O nível deprimente do debate político no Brasil

Concorde-se com que não é só aqui. Por influência dos Estados Unidos, a América Latina inteira faz política por meio de verdadeiras brigas de rua em que prevalece quem consegue xingar e acusar de forma mais virulenta e insultante, mesmo que isso se deva a ter como propagar melhor suas arengas por ter a mídia ao seu lado.

Não importa se é assim que outros países da região fazem. Vivemos no Brasil. Não é porque os vizinhos fazem política só por meio de lutas encarniçadas que temos que continuar assim.

A que se reduziu o debate político, neste país, se não a acusações mútuas de ladroagem entre os dois grandes grupos que dividem a política nacional? E, ainda por cima, com o concurso de partidos de uma terceira via de extrema-esquerda que enveredam pelo mesmo caminho tortuoso da desqualificação simultânea dos dois grandes adversários.

O processo se inicia com o clima estabelecido pela mídia. Os seguidores desses jornais, revistas e sites corporativos recebem cargas de denúncias contra petistas e aliados, saem repetindo, ipsis-litteris, os bordões criados para esse fim, mas os beneficiados por esse esquema, o PSDB e os aliados dele, recebem o troco na mesma moeda, pois é nesses termos que o debate foi estabelecido.

Se a mídia quisesse, poderia instilar um comportamento menos ensandecido em atores políticos e militância. Se não tivesse optado por escolher um lado, o debate político melhoraria de nível em pouco tempo. Os grupos políticos passariam a debater visões sobre a administração do país, dos Estados e municípios, o que seria uma benção.

Denúncias de corrupção passariam a ser feitas de forma menos leviana, sobre casos consistentes e não sob exageros que visam transformar o outro lado no “mais corrupto da história”. E ambos os lados acabariam por adotar procedimentos comuns diante de casos de corrupção entre os adversários, não se dispondo a culpar a todos pelo que fizessem alguns.

Claro que cada grupo continuaria a ter seus assaltantes, mas uma imprensa isenta e crível poderia fazer a distinção entre joio e trigo e, assim, chamar à razão quem só pensasse em exterminar o adversário valendo-se da descoberta de que entre suas hostes alguém se corrompeu.

Sonho de uma noite de verão? Claro que é. A vida não é bela. O homem tem essa natureza deletéria.

Todavia, há, sim, sociedades nas quais não há uma só forma de fazer política – acusando o adversário de ladrão e outras “gentilezas” análogas. Mas essas sociedades só conseguiram chegar a esse estágio após colocarem a comunicação de massas a seu serviço.

Hoje, no Brasil, o cidadão comum, aquele padrão de brasileiro que pouca importância dá à gritaria de parte a parte entre a classe política e a mídia por não ter como distinguir o que é acusação verdadeira do que é apenas luta política, vai ficando impermeável a denúncias de corrupção.

Inexiste hoje, em nosso país, um ente apartidário ao qual se possa dar crédito para apontar o que está certo e o que está errado entre este ou aquele grupo político. A imprensa deveria exercer esse papel, mas, infelizmente, ela se tornou notícia, uma protagonista da comédia política, ainda que sem intenção.

Todos os partidos têm os que buscam se locupletar e aqueles que apenas têm idéias das quais se pode discordar, mas que não são canalhas. A comunicação de massas poderia separar uns de outros, se fosse séria.

E o pior é que a falta de seriedade da mídia não muda mais nada na percepção que o povo tem da política. Que resultado ela colheu do bombardeio, da sabotagem incessante do governo Dilma? Nenhum, ao menos em termos de prejuízo de sua imagem.

E Lula, então… Não poderia ser mais popular. Nem mercenários contratados para difamá-lo conseguiram sequer arranhar sua popularidade simplesmente porque ninguém mais dá bola a denúncias de corrupção.

Não há luta mais importante para o Brasil neste momento histórico, portanto, que não seja a de democratizar, de civilizar e de tornar séria a comunicação de massas. Sem isso, este país ainda correrá risco de cair nas mãos do que há de pior na política, tanto de um lado quanto do outro.

Se você ficou deprimido, não se pode culpá-lo. É deprimente mesmo esse quadro político vigente em nosso país. Mas, para não deixá-lo terminar o texto assim, uma boa notícia: há gente que está lutando com muita seriedade para dar ao Brasil a mídia de que tanto precisa. Um dia chegaremos lá. Temos que acreditar nisso.

Tags: , , , , , ,

69 Comentário

  1. Caro Eduardo Guimarães,

    um só reparo façoem seu texto … e é no título.

    Para mim deveria ser: “O nível deprimente do debate político no Brasil, tem um CULPADO !”

    Ou se preferires >>> tb poderia ser: ” …, tem SOLUÇÃO !

    Abs,
    Alexandre Cesar Costa Teixeira

  2. Política não poderia ser discutida nos moldes em que discutimos o esporte futebol.
    Os partidos fazem o papel dos times, os políticos dos jogadores, e os militantes das torcidas. Infelizmente.

    Em tempo: “Que resultado ela colheu do bombardeio, da sabotagem incessante do governo Dilma? Nenhum, ao menos em termos de prejuízo de sua imagem.” – é bom esclarecer que esse “sua imagem” se refere à imagem da Dilma porque em relação à imagem da mídia, o resultado é que ela própria conseguiu negativar.

    • Gerson, Eduardo,

      Estão querendo fazer análise da Dilma em cima da faxina, pelos dados da pesquisa CNI/Ibope, mas a verdade é que a aprovação dela não está nada em cima disto aí, pois a faxina nem chega esta historinha no povão.

      A faxina é historinha para debates via internet e leitores de jornais e aqueles que se interessam por política. O que houve foi que Dilma retomou o modelo Lula e saiu de falar apenas com a imprensa dita “nacional” e retomou o diálogo com a imprensa local, ou seja, quando ela vai a algum estado, na faz mais a sandice de só falar com os jornalistas que lhes dão cobertura.

      Ela simplesmente se tocou que tem que falar com o povo regionalmente. Para que isto aconteça, precisa conhecer as realidades de cada estado, cada região. Não adianta falar de trem-bala na Bahia, por exemplo, se lá o problema é emprego, interiorizar a indústria e tantos outros.

      Finalmente ele começou a acertar, porque ficar dando entrevista para aquele bobo lá de o Globo dizendo que gosta de novelas, indo ao programa da Ana Maria Braga, depois que li um livro que falou sobre a idiotice que mandaram Waldir Pires para o programa do Chico Anísio e a chacota que foi aquilo, compreendi, como já tínhamos falado antes, como fizeram besteira a assessoria de imprensa da Dilma.

      E continuam fazendo, mas não como fizeram no ínicio de governo. Sinceramente, tem coisa mais idiota do que colocarem a presidente da República para ir falar de comidinha num programa da Globo? Pois é, esta idiotice foi feita lá atrás com Waldir Pires ao dar uma resposta ao ACM num programa de humor.

      Isto se aplica a jogadores de futebol, enfim, qualquer cidadão que tenha 15 minutos, senta no sofá de alguém na tv ou vai pilotar um fogão. Quando se deram conta de que a realidade do país não é o que o jornal mostra, as coisas começaram a mudar.

