Os filhos e os amigos do Poder

Se existe algum mandamento primordial do bom jornalismo deve ser o de seus militantes estarem permanentemente obrigados a se questionarem sobre se não estão incorrendo naquele que também deve ser o maior pecado de tão nobre ofício, o de jornalistas permitirem que as próprias opiniões se confundam com os fatos.

A nota divulgada por Verônica Serra na última segunda-feira a pretexto de responder às acusações do livro A Privataria Tucana, assim, suscitou questionamentos que em tudo se assemelham aos esgrimidos contra Fábio Luís Lula da Silva, que a mídia e os adversários do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chamam de “Lulinha” ao acusarem-no de ter feito tráfico de influência durante o mandato do pai.

É um fato irretorquível, no entanto, que o comportamento da mídia em relação aos filhos de Lula e de Serra é totalmente diferente. Tal fato foi bem explicado pela ombudsman da Folha de São Paulo, Suzana Singer, em crítica interna de sua autoria que vazou recentemente. Ela questiona o jornal por dispensar tratamento diferenciado a casos semelhantes.

Suzana, com base no livro da privataria, pergunta por que Verônica Serra e o marido têm offshores, se a Folha não deveria questioná-los e por que o jornal não noticiou que Alexandre Bourgeois, marido de Verônica, foi condenado por dever ao INSS. Ao fim, considera que o jornal foi “muito rigoroso” com filho de Lula e que não está sendo com a filha de Serra.

Todavia, se retiramos do quadro esse partidarismo escandaloso da mídia restam questionamentos tanto a Fábio Luís quanto a Verônica, para não falar em seus pais. E nessa equação nova que se constrói sozinha caberia, ainda, o filho do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, Paulo Henrique Cardoso, além de centenas ou milhares de filhos, esposas, pais, irmãos, tios, sobrinhos e o que mais se quiser de políticos com mandatos eletivos em todos os níveis.

Contudo, há que fazer distinção da boa vontade natural que ser filho de políticos influentes desperta do que é uso desses filhos por políticos corruptos para esquentarem o produto de roubo de dinheiro público ou do mero favorecimento daquele político à ascensão profissional e social de seus parentes via tráfico de influência.

É preciso, portanto, comparar os casos envolvendo os filhos do Poder porque não adianta petistas e tucanos ficarem se acusando sem levarem em conta que há telhados de vidro para todo lado. Se eu só falo dos problemas do filho de Lula e não falo dos problemas da filha de Serra ou vice e versa, apenas engano a mim mesmo. Disso, este blogueiro está fora.

Vejamos, então, o caso de Fabio Luís. Filho do ex-presidente Lula e de dona Marisa Letícia, é graduado em Ciências Biológicas. Foi monitor do Parque Zoológico de São Paulo até 2003 – ou seja, fazia apresentações do parque a visitantes, para isso recebendo uma bolsa mensal de seiscentos reais.

Em 2004, após o primeiro ano de mandato de seu pai, Fábio Luís fundou a empresa Gamecorp, o que suscitou diversas matérias jornalísticas e críticas da oposição que o acusaram de tráfico de influência e a seu pai de favorecimento na destinação de recursos públicos, pois o grupo de telefonia Telemar/OI investiu na mesma Gamecorp que teria sido ajudada pelo governo federal.

A suspeita levantada era a de que a Telemar estaria ajudando o filho de Lula esperando que este fizesse uma alteração na Lei Geral das Telecomunicações que permitisse fusão com a Brasil Telecom, o que era proibido. Em dezembro de 2008, porém, Lula assinou decreto que permitiu a venda da Brasil Telecom para a Telemar/Oi.

Pode ser coincidência, pode não ser. Contudo, o caso foi exaustivamente investigado pela imprensa, pela Polícia Federal e pelo Ministério Público e jamais se provou nada. Um tucano, então, poderia argumentar que também houve investigação das privatizações (houve mesmo?) e que nada foi apurado, apesar de não poder dizer que houve pressão da imprensa.

Tão certo quanto o alvorecer sucede a madrugada, os dois lados dirão que a investigação contra o adversário não chegou a nada porque foi malfeita ou manipulada. E é a isso que chamam sectarismo. Em tribunais, porém, não vale nada. E muito menos para quem pretenda se manter lúcido.

Esses casos se reproduzem na política, sendo hoje parte dela. Os filhos do Poder tornam-se naturalmente atraentes de gentilezas e de boa vontade, mas é óbvio que políticos e seus rebentos muitas vezes deixam de ser agentes passivos da generosidade empresarial, por exemplo, e se tornam mercadores das prerrogativas que têm ao próprio alcance.

No caso dos filhos do Poder que não deixam de ser cidadãos por os pais governarem e que, portanto, têm que seguir com suas vidas e assim acabam sendo favorecidos sem pedirem nada, não há o que fazer. Já quando há suspeitas de que o político ou seus parentes se valeram das próprias prerrogativas para mercadejar o poder que detém, há que investigar a fundo.

No que diz respeito ao filho de Lula e à medida que acusam seu pai de ter tomado para favorecê-lo, a declaração da ombudsman da Folha em sua crítica interna corrobora a versão de que o caso foi largamente esmiuçado e dessas investigações nada nunca resultou. No caso da filha de Serra, porém, a omissão em investigar é gritante.

