A cor da tragédia no Rio

Sábado, fim da manhã, dou uma escapada do escritório. Fui trabalhar em um dia que costumo dedicar ao descanso porque precisava “preparar” a viagem de negócios que começo a fazer no dia seguinte.

Preciso almoçar. Café e cigarros, ininterruptamente – consumo um e outro sem perceber, quando trabalho ou escrevo –, fizeram-me cair a pressão.

O bar serve uma das feijoadas mais honestas da região da Vila Mariana. De carro, chego lá em 5 minutos.  Gasto mais cinco esperando pela comida e mais dez para comer. Antes da uma estarei de volta.

Meu escritório está na região há quase 15 anos. Vários conhecidos freqüentam o estabelecimento em que matarei a fome. Ao chegar lá, cumprimentam-me e me convidam a sentar à mesa repleta de garrafas de cerveja vazias.

Hesito. São pessoas que têm por costume fazer comentários que me desagradam. A educação, porém, fala mais alto e aceito. Encaro a turma que têm os olhos injetados pelo álcool.

Alguns dos homens, estando todos na mesma faixa etária que eu, mencionam a entrevista com Lula e começam a fazer piadinhas próprias da mentalidade política e ideológica que infesta a parte de São Paulo em que vivo.

Permaneço impassível e calado. Percebem que não estou achando graça. Um deles, menos grosseiro, resolve mudar de assunto:

— E o Rio, hein! Que tragédia!

Percebo que é outro tema que não vai prestar e me abstenho de comentários. Dedico-me à excelente batidinha de limão que servem ali.

Um outro decide escancarar a bocona: “Sabe qual é o problema do Rio?”. Percebendo que vem pedrada, mas já começando a me irritar, pergunto qual seria o “problema do Rio”.

— Pretos, cara. Notou que são todos pretos?

— Todos, quem, cara-pálida?

— Todos. Bandidos, moradores da região. Tudo preto. Esse é o problema do Rio.

Reflito, antes de responder. Ao menos em uma coisa esse demente tem razão: a tragédia carioca tem cor. Realmente, bandidos e população atingida por eles são negros em expressiva maioria. Então respondo:

— Mas a culpa não é deles, é sua. São racistas como você que fizeram com que mesmo depois de mais de um século do fim da escravidão os negros continuassem mergulhados nessa tragédia…

— Mas…

— Aqueles traficantes quase todos negros, um dia foram crianças que se inebriaram pelo poder que os bandidos exercem sobre essas comunidades.

A mesa com seis homens de meia idade fica em silêncio, perplexa com o que acabara de ouvir. Levanto-me, vou até o caixa, pago pela comida que não comi, subo no carro, sem me despedir de ninguém, e vou embora sem almoçar.

Já não havia mais fome.

Levo comigo, porém, uma certeza: a tragédia no Rio tem cor. Existe por conta dessa cor.

Aquelas populações, pela cor da pele, foram mantidas em guetos miseráveis, longe das preocupações dos setores exíguos e preconceituosos da sociedade que fingem que a culpa é dos governantes.

Tags: , , , , ,

197 Comentário

  1. Edu,
    valeu!
    Falou por todos nós, todos os cariocas e demais brasileiros que não suportam mais conviver com esse ódio por aí – de raça, de classe, de origem…
    Não sei se é verdade que a campanha da direita abriu as comportas e liberou geral pra gente desse tipo se sentir ‘corajosa’ e expressar o que já pensava e sentia, mas que parece que a coisa se acirrou, lá isso parece.
    abração!

  2. Eduardo Guimarães…
    Você nunca me surpreende.

  3. A esquerda carioca tem responsabilidade, sim, em todo este caos que virou o Rio de Janeiro. Os “esquerdistas” cariocas, como Gabeira, por exemplo, jamais subiram os morros e procuraram fazer um trabalho de conscientização da população. Ficaram enchendo a cara em botecos da zona sul, discutindo amenidades, enquanto o trafico prosperava. O unico que se preocupou de fato foi o Darcy Ribeiro, um homem pouco lembrado, que apostava na educação como forma de transformar a sociedade.

    • Paulo! gabeira de esquerda?? Faça me o favor! gabeira entrou na onda, era chik!!! e nada mais! gabeira aproveitou o momento! ainda bem que passou! e já vai tarde, muito tarde!!! A. S. Braga (setenta anos, muito bem vividos!!!) um abraço!!!

  4. Pelamordedeus CUMPADI

    Vc esta mal de BOTECO e de vizinhança, hein? ..e quem disse que este seu microcosmos do Paraiso e V.Mariana representa SP ?

