Que fizemos com nossos filhos?

Não importa se o seu filho é decente. Todos os pais somos culpados por essa juventude que nas últimas semanas chamou atenção do país para o nível de degradação moral e para os instintos perversos que passou a exibir em sua parcela “bem-nascida”, que, portanto, não tem desculpa como a dos jovens carentes para agir de forma anti-social.

Até por omissão, no mínimo permitimos que amigos ou parentes ensinassem aos filhos intolerância e preconceito. Assistimos impassíveis a pessoas que conhecemos começarem a mutilar na infância o caráter desses jovens que estão dando shows deprimentes de intolerância, de racismo, de xenofobia, de homofobia e sabe-se lá mais do quê.

Todos sabemos que essas barbaridades preconceituosas são ditas há muito tempo por pais dessa geração que agora dá esse espetáculo dantesco. Claro que tomavam cuidado de só dizer isso em festas fechadas ou em reuniões familiares. Todavia, quantas vezes, para não “criar caso”, assistimos a tais atitudes e condescendemos com elas?

Quem não tem aquele sogro, cunhado, genro, tio, vizinho reacionário, preconceituoso que, eventualmente, propõe separar o Sul-Sudeste do Norte-Nordeste, ou que se refere a nordestinos como “baianos” ou “paraíbas”, ou que diz, inclusive diante das crianças, que teve vontade de ser violento com um homossexual ou, no mínimo, de insultá-lo?

E o que fizemos? Dissemos às crianças ou adolescentes presentes que não deveriam imitar quem acabara de pregar condutas tão imorais? Para não nos incomodarmos, para não passarmos por “encrenqueiros” ou por “chatos”, talvez tenhamos até rido de piadas racistas, xenofóbicas ou homofóbicas diante de nossos filhos ou dos filhos de outrem.

Aí está o resultado. Nas redes sociais na internet pode-se encontrar legiões de milhares de jovens propagando tais sentimentos degenerados como se estivessem recitando poesias.

Para os que como nós, pais, pertencem a uma geração que acalentava ideais de liberdade, de igualdade e de fraternidade na juventude, é vergonhoso que tenhamos cedido às perversões que a maioria de nós combateu quando tinha a idade dessas pouco mais do que crianças que estão chocando o país com as suas condutas perversas.

O que fizemos com os nossos filhos? Será que imaginamos que aqueles que estão mais perto do poder – por suas condições sociais – nutririam, quando crescessem, esse desprezo tão estarrecedoramente completo pelos seus semelhantes?

Claro que grande parte dessa geração que está para chegar ao poder não compartilha as idéias pervertidas que temos visto se espalharem, mas, como dizia Martin Luther King, “O que mais preocupa não é o grito dos violentos, nem dos corruptos, nem dos desonestos, nem dos sem ética. O que mais preocupa é o silêncio dos bons”.

É na omissão que nos tornamos todos cúmplices. Tanto os que deram tais exemplos aos seus filhos quanto os que não deram mas permitiram que amigos ou parentes dessem, e que não agiram para mostrar àqueles filhos que aquela conduta não poderia jamais ser imitada.

Talvez jogando a luz do Sol sobre essas criaturas gestadas nas trevas morais erguidas por pais irresponsáveis ganhemos tempo para salvar alguma coisa da mentalidade de uma juventude apática de ideais e de valores que só pensa em ganhar dinheiro e em se “posicionar” socialmente junto aos “vencedores”. Talvez, mas só talvez…

Tags: , , , , , , , , , ,

85 Comentário

  1. Dificil imaginar onde erramos hoje passei o dia procurando um filho de 20 anos que se envolveu com drogas achar onde errei e não encontra talvez tenha cometido uma centena de rros

  2. É fato que a educação de uma geração é responsabilidade de toda a geração anterior, não apenas dos respectivos pais.

    Talvez a pergunta seja o que NÃO fizemos com nossos filhos.
    Esses meninos não fazem coisas que as gerações anteriores, quando adolescentes, não fizessem ou tentassem fazer. A diferença é a falta de quem cumpra o antipático papel de dizer não e impor limites, numa idade em que o objetivo é testar limites.
    Eles são amados, bem tratados, educados, tem tudo. Mas não tem quem lhes ensine a lição fundamental da frustração, que vem do NÃO. Tenho amigos enterrados financeiramente para poder realizar caprichos dos filhos, mais caros do que o orçamento da família permite.

    Minha sobrinha, recentemente, disse não a um garoto que tentava “ficar” com ela numa festa. A reação dele foi cortar o rosto dela com um copo quebrado. E é um menino de “boa família”… Isso é a reação extrema de alguém que não sabe lidar com a frustração de um NÃO.

  3. É caro Edu, também estou preocupado com esses jovens da elite econômica dos Jardins de São Paulo e da zona sul do Rio. Mas eles são assim não só por causa da educação dos país. Tem toda uma cultura elitista e segragacionista que vem de muito tempo, e cujo porta-voz é a mídia brasileira

  4. Que fizemos com nossos filhos?
    – Infelizmente quisemos dar a eles tudo aquilo que não tivemos e muito mais. Em psicologia, trata-se de um fenômeno chamado “projeção”. Projetamos neles nossos desejos e nossos sonhos que, nem sempre, são os deles, mas, nos deixam realizados por imaginarmos que os estamos fazendo felizes. Li em algum lugar, não me lembro onde que, ” o excesso é mais prejudicial do que a falta”. No meu entender o excesso impede o sonho e a falta, o impulsiona, e o homem é um animal de desejo. Claro que tudo isso é muito relativo porque, por mais que a Educação possa, o que cada ser humano traz dentro de si é muito forte. O importante é a justa medida, o que nem sempre é fácil para os educadores encontrarem em cada ser este ponto de equilíbrio. De qualquer modo os pais devem estar vigilantes e se educando constantemente porque ” as palavras comovem, mas, o exemplo arrasta.” Parabéns! Você, como sempre, presta uma grande contribuição para a sociedade JUSTA com que muitos sonham.

  5. Não se esconde o rosto quando se tá fazendo a coisa certa.

    • É isso mesmo, Antônio Lyra. Sempre que assisto jornal e vejo alguém tentando esconder o rosto, eu falo que a pessoa é culpada, pois quem faz o que é certo para a sociedade e para a sua consciência, anda de cabeça erguida e rosto descoberto.

  6. OLha, as escolas particulares das elites NÃO educam porcaria nenhuma !!! Apenas é a extensão da casa do luno ou do clube.
    Os professores são meros empregados, tanto por parte dos pais, alunos e direção.
    O aluno aprinta e sempre passam a mão na cabeça, deixando os professores desmoralizados!!