Outra diferença é a de que não há qualquer notícia no caso Gamecorp sobre operações internacionais obscuras como as que cercam os negócios de Verônica Serra. Montagem de empresas anônimas em paraísos fiscais, aumento exponencial do patrimônio pessoal de parentes, amigos e assessores do tucano… Há muito a ser explicado.

Seja como for, o Brasil deveria aprovar leis muito mais duras em relação aos parentes e amigos do Poder sem, é óbvio, fazer com que ser parente ou amigo de um político com mandato eletivo se torne uma maldição que feche portas para essa pessoa porque ninguém quererá correr o risco de ser confundido com um corruptor.

Neste momento, devido a fatos novos que Privataria elenca, é imperativo da cidadania e da isonomia política exigível investigar aqueles que até a ombudsman da Folha afirmou que vêm sendo poupados, o entorno familiar e social de José Serra que protagoniza o livro A Privataria Tucana, entorno contra o qual sobram evidências.

Tags: , , , , ,

42 Comentário

  1. Edu, Fábio Luiz Lula da Silva entrou com ação contra a editora Abril, e obteve negativa, inclusive tento que engolir um
    .
    “Como pessoa pública, deve estar consciente de que sua imagem será exposta. E, se tal exposição está ligada a assunto de interesse público e, aqui, está -, jamais a imprensa terá que lhe pedir licença para fazer uso de sua imagem. O autor precisa compreender que é de interesse de toda a população brasileira”.
    .
    O mesmo deve valer para a Sra. filha do ex-prefeito, ex-governador e ex-candidato.

    • E por que a Editora Abril não entrou com uma ação de exceção da verdade para descobrir e provar suas suspeitas, como fez a Isto é no caso que levou a autoria do livro A PRIVATARIA TUCANA? talvez porque não tivesse nada de irregular.

      • Nesse caso, houve pressão e ampla investigação. Não encontradas as provas de irregularidade, o assunto morreu. No caso da Privataria, algumas provas já estão no livro e muitas outras virão, conforme a necessidade do autor em apresentá-las à Justiça.

  2. Que teve corrupção no governo Lula e há no de Dilma é claro como a luz do dia. Assim também podemos afirmar que houve corrupção no governo de FHC, corrupção da grossa. Num campeonato em que se disputa quem é mais corrupto, os governos tucanos ganham de lambuja. O que muitos eleitores de Lula/Dilma não digo militantes porque a rigor requer uma filiação partidária, embora não seja obrigatória, não aceitam é a maneira parcial pela qual a mídia trata os governos de FHC e os de Lula/Dilma. Não fosse este tratamento desonesto, faccioso, ambíguo da velha mídia, muitos dos que apoiaram os governos Lula e apoiam o de Dilma teriam uma posição mais crítica e isenta. Acontece que fomos empurrados à fórceps para uma defesa incondicional em nome da sobrevivência desses dois governos. Se a militância não tivesse tomado para si a defesa dos governos Lula e entrado de corpo e alma para esclarecer o eleitorado por meio da rede mundial de computadores, nas ruas, praças, paradas de ônibus e onde fosse possível, eles teriam tomado as eleições com um discurso fascista baseada numa pretensa moralidade que é apenas um subterfúgio, o que ainda lhe restavam para devolver o poder aos tucanos. E para que fossem desmascarados definitivamente, bastou a publicação de um livro, somente um livro, para os próprios simpatizantes do PSDB perceberem que não existe interesse nenhum da velha mídia em combater a corrupção. Se houvesse esta seria a grande oportunidade. Hoje depois de um longo e tenebroso inverno, a Folha deu a Nota de Verônica Serra em que desmente o livro de Amaury, nos termos exatos defendido pela garota prodígio de Serra. Sem questionar o teor da Nota, nem conferir a ela nenhuma suspeita como costuma fazer com as Notas que os ministros que caíram em desgraça no governo Dilma enviavam a imprensa para se justificar dos ataques sórdidos dos quais foram vítimas, quando viam tais Notas estampadas nos jornais e rebatidas ponto por ponto no corpo da matéria. Acessando os comentários dos post da Nota, percebe-se claramente que a maioria esmagadora dos comentaristas se posicionaram contra as explicações Verônica, a omissão do jornal e seu caráter parcial e partidário ao tratar do tema, primeiro e ignorando e depois desqualificando o autor do livro a Privataria Tucana. Ninguém há de dizer que são petistas que se postaram contrariamente as explicações de Verônica e o comportamento do Jornal, num espaço sabidamente favorável aos tucanos. Estamos vendo a máscara cair e eles pela primeira vez passaram a perceber que foram longe de mais e ainda não sabem o que fazer para dá um tratamento justo e honesto as acusações que pesam contra Serra, amigos e familiares.

    • assino embaixo

      • Eu sou outro que assino embaixo também.

        Farei mais que isso porém,irei pedir aqui para o Jansen,autorização para usar este texto,declarando o nome do autor e a fonte,num fórum de mercado financeiro que frequento.

        Lá, eu e mais um companhairo bastante esclarecido,travamos uma batalha diária,contra alguns falsos moralistas e caluniadores de plantão.