    Primeiro, conversar com gente CEGA que consegue ver COR num drama econômico social como com as favelas e tráfico de drogas no RJ ? ..isso já não é mais perda de tempo, é insanidade mesmo daqueles camaradas ..e de quem os ouve

    Agora, debitar aquela realidade – como no teu caso – que nos é novidade recente à ESCRAVIDÃO ..aqui eu já acho que é caso de DESNUTRIÇÃO ..fome de conhecimento compreende? ..esta que nem feijoada cura

    Francamente camarada ..no século XIX o capitalismo era outro, o da Inglaterra ..a industrialização começava a mostrar suas garras ..o BRASIL era agrícola e sua população estava no campo ..nem republica éramos ainda ..o MUNDO praticamente não sabia o que era direito, ciência, medicina, leis trabalhistas, sindicatos etc

    Carro, moto, avião, energia elétrica quase nem existiam ..assim como a lampada, o radio etc

    Então, culpar nossos males de HOJE (males novos, que surgiram há 30 anos) à escravidão? ..depois de tanta coisa que nos aconteceu (inclusive a I e II guerra mundiais com suas pestes, guerras químicas e nucleares) ..melhor seria se você ..um cara que só tem boa intenção e fé (mas que titubeia com suas teses diante da realidade e da ciência) ..melhor seria VOCÊ ter culpado ADÃO, então .

    • Nossos males de hoje não começaram a 30 anos atras. Começaram quando centenas de milhares de escravos libertos, sem casa, sem trabalho, ficaram zoando por aí e foram obrigados a se estabelecer nos morros desprezados pelas elites…
      O segundo ponto da tragédia carioca é a mudaça da capital para Brasília, sem nenhuma programação. Vc já pensou uma cidade inteira ue vive ao redor e do governo, de repente se vê ófão de pai e mãe?
      A elite conseguiu sobreviver…mas a camada mais pobre, novamente subiu o morro…
      E o estado nunca esteve aí em cima…durante muitas décadas…Aí foi fácil para os traficantes se fazerem de
      Robin Hood…inclusive distribindo cestas básicas…
      Agora o estado começa a se impor…Mas não vai ser fácil, foram décadas de desgoverno…e além dos crimes ligados ao tráfico, existem os crimes comuns…é uma tarefa hercúlea, mas tenho fé que o primeiro passo foi dado…

      • amigo ..esqueça este papo de escravidão ..aquilo podia explicar muito, mas NÂO justifica mais nada,e faz tempo ..ainda mais depois de 120 anos

        NÓS estamos tão longe daquele fenômeno ..o mundo MUDOU tanto depois daquilo ..nós mesmos acabamos sendo e nos transformando em OUTROS ..inclusive, pelo modelo (industrialização, urbanização, concentração etc) acabamos fazendo de MILHÕES de outras vítimas, milhões até branquinhas

        O nosso problema não esta na escravidão ou em como se deu a abolição ..aliás, hoje, nem mesmo junto dos militares e da ditadura ..a verdade é que já tivémos muito tempo ..e pouco ou quase NADA fizemos

        ..verdade é que fomos e somos INCONSEQUENTES mesmo, só isso

        Aliás, sequer nosso problema esta na cara, na côr ou no racismo como apregoam alguns (racismo, que se diga, que não EXISTE no nosso país INSTITUCIONAL há décadas)

        O nosso problema esteve, esta e estará na falta de políticas públicas que não foram, não são e não serão tomadas a tempo ..por exemplo com a urbanização de favelas na razão direta de seu surgimento

        CHEGA de buscar no passado, em nome de vítimas e algozes mortos, justificativas para os nossos problemas, ou pras nossas desações

        Agora, quanto a se ser um início ..verdade ..mas só com LULA (pra ver como nossa SOCIEDADE é omissa e escolhe de outras prioridades pra perdermos tempo – tipo cota racial em detrimento da SOCIAL) ..só com LULA – O cara – esta ação levou 8 anos pra acontecer

        • O mundo sempre muda… mas as pessoas…. continuam as mesmas… vide desde antiguidade até os dias de hoje…. só a forma que muda….

    • Caro Romanelli, não me leve a mal, mas sendo do interior do Rio, só posso confirmar esta cor da pobreza. Não à toa, temos a máxima que no Brasil só vai para a cadeia preto, pobre e p*!
      E é fácil constatar que há sim uma minoria branca nos melhores bairros, tanto daqui de SP (onde moro há 15 anos) como na capital Carioca. Vá no Downtown, no Shopping Iguatemi, no Eldorado e verás entre os frequentadores e mesmo entre os funcionários das melhores lojas apenas brancos.
      Já na área de segurança e manutenção – sobretudo limpeza – encontrarás um maior número de negros. Será que seria esta uma preferência ou falta de oportunidades para alcançar outros empregos melhor remunerados?
      Aqui em SP meus filhos estudaram em um colégio no Itaim Bibi. Cerca de 5 ou 6 alunos negros ou mulatos. Recentemente, estivemos em um evento no Sacre Coeur promovido pela ginasta Luisa Parente: negros apenas de uma comunidade convidada para o evento.
      Se isso não é consequencia da escravidão, do que será?

