Todos perderam com o caso Orlando Silva

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Surgiu um discurso sobre as denúncias contra o ministro Orlando Silva e o PC do B que mostra que esse caso, além de só ter distribuído prejuízos, fez isso com uma justiça verdadeiramente poética. É o discurso de setor da sociedade acusado de “isentismo”, ou seja, de não se comprometer com lado algum. Não ficando em cima do muro, mas erguendo o muro.

É muito simples: a mídia, de fato, faz denúncias seletivas só contra o governo Dilma e, mais objetivamente, contra o ministério do Esporte, mas só faz isso porque esse ministério deixa “rabo” por ter sido “aparelhado” pelo PC do B, que, segundo essa visão, estaria fazendo alguma coisa que os outros partidos não fazem ou que, por ser o PC do B, não teria “direito” de fazer.

Quando ouvi hoje de uma das pessoas mais sóbrias, inteligentes e honestas que conheço certa afirmação sobre esse caso, fiquei assustado. Na verdade, fiquei assustado depois que essa pessoa me disse que, claro, evidente, a mídia estava querendo, sim, acuar o governo e adquirir o poder de governar, mas que, também, o PC do B, de fato, teria “aparelhado” o Ministério do Esporte.

Quando perguntei em que se baseava a afirmação, a resposta foi de que reportagem do Fantástico teria mostrado “claramente” que estava sendo entregue dinheiro do ministério do Esporte a ONG de militante do PC do B, o que, apesar de legal, seria “imoral”. Daí quis saber como se pode inferir, daquela reportagem, que há uma legião de ONGs desse partido mamando no ministério do Esporte como ONGs de nenhum outro partido  fazem em outros ministérios.

A pessoa, alguém muitíssimo bem informado, não soube informar. Disse-me, apenas, que estaria “clara” a existência de uma legião de ONGs do PC do B que seria toda fornida com dinheiro do ministério que o partido comanda há tanto tempo.

Então perguntei se isso não ocorreria em outros ministérios. Resposta: claro que ocorre porque o problema é “estrutural”, ou seja, o sistema que rege as relações do Estado com o Terceiro Setor propiciaria abusos. E o fato de a mídia só fiscalizar um lado não reduziria a “culpa” do lado que está sendo acusado.

A teoria é a seguinte: já que não dá para pegar os dois lados porque, por exemplo, pedidos de CPIs sobre a relação do governo de São Paulo com o Terceiro Setor dormitam na Assembléia Legislativa do Estado e continuarão ali pois a mídia não irá nunca fazer a mesma (ou qualquer) pressão sobre o PSDB , que se puna um lado só.

É aquela história da utopia possível. Já que não dá para fazer o necessário, que se faça o que dá para fazer até que, em algum dia incerto de um futuro distante, seja possível pegar os dois lados.

Aí pergunto à pessoa se fazer com que um lado só seja punido enquanto o outro fica livre não fará com que esses que têm licença para corromper ou ser corrompidos voltem ao poder e, aí, a corrupção estará institucionalizada, porque, então, como acontece aqui em São Paulo não haverá mais fiscalização do governo federal, mas, sim, aquela imprensa elogiosa, baba-ovo e chapa-branca da época de FHC.

Mas o que fazer, então? Calar? Compactuar com o roubo no meu lado e acusar o lado da mídia e da oposição porque compactua com o roubo dos seus aliados? Ou será que devo me juntar à direita e derrubar e desmoralizar o ministro Orlando Silva e seu partido mesmo que disso possa resultar que amanhã seja eleito um grupo político com licença para roubar, como era até 2002?

É absolutamente irracional que uma pessoa que deseja o melhor para o país possa querer que ocorram punições desonrosas como demitir Orlando Silva e execrar todo o seu partido sob denúncias não investigadas e sem provas inquestionáveis como a que levou o ex-governador de Brasília José Roberto Arruda do palácio do governo direto para o xilindró.

Há que fazer uma diferenciação entre o que é prática comum a todos os partidos, ministérios, secretarias de Estado e dos municípios – e que, inclusive, é legal, por mais que seja questionável – e o que é prática criminosa. Depois disso, não se pode querer debitar as deficiências do sistema a um único homem e seu partido inteirinho.

Todos sabem que a esposa do ex-governador José Serra tem uma ONG que recebe dinheiro de empresa estatal que o governo paulista controla, a Sabesp. A ONG da ex-primeira dama Ruth Cardoso, que Deus a tenha, também recebia dinheiro público. Mesmo que, presumidamente, essas organizações ligadas a tucanos façam aquilo a que se propõem com o dinheiro público que recebem, para essas pessoas não vale o mesmo critério que vale para membros do PC do B?

Só há uma postura correta, em tal situação: que as instituições de controle investiguem e que a Justiça puna ou absolva. Mas sem viés político. Se resultar uma constatação de culpa, que se puna só os corruptos que foi possível pegar, então. Agora, querer punir um lado só enquanto o outro lado tem licença para roubar, e ainda querer punir sem provas, não dá mesmo.

