Pesquisa Ibope liga homofobia a baixa escolaridade

Pesquisa Ibope feita neste mês e divulgada nesta quinta-feira diz que 55% dos brasileiros são contrários à união estável entre homossexuais. Diante da notícia, eclodiram matérias nas redes sociais da internet que dão a entender que a pesquisa é negativa para a causa dos homossexuais de lutarem por direitos iguais aos dos heterossexuais. Todavia, é exatamente o contrário.

Em primeiro lugar, há que se ter presente que há alguns anos seria impensável que quase metade da população brasileira (45%) fosse favorável a que homossexuais pudessem se unir legalmente num cartório. Além disso, a pesquisa, em meio a vários dados  inúteis, detectou um fato que este blog divulgou no post Os três níveis de homofobia faz pouco tempo.

De maneira geral, a pesquisa identifica que pessoas que aceitam melhor a orientação sexual alheia são as mulheres, os jovens e os mais escolarizados. Mais de 2 mil brasileiros de todas as regiões foram entrevistados seguindo cotas proporcionais por idade, sexo e classe de consumo.

O mais importante dos dados é o de que entre aqueles que estudaram só até a 4ª série do ensino fundamental 68% são contrários à união civil entre homossexuais, enquanto que  apenas 40% dos que têm nível superior são contrários ao direito. Ou seja: quanto menor a instrução, maior a homofobia. Cada vez mais fica provado que preconceito não passa de ignorância.

Tags: , , , , , ,

78 Comentário

  1. Eduardo, deu no Portal Vermelho:

    —————————————————————————————-
    Fantástico é notificado por homenagem a Amy
    O Fantástico foi notificado pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão, do Ministério Público Federal de SP, devido à homenagem do Fantástico a Amy Winehouse realizada no domingo, 24. O programa mostrou fãs menores de idade cantando músicas e reproduzindo os porres da cantora.
    Jefferson Aparecido Dias, procurador responsável, solicitou dados dos adolescentes, principalmente dos que simularam usar bebida alcoólica e cigarro e cópia do alvará que autorizou a participação.

    Fonte: Adnews com informações da coluna Zapping, de Alberto Pereira Jr.

    ——————————————————————————————-
    Aliás, a Globo é especialista em fazer apologia às drogas. Basta assistir suas novelas para ver alguém tomando um whisky ou uma cervejinha como se fosse a coisa mais normal do mundo. Não consigo entender por que a propaganda de cigarro na TV é proibida enquanto a de alcoól é permitida? Mas qual causa mais danos para a sociedade, o cigarro ou o alcoól? Qual é a maior causadora de acidentes de trânsito e motivo de brigas e mortes, não é o alcoól? Acorda Brasil!

    • Exatamente, Marquinhos! Haja hipocrisia!

      E tem mais:

      – Sandy fazendo propaganda de cerveja, ou seja, marketing direcionado aos jovens.
      – atletas também se prestando a serem garotos-propaganda de cerveja.
      – cantores, idem.
      – Aébrio Neves dirigindo embriagado e com carteira vencida na madrugada carioca.

      Depois posam de moralistas.

      • Sem falar que a nossa TV aberta só passa filme americano (os populares enlatados) com seus mocinhos fumando e bebendo. Aliás, essas cenas de personagens de filmes e novelas fumando e bebendo é tão frequente que a gente passa a achar isso normal, imaginem os jovens então!

    • Também acho que há excesso de propaganda de cerveja na TV. E olha que eu sou um tremendo de um cervejeiro. Mas o que me incomoda muito e ninguém presta atenção é a quantidade de propagandas de carro.
      Acredito que deveria haver um debate, uma reflexão da sociedade, sobre esse culto ao carro. O carrão moderno, “sofisticado”, de linhas arrojadas, potente, é um fetiche tão poderoso hoje, que suspeito que seduz mais certos marmanjos que uma bela mulher.
      E fica a pergunta: Para que um carrão que chega a 200km p/hora nos trânsitos lentos e engarrafados das grandes cidades brasileiras? Junte isso ao alcool e pronto, nitoglicerina pura

  2. Eu estou daqueles que viram essa pesquisa com agradável surpresa.

    Perto da baixaria que se vê nas redes sociais me surpreendeu que quase metade da população aceite a união civil de homossexuais.

    E olha que o governo invés de dar bom exemplos com campanhas educativas deu um passo em falso com aquela declaração desastrada da Dilma.

    Tudo que precisava era de esclarecimentos e tirar o assunto da voz única dos demagogos pseudo-religiosos. Diga-se de passagem que nesse sentido a Globo com as novelas tem feito bom serviço junto a população.

    • Exato!

      Quem adora ler caixas de comentários de sites e também posts em redes sociais (eu, por exemplo) sabe que o preconceito é geral. Há pouquíssimas vozes humanistas e democráticas nesses meios.

      Essa pesquisa é muito importante por isso. Dá uma certa esperança saber que aquilo que vemos na internet não é necessariamente um retrato de como pensa o povo brasileiro.

  3. Olá Dudú.
    Combinando o post acima com o post de ontem , quero destacar o que li hoje no jornal espanhol El Mundo( não confundam com “imundo”).
    É um artigo que trata da posse do novo Presidente do Perú. O artigo destaca a visita de personalidades estrangeiras, onde informam dos Presidentes do Chile, do Uruguai e outros , além da presença do Príncipe de Astúrias.
    Em nenhum momento informa da presença da Presidente Dilma, do Brasil.
    Os espanhóis se limitam a informar sobre os países de idioma de Castilla e do Brasil, de idioma português, não falam. Ora, o Brasil é o mais importante e maior país do continente. Pela importância que tem merece destaque.
    Quero fazer analogia com o post de ontem, onde comentávamos sobre a elite brasileira e seu ícone, Higienópolis.
    Pois é, é assim que a Direita faz e age; ela omite os fatos relevantes .
    Todos os dias pensem e raciocinem sobre as notícias veiculadas pelo PIG; a Direita é assim em todos os países do mundo; infelizmente.

