alguns veículos que, inclusive, estão cada vez mais próximos de ser acusados.

A convocação de Serra seria, também, um desastre eleitoral para a sua cambaleante candidatura a prefeito de São Paulo, recentemente ferida de morte pela crescente desmoralização da administração Gilberto Kassab.

É nesse contexto que entra Roberto Jefferson, o golden boy da mídia tucana, o patrono de toda a sua cruzada contra o PT desencadeada em meados da década passada e que até hoje constitui a grande aposta da oposição para ao menos se manter viva.

Jefferson, que teve seu mandato de deputado cassado por não ter conseguido comprovar a existência do mensalão e que, à época de sua denúncia, inocentou Lula, agora muda a versão e tenta envolver o ex-presidente acusando-o de ser o mentor de tudo.

A acusação de Jefferson está sendo fermentada pela mídia apesar de ser um nada, inverossímil e descartável, pois, à época da denúncia do mensalão, a Polícia Federal e todos os órgãos de controle investigaram Lula exaustivamente e nada encontraram.

A denúncia contra Lula é tão débil que nem a peça delirante do ex-procurador-geral da República Antonio Fernando de Souza, construída exclusivamente sobre suposições, ousou sequer se aproximar do então presidente.

Todavia, como se sabe, o mundo midiático não precisa de fatos para construir suas campanhas difamatórias. É incontável o contingente de acusados pela mídia tucana que depois foram inocentados pela Justiça, mas que foram punidos antes do julgamento.

Um dos exemplos mais candentes é o ex-ministro do Esporte Orlando Silva, literalmente chacinado pela mídia e contra quem a Justiça nada encontrou que justificasse a sua demissão além das opiniões de pistoleiros midiáticos.

Como de costume, portanto, não faltaram esses pistoleiros de Serra na mídia a saírem disparando contra Lula por conta de uma declaração mal-explicada e sem qualquer elemento probatório, amparada apenas nas palavras vazias de Jefferson.

Pelo que sabe este blogueiro, porém, o esforço midiático é vão. O envolvimento de Serra e de outros paulistas no escândalo do Cachoeira, serão inevitáveis. A própria oposição, diante de fatos que ainda vão se tornar públicos, não terá como sequer reclamar.

O mês de agosto de 2012, assim, ficará marcado como um dos períodos mais conturbados da história política recente do país. Globo, Folha, Estadão e Veja já posicionaram seus principais pistoleiros para abrirem guerra contra Lula e o PT a partir da semana que vem.

Apesar do noticiário massacrante, porém, o fato é que a direita midiática está às portas de descobrir que o que começará a fazer a partir de agosto já era esperado e que, por conta disso, seus alvos se prepararam muito bem.

Aguardem.

Tags: , , , , , , , , , , ,

154 Comentário

  1. Quanto recebem a globo, veja, folha, estadão e época, do Tesouro Paulista?

    Só o ano passado o alckmin ‘doou’ a els mais de 9 milhões e o SR Enganador/da Atômica Bolinha de Papel/dos Estados Unidos do Brasil foi o que mais derramou dinheiro, do tesouro paulista, para os panfletos acima.

    É o “coito de bandidos” (veja) e a mídia amestrada do Sr Enganador, cumprindo seu papel de desinformar e enganar seus seguidores, para continuar a receberem, anualmente, benesses financeiras do psdb, há quase duas décadas.

    Não há alienação tão grande que nenhum cidadão possa lutar contra ela.

    Um dia São Paulo acorda desta letargia!

    • “Quanto recebem a globo, veja, folha, estadão e época, do Tesouro Paulista?”

      Isto faz parte das famosas “ações entre amigos” do PSDB, onde o erário público é o perdedor e as famiglias do PIG os ganhadores.

    • Só em livros didáticos comprados sem licitação e, depois vendidos como entulho, foram 190 milhões de reais! A FDE – Fundação para o Desenvolvimento da Educação, tornou-se um dos aparelhos para fazer finanças do PSDB. Tanto que seu presidente, José Bernardo Ortiz simplesmente recusa-se a atender as convocações feitas pela Assmebléia Legislativa, num verdadeiro desacato ao Poder Legislativo.
      As provas estão em:
      http://www.iranilima.com/2012/07/tucanos-gastam-r-190-milhoes-em-livros.html

  2. Eduardo, fora de assunto. E esta história do fechamento da fábrica da GM e SJ dos Campos? Dá um bom post. Abraços

    • Douglas, não é só a GM que está transferindo algumas linhas de produção para outras cidades (S.Caetano e Gravatai), mas tambem outras empresas. A Panasonic, transferiu boa parte de sua produção para Manaus e Extrema-MG. A cidade, governada por um prefeito do PSDB simplesmente não consegue conter a saída das empresas.

