Folha reconhece que imprensa é golpista

Buzz This
Post to Google Buzz
Bookmark this on Delicious
Bookmark this on Digg
Share on FriendFeed
Share on Facebook
Share on LinkedIn

publicado, originalmente, às 13:05 hs. de 23 de fevereiro de 2011

No último sábado, o jornal Folha de São Paulo reconheceu, publicamente, que pessoas como a maioria das que escrevem neste blog têm razão quando dizem que a grande imprensa brasileira é golpista. A partir desse momento histórico, portanto, espera-se que mesmo os seus simpatizantes mais exaltados parem de contestar o que ela mesma reconhece.

Reproduzo, abaixo, essa matéria da Folha que me foi mostrada pelo radialista Colibri, da Rádio Brasil Atual, durante entrevista sobre os 90 anos do jornal que gravei nos estúdios dessa rádio ontem e que foi ao ar na manhã desta quarta-feira. Em seguida, mais alguns comentários.

—–

Folha apoiou o golpe militar de 1964, como praticamente toda a grande imprensa brasileira. Não participou da conspiração contra o presidente João Goulart, como fez o “Estado”, mas apoiou editorialmente a ditadura, limitando-se a veicular críticas raras e pontuais.

Confrontado por manifestações de rua e pela deflagração de guerrilhas urbanas, o regime endureceu ainda mais em dezembro de 1968, com a decretação do AI-5. O jornal submeteu-se à censura, acatando as proibições, ao contrário do que fizeram o “Estado”, a revista “Veja” e o carioca “Jornal do Brasil”, que não aceitaram a imposição e enfrentaram a censura prévia, denunciando com artifícios editoriais a ação dos censores.

As tensões características dos chamados “anos de chumbo” marcaram esta fase do Grupo Folha. A partir de 1969, a “Folha da Tarde” alinhou-se ao esquema de repressão à luta armada, publicando manchetes que exaltavam as operações militares.

A entrega da Redação da “Folha da Tarde” a jornalistas entusiasmados com a linha dura militar (vários deles eram policiais) foi uma reação da empresa à atuação clandestina, na Redação, de militantes da ALN (Ação Libertadora Nacional), de Carlos Marighella, um dos ‘terroristas’ mais procurados do país, morto em São Paulo no final de 1969.

Em 1971, a ALN incendiou três veículos do jornal e ameaçou assassinar seus proprietários. Os atentados seriam uma reação ao apoio da “Folha da Tarde” à repressão contra a luta armada.

Segundo relato depois divulgado por militantes presos na época, caminhonetes de entrega do jornal teriam sido usados por agentes da repressão, para acompanhar sob disfarce a movimentação de guerrilheiros. A direção da Folha sempre negou ter conhecimento do uso de seus carros para tais fins.

http://www1.folha.uol.com.br/folha90anos/877777-os-90-anos-da-folha-em-9-atos.shtml

—–

Segundo relato de Colibri, ele trabalhava na Folha na época em que ela não apenas entregou a redação aos militares, mas ajudou-os a prender seus funcionários dentro de suas instalações, o que lhe valeu a piada de que era o jornal de maior “tiragem” do Brasil, pois vivia cheio de “tiras”. E o radialista nega que houvesse algum movimento organizado dentro do jornal.

Mas vejam só que coisa: a Folha diz que sua redação estava cheia de militantes da ALN e que, por isso, permitiu aos militares que fossem prendê-los dentro de suas instalações em vez de demiti-los, por exemplo. Essa era a visão do jornal sobre liberdade de imprensa, então. Isso mostra o quanto é vazio o seu discurso atual sobre o assunto.

A parte mais divertida da nota é a que afirma que “a direção da Folha não tinha conhecimento” de que seus carros eram usados para esse fim, como se fosse possível um empresário não ter conhecimento do que seus funcionários fazem com a sua frota de veículos. Sugere, aliás, que meros motoristas se apropriavam dos veículos para servirem à ditadura.

E um detalhe importante: notem que o jornal não diz que seus carros não foram usados para esse fim, mas que não tinha conhecimento desse uso.

Diante de tudo isso, penso que é plenamente justificável que as pessoas se indignem por os três poderes da República terem ido prestigiar uma empresa que tanto mal causou ao Brasil ao atuar de forma tão ativa em prol da censura e da supressão das liberdades democráticas, castigos a este povo que duraram duas décadas.

Contudo, o desalento com a rendição da República a esse jornal criminoso não altera o fato de que ninguém tem opção de desistir de apoiar este governo ou de deixar de militar em blogs como este. O editor deste blog não tem como desistir nem de uma coisa, nem de outra. É preciso muita “coragem” para desistir. Não sou tão corajoso.

Tags: , , , ,

80 Comentário

  1. Isso aí, “seu” Eduardo!
    Vamos todos, com nossa peculiar falta de coragem, continuar buscando um Brasil melhor para todos.

    Inclusive para os que não querem…

  2. Pois é caro Edu,

    Fico feliz com sua decisão de não desistir.
    Realmente parece que o conformismo não é uma opção.
    Podemos deixar os jogos políticos para os políticos, sem abrir mão de contestar e repassar as informações ao maior número de pessoas.
    Os países árabes dão o exemplo de que o povo só pode exercer seu poder através do combate contra à alienação.

    Enquanto isso, entre incrédulo e pasmo, acabo de ler no blog de esgoto do Reinaldo Azevedo que a Dilma enviou uma carta com elogios endereçados a ele.

    Fiquei sem entender nada…

    Será?

    http://migre.me/3VRa3

    • Foi uma piada com a cara de tacho que “os petralhas” ficaram ao ver Dilma prestigiar a imprensa golpista

      • É verdade Edu,

        Desculpe…

        Mas isso mostra como esta atitude de nossa Presidenta pode ser interpretada pela imprensa marron.

        Abraço.

        • Mas o Reinaldão não fez qualquer interpretação da atitude da nossa presidenta. ele só escreveu o que escreveu a partir da reação da blogosfera. a partir da atitude da presidenta ele não escreveu uma escassa linha. nem ele nem o coturno noturno nem o Augusto nunes.

    • NÃO! Não posso crer…
      Vai ser dificil digerir…
      Tiro férias. Vou para pasárgada.

    • Via de regra não acredito na Veja.