  4. Deve-se considerar, também, que 77% dos evangélicos são contra…

  5. Não sei se me equivoco, mas penso que os menos instruídos são mais religiosos e o fator religião implica muito em aceitar ou não determinadas adversidades.

    • O fator religião afeta mais os menos instruídos do que os que t:em mais instrução. A questão central aqui é que para as religiões cristãs (católicos e protestantes/evangélicas) a sexualidade humana tem uma única função: a procriação e a manutenção da família patriarcal. Mais famílias e mais filhos significam a garantia de mais fiéis. Sexo sem reprodução e por mero prazer e, ainda por cima, fora do casamento, é condenável, é pecado. Daí a condenação da homossexualidade como perversão, anormalidade, enfim, as relações homoafetivas são consideradas práticas que “ferem a lei da natureza” e “a lei de Deus”. São dogmas e, como tais, inquestionáveis. Quando os valores morais de uma pessoa ou de um grupo são fundamentados por dogmas religiosos é praticamente impossível convencê-las de que a democracia pressupõe pluralidade e respeito à diversidade moral. É justamente este o motivo da dificuldade na aprovação da lei contra a homofobia.

      • Sou cristão e católico e jamais imaginei que o sexo sirva apenas para a procriação.
        Não é justo generalizar, Maria Luiza.

        • Caro Pedro,
          Também sou cristã e católica. Não estou me referido aos cristãos, aos católicos e e aos protestantes, mas às igrejas, como instituições. É um alento saber que você (acredito que muitos outros) não pense que sexualidade humana seja sinônimo de reprodução.

      • Maria Luiza, não conheço nenhuma igreja evangélica que diga que o sexo não deva ser prazeroso, embora deva existir.

        O sexo é para a reprodução, para o prazer e para o amor. Eu acho que isto está claro na Bíblia. Nem por isso o sexo não tem restrições. Tudo que é sagrado tem restrições… Na Bíblia judaico-cristã, as restrições mais claras são o adultério, o incesto, a zoofilia e a homossexualidade. Sobre o resto não há consenso.

        Já quem diz que adultério, incesto, zoofilia e homossexualidade são justificáveis sob alguma situação ou ponto de vista, tudo bem, é a visão religiosa de cada um. Pode até ser uma visão cristã, mas não é uma visão baseada na bíblia.

        O que os homofóbicos da rede esquecem é que Deus ama os pecadores, e às vezes ama mais justamente os que já pecaram mais.

        Abraços.

        • Caro,
          Meu debate aqui é político, não religioso. Discuto o papel que as religiões desempenham numa democracia que, necessariamente, deve zelar pela laicidade do Estado. Reconheço que todas as religiões contribuem para a formação de valores necessários e úteis para a coesão social, para o respeito mútuo enfim, para o respeito à dignidade humana. Meu questionamento é a respeito da imposição de valores de certos grupos, principalmente religiosos, como se fossem superiores, muitas vezes de forma preconceituosa. O que você diz das declarações da deputada Miriam Rios recentemente? Uma Democracia (com letra maiúscula) é governada por homens e pela Constituição e não pela Bíblia. Assim, se você considera que os homossexuais são “pecadores” mas que apesar disso não devem ser desrespeitados porque são amados por Deus, menos mau.

          • Maria Luíza, assino embaixo a respeito de quase tudo. I

          • Maria Luíza, eu podia assinar embaixo de quase tudo que vc disse.

            O que as pessoas costumam esquecer, e inclusive gostam de esquecer é primeiro: acima da suposta “laicidade” do Estado estão os princípios criadores do Estado. Um deles é o seguinte: todo poder emana do povo. Se o povo escolher enforcar os homossexuais, infelizmente, democraticamente falando, não há o que fazer. E se o povo escolher enforcar os religiosos é a mesma coisa. Na prática, o princípio de que algo seria “errado” não tem sentido numa democracia. A lei é aquilo que a maioria escolheu. E fim de papo.
            Por isso acho que o Ayres Brito fez uma leitura elitista da constituição.
            (ainda assim, não vejo nada demais na lei proteger um relacionamento que é real. O problema pra mim foi um Ministro do STJ dizer assim: ‘o povo não sabe nem escovar os dentes, que dirá decidir o que é moralmente errado’)

            Segundo, as pessoas gostam de deturpar o sentido de “laico”. “Laico” não é ateu, pois o ateísmo é um ponto de vista religioso. “Laico” significa não assumir nenhum lado na questão. Por que esse negócio de religião dá morte, então o laicismo é um meio de proteger a paz.

            Assumir que “laico” significa desvalorizar tudo que se relacione com religião é justamente valorizar as idéias de alguns grupos em detrimento de outros. O que vai na contramão da idéia original de laicismo.

            Um exemplo: na frança, por que não gostam dos muçulmanos, proibiram as meninas de entrar nas escolas de véu. Daí, usam a desculpa de estarem protegendo o laicismo da escola…

            Na verdade, estão protegendo o ponto de vista religioso da maioria dos franceses: “ninguém deve levar a religião muito a sério”. A lei agrediu o laicismo. Mas afirmou a opinião do povo…

            Tô dizendo isso tudo pra dizer: usar o “laicismo” como “cláusula de segurança contra a democracia” é hipócrita e nojento. Quer provocar uma mudança democraticamente? Convença as pessoas que você está certo. Aí chame um plebiscito.

            Abraços.

  6. Não precisa de pesquisa, ser sociologo, filosofo, p/interpretar as posições do povo brasileiro: somos a favor e praticamos aquela famosa frase: “viva e deixe viver”.
    A pesquisa quando se refere a aceitação da homosexualidade no campo pessoal (amizade) profissional, reforça exatamente isso, o convivio e as relações amistosas vencem de goleada.

