O silêncio dos indecentes

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

Ao constatar o silêncio sepulcral que se derramou sobre a grande mídia neste fim de semana, logo após a denúncia que a revista Veja fez contra o ex-ministro José Dirceu e a que este fez contra a revista, fiquei imaginando quantos jornalistas sérios existem nesses grandes veículos que podem estar tendo a decência de se indignar com seus patrões por estarem impedindo que façam seu trabalho.

Para quem chegou agora ao noticiário político e não sabe sobre o que se refere esse caso, ou para você que, aí no futuro, está lendo o que escrevi no passado, explico que o ex-ministro José Dirceu, no fim de agosto de 2011, denunciou em seu blog que a revista Veja mandou um repórter tentar invadir seu apartamento em um hotel de Brasília pouco antes de publicar matéria com a “revelação” de que se reunia, ali, com correligionários políticos.

Na matéria, a revista Veja fez suposições sobre as razões que levaram aqueles políticos a se reunirem no hotel Naoum, em Brasília, baseando-se na premissa inverídica de que por Dirceu estar sendo processado pelo Supremo Tribunal Federal pelo “escândalo do mensalão” e por ter tido cassado seu direito de disputar eleições estaria impedido, de alguma forma, de fazer articulações políticas. As suposições, surpreendentemente, são tratadas como fatos pela matéria da Veja.

Uma das suposições da matéria é a de que, por ter se reunido com seus correligionários petistas em data próxima à queda do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, Dirceu teria tramado com eles a retirada de apoio do PT a ele, o que teria determinado a sua demissão pela presidente Dilma Rousseff. Não houve escuta ou indício maior para a Veja fazer tal afirmação. A revista apenas supôs e publicou como se fosse fato.

Apesar de não haver matéria alguma nesse fato sobre os encontros de Dirceu em Brasília, isso não significa que esse caso, por inteiro, não contenha uma das mais saborosas e instigantes matérias jornalísticas sobre política dos últimos tempos.

Acontece que, apesar de a matéria da Veja fazer parte de um jogo político da imprensa aliada ao PSDB e, portanto, não precisar de fatos reais, pois tenta apenas impor à sociedade a percepção de que o governo Dilma e o PT estariam infestados de gangsters e, nesse processo, procura, na falta de qualidade das acusações, produzir quantidade, faltava um mínimo de verossimilhança à “denúncia” contra Dirceu.

Na tentativa de tornar a matéria menos pífia, a Veja se valeu de método literalmente criminoso. Como é óbvio que o hotel que fez um Boletim de Ocorrência contra a tentativa do repórter da revista de invadir o quarto de Dirceu não cederia imagens de seu circuito interno de TV àquele mesmo repórter, ele instalou câmeras nos corredores do estabelecimento para conseguir as imagens que a Veja publicou.

O viés criminoso da revista, nesse caso, é uma bomba jornalística que reproduz, no Brasil, o escândalo de alcance planetário que se abateu sobre a imprensa britânica. É uma das maiores matérias jornalísticas que surgiram neste ano, no mínimo.

É verdadeira a acusação de José Dirceu? Que tal seria se a imprensa ouvisse as testemunhas? Por exemplo, a imprensa poderia entrevistar a camareira à qual o repórter da Veja Gustavo Ribeiro teria pedido que abrisse o apartamento de Dirceu alegando que aquele era o seu apartamento (do repórter) e que teria esquecido a chave em algum lugar.

O pessoal da recepção poderia ser entrevistado para comprovar ou não que Ribeiro se hospedou no hotel e pediu para ser alojado no apartamento contiguo ao de Dirceu e  que o repórter da Veja, ao ser denunciado pela camareira, fugiu do estabelecimento sem pagar a conta. Afinal, se Ribeiro se hospedou no hotel teve que fazer o check-in e o check-out. Se pagou a conta, deve ter o recibo do pagamento. Se não tem, fugiu.

Por que um repórter fugiria de um hotel no qual se hospedou?

Seria uma bomba jornalística se essa matéria fosse parar no Jornal Nacional, por exemplo. E mesmo nos telejornais da Record, da Band ou do SBT, seria uma bomba. Menor, mas uma bomba. No entanto, até a manhã de domingo, dias após os fatos, só saíram uma notinha escondida na Folha de São Paulo e outra em O Globo e uma matéria no telejornal da TV Cultura, em termos de grande mídia.