  3. A Globo através do fantástico vai fazer uma entrevista exclusiva com Roberto Jeferson no final do programa, e após ele poderá dar uma palinha cantando “Volare”.

  4. ”Apesar do noticiário massacrante, porém, o fato é que a direita midiática está às portas de descobrir que o que começará a fazer a partir de agosto já era esperado e que, por conta disso, seus alvos se prepararam muito bem.”

    Nooossa Edu! Que indireta! Fiquei curiosíssima… que chegue logo agosto..rs

    • Claro que a direita midiatica vai tentar de todas as maneiras possiveis e imaginaveis desestabilizar por quaisquer meios que sejam o governo Dilma para tentar um clima propicio a um golpe de Estado.Isso não é nenhuma novidade,são tão apegados ao anacronismo que não conseguem inovar em suas estrategias.Até um recem nascido perceberia isso.Ainda bem que a direita midiatica consegue ser previsivel até demais.

      • É claro que a direita midiática é muito previsível… minha curiosidade é em relação a resposta que ‘seus alvos prepararam muito bem’.

  5. Vocês viram? Mais uma mentira da Veja e Redes de Tv desmontada pela justiça. O caso Erenice que tirou bons votos de Dilma e ajudou a levar a eleição para o segundo turno. E agora, quem paga a honra alheia?

    • Pois é, Taciana. E como disse o Altamiro Borges, a Folha ainda se jactou de ter levado a eleição para o segundo turno, na notinha que deu informando que Erenice foi inocentada.

      Aliás, o “informante” da Folha e da Veja é o receptador de mercadoria roubada Rubnei Quícoli.

      Isso se chama crime de conspiração.

  6. tudo sobre o mensalao do psdb em minas gerais:
    Azeredo(PSDB-MG), pai do mensalão e autor do AI-5 digital, se banhou na cachoeira

    O ex-governador de Minas Gerais, Eduardo Azeredo, do PSDB, tem cumprido uma triste sina. Em 2005, quando o escândalo do mensalão ameaçava o mandato de Lula, descobriu-se que o esquema Marcos Valério foi gestado em sua administração (1995-1998) à frente do Palácio da Liberdade. Graças a isso, os petistas conseguiram neutralizar parte dos ataques. As agências de publicidade de Valério, DNA e SMPB, tiveram papel decisivo no financiamento de campanha de Azeredo à reeleição – numa disputa em que ele foi derrotado para Itamar Franco.

    Agora, vem à tona uma nova ligação constrangedora de Azeredo. Foi também na administração Azeredo, que Carlos Cachoeira conseguiu exportar seus negócios ligados à jogatina de Goiás para outros estados do Brasil. A Jogobrás, subsidiária da Gerplan, empresa de Cachoeira, explorou em Minas uma loteria privada chamada Sorteca. A concessão também permitiu que o bicheiro explorasse caça-níqueis no estado, em parceria com a multinacional americana GTech.

    Em Minas, Cachoeira já tinha o hábito de gravar encontros com autoridades. Uma de suas fitas derrubou o ex-procurador-geral Márcio Decat e toda a cúpula da Loteria Mineira. À época, o jornal Estado de Minas publicou diversas reportagens sobre os negócios de Cachoeira no estado. Graças a elas, as vídeo-loterias foram suspensas.

    Neste domingo, uma reportagem do jornal Estado de Minas revela que os contratos feitos na gestão de Azeredo causaram prejuízos de mais de R$ 286 milhões ao governo mineiro (leia mais aqui).
    Os tentáculos dos negócios do bicheiro Carlinhos Cachoeira em Minas Gerais mostram negócios em pelo menos seis empresas do estado. Há mais de duas décadas o contraventor atua em Uberlândia, Araxá e Belo Horizonte. Hoje, o contraventor toca apenas uma dessas seis empresas: a Bet Capital, de Arxá, no Triângulo Mineiro.

    Cachoeira é investigado pelo Ministério Público estadual desde 2000. Em 2003, ele operou, sem licitação, jogos da Loteria do Estado de Minas Gerais, por meio da Jogobrás do Brasil Ltda, que pertencia a ele. Em julho de 2000, um documento da Loteria Mineira revela prejuízo de R$ 286,3 milhões durante a gestão do ex-governador Eduardo Azeredo, do PSDB.