    • Armando,
      O o objetivo principal da pesquisa é a união estável entre homossexuais, em favor da qual o STF decidiu de modo favorável recentemente. Os resultados são reveladores e fornecem um diagnóstico da sociedade brasileira em relação ao respeito aos direitos dos homossexuais. Dizer que o brasileiro é adepto do “deixa a vida me levar” só porque no item “amizade” entre heterossexuais e homossexuais o preconceito é menor não faz sentido. A luta dos homossexuais é por direitos, sem distinção. Os índices que mostram que em se tratando de amizade é maior o número de brasileiros que são indiferentes à orientação sexual não deixa de ser animador, mas quando comparados aos índices que se referem a questões que dizem respeito ao exercício de direitos iguais para os homossexuais os resultados mostram uma verdadeira contradição.

      • Maria Isabel
        Não é o “deixa vida me levar” é “viver e deixar viver”- existe uma disparidade enorme nos resultados da pesquisa sobre a decisão do STF-o que poderia gerar um outro debate em função do aspecto contraditório e paradoxal-revelado na pesquisa e o grau de tolerancia, demarcada nas respostas sobre a aceitação da amizade e do relacionamento no exercicio profissional- confirmada favoravelmente, de maneira uniforme em todas as regiões do pais e tbem no quesito grau de escolaridade. Pra começo do fim, acredito que a luta pelos direitos dos homosexuais é super importante (a minha opinião não ira alterar o seu compromisso e fico feliz em sabe-lo) ma reitero, que no conjunto das opiniões colhidas pelo instituto-a impressão que me causou e quis apenas reforçar esse aspecto, não invalidar o esforço da luta dos homosexuais- o brasileiro não tem perfil homofobico-

        • Desculpa, entendi perfeitamente o que você quis dizer com “viva e deixe viver”. Não sei porque na hora de escrever minha mensagem acabei colocando a frase “deixa a vida me levar”. Essas coisas acontecem. Você também se confundiu. Não me chamo Maria Isabel. Enfim, concordo com você. A pesquisa realmente revela contradições, mas mostra que no fim das contas o brasileiro não tem perfil homofóbico.

          • Maria Luiza perdoe-me pelo equivoco cometido contigo na troca de seu nome, não foi intencional. Nos acertamos bem no final. Valeu

  7. usemos sua lógica: a maioria que votou em Dilma (os menos escolorizados) é ignorante também…

    moral Rubens Ricupero: o que é bom, a gente mostra; o que é ruim, a gente esconde…

    até onde vai um ideologizado…

    • Sugestão: dê uma lida no corte por escolaridade das últimas pesquisas eleitorais do ano passado. Depois a gente conversa sobre isso. Agora, comparar preferência política com direitos fundamentais do cidadão, é burrice. Nesse aspecto, a pesquisa faz todo sentido… Fui muito sutil?

      • Edu…a classe C e D, a maior beneficiária do Governo Lula, é na sua maioria,¨62%, contra…pode viajar de avião, comer queijo, beber iogurte….mas….continua IGNORANTE, segundo sua lógica, pois é contra o casamento gay… esses 30 milhões…são ignorantes?….

        como vc é um cara muito democrático, a favor da liberdade de expressão, sempre classifica quem pensa diferente de vc como IGNORANTE?… a massa serve só se for pra pensar como vc?

        • não sou eu quem diz, é a pesquisa Os dados são claros. Que parte você não entendeu?

          • Edu, tá se fazendo de bobo, ou é a ideologia mesmo?….rs… essa tua moral à la Ricupero tá te fazendo mal…mas vc é um cara bom…ranheta…mas de bom coração…
            um abraço

          • Caro Eduardo, porque você publica as provocações e xingamentos desses trolls boçais e estúpidos?

            Está na cara que esse aí está apenas arrumando desculpas (imbecis por sinal) para te agredir verbalmente.

            É pura má-fé.

            Aliás é um comportamento e um estilo (se é que a boçalidade pode ser chamada assim) igualzinho o de outros trolls (ex-campineiro e outras alcunhas idiotas) que proliferam por aqui.

            Eduardo, você não tem obrigação de publicar mensagens que não tenham educação com você e nem a produzidas de má-fé. Não se trata de ser democrático ou não, trata-se de moderação de forum. Qualquer um pode divergir em idéias, mas todos tem que fazê-lo com a devida educação e cortesia para com os interlocutores e em especial com o blogueiro. A educação não enfraquece os argumentos contraditórios e a agressividade não os reforça, então não há como confundir o fato de se exigir civilidade na tratativa com cerceamento de opiniões contrárias.

            Pense nisso.

          • Esse caso é complicado. O limite entre a crítica e o insulto é tênue. Mas vou ficar mais atento.

        • Poxa Natan, que brasileiro tem memória curta não é novidade, mas atribuir ao eleitorado da Dilma a rejeição da união civil é forçar muiiiito a barra, só pra refrescar sua memoriazinha: Foi justamente a campanha do adversário dela que pregou durante a campanha imunda, diga-se de passagem, que a Dilma era a favor da união civil e da descriminalização do aborto, foram tão enfáticos nisso que dava até a impressão de que se a Dilma ganhasse todo mundo teria que abortar e casar com alguém do mesmo sexo, não se lembra? Logo, se após uma campanha como essa ela foi eleita, não é errado afirmar que a grande maioria do eleitor que votou na Dilma é sim a favor da união civil e da descriminalização do aborto!

          • O sr. natan tem a mesma ironia do “seu” rego, que às vezes aparece por aqui. Seriam a mesma pessoa? Recifenses?