  3. Edu, voce está com 50, eu com 55. Nunca desisti, e não desistirei nunca, até porque tenho de da exemplos para meus filhos, e não ir contra minha natureza.
    Acho este início de Governo uma incógnita. Votamos na Dilma, por vários motivos: continuidade, confiar no taco do Lula, não querermos uma direita neo-liberal no poder, etc… Mas este início de Governo nos deixa preocupado. Porque a Presidenta está mostrando que não é uma boa negociadora, está mostrando intransigência, deixando espaço para a oposição tacha-la de autoritária. Não sentou com as centrais para discutir o Salário Mínimo, não está aceitando antecipação dos R$15,00, quer que a votação se conclua em fevereiro para aplicar a nova regra a partir de março, não quer rever a atualização da tabela do IRPF. Por outro lado foi na cova dos leões, prestigiar o que temos de pior nos PIGs, fez um discurso morno. Com aval dos 56 milhões de votos ela obteve tinha que negociar o SM e fazer linha dura com os PIGs, iria reforçar na sociedade o sentimento de mudanças a qual estamos nos sentindo órfãos neste momento.

    • Márcio você comete o equivoco de dizer que não houve negociação com as centrais sindicais, Houve sim. Equivoco e fraqueza seria entrar no jogo demagógico e oportunista da Força Sindical e da CUT, que se aliaram à oposição para tentar derrotar o governo na primeira votação importante do ano. Acordo é feito para cumprir.
      Fonte: Dieese
      http://www.dieese.org.br/esp/notatec86SALARIOMINIMO2010.pdf
      “A Campanha de Valorização do Salário Mínimo
      Em 2004, as Centrais Sindicais, por meio de movimento unitário, lançaram a campanha de valorização do salário mínimo. Nesta campanha, foram realizadas três marchas conjuntas em Brasília com o objetivo de fortalecer, junto ao poder Executivo e Legislativo, a importância social e econômica da proposta de valorização do salário mínimo. Como resultado dessas marchas, o salário mínimo, em maio de 2005, passou de R$ 260,00 para R$ 300,00. Em abril de 2006, foi elevado para R$ 350,00, e, em abril de 2007, corrigido para R$ 380,00. Em março de 2008, o salário mínimo passou para R$ 415,00 e, em fevereiro de 2009, o valor ficou em R$ 465,00. Também como resultado dessas negociações, foi acordado, em 2007, uma política permanente de valorização do salário mínimo até 2023. Essa política tem como critério o repasse da inflação do período entre as suas correções, mais um aumento real pela variação do PIB, além da antecipação da data-base de sua correção – a cada ano – até ser fixada em janeiro. A política prevê, até 2011, as seguintes regras: • Em 2010, reajuste pela inflação do período mais variação do PIB de 2008, com fixação da data-base em 1º de janeiro.
      • Em janeiro de 2011, reajuste pela inflação do período mais variação do PIB de 2009 e avaliação da política, segundo os critérios negociados em 2007.”

  4. Os três poderes participaram da festa e sabiam onde estavam se metendo. O poder representado pela figura de Dilma é o que deixa muitos mais estarrecidos. Talvez isto seja mais pesado do que o fato de Lula ter se aliado a certas oligarquias (Sarney e até a ACM na sua primeira eleição). Dilma, em sua posse, falou que não guarda rancores de seus adversários. Bem, não sabemos ainda qual a razão de Dilma ter comparecido no campo inimigo. Então busquei na internet diversos ditados e frases sobre inimigos:

    “Eu destruo meus inimigos quando faço deles meus amigos.” (Abraham Lincoln)

    “O inimigo mais perigoso que você poderá encontrar será sempre você mesmo.” (Friedrich Nietzsche)

    “O maior inimigo do homem é a segurança.” (William Shakespeare)

    “Tome cuidado ao eleger seus inimigos pois pode terminar parecendo-se com eles.” (Jorge Luis Borges)

    “Os inimigos são muito poderosos, e estão por todas as partes em que existem mais de três homens vivendo. Estão no ar, estão no espírito.”(John Lennon)

    “Causar um dano coloca você abaixo do inimigo, vingar-se faz com
    que você se iguale a ele, perdoá-lo coloca você acima dele.” (Benjamin Franklin)

    “Aquele que luta contra nós fortalece nossos nervos, e aprimora nossas habilidades. Nosso inimigo é nosso auxiliador.” (Robert Burton)

    “Todos viraram inimigos e estão sendo atingidos pelo preconceito. A América é, hoje, um local sombrio.” (Salman Rushdie)

    “Fazer o bem ao teu inimigo pode ser obra de justiça e não é árduo; amá-lo, tarefa de anjos e não de homens.” (Jorge Luis Borges)

    “Perdoa a teus inimigos, mas jamais esqueças seu nome.” (John F. Kennedy)

    “Se quiser fazer as pazes com o seu inimigo, você tem que trabalhar com ele. Daí, ele se torna seu parceiro.” (Nelson Mandela)

    “O conceito de inimigo não é completamente certo e claro, a não ser que o inimigo esteja separado de nós por uma barreira de fogo.” (Jean-Paul Sartre)

    “Quiçá tenho inimigos de minhas opiniões, mas eu mesmo, se espero um momento, posso ser também inimigo de minhas opiniões.” (Jorge Luis Borges)

    “Aquele que vive de combater um inimigo tem interesse em o deixar com vida.” (Friedrich Nietzsche)

    “Cuidado para com a fogueira que acendes contra teu inimigo; ela poderá chamuscar a ti mesmo.”(William Shakespeare)

    “Um inimigo externo não tem como destruir a nossa tranqüilidade de espírito.” (Dalai Lama)

    “O primeiro humano que xingou a seu inimigo em vez de atirar-lhe uma pedra foi o fundador da civilização.” (Sigmund Freud)

    “O inimigo que lisonjeia é o mais perigoso.” (Pierre Corneille)

    “Por mais humilhado que seja o teu inimigo, ele será sempre temível.”(Muslah-Al-Din Saadi)

    “Evitai um inimigo que está a par dos vossos defeitos.”(Pierre Corneille)

    “Nunca interrompas o teu inimigo enquanto estiver a cometer um erro.”(Napoleão Bonaparte)

    “Quem nunca perde de vista o inimigo está defendido da necessidade de descobrir fragilidades e fraquezas que se manifestam no seu próprio campo.” (Manès Sperber)

    “Termos inimigos é inevitável. Porém depende de nós não ser inimigo de ninguém.” (Valter da Rosa Borges)

    “Queres perder um inimigo? Adula-o.” (Jonathan Swift)

    “Nada mais doce, nada mais terno, do que um ex-inimigo.”(Nelson Rodrigues)

    “A cada bela impressão que causamos, conquistamos um inimigo. Para ser popular é indispensável ser medíocre.” (Oscar Wilde)

    “Se o inimigo deixa uma porta aberta, precipitemo-nos por ela.” (Sun Tzu)

    “O inimigo começa a ser perigoso quando principia a ter razão.” (Jacinto Benavente)

    “Ao inimigo não só deve-se dar a estrada para fugir, como até construir.”