      Há duas semanas fui a zona oeste do Rio, comprei um jornal para ir lendo até chegar a casa. Ao chegar, havia muitas pessoas reunidas na casa, familiares, não são aquilo que se pode chamar de ignorantes, estava eu com o jornal o Globo e aí me perguntaram: Tu lê este jornal?

      Diariamente, não, só quando quero ver o que determinada pessoa vai falar e se aquilo que ela vai falar vai ter repercussão. Então falei o nome da pessoa e eles disseram; Quem é este?

      Então perguntei e vocês leem jornal? Não, domingo quando vou comprar pão, às vezes compro o dia. No meu trabalho tem este jornal, mas não leio, não gosto. E como você se informa? Pelo rádio, pela internet e à noite pela televisão, quando eu chego.

      Acredito que isto é realidade em grande parte da população brasileira, todos têm telefone que têm internet, tv e rádio. Então, a notícia que o jornal espaira, sai de forma orquestrada, bem ao estilo Mera Coincidência para que se consiga repercutir.

      A diferença é que agora tem uma contraposição e isto está a incomodar e as análises antes tidas como verdadeiras e absolutas são desmentidas e mostrados outros fatos das notícias.

      Mas antes disto o ódio e a raiva já foram disseminadas visto que a eleição de 2010 trabalhou imensamente isto. Então, fica este vale tudo e a mídia é grande responsável por isto, sem dúvida. Mas o governo também não fica atrás, porque ele ou os assessores não tem um feedback para verificar as mudanças que estão acontecendo.

      O governo Dilma ainda não dialogou com a blogosfera, é como se ela não existisse. Como não dialogar com um canal de comunicação que divulga o que divulgou e dar o resultado que dá. Bem, como já se corrigiram e viram que o Brasil não é SP e Rio, de repente se darão conta de que notícia não são apenas as veículadas pela dita grande mídia, ou melhor dizendo, os jornalões.

      Vou repetir o que coloquei aqui ontem porque não tenho certeza, mas tenho convicção disto:

      “Albert Einstein mostrou que aumentando a frequencia de uma vibração, aumenta-se, proporcionalmente, a energia que está associada a esta vibração, podendo resultar numa queda de um objeto sólido. É isto que acontece quando um cantor de ópera, por exemplo, consegue quebrar uma taça com determinada nota musical ou um exército partir uma ponte apenas com a vibração de sua macha.”

      Vibração desta força que é a blogosfera, este é o mote na construção de um novo Brasil. Ulalá, estamos no caminho.

  3. Quanto mais penso, mais acredito que houve um acordo ou melhor dizendo, uma chantagem muito grande com o PT. Senao vejamos
    final de 2002, Lula eleito presidente do Brasil, Dolar a 4 reais, inflacao explodindo, o valor dos bonds da divida externa caindo, o pais sem credito e saindo do apagao, a impresa corporativa contra e de ma vontade, o governo e minoria no senado e camara, vai ter de fechar aliancas com o diabo para ter um minimo de governabilidade.
    Tudo isso na cabeca do Lula e do time de transicao. A possibilidade de rever as privatizacoes…
    Ameca. O capital externo, que comprou muitos do que foi privatizaco term forca o suficiente para deixar o pais sem pao e sem agua. Temos todo o edificio legal criado para proteger as privatizacoes, O STF derrubaria toda e qualquer tentativa de mudanca na ordem juridica
    O PT, o PCdoB, o PDT e o PSB sao juntos minoria, seriam esmagados na camara
    A imprensa iria fazer campanha, acusando o Lula de tudo, mas com a diferenca de que com o judiciario paralisado, o legislativo paralisado, e o pais sem diheiro, a populacao iria as ruas contra o governo Lula.
    Por isso eu acredito que o acordo/chantagem foi.
    Vc nao vai atraz da privatizacao, nao mexe no passado, paga os juros da divida, poe o Meirelles no BC, nao muda muito na politica economica e estamos conversados, Caso contrario, caso contrario, voces nao terminam o governo.
    Por isso ele disse que ele nao tinha o direito de errar, o jogo e muito mais pesado que a gente imagina.
    Por isso o silencio, por isso o apanhar calado, essa foi a ordem, nao entrar em bola dividida!
    O Brasil teve sorte deter tido o Lula. Tivesse sido outro, teriamos tido um golpe e a turma do caribe estaria de volta ao poder…

    • Acho que isto é verdade, mas as condições agora são outras, é uma oportunidade para rever o processo e além disso demonstrar como a impressa atua para muitos brasileiros.

      • Ivo,
        Concordo com voce e penso que o Lula foi chantageado pelo mercado e teve que engolir o Meirelles no Bacen, entre outros, como representantes do “status quo” vigente. Naquele momento político não havia muita coisa a se fazer diferente do que assistimos. Mas hoje, as condições são outras e não há motivos, a menos que o governo e o PT se mantiveram reféns do mercado pelos mesmos malfeitos do PSDB.
        A política de distensão da Dilma, tendo o Palocci como seu principal mentor, se demonstrou um total desastre e o governo ficou atordoado e sem ação. O momento atual, de extrema fragilidade do PIG, como de resto os seus satélites partidos políticos, é momento de partir pra cima, provocar a ruptura desse modelo de imprensa partidarizada e corrupta. Se o PT não o fizer, restará cristalino que igualmente está mergulhado na mesma roubalheira do patrimônio público.
        Li agora que o Aécio clama pela refundação do PSDB, então, não seria o momento também de pedir a refundação do PT?
        O que estamos vendo é que PT/PSDB, são as duas faces da mesma moeda.
        Quanto ao PIG, o tempo se incumbirá de atirá-los-los à margem do processo de democratização dos meios de comunicação.
        Só pra não ser repetitivo, vou continuar batendo na mesma tecla de que o PT, do jeito que está, é o “adversário” a ser combatido, pois dos inimigos reais, podemos esperar qualquer coisa!

  4. Realmente, é a atitude corporativa da mídia que estimula o quebra-pau despolitizante.

    Lamentável que partidos como PSTU, PSOL e outros não se importem com regulamenação dos meios de comunicação. Aliás, ao contrário: militantes destes partidos muitas vezes andam com a Veja debaixo do braço, repercutindo as “denúncias” deste veículo de ultra direita.

    Nossa luta pela regulamentação é sui generis pois, ao contrário de países da América do Sul e Europa, aqui NENHUM partido parece querer a regulamentação da mídia. O PT, por exemplo, promove “seminário” sobre o tema. Como disse o PHA, não tem que promover seminário, tem é que governar. Ou seja, colocar o tema para debate público e colocar para votar a Ley de Medios no Congresso.