O silêncio desses indecentes pseudo jornalistas que controlam as redações dos grandes meios de comunicação é a prova final, para quem dela tomar conhecimento, de que o que essa gente quer não é liberdade de imprensa, mas liberdade para decidir o que você, leitor, deve ou não saber, pois há coisas que não querem que você saiba e outras que querem que você pense. Mesmo não sendo verdade.

—–

Conheça o império de comunicação da família Civita

Wikipédia

Editora Abril

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Editora Abril S.A.

Logo da Editora Abril

Tipo       Privada

Fundação           1950

Sede      São Paulo, Brasil

Pessoa(s) chave              – Roberto Civita – Presidente

Giancarlo Civita – Presidente executivo

Lucro     R$ 1,644 bilhão, (2007)

A Editora Abril é uma editora brasileira, sediada na cidade de São Paulo, parte integrante do Grupo Abril. Fundado em 1950 por Victor Civita como Editora Abril, o Grupo Abril é hoje um dos maiores e mais influentes grupos de comunicação da América Latina. Ao longo de sua história expandiu e diversificou suas operações, e hoje fornece conteúdo em multiplataformas.

Nos anos 40, os irmão Victor Civita e Cesar Civita fundaram a Editora Abril inicialmente na Argentina e lá conseguiram licença dos personagens Disney, Em 1945, em visita a Argentina, o jornalista Adolfo Aizen toma conhecimento da Editora Abril e resolve criar uma parceria para publicação de um título Disney no Brasil, “Seleções Coloridas” foi publicada em 1946 pela EBAL de Adolfo Aizen.

Em Maio de 1950, Victor Civita resolve fundar uma editora no Brasil, surge a Editora Primavera e sua primeira publicação foi a revista Raio Vermelho, em Julho de 1950, Civita passa a usar o mesmo nome da Editora argentina, “Editora Abril”.

A Editora Abril começou com a publicação O Pato Donald num escritório no centro de São Paulo, com seis funcionários. O nome da empresa é uma referência ao mês que dá início à primavera na Europa.

O crescimento experimentado pela empresa na década de 50, se intensifica nos anos 60, fruto combinado da publicação de obras de referência em fascículos, e do aumento de sua linha infanto-juvenil, incluindo o lançamento de Zé Carioca, em 1961, e de Recreio, em 1969, que circularia por 12 anos. Em 1968, passa a publicar Veja, revista jornalística de variedades que viria a ser a revista com mais circulação no Brasil.

Expandindo os segmentos, a Abril passa a publicar revistas sobre turismo e da indústria automobilística, (Quatro Rodas, Guia Quatro Rodas e Viagem & Turismo), Futebol (Placar), masculinas (Playboy, Vip e Men’s Health). Cria também inúmeras publicações voltadas ao público feminino: Capricho (que começou com fotonovelas e em 1981 foi reformulada para temas relacionados às adolescentes), Manequim (a primeira revista de moda da Abril), Claudia (que quando surge em 1961 focalizava a dona-de-casa), além de Estilo (versão brasileira da americana InStyle), Nova (versão brasileira da americana Cosmopolitan e Elle (versão brasileira da revista francesa homônima).

Em 1999 o grupo Abril adquire de parte das Editoras Ática e Scipione e em 2004 da totalidade das ações, ganhando importância no mercado brasileiro de livros escolares.

Em maio de 2006, Civita anunciou a sociedade com o Naspers, grupo de mídia sul-africano que esteve estreitamente vinculado ao Partido Nacional, a organização partidária de extrema-direita que legalizou o criminoso regime do apartheid no pós-Segunda Guerra Mundial. O grupo Naspers passou a deter 30% do capital do Grupo, incluindo a compra dos 13,8% que pertenciam aos fundos de investimento administrados pela Capital International, desde julho de 2004.

Segundo dados da própria empresa, hoje a Abril publica mais de 350 títulos, que chegam a 23 milhões de leitores. A Gráfica utiliza processos digitais e imprime cerca 350 milhões de revistas por ano. As editoras Ática e Scipione produziram mais de 4.300 títulos e venderam 37 milhões de livros em 2005.

—–

Atualização – 18:11 hs.