    Leia abaixo reportagem de Alessandra Mello, Alice Maciel e Maria Clara Prates publicada no jornal Estado de Minas:

    Acusado de corrupção, bicheiro Carlinhos Cachoeira já comandou saeis empresas em Minas

    O contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso durante a Operação Monte Carlo, tem em Minas Gerais um importante território para a operação dos seus negócios ilegais com o jogo. Cachoeira, assim como seu parceiro, o senador goiano Demóstenes Torres (sem partido), montou empresas no estado em diversas áreas de atuação, há mais de duas décadas, em Uberlândia, no Triângulo mineiro, e em Araxá, no Alto Paranaíba, além de Belo Horizonte. O bicheiro, acusado também de corrupção e formação de quadrilha, já esteve à frente de seis empresas no estado, mas atualmente toca apenas uma delas, a filial da Bet Capital, instalada em Araxá, onde aparece como representante legal . Essa empresa abocanhou um contrato milionário com a prefeitura, já encerrado, mas ainda sob investigação do Ministério Público Estadual por suspeita de superfaturamento na prestação dos serviços.

    De acordo com relatório da Procuradoria da República em Goiás, pelo menos 4% dos negócios do contraventor, que já foi dono de, no mínimo, 59 empresas em todo o país, sendo 38 ativas, é movimentado em Minas. No entanto, interceptações telefônicas, feitas pela Polícia Federal com autorização judicial revelam que as empresas legais serviam, na verdade, para ocultar as transações com as máquinas caças-níqueis. Em um diálogo, em julho do ano passado, Lenine Araújo de Souza, sócio da empresa Capital, em Araxá, conversa com um parente de Cachoeira sobre uma comissão de 30% paga a donos de caças-niquéis e um sistema de gerenciamento dos jogos que estava sendo implantado em Uberlândia.

    Em outra interceptação, Idalberto Matias, conhecido como Dadá, araponga de Cachoeira, conversa com uma pessoa identificada apenas como professor sobre o esquema de jogos na capital mineira. Na conversa, o “professor” diz a Dadá que vai viajar a Belo Horizonte para se encontrar com uns políticos, “gente forte da área lá” para resolver uma pendência. O inquérito da PF não traz detalhes sobre o negócio.

    Desde 2000, Cachoeira vem sendo investigado pelo Ministério Público Estadual (MPMG). A Promotoria de Combate ao Crime Organizado do MPMG iniciou uma devassa nos negócios dele em Minas, mas decisão do Conselho de Procuradores barrou a iniciativa, por entender, que as investigações de contravenção penal, são de responsabilidade do Juizado Especial Criminal. Em 2003, o bicheiro foi protagonista de um escândalo em Minas por operar, sem licitação, jogo da Loteria do Estado de Minas Gerais por meio da Jogobrás do Brasil Ltda, empresa que pertencia a ele.

    Documento elaborado pela Assessoria de Planejamento e Coordenação da Loteria Mineira, em julho de 2000, revela que o contrato firmado causou um prejuízo da ordem de R$ 286.254.760 durante a gestão do ex-governador Eduardo Azeredo (PSDB).

    Os negócios e as relações políticas de Cachoeira, em Goiás e Minas, tiveram a força de atrair até Goiânia uma comissão de deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), para conhecer uma iniciativa de projeto de lei para regulamentar a jogatina naquele estado. Na ocasião, em 2002, a comissão foi recepcionada pelo secretário de Segurança Pública de Goiás, o então promotor de Justiça Demóstenes Torres, no governo de Marconi Perillo (PSDB). Hoje, o senador e Perillo (PSDB), que retornou ao governo de Goiás no ano passado, são suspeitos de beneficiar o bicheiro Carlinhos Cachoeira, conforme investigação da Procuradoria da República daquele estado. A iniciativa dos parlamentares mineiros, no entanto, não rendeu os frutos desejados. O MPMG, depois da acusação de envolvimento do então procurador-geral de Justiça de Minas Márcio Decat com a jogatina, fez uma dura investida contra os bingos, caça-níqueis e jogo de bicho, enterrando a possibilidade de legalização da contravenção.