          • Perfeito. A Dilma só não ganhou no primeiro turno porque muita gente da classe C e D, mas também A e B deixaram de votar nela por causa da ignorância fundamentalista religiosa.
            Além disso, como disse o Edu, o corte por classe social na votação presidencial, mostra que a Dilma ganhou também na classe média. O Serra só ganhou na classe A.
            ignorante é aquele que ignora. Portanto se o Nathan Pardalzinho ignora esse dois fatos, é ignorante, no tocante a eleições, pelo menos.

          • Acho que os trolls que atacam este blog escrevem com diversos nomes diferentes para parecer que são em maior número.

        • Essa população mais humilde por muito tempo teve verdadeira aversão a Lula e ao PT – uma parte ainda tem. Ela não vota como bloco em candidatos do PT, sequer à esquerda e muitos – pelo contrário votam à direita ou em quem o padre ou o pastô manda ou indica. Taí os 44% do Serra que não me deixam mentir.

          Não cabe comparação desse tipo. É forçar muito a barra.

          • Pois é, e eu pensei que os 44% do Serra eram exatamente dessa parte preconceituosa e fanática religiosa… uai, eu estava errado, então? Mas… debater um tema trazido à luz pelo IBOPE? hum, não sei não… pérolas aos porcos…

      • Eitaaaaaaaa. Hi,hi, sutilíssimo. “É memo”, até onde vai um ideologizado, não?

    • parece que a igrejinha não suporta uma tirada de sarro…rs

      que é isso ruy… só vale se entrar na igrejinha pra se retroalimentar?
      não pensou como eu penso? paredón!
      o eduardo pode tirar sarro de mim, “sutilmente”, como disse outro comentarista, e eu não?…sou troll esquizofrênico…rs…rapaz, menos, menos….ah, o dono da bola pode recolher a bola e não tem jogo?…rs

      só disse que moral à la Ricupero não faz bem…

      a manipulação de dados de pesquisa é uma pratica bem comum do
      chamado PIG…

      PS: lá vou eu me justificar pra não acharem que sou troll e afins (tara de que tem síndrome de perseguição): sempre leio esse blog, concordo com a maioria das coisas postadas e quando não concordo comento, de vez em quando… se o dono do blog achar que estou perturbando, avise então não terá mais o problema… só acho engraçado a rapidez com que alguns incitem o paredón quando o comentario nãó bate com a idéia do revolucionário democratico e aberto á pluralidade de pensamento…

  8. Caro Eduardo
    Nada a ver com o assunto.

    28/07/2011 | NO CENTRO
    Mulher destrói imagem de santa em frente à Catedral
    Atitude de intolerância religiosa causou indignação
    Imagem de Nossa Senhora Aparecida semelhante à da foto foi alvo da ação – Por: Pedro Negrão

    Mais fotos…
    Notícia publicada na edição de 28/07/2011 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 8 do caderno A – o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.
    Marcelo Roma
    marcelo.roma@jcruzeiro.com.br

    Uma cena de intolerância religiosa indignou pessoas que passavam pela praça Coronel Fernando Prestes, em frente à Catedral Metropolitana de Sorocaba, às 14h de ontem. Uma mulher de 37 anos destruiu uma imagem de resina de Nossa Senhora Aparecida, de aproximadamente 50 centímetros, jogando-a no chão. Também rasgou o manto da santa com os dentes. A atitude causou indignação. R.S. foi detida e levada à delegacia, onde a delegada Darly Miola Kluppel a autuou por dano e ultraje à imagem religiosa.

    R. faz tratamento psiquiátrico por causa de depressão e não explicou por que destruiu a imagem, que roubou da loja de artigos religiosos que fica na rua Carlos Gomes, ao lado da Catedral. Da delegacia, ela foi numa ambulância para a ala psiquiátrica do Hospital Regional. Os donos da loja, Cândido Nabas Júnior e Ana Clara Speglis Nabas, se assustaram com a atitude de R., em destruir de propósito a imagem da santa.

    A mulher entrou na loja quatro vezes ontem à tarde, segundo Cândido. Na primeira, ela cortou as folhas de uma planta no vaso colocado na frente da loja, do tipo “comigo ninguém pode”. Saiu e voltou novamente. “Ela então pegou a imagem numa das prateleiras e correu para fora. Em frente à Catedral, despedaçou-a no chão”, conta Ana Clara. R. não foi detida de imediato. Retornou à loja e jogou cacos da imagem na direção da proprietária, mas não a acertou. Alterada, R. ofendia Ana Clara com nomes como “Satanás”. Depois saiu e voltou mais uma vez, agora para derrubar o vaso e quebrá-lo.

    Depois da última vez que saiu da loja, Cândido conseguiu segurar R. ainda na rua Carlos Gomes. Dois policiais militares a levaram então para a delegacia. O comerciante explica que a mulher entrou e saiu da loja quatro vezes, num período de 1h30. Depois de destruir a imagem de Nossa Senhora Aparecida, R. circulou pela região central a pé e sem ser incomodada.

    Para Ana Clara, o maior prejuízo foi emocional. Ela acredita que só mesmo uma pessoa com desequilíbrio mental poderia agir dessa maneira. Cândido considera que a convivência entre as religiões tem que se basear no respeito e na tolerância. Ele classifica a atitude de R. como algo inconsequente de uma pessoa que tem problemas. Mas por outro lado, se preocupa que ela possa voltar a fazer o mesmo em sua loja ou em outra.

    http://portal.cruzeirodosul.inf.br/acessarmateria.jsf?id=317906

  9. A parcela de 68% dos que estudaram só até a 4ª série do ensino fundamental serem contrários à união civil entre homossexuais é mais fácil de entender, ainda há muito pouca informação sobre o assunto, principalmente entre os menos escolarizados. Entretanto, achei bem alto percentual de 40% dos que tem ensino superior serem contra.