      • Evidente que não tenho pq levá-lo a mal ..vc defende respeitosamente e diz o que pensa ..e eu, tento do mesmo

        Caro, é INEGÁVEL que preto, pobre e puta são os que mais se ferram neste país

        Mas pq ??? ..por eles serem PRETOS, ou por serem de maioria POBRE ?

        Nossas instituições dificultam o acesso e a isonomia nas oportunidades ao preto (em lei) ou o POBRE (nos critérios) ? ..então

        Claro que é por serem pobres ..pois repito, NÃO, NÃO existe qualquer crime de RACISMO que se denunciado neste país não seja punido ou que não cause consternação na AMPLA e absoluta maioria da Nação !!

        O resto, desculpe, é o mesmo que se tentar usar da mesma arma do racismo, pra se combater do racismo ..ou seja, se usar do fogo pra se combater do fogo

        e olha ..acredite, eu conheço centenas de pobres brancos que não estão sendo lembrados por nossos governos ..uma pena

        Não ..não se esqueça, tudo começou por eu ser contra a racificação que esta havendo na solução por nossas demandas sociais . .por eu ser absolutamente contra as COTAS RACIAIS ..estas que discriminam e que cometem dos mesmos pecados passados com necessitados DO PRESENTE ..hoje, não são os escravocratas que estão municiados de DOGMAS e de falsas verdades, somos nós, compreende?

        O PROBLEMA NO BRASIL é social ..econômico-social ..esta no modelo ..DERIVOU na GRANDE maioria do modelo econômico ..e assim deve ser diagnosticado e sanado ..A TODOS os necessitados, de todas as culturas e cores, indistintamente ..visando, acima de tudo, todo e qq cidadão

      • Não quero mudar o foco, falando de algo off-topic, mas se você é mesmo do interior do estado do Rio de Janeiro, deve saber que o correto não é dizer a “capital Carioca”, e sim a “capital Fluminense”.
        o termo “Carioca” se refere somente à cidade do Rio de Janeiro e os nascidos aqui. Quando se fala do Estado do Rio, de sua capital, serviços, características, etc, o termo correto é “Fluminense”, mesmo termo usado para os nascidos no estado, fora da capital.
        É a mesma diferença que existe entre os termos “Paulista”(estado) e “Paulistano”(cidade). Só quis esclarecer uma confusão muito comum, não criar polêmica ou ofender ninguém.

  5. Certíssimo.
    É só estudar com calma a verdadeira HISTÓRIA do Brasil para ver a crueldade que fizeram com os escravos.
    Sou do interior do Estado do Rio, branco de olhos azuis, e convivi desde criança com meninos negros nas escolas públicas onde estudei. A grande maioria morava nos morros de nossa cidade e iam descalços para a escola.
    Eu desde esse tempo queria ser simples como eles e, apesar de ter sapatos escolares, um dia fui descalço também. Quase não consegui chegar por causa das “pedrinhas” que encontrei pelo caminho, e acabei desistindo.
    Mais tarde, realizei outro sonho que era ter uma pasta escolar bem pequena, igual a de um colega pobre que sentava no banco ao meu lado. A minha pasta anterior era “normal”, ou seja, bem grande para os padrões da maioria das crianças pobres.
    Estou com 59 anos e guardei dentro de mim esse respeito pelos mais pobres. Hoje em dia, trabalhar em SP e ver todo esse preconceito que vejo aqui tem sido uma tortura.

  6. Melhor resposta não poderia ser dada. Vc mostrou a causa para os que só vêem os efeitos e acham que os efeitos são as causas. Parabéns.

  7. A tragédia do Rio tem cor

    Parabéns por seu comentário:
    “Mas a culpa não é deles, é sua. São racistas como você que fizeram com que mesmo depois de mais de um século do fim da escravidão os negros continuassem mergulhados nessa tragédia…
    – Mas…
    – Aqueles traficantes quase todos negros, um dia foram crianças que se inebriaram pelo poder que os bandidos exercem sobre essas comunidades.”
    Sem dúvida esses comentários não ntêm cor,pois só a luz permite cores e são todos incapazes de enxergarem a luz da alegria, da solidariedade, da amizade.São pessoas incapazes de perceberem os seres humanos e ,infelizmente educarão seus filhos com a mesma percepção do país em que vivem. Filhos que certamente reproduzirão por muitos anos o pensamento de segregação, preconceito e agressivo comportamento diante de nossas diferenças.
    O Rio tem cor sim: é multicolorido. tem luz, tem mar, tem verde, tem gente e uma gente miscigenado, lindo e alegre.
    PS: talvez um desses que “escurecem ” a vida, atacando os negros, tenha em sua casa um serviçal negro que limpa sua casa, cozinha, limpa sua sujeira externa. A interna é impossível!