É por isso que todos perderam com o caso Orlando Silva. Porque falta honestidade a QUASE todos os lados. Quem defende o tribunal seletivo de exceção, está errado; quem não quer nem saber de investigação porque a intenção da mídia é clara, também; e quem entende que há hipocrisia da mídia mas acha que onde há fumaça há fogo, idem.

Quem queria o linchamento de Orlando Silva (a mídia e a oposição) perdeu porque apostou todas as fichas em que Dilma cederia, divulgou a demissão como fato e depois foi desmentido; quem está sendo acusado (o ministro e seu partido) também perde porque há gente séria e que sabe que a mídia é partidária e desonesta, mas que, mesmo assim, acredita nela.

Mas há um perdedor maior: a ética na política e na administração pública. No caso Palocci, por exemplo, como a onda de moralismo contra ele se limitou a defenestrá-lo e depois não tocou mais no assunto, nunca houve debate sobre regulação do processo de transição de cargos no governo para o setor privado, a tal quarentena. Então outros enriquecerão como Palocci.

Quem denuncia essa situação não quer impunidade “dos seus” coisa nenhuma. O que não se quer é pressa, é linchamento. Para desonrar alguém para o resto da vida com demissão sumária por corrupção, sobretudo sendo um partido político com dezenas de milhares de filiados, é preciso mais do que “Eu acho que eles fizeram, sim, porque parece que fizeram”.

Como alguém honesto e bem-intencionado pode pregar que se puna Orlando Silva e seu partido inteirinho sem que existam elementos inquestionáveis de prova? E o que é pior: em um prazo absurdo, ridículo de uma mísera semana após a acusação. Isso é linchamento, ora. Não há outro nome.

Não sei se o PC do B fez aquilo tudo de que o acusam. Vejo até gente séria dizendo que “é claro” que fez. Como assim? Quero a defesa do partido, para me posicionar. E o resultado de uma mínima investigação. Não posso aceitar esse linchamento feito de notícias falsas que chegam a desdizer inclusive a presidente da República quando ela diz que dará direito de defesa aos acusados.

Se ainda fosse a primeira vez, não seria “nada”. Mas é o quinto ministro que a mídia quer tirar “por corrupção” sem prova alguma sob o argumento de que “é claro” que se corrompeu, sendo que os quatro ministros anteriores, depois que saíram do cargo, não tiveram culpa provada, muitas vezes nem tendo existido qualquer investigação após se renderem à mídia.

Não se pode, é claro, dizer que inexiste a hipótese de os acusados da vez serem mesmo culpados, ainda que a hipótese de que um partido como o PC do B seja institucionalmente corrupto me soe para lá de absurda e até antidemocrática. Não diria tal coisa do PSDB, ao menos de cabeça fria. Posso discordar do partido, mas é claro que tem gente séria

Obviamente que há legendas de aluguel, mas se nos pretendemos em um Estado de Direito e não respeitamos o princípio “civilizatório” e constitucional de presunção da inocência, e ainda só contra um lado, estaremos apoiando uma ditadura midiática.

Bom seria, então, que quem fomentou essa farsa refletisse minimamente que, ao acusar leviana e indiscriminadamente os adversários, o país logo irá parar de vez de dar bola para qualquer denúncia, até para as fundamentadas. E a pior coisa que pode acontecer a um país é ele não se indignar com a corrupção. Mas é o que acontecerá, nesse ritmo.

Tags: , , ,

126 Comentário

  1. Caro Eduardo,

    Vc sintetizou muitas coisas que eu estava sentindo e ainda não havia conseguido formatá-las em idéias. Até pessoas e empresas, que julgo equilibradas e informadas sobre o real estado das coisas que estão em jogo nesse momento polítoco do Brasil, acabaram também abduzidas após algumas reportagens (como a do Fantástico que vc cita).

    Parece que é só a mídia insistir um pouco mais no mesmo, que todos acabam capitulando-se, mesmo que a essência e a causa original do que é informado (mal informado) nunca esteja no corpo da informação. As pessoas perder o senso de questionamento, perdem o poder de perguntar por quê, por qual razão, quais as evidências, qual a irregularidade, quem se beneficiou de fato, onde está o mal feito, etc. etc.

    Não é para colocar a m~~ao no fogo por A ou por B, não se trata disto. Se trata que entender o que de fato ocorreu de irregular por má intenção ou por prévio planejamento que obtenção de vantagens econômicas, políticas ou qualquer outra, em detrimento da população.

    Não podemos aceitar que as pessoas e as instituições acusadas fiquem inertes se nada for comprovado. Tem que haver processos sobre os acusados para que haja respeito e responsabilidade. Isto não é censura, é justiça pela responsabilidade do exercício da liberdade. Se os acusados não começarem a fazer isto, passaram a ser ingênuos e acuados.