    • Gabriela, desculpe, mas esse tipo de educação é de berço, é de dentro de casa, ao professor cabe a educação formal, portugues, matemática e etc.. Por Favor e obrigado é responsabilidade dos pais, assim como respeito ao próximo, aos mais velhos, aos diferentes. Há dias numa palestra sobre cultura um assistente me perguntou o que eu achava desse tipo de ‘cultura’ que nossos jovens absorveram e eu afirmo com todas as letras: “a minha geração foi de péssimos pais!”, deram liberdade, coisa que não tinhamos na adolescência e esquecemos de ensinar o respeito ao próximo, esquecemos de dar limites a essa liberdade. Sim, Edu, somos culpados pelos nossos filhos, tenho cinco e todos, graças aos céus, são cidadãos e isentos o mais possível de preconceitos, tenho orgulho disso. Mas tenho sobrinhos que são uma vergonha pro gênero humano. Só pra você ter uma idéia no censo eu me identifico como negro, meu irmão, pai destes sobrinhos, que é tão ‘branco’ quanto eu se diz branco, e se ofende se alguém afirmar o contrário.

      • Gil Teixeira:

        Faltou dizer: “Me desculpe”.

        Minha avó me dizia que as três “palavras” que abriam as portas do mundo eram: “POR FAVOR”. “ME DESCULPE”. e “MUITO OBRIGADO”.

        Mas é por aí mesmo.

        Além das “nossas” culpas por ação e/ou omissão, existe todo um caldo que é jogado pelo “REDE GLOBO WAY OF LIFE”.

        EX.:
        http://www.youtube.com/watch?v=uwh3_tE_VG4&feature=player_embedded

        • Perfeito, Gilberto. Minha avó dizia o mesmo. Outro dia fui a um restaurante e depois de comer fui fumar lá fora, o garçon que me atendeu também estava dando ‘seu lanchinho para o cancer” e começamos a conversar, num dado momento ele me disse: “Olha o senhor me acalmou muito, essa semana foi o único que olhou na minha cara e agradeceu cada vez que eu lhe servi. Tem dia que a gente tem vontade de esbofetear um sujeito. Somos tratados como lixo pela maioria dos clientes.”

    • Ra. A culpa então é das escolas particulares. Por acaso a dona Gabriela sabe de algum caso de professor agredido fisicamente em alguma escola particular do país? Algo como quebrar os dois braços da professora?
      O papel de uma escola restringe-se à educação formal. Construir um cidadão que saiba conviver em harmonia na sociedade é papel da família e a omissão desta é que produz essas excrescências sociais.
      Disse excrescência porque, felizmente, os abestados que agridem homossexuais, os maniacos que defendem raça pura ou os descompensados que agridem que não torce para seu time são poucos, não passam de cinco décimos de uma sociedade organizada.
      Não me sinto culpado por um jovem sair por aí verberando contra nordestinos. Criei meus filhos dando-lhes liberdade vigiada pois o amigão de hoje pode ser o influenciador para o bem ou mal de amanhã.
      Aqueles que colocaram filhos no mundo e permitiram ou não interferiram ao ver que estavam se transformando em monstros pagarão muito caro e saberão como é apropriado o ditado espanhol; ” Cria cuervos….”.

  7. Um comentario ao ” ‘Patricinha’ racista do Twitter pode ser neonazista”.
    Aproveito para fazer uma observação importante – e oportuna – sobre a suposta tradição humanista do Canadá: é falsa. Sempre foi uma tradição “pra ingles ver”. Quem revela a verdade é um abnegado pastor de nome Kevin Annett. Em outubro do ano passado Annet esteve em Roma para entregar pessoalmente ao Vaticano as reivindicações dos parentes das vitimas nativas canadenses: abusos sexuais, experimentos em laboratorios e hospitais – com crianças orfãns fornecidas por dinheiro pelas autoridades eclesiasticas, com a cumplicidade da Royal Canadian Mounted Police-, esterilizações de massa e dezenas de milhares de crianças mortas nas escolas catolicas canadenses entre 1922 e 1984 (numero estimado em 50 mil crianças, sem contar os que ficaram marcados pra sempre). Em abril deste ano Annett esteve no Parlamento italiano acompanhado de duas testemunhas aborigens das Residential Schools. Annett tomou coragem pra denunciar a “humanidade” da classe dominante canadense em 1996 mas somente 12 anos depois o Governo acabou tendo de reconhecer os crimes barbaros cometidos nas escolas residenciais e no dia 11 de junho de 2008 o Presidente Harper pediu oficialmente desculpas (!) pelo genocidio e abusos inflictos aos aborigens. O Papa, ficou adolorado… Mas o que tem a ver essa estoria com a desejada extradição do neonazista brasileiro? A resposta nos dá Annett: “se existem crimes, existem criminosos, e que eu saiba, até hoje, ninguém foi identificado nem perseguido pela lei”. O neonazista brasileiro vai ter tempo pra pensar se é melhor sair de baiana ou usar a foto do Chaplin com o bigode de Hitler no filme O Grande Ditador. Em tempo: as Residential Schools fazem o trabalho sujo para as classes dominantes canadenses que tomam possesso das terras dos nativos. Alguém ja viu esse filme?
    Annet escreveu o livro The Canadian Holocaust e produziu o documentario Unrepentant.
    Pra quem quiser verificar: http://www.hiddenfromhistory.orghttp://canadiangenocide.nativeweb.orghttp://www.youtube.com/watch?v=j8HB5cbKHD

  8. Não não, não me venha com essa agora

    Não me venha empurrar os teus fantasmas NÃO

    EU, CIDADÃO Eduardo, eu estou mais é apontando o dedo ..por exemplo, sendo contra as cotas RACIAIS (de critérios eugenistas, que segregam e atestam equivocadamente as “diferenças”) ..estas que afagam a uns, mas não contemplam a TODOS

    ..só eu sei o quanto sou “chato” por onde passo ..e pago CARO por isso

    • Se você tem argumentos sérios para debater as cotas que os apresente.

      Eu te peço para ler o seguinte artigo

      http://sequenciasparisienses.blogspot.com/2010/04/manifesto-sobre-as-cotas-para-negros.html

      Me apresente os argumentos que você tem e não me venha com esta estupidez de eugenia que ela sequer está sendo mencionada na questão das cotas. Antes o contrário. Não queime o seu filme logo de saída…

      • CIDADÃO ..sou pelas cotas SOCIAIS, uma que atenda aos pobres e necessitados, independente da cor ou origem.

        Se eu nunca permite, e reprovei o “só pra branco”, não é depois de velho que eu iria concordar com o “só pra preto”

        Meu compromisso são com os vivos, NÃO com os mortos

        As COTAS RACIAIS, com seus princípios revisionistas e eugenistas ..estes que escolhem de vítimas e se pedem reparos ..um aonde INOCENTES VIVOS (pobres que tb pagam impostos) pagam pelo pecado de MORTOS, infleizmente, por não ser universal e unicamente social, atende, mesmo que vc não visualize, a princípios NAZISTAS

        COR é pra bola, raça é pra cachorro ..se pra UM pra todos

        Por um BRASIL LAICO e CIDADÃO

        pronto ..se isso o satisfizer muito que bem ..e se não, apresente vc agora as suas razões e me diga aonde eu estou errado em pedir pro POBRE e desamparado (e consequentemente, apesar de não esquecer de NINGUÉM, eu atender a maioria negra deste país)

        • O difícil neste tipo de debate é que o Senhor não sabe definir Eugenia, sequer reconhece o peso do passado no nosso presente e já esbarra para o termo nazismo de forma também inapropriada. Não existisse o peso do passado contra uma parcela significativa de pessoas este debate sequer existiria. Quem critica as cotas nunca as sentiu na pele ou foi um dos pouco que passou na peneira do racismo brando e se sente superior aos outros coitados que não passaram..Não fossem as cotas nos EUA não haveria Barack Obama…Este é o seu medo, que Dilma seja sucedida por um negro ?