    • Caro Eduardo, concordo com o leitor acima (Rafael) sobre os mais escolarizados apresentarem uma resposta negativa ao casamento homossexual de 40%. Achei sua expressão um pouco forte, sobre considerar o problema de homofobia com ignorância, sendo considerado ignorância a falta de escolaridade. Também acho que a homofobia envolve ignorância, mas no sentido de intolerância, radicalismo (como os casos que ocorreram na av. Paulista).
      Acredito que uma pesquisa com uma resposta sim ou não pode ser menos representativa do que um estudo sociológico da formação cultural brasileira. É muito simples, estatisticamente, relacionarmos uma série de problemas com a baixa escolaridade. Bom, escrevi porque fiquei incomodado com a afirmação. Acho que uma simplificação estatística pode mascarar problemas maiores, mesmo com amostra representativa e dados estatisticamente significantes.
      Como você mesmo disse, seria impensável em tempos passados 45% da população ser favorável a união homoafetiva. Infelizmente sempre teremos os intolerantes. Acho que é uma questão de discussão, de encarar a realidade e de que o direito a cidadania deve se estender à todos, independente de opções sexuais, políticas e religiosas.

      Abç!

  10. Costumo dizer que quem está tranquilo(a) quanto a própria sexualidade, não se incomoda com a dos outros. Se se incomoda, é porque aí tem.
    Sou hétero e entendo que com a aprovação da união civil nós héteros não perdemos nada e sim os homos ganharam/conquistaram seus direitos.

  11. Sempre costumo dizer, Edu: homofobia (mormente os execráveis espancamentos de homossexuais ) é coisa de gay-careca residente “no armário”, apologista da “jeba” da bichona Fürer…

  12. Educação e mais educação ,para que os desavisados,os mal informados,não caiam no canto do PIG.

  13. Preconceito é ignorância, sem dúvida, mas uma ignorância com forte cunho perceptivo, ou seja, existencial, que muitas vezes não necessariamente relaciona-se com a instrução formal. Quero dizer que, embora acredite que a instrução seja importante sim para derrubar esse e outros preconceitos, acho que a relação instrução/tolerância é menos direta do que aponta o estudo do IBOPE. Trabalho em um ambiente onde todos os funcionários têm curso superior e são de classe média e, apesar desse quadro “favorável”, segundo diz o IBOPE, a homofobia é bastante forte entre essas pessoas. É evidente que nem todos são preconceituosos, mas o preconceito é bem mais presente do que se poderia esperar imaginando-se o perfil social do local, como também, pude constatar ao conversar com funcionários de outros setores, com perfil de escolaridade bem mais inferior, que a tolerância é maior entre essas pessoas do que eu mesmo imaginava. É evidente que existem muitos homofóbicos entre os menos instruídos, mas talvez por esperar um grau de intolerância quase unânime entre eles, surpreendi-me ao perceber que isso nem de longe é verdade. Esta mesma constatação obtive ao analisar perfis sociais semelhantes em outros ambientes que frequento e em diferentes partes do Brasil. Quero dizer com isso que, embora não negue a importância da instrução, não acredito em uma relação tão direta entre ela e o respeito aos homossexuais, principalmente se imaginarmos o tipo de educação; tecnicista e alienada; que os jovens recebem em nossa Sociedade. Para a superação do preconceito, acredito que seria muito mais importante que os cidadão recebessem uma educação hoje ausente, tanto nas escolas, como nos meios de comunicação, marcados por uma programação ideologicamente fascista e autoritária. Essa educação necessariamente precisa ter um cunho humanista, voltado á propagação dos valores da tolerância e da solidariedade.

    • O Rei da Bobagem ataca novamente. Leiam;
      ” Principalmente se imaginarmos o tipo de educação; tecnicista e alienada; que os jovens recebem em nossa Sociedade.”
      Educação tecnicista, onde cara pálida ? Em que década você vive ? Esse tipo de educação foi aplicado no período da ditadura militar.

      “Embora não negue a importância da instrução”
      Quem recebe instrução é soldado em campo de treinamento. Escolas ensinam.

      “Tanto nas escolas, como nos meios de comunicação, marcados por uma programação ideologicamente fascista e autoritária.”
      A tal escola fascista e autoritária deve existir no admirável mundo velho do Carlos Henrique.

      Finalizando, gostaria que o Carlos me informasse sobre uma curiosidade que tenho; quando ele xinga os outros de égua, aborto, biltre e outros impublicáveis ele solta muito perdigoto ?

      • Caro “Conde Drácula ao contrário”, o que o colega Carlos Henrique falou está corretíssimo. O ensino no Brasil, seja de qual nível for, é sim tecnicista. Se as matérias das áreas humanas fossem mais valorizadas, talvez houvesse menos ignorância em relação à homosexualidade e outras questões semelhantes.
        Só faço uma crítica ao texto do colega Carlos. Poderia fazer uso do parágrafo. A leitura ficaria mais agradável.

        • Corretissino Juliano ? Antes de comentar pelo menos você pesquisou, procurou saber o que é educação tecnicista ?
          Ao dar razâo ao Carlos você acaba concordando que as escolas brasileiras instruem, não ensinam. Concorda tambem que as escolas inserem ideologia facista em seus curriculos e que tais curriculos seriam alienados.
          Acredite Juliano. Isso é um amontoado de bobagens e deixaria corado qualquer pedagogo.

    • …. sensacional…

      O cara acaba de descobrir que nem todos os mais estudados são livres de preconceitos e nem todos os menos são preconceituosos. Ou seja, que entre o branco e o preto há diversas tonalidades de cinza. Deve ter sido um esforço brutal de raciocínio para descobrir algo tão difícil de se perceber.