Hotel Naoum informou que as imagens que a Veja publicou não foram extraídas de sua câmera de segurança e que o repórter da revista, Gustavo Ribeiro, saiu do hotel sem fazer check-out, mas não ficou devendo a conta da hospedagem porque fez um depósito ao fazer o check-in no hotel e esse depósito foi usado para cobrir a conta não paga.

Confira notícia no link abaixo

http://www.brasil247.com.br/pt/247/midiatech/13340/Naoum-aciona-PF-filme-ilegal-pode-ser-de-Veja.htm

Tags: , , , , , ,

134 Comentário

  1. Está mais do que na hora de se discutir o marco regulatorio das midias e enviar para o Congresso Nacional uma proposta de iniciativa popular contendo os limites da liberdade de expressão,limites esses que existem em quaisquer sociedades desenvolvidas e civilizadas.Não se pode ser complacente de forma alguma com o crime,caso contrario,seremos coniventes com ele.Que se faça um abaixo assinado propondo uma CPI da Midia,urgente,para que não sejamos amanhã acusados de omissão.

    • Só podemos contar com LUIZA ERUNDINA no congresso, o resto é tudo frango dagua nao tem coragem para peitar ninguem, se quisermos alguem à frente de tudo pecamos à insuperável Luiza que com certeza vai tomar frente de mais essa luta, guerreira corajosa está ali!!

      • Com certeza Erundina é uma mulher honrada,digna,que encamparia essa luta em prol de uma CPI da midia.Mas a iniciativa tem que partir de nós,a pressão implacavel,irresistivel,tem que partir de nós,a parte pensante da sociedade civil.E não somos poucos como se pode imaginar.Nós somos o governo,nós somos esse pais,não somos e jamais seremos escravos de quem quer que seja,muito menos ainda das quatro ou cinco familias detentoras do aparato midiatico.Se a maioria dos integrantes do governo não tem brios para enfrentar o PIG,se a maioria dos parlamentares não tem brios para peitar o PIG e enquadra lo,nós temos.E certamente tendo Luiza Erundina de nosso lado,teremos a força moral,a lucidez e o carater de uma grande guerreira.

  2. Dizer que é surpreendente que a Veja publique suposições como se fossem fatos era apenas ironia, né?

    Só pra ter certeza…

    Abraço e boa semana!

  3. Eduardo,

    Esse tipo de “jornalismo” proporcionou uma grande revolução gramatical no que tange os sinônimos, então vejamos: inVeja = organização criminosa; liberdade de imprensa = descumprimento descarado dos preceitos constitucionais; jornalista = meliante; editorial = ofensa da dignidade humana; reportagem = invasão de privacidade; capa de revista = difamação, calúnia e injúria; pauta = obtenção de provas por meios ilícitos; e PIG = garantia de exclusão da apreciação do Poder Judiciário de lesão ou ameaça a direito.

  4. Vamos esperar os “valorosos” senadores do PT de São Paulo subirem a tribuna e denunciar o comportamento de Veja.

  5. Todos sabemos que a Veja não somente atingiu o cidadão José Dirceu, mas, além de tudo o estado democrático de direito, uma das bases da democracia, que é principalmente a inviolabilidade da residência de cada cidadão e o direito deste à privacidade, de reunião com quem desejar e precisar, de ir e vir sem ser molestado. José Dirceu não tem outra opção que não seja acionar criminalmente na justiça o repórter e a revista. É justamente aí, na inexistência de Leis apropriadas a dar proteção ao cidadão e às instituições frente aos desmandos da mídia, televisão, rádios, portais, revistas e jornais, todos beneficiários de concessão pública ou favorecidos de isenções tributárias, quando procedem cometendo crime, no caso de crime se trata, tentando se esconder num conceito de liberdade de imprensa completamente estapafúrdio, que julgam lhes dar direito a tudo, inclusive delinquir como agora acontece, com todos os seus pares silenciandos sobre o malfeito, escondendo o fato do povo, deixando presente, mantendo para todos exposta, apenas o resultado do crime, a matéria publicada, no caso. Mais ainda: o cidadão não dispõe de meios legais apropriados à sua defesa, obriga-se a recorrer às leis comuns, não totalmente capazes de lhes dar proteção em toda a inteireza do feito, reparando os danos sofridos, que torna ainda mais moroso o alcance da lei nesses casos. Um cidadão pobre é melhor nem pensar em se defender. Neste caso, o ex-ministro José Dirceu faz o que deve ser feito: defende-se. O curioso de tudo é que, mesmo claramente sendo um desvirtuamento do direito de informar, um crime que atinge um cidadão e o estado de direito, vale dizer a democracia, não vemos o Ministéiro Público se manifestar, o Ministério da Justiça muito menos e a OAB nem se mexe, já que a ordem sempre é tão diligente em alguns casos, como agora mesmo faz com alarde, procurando direcionar o governo para a faxina moralizadora da máquina pública, algo como fizeram os histriônicos Jânio e Collor, que levou seus governos aos resultados que conhecemos. E o que dizer do silêncio do Congresso, onde seus membros são alvos preferenciais da mídia, que há anos faz campanha sistemática de desmoralização de deputados e senadores. En passant, não podemos deixar de lembrar o código de ética das Organizações Globo, que nem se refere ao caso: é, ou não, uma piada, podem gargalhar, e de mau gosto? Punição dos criminosos e reparo aos danos sofridos por José Dirceu é o mínimo que se espera, além de Leis específicas para regular a mídia, defender as instituições e os cidadãos.