    “Escolho o meu inimigo pelo alcance da minha flecha.” (Karl Kraus)

    “Não há inimigo insignificante.” (Benjamin Franklin)

    “Inimigo dividido, meio vencido.”

    “Inimigo batido ainda não é vencido.”

    “Antes um inimigo sábio que um amigo tolo.”

    “Quem o seu inimigo poupa, fica sem roupa.”

    “Antes dar a inimigos que pedir a amigos.”

    “Um inimigo prudente é preferível a um amigo indiscreto.”

    “Do nosso inimigo, às vezes a maldade é a origem da nossa felicidade.”

    “Vale mais um inimigo que nos avisa do que o amigo reservado.”

    “Vem teu inimigo humilhado? Guarda-te dele como do diabo.”

    “Mais vale deixar na morte ao inimigo do que pedir na vida ao amigo.”

    “O teu inimigo revela-se na alegria do seu olhar quando te sobrevém uma desgraça.”

    “O que o teu inimigo não deve saber, não o digas ao teu amigo.”

    “Os inimigos declarados são os menos perigosos

    “Ao inimigo que foge, ponte de prata.”

    “Quando o inimigo foge, todos são valentes.”

    “Inimigos, nem de palha.”

    fontes:

    http://www.presenteparahomem.com.br/frases-e-mensagens-sobre-os-inimigos/
    http://www.presenteparahomem.com.br/frases-e-ditados-populares-sobre-os-inimigos/

  5. Marcio, o Edu tem 50, você 55 e eu 60. (daqui a pouco aparece um com mais…)
    Tanto eu como minha esposa somos aposentados.
    Mas confio na Dilma.
    É claro que ela não tem o carisma do Lula, ela nunca vai parecer uma companheira que senta no boteco com a gente em volta de uma cerva gelada.
    Ela parece mais com a diretora da minha saudosa escola primaria dos anos 50 e 60.
    Negociar ela sabe, sim, o que não dá pra aceitar é ela baixar a cabeça a tudo quanto é reinvidicação eleitoreira, como as oposições puseram na mesa sobre o salário mínimo.
    Jogaram a armadilha, ela não caiu. Simples…
    Temos quatro anos pela frente, companheiros.
    Só se passaram 57 dias e já estão preparando a cruz para a moça???

    • Certíssimo, Carlos. Dilma continua o trabalho do Lula, mas do jeito dela, já que ela não é o Lula. Pra mim, ela está se saindo muito bem até agora.

    • É isso aí Carlos. Não sei se por ter 70 cada vez mais considero a guerra, com ou sem quartel, menos confiável que as conversas, as negociações para que as mudanças sejam amplas e profundas. Principalmente com fragmentação de autoritarismos. Me parece que as conversas, os entendimentos entre muitos, sempre derrubaram e vão continuar derrubando as ditaduras de poucos que fazem uma guerra constante para se manter no poder.

  6. É isto aí Eduardo, temos que contnuar na luta, mesmo que para isto tenhamos que criticar o Governo, pois ao contrario do que alguns pensam, nós não somos a favor ou contra a Dilma, nós somos a favor do Brasil. Um grande abraço

  7. Tambem acho, Edu, q se nossos amigos nos decepcionam algumas vezes, isso nao é motivo p abraçarmos nossos inimigos, como fazem alguns do ‘fogo amigo’ e alguns partidos nanicos, vc nao acha?

  8. Edu,postei seu post “Desalento” no Nassif,e agora trago umpost do blog dele para o seu(o título serve para mim,ping pong entre voçe e o Nassif,ele contradiz a opinião do Nassif de que isto é parte de uma estratégia :

    O ping pong de Dilma na Folha
    Enviado por luisnassif, qua, 23/02/2011 – 09:21
    Por Sergio Cardoso Morales
    O texto do Nassif parte de uma visão de política eminentemente manipulatória, em que os protagonistas são, exclusivamente, os políticos e os poderosos e em que o povo e a militância servem para “apoiar” quando necessário (nos embates, na campanha eleitoral), mas não serve para opinar sobre o rito de governar (e de transigir, contemporizar, capitular), que segue o “protocolo” do “responsável” (segundo a definição do “status quo”, tido como natural).

    É uma visão que contempla, a política, simplesmente, como uma profissão técnica, com suas regras naturais e imutáveis, neutra e não ideológica (ou seja, paradoxalmente, não política!). Na fase da campanha eleitoral – momento exclusivo de participação da militância – pode-se ser “ideológico”, ou seja, “irracional”, “irresponsável”, “partidário”. Pode-se fazer o contraponto, a guerra, a disputa. Uma vez ganho o governo, é o momento da “responsabilidade”, da composição com os poderosos. Não é mais o momento da militância.

    É a hora da adaptação ao “status quo” aos limites do natural, que é a positividade do sistema que está aí.

    É uma concepção que vê com naturalidade o conchavo com os detentores do poder e da riqueza no “status quo” para se manter no governo (não no poder, que está, sempre, nas mãos de quem detém o controle da produção da riqueza e o manejo das armas) – mas, se não é para desafiar o “status quo”, por que, para a esquerda, estar no governo? E para a militância e o povo que a apoiaram? Basta um agradinho manipulatório, como simbolismo, para que não a deixem na próxima jornada eleitoral.

    É uma visão que olha a imprensa – mesmo a mais raivosa e suja, que apoia ditaduras e torturas – como, incrivelmente, não ideológica (afinal, ideologia não faz parte da prática da responsabilidade, da racionalidade do “status quo” administrado, mas do momento-paixão da campanha política, o “carnaval da democracia”).

    Ausente desta visão estão os interesses de classe e a encarniçada disputa pelo controle da produção da riqueza e reprodução dos papeis sociais hierarquizados, que – se necessário – devem ser preservados a ferro e fogo, por meio de golpes, tortura e morte, como foi após 1964 ou, mais ilustrativamente, no Chile de Allende, onde tudo estava em jogo.

    Se observamos por este outro ângulo, vemos que, ou um governo de esquerda se rende totalmente ao “status quo” e não implementa nenhuma mudança significativa, ou, não importa que agrado faça aos poderosos, será bombardeado por eles com todos os recursos, legais ou ilegais, pacíficos ou hostis, que esses poderosos dispuserem. E o único refúgio de um governo de esquerda que não se rende é a irrupção na arena política daquele mesmo povo, daquela mesma militância que o texto quer restringir ao carnaval da disputa eleitoral tão somente.

    Mas, para que esse povo, essa militância possa se instrumentalizar para a luta política, é necessário à líder política de esquerda que não se dobra aos poderosos que fale claro, que preze o discurso verdadeiro, de princípio, que não tema analisar a realidade como ela é e dar nome aos bois (como Allende, por exemplo, fazia – acompanhem o documentário A Batalha do Chile, de Patricio Guzmán).