        Seus argumentos se encaixam como uma luva,em tudo que eu já falo por lá há muito tempo.

        Site : http://www.stockinvest.com.br/samba/

        Fórum : http://www.stockinvest.com.br/forum/

        http://www.stockinvest.com.br/forum/viewforum.php?f=3

        Percebam,a sanha em atacar e tentar desmoralizar este governo,usando para isso os mesmos argumentos batidos e surrados da midiona,fazem esta turma postar seus comentários numa área inapropriada do site.Existe lá um campo propício para debates políticos,mas quem disse que estes malucos respeitam.No final o tiro deles sai pela culatra,pois é sempre uma oportunidade de esclarecer parte da turma,pouco afeita a debates políticos.

    • Perfeito. Você conseguiu abordar todos os lados da questão: o meramente político, o psicológico e o concernente à luta pelo poder. Parabéns.

    • Também assino embaixo!
      Ao não dar destaque nenhum ao livro mais vendido nas livrarias (prestes a se tornar um fenômeno de vendas), simplesmente por esmiuçar malfeitos tucanos, a grande mídia provou que não é isenta coisa nenhuma, fato que sempre foi óbvio para os que frequentam os espaços “sujos”, mas infelizmente não é tão óbvio para o brasileiro médio ainda nos dias de hoje, é só sair por aí nos bares, praças e praias para perceber isso. Espero que muitos brasileiros que não acompanham política com regularidade, saibam a respeito desse episódio educativo e emblemático. Ficou provado também que a acusação feita às esquerdas de querer calar a mídia são infundadas, a grande mídia partidária se auto censura por si só, e só mexer com os ladrões deles, rs.
      O rei está nu!
      Um abraço.

    • Assino e vou divulgar o texto do Jansen. Completo!

    • Os corruptores, sonegadores e traficantes de influência (inclusive empresários que jogam no mercado futuro) não gostam de publicidade e de claridade nos negócios escusos. A “Privataria” dos tucanos é um capítulo da História que assim se explica. Bob Jeff era figura fácil na indicação de cargos no Governo FFHH e foi pego com a mãozona na butija durante o governo Lula (a PF estava chegando nos arrecadadores “informais” do PTB nos órgãos estatais – Correios, Ministério do Trabalho e Emprego) e se saiu com o mensalão. Como os Joãos Dias e os Quícollis da vida. Com o mesmo estilo Serra de ser, como o de mandar fazer dossiês e dizer (via velha mídia) que não faz dossiês contra adversários, como o de se beneficiar de algo nada lícito e dizer (via velha mídia) que os outros é que cometem ilícitos, como o de grampear os outros e de dizer (sempre via velha mídia) que é grampeado. Na época de FFHH primava o Engavetador-Geral. Hoje temos um Procurador-Geral de Holofotes para dizer que isso ou aquilo em tese seria crime contra alguém do Governo. A CGU, a PF e o MPF são ativos na busca de irregularidades (mas a Justiça – especialmente no Tribunais que não gostam do CNJ – ainda dorme). As instituições hoje funcionam, no tempo de FFHH era só “H”. Naquele tempo do PSDB tudo estava entre amigos, e a ormetà (na velha mídia) imperava, pois os corruptores (e patrocinadores) gostam de ter o caminhos deles facilitados. Como é a vida: hoje na Foia de Sumpaulo propaganda de uma página inteira do SBT e matéria “simpática” a Silvio Santos no Panamericano nas páginas de “Poder”, mas antes era “pau” no Silvio. Patrocinou, amansou. E assim caminha a humanidade…

    • Perfeito, uma coisa tão obvia e esse povo não consegue enxergar. Nem sou petista, SOU SOMENTE UM BRASILEIRO, COM MUITO ORGULHO.
      Vá pensando que estou fechando meus olhos e deixando o PT roubar, ledo engano, estou ajudando a tirar o meu país das garras desses mafiosos.
      Se o PT não se posicionar de maneira correta amanhã sera o seu dia, não estamos aqui brincando, estamos fazendo história.
      Viva o Brasil!

  3. Até mesmo na nota emitida pela Veronica Serra em relação às acusações do “A Privataria Tucana”. Há ao menos duas inconsistências nas alegações dela: 1) que não está sendo processada; 2) que nunca foi sócia da Veronica Dantas.

    Duas inconsistências gritantes e nem isso é esclarecido pela mídia.

    Imaginem se fosse o Fábio Luis emitindo nota com afirmações contrárias ao que fosse de conhecimento público, notório, e comprovado documentalmente?!

    Quanto estardalhaço foi feito apenas pela porcaria do passaporte do Fábio Luis.

    Em tempo: o site da revista veja colocou no ar a notícia do protocolamento da CPI da Privataria, e logo em seguida retirou.

    http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/cpi-sobre-privatizacoes-e-protocolada-na-camara

    • É bom mesmo ir registrando. Este povo aí (PIG) tem a mania depois de dizer que abordaram o assunto, que foram imparciais. E aí apresentam estas matérias como prova. E é uma tática, apesar de manjada, que pega muitos incautos, que fiam a tal imparcialidade do PIG. Assim, bem registrado, Gerson Carneiro, bem registrado.