    • #PedalaGurgel

    • Verdade Locatelli.
      A base sindical a que pertencia era comandada pelo PSTU. Reclamei que eles distribuíam jornais e panfletava na rua palavras de ordem (muitas vezes grosseiras) só contra Lula/Dilma/PT e mais diretamente contra seu adversário, a CUT, repercutindo sempre as denúncias da mídia. Nem me deram bola.
      O mesmo acontece com aqueles que deixaram o PT, parece que nem estão mais contra privatizações: Heloisa Helena, Marina, Cristovam Buarque, etc. .Exceção à Erundina, que eu me lembre.
      Aliás não tem ninguém do PSTU eleito no congresso, tem? É que o povo não aguenta tanto radicalismo sem proposições e ações concretas.

  5. Edu, quando comecei a ler seu texto intuí que a solução seria a mesma que chegastes ao final: a pluralidade dos meios. Felizmente, a blogosfera cumpre este papel, mas não é o suficiente. É necessário estender também a outras vias. Se queremos uma democracia plena, é preciso coragem para a lei de meios. O momento é, mais que nunca, agora!

  6. Editora Abril é condenada a indenizar ex-governadora Yeda Crusius

    A Editora Abril foi condenada pela 2ª Vara Cível de São Paulo a indenizar a ex-governadora Yeda Crusius em R$ 54,5 mil por danos morais. O motivo é a publicação de uma matéria veiculada pela revista Veja sobre a Operação Rodin. Em sua edição 212, a Veja publicou matéria que falava de uma gravação em poder de procurados federais, em que o ex-assessor dela Marcelo Cavalcante admitia que ocorrera corrupção na campanha eleitoral da tucana e desvios no Detran. O juiz Claudio Thome Toni entendeu que faltou “cautela” da revista ao não relatar com clareza que as denúncias contra a então governadora já haviam sido arquivadas. Também pontuou que a ex-mulher da Marcelo, Magda Koegnikan, não confirmou ter dado as declarações que constam na matéria.

  7. Legal, e daí?

    TERÇA-FEIRA, 26 DE ABRIL DE 2011

    Condenação da Editora Abril
    Quando Luiz Marinho era presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC viajou para tentar reverter a decisão da Volkswagen de demitir 3 mil funcionários da fábrica brasileira. Em 2005, quando Luiz Marinho foi nomeado à pasta do Ministério do Trabalho, a Veja reproduziu de forma depreciativa matéria publicada no jornal alemão Die Welt, que revelava a participação do então dirigente sindical em festas patrocinadas pela VW, na ocasião das negociações, em 2001.
    A publicação da Veja dizia: “Farra de pelego, canto de galo. Ministro caiu na gandaia à custa da Volks. E voltou contando lorota”. Em outro trecho a notícia diz que, “em 2001, o atual ministro do Trabalho e então presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Luiz Marinho, viajou para a Alemanha para tentar reverter a decisão da Volkswagen de demitir 3 mil funcionários da fábrica brasileira. Ao retornar, Marinho fez aos empregados da empresa um relato edificante da viagem, segundo notícias publicadas à época”. Continua a reportagem: “Fica muito menos heróico o relato acima depois que o ministro foi atingido em cheio, na semana passada, pelo escândalo sexual que abalou a empresa alemã. Ao que tudo indica, Marinho atingira seu paraíso muito antes de virar ministro”.
    Se sentindo ofendido com a matéria, Luiz Marinho ajuizou ação de indenização por danos morais, em primeira instância perdeu, recorreu, e agora teve seu recurso provido.
    O Tribunal de Justiça do Distrito Federal considerou que a revista extrapolou seu dever de informar ao usar expressões pejorativas, que denegriam a honra e a imagem de Luiz Marinho. Segundo o relator do recurso, “não obstante o direito à liberdade de informação ser garantido na Constituição Federal, tal liberdade encontra limites quando confrontada aos direitos de inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da honra e da imagem das pessoas, também protegidos constitucionalmente”. Ele afirmou: “Se a liberdade de imprensa é indispensável à verificação da democracia, o abuso dela constitui um mal incalculável”.
    Prejuízo da Abril foi no valor de R$ 50.000,00, vale dizer que ainda há possibilidade de recurso ao Superior Tribunal de Justiça.
    Postado por Carla Zahlouth

  8. Edu,

    Só acredito nisso, porque é você o autor destas palavras. Pois o quadro realmente deprime.

  9. Perdoe-me por não concordar, Eduardo… coisa dificil de acontecer… mas creio que o principal embate político que ocorre neste país é entre a mídia golpista, o PIG contra o Governo, a blogosfera e o PT… o PSDB é filhote e dependente do PIG e só tem poder de luta quando o PIG o ajuda (ou tenta ajudá-lo)… não acredito que o PSDB sozinho (sem o PIG) seja um oponente forte, nem nos discursos nem em seus Governos, ao PT. Lembrando sempre que o PT não é defendido pela blogosfera, com omissões ou manipulações, conforme faz o PIG com o PSDB.

  10. Eduardo, me parece que enquanto a quase totalidade dos meios de comunicação brasileiros forem ‘propriedade privada’ de meia dúzia de famílias que, obviamente, pertencem à elite, à minoria privilegiada deste país, não há muito o que discutir… É obvio que esse segmento será sempre fiel, exclusivamente, aos seus interesses imediatos de ordem política, econômica, cultural e quantas mais houver. A questão chave para resolver o problema da mídia partidarizada no Brasil, a meu ver, é REDISTRIBUIR o controle dos meios de comunicação para o maior número possível de segmentos sociais. Em fazendo-se isso, não teremos mais uma mídia vendida e parcial, que só defende os interesses de A, B ou C; teremos, isto sim, uma mídia que dará voz aos mais amplos setores da política nacional, cuja missão conjunta será a de representar a totalidade, ou pelo menos, a grande maioria da sociedade nacional. Só discordo deste seu post quando você diz: “…partidos de uma terceira via de extrema-esquerda que enveredam pelo mesmo caminho tortuoso da desqualificação simultânea dos dois grandes adversários.” A meu ver, a extrema-esquerda brasileira não tem desqualificado seus “dois grandes adversários”. Desqualifica apenas a um deles, o governo. Ao outro, que é a oposição de direita, a extrema-esquerda tem continuamente endossado e servido como linha auxiliar, sem ter o mínimo discernimento para perceber qual de seus dois grandes adversários é mais conveniente ao povo brasileiro…

  11. Como na maioria das vezes voce foi perfeito,Eduardo, o grande nó de tudo é uma midia verdadeiramente democratica e republicana, se assim fosse, provavelmente, grande parte da roubalheira ocorrida na privatização não teria acontecido e se tivesse os responsaveis ja estariam na cadeia.A postura de partidos que teriam muito a contribuir como o PSOL e PSTU é ridicula, fazem o papel de bobos da corte da direita.

    Quanto ao PT, a postura deles em relação a regulamentação da midia chega a ser criminosa, depois de NOVE, 9, REPITO NOVE anos no poder fazem um seminario “engana trouxa” para falar do assunto e fica tudo por isto mesmo. Sabe o que é pior Eduardo, voce ja parou para pensar que nunca na historia deste pais um partido teve a oportunidade de fazer o marco regulatório como o PT tem e não faz absolutamente NADA?? ha sim, esqueci fez um seminario rsrsrs!!!. E este “anti-legado” que o “PT Paulo Covarde Bernardo” vai deixar para a direita quanto ela voltar ao poder será a maior “herança maldita”, que um partido que tinha condições historicas nunca antes vista, deixara para nosso sofrido povo que tera apenas, como diz, lamentavelmente, a Dilma o “controle remoto nas mãos”.