    Este, aliás, é o último ponto em que, a meu ver, o texto do Nassif peca: a descrença da palavra, a desimportância dela, que pode ser manipulada ao bel-prazer das circunstâncias sem maiores consequências na consciência das pessoas, do povo, da militância. A presidenta pode fazer um discurso, no aniversário do jornal mais prestigiado da classe dominante, vindicando o discurso do inimigo e, ao mesmo tempo, desqualificando o discurso da própria militância em sua defesa, sem que isso seja mais do que um agrado, um aprochego manhoso à elite dominante (que, ingenuamente, pensa-se, vai desarmar essa elite cheia de interesses materiais em jogo), sem nenhum impacto na consciência das massas e no árduo processo de desmistificação que arma os setores dominados para as lutas (afinal, como disse Marx, “a arma da crítica não podia evidentemente substituir a crítica das armas, porque a força material não pode ser derrubada senão pela força material; mas, logo que penetra nas massas, a teoria passa a ser, também ela, uma força material”).

    Essa visão da política é um terrível obstáculo para o avanço da consciência e das lutas dos trabalhadores e oprimidos, mas é sintomático de uma esquerda que renunciou a essas lutas pelo caminho (ou beco sem saída!), aparentemente mais fácil dos acordos com os poderosos.

    Comentário

    Uma leitura mais atenta do meu post mostrará a preocupação com a possibilidade de afastamento do governo Dilma dos movimentos sociais. Agora, não dá para ignorar outros personagens relevantes – e até agora dominantes – da política.

    • Concordo com você, Douglas, é uma conduta despolitizante que dá continuidade à cultura política tradicional neste país, da qual, Lula, em 2005, de certa forma tentou afastar-se incorporando o povo e os movimentos sociais. Perigoso e lamentável.

  9. Ótimo, Eduardo. Mesmo porque ninguém briga pela Dilma, mas com ela, enquanto ela estiver junto, pela formação de uma civilização no Brasil.
    Um abraço.

  10. Pois eu acho que a nossa presidenta deu-lhes um tapa com luva de pelica. Grande Dilma!

    • Tapa com luva de pelica é uma conduta viável entre cavalheiros, talvez não funcione quando o parceiro se comporta como canalha. Ou como escreveu alguém, no popular, tapa com luva de pelica funciona para quem tem vergonha na cara. Não me parece ser o caso da Folha.

  11. Queriam o que? Militantes terroristas comunistas tinham mesmo de ser presos, afinal queriam implementar a ditadura comunista no Brasil na bala e na faca, pois o povo nunca desejou o maldito comunismo aqui.

    • Se os criminosos da ditadura acreditassem em que o povo queria o golpe, teriam esperado as eleições e vencido. Deram o golpe porque não tinham votos

      • É incrível a cara de pau dessa gente. Interrompem o processo democrático sempre que o poder ameaça lhes escapar das mãos. Cassam os direitos políticas de livre expressão de toda a população, acabam com o estado de direito e ainda se julgam no direito de falar sobre o que o povo queria ou não.

        Total inversão de valores.

        O golpe só foi dado porque o povo na urnas cada vez mais negava o voto para implantar o tipo de governo criminosamente concentrador de renda e sem NENHUM RESPEITO aos direitos do cidadão e da democracia que eles tanto dizem defender.

        Sobre seu posto, é espantoso ver a Folha ao menos admitindo o que toda pessoa bem informada já sabe.

        A Folha APOIOU UM GOLPE QUE IMPLANTOU UMA DITADURA DE DIREITA POR 21 anos nesse país.
        A folha permitiu que um de seus jornais fossem usados para acobertar com versão falsas o assassinato de militantes BARBARAMENTE TORTURADOS nos porões da ditadura.

        E com esse histórico de “defensor das liberdades democráticas” tal jornal é saudado pelos 3 poderes como se tivesse uma história limpa.

        É de vomitar.

        Assim como é de vomitar ver aquela coisa espalhando ironias em torno do discurso de Dilma na citada cerimônia.

        Pediria que se evitasse mencionar o nome e muito menos dar o link de tal escrotidão aqui nesse blog.

      • Isso aí Edu, deram o golpe porque não tinham voto, é sempre assim que agem os golpistas.

      • A prova é que Lacerda e Magalhães Pinto perderam as eleições no Rio e em Minas no ano seguinte ao golpe (1965).

    • Terroristas, golpistas e ditadores foram os direitiras que usurparam o poder acabando com uma escolha democrática e implantando um estado de sítio. Só porque não conseguiam vencer eleições. O filme “A casa dos espíritos” retrata muito bem isto, mostra a direita coronelista e autocrata de sempre.

    • Olha, seu Adam!!!! vou lhe dar um conselho, antes de dormir de uma olhada embaixo da cama para ver se não tem comunista!!! Deixaram o povo escolher?? e quantos inocentes que foram mortos sem as vezes nem saber o porque e as familias nem puderam enterrar os seus corpos. Alias a sua atitude é tipica de COVARDES que não tem coragem nem de dizer o nome.

    • Quando foi o povo consultado a respeito?

      • Me mostre um unico misero pais onde o comunismo tenha dado certo, onde o povo é feliz e propspero, onde nao existe uma pilha de cadaveres.
        Obvio que o “paraiso” de cuba nao conta ne… afinal la so o “coma-andante” que tem vida de nababo.

        E a china muito menos, usa um sistema “socialista” como fachada pra um capitalismo selvagem e sem regulamentacao onde empregados em situacao de pobreza sao tratados como escravos.

        • O comunismo nunca existiu no mundo. O Socialismo tentou-se implantar nas repúlbicas socialistas soviéticas, porém o que houve foi um regime totalitário que não condiz com o socialismo. Em Cuba, temos o que há de mais próximo a um socialismo, porém com boicotes e embargos econômicos provocados pelos EUA de forma a se tentar evitar o êxito do sistema. Apesar das dificuldades, Cuba, com seus recursos escassos, consegue levar uma condição de vida dígna para a população com padrões de saúde e educação acima de muitos países capitalistas, incluindo os EUA.

          Quanto à questão das “matanças”, o “livro negro do comunismo” é contestado por muitos historiadores, tanto na questão dos números quanto na questão dos métodos. Existe também o “livro negro do capitalismo”, que também é constestado da mesma forma. Ambos tentam chegar a 100 milhôes de mortos de cada lado.

          Minha opinião: O que tentou-se chamar de comunismo nunca foi comunismo. É a mesma coisa que as cruzadas, nada têm a haver com o cristianismo.

    • Sua posição é mais para James Forrestal do que pra Adam Smith…
      Troque o nick.