    Assim como Carlinhos Cachoeira, o senador Demóstenes Torres tem empresa em Minas

    Seguindo os passos do bem-sucedido Carlos Cachoeira, ao decidir se arriscar no mundo dos negócios, o senador goiano Demóstenes Torres (sem partido), escolheu Minas para receber sua primeira empresa, uma faculdade em Contagem, na região metropolitana da capital. Em 2008, Demóstenes se associou a sua assessora no Senado, Renata Carla de Castro Costa, e ao empresário Marcelo Henrique Limírio Gonçalves para criar o Instituto de Nova Educação Ltda. A composição societária da faculdade terminou por revelar mais uma vez que os caminhos de Demóstenes e Cachoeira se cruzam com frequência. Limírio é sócio do contraventor na empresa ICF – Instituto de Ciências Famarcêuticas de Estudos e Pesquisa Ltda, em Goiânia, que teria faturado R$ 30 milhões em 2010. A ICF, na verdade, está registrada em nome da ex-mulher de Cachoeira, Andréa Aprígio de Souza e fornece testes para laboratórios.

    Limírio é dono da empresa Hypermarcas, que integra o conglomerado de empresas Bionovis, e fez negócio de pai para filho com Demóstenes Torres. Ele investiu R$ 600 mil no negócio, sendo que coube ao senador a aplicação de R$ 200 mil divididos em 25 prestações de R$ 8 mil mensais, quitadas há dois anos. Registrada em 2008, a faculdade foi inaugurada no final de 2009 com um coquetel que contou com a presença de Demóstenes. A comemoração foi feita na própria sede da universidade, que oferece cursos de administração, ciências contábeis, direito, farmácia e enfermagem. A terceira sócia de Demóstenes, Renata Costa, passou a ser diretora-executiva da instituição depois de ser exonerada do cargo de chefe de gabinete do senador. Antes de se mudar para Brasília, ela ocupou um cargo comissionado na Assembleia Legislativa de Minas. Sua participação foi adquirida nas mesmas condições de Demóstenes Torres.

    De acordo com o Ministério Público, manter relação com o contraventor Cachoeira não é crime. No entanto, as investigações da Procuradoria tentam esclarecer o enriquecimento rápido daqueles que transitam por sua rede de negócios. A faculdade do político em Minas é um dos alvos da apuração. Ontem, a diretora Renata Costa negou que o instituto tenha qualquer vinculação com as investigações da Procuradoria da República em Goiás. Garantiu não conhecer o contraventor, mesmo tendo sido chefe de gabinete de Demóstenes. Disse ainda que desconhecia o relacionamento de seus sócios com Carlinhos Cachoeira. “Eu os conheço apenas profissionalmente. Não tenho qualquer conhecimento da vida pessoal deles”, diz. O envolvimento de Demóstenes foi revelado no final de fevereiro, quando Cachoeira e mais 34 pessoas foram presas durante a Operação Monte Carlo, que fez devassa na organização criminosa especializada na exploração do jogo.

    O senador é acusado de tráfico de influência para favorecer o contraventor depois da interceptação de telefonemas entre Demóstenes e Cachoeira, que chegaram a quase 300. Nele, o político chama Carlinhos Cachoeira de “professor” e demonstra preocupação com projetos de lei em tramitação que possam prejudicar os negócios do amigo. Em uma delas fica, ele deixa claro sua posição ao assumir o lobby pela legalização do jogo no Brasil. Além disso, Demóstenes recebeu vários mimos de presente de Cachoeira.

    • Eles (o pig, a oposição) dizem que o responsável do ‘mensalão’ era o Delúbio, mas não, era o Dilúvio, mais conhecido como Cachoeira. Acho que a maior parte da oposição tem que começar a reconstruir a arca, quem sabe a a Arca do zé, porque no estado atual já está fazendo água.

  7. Caro Eduardo,

    E caso Alston e congêneres? Em que pés estão.

    Douglas Quina

  8. http://www.youtube.com/watch?v=xpcgzUKf_Vs. Este Vídeo mostra a “estonteante” estratégia dos demotucanos, para acabar com o governo,PT, blocos sujos e/ou nazistas, e tudo mais que lhes confrontarem. É de uma insanidade total. Atente para o sobrenome brasileirissimo da candidata.