  8. Propaganda de guerra

    Quem são os vilões nos combates cariocas? A imprensa corporativa simplifica-os no coletivo “traficantes”, suscitando mistificações embaraçosas. Vemos apreensões de sacos de maconha, pacotes de cocaína e até vidros de lança-perfume, o antiqüíssimo “loló”, como se pudessem, agora sim, desfalcar o imenso poder dos caubóis malvados.
    Quantos quilos de maconha são necessários para pagar um fuzil de última geração? Quantos alqueires de plantações de fumo dariam troco suficiente para financiar os arsenais e exércitos que enfrentam as forças públicas nas favelas? Quantos milhões de papelotes de pó deveriam ser vendidos, em boa cotação, para erguer fortalezas luxuosas? Alguém já fez essa conta?
    Se os “traficantes” dominam o crime organizado, onde estão os assaltantes de banco, os seqüestradores, os ladrões de carga, os contrabandistas, os falsificadores, os proxenetas, as quadrilhas de jogo ilegal, os exploradores de pedofilia, etc? Ah, entendi, eles não são estruturados nem equipados, tampouco dispõem de recursos ou armamento. E, claro, o empreendimento criminoso caracteriza-se pela ética da especialização: quem vende “tóchico” não se permite roubar.
    Por natureza, uma ação de combate dessa envergadura é permeável a todo tipo de sensacionalismo. Pode-se até discutir o caráter nocivo do discurso “mata e arrebenta” propagado pelo noticiário televisivo. Mas a insistência numa associação demagógica e irreal entre o banditismo e a droga não surgiu apenas de exigências didáticas. Há muito da ideologia retrógrada do filme “Tropa de Elite” nessa propaganda. Justamente quando a sociedade poderia questionar a estupidez proibicionista, a mídia contribui para sua apologia.

    http://www.guilherme.scalzilli.nom.br/

  9. No Rio a tragédia tem cor e tem limite geográfico também…. Passei minha infância na cidade e não tenho saudade… Senti muitas vezes a distinção praticada nem tanto pela cor da pele, pois as ‘morenas’ são bem aceitas, mas pelos que classificavam as pessoas pelo local de moradia …. ‘antes do túnel ou depois do túnel’.. No morro ou no asfalto….O fato é que o ser humano sempre encontra uma forma de classificar e excluir o outro …

  10. Excelente crônica. Estou publicando-a em meu site: http://www.romulogondim.com.br
    Saudações educacionais

  11. Sei o que vc. sente Edu. Aqui no Paraná também a gente se sente ilhado numa espécie de média luna. A televisão mostrou negros fugindo ou sendo presos, mas deu pouco destaque a uma quantidade maior de moradores também negros acuados e perdendo dias de trabalho por terem de ficar trancados em casa se protegendo das balas perdidas. Mostrou as toneladas de drogas apreendidas com os traficantes negros mas não mostrou o outro lado de uma mesma moeda, a infinidade de brancos filinhos de papai esperando em vão pela droga que não veio, para isso teriam que entrar nos ap’s de luxo e filmar a cara de bundão deles.

  12. Muito bom, Edu.
    Dá nojo e é difícil se segurar com certas pessoas.
    Tem gente que acha que a luz da estrela que vemos à noite foi emitida naquela mesma hora. Não sabe que ela saiu da estrela, às vezes, a milhares de anos, assim como a criminalidade não surgiu a “30 anos”. Tem uma raiz histórica.
    E precisa de um resgate histórico.

  13. Na minha opinião, das opiniões que li de diversos “bloqueiros sujos”, a tua leitura é perfeita .

  14. Valeu Eduardo! O Brasil vive um momento especial com o governo Lula e isso poderá ser ampliado com o governo Dilma, por isso devemos concentrar os esforços na contrução de uma sociedade mais justa e solidária. Precisamos da ajuda de todos, e nesse sentido os blogueiros, como você, exercem um papel fundamental nessa tarefa.

  15. Os maiores responsáveis pela tragédia carioca nem são os traficantes: são os usuários de drogas! São eles, os maconheiros, os cheiradores de cocaína e os fumadores de crack, quase sempre moradores do asfalto, que movimentam a engrenagem de violência do tráfico!

  16. Eduardo, quando encontrar com gente assim pergunte o seguinte: quem são os grandes consumidores de cocaina, maconha etc??? Eu ja respondo, na sua grande maioria são os filhinhos de papai, classe media, quase todos BRANCOS, BEM BRANQUINHOS!!!!! E pelas mais elementares leis que regem a ciencia economica, SÓ EXISTE A OFERTA PORQUE EXISTE A DEMANDA.

  17. Edu, você tem toda razão eles tem cor e classe social: pobres. Quando ví as imagens da Globo dos traficantes “pé de china” correndo feito loucos, pensei: isso vai dar m…. Vão falar que só podia ser pobre e preto. Bingo! Pra variar nossa mídia espalha preconceitos. Quando a tragédia não é contextualizada dá nisso! Mas rico não usa drogas e nem trafica, nê?