  12. Ontem foi um dia crítico, mas acredito que as coisas se encaixarão em novos padrões. É preciso notar que está havendo uma grande mudança de estratégia e que teremos que nos posicionar.

    Sempre considerei o Eduardo como uma pessoa de intuição poderosa e um grande analista.

    O que aconteceu ontem foi o mesmo que aconteceu no início do governo Lula, eu já esperava que acontecesse, assim como espero novos lance que darão um certo nó na militância, por isto é preciso prestar atenção nas estratégias.

    Dilma não está querendo governar num clima de guerra, ela quer pacificar, ao menos em parte, para ter tranquilidade para aplicar as mudanças que pretende.

    É fundamental se ater ao que ela prometeu durantes a campanha e não confundir o que ela disse que faria com o que nós pensamos que ela faria. NO exemplo do PIG, ela nunca disse nada diferente do que disse na festa da Folha, não houve, da parte dela, contradição nenhuma. A contradição houve na militância, que não prestaram a devida atenção ao que ela dizia na campanha.

    Entramos numa partida em que o mais importante não será chutar a canela do adversário, mas a agilidade e a estratégias nos lances.

    O que está havendo é um certo pacto de não agressão, de um lado Dilma quer paz para governar, de outro o PIG está muito desgastado pela campanha selvagem que fizeram contra Lula e Dilma e a favor de Serra. Aparentemente, todos querem um pouco de trégua.

    Uma coisa é importante, esta trégua não vale para Lula, o PIG ainda não desistiu de destruí-lo. O pacto só estão valendo para a relação governo e PIG, o PT e Lula continuarão sendo alvo de destruição.

    Posteriormente, no momento certo, a guerra governo-PIG vai recomeçar, é a natureza das coisas.

    Uma coisa a notar: o próprio PIG não estaria isolando seu líder maior: Serra?

    Um grande abraço para o Edu e nestas horas sempre lembro um trecho da música do Raul, “não pense que a cabeça aguenta se você parar”.

    • O Pig só amacia para o lado da Dilma porque a considera mais frágil eleitoralmente do que Lula.

      A estratégia é a do esquartejador: por partes. Contando com a desmemória nacional, é possível que após dois ou três anos de doutrina muitos esqueçam os méritos de Lula, e muitíssimos recitarão seus deméritos.

      Afastado Lula, Dilma cai fácil. Não tem carisma, não sabe se comunicar, boa parte da militância desconfia dela desde já e cada vez mais.

      O Pig pode ser tudo, menos burro, e a direita está viva, é forte, ataca e morde. Dar pérolas aos porcos pode ser uma estratégia, mas esta não é compreendida por muitos, entre eles este eleitor aqui. Entretanto, continuo torcendo por que Dilma esteja certa e eu errado.

  13. Esse é o Eduardo velho de guerra !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  14. Folha seu nome é trairagem, ou alcaguete, ou dedo-duro, ou corujão, como dizia o finado Bezerra da Silva. Botou agentes dublês de jornalisatas em suas redações para entregar colegas e agora entrega que o Estadão particpou da conspiração para derrubar o Jango.
    PS: Daqui, o soldado do exército do Cidadania respira aliviado diante da não desistência do bravo general Eduardo Guimarães

  15. Eduardo Guimarães…
    Eu já sabia que seu desalento tinha vida curta…
    Homens de sua estirpe jamais se dão por vencidos.

  16. Edu, eu também estou naquele grupo do seu fã-clube incondicional.
    Entretanto, neste caso particular que envolve o encontro DILMA x folha-ditabranda, entendo que você não deve demonstrar tamanho desalento. É como outros blogueiros já disseram, – faz parte do jogo.
    Como exemplo muito parecido posso citar os conchavos políticos que o Presidente Lula teve que fazer nestes 8 anos, para ter o necessário apoio no Congresso. Foram apoios bizarros, tais como: Sarney, Jáder Barbalho, Renan, Roriz, Collor, Roberto Jeferson, Severino… etc. etc. etc enfim, a lista é grande.
    Nós sabemos que todos estes políticos sozinhos são mais poderosos que muitos dos partidos polítcos com assento no Congresso Nacional.
    Sabemos também que este jornal-FSP é também um dos grandes “partidos políticos” com influência poderosa nos centros de poder do nosso Brasil.
    Entendo que no momento devemos ( ela a Dilma) ir comendo pelas beiradas, mas com um olho no peixe e outro no gato.
    Devemos sim, nos unir em torno de uma grande Reforma Política que possa diminuir ou inviabilizar a influência desses supostos “partidos políticos”.

  17. Fui ler o discurso na íntegra da Dilma. Ela bate na tecla de que todos devem zelar por uma imprensa pluralista, exatamente o que a Folha não é.
    Já tinha dito antes que não acho justo decretarem que Dilma está paparicando a velha mídia, e que ela merece um crédito, pela história de sua vida de lutas. Além disso, porque tenho certeza que ela monta estratégias com Lula o tempo todo.
    Depois de ler o discurso, fiquei completamente convencido que ela deu sim um grande tapa com luvas de pelica na Folha.
    Aguardemos. Muita água ainda vai passar por baixo dessa ponte…

    • ÉÉÉ??? aposto que o otavinho nem dormiu esta noite. Como eu acredito em papai noel acho que o PIG por ter levado este tal tapa de luva vai mudar e ficar cheio de medinhooo!!!

      • Claudio Freire estou de pleno acordo contigo, a Dilma é uma estrategista e é muito inteligente, aguardem para ver, eu acredito firmemente nela. A ver

  18. Acho isso também, Eduardo. A presidenta nos decepcionou com mais essa atitude, mas a falha só fez confirmar o péssimo juizo que fazemos dela.

  19. Quando Lula foi a Davos pela primeira vez, houve uma série de críticas mais ou menos na mesma linha.

  20. Acho que Dilma fez isso não para mudar o PIG, mas pelo menos uma parcela dos que AINDA acreditam no PIG. Meio difícil ficar chamando a Dilma de radical e terrorista e contra a imprensa depois de ter ido e feito um discurso desses.

    O PIG nunca vai mudar, mas uma parcela ainda não totalmente cega que lê esses jornais já deve estar se dando conta de como foi feita de idiota com a história de “terrorista, assassina e assaltante de bancos”.

    Acho que foi mirando nessa gente que a Dilma foi até a Folha.

    É preciso desarmar os espíritos.

    44% não votaram nela. Não é pouca coisa.Agindo de forma mais moderada no começo do governo, forçando o PIG até a elogiá-la, DIlma vai desmascarando a falsa noção de imparcialidade que Globos, Folhas e Vejas querem passar.