  14. Brasil é ouro na Olimpíada de Informática. Que horror !
    Publicado em 28/07/2011 | Imprima | Vote (+29)Felipe Abella: 598 pontos em 600

    Saiu no blog do Nassif:

    Eduardo, é fora do assunto, mas precisa ser divulgado. Assim, reproduza por favor esse texto do Blog de Nassif. O Brasil foi medalha de ouro na Olimpíada Mundial de Informática e o 1º colocado é um estudante da Universidade Federal de Campina Grande, chamado Felipe Abella. Esse é o Nordeste, desenvolvido e vencedor que vocês, “sulistas” que não enxergam além do próprio umbigo, não conhecem ou não querem conhecer.

    A vitória brasileira na Olimpíada de Informática

    Por FernandoX

    Desculpe ser fora do assunto e a origem do link, mas a notícia, se ainda não foi comentada aqui, vale a pena: um tapa na cara de quem vê o nordeste apenas como fornecedor de mão de obra não qualificada para a classe média eleitora do psdb:

    Do Techtudo

    Brasil conquista primeiro ouro da história na Olimpíada Internacional de Informática

    Nesta terça-feira (26) o estudante brasileiro Felipe Abella Cavalcante Mendonça de Souza, da Universidade Federal de Campina Grande, conquistou a primeira medalha de ouro do país na Olimpíada Internacional de Informática (IOI). A entrega da medalha será feita no próximo dia 28 durante a festa de encerramento da 23º edição da IOI, que acontece este ano na Tailândia.

    Nos dois dias de provas, os participantes tiveram que resolver, sozinhos, quatro problemas computacionais (relacionados essencialmente a algorítmos) em até cinco horas. Para isso, cada estudante precisava criar aplicativos em C, C++ ou Pascal sem a ajuda de ninguém, e no final cada programa era testado e avaliado pelas respostas corretas que davam.

    Felipe Abella conquistou 598 pontos de 600 pontos máximos das Olimpíadas, ficando em 3º lugar no ranking geral, o que garantiu ao estudante a medalha de ouro. Acima dele há apenas outros dois estudantes, da Bielorrúsia e da China.

    Além do ouro, os outros três integrantes da delegação brasileira também trarão outras três medalhas de bronze para o país. São eles: Caíque Lira (Colégio Farias Brito/Fortaleza), com 327 pontos; Renato Pinto Junior (Colégio Objetivo/São Paulo), com 365 pontos; e Marcos Kawakami (Colégio Etapa/São Paulo), com 360 pontos – todos selecionados pelos seus desempenhos na última Olimpíada Brasileira de Informática.

    Com o somatório de pontos, os brasileiros conquistaram uma colocação à frente de países como Inglaterra, França, Canadá, Alemanha, Espanha e Argentina. Saiba mais sobre o evento no site oficial do IOI 2011, em http://www.ioi2011.or.th.

    Artigos Relacionados
    Só o Ali Kamel impede
    vitória de Dilma no 1º turno
    (175)Cerra lidera. De baixo para cima
    (34)Brasileiro voa como nunca. É o “caosaéreo”. Que horror !
    (42)Dilma tem que demitir Johnbim ?
    Não e Sim ! Vote !
    (65)Ações da Abril Educação são um mico ?
    (52)

  15. Então, Eduardo, fica o alerta do Paulo Henrique Amorim: a nova classe média pode esquecer que deve sua ascensão a um governo de centro-esquerda e votar na direita moralista (que incentiva o racismo, a homofobia e as condenações religiosas). Acorda, PT! Vamos voltar a militar no movimento de massas.

    • Bem raciocínio de esquerdista este: vamos “militar” junto à classe C. O que se deve fazer com a classe C, que o governo foi omisso em oito anos, é melhorar a sua escolarização de base. Como disse um leitor lá em cima, criamos uma multidão que consome, mas que continua ignorante, Não dá para uma coisa ir separada da outra.

      • Haroldo
        Você veio aqui só para discordar, pois é até uma piada você vir dizer que o governo se omitiu na educação de base nos últimos 8 anos.
        Não são 8 anos que vão consertar tudo de errado que se fez em muitos anos anteriores.
        E só para sua informação: Educação de base é atribuição de estados e municípios. Muitos desses, que há vários anos estão sob a gerencia dos demotucanos, alguns até estão com problemas de greves por que não pagaram o que a lei previa para os professores simplesmente porque desviaram o que o Governo Federal repassou para esse único fim.

        • Pois é Izabel, ignorante é aquele que ignora. Se o estimado colega Haroldo ignora que a educação de base é atribuição dos estados e municípios, ele é o que?

          • Governo Federal foi omisso. Os Estados e municípios falham, isso compromete o desenvolvimento do país (o deficit de ‘capital humano’ é uma das coisas que emperram um crescimento maior do país) e o governo federal diz “não é meu problema!”. Não tem cabimento.

  16. Por coincidência, a fatia da sociedade com menos estudos e mais preconceitos é o “público alvo” de certas seitas ditas evangélicas e de grupos católicos falangistas (não encontro termo melhor para descrever tendências como a do bispo de Guarulhos, que prega uma cruzada contra os infiéis – e somos todos nós que dele discordamos).
    Ou seja, a ignorância é mãe dos preconceitos, da violência na política (de direita ou esquerda) e do fanatismo religioso.

  17. “…Participei de uma câmara aqui com vereadores que desviaram rios e rios de dinheiro aqui dentro.
    E vi tudo calado, observando, sem jamais denunciar um colega.
    Porque aqui nós somos dez, independente da postura da posição de cada uma (sic), somos homens com a letra H maiúscula!”
    (Vereador do PSDB mineiro Juscélio Garcia de Oliveira)

    ESSE É MAAAAAACHO!!!

  18. Descobriram a polvora. Porque você acha que a idéia de plebiscito, sempre tão cara aos “movimentos sociais”, intelectuais progressistas e militâncias em geral, não é nem sequer aventada nesse caso?