  6. Ley de Médios, urgente!!!

  7. parece que estamos vivendo o que a Itália viveuno passado…operações mãos limpas da midia já!!

  8. Caro Edu

    Muito bom o seu texto analisando o “escândalo” da hora.
    Diante do que consta nessa matéria,
    http://pontoecontraponto.com.br/?p=6507
    não seria possível que os deputados da base de sustentação do Governo – ou do PT apenas – solicitassem uma CPI para uma investigação dos graves fatos ocorridos no Hotel Naoum ,em Brasília, envolvendo os nítidos direitos de cidadão de José Dirceu e de outros políticos e autoridades ligadas ao atual Governo?E também os nítidos direitos do estabelecimento hoteleiro?
    Temos ouvido repetidas vezes a Presidenta advogar a causa dos Direitos Humanos.Inclusive no Irã, terra distante.
    Acabam de ser feridos direitos humanos,claramente previstos nas leis do país, aqui mesmo, em Brasília,numa ação típica de Guerra de Quarta Geração.
    Se houver silêncio e covardia,poderemos concluir que estamos vivendo de novo,tempos ditatoriais? Ou que já não se fazem mais políticos como antigamente?Ou que nós brasileiros somos todos uns panacas,sem qualquer capacidade de indignação e ação política organizada?

    • Se não houver uma resposta à altura por parte do governo ou do PT, principalmente, o governo da Dilma acaba de vez e a direitalha volta ao poder, inexoravelmente, em 2014.

      A Veja e a mídia, em geral, sentem-se confortavelmente como se estivessem no poder e as ações dessa gente não terá mais limites.
      Vejam bem, eles não precisam dar um golpe agora. Basta criar um clima tal, como estão fazendo graças à omissão da Sra. Dilma Roussef e do seu governo, que a volta dos seus representantes ao poder em 2014 sejam favas contadas.

      • Pedro,não comungo do seu ponto de vista.Que a direita volte ao poder em 2014 é algo que tenho minhas duvidas,principalmente quando a proxima eleição presidencial está ainda muito longe no tempo e por baixo da ponte muitas aguas ainda vão rolar.A coisa não é tão simples quanto aparenta ser.Se fosse assim a historia não nos surpreenderia tanto.O Brasil de hoje não é o Brasil de vinte anos atras.Concordo que Dilma não pode dormir no ponto e não deve.E nesse aspecto ela tem deixado muito a desejar.Em 2006,Lula quase foi derrubado pela mesma imprensa corrupta que tenta assestar o mesmo golpe contra o governo Dilma Rousseff.Não pense que o alvo seja José Dirceu,o alvo principal é a desestabilização do governo Dilma Rousseff e o objetivo final é derruba lo mesmo.Não existe meio golpe.Golpista que é golpista não vai esperar um ano eleitoral para dar o tiro de misericordia.A coisa é para ontem.Esses delinquentes não dormem no ponto.O que iam plantar era algo comprometedor que iria ligar o Governo Dilma a José Dirceu e o suposto esquema do tal¨mensalão¨.Só que o tiro saiu pela culatra e desarmou a bomba que poderia estourar a qualquer momento.E escancarou os¨metodos¨investigativos de uma imprensa criminosa,delinquente,corrupta,mentirosa e que se diz cinicamente ¨isenta¨ e ¨democratica¨.Eles proprios nos deram munição para detona los e cabe a nos,nesse momento,cumprir essa tarefa,porque a luta deles não é contra partido ou governo,mas contra o povo brasileiro,contra o futuro de nosso pais.