          • vc tá te brincadeira né… só pode ser

            Na vida sempre me ensinaram a ver um homem pelos seus conceitos e ações ..NUNCA pela sua aparência, tom ou deficiência

            Amigo eu peço pelos teus (se pobre o for) e pelo dos outros …sequer eu (eu que tinha uma avó indígena) peço pelos meus

            Se vc não quer entender que não nos custava nada, como NAÇÃO, tentarmos amparar a TODOS os nossos que, vítimas do passado ou não, quer por injustiças herdadas ou contemporâneas, mas a todos que ficaram (e ficarão) pelo caminho, desamparados e desassistidos, eu não posso e não tenho mais nada a te dizer ..apenas lamentar e tentar COMBATER toda e qualquer inciativa que escolha a uns em detrimento dos outros ..só isso

      • Romanelli, me ensinaram várias coisas na vida, mas noaasa realidade sempre desmentia esses esnsinamentos, portanto, vá catar coquinhos, seus preconceitos são óbvios e ululantes quando você espõe uma questão que não está em discussão. Não argumenta, apenas vomita idéias (com acento mesmo!) reacionárias. Você não tem a mínima noção do que é ser discriminado, por isso, não me venha deita falação sobre algo que não conhece e nem nunca viu!

  9. Já viu isto, Eduardo?

    http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=149749&channel=47

    RBS e Luiz Carlos Prates: o preconceito em estado sólido!

  10. Eduardo, tudo bem?

    Volto à uma velha tese: isto tudo é consequencia do neo-liberalismo e seu ultra-individualismo, que quer transformar tudo em mercadoria.

    • Sobre isso que o Luis comenta, li recentemente um artigo de Maria Rita Kehl, da década de 80, onde ela já falava do estrago do individualismo/narcisismo, transformando até o corpo e a sexualidade em mercadoria.
      No texto ela avaliava especialmente os yupies da época. Ler agora parece profecia.

      “A psicanálise e o domínio das paixões”. Está no livro “Os Sentidos da Paixão”, coletânea do círculo de palestras realizado pela FUNARTE em 1986.

      É possível ler aqui, mas tem limitações de nº de páginas acessadas.
      http://tiny.cc/gwftv

  11. Prezado Eduardo: As palavras igualdade, liberdade e fraternidade que nós tanto usamos e perseguimos a sua aplicação creio que estão morrendo exatamente pela falta de compromissos de pais que acreditam que educar filhos é simplesmente dar a eles os bens materiais. Estas palavras foram criadas pelo franco-maçom Franz Von Baader . IGUALDADE no trabalho e na repressão à preguiça. LIBERDADE de expressão e FRATERNIDADE universal.Mas como muitos que se acham pais acreditam que dizer NÃO ,é ferir e criar traumas nos filhos e tudo isto aliado ao processo de aculturação com algumas sociedades ditas livres e desenvolvidas somada aos filmes holyudianos e comentários besteirois de alguns que se acham entendidos em educação e formação de caráter está provocando esta doença na sociedade brasileira.Lembre-se das palavras do ministro das comunicações do Brasil – Quandt de Oliveira – sobre a importação de filmes pelo Brasil nos anos 60 , A frase era mais ou menos assim ” estamos pagando caro para destruir a nossa juventude” e olhe que o ministro era almirante da marinha de guerra do Brasil.No entanto com o passar do tempo aquelas tres palavras foram sendo deturpadas e parece que a razão está com um francês chamado Eliphas Levi, morto há quase trezentos anos .Ele escreveu que a corrente anarquista dizia ” LIBERDADE para as paixões, IGUALDADE para a infâmia e FRATERNIDADE na destruição” Logo após a segunda guerra mundial o Brasil saiu da órbita da cultura europeia e caiu na da cultura americana, deu no que deu.É isto aí que estamos vendo e vivendo.

  12. Eduardo,
    Sem querer tirar nossa parcela de culpa, concordo com o Juliano.
    Ontem como era feriado estava assistindo o noticiário local e tive o desprazer de mais uma vez escutar o babaca, para não dizer outra coisa do Luiz Carlos Prates da RBS, destilar seu ódio contra este “governo espúrio”, que permitiu que mais pessoas tenham carro e com isso aumentou os acidentes nas estradas, ou seja, a estrada do Brasil não pertence a todos os brasileiros e sim a uma parcela privilegiada que tem o direito de passear no feriado… Acho que este tipo de comentário, só serve para colocar cada vez mais brasileiros contra brasileiros. Este senhor deveria se cobrado pelo veneno que destila diariamente na TV. É um demagogo que não levantou a foz, quando meninos ligados aos seus patrões violentaram uma menina de 14 anos. Segue link caso queiras assistir. http://mediacenter.clicrbs.com.br/templates/player.aspx?uf=1&contentID=149749&channel=47

  13. Eduardo:

    Você tocou num ponto que o padre Vieira, em seus Sermões, declara ser de enorme importância: o pecado da OMISSÃO. Parabéns, mais uma vez.
    A sociedade é complacente, apática, egoísta, hipócrita e, principalmente, hedonista.
    Todos os setores deveriam se sentar e pensar em como fazer seres humanos melhores.
    Um outro exemplo: os psicólogos não saem da mídia, mas até agora não vi movimento para detectar as causas de tanta violência masculina contra a mulher. Por que os homens reagem com barbárie quando são rejeitados, e como mudar isso?

  14. Durante o processo eleitoral, principalmente, no segundo turno, por mais que tentasse, não consegui demover a idéia de amigos capichaba a votar em Dilma. Imaginei que o voto a serra seria por ser eleitores de da veja, típico da desiformação de alguns da classe média. Passada a eleição, esse amigo indignado, disse que “Lula vai acabar com os pobres”, percebi que o preconceito vem da inclusão social, do medo de concorrencia com os filhos nas universidades, nos concursos públicos, a dificuldade de encontrar trabalhadores que submetam a perceber menos de um salário mínimo, principalmente nas cidades do interior do nordeste em que era muito comum a sujeição de trabalhar sem receber o salário mínimo e os demais direitos.

    Esse preconceito é também destilado nos meios de comunicação, como ocorreu no dia 14/11 no programa do Faustão da Globo, onde um pseudo humorista, não me lembro o nome, fazendo paralelo do Ibama que não permite bolsa de couro de animais, mas que da classe média era tirado o couro para o bolsa família, é a desinformação alimentando o preconceito.

  15. É a mesma pergunta que se fazem os país cujos filhos se filiam às FARC ou ao terrorismo de esquerda ou de direita.
    Neonazismo existe como outros movimentos tão perniciosos quanto.
    Quantos pais se perguntam como foi possível seus filhos sucumbirem às drogas.
    E veja quanta inaptidão e inépcia de todos os governos em acabarem com tal flagelo.