  9. Caro Eduardo,

    estão todos passando batido sobre um fato que considero de extrema gravidade: uma propaganda subreptícia que o globo está fazendo antiPT e de apoio ao candidato serra, no site do globo on line. A propaganda para assinatura digital do jornal está ancorada na capa de uma edição impressa sobre a campanha de 2010, exatamente no episódio da bolinha. As manchetes: uma, acusa a então candidata Dilma de ligação com violação de sigilo; outra, acusa petistas de agredirem serra. A foto, grande, é do … (exatamente) serra. Dê uma olhada: clique na capa do jornal (que está na página principal do site) e siga o passo a passo ou vá direto ao link: http://oglobo.globo.com/email_marketing/camp_relac_out10/globodigital/index.html
    Em período eleitoral, pode isso? O que eles podem alegar para manter a campanha no ar? Nem atualidade, porq é de mais de 2 anos atrás! Faz parte, sim, de uma atualíssima campanha contra o PT.
    Venho tratando desse assunto, sem sucesso. Talvez (certamente) você possa abordar com maior propriedade, mostrando a grande campanha antiPT articulada pelo PIG (acobertamento das denúncias contra o PSDB – especialmente -; tentativa de esvaziar a CPI do Cachoeira; aumento na publicação de artigos virulentos contra o Lula, como a coluna de Ricardo Noblat, na segunda; manipulação de entrevistas, e a montagem de um esquema inédito (pelo gigantismo) da cobertura do julgamento do pseudomensalão – a Globonews anuncia diariamente a maior cobertura da história). Temos que deter esse golpe. Abraços, Manuel

  10. Caro Edu,
    gostaria de chamar sua atenção quanto aos diversos movimentos grevistas que se avizinham.
    Acho que o momento negativo proporcionado pela imprensa, em virtude do julgamento do famigerado mensalão, se apoiará também nesse tópico e na descontentação da ampla maioria dos servidores públicos, que nesse momento se sente traído pelo Governo Dilma.
    É inevitável a grande onda paredista que virá em Agosto.
    E esse fator, principalmente se sobrevier o aumento para o Judiciário — os servidores de fato necessitam, ao contrário dos juízes –, será explorado e contextualizado numa possível absolvição. Alguém dúvida?
    Na verdade é grande a gama de assuntos que serão “confundidos” pela imprensa em agosto. Mas acho que esse, junto com os evidentes, é merecedor de sua análise. Repito: a onda grevista que se aproxima vem e vem muito forte e será usada por muitos como objeto de pressão popular também para ecoar ainda mais forte a condenação antecipada da mídia.
    Meu respeito e admiração. Abraço e beijo na Vitória.

  11. A MORTE DA PM FABIANA APARECIDA É DO COMANDO GERAL DA PMERJ!
    Eduardo, eu denunciei tempoS atrás aqui nesse seu blog, que a culpa do morte do repórter cinegrafista morto em um enfrentamento entre PMs e traficantes, era do comando da PMERJ que oferecia uma falsa segurança aos militares e ao repórter, oferecendo-lhes uma falsa segurança nos coletes à prova de balas que usavam! Todo brasileiro sabe que os bandidos usam e abusam dos M16 e do AK47, fuzis que só são contidos por coletes que custam a cerca de 2.000 reais. Então as famílias desses militares têm que saber o risco de eles morrerem com tiros de fuzís e algumas pistolas mais potentes e foi o aconteceu com a soldado PM do Rio de Janeiro, Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos! As famílias devem ir à justiça e denunciar o pouco caso com as vidas dos PMs. Pedi até que as associações de cabos e soldados, de sargentos e oficiais cobrassem do comando Geral da PM, providências para usar um colete mais resistente. Todavia, de nada adiantou. Então o ministério Público do RJ tem que entrar em cena, senão vai morrer mais gente…

  12. A MORTE DA PM FABIANA APARECIDA É DO COMANDO GERAL DA PMERJ!
    Eduardo, eu denunciei aqui nesse seu blog, que a culpa do morte do repórter cinegrafista morto em um enfrentamento entre PMs e traficantes, era do comando da PMERJ que oferecia uma falsa segurança aos militares e ao repórter, oferecendo-lhes coletes à prova de balas inadequados para tipo de calibre que os bandidos usam! Todo brasileiro sabe que os bandidos usam e abusam dos M16 e do AK47, fuzis que só são contidos por coletes que custam cerca de 2.000 reais. Então as famílias desses militares têm que saber o risco de eles morrerem com tiros de fuzís e algumas pistolas mais potentes e foi o que aconteceu com a soldado PM do Rio de Janeiro, Fabiana Aparecida de Souza, de 30 anos! As famílias devem ir à justiça e denunciar o pouco caso com as vidas dos PMs. Pedi até que as associações de cabos e soldados, de sargentos e oficiais cobrassem do comando Geral da PM, providências para usar um colete mais resistente. Todavia, de nada adiantou. Então o ministério Público do RJ tem que entrar em cena, senão vai morrer mais gente…
    O PRIMEIRO ENVIADO PELA SECRETÁRIA ERA UM ENSAIO! DESCULPE E MUITO OBRIGADO!

Trackbacks

  1. Los três amigos « Ficha Corrida

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.