  4. ADENDO: aqui Eduardo, essa vai com link.

    William Waack no Jornal da Globo disse que já estava previsto desde os anos 90, que o Brasil se tornaria a 6ª economia do mundo.

    http://www.osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2011/12/willian-waack-da-tv-globo-aplica-conto.html

    Como diz um certo reportinho ruivo: “eu até amumento mas não invento”.

    • Mas fhc pegou o Brasil em oitavo, se não me engano, e deixou em 12º, caminhando célere para 15º, ou talvez 20º ou pior, depois da crise de 2008.

  5. CARTA MAIOR
    Política| 28/12/2011 | Copyleft

    Eleições 2012 serão palanque para PT pregar novo marco da mídia
    Petistas querem aproveitar campanhas municipais para esprair e enraizar pelo país debate sobre democratização da comunicação. Segundo resolução do Diretório Nacional, candidatos devem levantem bandeira e colocá-la em suas plataformas. Ação aumentará pressão para governo fechar novo marco regulatório da radiodifusão.
    Najla Passos

    BRASÍLIA – A necessidade de o Brasil democratizar seus meios de comunicação é um tema que estará no centro dos debates políticos nas eleições de 2012. No ano em que a imprensa derrubou um número recorde de ministros com acusações nem sempre comprovadas, e ao mesmo tempo silenciou sobre o livro-denúncia A Privataria Tucana, o PT decidiu usar as campanhas para prefeito em 2012 para colocar sua estrutura partidária a serviço da luta pela democratização da mídia.

    Em resolução do Diretório Nacional aprovada no início de dezembro, durante encontro em Belo Horizonte (MG), o PT prega que seus candidatos e filiados aproveitem a eleição para defender um novo marco regulatório para emissoras de rádio e TV, em estudo no governo federal desde o fim da gestão Lula.

    “Isso significa incluir a comunicação nas plataformas eleitorais, estimular candidaturas que levantem esta bandeira e se identifiquem com este movimento, articular a luta eleitoral com a luta social em torno deste movimento ao longo da campanha, assumir compromissos explícitos no âmbito municipal”, diz o documento.

    Na resolução, a cúpula petista apresenta um roteiro para ser seguido pelos filiados neste assunto durante a campanha. Diretórios regionais e municipais devem mobilizar dirigentes, militantes, simpatizantes, parlamentares e gestores públicos (governadores, prefeitos, secretários, dentre outros). E recorrer a seus próprios instrumentos de comunicação, como sites, boletins, redes sociais e blogs.

    O documento propõe, ainda, que o partido estimule a realização de seminários municipais e regionais para discutir o tema e apoie a criação de conselhos regionais de comunicação.

    Ações parlamentares
    Os petistas querem aproveitar as eleições para enraizar os debates sobre democratização da mídia, mas sem descuidar das ações parlamentares. A resolução determina que congressistas do PT cobrem da direção do Senado a volta do Conselho Comunicação Social.

    Previsto na Constituição e criado por lei de 1991, o órgão deveria servir como espaço de debates sobre todo o capítulo constitucional que trata da Comunicação Social. Mas foi implementado pela primeira vez apenas em 2002 e só funcionou de fato por quatro anos. Há cinco, se encontra desativado.

    Ainda no parlamento, a resolução determina o apoio às diferentes frentes pela democratização da comunicação, em especial, a Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular, liderada pelos deputados Luiza Erundina (PSB-SP) e Emiliano José (PT-BA). E a projetos de lei que versam sobre o assunto.

    O documento recomenda apoio também as inúmeras frentes estaduais e municipais já instituídas, além do estímulo a criação nos locais em que ainda não existem.

    Pressão no governo
    A resolução não foi o único movimento petista no sentido de tentar criar um clima político favorável – ou no mínimo neutro – à discussão da democratização da mídia. Em setembro, o partido realizou o IV Congresso Nacional de seus 31 anos, e aprovou documento específico sobre a democratização da mídia.

    Em novembro, o partido também promoveu um seminário nacional para discutir o assunto, nos moldes do que propõe que seus filiados façam em âmbito local, durante a campanha municipal de 2012.

    O objeto da cobiça petista é uma proposta de novo marco regulatório para emissoras de rádio e TV. Apesar de o texto estar em elaboração em um ministério que tem um petista à frente, Paulo Bernardo, das Comunicações, passou 2011 inteiro sob análise. O governo deve colocar a proposta em consulta pública em 2012, antes de fechá-la.

    O projeto vai alterar não apenas o Código Brasileiro de Telecomunicações, que em 2012 vai completar 50 anos, como também a Lei Geral das Telecomunicações, que vai para os 15 anos. Segundo os petistas, ambas estão defasadas depois da revolução proporcionada pela internet.