    • Concordo com você, Roberto. Se eu estivesse no lugar dela teria feito a mesma coisa e, além disso, o discurso dela não mudou em nada o que ela vem dizendo desde a campanha: governar para todos, liberdade de imprensa, não guarda rancor, mas principalmente, melhorar a vida dos mais carentes.

    • 56% votaram nela. Não é pouca coisa.
      Jantar com o inimigo é desrespeitar estes 56%.

  21. Edu, na minha opinião o que está ocorrendo é um verdadeiro “jogo de xadrez”.
    Governo Dilma de um lado, e do outro o PIG asqueroso. São peças se movendo, para marcar posição e estratégias para os lances futuros, que definirão os rumos do Governo Dilma e seu relaciomanento com essa imprensa golpista.
    E acredito que a inteligência e a picardia de DILMA ROUSSEF triunfarão.
    Grande abraço, Edu, e vamos em frente….estamos contigo…

  22. Que bom que você “não tem coragem” pra desistir, Eduardo. Como já disse aqui, a Dilma é mulher e governará de um jeito feminino, sem atritos de preferência. Dê-lhe mais um voto de confiança, Eduardo.
    De minha parte, não leio a Folha, o Estadão, O Globo, a Veja, a Isto é, pois não gosto da linha editorial deles, mas gosto do Blog da Cidadania. Um grande abraço, Eduardo.

    Boa essa:

    “Eu destruo meus inimigos quando faço deles meus amigos.” (Abraham Lincoln)

  23. Caro Eduardo,

    você está coberto de razão.

    Mas sugiro retirar a foto do furgão marca International Harvester, indústria americana de máquinas agrícolas e terraplanagem, que produziu. num período subsequente à segunda grande guerra, caiminhões, caminhonetes e furgões, importados para cá. Isto foi nas décadas de quarenta e parte da de cinquenta.

    Nas cidades pequenas, como a da minha infância, apareciam regularmente furgões, a maioria Ford e Chevrolet, alguns GMC ou International, para distribuição, ao comércio, de cigarros, doces, biscoitos…

    Garanto que o furgão da foto NÃO serviu aos militares, mas seus furgões netos ou bisnetos.

    Abraço.

  24. “Apesar de você (FSP) amanhã há de ser outro dia.”

  25. Edu, agora estou mais tranquila.

  26. As peças no tabuleiro estão em movimento. Tanto o convite para a festa quanto a matéria, fazem parte do jogo que busca argumentos que justifiquem o antagonismo para o combate a Presidenta. Pode ser ingenuidade ou falta de coragem, como vc. Eduardo fala. Mas por enquanto ou até que minha ingenuidade seja atestada continuo apostando na falta de ética da mídia venal.

  27. Edu, não sei não, mas acho que essa “rendição da República'” é uma estratégia.,
    Enquanto o PIG fica de boca aberta, sem entender nada, o governo vai continuando e avançando naquilo que Lula começou. O Paulo Bernardo vai se mexendo com a Lei da Mídia, com a Banda Larga…
    Os tais cortes foram anunciados, só que o PAC, o Minha Casa Minha Vida, continuam avançando, os programas sociais não foram afetados e o Gilberto Carvalho já anunciou no Valor, uma política especial para os aposentados, em breve serão anunciados investimentos estratégicos nas hidrovias,. Achei super importante o anúncio das medidas de combate ao crack… o país poderá ser o primeiro a ter a vacina anti-dengue…
    Se vocês ouvirem o ” Café com a Presidenta”, verão que não mudou nadica de nada.
    Enquanto ela enrola o PIG, as coisas vão acontencendo…
    Eu confio na Dilma.

  28. Caro Edu, pensei bastante sobre isso hoje à tarde, e cheguei à conclusão de que lamentavelmente já nos esquecemos que há poucos meses estivemos à beira de uma crise institucional séria. A Dilma disse várias vezes lamentar “o ódio” que surgiu durante a campanha eleitoral. Ela disse:

    “Não podemos deixar que nos transformem num País cheio de ódio. Quando há o ódio todo mundo perde e ninguém ganha”

    A questão é que o grupo que conseguiu injetar ódio durante a campanha eleitoral ainda está ativo; o Serra pode estar a caminho da aposentadoria, mas o grupo FolhaEstadoGloboAbril (eles agem em bloco), com grande responsabilidade pelo “ódio”, está tão ativo quanto há 4 meses atrás.

    A meu ver a estratégia dela é correta: arrefecer os ânimos, pois ela não tem ferramentas capazes de se contrapor com eficácia às farsas midiáticas, enquanto quebra aos poucos o poder da Globo (de longe a ponta de lança do bloco midiático), diluindo parte de seu poder para o aliado do momento, a Record.

    Ora, ela ir à festinha da Folha é insignificante. Não tem “simbolismo” nem representa “aceno” a ninguém. Se a ida de um político a festejos ou outros eventos significasse algo, o Brizola seria amigo do Roberto Marinho por ter ido ao enterro dele.

  29. Igual ao ex-governador, Mário Covas: ao invés de explicar o que estava a fazer na “marcha” contra o governo Jango, quando inquirido por algum comunista mais cético, dava de ombros .
    Hoje, a família dele nega …..

  30. Edu, parabéns pelo texto, eu que o acompanho desde quando nasceu este combate na internet contra a velha mídia sei que você teve a melhor das intenções ao desabafar, você, Azenha, Leandro Fortes e outros que tem carregado o piano para que este país se transforme, e temos conseguido avanços graças a esta luta de todos nós, não nos deixe,
    ..
    Ao contrário de você com sua boa intenção, vi muita gente aproveitando a ocasião para detonar Dilma, da mesma forma que fizeram com Erundina,
    Acabei de comentar isso no Nassif, talvez você não concorde mas é meu ponto de vista sobre o ocorrido:
    :
    …como se coubesse à presidente(a) este embate contra a mídia, pelo contrário, ela tem mais é que ocupar os espaços até o último dia do seu mandato e, neste caso, fazer isso com respeito, foi o que ela fez.

    Este combate contra a velha mídia tem que ser feito por nós sociedade, não cabe a ela(Dilma) nem a seus ministros este combate, eu pessoalmente achei bacana ver Dilma naquele encontro, ela foi lá e desarmou todo mundo, até FHC a bajulou para que ela(Dilma) marcasse uma audiência com um grupo de ex-presidentes amigos dele(FHC), é como se ela dissesse a esta gente “tá vendo, vocês me maltrataram, disseram inverdades a meu respeito, mas estou aqui, trago flores para você, no lugar da apunhalado trago um abraço”. Este é o mínimo que ela, na condição de presidente(a) de todos, poderia fazer, claro, elogiar o anfitrião, porque não, será que pensam que o certo seria detonar o cara.