  16. Não dá pra fugir. Somos como pais, responsáveis diretos, por aquilo que nossos filhos se transformam. Sei que não estamos sózinhos, mas nossa contribuição ou falta dela, é a parcela maior. Não adianta simplesmente jogar para educadores, se nossa parte não é feita. Chorar o leite derramado também nada resolve.
    http;//easonfn.wordpress.com

  17. A culpa é dos pais!
    Tenho uma amiga, que é mãe, e mora em Brasília.
    Ela me disse um exemplo simples sobre a cidade dos poderosos.
    Lá, quando algum político é parado por um guarda de trânsito, o político vai logo perguntando se o guarda sabe com quem está falando. Faz todo tipo de ameaças até conseguir se safar. O filhinho dele assiste a tudo no banco de trás do carro.
    Agora me diga como é que essa criança vai crescer achando que o pai dele pode tudo, pois é um “político”.
    É assim que se começa a por fogo nas pessoas no ponto de ônibus.

  18. De modo geral, não gosto de conversas de culpabilidade generalizada. Os pais da Petruso (e de outros similares) que façam mea culpa.

    Mas o que eu quero ressaltar é que a nova geração é muito mais do que essa diminuta “elite” protofascista. Os meninos da UNB, por exemplo, deram show na campanha eleitoral, com o “votoSerrapq”.

    Os energúmenos do Twitter não representam sua geração. São exceções barulhentas e, sim, perigosas. O ovo da serpente.

    Do outro lado tem uma juventude que aposta num mundo melhor. No meio, como sempre, a maioria que não quer saber. Estes é que precisam de ajuda para acordar.

  19. O problema Edu é simples: muitos pais se esforçam para dar aos filhos tudo o que eles próprios (pais) não tiveram. E se esqueceram de dar O QUE ELES tiveram.

    • Vivi, falou pouco, mas falou bonito. Disse tudo e mais um pouco. Vivo isso na minha família, tenho um irmão que faz das tripas coração para dar tudo aos meus sobrinhos. Graças a Deus eles são bons meninos, mas dou mais graças por eles morarem no andar de cima de meus pais, pois minha mãe não dixa meu irmão (e minha cunhada) esquecer de onde vieram e o que nos foi dado: humildade!

  20. Sr. Eduguim. Igual ao Sr. Valdemar Alves, existem milhões de pais e mães desnorteados procurando respostas pelos vários erros cometidos. Para mim são apenas duas vertentes em único mal.
    1º O jovem rico que pelo modelo de sociedade sacrifica a família que é a competitividade, onde o dinheiro é a expressão máxima de uma sociedade, isto é, o jovem tem de tudo e não precisa de fazer esforço para conseguir nada, em resumo: Não tem objetivo algum.
    2º O pobre, que pelo mesmo modelo, exclui grande parcela da sociedade e onde uma mídia irresponsável faz a propaganda para uma minoria abastada (e também abestada) insuflando a necessidade de consumo de que não possui praticamente nada, daí partindo para viver a margem da lei.
    Este modelo de sociedade é falido. O neoliberalismo promovido pelos demotucanos é simplesmente o meio para acabar de vez com a sociedade brasileira, haja visto o que ocorre na Europa e EUA.
    O que está ocorrendo agora é apenas o resultado final de tantos anos de materialismo e irresponsabilidades de nossos governantes.

  21. Prezado Eduardo,
    Como mãe e chefe de família (coisa banal), eduquei dois filhos hoje com 28 e 24 anos, eles nasceram, portanto em plena década de 80. Eu cresci durante a ditadura militar que se instalou no país quando tinha 3 anos e meio (coisa que eles não conheceram de fato). Fiz esse paralelo para diferenciar o regime político do país, nas nossas formações. Eu tive formação formal (intelectual) muito defasada, pois não tínhamos na década de 70, acesso a nenhuma informação que não fosse duramente censurada, só por via muito doméstica tive acesso alguma literatura interessante. Cedo percebi a minha deficiêcia para educar, mas já estava com meus dois filhos, criaturas sob minha responsabilidade. Tive que educá-los com muita democracia, mas ao mesmo tempo, não permitindo a mentira sob hipótese alguma, em todos os aspectos da vida social e doméstica, era o nosso pilar. Eu como meus filhos somos sensíveis e permeáveis a tudo que nos envolve e sempre que algo fugiu ao nosso controle, tive que tomar às rédeas da situação e dar o norte. Assim como falei a eles de drogas, preconceito, política, música, livros, humanidade, compaixão e tudo mais falei dos meus erros, da minha falta de preparo e dos meus medos e sempre ficou claro que eu também estava em formação. Falei dos meus filhos biológicos mas tenho muita apreensão e també muita alegria com todos os jovens e crianças que poderiam ter sido meus filhos, aqui ou em qualquer lugar.

    • Flávia, sua história é muito parecida com a minha.

      Era exatamente isso que eu estava pensando quando li o artigo.

      Continuo acreditando que a Família tem papel fundamental na formação dos filhos e consequentemente no tipo de sociedade que criamos.

      Acho que precisamos SALVAR AS FÁMILIAS como um todo.

      Sem aquela caretice ou babaquice das igrejas. É outra coisa, muito mais ampla, é o diálogo aberto, sem mentiras e coações, sem tabus, sem a tal da “hierarquia.

  22. Quanto a essas manifestações preconceituosas (pra dizer o mínimo), tenho uma preocupação maior: isto é apenas a ponta do iceberg. Imagine o que há por trás, o que pensam os pais, os professores, o meio em geral, a fonte onde essa turminha jovem bebeu essas idéias maravilhosas…
    Já há tempo que venho ruminando sobre isso. A música que a geração vem consumindo, de bandas de porno-forró do nordeste ao funk-carioca, passando pelo “sertanejouniversitário”, todas com letras de claro incentivo à vulgaridade, superficialidade/efemeridade/eventualidade das relações (sexuais ou não…), desaguando, não raro, em incitação explícita á violência e ao preconceito é um sinal nada desprezível… Resultado: empregadas domésticas espancadas (“foi mal… pensei que era uma prostituta”), índios incendiados (“foi mal… pensei que era um mendigo”), jovens sendo espancados por outros jovens até quase a morte em portas de boates ou nas ruas, adolescentes gordas cavalgadas em “rodeios”, sob entusiasmados aplausos da torcida!
    A sociedade civil precisa urgentemente discutir isso. Os pais e educadores, a grande mídia, todos precisam entender que estamos gerando monstros. Os autores dessas façanhas são nosso filhos, filhos dos amigos, dos colegas de trabalho, dos vizinhos. De repente, o criminoso, o sociopata, o nazista, é aquele menino ou aquela menina bonitinha, doce e simpática com quem convivemos diariamente…
    Claro que a música é apenas um dos fatores, mas tem um papel importantíssimo na divulgação/reprodução/realimentação desses “valores”; e não me parece que estejamos dando a devida importância a esse papel.
    Basta ir ao google e dar uma olhada nas letras desses sucessos (bandas Calcinha Preta, Aviões do Forró, Saia Rodada…).