  18. Prezado Eduardo Guimarães, cada vez mais me identifico com você e, por isso, lhe digo o mesmo que repito para mim mesmo, nos momentos em que as coisas ficam mais difícieis, por alguma razão: força, porque a luta vale a pena, o objetivo é bom. Já houve dias piores e, pelo menos nestes últimos 8 anos, ganhamos alento. Parabéns pelo seu blog, leitura diária para os daqui de casa e que recomendo a todos, sempre que posso.

  19. Eu acho Eduardo que o vício e o dinheiro fácil estão levando muito menino de classe média também ao tráfico, você viu ontem o perfil dos rapazes que estavam sendo presos? A maioria não eram meninos negros com o corpinho franzino com cara de menor que viveu na miséria como antigamente, eram jovens com biotipo de garotos criados com Toddy, quase todos fortões.

  20. P/ Paulo Ribeiro,

    Vc realmente retratou a grande marioria do carioca da zona sul… Adora um botequim para falar de política, mas nao age em nada…É impressionante como eles “sabem tudo” de “políticas”e só reclamam…. Moro na zona sul mas não sou carioca, estou no rj há 10 anos, tendo antes disso morado no em SP e no Nordeste. Adoro o RJ mas essa gente não faz jus aonde vive.

  21. Pô Edu, desculpe mas fiquei puto. Eu esperando para vc descrever a delícia da feijoada e me aparece um bobalhão desses só para atrapalhar. São Paulo tem lugares com ótimas feijoadas. Eu não posso hoje mais comer minhas feijoadinhas nos finais de semana, mas adoro quando alguém descreve o ritual, a caipirinha ou batidinha, o paio, o toucinho, a carne, a linguiça. Vc tem muita paciência, sei não, acho que eu teria partido para a ignorância com um cretino desses. Mas, valeu. Depois dessa procure outro bar para suas feijoadas cara. Sucesso em sua viagem.

  22. O Romanelli (comentários das 08h46 e das 11h56) acha 120 anos um tempo tão longo que não enxerga os efeitos causados pela escravidão no Brasil.

    Não enxerga, Romanelli, por que não faz silêncio em seu pensamento enquanto observa a nossa realidade.

    A escravidão está do seu lado. Na empregada doméstica, no trabalhador sem qualificação, no flanelinha, no engraxate, no cobrador de ônibus, no lavador de carros, no ajudante de pedreiro, no lixeiro, no varredor de rua, enfim, a escravidão está na sua porta, no porteiro do prédio.

    Não venha se justificar com outras cores de pele fazendo as mesmas funções. Por gentileza, perceba nesses outros a mesma consequência advinda daquele período triste de nossa história.

    120 anos para uma nação é pouco tempo, Romanelli. É um piscar de olhos. E todas as novidades que você catalogou não representam nada, nenhum avanço, nenhuma oportunidade nova para TODAS as pessoas que ainda sofrem desse mal coletivo.
    Abra os olhos Romanelli. O Eduardo Guimarães uma vez mais acertou na mosca. Nós é que nos recusamos a aceitar essa realidade mórdida que afeta tantos brasileiros

    • Sergio

      NUNCA disse que a escravidão não deixou passivos ..aliás, tal qual CABRAL e os missionários o fizeram ..e Adão também

      O que afirmo é que já passou muito tempo, e àqueles ERROS somaram-se outros tantos que deixaram MUITO MAIS mortos indistintos pelo caminho ..como falei, a modelo ECONÔMICO é o principal deles (antes éramos 90% no campo, hoje somos 85% nas cidades, isso em 70 anos), as opções de desenvolvimento outra, a urbanização, o analfabetismo, as fatalidades, imprevidências e os grilhões históricos (a monocultura, a falta de tecnologia, a economia agrícola, a divida e crises de 73 e 78 etc), a corrupção, a omissão e descaso, o modelo político e tributário etc etc etc

      Aliás, falo mais, falo que quando dois homens na favela ..EU os vejo pobres e cidadãos alijados de seus anseios e direitos ..já o Eduardo os vê (quando acontece), ou sempre procura os ver, pela cor e matiz, pelo mais fácil ..pelo que ele apenas consegue enxergar

      Afinal ..se vc não é RACISTA, pq se pautar tanto pela cor então? ..muito esquisito este lado visto pelo foco psicológico, não?

      E se vc pensa que estas diferenças são conceituais e não fazem a diferença para a construção de políticas públicas e para se combater os estereótipos, eu digo, FAZ TODA e mais um pouco SIM

      Por exemplo, pra mim CEGOS são aqueles que não conseguem ver que o BRASIL não é um país institucionalmente racista, tipo Austrália, Africa do Sul e EUA até bem pouco (nós não temos leis de segregação e apartação, de beneficiar somente a uma etnia – EXCETO as cotas RACIAIS de princípios NAZISTAS – reparo histórico, vitimização, escolha de uns em detrimento de todos os de mesma situação, de fundamentos eugenistas e por aí vai) ..aqui, NOSSOS VALORES, de ampla maioria, já condenam o racismo expresso e criminalizam o ostensivo, ou não?