    “O PT está se preparando, não vai fugir da Luta….” – Palavras Minha.
    Joaquim Vaz

  6. Carta Maior
    Política| 28/12/2011 | Copyleft
    Envie para um amigo Versão para Impressão

    PT aproxima-se de jornais regionais, que crescem com verba federal
    Frente à oposição sistemática dos grandes jornais desde o governo Lula, petistas buscam esvaziar poder inimigo estimulando avanço de periódicos regionais. Beneficiados como nunca por verbas publicitárias oficiais, jornais do interior realizam primeiro congresso nacional e defendem democratização da mídia pregada pelo PT.
    Najla Passos

    BRASÍLIA – Na luta para democratizar a comunicação no país, o que na prática significa tentar esvaziar o poder de fogo dos veículos tradicionais, tidos como adversários políticos, o PT tem ajudado a dar visibilidade e apoio aos jornais regionais, aqueles de porte e alcance menor.

    No início de dezembro, a Associação dos Diários dos Interiores (ADI) realizou seu primeiro congresso nacional, no início de dezembro, e contou com a presença de diversos petistas a prestigiar o evento.

    A presidente da ADI, Margareth Codraiz Freire, vê com bons olhos o plano petista de aproveitar as eleições municipais para estimular a consolidação de uma imprensa mais plural, fora do eixo Rio-São Paulo. “Desde o governo Lula, o PT já vem operando a democratização da mídia, ao deixar de concentrar os recursos publicitários naqueles poucos jornais que se consideram grandes”, afirma.

    A regionalização da verba publicitária do governo federal explodiu na última década, especialmente a partir no segundo mandato do ex-presidente Lula. de 2000 a 2010, o número de veículos de comunicação atendidos com verba oficial subiu de de 500 para 8 mil.

    A presidenta Dilma Rousseff manteve essa política e, em 2011, mais de 230 veículos novos passaram a fazer parte da lista de pagamentos publicitários dos órgãos oficiais. Apenas jornais, são 2,3 mil.

    Segundo Margareth, há jornais regionais que, no lugar onde circulam, têm muito mais importância na condução da opinião pública do que os três grandes jornais nacionais. “A tiragem dos jornais regionais é maior e eles penetram em locais onde os grandes não chegam”, esclarece ela.

    Hoje, no interior do Brasil, há 380 jornais diários que, juntos, mantêm uma tiragem de mais de 20 milhões de exemplares. “Não é algo que um governo possa desconsiderar. E a mesma lógica vale parar rádios, sites, blogs e revistas”, acrescenta ela.

    Margareth lembra que, antes do governo Lula, os jornais do interior, assim como rádios e sites, jamais receberam verbas publicitárias do governo federal. Vivam, principalmente, de anúncios do mercado privado. Agora, na gestão Dilma, essa participação foi ampliada. “Ainda assim, é ínfima. A participação do governo federal chega, no máximo, a 1,5% do faturamento líquido de alguns jornais”, contabiliza.

    Leia Mais:

    Regionalização da publicidade avança com Dilma, mas desacelera
    Regionalização da verba publicitária federal explode em uma década

    “O PT está se preparando, não vai fugir da Luta….” – Palavras Minha.
    Joaquim Vaz

  7. O que o Jansen afirma resume perfeitamente o que gostariamos de colocar, ou seja o discurso moralista e udenista da midia é p/ inglês ver não tem e nunca tiveram interesse de moralizar o país, o que desejam é a volta dos que lhes dão guarida, mesmo porque grandes interesses se escondem sob o manto da moralidade.

  8. Eduardo seu texto é perfeito e digno de reflexão de todos nós que em muitas ocasiões escrevem com emoção, esquecendo-se da razão. Quando se debate honestidade não pode prevalecer o lado ideológico, mesmo porque entendo que honestidade é dever.

  9. A “hipnose” coletiva destes veículos de comunicação????? já não faz efeito.O odeio o Lula,odeio o Lula e odeio o PT,odeio o PT.Se já era minimo agora é microscópico,em sua sanha de derrubar a esquerda e colcar os seus no poder,a velha mídia foi ultrapassando todos os limites do razoável e do básico da inteligencia,nem vou falar de ética pois esta nuca tiveram,e esta parte conhecida por nos,a falta de ética,que esta sendo exposta ao grande público.Se eles temiam a regulação da mídia,estão fazendo a si mesmos a pior censura que um veículo de comunicação pode receber,que é a falta de credibilidade,com consequente perda de público.

  10. Concordo com o sr. CPI Já!!

  11. Edu, A tática dos tucanos é sempre a mesma, a melhor defesa é o ataque,por isso agora que caiu a casa deles qual é a estratégia deles? Atacar o PT. Desde os tempos do Malluf é assim , prá se defender atacam o PT. Veja, agora com a denúncia das falcatruas tucanas, que foi uma briga interna de tucanos entre Serra e Aécio, eles correm prá acusar quem? O PT. O tal do trololó petista não cabe mais tucanada, pois agora quem vai ter que prestar contas são voces.

  12. O pior de tudo é que o buraco é mais embaixo ainda. A mídia não só tenta colocar esse assunto da filha do SERRA debaixo do próprio rabo como ainda faz um esforço hercúleo, quando obrigada a se manifestar, de desmerecer o que vai no livro.

    Ontem eu vi a pura desfaçatez e hipocrisia no UOL e FOLHA ao reproduzir a nota de esclarecimento de Verônica Serra e ao invés de procurar inconssistências na nota da moça( e haviam pelo menos duas claríssimas), procuraram desmerecer as denúncias do livro alegando que o repórter não provou a lavagem de dinheiro, como se repórter fosse polícia. Devem achar que o leitor é burro ou algo assim, para não perceber que as movimentações financeiras da moça(essas com fartas provas documentais) suscitam no mínimo uma investigação dos órgãos competentes. O que falta a esse pessoal??? Vergonha na cara.