        • Espero que você esteja certo, Dimas.

          • Quero reiterar mais uma vez,Pedro,o que ja tive oportunidade de postar em outras oportunidades aqui mesmo nesse blog:ninguem poderia imaginar que um processo de transformações tão profundas fosse tranquilo,sem enfrentar poderosas resistencias.E ha mais de oito anos e meio o Brasil vem passando por um processo de transformações praticamente inedito em sua historia.Deixamos de ser quintal das nações desenvolvidas e principalmente dos Estados Unidos e passamos a ter um protagonismo ativo no concerto das nações.Com politicas públicas consequentes e principalmente consistentes o governo Lula conseguiu resgatar da miseria absoluta milhares de brasileiros dando-lhes a condição de cidadãos.A elite putrefata que ainda nos infelicita não perdoa isso a Lula.E jamais perdoará.O povo não é tão idiota o quanto imagina a midia golpista e seus cumplices.Quando eu digo que eu tenho minhas duvidas a respeito da volta da direita ao poder em 2014,tenho minhas razões e elas são suficientemente plausiveis para serem levadas em consideração.Uma delas é mais do que óbvia,ou seja,não se pode paralisar o relogio da historia para evitar que ocorram as transformações que é o que a direita costuma fazer principalmente quando está poder,porque o processo de transformação a que me refiro é uma das principais Leis da Natureza.Tudo está sujeito às transformações,desde os homens,até suas instituições e até e principalmente as sociedades em que vivem.E sempre no sentido do aperfeiçoamento.

  9. Aonde estão os parlamentares do PT( sobretudo os paulistas)? Vão se calar mais uma vez diante do império?

  10. Recomendo o programa 678 que está indo ao ar agora pela TV Pública Argentina.
    É diário e se dedica a analisar as estripulias do PIG argentino e mundial. Excelente.
    http://www.tvpublica.com.ar/portal/auth/portal/j_security_check
    A TV pública argentina já vai para sete setores, inclusive um para crianças , PAKA, PAKA que faz a alegria dos meus netinhos. O setor internacional também está ótimo.

  11. Pô Edu! Qual é a graça em escrever para a claque? Censurar comentário faz parte da tua idéia de democracia?

    • Bem sabes que não é a esse comentário ao qual me refiro.

    • E qual é a graça em escrever para a claque adversária. Aquela que vai falar mal, não importa o que se diga e que quer mais é bagunçar para ver se o blog acaba abandonado por queles que querem um ambiente de debate onde se façam as coisas de boa-fé?

      Não publicar trollagens não é censura, é MODERAÇÃO, coisa necessária em qualquer fórum de internet, sobre qualquer asunto.

  12. Mil desculpas!!! Não vi que logo após a lista “Trackbacks” existe um link para comentários antigos.

  13. O Brasil não tem liberdade de imprensa, tem liberdade de empresa. Aos barões da mídia tudo é permitido.

  14. Para que serve a Revista Veja? Para mim, serve tão somente para produzir escândalos tendo como protagonistas pessoas ligadas ao PT e membros do Governo Federal e receberem verbas de publicidades dos governos Tucanos. Está mais que na hora do Governo Federal cortas as verbas publicitárias para uma imprensa parcial e tendenciosa.