    Mais uma vez vemos a historia se repetir ha 500 anos, tudo é sempre um grande “acordão” com as elites internas e externas:

    -Abolição da escravatura, acordão entre ingleses e elites locais, desta forma ficou incompleta;
    -Proclamação da republica, acordão;
    -FIm da ditadura, acordão;
    -Vitoria do Lula, acordão (carta aos brasileiros,fim da CPI banestado,etc)

    Poderia dar varios exemplos, mais enquanto isto a lei de medios não sai (acordão com o PIG), o kid anti-homofobia foi engavetado (acordão com as igrejas),discriminização do aborto (novamente acordão com as igrejas),taxas de juros elevadas (acordão com o sistema fiananceiro),corpo mole com a privataria(acordão com todos os ladrões) e por ai vai, mais tudo isto como repetem alguns amigos faz parte de “uma grande estrategia” como foi UMA GRANDE ESTRATEGIA BAJULAR O PIG, IDA A FOLHA, ETC. Enfim Eduardo, vamos para as ruas, porque se depender disto que esta por ai, como diz o velho ditado popular,muda as moscas mais a m….é a mesma. Umgarnde abraço

  12. publico esse comentário porque ilustra o post à perfeição

  13. Concordo que não há debate político, mas como não existem políticos ….
    Por outro lado, discordo frontalmente da “expectativa” de que a mídia tupiniquim pudesse exercer outro papel que não esse que faz .
    Nossa imprensa é o “espelho” de nossa sociedade dominante, conservadora, reacionária, atrasada, hipócrita, partidária, parcial, mentirosa, amadora, preconceituosa, machista, incompetente e corrupta.
    Caso trabalhemos com planejamento, foco e afinco, tardaremos 20/25 anos para termos uma imprensa digna.

    • Noir por favor não se esqueça do oásis que possuímos: a tv pública que sustentamos todinha para fazer exatamente o que o PIG faz: lutar contra o povo através do jornalismo de programa. Não é linda a caçulinha do PIG? Nós que pagamos.

  14. E nos espaços do esgoto de seus amigos da Óia?Os adversários são tratados a pão-de-ló???
    Veja as respostas que o seu amigo AN, dá aos internautas que discordam de suas posições???
    Nem a opinião do adversário é colocada na íntegra… dando margens a várias interpretações, ele simplesmente mutila o pensamento contrário. ….

  15. Se o PT é corrupto e assassino,como vc mesmo diz,o PSDB é o que?Se o PSDB é tão cheio de virtudes como vc parece acreditar,porque foi derrotado em tres eleições consecutivas?Se é tão ético,tão amigo da legalifdade,tão correto,porque ele permite a existencia entre seus membros de um alcoolatra e toxicomano como Aécio Neves,conhecido na high-society como ¨Aecinho do Pó¨?Cade as propostas detalhadas do PSDB para o Brasil?Ou tais propostas existem e são tão infames que não podem ser mostradas à luz do dia?

    • O livro do Amaury mostra bem o que eles fazem quando estão no governo.
      Essas são as “propostas” deles. Entre outras, entregar o pré-sal à Chevron.

  16. Edu, vejo que isso ocorre por haver um terreno fértil, povo despolitizado, ainda preferimos as novelas do que as praças e ruas. Então acho que sua proposta é válida de irmos de volta para as praças e ruas, pois esse é o lugar do povo. Poderíamos lançar o movomento LBC – Levanta a Bunda da Cadeira. Avante meu povo, Liberdade ainda que tardia!!!!!

  17. Há muitos anos, quando se usava jornal como papel de embrulho nas feiras, nas peixarias, nos açougues, poucos comentavam que aquilo era anti-higiênico. Um dia descobriram que jornal era sujo, que sua tinta continha chumbo e poderia conspurcar o alimento. Hoje, muitos já se dão conta de que as notícias também são sujas, os artigos, por mais bem escritos que sejam, provocam náuseas e até as imagens nos enoja de tão manipuladas. Quanto aos políticos, o que dizer? Sempre atuaram porcamente durante toda a história. Um e outro se esquiva da pocilga e leva seu trabalho adiante. Com esses poucos é que o mundo vai melhorando. Poderíamos estar bem mais avançados em todas as áreas. Bastaria que se invertessem essas posições. Que os porcos, tanto da imprensa quanto da política fossem minoria, ou, para o bem da humanidade, deixassem de existir.

    PS: Perdoem meus comentários alcoólicos.

    • MAS…. eles são a minoria mesmo, são o 1%, nós somos o restante 99% amarrados com linha no tronco imaginário a que nos acorrentaram: o tronco do povo pacífico, pacato e ordeiro do Brasil, somos tão fofos.

      • Mas Inês, devemos crer que esse povo pacífico, em breve dirá como na música de Chico Buarque:

        Apesar de você (eles)
        Amanhã há de ser outro dia
        Eu pergunto a você (eles) onde vai se esconder
        Da enorme euforia?
        Como vai proibir
        Quando o galo insistir em cantar?
        Água nova brotando
        E a gente se amando sem parar

  18. Caro Eduardo Guimarães. Muito bem apresentado a sua reflexão e leitura da nossa realidade. A mídia não tem interesse de desempenhar um papel sério no regime democrático que está, de separar o joio do trigo, o mal e o bem intencionado POLÍTICO. Ela não faz isso.
    Não fico nem um pouco assustado com o aumento dos salários dos vereadores de Campinas, pois eles estão reajustando seus vencimentos como qualquer outra categoria, como os empreendedores reajustam os seus produtos e serviços, como os servidores também recebem os reajustes e assim por diante.
    Gente, a questão maior nessa história toda não é esse debate, e sim, o porquê muitos hostilizam os políticos. Estará a mídia nos ajudando, ou ajudando os brasileiros a separar o joio do trigo, o mal e o bom político? Estará a mídia cumprindo o seu papel de informar ou está ela, trabalhando para um grupo político e econômico? Esse é o debate que devemos levantar.
    Assusta ver todos generalizando o comportamento dos políticos (todos). Tem políticos sérios sim, e isso não se pode negar por um único MOTIVO. Existem muitos, ou se não a maioria dos eleitores são honestos, trabalhadores, sérios e bem intencionados. Só fazem a leitura errada da mídia.

  19. Nossa sociedade ( mídia à frente) historicamente não consegue discutir suas realidades. Isso deforma e mantém atrasado o debate.
    E nós ficamos aqui buscando “palavras, palavras, palavras” ( Gonzaguinha).
    Darcy Ribeiro dizia que no Brasil “uma vaca, uma galinha ou um cabrito tinha alguém que cuidava delas. Já milhares crianças… Nunca vimos valor numa criança pobre.
    Quantos geniais “lulas” já perdemos?