      Agora ..dar uma de poeta e pensar que acabaremos com o preconceito ..de uns contra outros, MAS TAMBÉM dos outros contra os uns (lembra da Daniela Mercuri barrada no OLODUN por ser branquinha? então, pq ninguém enquadrou os caras? ) ..isso, meu irmão, isso é pior que um sonho em uma noite de verão ..esquece

      Aliás, sabe o que não dá pra aguentar ..não dá pra aguentar análises rasas e generalistas que INSISTEM em diminuir os nossos predicados e aumentar, mais do que o devido, os nosso pecados

      seria isso um resquício da imagem de CÃO vira lata que fazemos de nós mesmos?

  23. E se mais alguém tiver dúvidas sobre nossa história e os reflexos da escravidão, leia o que se publicou no blog do Nassif:

    Por Antonio Orlando

    Nassif

    Um pouco de história. Isso vai ajudá-lo a conhecer a história do negro no Brasil.

    A comunidade da Vila Cruzeiro é reduto de ex escravos do Rio. Alijados da vida econômoca e social do país, os negros cariocas se refugiaram e formaram um quilombo.

    Quilombo

    Antes de se tornar favela, a Vila Cruzeiro era reconhecida como Quilombo da Penha, formado no final do século XIX – logo após a Abolição – nas vizinhanças da Igreja de Nossa Senhora da Penha, a quem pertencia as terras de uma fazenda doadas por seu proprietário à Irmandade católica. A formação do Quilombo deveu-se a atuação de um padre abolicionista e republicano. O Santuário foi visitado pela Princesa Isabel, 18 dias antes de proclamada a Lei Áurea.

    Já o ex-ministro chefe da SEPPIR, Edson Santos, eleito com os votos majoritários de negros dessas comunidades, preferiu ser mais cauteloso: optou pelo silêncio.

    Ffonte Afropress

    • Antes de ler seu comentario, eu ia escrever examente isto: que um pouco de historia faz bem, mesmo que seja na mesa de um bar. Mas… nem sempre a cervejinha vem acompanhada de um boa, honesta e inteligente conversa. A historia, ah! a historia diriam os mais embebedados isto é conversa para boi dormir e não para quem quer beber. Mas a origem das favelas é esta decrita por você e se hoje a maioria da população carioca favelada, não mudou sua cor predominante, também não conseguiu mudar o status de excluido social. O preconceito ampliou-se, além de favelado, é preto e traficante e se for mulher, é mulher, preta, favelada, traficante e se for um pouco mais velha, acrescente aos qualificativos o idosa ou velha.

  24. Até parece que agora é que se tem noticias da pressão diária que vivem as pessoas nas favelas. Que hipocrisia. Bastou descer o asfalto pra todo mundo apoiar a intervenção das forças armadas. Décadas de dominio do tráfico e como que por encanto, o poder público e a sociedade do asfalto descobrem que existem vidas nas favelas…É de desanimar…

  25. http://www.youtube.com/watch?v=EIb8CQ4tZwM

    Este vídeo onde um morador de cor negra acusa a polícia de ter-lhe roubado 31 mil reais, fruto de uma rescisão de contrato de trabalho, açguém tem maiores dados
    ?
    Peguei este vídeo no Luis Nassif, numa postagem sobre a Vila Cruzeiro, que já foi um Quilombo

  26. Edu,está ficando mesmo complicado depois que a caixa de Pandora foi aberta.Acabei de receber um email sobre a Independência do sul/suldeste…O que havia de píor no ser Humano está explodindo…Sinto pena…Sinto pena pela falta de informaçaõ…sinto pena pela descrença (foi roubada a esperança )…sinto pena que ao longo dos anos o espírito crítico foi substituido pelo som do berrante…sinto pena das mães de maio,que até hoje naõ sabem porque seus filhos morreram?Quem disse que justiça se faz acobertando os erros?Quem disse que Sampa é uma ilha de isenta de drogas ou de narcotraficantes?Quem disse que olhos azuis,naõ escondem um pé na senzala?Mas´píor é que roubaram a capacidade de reaçaõ,a capacidade de tolerar,a capacidade de enxergar o outro,isso nós devemos ao pig…Aos políticos que esquecem o público e só olham para o lado pessoal…a lei de Gerson…a hipocrísia que se tornou as relações humanas…e que todos nós deixamos,ao nos nivelarmos por baixo.Ao permitir ou nos omitirmos de denúnciar pequenos erros,pequenas escorregadas pessoais ou de homens públicos.Fomos pela inércia e geramos um monstro.Naõ acho mais que existe cor no Rio…ela já foi generalizada.Agora começa o trabalho de reconstruir…Os blos sujos vaõ ter um papel importante prá retirar a venda dos nossos olhos e do restante da populaçaõ.Saúde e Paz.