  23. Quando eu fazia faculdade de direito em Fortaleza, no final dos anos 80 se promulgou a Constituição de 88 e depois o Estatuto da Criança, que eu dizia que a sociedade brasileira ainda não estava preparada para leis de primeira, com falhas claro, e estava alimentando cobra para ser mordido por ela. O tempo mostrou que eu estava certa, pois não investiram em Educação antes de fazer uma peça como o Estatuto. Desisti de ter filho naquela época, estava com 20 e poucos anos e, hoje com 53 anos, não me arrependi nem um pouquinho. A sociedade humana está passando por uma mudança muito grande e as pessoas estão apenas preocupadas em lutar para saber que tem mais e melhores “coisas” do que as outras. O ser humano está esquecendo o que ele realmente é: humano, falível, limitado e mortal. É uma pena, pois nós temos uma coisa no DNA que eu acho maravilhosa: a curiosidade. E, por causa dela, aprendemos, descobrimos, ensinamos, mas ela está ser perdendo para o ter, para o possuir a qualquer custo. Nós estamos caminhando lentamente para alguma coisa que eu, sinceramente, não acho que será boa. Oxalá eu esteja errada. Espero não viver para vê.

    • Prezada Senhora. Me desculpe. Mas o que tem a ver o ECA ou a Constituição de 88 com o fato da sua decisão de não ter filhos ? Sinceramente acho um pouco de exagero uma correlação tão distante uma vez que muitos de nós tivemos filhos bem depois destes diplomas legais e nem por isso eu jogo numa lei lá de longe o fato de um filho meu vir a ter no futuro um problema qualquer. O que eu percebo é que nós estamos na adolescência da GERAÇÃO TRAKINAS, aquela das propagandas que valorizavam as crianças mentirosas e que faziam qualquer coisa para alcançarem as bolachinas do pacote…Eu criei e crio meus filhos com valores muito rígidos e com muito amor..

  24. Pessoal,
    Acessando o link abaixo podemos votar no presidente Lula para ser o Brasileiro de Sempres
    http://www.aguinaldosilvadigital.com.br/2010/?page_id=313

  25. Pessoal,
    Acessando o link abaixo podemos votar no presidente Lula para ser o Brasileiro de Sempre
    http://www.aguinaldosilvadigital.com.br/2010/?page_id=313

  26. Ao Sr Romanelli:

    O Senhor, com todo o respeito, escorregou no discurso fácil da igualdade, que é um discurso que eu também defendo, aliás até é óbvio demais para ter que ser defendido e não centrou-se nas suas argumentações iniciais de que a Lei de Cotas é eugênica quando o senhor atesta pelo silêncio, que sequer sabe o que significa o termo e o conceito. Ou seja fala do que não sabe….

    Minha luta é contra este tipo de discurso vazio, fácil e pouco esclarecido que joga tudo no mesmo balaio bonitinho mas que se recusa a pelo menos ir a uma wikipedia da vida e estudar 05 minutos sobre um tema a debater para evitar escrever estultices.

    A questão principal aqui é o que fazemos com os nossos filhos e a minha conclusão é que não teremos muitas modificações no Brasil enquanto reinar o discurso do branqueamento, da suavização dos preconceitos e da generalização extrema de que as pessoas, tadinhas, erram por não terem juízo e não por serem racistas, xenófobas ou preconceituosas.

    Ao defender as cotas raciais eu não excluo as cotas sociais. Mas ao negar as cotas raciais por conta das sociais eu endosso o discurso do estupro consentido, do Senador Demóstenes Torres, e isso, lá na frente vai gerar mais nazistinhas da classe média querendo bater em favelados, moradores de rua, gays e qualquer grupo que não agrade.

    O BRASIL TEM QUE SABER QUE AQUI NESTA NAÇÃO REINOU DURANTE MAIS DE 300 ANOS O MAIS PERVERSO E CRUEL SISTEMA DE APROPRIAÇÃO DE FORÇA DA TRABALHO DA HISTÓRIA HUMANA DOS ÚLTIMOS 500 ANOS, SENÃO O MAIS PERVERSO DE TODA A HISTÓRIA E QUE ESTE FATO ESTARÁ NO CERNE DE QUALQUER DISCUSSÃO SOBRE INTOLERÂNCIA E VIOLÊNCIA NOS PRÓXIMOS 100 ANOS. É SIMPLES ASSIM, POIS A CADA ESQUINA NÓS NOS DEPARAMOS COM ELE QUEIRAMOS OU NÃO. E NÃO SE TRATA DE CULPAR OS “BRANCOS” PELO PROBLEMA, MAS SIM DE FAZER QUE TODOS ENTENDAM QUE TODOS OS BRASILEIROS SÃO PARTE DA SOLUÇÃO…

    • …………….Mas não é todo mundo que passa dez horas com um maçarico na mão, nem todo mundo que fica com dor de barriga ao mesmo tempo. Capacidade de quem? Necessidade de quem, quem tem prioridade? Quando é tudo uma coisa só, ninguém pode dizer quais são as suas necessidades, não é?
      ………..
      Senão qualquer um pode dizer que necessita de um iate, e se só o que conta são os sentimentos dele, ele acaba até provando que tem razão. Por que não? Se eu só tenho o direito de ter carro depois que eu trabalhei tanto que fui parar no hospital, depois de garantir um carro para todo vagabundo e todo selvagem nu do mundo, por que ele não pode exigir de mim um iate também, se eu ainda tenho capacidade de trabalhar? Não pode? Então ele não pode exigir que eu tome meu café sem leite até ele conseguir pintar a sala de visitas dele? . . .
      ………..
      Pois é. . . . Mas aí decidiram que ninguém tinha direito de julgar suas próprias capacidades e necessidades. Tudo era resolvido na base da votação. Sim, senhora, tudo era votado em assembléia duas vezes por ano.
      ……
      Não tinha outro jeito, não é? E a senhora imagina o que acontecia nessas assembléias? Bastou a primeira para a gente descobrir que todo mundo tinha virado mendigo — mendigos, esfarrapados, humilhados, todos nós, porque nenhum homem podia dizer que fazia jus a seu salário, não tinha direitos nem fazia jus a nada, não era dono de seu trabalho.
      ……
      A única coisa que cada um tinha era a sua ‘necessidade’, e aí tinha que pedir em público que atendessem às suas necessidades, como qualquer parasita, enumerando todos os seus problemas, até os remendos na calça e os resfriados da esposa, na esperança de que a ‘família’ lhe jogasse uma esmola.
      ……….
      O jeito era chorar miséria, porque era a sua miséria, e não o seu trabalho, que agora era a moeda corrente.

  27. Falta diálogo.
    Não se senta à mesa para conversar.
    Almoçamos e jantamos em frente a TV.
    Ou então dou um celular, uma mesada e um computador e acho que dei tudo para meu filho, mas, não procuro saber como é a rotina dele e o que ele pensa.
    Escola dá educação formal. Hoje queremos que professores sejam os pais postiços.
    Pai e mãe dão educação para a vida.
    Não existe convivência social nem mesmo entre os membros de uma mesma família.
    Parecem coisas bobas ou conservadoras, mas, eu acho que é isto que está faltando.