  20. Oi Edu , é bom poder estar de volta e encontrar esse ótimo texto .Abraços.

  21. Acho que ele,(tal qual eu mesmo) já tomou as suas brejas.. Bom que, no meu caso, ainda não escorreguei no texto…

    • Ih, apaga tudo!

      Escorreguei sim; não era no texto e sim na capacidade dele(com as brejas no caco) de abstrair o conteúdo real do post em seus texto. Bagunçou mais ainda?

      De qualquer maneira, que seja, tá documentado; Prost!

  22. Naõ adiante com o pessoal de Direita ja se dise aqui: não há possiblidade de er bons modos..Os caras são sujos e pronto . O negócio é se defender atacando com um boa administração e com os bloguerios fazendo guerrilha justa ao moldes dos vietecons

  23. Sugiro encarecidamente ao Eduardo a reprodução do texto do Mauro Santanyana:

    http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=5361

    Hora de rever as privatizações
    Se outros efeitos não causar à vida nacional o livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr., suas acusações reclamam o reexame profundo do processo de privatizações e suas razões. A presidente da República poderia fazer seu o lema de Tancredo: um governante só consegue fazer o que fizer junto com o seu povo.

    Mauro Santayana

    Se outros efeitos não causar à vida nacional o livro do jornalista Amaury Ribeiro Jr., suas acusações reclamam o reexame profundo do processo de privatizações e suas razões. Ao decidir por aquele caminho, o governo Collor estava sendo coerente com sua essencial natureza, que era a de restabelecer o poder econômico e político das oligarquias nordestinas e, com elas, dominar o país. A estratégia era a de buscar aliança internacional, aceitando os novos postulados de um projetado governo mundial, estabelecido pela Comissão Trilateral e pelo Clube de Bielderbeg. Foi assim que Collor formou a sua equipe econômica, e escolheu o Sr. Eduardo Modiano para presidir ao BNDES – e, ali, cuidar das privatizações.

    Primeiro, houve a necessidade de se estabelecer o Plano Nacional de Desestatização. Tendo em vista a reação da sociedade e as denúncias de corrupção contra o grupo do presidente, não foi possível fazê-lo da noite para o dia, e o tempo passou. O impeachment de Collor e a ascensão de Itamar representaram certo freio no processo, não obstante a pressão dos interessados.

    Com a chegada de Fernando Henrique ao Ministério da Fazenda, as pressões se acentuaram, mas Itamar foi cozinhando as coisas em banho-maria. Fernando Henrique se entregou à causa do neoliberalismo e da globalização com entusiasmo. Ele repudiou a sua fé antiga no Estado, e saudou o domínio dos centros financeiros mundiais – com suas conseqüências, como as da exclusão do mundo econômico dos chamados “incapazes” – como um Novo Renascimento.

    Ora, o Brasil era dos poucos países do mundo que podiam dizer não ao Consenso de Washington. Com todas as suas dificuldades, entre elas a de rolar a dívida externa, poderíamos, se fosse o caso, fechar as fronteiras e partir para uma economia autônoma, com a ampliação do mercado interno. Se assim agíssemos, é seguro que serviríamos de exemplo de resistência para numerosos países do Terceiro Mundo, entre eles os nossos vizinhos do continente.

    Alguns dos mais importantes pensadores contemporâneos- entre eles Federico Mayor Zaragoza, em artigo publicado em El País há dias, e Joseph Stiglitz, Prêmio Nobel de Economia – constataram que o desmantelamento do Estado, a partir dos governos de Margareth Thatcher, na Grã Bretanha, e de Ronald Reagan, nos Estados Unidos, foi a maior estupidez política e econômica do fim do século 20. Além de concentrar o poder financeiro em duas ou três grandes instituições, entre elas, o Goldman Sachs, que é hoje o senhor da Europa, provocou o desemprego em massa; a erosão do sistema educacional, com o surgimento de escolas privadas que só servem para vender diplomas; a contaminação dos sistemas judiciários mundiais, a partir da Suprema Corte dos Estados Unidos – que, entre outras decisões, convalidou a fraude eleitoral da Flórida, dando a vitória a Bush, nas eleições de 2000 -; a acelerada degradação do meio-ambiente e, agora, desmonta a Comunidade Européia. No Brasil, como podemos nos lembrar, não só os pobres sofreram com a miséria e o desemprego: a classe média se empobreceu a ponto de engenheiros serem compelidos a vender sanduíches e limonadas nas praias.

    É o momento para que a sociedade brasileira se articule e exija do governo a reversão do processo de privatizações. As corporações multinacionais já dominam grande parte da economia brasileira e é necessário que retomemos as atividades estratégicas, a fim de preservar a soberania nacional. É também urgente sustar a incontrolada remessa de lucros, obrigando as multinacionais a investi-los aqui e taxar a parte enviada às matrizes; aprovar legislação que obrigue as empresas a limpa e transparente escrituração contábil; regulamentar estritamente a atividade bancária e proibir as operações com paraísos fiscais. É imprescindível retomar o conceito de empresa nacional da Constituição de 1988 – sem o que o BNDES continuará a financiar as multinacionais com condições favorecidas.

    A CPI que provavelmente será constituída, a pedido dos deputados Protógenes Queiroz e Brizola Neto, naturalmente não se perderá nos detalhes menores – e irá a fundo na análise das privatizações, a partir de 1990, para que se esclareça a constrangedora vassalagem de alguns brasileiros, diante das ordens emanadas de Washington. Mas para tanto é imprescindível a participação dos intelectuais, dos sindicatos de trabalhadores e de todas as entidades estudantis, da UNE, aos diretórios colegiais. Sem a mobilização da sociedade, por mais se esforcem os defensores do interesse nacional, continuaremos submetidos aos contratos do passado. A presidente da República poderia fazer seu o lema de Tancredo: um governante só consegue fazer o que fizer junto com o seu povo.

    Mauro Santayana é colunista político do Jornal do Brasil.

  24. Quem introduziu a baixaria na política foi a UDN, lá pelos anos 50. O jornalista Carlos Lacerda (sempre um jornalista, né?) foi um dos pioneiros dessa prática, que consiste em acusar adversários, emporcalhar a imagem do infeliz com denúncias eleitoreiras (sem provas). Daqui que viesse demonstrar que tudo não passou de armação, a eleição já foi. Depois, diante da Justiça, era só se justificar, falando apenas que “ouviu dizer” e coisa e tal. Claro que, assim, não “dava em nada”. E para quem continuava acreditando na história do jornalista, sobraria aquela sensação de “impunidade” (do político).

    A coisa chegou a um ponto em que, se um jornalista sério, quiser fazer uma denúncia consistente, e ser levado a sério, não pode fazer essa denúncia num jornal. O Amaury Ribeiro Júnior, autor de A Privataria Tucana, por exemplo, teve de lançar um livro! Se tivesse feito todas aquelas denúncias, mesmo com todas as provas, não teria sido levado a sério. Os envolvidos no esquemão simplesmente diriam: “são só RECORTES DE JORNAL, e nada mais que isso”. No outro dia ninguém falava mais no assunto e ponto final.