    • Realmente interessante, para alguns temas, e dos mais polêmicos, nem os mais exaltados defensores de “Democracia Direta” ou da forma Plebiscitária, adotada com alguma frequência recentemente na Venezuela, por exemplo, propõe plebiscito. Pergunte a eles se eles os querem sobre temas como este citado no post, ou aborto, por exemplo. A razão é só uma: plebiscito é boa proposta quando eles sabem que o resultado será favorável. Caso contrário, nem um pio sobre o assunto.

  19. Um quer dizer que todo o homofóbico é burro e pobre.

    E então quem é homofônico é pobre e ignorante e quem é antihomofóbico é inteligente e bem de vida.

    Então eu devo ser antihomofóbico para ser aceito como inteligente e bem de vida, para ninguém me associar à ignorância e pobreza.

    Entendi, eu devo pensar como os inteligentes e bem de vida para ser aceito pelo resto da sociedade e me integrar com a maioria inteligente e bem de vida.

    Agora já sei quando eu ouvir alguém expressando se contra o movimento gay sei que ele é uma pessoa ignorante burra e pobre.

    Viva a liberdade viva a diversidade.

    (essa técnica de associar pensamento x com algo negativo para impor um pensamento hegemônico é bem antiga).

    • Mais uma vez esse negócio de que combater a homofobia é tolhir a liberdade de expressão do indivíduo.
      O “direito de ser” homofóbico? Que mais? De ser racista, machista, fundamentalista, xenófobo, facista, nazista,?
      O direito de difundir ódio contra as minorias, o diferente? E a cereja do bolo: Junta tudo isso com o direito de portar armas e explosivos sem uma justificativa raziavel, e temos o que? O direito de ser um norueguês que “defende a sua tribo contra alienígenas”?

  20. Edu
    O Sr. Ruy Acquaviva está com toda razão. Venho sempre ler o que você posta e gosto de acompanhar os comentários, mas essa gente raivosa, discordante contumaz, desrespeitosa, grosseira que vem aqui, acaba por afastar quem quer argumentar, ou simplesmente ler para ter mais informações.
    Com a perseguição que se vê aqui contra você e com as práticas usadas pela oposição e pelo PIG, que já estamos cansados de ver, sugiro que você anote os IPs, passe para seus amigos e família. Pode ser uma forma de ter um caminho para a investigação de qualquer dano que você ou sua família sejam vítimas.

    Reflita também no que estou lhe alertando.

  21. Caro Edu, publiquei também um texto sobre o assunto em meu Blog: “Os brasileiros e a união civil de homossexuais”. Link: http://bit.ly/pGtnqw.
    Abraços!
    Chico

  22. Novamente concordo inteiramente com você, Eduardo.

    Esses 45% são uma informação positiva porque os segmentos onde a aprovação passa de 50% (classes A/B; escolarizados) são justamente os que crescerão daqui pra frente.

    5% dentre 55%, ou seja, 1 em 11 pessoas, será fácil de obter em poucos anos. Afinal há ex-homofóbicos, mas não “novos homofóbicos”. Quando aumenta a informação e conhecimento quem era contra a união passa a ser a favor, mas não acontece o contrário.

    Mas alguém vai falar, e os evangélicos, que estão crescendo e passaram de 7 para 22% da população em 30 anos? Ora, o que ocorre é que o crescimento foi por conversão, deixando alheios os gays e lésbicas de suas famílias. Daí a ilusão de que a questão homossexual não é com eles.

    Mas já surgem conflitos dentro das famílias evangélicas com o crescimento de uma nova geração, a primeira nascida de pais convertidos.

    Não há dúvida de que o corporativismo atuará como nos EEUU, em breve tais famílias buscarão os direitos civis de seus próprios descendentes e nesse momento os pastores é que lutarão contra a discriminação. Na IURD já começa a ocorrer isso.

    O STF atuou magnificamente, mostrando que apenas se antecipou à sociedade.

    Um grande abraço!

  23. Edu,

    Sera????????
    Não acredito.

  24. Caro Eduardo,

    Continuo visitando seu blog, diariamente, mas estou sem gás para debater.Sou sua admiradora. Abraços. Ertha

  25. Tudo bem união estável,casamento,o que for,sou favorável.Agora essa bobagem de passeatas de orgulho gay,fantasias luxuosas e desfiles de grifes é de uma babaquice sem fim.É o capital(como sempre) faturando em cima deles.Alegorias com manipulação e alienação das massas.

  26. Du, com todo o respeito, nos anos 30, com certeza os mais racistas eram os mais escolarizados.

    Mas se fosse a pesquisa sobre homofobia, eu concordaria de cara com a proposição: acho que os menos escolarizados são mais homofóbicos, sim. O que é diferente de ser contra a união de pessoas do mesmo sexo. Homofobia é aversão ou ódio. Achar que alguma atitude é errada não significa que você tenha aversão a quem pratica a dita coisa.

    Tenho amigos gays, mas estou falando de amigos mesmo, Edu, daqueles que você não junta 8 na vida inteira, e sou contra a união de pessoas do mesmo sexo (no plano moral, no plano legal não, não legalizar era meio ridículo…). Achar que eles fazem algo de errado não me torna melhor que eles, assim como eu faço muita coisa que eles acham errada, e não nem por isso largam do meu pé, tão aí me enchendo o saco até hoje.

    Fora que dizer que quem é contra união gay é ignorante é exatamente o mesmo que dizer que todo cristão praticante é ignorante. Daí é com você, Edu. Mas depois não vem dar lição de moral sobre tolerância e preconceito.