    Estamos em frente ao mais desavergonhado cinismo midático de que se tem notícia. Já não conseguem usar nem sequer a verossimilhança dos fatos. E a mídia é craque em dourar a mentira e fazê-la parecer verdade, na tarefa de enganar incautos. Dessa vez nem isso estão conseguindo, o que pressupõe que as denúnicas apresentadas no livro são mesmo de arrasar quarteirão. Pressupõe também que estão encurralados.

    Nessa tarefa hercúlea de proteger os seus, a mídia vai mostrando sua cara até mesmo para os incautos e vai caindo numa maré de contradição sem limites.

    Como diz um ditado: Quanto mais se abaixam mais vão deixando o traseiro à mostra.

  13. Houve, há e haverá corrupção…mas houve, há e haverá investigação, isenta e imparcial?

    ue teve corrupção no governo Lula e há no de Dilma é claro como a luz do dia. Assim também podemos afirmar que houve corrupção no governo de FHC, corrupção da grossa. Num campeonato em que se disputa quem é mais corrupto, os governos tucanos ganham de lambuja. O que muitos eleitores de Lula/Dilma não digo militantes porque a rigor requer uma filiação partidária, embora não seja obrigatória, não aceitam é a maneira parcial pela qual a mídia trata os governos de FHC e os de Lula/Dilma. Não fosse este tratamento desonesto, faccioso, ambíguo da velha mídia, muitos dos que apoiaram os governos Lula e apoiam o de Dilma teriam uma posição mais crítica e isenta. Acontece que fomos empurrados à fórceps para uma defesa incondicional em nome da sobrevivência desses dois governos. Se a militância não tivesse tomado para si a defesa dos governos Lula e entrado de corpo e alma para esclarecer o eleitorado por meio da rede mundial de computadores, nas ruas, praças, paradas de ônibus e onde fosse possível, eles teriam tomado as eleições com um discurso fascista baseada numa pretensa moralidade que é apenas um subterfúgio, o que ainda lhe restavam para devolver o poder aos tucanos. E para que fossem desmascarados definitivamente, bastou a publicação de um livro, somente um livro, para os próprios simpatizantes do PSDB perceberem que não existe interesse nenhum da velha mídia em combater a corrupção. Se houvesse esta seria a grande oportunidade. Hoje depois de um longo e tenebroso inverno, a Folha deu a Nota de Verônica Serra em que desmente o livro de Amaury, nos termos exatos defendido pela garota prodígio de Serra. Sem questionar o teor da Nota, nem conferir a ela nenhuma suspeita como costuma fazer com as Notas que os ministros que caíram em desgraça no governo Dilma enviavam a imprensa para se justificar dos ataques sórdidos dos quais foram vítimas, quando viam tais Notas estampadas nos jornais e rebatidas ponto por ponto no corpo da matéria. Acessando os comentários dos post da Nota, percebe-se claramente que a maioria esmagadora dos comentaristas se posicionaram contra as explicações Verônica, a omissão do jornal e seu caráter parcial e partidário ao tratar do tema, primeiro e ignorando e depois desqualificando o autor do livro a Privataria Tucana. Ninguém há de dizer que são petistas que se postaram contrariamente as explicações de Verônica e o comportamento do Jornal, num espaço sabidamente favorável aos tucanos. Estamos vendo a máscara cair e eles pela primeira vez passaram a perceber que foram longe de mais e ainda não sabem o que fazer para dá um tratamento justo e honesto as acusações que pesam contra Serra, amigos e familiares.

    Comentário de Jansen ao post Os filhos e os amigos do Poder publicado em 28 de dezembro de 2011 no Blogcidadania.com.br

  14. Ao inimigos, a lei.
    Aos amigos, a interpretação da lei.

  15. Comecei ontem a ler o livro Privataria Tucana após ganha-lo de um amigo não pensei que fosse tão impactante em alguns trechos tenho vontade de chorar de como essas pessoas foram danosos para o nosso país e ainda continuam por ai posando de estadistas de éticos, esses bandidos devem ser punidos o Brasil não pode ficar impassível diante de tantos crimes

  16. Se o livro de Amaury Ribeiro Jr não servir para trazer de volta o dinheiro roubado pela quadrilha de plantão da era FHC – e é muito provável que nunca se recupere nada, nem se puna os culpados – serviu, e já é um ganho real para a sociedade brasileira, de instrumento para desmascarar a velha imprensa.

    Os que se julgavam com o poder de destruir reputações – e já destruiram tantas … – acabam de descobrir que outros veículos de divulgação de noticias oferece o “outro lado”, ou seja, divulga o que eles escondem, manipulam e mentem.

    A forma de se fazer jornalismo mudou. Qualquer um pode sentar e escrever, e o alcance será proporcional ao interesse das coisas que escreve. Parece que a velha imprensa ainda esta presa aos velhos conceitos do quarto poder, que já está disperso nas mãos de toda a sociedade.