  25. Um cuidado que todos nós devemos ter é o de evitar chamar um candidato de ladrão. Ainda há muita gente que acredita no ”rouba mas faz”. Eu não sabia disso e estava fazendo propaganda certo candidato. Eu mencionava o que se dizia a respeito do governo dele no seu estado natal, que era chamado de ladrão. Eu disse isso a um velho, e para surpresa minha ele me disse: – ANTÃO O […] É QUE É O HÓMI BÃO!!! EU MAIS A GERARDA, NÓIS VAI VOTÁ NELE. Não houve argumento que o fizesse recuar. Votaram: ele, a esposa, dois filhos, duas noras, a filha, o genro, o neto com a esposa, cunhada e marido e sogros, e a neta, com o marido e sogros. Ou seja, eu arrumei SEM QUERER 20 votos para o tal candidato.

    Então companheiros, cuidado ao chamar os tucanos de ladrões por causa do livro do Amaury. É melhor aconselhar a leitura do livro para que a pessoa possa tirar suas conclusões. Porque muita gente ainda crê no ”rouba mas faz”, como me disse um amigo a quem contei esse episódio. Aí ele me lembrou o Ademar de Barros.

  26. Edu, parabéns mais uma vez!

    Da minha parte não perco a esperança, mesmo que as revelações do livro do Amaury não levar a recuperação do roubo ou à prisão dos culpados.

    O resultado até agora, desde que Lula foi eleito é muito positivo. A qualquer momento iremos para o andar de cima!

    Não vejo possiblidade de reversão – você concorda?

    O golpismo e sua mídia está no limite da irresponsabilidade. Não tem mais o cobertor internacional que está absorvido em resolver seus prórpios problemas.

    A primavera brasileira não tardará e você é um dos maiores protoganista dela, quando vier.

    Grande abraço e um Bom Natal.

  27. Parágrafo lapidar, Eduardo. Podia dizer só isso que já estava muito bom.
    “Inexiste hoje, em nosso país, um ente apartidário ao qual se possa dar crédito para apontar o que está certo e o que está errado entre este ou aquele grupo político. A imprensa deveria exercer esse papel, mas, infelizmente, ela se tornou notícia, uma protagonista da comédia política, ainda que sem intenção.”
    Abraço.

  28. Um ancião que conheci dizia que de briga de cachorro com gato quem se aproveita são os ratos. O PIG é o partido clandestino e disfarçado que sustenta e encarna uma ditadura no Brasil, apelidada de ditabranda, para não dizer ditasoft. O PIG, partido da imprensa golpista age, ora suavemente, ora fazendo uso de terrorismo (o caso dos mosquitos da febre amarela vem à lembrança), para direcionar a massa “fétida” segundo os seus desígnios.Esta “organização” corporativa midiática faz as vezes dos ratões. Diverte-se enquanto os seus prepostos de ocasião (por ora é o PSDB até que incorpore o know-how da troca de nome do atual DEM, que antes foi PFL, que antes foi ARENA, que antes foi UDN, etc) ficam na linha de tiro combatendo o “inimigo” em troca da ribalta e do conforto de desfrutarem placidamente da roubalheira que promoveram.

    O Partido do Kassab (engraçado, não é um partido de idéias, de propostas, é um partido que tem um dono, um indivíduo, já nasceu pessoa física) é o primeiro ensaio desta tendência de mudança de nome que será confirmada se o laço apertar ainda mais para os tucanos. Sem entrar no mérito dos dois, gato e cachorro, as duas correntes paulistas do PT e PSDB que se projetam pelo país adentro como se fossem as únicas vertentes sábias de pensadores da nossa política, entendo que surgiu, do meio deste lodaçal político em que mal conseguem se sobressair os pensadores da nação, uma luz que brilhou de onde menos se esperava. Apareceu como uma pedra rejeitada na construção política, desacreditada pelas “elites”, para resgatar a nação, não com a sua formação acadêmica, com os seus diplomas de pós-graduado, mas como líder autêntico, com uma visão intuitiva e inclusiva e índole de construir e harmonizar, ao invés de confrontar e separar.
    A nação lhe foi entregue a pique pela corrente entreguista que a governou, especialmente entre 1994 e 2002. Tivessem continuado e, nesta crise global, estaríamos vivendo não um purgatório, mas um inferno dantesco. Teriam “doado” à custa de propinas o que restou do Brasil à época e a convulsão social implicaria em que os Marines estariam aqui, sustentando a corriola que levou o país à falência e, a nossa Amazônia seria hoje reserva internacional sob a tutela dos EUA. O país foi resgatado graças à genialidade de um ex-operário. Dificilmente surgirá outro nos próximos 50 anos.O país depende dele, porque a oposição que temos não se renovou, ao contrário, fossilizou-se.

    É preciso que haja uma oposição de alto nível, para o necessário debate das idéias e alternância de poder. O príncipe dos sociólogos ou pensa que o país inteiro é mentalmente tapado ou agiu de má fé, o que mais parece, ao propor que a alternância do poder se faria por uma espécie de acordo entre as duas correntes , PT x PSDB. Ou seja, fico 4, no máximo 8 anos no poder, depois lhe cedo o prato e assim ciclicamente. Ridículo, pois mostra o desprezo que o ex- presidente, sociólogo plagiário, abriga contra o povo ,ao qual não seria dada a opção de escolha, tudo estabelecido previamente sob as bênçãos do PIG. Com tal lucidez não surpreende que tenha emborcado o Brasil por 3 vezes.
    Sou de opinião de que se não houver uma radical transformação da oposição, renunciando à sua aliança IMORAL com o PIG, a atual 6ª potência econômica do planeta que, nos últimos 8 anos, saltou do 14º posto tão somente no governo do ex-sindicalista, mais parecerá um garotão que cresceu demais, apesar de que mentalmente não passe de uma criança ainda nas fraldas. Há que se desmontar o PIG, em nome da verdadeira democracia. O Brasil precisa urgentemente REGULAMENTAR uma nova mídia, livre, sem censura e sem ligações imorais e de ocasião com quaisquer partidos políticos e tem agora uma grande oportunidade, já que a mídia golpista ESTÁ NAS CORDAS. Esta obrigação cabe aos atuais governantes, os quais foram eleitos não para se deixarem seduzir pelo canto da sereia, o PIG. Se o governo fizer a sua parte e os seus líderes (Deus me livre do VaGarezza) se encontrarem com novas lideranças na oposição que sejam sensíveis a estas idéias de distanciamento e independência dos 3 poderes com relação ao PIG, surgirá uma luz no fim do túnel que trará equilíbrio e maturidade à nossa democracia, ainda muito frágil.

  29. O governo popular progressista, socialista e democrático do Brasil já mostrou a que veio.

    O Brasil já é um país soberano e condutor dos diálogos internacional sem ingerência.

    Quanto mais o PT e aliados responder a altura aos ataques dos inimigos do povo mais eles se acovardarão, pois hoje a comunicação está pulverizada no mundo virtual.

    A velha e carcomida mídia já sentiu o golpe.

    As corporações midiáticas ainda resistirão por mais um pouco de tempo.