  27. Parabéns pela abordagem! Que os racistas neste país sejam sumariamente silenciados!

    Em contrapartida, sou totalmente favorável a esta operação policial – por mais que isto lembre o golpe militar e fartamente divulgada e apoiada por nossos inimigos midiáticos! Afinal de contas, se a tragédia carioca tem cor, chegou a hora deste governo progressista que tanto apoiamos e referendamos nas urnas, dar um fim à barbárie do narcotráfico, libertando o povo de fato, e que a alegria e criatividade do negro carioca seja cada vez mais evidente, ter o prazer de ver um samba de roda – e até um baile funk – lá no quilombo da Vila Cruzeiro. Além de acabarmos de uma vez por todas com o consumo de entorpecentes!

  28. Caro Eduardo:

    Deixo aqui meus parabéns pela pergunta e solução apresentadas ao presidente Lula em sua fala na entrevista histórica.

    Falaste por mim!

    Rio sai na frente…mas e SP???

    http://mastrandea.blogspot.com/2010/11/sao-paulo-tem-paz-que-queria.html

  29. Para mim esta conversa é fake para produzir pano de fundo para sua argumentação.

    Se não for fake então lamento sua insensibilidade de escolher amigos.

    Neste caso, bem feito

    • Começo a ficar preocupado com a sua capacidade de interpretação de textos

      • Não fique preocupado. O Cido Araujo deve ter enviado a vc tb o artigo “Obesidade mental” que eu renomei de Indigência mental. Infelizmente a preguiça de pensar e não a capacidade de entender, faz o incapacitado de interpretar. Se vc oivusse o que ouvi durante a campanha eleitoral dos indigentes mentais que apenas repetiam o que ouviram vc ficaria muito píor.

  30. Edu, estou ficando preocupado! Meus comentários não estão aparecendo por aqui! O que acontece, estou sendo censurado? Sou persona non grata? Por favor, me oriente! Caso contrário, passo mão na moxila e me mando! Um abraço A, S. Braga PS Acabei de responder ao Paulo Ribeiro e minha resposta simplesmente sumiu!!! Não é a primeira!!!

  31. Não vislumbrou na tez dos de meia idade racistas um pézinho na cozinha como o de FHC?

  32. “– Todos. Bandidos, moradores da região. Tudo preto. Esse é o problema do Rio.”

    Como os brancos conseguem viver, serem felizes e dormir diante de um apartheid tão intenso?

    Democracia racial é isso, querido. Cada uma na sua hora, cada um no seu lugar.

  33. Menino, é melhor mudar de restaurante já que não dá pra mudar os frequentadores. Ou então pedir um marmitex e comer em casa. Pô, ninguém merece topar com um mala desses em pleno almoço, mas vc foi o culpado: tinha que aceitar o convite? Vê se na próxima vez encara e decline, é mais fácil e não dá gastrite.

  34. EDU E BLOGNAUTAS

    Tá no Convresa Afiada:

    Morador é roubado em R$ 31 mil após ter casa arrombada na Vila Cruzeiro – Rio
    http://www.youtube.com/watch?v=iQSMxV-IBYE&feature=player_embedded

  35. O problema do Rio é o mesmo de São Paulo: os barões do pó não moram nas periferias do tráfico e são brancos.
    E o branco deles deve ser translúcido a ponto de lhes conferir invisibilidade, porque estão sempre a salvo.
    Eduardo, essa tua alma ávida por justiça e a serviço do Bem precisa sossegar ao menos na hora da feijoada.
    Não permita que imbeciloides racistas te incomodem a esse ponto. Enxergam tudo preto porque vivem na escuridão mental, onde a luz não penetra.

  36. A cara doblog ficou otima!

  37. Nada que é humano me é estranho.

  38. Parabéns pela resposta ao fascista de merda! Já discuti com muitos dessa laia! Quanto ao Rio, de fato, os cariocas que são vitimados pelo crime organizado(e pela violência que chegou a níveis de guerra, exatamente por querer resolver de forma imediata um problema resultante de anos de descaso e abandono)são os pretos, confinados na miséria das favelas por uma Sociedade rascista, que largou-os à própria sorte, sem qualquier apôio do estado, após serem “libertos” da escravidão oficial, mas mantidos encarcerados pela ignorância e pela falta de oportunidades a que essa mesma Sociedade fez, e ainda faz em muito de seus segmentos, questão de mantê-los atrelados, não propiciando-lhes condições de libertarem-se da precariedade que o escravismo lhes impôs. Como também são pretos os paulistas, habitantes das favelas de São Paulo, vitimados pelo PCC(versão paulista do crime organizado carioca), o qual é escondido pela mídia tucana, mas continua atuando no tráfico de drogas em seu estado e controlando as favelas. Como também são pretos os habitantes das favelas e periferias de todos os 26 estados do Brasil, cuja maioria, se ainda não atingiu o nível do caos criminal do Rio e de São Paulo, nem por isso deixa de ter sua população negra e pobre menos desassistida e menos expostas à marginalidade e à exclusão, resultados nefastos de uma ordem social racista, que começa a ser desmantelada com a construção de um novo modelo social(iniciada por Lula e que será aprofundada por Dilma), mas que ainda mantém-se intacta em vários aspectos, e não apenas nos econômicos-institucionais, mas também na “visão” de animais como esse com quem você perdeu tempo no restaurante.