  28. É por esse motivo que insisto em classificar a discriminação contra nordestinos como discriminação por “origem”; nunca como “racismo”; uma vez que essa classificação errônea, além de mostrar um desconhecimento sobre nossa região; desconhecimento que leva ao esteriótipo, capaz de construir visões deformadas e preconceitos, até naqueles com instintos saudáveis, também afasta da luta os nordestinos brancos, das camadas médias e altas da sociedade; que acabam por achar que essa discriminação “não é com eles”; quando ela afeta sim todos os nordestinos : brancos europeus, negros, índios, árabes, judeus, sendo que os brancos, que estão nas melhores posições da pirãmide social, têm ainda mais obrigação de engajar-se nessa luta. Foi por pensar dessa forma, e por nunca preocupar-me em ser visto como “encrenqueiro”, que recentemente tive um pega com uma colega de trabalho(nordestina, loira, descendente de europeus)que teve a coragem de afirmar que os paulistas não nos discriminavam. Diante de tamanho absurdo, refutei-o com veemência, principalmente para impedir que essa loucura, que só estimula a apatia daquele setor de nossa Sociedade, o das camadas médias e altas, que tem mais condições de participar dessa luta, se impusesse. Diante de minha reação, tive o apôio de outros colegas de trabalho, o que levou a maluca a calar-se no relincho de sua bobagens, as quais provavelmente pensará duas vezes antes de expressá-las novamenete. Além disso, consegui levantar o debate sobre o repúdio que nós, nordestinos brancos e instruídos, devemos liderar contra esses horrores que estão acontecendo. É essa postura que todos devemos ter contra pensamentos reacionários.

  29. olá, Eduardo tudo de bom e abraços para tua família e um beijo carinhoso para a filhota.
    eu estou com 65 anos e sou da geração da ditadura instalada neste país. eu creio que os maiores responsáveis para este estado de coisas aqui no Brasil é em primeiro lugar a herança dos 20 e tantos anos de ditadura, onde os valores morais foram afrouxando passo a passo. e outro fator e a TV Globo. eu lembro que lá pelos anos 60 o canal de tv mais assistido era o que apresentava os programas musicais com a Ellis, o Wilson Simonal e o resto da turma. não lembro o nome do cana. a tv globo estava bem mais a baixo, não lembro se era o quarto o quinto canal no país. quando os militares entraram a globo começou a ter poder e foi a partir dela que começou a ser difundido pelo Brasil o modo de vida da zona sul do Rio, com todo o exemplo de frouxidão moral.
    além dela ser responsável por acabar com a música popular brasileira porque esta música sertaneja é apenas uma imitação da música mexicana e que se restringe a um grupo pequeno numa mínima região de são paulo, tentando imitar a música country americana.
    eu lembro que minhas sobrinhas começaram a cantarolar estas músicas e eu pedi para elas pararem de cantar porque aquelas música não faziam parte da nossa cultura, elas me respondias que só faziam aquilo para se divertirem porque achavam engraçado. e o meu comentario foi ‘pois é isto que a tv globo quer que todos vocês façam e assim, cantando uma a uma por achar engraçadinho vocês vão ajuda-la a matar a música popular brasileira. e deu no que deu até a total libertinagem musical, começando com a tal de Gretchen e outras vulgaridades afins.

  30. Caro Eduardo….

    a frase do grande lider negro norte-americano nos diz muito. Mas, se o “silêncio” nos incomoda; nos incomoda muito mais a “conivência” generalizada. Da elite fascio-paulista não nada que me surpreende. Você está mesmo surpreso? Surpreso com o que? Com o racismo? Com a homofobia? Com a antinacionalidade? Você só pode está de brincadeira? Ou, talvez, o que é pior, está sendo “conivente”. Ou você acha que só denunciar ajuda em alguma coisa? A indignação pode até ser justa; mas, de boas intenções o inferno está cheio.
    Nós, os “paraíba”, os “cabeça chata”, e é isso mesmo que somos, “nortista”, “brasilicos”, não temos medo da “serpente”, imagine voce se temeremos suas “crias”, seus “ovos”, suas “lavras”. Pelo contrário, já o dissemos aqui, o vou repeti-lo: nós vamos pra cima dessa gente, vamos tomar da elite fascio-paulista (e de suas “crias”) toda a riqueza que eles “tomaram” do nosso povo; vamos contribuir para que eles retornem de onde vieram, pra Europa, e preferencialmente nadando.
    Plantaram ódio; e irão colhê-lo; porque nossa resposta não será assistir suas “crias” nos desqualificar: será respondê-los na mesma moeda…
    Fora a elite fascio-paulista!
    Viva o povo brasileiro!

    Leonidas Mendes filho
    (Parauapebas/PA)

  31. Edu, você diz: “TODOS OS PAIS SOMOS CULPADOS POR ESSA JUVENTUDE QUE NAS ÚLTIMAS SEMANAS CHAMOU A ATENÇÃO DE TODO PAÍS PARA O NÍVEL DE DEGRADAÇÃO MORAL E PARA OS INSTINTOS PERVERSOS QUE PASSOU A EXIBIR EM SUA PARCELA “BEM NASCIDA”, QUE, PORTANTO, NÃO TEM DESCULPA COMO A DOS JOVENS CARENTES PARA AGIR DE FORMA ANTI-SOCIAL”

    Parece admitir que todo pobre é um bandido em potencial.
    Se todo desvio de caráter fosse um problema econômico/financeiro, sua solução seria mais fácil.
    E você, ao que parece, vai morrer tentando dividir o país entre ricos e pobres, pretos e brancos, sulistas e nortistas….Dilmistas e aquele tipo de gente.
    E a sua turminha embarca nessa furada!!!!!

    • Como se quem tivesse dado declarações propondo erguer um muro separando o Norte-Nordeste do Sul-Sudeste ou afogar nordestinos fosse o lado de cá

      • Lado de cã!!!…que lado de cá, cara pálida????

        • O lado das ideias claras, do social, do humanismo, ou seja, tudo o que “o lado de lá” não coloca em sua agenda!

          • Haroldo, nunca se esqueça de que existem, sempre, 3 verdades: a minha, a sua e a verdade verdadeira.
            E esse papo de humanismo é coisa piegas demais, para quem procura analisar friamente, as questões.
            O Eduardo está propondo que se deva passar a mão na cabeça de infrator pobre.
            Convenhamos, além de hipócrita, existe coisa mais socialmente nociva?
            Já dizia o grande Roberto Campos: “O mundo não será salvo pelos bonzinhos, mas, pelos competentes.”

          • Bom mesmo é passar a mão na cabeça de infrator rico, como na dos nazistinhas da Paulista

          • Passar a mão na cabeça de infrator, pobre ou rico, nem uma coisa, nem outra, você devia saber disso.
            Aliás, acho até que você sabe, mas, como interesses, são interesses!!!…….