    Privataria Tucana neles…… Há, há, há, há, há, há, há.

    O futuro será bem melhor para todos os Brasileiros, sem exceção.

    Pelo meu entendimento o ano de 2011 foi um ano de vitórias sem precedentes para as forças política progressistas , popular, socialista e democrática nacional, e 2012 será o ano de consolidar essas vitórias.

    Sempre avante e para cima Eduardo e todos os que engrossam fileiras com esse filósofo marxista que sempre aponta a direção para que na rede possamos ver com clareza toda a verdade por trás dos interesses corporativos.

  30. Na revolução francesa, os burgueses falavam em liberdade, igualdade e fraternidade para as massas, mas escondiam que queriam dizer liberdade dos irmãos (eles mesmos) de empreender em igualdade de condições. E assim convenceram o povão a emprestar-lhes o poder de remover o poder que a monarquia tinha sobre eles.

    No final das contas, o povão continuou escravo, desigual e desamparado, mas os burgueses conseguiram o que desejavam, e retiraram o poder do Estado que lhes ameaçava.

    Mais tarde, os estadunidenses levaram essa idéia de “liberdade” (omitindo o “de empreendimento”, claro) ainda mais longe. Não bastava que o Estado não tivesse poder sobre os “empreendedores” e suas empresas, mas que ele se tornasse um garantidor, um sócio minoritário.

    E. mais tarde, ainda insatisfeitos, dobraram a própria sociedade, transformando-a em mera fonte de matéria príma e em consumidores.

    E hoje, aplaudimos as escolas que não formam cidadãos, mas apenas mão de obra, pessoas com habilidades que os donos do capital podem explorar para enriquecerem ainda mais. A imprensa nos garante que esses “Gênios empreendedores” são a razão pela qual temos algum progresso – apesar de que os segredos e os altos preços que cobram fazem esse progresso ser muito mais lento do que poderia ser. Nos inspiram a agradecer esses “visionários”, os mesmos que nos exploram, seja como trabalhadores, seja como consumidores. Nos convencem que o Estado deve ser tão frágil que eles – essa classe de seres iluminados e superiores -, os “empreendedores”, possam dele se desfazer quando bem desejarem.

    Ninguém mais estuda filosofia na escola. Não se aprende a pensar, mas a fazer cálculo. Não se entende a história e a forma como ela é feita por quem a conta, nem como as coisas ocorreram. Apenas decoramos datas e “aprendemos” o que “não devemos fazer”.

    E com uma sociedade que nada mais é do que um acessório dos “gênios empreendedores”, e que só serve para fornecer-lhes quem explorar, como esperar um debate mais denso do que essa troca de acusações levianas?

    Gente capaz de compreender sua própria posição e lugar no mundo, capaz de avaliar a situação com alguma profundidade, etc não interessa aos poderosos. Afinal, esse povo consciente não permitiria que a sociedade fosse reduzida a esse papel secundário e irrelevante, uma nota de rodapé da história.

    • A escola não ensina as pessoas a serem cidadãos, mas a serem bons empregados. Não forma pessoas úteis à sociedade, mas apenas úteis para as empresas. Não forma seres pensantes, mas meros apertadores de botões.

      Quando ensinam alguém a pensar, o fazem de forma compartimentalizada: apenas se aprende a pensar sobre um determinado campo, e não de forma geral.

      A sociedade, assim como o Estado, está subordinada ao poder econômico dos “gênios empreendedores”. É “carregada” por esses “iluminados”, que a imprensa nos conveceu a tratar como desiguais, superiores e privilegiados. O sonho molhado da direita, faltando apenas a garantia da manutenção dessa “ordem social” através da força do Estado para estarem no Estado Facista de Direito com o qual sempre sonharam.

  31. Vamos com calma.Alguns líderes petistas estão dando declarações estranhas em relação à CPI da Privataria.
    Deixemos bem claro:o PT nem tem escolha. Ou marcha firme para apoiar essa CPI pedida pelo Protógenes e o Brizola Neto ( PC do B e PDT) ou já era. Vai virar picadinho de piranhas.
    Agora nós temos em mãos o que precisávamos: provas cabais da corrupção deslavada e imensa levada a cabo pelos ilibados tucanos.
    E não foi nenhum partido político de esquyerda que colocou essas provas em nossas mãos. FOI UM BRASILEIRO CHAMADO AMAURY RIBEIRO JÚNIOR.Com seu senso de patriotismo e sua imensa coragem.Afinal é a vida dele que colocou em risco, porque bem sabemos da violência que permeia a política brasileira.
    O PT que ouse sabotar essa CPI e vamos costurá-lo na boca do sapo, como diz o povo.A CPI da PRIVATARIA é do povo. O povo tem que defendê-la e lutar por ela denodadamente. Acompanhá-la como se fosse a final de uma Copa, Brasil jogando muito e com chances de ganhar. Só dependendo de rezas e torcida dos brasileiros. Pois vamos lá,com garra e coragem lutar por essa CPI.
    Justiça ainda que seja tarde, volta a ser o nosso lema.

  32. Game over para Cerra.

    O game do momento: Privataria Tucana

    Quer se divertir um pouco?
    http://www.viomundo.com.br/humor/o-game-do-momento-privataria-tucana.html

  33. Eduguim enquanto a imprensa divulgar o q o dono quer,independente se se sabe se é verdade ou mentira,o mundo vai ser assim. Eu estava ouvindo um radialista aqui em São Luis-MA e ele contou uma historia sobre a no$$a impren$a,ainda se vangloriando do poder dos donos da midia; ele começa dizendo q o dono do jornal promoveu uma entrevista para contratar um jornalista,apareceram 3; ao primeiro ele disse,fale sobre Jesus Cristo,e o jornalista passou 3 hs falando da vida de JC,depois entrou o segundo ele disse a mesma coisa e o segundo jornalista passou 4 horas falando da vida de JC,sabia tudo e ai entra o terceiro jornalista e ele repete a mesma coisa,fale sobre Jesus Cristo e o terceiro jornalista pergunta:Queres para falar bem ou mal e ai terminou a entrevista ,estais contratado. Isso é a no$$a impren$a. Vou te contar mais uma,deves saber: Sabes qto era a verba de comunicação do gov FHC? 1 bilhão de reais. Sabes pra quantas empresas? 499. Sabes qto é essa verba no gov Lula-Dilma? O mesmo valor. Sabes quantas empresas agora,radios,jornais,radios comunitarias etc participam agora, 8000. E$$e é um dos motivos dessa unanimidade,contraria, da midia ao gov Lula-Dilma.

  34. Já perdi a esperança com a política no Brasil, os poucos que querem fazer alguma coisa não tem força suficiente para fazer nada.Creio que grande parte dos brasileiros só votam por que são obrigados, por que sabemos que a maioria que estão lá só está lá no congresso, assembléias legislativas dos estados ou nas câmaras de vereadores só estão lá defendo os próprios interesses.