  15. Você colocou com perfeição : bandidos, criminosos que praticam impunemente os mais terríveis delitos, tudo com o único objetivo de concretizarem os projetos políticos pessoais de seus patrões. É assim que deve ser definida a classe de pilantras amestrados que povoam as “redações” da mídia conservadora, uma vez que tudo o que esses fascínoras não querem é informar(ato que não existe sem a reprodução fiel da Verdade factual e a exposição opinativa de todos os lados envolvidos em uma notícia), desejando somente MANIPULAR, MENTIR, DIRECIONAR AS MENTES DOS BRASILEIROS CONFORME OS OBJETIVOS DE PODER DOS BARÕES DA COMUNICAÇÃO. OU SEJA, OBRIGAR, IMPOR PARA UMA POPULAÇÃO SEM DIREITO À INFORMAÇÃO PLURAL O PONTO-DE-VISTA DA CLASSE DOMINANTE, SUA VISÃO DE MUNDO, SUA IDEOLOGIA, PRECONCEITOS E VALORES, O QUE É FEITO ATRAVÉS DA ESCOLHA PRÉVIA DO QUE OS CIDADÃO DEVEM OU NÃO SABER E, DO QUE SOUBEREM, QUAL A VERSÃO QUE LHES SERÁ UNICAMENTE APRESENTADA. É essa a “democracia”, a “liberdade de imprensa”, a “isenção” das 13 famílais que controlam as comunicações neste país(e dos fascínoras de gravata que os servem caninamente, travestidos de “jornalistas”), os quais podem querer tudo, menos a verdadeira liberdade de imprensa, a real liberdade de expressão e a concreta Democracia, as quais só podem existir numa Sociedade onde a informação seja pulverizada(não controlada por minorias, mas espalhada entre diversos produtores de conteúdo noticiário, representantes das mais diferentes correntes político-ideológicas)e que mesmo nesse universo, marcado pela diversidade, Leis e a regulação da Sociedade garantam que as matérias jornalísticas respeitem o direito de todas as partes envolvidas em um assunto apresentarem a sua versão dos fatos, como também impeçam a deturpação da verdade factual, além de proibirem que o “desejo” de noticiar seja a desculpa para a violação criminosa de quaisquer outros direitos. Volto a repetir que devemos aproveitar o impacto de momentos como este, onde acaba de ocorrer mais um dos crime dos barões da comunicação(o qual dessa vez não limitou-se aos crimes “informativos”, mas adentrou por outras práticas delituosas gravíssimas), além de haver também um choque planetário surgido devido à divulgação das barbaridades praticadas pelos barão das comunicações da mídia inglesa, Rupert Murdoch; para conseguirmos levar à primeira pauta da Sociedade brasileira a imperativa necessidade de democratizarmos as comunicações neste país; garantindo a pluralidade opínativa e impedindo que a mídia continue a ser uma arma para a obtenção das ambições políticas de uma minoria; necessidade que só será compreendida pelo brasileiro médio quando for-lhe explicitado o mal terrível que os magnatas das comunicações fazem para o Brasil e para o futuro de todos os cidadãos.

  16. QUEM SABIA DA VIDA DOS CIVITAS, ERA O GOVERNADOR LEONEL BRIZOLA QUE REVELOU EM VÁRIAS OCASIÕES E DURANTE MUITOS MESES NA IMPRENSA E NAS PALESTRAS, QUE OS CIVITAS TENTARAM FAZER CHANTAGEM COM O RECÉM-ELEITO PRESIDENTE DA ARGENTINA, RAUL ALFONSIN, NA VOLTA À DEMOCRACIA E O PRESIDENTE MANDOU FAZER UMA INVESTIGAÇÃO PROFUNDA NA VIDA DELES. OS CIVITAS ERAM PROTEGIDOS PELA DITADURA MILITAR ARGENTINA, DA QUAL RECEBIAM POLPUDAS AJUDAS E COMO ERAM ENVOLVIDOS TAMBÉM NA OMISSÃO DA PUBLICAÇÃO DAS TORTURAS DOS PRESOS POLÍTICOS. FUGIRAM PARA O BRASIL, PARA NÃO SEREM PRESOS E AQUI NO BRASIL FORAM AJUDADOS PELO ROBERTO MARINHO! QUANDO BRIZOLA FEZ ESSAS REVELAÇÕES NÃO TINHA NENHUM MANDATO POLÍTICO E NINGUÉM O PROCESSOU!!!

Trackbacks

  1. O silêncio dos indecentes | ESTADO ANARQUISTA
  2. Veja e o silêncio dos indecentes | Viva Marabá Pará Brasil
  3. O silêncio dos indecentes | Viva la revolución! | Scoop.it
  4. O silêncio dos indecentes « Blog do EASON
  5. O silêncio dos indecentes | Blog da Cidadania | Veja, Brasil
  6. O silêncio dos indecentes | Blog da Cidadania | Veja, Brasil
  7. O silêncio dos indecentes | Blog da Cidadania | Olha Brasil

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.