  39. (honomatopéia) clap, clap, clap!!!

  40. hungry kabanek maryland convinced intersection pornhub accounts pornhub dogs woozy pop chin porn hub Unknown Let the past and its bad habits be done with. pornhub contest Guatama Buddha You yourself, as much as anybody in the entire universe, deserve your love and affection.

  41. Pois é o problema esta sendo encarrado de frente pelo governo Lula e será aprofundado no governo Dilma, parabéns ao governo federal, parabéns ao Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiiro, ao prefeito Eduardo Paes e suas equipes de governos, parabéns aos bons policiais civis e militares, parabéns aos bons militares das forças armadas. É assim como muita garra e fé que iremos combater esta doença cronica da violência, o Rio de Janeiro é a cidade mais linda do mundo, tem o direito de ser a mais feliz de todas, com sua população passando a ter uma melhor qualidade de vida, vida digna, com cidadania, creio que se pode chegar lá e vamos chegar a um Rio de Paz, harmonia e felicidade para todas e todos. Um feliz Natal e que todos os dias de agora por diante sejam dias de natal, de felicidade e paz.

  42. Nosso problema está no descaso.
    Porque para muitos aqui no Brasil, um “preto” a menos é melhor do que um “preto” a mais.
    No mais, é impossível não fazer ligação das favelas com a escravidão brasileira (abolida superficialmente).
    120 anos não é nada. Minhas avó e bisavó estão aqui cheias de histórias para quem quizer ouvir

    Abraços

  43. Muitos programas do rádio e televisão estão fazendo a cobertura dessa catástrofe climática. Comentários pertinentes estão sendo feitos, análises sobre a ocupação do solo desordenada, crescimento das cidades, moradias em áreas de risco. Mas apenas um, que eu tenha percebido, ressaltou que pela quantidade de chuvas que caíram não existiria cidade que suportasse, sem que houvesse vítimas. Foi uma catástrofe climática. Contra as forças da natureza ainda somos pequenos e frágeis. Esse único que ressaltou a enorme quantidadede de chuva, sem precedentes, foi o Coronel Roberto Robadey, Coordenador da Defesa Civil de Nova Friburgo, registrando a informação de 300 mm de chuva em cerca de 36 horas.
    Nós assistimos, mês a mês, semelhantes tragédias mesmo em países desenvolvidos. Na Austrália , há dez dias atrás chuvas fortes inundaram vastas regiões daquele desenvolvido país, deixando muitos mortos. Nem os Estados Unidos escapam das forças da natureza , basta lembrar de New Orleans e o Furacão Katrina.
    O número de vítimas é de cerca de 500. Deve ser a maior tragédia climática já ocorrida no Brasil.
    Podemos trabalhar , e devemos, para diminuir o risco desses fenômenos, mas simplesmente evitá-los ainda não está ao nosso, humano, alcance.
    Newton Almeida http://limpezariomeriti.blogspot.com
    MEIO AMBIENTE RIO DE JANEIRO

  44. A cor, o preconceito, isso tudo é muito forte, mas o que realmente mina qualquer reação, qualquer atitude, qualquer progresso é o paternalismo, Esse “ajudar” que traz superioridade e dependê eternas. Mitiga o suficiente para cercear a revolta.

  45. O branco aprendeu às duras penas que deve ser o salvador de si mesmo,vc não vê gente ajudando caucasiano,não é verdade?Tem um bando de caipiras caucasianos trabalhando exaustivamente nas roças no interior do Brasil,e morrendo,exauridos pelo sol,pela comida pouca,em suas pequenas propriedades rurais,morando em casebres de madeira…Enquanto os negros esperaram ser ajudados,choram o “leite derramado”,vivem do “se”,e todos nós sabemos que “se” não joga…Vivem de: se a escravidão não tivesse acontecido,se isso e aquilo…
    Nordestino com “uma mão na frente e outra atrás”vem pro Rio,e depois de alguns anos(em épocas de economia em expansão),ou gerações(em épocas de retração) viram donos,empresários,comerciantes…Por que será?

Trackbacks

  1. Tweets that mention A cor da tragédia no Rio | Blog da Cidadania -- Topsy.com
  2. A cor da tragédia no Rio, por Eduardo Guimarães | Consciencia.blog.br

Leave a Response

Please note: comment moderation is enabled and may delay your comment. There is no need to resubmit your comment.