    Um abraço,

  2. Só um reparo:
    “…sendo que os quatro ministros anteriores, depois que saíram do cargo, não tiveram culpa provada, muitas vezes nem tendo existido qualquer investigação após se renderem à mídia.”
    Palocci está sendo investigado pelo ministério público por lavagem de dinheiro e Wagner Rossi está indiciado pela Polícia Federal por peculato.

  3. Seria bom lembrar a esta pessôa sóbria que dos 219 convênios firmados 19 foram firmados com ONGS ´e Ministério deve começar 2012 com apenas 11. Quantas desta foram firmadas com membros do PCdoB? Talvez com um pouco mais de sobreidade descubramos.

  4. Edu,

    Basta indicar aos “informados” o site do Ministério dos Esportes (http://www.esporte.gov.br/ascom/noticiaLista.jsp) com as respostas às denúncias. Por exemplo, o número de convênios celebrados com entes ligados ao PC do B é igual ao celebrado com entidades do DEM e do PSDB (15).

  5. E como Stalingrado, Orlando Silva não caiu. Resta uma esperança.

  6. Todos os dias, um fato novo para lá dois pra cá, cai mais uma máscara dos ilustres personagens dessa espécie de baile de fantasias, criada pela imprensa e pela justiça do DF, chamada de “Mensalão do DEM”, que mais tem versões do que verdades. Vejam só: primeiro foi o denunciante Durval Barbosa, que até pouco tempo desfilava nos altos salões do DF com a fantasia de anjo justiceiro, distribuindo fitas para lá e pra cá. Pois bem, a capa do rapaz era tão rota, tão rota, que antes que ele mesmo desse conta, de anjo virou demônio desacreditado. Depois foi a vez dos procuradores Deborah e Bandarra que apresentavam-se de príncipe e princesa togados e, de repente, viram-se obrigados a passar longe das tão queridas fantasias e agora esperam o dia de vestir o famoso pijama listrado e ver o sol nascer quadrado. E o Arruda? Bem, o Arruda todo mundo sabe, vestia a fantasia de governador do DF. Pelo que se tem noticiado, até agora o Ministério Público ainda não foi capaz de acusar formalmente o ex-governador do DF de nada. Nadinha. E até a imprensa que começou tudo isso, na matéria do Correio de domingo passado, deixou claro que todos os desvios que foram denunciados aconteceram entre 1998 e 2006, ou seja, antes do governo do Arruda começar. Moral da história: Arruda, entrou nessa história vestido de réu, quando quase todo mundo caiu no conto do vigário Durval. Agora, Arruda segue limpo, vestido de vitima, ou seja, perdeu o governo mas não a majestade.

    • Só um pequeno detalhe: o Arruda praticamente confessou ter feito caixa 2. E fez.

      A imprensa é que tratou de varrer tudo pra debaixo do tapete.

  7. A imprensa do PIG não se contenta em atacar o minstro Orlando Silva e quer também arrastar o PC do B para a lama fétida que ela vive; justamente essa imprensa que nunca se preocupou com os pobres e miseráveis deste país e que sua vida foi sempre a de atender os anseios da classes média alta, dos ricos e milionários e para completar a sua indecência, a de defender os interesses dos empresários e do governo dos EUA. Durante a ditadura todos os grandes jornais cresceram suas contas nos bancos e teve alguns homens de imprensa que ajudaram na tortura e morte daqueles, verdadeiros heróis, que se rebelaram contra a ditadura sangrenta. Enquanto membros dessa imprensa apoiava a ditadura e alguns poucos a ajudava nos crime contra os direitos humanos, previsto em leis universais, um partido político teve o maior numero de filiados e simpatizantes, perseguidos, presos, torturados e mortos na luta armada contra o estado ditatorial. E este partido é o PC do B! Essa gente merece respeito, pela sua história política no Brasil. Todos que me conhecem sabe que chamado muitas vezes chamado e ainda sou chamado de comunista. Nunca fui, sempre fui nacionalista! E se fosse diriaAssumiria! E ainda somos obrigados a ouvir do “Bobo Alegre” Arnaldo Jabour os ataques à honra do ministro e do partido. Mas também você sabe o que é um “Bobo Alegre?” “Bobo Alegre” é aquela pessoa que fala, escreve e faz coisas idiotas e ridículas e fica rindo, rindo muito, todo contente, se achando o máximo, crente que abafa!!!

    e to

    • Meu caro, o fato do cara ter sofrido no regime militar não é carta branca para ele passar a mão em dinheiro público!!!

  8. Edu,

    não quero fazer papel de adivinho, não me passa pela cabeça quem seria esse teu inteligente e bem informado interlocutor, só sei que ele merece uma sonora Vaia!

    No mais, excelente texto! Parabéns!

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.