    De qualquer jeito um abraço, seu marreco com laxante te espera, vou te preparar também uma batidinha que só faço pros meus amigos gays XD

  27. Caro Eduardo,
    Toda discussão que envolve a condenação da homofobia é problemática, pois vivemos em uma sociedade fortemente marcada por valores cristãos. Há quem pense ainda que a condição de possibilidade de existência de uma vida ética está na religiosidade. Sob tal ótica, agnósticos ou ateus não são capazes de viver segundo aquilo que muitos chamam de “moral sólida e verdadeira”. A lógica desse pensamento é binária. Coisas, pessoas e acontecimentos são vistos como bem e mal, branco e negro, bom e mau, certo e errado, sagrado e profano, homem e mulher, normal e anormal, e por aí vai. Trata-se de uma lógica fundada nos princípios de identidade, da não-contradição e do terceiro excluído. Vale salientar que isso não começou com cristianismo, mas pelos gregos, com Aristóteles. Tenho observado em vários blogs e em sites de notícias alguns comentários onde pessoas defendem o “direito” de serem homofóbicas. Daí que a pesquisa, ao mostrar que o nível de instrução está diretamente ligado à homofobia, como você já havia dito antes da sua publicação, comprova o quanto a falta de instrução atravanca o processo de construção de uma sociedade realmente democrática e civilizada, pois falta o conhecimento e a consciência do que seja uma sociedade, uma democracia, igualdade de direitos, dignidade humana, direitos humanos, diversidade da sexualidade humana, enfim, até o significado e o sentido da própria palavra homofobia. Democracia é uma forma de governo onde, talvez, um dos pressupostos mais fundamentais é o respeito à pluralidade de valores e o direito à manifestação dos mesmos. Lamentavelmente o que estamos vendo nos últimos tempos é a defesa da liberdade de expressão absoluta, custe o que custar. Nesse sentido, os mesmos que defendem o direito de dizer e ofender indivíduos ou grupos, principalmente os minoritários, são os que querem transformar sua opinião não só em verdade, mas como a única e absolutamente verdadeira. São essas mesmas pessoas que acusam os que lhes contradizem de querer impor um pensamento único. Não percebem que é exatamente isso o que fazem com freqüência. As pessoas que defendem o “direito” de ser homofóbicas e, o que é pior, se orgulhando disso, na verdade agem de forma a comunicar aos outros (e afirmarem para si mesmas) que são heterossexuais. A lógica do preconceito é negar uma coisa para afirmar outra, ou vice-versa. O branco que acredita que o negro é inferior, obviamente, acredita na superioridade da “raça” branca. Numa democracia é exatamente a pluralidade de valores o que constitui a pluralidade de opiniões. Qualquer um tem o direito de não gostar de homossexuais, mas ninguém tem o direito de manifestar ódio ou praticar violência real ou simbólica contra pessoas que não se enquadram no padrão heteronormativo vigente na sociedade, como gays, lésbicas, travestis e transexuais. Uma coisa é um indivíduo ter preconceito, outra bem diferente é a sua manifestação. A homofobia não se reduz, portanto, ao preconceito. Homofobia é uma prática e, como tal, tem que ser combatida. Infelizmente muitos acham que a homofobia é simplesmente o ódio aos homossexuais. Não é. O ódio é o sentimento, não a causa. O que causa a homofobia não é o ódio e sim o medo. Homofobia (homo=semelhante, igual + fobia=medo exagerado), segundo o dicionário, é a rejeição ou aversão ao homossexual. Isto é o significado da palavra. Outra coisa é o conceito de homofobia. O conceito (concepção, ideia, compreensão) de homofobia não se reduz, portanto, ao significado da palavra. Somente a título de ilustração, gostaria então de finalizar citando o conceito de homofobia segundo Guacira Louro, doutora em Educação:
    “Homofobia, o medo voltado contra os(as) homossexuais, podendo se expressar numa espécie de ‘terror’ em relação à perda do gênero, ou seja, no terror de não ser mais considerado como um homem ou uma mulher ‘reais’ ou ‘autênticos”.
    Diante do conceito acima citado, podemos então começar a pensar na relação entre homofobia e machismo, sobretudo para entendermos melhor essa prática entre indivíduos, grupos, regiões ou mesmo numa sociedade.

  28. Muito mais importante do que o resultado da pesquisa(e o resultado não surprende diga-se de passagem),é o fato de que a união homoafetiva foi reconhecida pela mais alta corte de justiça de nosso pais como entidade familiar e isso sim é algo para se comemorar.Quanto à homofobia,enquanto a PL122 não for aprovada,existe a legislação que consta do Codigo Penal.Porem o importante é que haja uma lei especifica que puna condutas que estimulem não só o preconceito como o ódio aos homoafetivos e que possam acarretar agressões e assassinatos.

  29. Eduardo, eu peço desculpas por postar um texto não-relacionado com o tema desse tópico , mas acho que você deveria ser avisado que o jornalista, produtor musical, critico, compositor, agitador cultural e acima de tudo medíocre puxa-saco da mídia e da classe artistica brasileira Nelson Motta decidiu emitir (ainda que “an passant”) a sua opinião sobre os chamados “blogueiros progressistas” e sobre todos aqueles que na “imodestissima” opinião dele são “chapa-brancas”. Caso tenha estomâgo, leia com atenção o artigo escrito pelo sujeitinho e publicado no Estadão e no sítio do Instituto Millenium:

    http://www.imil.org.br/artigos/coragem-generosidade/

  30. Eu não acredito muito em resultados de pesquisa ou enquetes… o link do vídeo a seguir explica tudo:

    http://www.youtube.com/watch?v=LxpP4z4ogIQ

  31. Não tenho motivo algum para duvidar dessa pesquisa.
    Mas tem uma coisa: quem mais agride e até mata gays, em geral, são da classe média para cima.
    É a ideologia da opressão: o opressor se acha com direito.
    Os oprimidos, os pobres, se respeitam mais uns aos outros.

  32. Quero parabenizar este blog e divulgar um maravilhoso livro que aborda intimamente a vida real de um garoto de programa.
    conheça O LAÇO DO PASSARINHEIRO em : http://WWW.CLUBEDEAUTORES.COM.BR
    Por: MARLON DE ALBUQUERQUE.
    Boa leitura!

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.