  17. Prezado Eduardo: Quanto à “boa qualidade” e à imparcialidade da nossa grande mídia todos nós já sabemos como a mesma se comporta, portanto, não falarei desse assunto aqui.Citarei entre aspas o que segue abaixo.

    ” MUITO DEPENDE DA REPUTAÇÃO – DÊ A VIDA PARA DEFENDÊ-LA” . Este é o título

    ” A reputação é a pedra de toque do poder.Com a reputação apenas você pode intimidar e vencer; um deslize, entretanto, e você fica vulnerável, e será atacado por todos os lados. Torne a sua reputação inexpugnável. Esteja sempre alerta aos ataques em potencial e fruste-os antes que aconteçam. Enquanto isso, aprenda a destruir os seus inimigos minando as suas próprias reputações. Depois, afaste-se e deixe a opinião pública acabar com eles”.Esta é a lei n° 5 do livro AS 48 LEIS DO PODER, de Roberto Greene e Joost Elffers, Ed. Rocco. Após este título os autores tecem comentários que preenchem 7 páginas somente sobre essa lei.Parece que o PIG usa essa lei quando se trata de alguem que ele quer destruir, assunto que você trata inclusive no seu comentário de hoje. Só não concordo com os autores porque o PIG não larga os ossos daqueles que eles querem destruir. Ele( o PIG) não se afasta dos seus adversários; ele está sempre querendo eliminá-los moralmente e espiritualmente.Pelo menos é assim que eu percebo como ele opera.

  18. A esquerda tem que entender que estamos numa guerra,vencemos uma batalha,duas batalhas,tres batalhas,mas não ganhamos a guerra. Ou vocês acham que a direita ia ficar sossegada olhando a esquerda diminuir as desigualdades sociais,regionais,combater a corrupção,que era regra nesse Pais,combater a miseria,o analfabetismo,a fome,investir na saude publica,educação pública,lazer público,combater o estado minimo,combater os seus privilégios,que eles consideram direitos,sem reagir? O que nós temos que fazer é continuar nessa politica evitando que o atraso volte ao nosso Pais. Um Pais sem miseria,sem fome,sem analfabeto,sem sem teto, sem sem terra,com salário minimo digno,saúde,educação,moradia,lazer,emprego,oportunidades iguais para todos etc etc. Imaginem que isso que Lula fez tivesse sido feito há 50 anos atras,como não seria esse Pais?Hoje.

    • Valerio, parabens, gostei do seu comentário. Muito lúcido. Feliz ano novo

      • Jurema fico feliz por teres gostado do nosso comentário e te retribuo o desejo de feliz ano novo prá te e os teus. Sou Lula-Dilma sim porque não quero um feliz ano novo só prá mim. Feliz Ano Novo para todos os Brasileiros.

  19. O post do Edu e o comentário do Jansen já dizem tudo de forma obsolutamente lúcida e clara. Só acrescento uma coisa. A sociedade espera o dia em que a mídia deixe de usar a corrupção para desestabilizar governos trabalhistas, e os partidos deixem de usá-la para atacarem uns aos outros,
    Aí sim, poderá se discuitr à vera essa praga que acomete a república, que é a mistura do público com o privado, entra partido e sai partido do poder

  20. Que pena que nos jornais não possa ser publicado uma reflexão como a sua. Isenta de paixões podem aproximar melhor os leitores de uma atitude justa, que é só o que queremos. Infelizmente, estamos provando aqui o que a Venezuela, a Argentina e outros tantos governos populares provaram antes (em um estado democrático de direito, é bom lembrar): a guerra suja da mídia contra a democracia. Até os EUA conhece isso muito bem apesar da propalada liberdade de expressão, é só ler um livro que em português tem o título “Detonando a notícia: Como a mídia corrói a democracia americana” de J. Fallows ou qualquer livro do grande Noam Chomsky.

  21. A mídia declara que sua principal finalidade é denunciar a corrupção e os demandos do governo, mas eu pergunto: só do governo do PT? E os outros governos? E as privatarias e roubalheiras dos demotucanos, não existem? Nos poupem, dona mídia, você tem lado!!!!!!!!

  22. O método dos corruptos, TODOS ELES, envolve necessariamente a luta pseudo ideológica de “tucanalhas vs petralhas” pois essa briguinha de criancinha bobinha ajuda aos corruptos dos dois lados a prosperarem em seus propósitos pouco patrióticos e a serem mutuamente acusados e protegidos, fato que cria um clima de penumbra em que é difícil divisar o verdadeiro inimigo do país. Isso explica na verdade uma triangulação que antes se achava ser apenas uma dobradinha. Na cabeça de muitos sempre houve um claro conluio entre a direita política e a imprensa que legitima este discurso muito afável as mentes conservadoras do país, presentes em todas as classes sociais, pois o que tem de pobre que ama a direita não é brincadeira. Ocorre que o livro Privataria colocou mais um ator nessa tabelinha de sucesso: gente do PT e de partidos de esquerda amicíssimos do PIG, somente nos bastidores, e com o passado tão sujo quanto qualquer tucano de alta plumagem. Por conta desta terceira pecinha do tabuleiro é que não saiu a Lei da Mídia, Daniel Dantas não foi encarcerado, o financiamento público de campanha não saiu, ou seja, a unha encravada da corrupção, que prospera nos altos escalões de todos os poderes do país – Mas que na cabeça da mídia e de certa classe média (no QI inclusive) é obra exclusiva do PT – não foi combatida de fato no Brasil. Estes esquerdistas de má conduta é que devem ser combatidos inclusive e principalmente pela CPI da Privataria.