          • Veja bem, o que você está insinuando? Que eu escrevo o que escrevo por ter algum interesse? Que interesse? É mentira sua. Eu vivo do meu trabalho. O governo não me dá nem o que eu tenho direito para a minha filha, ou melhor, que ela tem direito por ser “especial”. Agora, não vi você aqui cobrando a aplicação da lei contra os dementes que atacaram supostos homossexuais na avenida Paulista ou pedindo a punição dos tarados que pregaram de separação de São Paulo do resto do país ou afogamento de nordestinos. Se continuar me ofendendo, não vejo sentido em continuar publicando seus comentários. Se eu não responder a acusações, parece que estou anuindo a elas. Não tenho tempo de ficar rebatendo cada irresponsável sem nome que vem aqui me acusar de corrupção com base em seus achismos. Se quiser continuar comentando aqui, deixe as calúnias e as provocações de lado. Não gosto de censurar. Tento dar chance até áqueles que já me insultaram, como você. Mas não sou trouxa.

          • Eduardo, não se trata de censura, mas da lei dos medios.

          • Edu, não é material, o interesse a que me refiro e minha pergunta é clara: por quais caminhos pretende conduzir as pessoas que o seguem, em seu blog, com essa clara intenção, manifestada em cada tópico, de dividir o país em ricos e pobres, brancos e negros, lulistas e “aquele tipo de gente”, etc., etc., etc?
            Você realmente acha que isso é construtivo?

            Agradeço por publicar meus posts.

          • Realmente acho que é construtivo simplesmente por que quem divide o país não é quem expõe a divisão, mas quem propõe separar esse mesmo país com um muro, quem diz que o nordestino não sabe votar, quem chega a pregar assassinato de nordestinos, quem chama nordestino de “baiano” independentemente de que estado ele tenha nascido, baseando-se apenas na cor de sua pele. Só expondo esse problema é que se poderá combatê-lo.

        • Agora está trudo claro, pelo menos para a minha verdade, ao chamar de “o grande Roberto Campos” já me deu uma noção clara de seus pensamentos. Tenha muita paz!!!

          • Realmente… Sem querer me meter na conversa, e já me imiscuindo no papo, admirar o BOB FIELDS é uma confissão de reacionarismo e criticar o humanismo com piegas, também é o fim da picada. Francamente!!! O companheiro aí deve ser da turma do Gerson, aqueles que gostam de “levar vantagem em tudo”. Por causa de tipos desta espécie um homem inocente foi crucificado em Jerusalém, e o BRASIL levou 500 anos para sair do buraco. Me erra!!!!

            “O BRASIL PARA TODOS não passa na gLOBo – O que passana glOBo é um braZil para TOLOS”

    • È impressionante a inversão de valores que o povo da direita faz… Eles são mitômanos, acreditam em suas próprias mentiras, ou são apenas loucos????? Fica a dúvida…

      Passaram 8 anos atirando pedras no LULA, por “cercear a imprensa, por aparelhar o estado, e por alimentar a corrupção”, e tirando os casos comuns que ocorrem em qualquer governo, nenhuma de suas mentiras se comprovou. Sobre as maracautaias que ocorreram e ocorrem nos governos DEMOTUCANOS, nenhuma palavra…

      Ou seja, eles tentam, desesperadamente jogar no colo do LULA e das esquerdas progressistas, as velhas práticas que eles próprios usam há 500 anos, na maioria dos governos de direita que tivemos no país, com raros intervalos. Por isso o país nunca tinha dinheiro para investir antes. Havia uma “curriola de sanguessugas da direta reacionária”, sugando os cofres do estado brasileiro.

      Sempre que o trabalhador brasileiro obteve a sinalização de que algum governo popular, democraticamente eleito, fosse defendê-lo de alguma forma, esse povo defensor dos valores das elites perversas do país, e que nada mais são do que Zumbis, que, assim como os repórteres do PIG, chamam seu patrão de colega, fizeram de tudo para barrar, se preciso, derrubando o governo. O último episódio nos rendeu 20 anos de ditadura militar.

      E agora querem jogar no colo das esquerdas e dos blogs progressistas a intenção de dividir o país entre pobres e ricos, como recomendado de forma tão infame pela MAYARA e o PRATES, e a cujas declarações fazem vista grossa, ou inventam uma justificativa furada… Qualquer semelhança com a forma como a mídia expões o governo federal e esconde os podres dos governos DEMOTUCANOS, é mera coincidência???? È indignante!!!

      Tem dó!!! Camisa de força neste povo dissimulado e perverso!!!!

      “O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na glObo é um braZil para TOLOS”

    • “Se todo desvio de caráter fosse um problema econômico/financeiro, sua solução seria mais fácil”

      Então me explica por que é que há tanto “desvio de caráter” nas camadas mais altas da sociedade, vai!!
      Esse argumento demonstrta cabalmente a importância que o distinto atribui ao dinheiro.

      È óbvio que dinheiro não é a solução para todos os males da sociedade. O Homem é um animal transgressor por natureza, e por isso, político, por isso sempre haverá desvios. Mas a solução para a grande maioria dos males da sociedade é a “atenção do Estado para como o seu povo”. O Estado não pode abandonar os cidadãos ao Deus dará, aos interesses da iniciativa privada, que visa apenas seus lucros.

      O povo precisa de equipamentos sociais (escola, hospital, delegacia, etc) de qualidade. Isso não é prerrogativa das “elites” não, assim como humanidade e civilidade não são propriedades de uma única classe social, mas de todos os homens e povos que caminham sobre a Terra.

      Deixa de ser diversionista, cara!!! Não venha tentar justificar a rapinagem como elemento necessário para a evoluçao da humanidade. Através da rapinagem, o que evolui é apenas o patrimônio do que a pratica e a pobreza e exclusão que produz em quem a sofre, nunca a humanidade como um todo.

      “O BRASIL PARA TODOS não passa na glOBo – O que passa na gLOBo é um braZil para TOLOS”

  32. Eduardo, aqui em Fortaleza, um jovem empresário atirou, de dentro do carro, com espingarda de chumbinho num morador de rua, que ficou cego de um olho.

  33. E vai ficar pior! Com o “progresso” das políticas racialistas e heterofóbicas do governo lullo-petista, é bem possível que queiram impor cotas nas empresas, cotas para nordestinos, cotas LGBT etc etc. Aí a coisa vai ficar interessante… Ou vcs acham que quem paga a conta e fica de fora vai calar…?

    • Nem vai calar (a alguém) nem vai ter que SE calar, contanto que não pregue “afogamento” ou “deportação” de brasileiros dentro do território nacional. Este é um país de todos e vocês vão ter que aceitar.

      • Não vai ser preciso…O grande país do Norte vai dar o sinal. Anote, para depois não dizer que não foi avisado: a política de “ação afirmativa” está com os dias contados lá. E quando ocorrer, até o lullo-petismo vai seguir disciplinadamente a metrópole. Aliás, como já segue na política econômica e financeira…

        • Ou seja, o que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil, certo? Acho que não. Aliás, em termos de previsões, sua turma anda meio fraca.

          • Edu, sabemos que tudo que venha faze os do andar de baixo subir um andar, será automaticamente repudiado e chamado de “lulo-petismo”, esses idiotas da objetividade não possuem neurônios, somente dinheiro e tanques de guerra!

