Lula e os porões da política

Ontem, assistimos, mais uma vez, ao espetáculo deprimente que é a política sendo feita sem pudor, sem tergiversações. A repercussão da doença de Lula na mídia revela que essa atividade se baseia, hoje, em absoluta falta de decência e de lealdade nos embates entre os que deveriam terçar idéias para melhorar a vida das pessoas.

Na busca por causar o maior abatimento moral possível ao adversário, vale tudo. Principalmente chocá-lo com ausência de um traço de humanidade em seus adversários e, assim, deixá-lo assustado ao imaginar a que ponto chegariam para destruí-lo.

Nos últimos dias, dois casos se encadearam em demonstrações análogas, ainda que em níveis extremamente desiguais, de como, não raro, a política passa até pelo ato supremo de tirar a vida de um adversário da forma mais selvagem que se possa conceber.

Um desses casos reside nos detalhes sobre como Muamar Kadafi, ex-ditador da Líbia, foi assassinado por seus adversários… políticos. O outro caso, de nível de virulência infinitamente menor, mas igualmente assustador, foi ver a forma como a mídia tratou a doença de Lula.

Melhor não entrar nos detalhes sobre o assassinato de Kadafi, pois ainda visualizo a imagem mental que se me formou ao saber das sevícias que sofreu antes de colocarem fim ao seu suplício. Sobre Lula, a mídia o acusou de supostamente ter se causado o mal que o acomete, e comemorou a possibilidade de a doença ter êxito onde seus adversários “humanos” falharam.

A política, como a conhecemos, não requer capacidade, honestidade, talento ou boas intenções; requer capacidade de ser canalha ao impensável, de trair sem culpa, de não ter piedade ou comedimento algum na busca por atingir o oponente. Para vencer o adversário, vale tudo. Principalmente cinismo, muito cinismo.

É uma atividade para profissionais com “couro duro”. Nesse aspecto, somente alguém que saiu de uma região miserável, que passou fome e privações de toda sorte, que sofreu humilhações que arrasariam moralmente qualquer pessoa pode suportar a deslealdade da política em suas manifestações menos contidas.

Enganam-se, porém, os que julgam que um tumorzinho conterá alguém que, apesar de tudo pelo que passou, fez do Brasil a terra de promessas mil que jamais sonhamos que se tornaria. A selvageria dos adversários é antiga, conhecida e previsível. Lula, portanto, só precisa se precaver contra a traição, que se confunde com a política.

Por fim, resta, apenas, uma dúvida: será que esses 80% dos brasileiros que pesquisas recentes mostraram que devotam carinho extremado a Lula estão gostando de ver a mídia comemorar a sua doença?

—-

Conheçam melhor, abaixo, quem é a comentarista da CBN que atribuiu a doença de Lula ao “alcoolismo”

Tags: ,

177 Comentário

  1. O Partido da Imprensa Nazista(PIN)é o mesmo Partido que ao ser contra o Brasil,endossa a frase de um ex presidente,que dispensa apresentações e que teria dito com todas as letras em uma entrevista dada a um semanario argentino:¨Traí,deliberadamente,os interesses do Brasil¨.Depois das revelações feitas pelo Wikileaks a respeito de ¨jornalistas¨que estariam a serviço do governo dos EUA,nada mais me surpreende.Quanto ao presidente-Calabar,todo mundo ja deve saber de quem se trata,portanto,vou declinar do nome.Porem,essa é a oposição politica e midiatica que temos,traidores,covardes,omissos.Vence-los é uma questão de honra para todos nós que amamos o Brasil e temos compromissos com a emancipação de seu povo.

  2. Edú,de uma passada no blog do Azemha e veja que coisa linda,oque uma criança de 10 anos escreveu sobre a doença do Lula e os ataques raivosos de um dirigente da juventude do PSDB.

  3. Eduardo, todos os presdentes e ex-presidentes têm direito a um Plano de Saúde pago pelo o Estado.

    Cito como exemplo, FHC e Lula. Pelo que leio Lula deveriae se tratar no SUS, pois me parece que não tem o direito de ir para o Sirio Libanes.

    Interessante!

    • E desde quando FHCalabar foi se tratar atraves de um plano de Saude pago pelo Estado?Alias o FHCalabar deve ter algum plano de saude,só que pago não pelo governo brasileiro,pelo Estado Brasileiro,mas por um certo governo de um pais que se localiza ao norte do continente americano e não é o Canadá,obviamente,ou o México.Alias,durante seu governo,FHCalabar prestou grandes serviços ao governo do referido pais.

  4. Será que ela está bêbada mesmo, ou sobre efeito de algum medicamento receitado? Eu quero apostar na segunda hipótese. Mas o mais importante é observar neste conjunto de marionetes que faz o jornalismo global: jornal, tv e rádio é a articulação bem urdida e perversa para enlamear o ex-presidente Lula. Aí ele vira peça de chacota nos setores médios da sociedade que se acha bem informado. Nos restaurantes, nos escritórios e nas faculdades é o que se vê . Nós, que por convivência profissional circulamos nestes ambientes assistimos às barbaridades galhofeiras , que são originadas nas redações e estúdios deste sistema de comunicação. Coisa do tipo ” o analfabeto que assinou a reforma ortográfica” ou o “bebum que decretou a Lei Seca”. Puro preconceito. somos um país com ranço de monarquia e escravidão, e até hoje não ingeriu o torneiro mecânico, pra essa elite rancorosa sua eleição foi um pesadelo.

  5. Meus caros
    Peço, por favor, que leiam os jornais e revistas. Há as exceções, claro. Mas a maioria está tratando a doença do ex-presidente com decência e humanidade. O que se viu de gente mandando o ex-presidente para a fila do SUS (besteira), atribuindo a ele próprio a responsabilidade pela doença (doente não escolhe doença) e até desejando — suprema indignidade — que ele não se livre desta teve origem, em geral, em blogueiros e participantes de redes sociais. Não se pode confundir opiniões pessoais, por mais deploráveis que sejam, com o que é dito na imprensa. Por favor, leiam os jornais.

Trackbacks

  1. Politics | No ability, honesty, talent or good intentions | Antonio Silveira
  2. Lula e os porões da política « Ficha Corrida
  3. O que marcou a política em 2011 | Blog da Cidadania

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.