    A luta pela democratização da mídia, que acompanho desde o seu nascedouro na internet, continua, vai ter encontro no Barão de Itararé, o Nassif estará lá, força amigos e amigas. Não estou criticando de forma alguma quem teceu críticas a Dilma por ter ido à Folha, refiro-me ao Azenha, Eduardo Guimarães, Leandro Fortes, Antônio Mello, pessoas a quem respeito e muito, esta gente vem carregando o piano a muito tempo, daí ser compreensível a indignação, o desalento mas, é claro, passado o impacto, as coisas se encaminharão novamente, já está sendo encaminhando, o Edu acabou um ótimo texto sobre o assunto mídia, é isso aí, boa noite

  31. Li ponderação de um leitor em que ele, de boa fé e com bons argumentos, tenta justificar as razões de Dilma para prestigiar a Folha. Diz ele que a presidenta foi prestigiar a instituição imprensa e não a empresa Folha de São Paulo. Até poderia concordar com os argumentos do leitor se de fato a Folha e outros órgãos ditos de imprensa agissem respeitando as regras democráticas para merecer o título de instituição. Não podem ser consideradas como tal, nem de longe. No Brasil essas empresas agem no limite da marginalidade, na bandidagem. Inventam, mentem, acusam sem provas, assassinam reputações, aliam-se a bandidos condenados. Conspiram para derrubar governos democraticamente eleitos. Defendem interesses os mais escusos em detrimento aos legítimos da coletividade. Definitivamente essas empresas não podem ser consideradas instituições. Mais parecem máfias.

  32. Que pena que eu não esteja sóbrio para ver isto às claras. KKKKKKKKKKKKK

  33. A Dilma está vivendo seu momento de “a sídrome de Estocolmo”.
    E tem mais. Não estou gostando nada do que ando lendo sobre os primeiros passos do governo federal em todas as áreas.
    Parece que os primeiros 45 dias enfurnada dentro do Palácio sem mostrar a cara, foi o tempo suficiente para refletir sobre os rumos que tomaria seu governo.
    E na sua primeira aparição, dígna de nota, foi correr para os braços daqueles que apoiaram seus torturadores.

  34. Leiam, é sobre o assunto mídia no Congresso, repito, faça com que o deputado no qual vc votou participe desta luta:

    Frente parlamentar vai debater e propor novo marco regulatório da comunicação

    O deputado Emiliano José (PT-BA) e a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), em articulação conjunta, estão organizando a “Frente Parlamentar em Defesa da comunicação”. A principal missão do agrupamento parlamentar será a discussão e proposição de um novo marco regulatório para o setor de comunicação no país. Os principais objetivos são: democratização da comunicação, a liberdade de expressão e o fim do monopólio dos meios de comunicação no Brasil.

    “Estamos muito atrasados nos aspectos da comunicação no Brasil. Temos uma legislação que data de 1962. Desde então, ocorreram profundas transformações no campo das comunicações no Brasil e no mundo. Precisamos atualizar a nossa legislação para assegurar a liberdade de expressão e a democratização do direito à comunicação”, afirmou o deputado Emiliano José. A primeira reunião foi feita nesta terça-feira (22) e outra já está prevista para a próxima semana.

    De acordo com o deputado Francisco Praciano (PT-AM), o tema da comunicação deverá estar no centro dos debates do Congresso Nacional nesta legislatura. O petista criticou o monopólio da comunicação no país e disse que irá trabalhar, no âmbito da frente, para atualizar a legislação da comunicação no Brasil. “A frente tem que funcionar como um impulso à construção de um novo marco regulatório para o setor”, defendeu. O deputado Luiz Couto (PT-PB) também participou da reunião de trabalho.

    Uma das principais articuladoras, a deputada Luiza Erundina (PSB- SP) explicou que a Frente Parlamentar fará uma ponte permanente entre os interesses da sociedade civil organizada e o parlamento no que diz respeito à democratização da comunicação no país. “Vamos trazer para este debate todas as entidades que militam em prol da democratização da comunicação e da liberdade de expressão no país. Queremos acompanhar e influenciar o processo de debate dentro da Câmara sobre o novo marco legal das comunicações”, defendeu.

    Para o deputado federal baiano, Emiliano José, escolhido como principal interlocutor do PT para assuntos de comunicação, o debate tem também como objetivo aumentar o número de pessoas que produzem conteúdos de informação, além de ampliar a diversidade de canais de comunicação, gerando assim, mais opções para a população. “Hoje com o advento da internet, não há jeito de a produção ser exclusividade da mídia hegemônica. Nós queremos ampliar ao máximo a propriedade, queremos criar milhares de produtores de conteúdo. É preciso ter diversidade de informações, dando mais respeito a produção regional, só assim poderemos democratizar efetivamente a comunicação no Brasil”.

    Segundo informações do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, ainda este ano, o governo federal deve enviar, ao Congresso Nacional, a Lei da Comunicação. Diante disso, membros da Frente Parlamentar buscam informações sobre o projeto e antecipam os debates sobre o marco regulatório.

    http://bahiadefato.blogspot.com/2011/02/frente-parlamentar-vai-debater-e-propor.html

  35. Eduardo, observo o seguinte:

    1) Até os integrantes do reino mineral, como diria o ilustre jornalista Mino Carta, se pudessem se manifestar, diriam: “acreditar que os dirigentes da Folha não tinham conhecimento de que os veículos da empresa eram usados para ajudar a ditadura é acreditar que existem notas válidas de R$ 3,00″.

    2) O PIG sempre esteve contra os interesses da grande maioria dos brasileiros. Sempre que esses interesses foram contrariados, se você aprofundar, descobrirá: o PIG estava lá. O PIG estava em todas.

    3) Fica patente, depois que a presidenta foi ao evento da Folha elogiar o sr. Frias, aquele que “não sabia que seus veículos eram usados para levar pessoas a serem torturadas e mortas pela ditadura”, que o governo Dilma não vai fazer quase nada pelas comunicações. A presidenta é uma pessoa focada e isso, a meu ver, não está no foco dela (ela pode até ter metas interessantes para outros temas, mas não para o tema comunicações). A não ser que haja pressão da sociedade.

    Portanto, é nosso papel pressionar a presidenta incansavelmente. Aproveito para elogiar a ilustre parlamentar Luiza Erundina, pela criação de uma frente parlamentar em prol das comunicações.

  36. Como sempre , muito conciso eduardo e realmente faz jus ao titulo do blog . aprendemos muito com voce !
    estou em enorme expectativa com o governo Dilma espero que não nos decepcione embora algumas atitudes não pareçam com as que esperávamos .me parece que nesse tabuleiro ela está tentando se ajustar e achar o equilíbrio nescessário para domar os leões. sera?