  23. Nunca vi ninguém comentando dos pedágios que o Zuzinha ganhou do papai Mário Covas. Aliás, a arrecadação de todos os pedágios paulistas, entre eles o Zuzinha, deve alcançar 6 bilhões em 2011.

    • Marcelo:

      Certíssimo, nunca viu ninguém mesmo. Nem aqui na blogosfera progressista.
      Já postei algumas vezes, lembrando o enriquecimento das famílias Covas e Montoro (esta, com nada menos que 8 filhos!).
      Não consegui “coro”. O silêncio foi sepulcral.
      É o tal espírito de manada, ou maniqueísmo : só sabem falar mal do Maluf.

  24. Há diferenças factuais escandalosas entre a filho de Lula e a filha de Serra. Para começar, achar que a fusão, com a qual não concordo, da Brasil Telecom com a Oi foi assinada por Lula por causa das gentilezas dadas ao filho é de uma ingenuidade e ignorância política escandalosas. A escandalosa(pelos valores que movimentou terem sido financiados pelo Governo Federal) fusão entre a Brasil Telecom e a Oi foi antes de tudo uma forma do Governo Lula ao mesmo tempo acovardar-se diante dos crimes das privatizações de FHC e livrar-se do bandido Daniel Dantas, sem contudo puní-lo por seus roubos. Afinal, a Brasil Telecom foi adquirida por Dantas nas privatizações(para ser mais exatdo, Dantas adquiriu o controle da empresa, mesmo sendo minoritário, graças a uma manobra do Governo FHC em seu favor). Após assumir o controle, o banqueiro bandido passou a usar a empresa como arma para suas ambições pessoais, entre elas vencer as inúmeras brigas acionárias surgidas pela óbvia revolta dos demais sócios em serem controlados por um minoritário, além de gerí-la de forma fraudulenta, usando entre outras coisas “contratos” de publicidade como maquiagem para transferência de recursos para o Caixa 2 de campanhas políticas(é aí que está o verme da tecnologia de Caixa 2 criada pelo PSDB para a campanha de Eduardo Azeredo em 1998 e depois adquirida pelo PT). Todas esses fatos foram investigados pela Operação Satiagraha, que por isso foi sabotada tanto pela mídia quanto pelo Governo Lula, novamente temeroso da “indignação” dos donos do poder ao verem seus podres expostos, uma vez que além dos crimes de Dantas na Brasil Telecom, a Satiagraha também investigou as operações ilegais do Oportunitty Found, pertencente ao baqueiro, o qual adquiriu diversas empresas privatizadas e só poderia possuir entre seus clientes pessoas não residentes no Brasil(devido a uma séria de restrições legais que acompanham esse tipo de fundo), mas que teve entre seus componente inúmeros brasilerios aqui residentes. Foi para acalmá-los, e livrar-se de Dantas(que recebeu um “cala a boca” de US$2 milhões para encerrar as inúmeras ações que movia contraa fusão e contra a Oi, que também encerrou os processos contra o banqueiro)que o Governo Lula aceitou mudar a Lei Geral de Comunicações e, via BNDES, ser o principal financiador dessa operação nefasta(o Estado “emprestou” todo o dinheiro para os dois empresários que adquiriram a nova companhia. Entre eles estava uma velha figurinha das privatizações, Carlos Jereissati) , com a qual acreditava conseguir ao mesmo tempo em que retirava o banqueiro pilantra do setor de comunicações, encerrar quaisquer investigações sobre as privatizações dessa parte da telefonia, que poderiam “milindrar” os donos do poder. Em suma, foi uma ação movida tanto pela vontade de limpar o setor de comunicações(ainda que já iniciando a limpeza de forma suja, ao financiar os dois compradores), como principalmente de livrar-se do sujeito que estava por trás não apenas das privatizações, mas principalmente de todos os ataques midiáticos feitos contra o Governo Lula. E não um simpels agrado a quem bajulou o filho do presidente. Quanto a “Zezinha”(Verônica Serra), nós temos não uma simples “ajuda” empresarial estranha, mas o estabelecimento de uma máquina de desvio de dinheiro, feita graças à promoção empresarial da filhinha de Serra(que ocorreu não para lhe dar um negócio, mas para estabelecer uma estrutura de desvio de dinheiro), que tanto serviu para retirar ilegalmente do país as propinas das privatizações, como para aportá-las novamente no Brasil, e ainda para remeter ao país recursos provavelmente destinados à campanha presidencial do papai Serra. Há diferenças factuais que não podem ser ignoradas por uma suposta imparcialidade idiota que, nesse caso, tornaria-se parcialidade ao tratarmos de forma igual situações diferentes.

Trackbacks

  1. Os filhos e os amigos do Poder « Ficha Corrida

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.