  35. Um outro ente que deveria ser apartidário, é o Judiciário, que de tão ineficiente e politizado aplica as leis seletivamente. Exemplos infelizmente não faltam, muito do que é visto na grande mídia poderia ser diferente com um judiciário eficaz, que levasse os processos a cabo com punição para os culpados e absolvição dos inocentes, pois a correta aplicação das leis com a devida rapidez por si só iria desmoralizar as maracutaias da mídia. Enquanto esta situação não mudar vai ser muito difícil a política e a mídia mudarem. Uma lei de regulação da mídia pode ser neutralizada pela atuação do judiciário.
    A solução pode estar na organização da sociedade, como está acontecendo nos países árabes e nos EUA.
    http://occupywallst.org

  36. Sem dúvida temos que democratizar as comunicações neste país, libertando-as do controle ditatorial de uma oligarquia conservadora, que as transformou em arma para a imposição de seus interesses políticos através da propagação de uma única visão de mundo e da censura a todas as pessoas e ideias que dela divergem. Por sinal, o absurdo dessa situação é ainda mais grave se lembrarmos que a oligarquia midiática explora meios que são concessões públicas, no caso da rádio-difusão, e/ou sustentam-se com dinheiro público; como também que afronta a obrigação constitucional que exige a destinação das comunicações para a promoção do interesse público. Portanto, aqueles que transformaram as comunicações em sua “propriedade”, ao fazê-lo violam uma obrigação legal e também um compromisso financeiro ao não darem voz ao público dono das concessões que exploram e proprietário dos recursos que os sustentam. Sem contar que desrespeitam um direcionamento constitucional claro. Potanto, o controle das comunicações por uma minoria pode ser caracterizados como um atentado legal, financeiro, como também à liberdade de expressão, que continua cinicamente mantido neste país, sendo que os que dele beneficiam-se usam o poder de falar sozinhos que têm para deformar a realidade, disseminando a ignorância e passando a colocar-se como vítimas. Para piorar, o quadro tétrico traçado por você é ainda mais grave, e a direita procura agravá-lo cada vez mais. Para começar, temos apenas um lado que tem projeto, ao menos um projeto divulgável, que é o projeto nacionalista-includente das forças populares. Quanto aos conservadores, o modelo neo-liberal excludente que defendem, destinado a enriquecer uma minoria e transferir nossas riquezas para os EUA, não pode ser divulgado(quando falo em divulgação, refiro-me de forma lata, à apresentação honesta e completa de um projeto político), sendo que a apresentação à Sociedade ou é feita de forma parcial(reduzindo-o a pontos específicos, a lugares comuns frases de efeito, simplificações e reducionismos) ou é feita de forma “negativa”, ou seja, através da desqualificação do adversário, ao invés da exaltação do próprio modelo, desqualificação que é feita tanto por uma tentativa de negar doentiamente todos os sucessos obtidos pelo outro lado, como pela desqualificação moral. Se essa postura fôsse adotada somente por um partido, já não seria recomendável, mas torna-se pior ainda por ser o comportamento de toda a mídia(que funciona como um partido político, de extrema-direita), a qual transforma a discussão sobre o Brasil numa enxurrada de preconceitos, ataques vis, acusações sem provas, ofensas, maniqueísmos e numa negação esquisofrênica dos avanços que o Brasil vem obtendo graças à adoção do projeto político das forças progressistas. Portanto, não temos dois lados que se xingam, temos uma lado que xinga muito(tem toda a mídia para xingar por ele)um outro que xinga no pouco espaço da mídia alternativa que tem; mas principalmente temos um lado conservador que mantém suas ideias políticas na sombra, uma vez que revelá-las seria possibilitar aos brasileiros a oportunidade de defenestrar de vez aqueles que querem um país sem povo. Como também, temos uma mídia que, além de funcionar como máquina de reverberação dos xingamentos mais torpes e preconceituosos, ainda dedica-se a negar esquisofrenicamente qualquer um dos inúmeros avanços concretos que a adoção de um projeto político contrário ao que ela defende vem promovendo no Brasil.

    • Meus parabens Sr. Carlos Henrique! Nuca tinha lido uma analise do que foi o iniciodo governo LULA dentro das circunstancias da época, hoje se entende porque ele precisou de fazer acordos com figuras como Sarney e com partidos como o PP( herdeiro da antiga ARENA) e um dos mais corruptos da história. Neste caso LULA demonstrou que era muito esperto e pragmático, começou comer o mingau quente pelas beiradas, tivesse sido o Brizola no lugar dele com certeza não continuaria no poder devido a seu temperamento explosivo, infelizmente o Brasil ainda levara muito tempo até se ver livre das forças do atraso e negativismo representados pelas oligarquias reacionárias, com o agravante de que agora parece estarem de volta mais uma das forças do atrazo e preconceito que existem em nosso país; me refiro aos religiosos fundamentalistas, cujas organizações estão de volta com requintes da idade média, como por exemplo a famigerada TFP (tradição, fámilia, propiedade), Opus Dei e ainda seitas evangélicas que fazem a cabeça de pessoas ignorantes e vivem Brasil afora combatendo o governo Dilma, mentindo, caluniando, difamando, etc…usando do nome de DEUS para fins torpes e mercenários, pois atraz de tudo isto existem os interesses de grupos na maioria internacionais, então usam de assuntos como leis sobre aborto, união de gays etc… para desestabilizar governos. O perigo está em que no Brasil temos milhões de pessoas sem senso critico e formação suficiente para entender estes assuntos, aliados a ignorancia e fanatismo religioso pode sim levar o pais a um retrocesso na nossa fragil democracia, Por isto é oportuno os meios de comunicação e intelectuais estarem atentos a estes grupos, combate-los enquanto é tempo, pois depois de eles terem o poder é muito dificel tira-los de lá.

  37. Realmente,os debates políticos no Brasil cada vez se ridicularizam mais. O que deveria haver seria uma real informação do que verdadeiramente está ocorrendo em nosso país e um pouco de consciência por parte de quem debate. O problema neste caso seria onde arranjar uma fonte tão confiável assim,algo que atualmente no Brasil é raro.

  38. Dep. Waldir Maranhão acaba de anunciar que não renunciará ao cargo de Presidente da Câmara Federal. O deputado seguiu orientações do Conselheiro do TCE-Ma, Edimar Cutrim, o qual lotava até dias atrás em seu gabinete, o filho fantasma do Deputado. O Conselheiro é considerado ” o intocável” no Maranhão. Alvo de várias investigações, o conselheiro é amigo do Deputado Waldir Maranhão.

  39. Falta de politização do Povo e muito analfabetismo bem disfarçado,
    deixam que uma corja de falsos homens públicos se instale no
    poder e provoque situações como a que vivemos hoje.
    A imprensa de maior destaque é conivente no descalabro da
    politicalha reinante, mas só o Povo poderá reverter esta situação,
    defenestrando tanta gente ruim que afirma representá-lo.

Trackbacks

  1. O nível deprimente do debate político no Brasil | Blog da Cidadania | Info Brasil
  2. O nível deprimente do debate político no Brasil | Blog da Cidadania | Via Media
  3. Sul 21 » O nível deprimente do debate político no Brasil

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.