  37. Prezado Sr. Edu,
    Podes me explicar por que a Fôia fez esta confissão?
    Eu entendo que a Fôia dobrou os joelhos, coisa que “nunca dantes na história…”.
    Como a Presidenta, ou o seu governo, conseguiu arrancar esta confissão?
    Ou a Fôia confessou por livre e expontânea vontade?
    Grande abraço, e parabéns/obrigado pela falta de coragem.

  38. É muito cínico esse jornalzinho de merda! Até quando finge entrar numa de “mea culpa”(evidentemente uma tentativa desesperada de salvar sua credibilidade em decadência acelerada), o jornalzinho cria um calhamaço de meias-verdades, simplificações e calúnias explícitas, os quais sem dúvida apontam a real intenção da Folha : perder alguns anéis, indicando de forma imprecisa suas culpas tão ardorosamente escondida; mas ficar com os dedos(ou até ganhar novos)fazendo dessa indicação um show de imprecisões, deformando a história, e creditando-se a uma suposta credibilidade que jamais alcançará. E como podemos perceber o calhamaço de desinformação que a Folha criou? Basta observar-se cada uma das afirmações “históricas” do jornal, que veremos que, além de imprecisas ou mentirosas, essas afirmações tendem a diminuir o grau de golpismo, de sabotagem e de interesses dos barões da mídia na construção do caldo de instabilidade e histeria contra o Governo Goularth, caldo esse que foi o respaldo para a aceitação social do golpe e a garantia de passividade de uma população já historicamente apática. Para começar, A FOLHA, O ESTADÃO, O GLOBO, O JORNAL DO BRASIL, O CORREIO BRAZILIENSE, TODA A IMPRENSA CONSPIROU CONTRA O GOVERNO GOULARTH(COMO FIZERAM CONTRA OS GOVERNOS JUSCELINO E GETÚLIO)PORQUE A DIREITA BRASILEIRA SABIA QUE NÃO CHEGARIA AO PODER PELO VOTO, UMA VEZ QUE TUDO INDICAVA QUE GOULARTH SERIA SUCEDIDO POR OUTRO TRABALHISTA, COMO JUCESLINO. Assim, com exceção do Última Hora, toda a imprensa trabalhou sim pelo golpe, o qual, como qualquer ação política, tem bastante claro um contorno classista em sua realização, nesse caso da classe dominante(a que pertencem os barões da mídia)que temia a construção de um país mais justo e a possibilidade de inclusão das massas que isso significava. Nesse aspecto, a Folha tenta”limpar sua barra”, ao afirmar que não planejou a derrubada do Governo Goularth. Entretanto, numa outra afirmação parece pretender “sujar-se” e “limpar seus concorrentes”, isso ocorre quando diz que jornais como o Correio e o Estadão teriam criticado a ditadura de forma disfarçada. Outra mentira : nem a Folha, nem nenhum órgão da ditadura midiática, tinha real interesse em criticar um regime sob o qual enriqueciam e aumentavam seu poder. Os “problemas” do Estadão e do Correio com os milicos deveram-se não a divergências ideológicas, mas a escolhas erradas desses jornais em “brigas de comadres” entre os milicos torturadores(geralmente em momentos de sucessão de ditador); o que levou o lado vencedor a punir os jornais que não o apôiaram(punição temporária, logo contornada!). Novamente a Folha assalta a verdade, embora dessa vez, de forma aparentemente paradoxal, para condenar-se. Provavelmente essa confusão histórica não é gratuita e talvez indique a construção de um novo pensamento único por parte da mídia golpista, do tipo “limpa um pouco a minha barra, que depois eu limparei a tua”(aguardemos se outras “mea culpas” não aparecerão em diferentes jornais). Quanto à entrega da “Redação” a milicos : É enojante! Usarei seu argumento perfeito : Por que o jornalzinho assassino não demitiu os supostos militantes de esquerda de seu quadro de funcionários, ao invés de trazê-los para o trabalho para serem presos, sendo portanto cúmplice de emboscadas que resultaram em mortes e torturas? Sobre os veículos, outra piada : Quer dizer que o “Otavão” não tinha controle sobre seus veículos : talvez o jornalzinho tente também convencer-nos de que o seu antigo propietário não tinha controle sobre as mãos, quando relinchou um artigo enaltecedor da ditadura assassina! Uma última mentira que quase esqueci, a qual repete um velho mantra calunioso de nossa direita, que tenta há décadas transformar esse absurdo numa “verdade fabricada” : não foi a luta daqueles que resistiam a um regime ilegal e assassino que endureceu os milicos : foram as barbaridades, as torturas, as cassações, os assassinatos, as ilegalidades de um regime golpista, que pousou no poder desrespeitando a Lei, que levou os brasileiros, indignados com tantas arbitrariedades, a exercerem seu direito legfítimo(reconhecido pela ONU)de resitirem aos tiranos!

  39. Ninguém pode desistir até porque o governo DILMA ainda nem começou, só vai ter início quando os tucanos como CARDOZO & PALOCCI desocuparem suas cadeiras e forem para casa.

  40. Venho contar neste Blog, que sonhei que Lula andava pelo país, dando palestras em universidades, fazendo discursos em palanques, politizando a população, escutando seus problemas, cobrando atitudes dos congressistas e, dentre elas, cobrava a lei dos médios.Daí eu pensei: da mesma forma que LULA teve força politica e popularidade para eleger Dilma, terá força para dar um ponta pé inicial, conclamando as ONGS e o MCCE para entrar nesta luta e recolher assinaturas para obrigar o Congresso a fazer e aprovar a lei dos médios. Portanto, seja o meu sonho premonitório ou não, que tal nós blogueiros sujos tentarmos torná-lo realidade ?Vamos começar a pedir Lula para nos ajudar!

  41. NAO DESISTIR,AGORA A LUTA DEVE SER PELO FIM DO SIGILO ETERNO , DILMA HONRA TEU PASSADO ENFRENTA OS CANALHAS SARNEY E COLLOR.OS TORTURADORES JAMAIS DEVERAO SER ESQUECIDOS..

    UMA HOMENAGEM AOS QUE MORRERAM NAS SALAS DE TORTURA COM SOFRIMENTOS TERRÍVEIS E POR SUAS MAES..

Trackbacks

  1. Tweets that mention Folha reconhece que imprensa é golpista | Blog da Cidadania -- Topsy.com
  2. Folha reconhece que imprensa é golpista | Blog da Cidadania | Via Media
  3. Escrevinhador
  4. Falha de São Pedro | Jornais paulistas inventam novo esporte
  5. Folha admite: apoiou a Ditadura Militar! | ESTADO ANARQUISTA
  6. Distensão política | Blog da Cidadania
  7. O PIG sempre vence, no final | Blog da Cidadania

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.