  34. Eduardo, gostei muito do seu artigo e quero pedir licença para divulgá-lo no meu site sobre bullying., http://www.bullyingnaoebrincadeira.com.br

    Acho que chegou a hora de dar um basta na busca do bode expiatório, daqueles que erraram… Todos nós, cidadãos, temos a obrigação de ensinar e viver o tratamento com igualdade, a solidariedade e a compaixão, quando necessária.

    A meu ver a escola tem, sim, obrigação de educar. Os professores não podem se limitar à transmissão de conteúdos. Para isto, a internet pode até ser bem melhor. Precisam se revestir do papel de educadores já que trabalham num espaço de convivência entre pares privilegiado. Valores essenciais à vida em sociedade podem ser muito bem trabalhados na escola.

    Seu artigo com certeza servirá de reflexão para muitos.

    Obrigada e aguardo sua permissão!

  35. Não lembro que falou a frase: “Só se fala em entregar um mundo melhor para os nosso filhos, mas seria bom também entregar filhos melhores para o mundo”.

    É isso.

  36. O que fizemos foi muito mais alem de nao interferir quando os preconceitos se expressavam livrementes nas salas de jantar.
    O que fizemos foi uma perversao total do amor. O que fizemos foi aderir a cultura de teorias social, e antropologas que tem raizes mal plantadas. nao o fizemos conscientemente pois quem vendia era a televisao, e os moderninhos que se encantaram e oos encantaram com estas teorias falhas, sem muitos exemplos bem concretos para confirma las. A primeira ja vem de muito longe que e de raca. Caimos feito bobos na falsa percepcao que algumas celulas que definem cor de pele, e que estao ralacionadas as mudancas climaticas, como ponto de deliniacao da inteligencia, do amor, do carinho, do apoio, da solidariedade. Assim tiramos do “outro” a sua propria humanidade. Para cobreir este complexo adotamos a falsidade sempre nos declarando nao racistas enquanto mentivemos um povo orprimido, sofrendo, e ate os culpavam por sua propria miseria. Serivmos de exemplo a estes jovens. nao importa o que poderiamos ter dito, agiamos. Os da televisao cada dia tambem nos imponhe a ganancia disfarcada de ambicao, a arrogancia e falta de sensibilidade disfarcada de edisciplina.
    Compramos da televisao e da “educacao” que algumas pessoas ou grupos tinham mais direitos, mais privilegios, mais merecimentos do que seu semelhantes.
    Vamos as igrejas e templos fazer de conta que um ser divino que mata seu proprio filho no assassinato sadico, e semelhante a este conquista a humanidade com forca, castigo, intolerncia e total falta de qualaer logica ou senso, tem de ser aceito como um exemplo universal do amor, carinho compaixao etc. Andamos com estas e outras esquisofrenias sem desafios (religiao, ponto)
    Nossos filhos, la no fundinho nao creem em nos pois sabem que algo bem hipocrita, bem sem nexo vive em nos, sem maiores explicacoes.
    Entao eles viram os nazistas, comunistas, racistas, xenofogos, homofobicos que exitem dentro de nos e que nao confrontamos.
    nao e que estejamos errado tipo um pecado que merece punicao ou repressao. e que cometemos um enorme erro em nao confrontarmos nosso proprio interior e desconstruir, para depois reconstituir o que nos faz eralmente humanos, vuneraveis, terminais, sem muitas respostas, com inteligencia superior mais com uma idade emocional e moral que nao passa de 4 anos.

  37. Socorro, “ÌNDIO GAUDINO”?!?!?

    “O BRASIL PARA TODOS não passa na gLObo – O que passa na glObo é um braZil para TOLOS”

  38. O Brasil É divido entra ricos e pobres, se não fosse dividadido viveriamos muito melhor Sr. Décio! Essa divisão não foi construida agora, ela vem sendo executada há pelo menos 500 anos. Temos uma sociedade estratificada desde as capitanias hereditárias, onde foram exterminados os antigos habitantes, para tranferir toda a riqueza para a Europa. Papo antigo, fora de pauta, né não?? Então por que é que, depois que o Bob Field chegou ao poder, com suas grandes ideias, não resolveu o problema da fome, do desemprego, da infra estrtura (tão cobrada hoje pela “oposição”)? Não havia oposição que pudesse contra esses jenios de luz. Pelo contrário, jogaram o Brasil mais fundo na idade das trevas e, como cantava Cazuza, “transformaram o Brasil em um puteiro, pois assim se ganha mais dinheiro”. A respeito da crise estadunidense de 2008, eu diria roubo, e suas consequencias, Marx escreveu em O Capital (Tão bem lembrado pelo André Lux): “Os donos do capital vão estimular a classe trabalhadora a comprar bens caros, casas e tecnologia, fazendo-os dever cada vez mais, até que se torne insurpotável. O débito não pago levará os bancos à falência, que terão que ser nacionalizados pelo estado”. Quer maior fator de divisão em classes que esse? Onde os abasta(r)dos não cumprem as leis, não sofrem punição e ainda ficam dando risadas do Zé da Silva! A verdadeira luta de classes ainda não se iniciou e espero, sinceramente, que não se inicie, por isso quero mais e mais governos Lulas pelos próximos 50 anos.

  39. Onde estão as mães ?
    Em nome da necessidade, elas estão tirando empregos de pais. Muitas não precisam mas estão lá. Ocupando cargos de delegadas, policiais, motoristas , predreiras, etc.
    Elas são criaturas excelentes na educação, na saúde.
    O egoísmo está tomando conta e, muitas delas, mesmo já tendo uma vida confortável, abandonam os filhos e vão para a rua. Terceirizam os filhos com professores, professores de ballét, de karatê, com o motorista da van escolar, etc.
    Lí outro dia que 70% das traições ocorrem no ambiente de trabalho.
    Vejam a que nível desceram as mulheres.
    Que orgulho da minha mãe e da minha esposa.
    Mesmo tendo uma vida sem luxo, elas cumpriram seus deveres Celestiais.

  40. saudações camaradas….formidável esses seu movimento.

    sou de extrema direita.
    eu queria pode fazer parte desse seu movimento.
    me adicionem ai no e-mail [email protected]
    ME ADICIONEM AI

    valeu camaradas

  41. saudações camaradas….formidável esses seu movimento.

    sou de extrema direita.
    eu queria pode fazer parte desse seu movimento.
    me adicionem ai no e-mail [email protected]
    ME ADICIONEM AI

    valeu camaradas

  42. saudações camaradas….formidável esses seu movimento.

    sou de extrema direita.
    eu queria pode fazer parte desse seu movimento.
    me adicionem ai no e-mail [email protected]
    ME ADICIONEM AI

    valeu camaradas….

  43. saudações camaradas….formidável esses seu movimento.

    sou de extrema direita.
    eu queria pode fazer parte desse seu movimento.
    me adicionem ai no e-mail [email protected]

Trackbacks

  1. Tweets that mention Que fizemos com nossos filhos? | Blog da Cidadania -- Topsy.com
  2. Bacaroço » Blog Archive » Que fizemos com nossos filhos?
  3. Que fizemos com nossos filhos? | Bullying não é brincadeira
  4. Intolerância e Preconceito: Que fizemos com nossos filhos? artigo de Eduardo Guimarães | Portal EcoDebate

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.